SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
Mar de setembro




 Tudo era claro:
céu, lábios, areias.
                                  Ilustração de Cathy Delanssay
O mar estava perto,
          fremente de espumas.
             Corpos ou ondas:
             iam, vinham, iam,
             dóceis, leves - só
             ritmo e brancura.
              Felizes, cantam;
            serenos, dormem;
             despertos, amam,
            exaltam o silêncio.
              Tudo era claro,
               jovem, alado.
           O mar estava perto.
           Puríssimo. Doirado.

     Eugénio de Andrade, in Mar de Setembro
O sol o muro o mar




                   Ilustração de Brenda Montes




No quadrado aberto da janela o mar cintila coberto de
escamas e brilhos como na infância.
O mar ergue o seu radioso sorrir de estátua arcaica.
Toda a luz se azula.
Reconhecemos nossa inata alegria: a evidência do lugar
sagrado.


                            Sophia de Mello Breyner Andresen, in Ilhas
Do lado do verão




                       Ilustração de Liu Ye




Vinha do sul ou de um verso de Homero.
Como dormir, depois de ter ouvido
o mar o mar o mar na sua boca?


           Eugénio de Andrade, in O outro nome da terra
Soneto de Eurydice


Eurydice perdida que no cheiro
E nas vozes do mar procura Orpheu:
Ausência que povoa terra e céu
E cobre de silêncio o mundo inteiro.


Assim bebi manhãs de nevoeiro
E deixei de estar viva e de ser eu                Ilustração de Alice Guicciardi

Em procura de um rosto que era o meu
O meu rosto secreto e verdadeiro.


Porém nem nas marés, nem na miragem
Eu te encontrei. Erguia-se somente
O rosto liso e puro da paisagem.


E devagar tornei-me transparente
Como morte nascida à tua imagem
E no mundo perdida esterilmente.


                 Sophia de Melo Breyner Andresen, in No Tempo dividido
Inscrição




                   Ilustração de Jeffrey Larson




Quando eu morrer voltarei para buscar
Os instantes que não vivi junto do mar



                Sophia de Mello Breyner Andresen
Como o rumor




                        Ilustração de Maki Hino




Como o rumor do mar dentro de um búzio
O divino sussurra no universo
Algo emerge: primordial projecto.


        Sophia de Mello Breyner Andresen, in O Nome das coisas
Amar




                 Ilustração de Sigrid Martinez




Bastava-nos amar. E não bastava o mar.


                       Joaquim Pessoa
Na praia




                 Ilustração de Angela Morgan




Raça de marinheiros que outra coisa vos chamar
senhoras que com tanta dignidade
à hora que o calor mais apertar
coroadas de graça e majestade
entrais pela água dentro e fazeis chichi no mar?



        Ruy Belo, "Verão", in Todos os Poemas, Assírio & Alvim
Lua




              Ilustração de Victor Nizovtsev




       Entre a terra e os astros, flor intensa.


          Nascida do silêncio, a lua cheia


       Dá vertigens ao mar e azula a areia,


      E a terra segue-a em êxtases suspensa.



                                  Sophia de Mello Breyner Andresen
Mala de viagem



Começa por guardar um sonho dourado
pelo sol, por onde corra o vento mais quente; põe
sobre ele o silêncio que acompanha o desejo
dos amantes, limpando-o das sombras
do inverno; protege-os com a negra foice
do destino, de lâmina embainhada na geada
matinal, cujo brilho anuncia já o céu
do meio-dia. Esvazia o búzio da madrugada
do seu recheio de amor, para que se possa ouvir
o mar sem o eco nocturno dos porões. Por
cima, põe as conchas do oráculo de rosto
apagado pelo degelo das estrelas. Lembra-te
que a casa que vais deixar não pode ficar
fechada; e que a chave do sono ficou entre
os seios nus da memória. Só assim
terás um rumo, e de cada vez que chegares
a mala estará pronta para a viagem.


Nuno Júdice, in Fórmulas de uma luz inexplicável




Ilustração de Шлыков Геннадий- Gennady
Ilustração de Mariana Kalacheva




Atravessara o verão para te ver
dormir, e trazia doutros lugares
um sol de trigo na pupila;
às vezes a luz demora-se
em mãos fatigadas; não sei em qual
de nós explodiu uma súbita
juventude, ou cantava:
era mais fresco o ar.
Quem canta no verão espera ver o mar.




