Trabalho de Projeto de Fábricas – Método da Demanda Direcional

270 visualizações

Publicada em

Apresentação feita ao curso de Projeto de Fábricas da Universidade Federal de Ouro Preto. O intuito dessa breve apresentação foi a aplicação do Método da Demanda Direcional a um caso fictício. Os benefícios e as desvantagens do seu emprego também foram analisadas.

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
270
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de Projeto de Fábricas – Método da Demanda Direcional

  1. 1. Método da Sequência da Demanda Direcional Napauria Vale Lucas Faria
  2. 2. O Arranjo Físico
  3. 3. Princípios do Arranjo Físico
  4. 4. Alteração do Arranjo Físico • Obsolescência das Instalações • Redução dos Custos de Produção • Variação de Demanda • Condições Inseguras • Manuseio Excessivo • Variação do Espaço no Tempo • Entre outros…
  5. 5. ElaboraçãodeUmArranjoFísico Armazenamento Máquinas Mão de Obra
  6. 6. O Centro de Produção
  7. 7. O Centro de Produção Área p/ Equipamentos Processamentos Acesso p/ Manutenção
  8. 8. MétododaSequênciadaDemandaDirecional Proposto por Peter C. Noy em 1957
  9. 9. MétododaSequênciadaDemandaDirecional Proposto por Peter C. Noy em 1957 Consiste em: • determinar p/ cada produto ou serviço a sequência de operação e quantidade de transporte, área necessária; para cada unidade de tabalho; • elaborar uma tabela de sequência; • determinar a posição média dos centros de trabalho; • elaborar a proposta de layout com os resultados de forma crescente.
  10. 10. ProduçãocaseiradeovosdePáscoa P1 P2Recheio de Trufa Cobertura de Trufa
  11. 11. Sequência de Etapas • Etapa A: Derreter e Temperar Chocolate; • Etapa B: Colocar Chocolate nas fôrmas; • Etapa C: Resfriar; • Etapa D: Trufar; • Etapa E: Resfriar Novamente; • Etapa F: Desenformar; • Etapa G: Embalar Sequência do P1: A – B – C – D – E – F – G Sequência do P2: A – B – C – F – D – E – G
  12. 12. PRODUTO ROTEIRO QUANTIDADE TRANSPORTADA P1 A–B–C– D–E–F–G 5 P2 A–B–C– F–D–E–G 3
  13. 13. CENTRO / ÁREA 1 2 3 4 5 6 7 TOTAL A 8 8 B 8 8 C 8 8 D 5 3 8 E 5 3 8 F 3 5 8 G 8 8 PMA = 8 * 1 / 8 = 1 PMB = 8 * 2 / 8 = 2 PMC = 8 * 3 / 8 = 3 PMD = (5 * 4 + 3 * 5) / 8 = 4,37 PME = (5 * 5 + 3 * 6) / 8 = 5,37 PMF = (3 * 4 + 5 * 6) / 8 = 5,25 PMG = 8 * 7/ 8 = 7
  14. 14. PMA = 1 PMB = 2 PMC = 3 PMD = 4,375 PME = 5,375 PMF = 5,250 PMG = 7 ! Sequência Ótima A – B – C – D – F – E – G
  15. 15. Desvantagens… Método antigo – existem novas práticas Caso existam muitas etapas distintas entre produtos Muitas etapas distintas entre produtos

×