                              Eugénio de Andrade, in O Peso da Sombra
Apenas um rumor




 Ilustração de Vincent Gibeaux




E no teu rosto aberto sobre o mar


cada palavra era apenas o rumor


de um bando de gaivotas a passar.




              Eugénio de Andrade, in Os Amantes do dinheiro
Ilustração de Mariana Kalacheva




Rapariga descalça




          Chove. Uma rapariga desce a rua.
          Os seus pés descalços são formosos.
          São formosos e leves: o corpo alto
          parte dali, e nunca se desprende.


          A chuva em abril tem o sabor do sol:
          cada gota recente canta na folhagem.
          O dia é um jogo inocente de luzes,
          de crianças ou beijos, de fragatas.


          Uma gaivota passa nos meus olhos.
          E a rapariga – os seus formosos pés –
          canta, corre, voa, é brisa, ao ver
          o mar tão próximo e tão branco.



                                      Eugénio de Andrade
A Figueira




                       Ilustração de Eugenia Gapchinska




Não tenho mãos para o azul.
Sonho com o mar
que não está longe mas não vejo
arder.
Só a sombra parece estar em casa
debaixo dos meus ramos:
canta baixinho enquanto se descalça.

         Eugénio de Andrade, in Com o sol em cada sílaba
Ilustração de Quentin Gréban




Mar sonoro



       Mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim,
      A tua beleza aumenta quando estamos sós
             E tão fundo intimamente a tua voz
      Segue o mais secreto bailar do meu sonho,
        Que momentos há em que eu suponho
        Seres um milagre criado só para mim.


         Sophia de Mello Breyner Andresen, in Dia do Mar
As ondas quebravam uma a uma

Eu estava só com a areia e com a espuma

Do mar que cantava só para mim.



          Sophia de Mello Breyner Andresen, in Dia do Mar




                    Ilustração de Jeffrey Larson
Praia




                  Ilustração de Anton Gorcevich



Os pinheiros gemem quando passa o vento
O sol bate no chão e as pedras ardem.


Longe caminham os deuses fantásticos do mar
Brancos de sal e brilhantes como peixes.


Pássaros selvagens de repente,
Atirados contra a luz como pedradas,
Sobem e morrem no céu verticalmente
E o seu corpo é tomado nos espaços.


As ondas marram quebrando contra a luz
A sua fronte ornada de colunas.


E uma antiquíssima nostalgia de ser mastro
Baloiça nos pinheiros.
Dormem na praia os barcos pescadores
Imóveis mas abrindo
Os seus olhos de estátua


E a curva do seu bico
Rói a solidão.

           Sophia de Mello Breyner Andresen, in Coral (1950)
Ilustrações de Roel Obemio




Pescador da barca bela



Pescador da barca bela,
Onde vais pescar com ela,
Que é tão bela,
Oh pescador?


Não vês que a última estrela
No céu nublado se vela?
Colhe a vela,
Oh pescador!
Deita o lanço com cautela,
Que a sereia canta bela...
Mas cautela,
Oh pescador!


Não se enrede a rede nela,
Que perdido é remo e vela
Só de vê-la,
Oh pescador!


Pescador da barca bela,
Ainda é tempo, foge dela,
Foge dela,
Oh pescador!

                             Almeida Garrett
Ilustração de

                                              Mariana Kalackeva




O mar. O mar novamente à minha porta.
Vi-o pela primeira vez nos olhos
de minha mãe, onda após onda,
perfeito e calmo, depois,


contra falésias, já sem bridas.
Com ele nos braços, quanta,
quanta noite dormira,
ou ficara acordado ouvindo


seu coração de vidro bater no escuro,
até a estrela do pastor
atravessar a noite talhada a pique
sobre o meu peito.


Este mar, que de tão longe me chama,
que levou na ressaca, além dos meus navios?
                             Eugénio de Andrade, in Branco no branco
Fundo do mar


No fundo do mar há brancos pavores
Onde as plantas são animais
E os animais são flores.


Mundo silencioso que não atinge
A agitação das ondas.
Abrem-se rindo conchas
redondas,
Baloiça o cavalo-marinho.
Um polvo avança
No desalinho
Dos seus mil braços,
Uma flor dança,
Sem ruídos vibram os espaços.
Sobre a areia o tempo poisa

Leve como um lenço.
                                                Ilustração de Ani Castillo


Mas por mais bela que seja cada
coisa
Tem um monstro em si suspenso.


                            Sophia de Mello Breyner Andresen, in Mar
Foi no mar que aprendi




Foi no mar que aprendi o gosto da forma bela
Ao olhar sem fim o sucessivo
Inchar e desabar da vaga
A bela curva luzidia do seu dorso
O longo espraiar das mãos de espuma


Por isso nos museus da Grécia antiga
Olhando estátuas frisos e colunas
Sempre me aclaro mais leve e mais viva
E respiro melhor como na praia



      Sophia de Mello Breyner Andresen, in O Búzio de Cós e outros poemas
Praia




                                    Ilustração de Adrienne Trafford




Na luz oscilam os múltiplos navios
Caminho ao longo dos oceanos frios

As ondas desenrolam os seus braços
E brancas tombam de bruços

A praia é longa e lisa sob o vento
Saturada de espaços e maresia

E para trás fica o murmúrio
Das ondas enroladas como búzios.



        Sophia de Mello Breyner Andresen, in No Tempo Dividido (1954)
As meninas


as minhas filhas nadam. a mais nova
leva nos braços bóias pequeninas,
a outra dá um salto e põe à prova
o corpo esguio, as longas pernas finas:


entre risadas como serpentinas,
vai como a formosinha numa trova,
salta a pés juntos, dedos nas narinas,
e emerge ao sol que o seu cabelo escova.


a água tem a pele azul-turquesa
e brilhos e salpicos, e mergulham
feitas pura alegria incandescente.


e ficam, de ternura e de surpresa,
nas toalhas de cor em que se embrulham,
ninfinhas sobre a relva, de repente.


       Vasco Graça Moura




         Ilustração de Arthur de Pins
Cena bíblica

No meio da praia deserta, uma baleia morta. O céu
estava cinzento. As ondas rebentavam em brancas
explosões. Dois ou três pescadores, e outras tantas
crianças, andavam à volta da baleia, tapando o nariz.
Nada a fazer por ela. Mas o vento levava o cheiro
para longe, e ao aproximar-me perguntava-me se
não seria de a abrir e ver se, por acaso, não haveria
um jonas no seu ventre. O pescador mais velho
afastou-me: «E se ali estivesse alguém, o que
teria para nos dizer?» Não soube o que responder:
que mensagens de um deus antiquíssimo? Que
recordações de um tempo de guerras e desastres?
Que memórias da mulher amada, de quem não
restam ossos nem imagens? No dia seguinte,
com um tractor, a baleia foi enterrada bem fundo,
numa cova ao seu tamanho. Dizem que nenhuma
planta cresceu ali, desde então. E ainda hoje me
arrependo de não ter ouvido o apelo de jonas,
e de não o ter tirado do ventre da baleia.


                       Nuno Júdice, in Fórmulas de uma luz inexplicável




                      Ilustração de Carmen Arvizu
estou deitado sobre a minha ausência,

como poderia estar deitado se existisse.

amanhã as ondas imitar-me-ão na praia.



             José Luís Peixoto, in A Criança em Ruínas




                 Ilustração de Svjetlan Junakovic
Ilustração de Kristyna Litten




Tal como nós temos coração, intestinos, rins, fígado…



…o mar tem peixes.



                  Afonso Cruz, “2 de Julho”, in O livro do ano, Alfaguara

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Limpa Palavras
O Limpa PalavrasO Limpa Palavras
O Limpa Palavrascplse
 
A liberdade o que é? José Jorge Letria
A liberdade o que é? José Jorge LetriaA liberdade o que é? José Jorge Letria
A liberdade o que é? José Jorge LetriaM José Buenavida
 
Biografia de sophia de mello breyner
Biografia de sophia de mello breynerBiografia de sophia de mello breyner
Biografia de sophia de mello breynerbloggerfph
 
Fernando Pessoa Ortónimo
Fernando Pessoa OrtónimoFernando Pessoa Ortónimo
Fernando Pessoa OrtónimoBruno Pinto
 
Quinta amizade
Quinta amizadeQuinta amizade
Quinta amizadehome
 
O Menino Maluquinho
O Menino MaluquinhoO Menino Maluquinho
O Menino Maluquinhoguest3cb79f
 
Hist+¦ria de uma gaivota e do gato que
Hist+¦ria de uma gaivota e do gato queHist+¦ria de uma gaivota e do gato que
Hist+¦ria de uma gaivota e do gato queTeresa Maia
 
Adivinha Quanto Eu Te Amo
Adivinha Quanto Eu Te AmoAdivinha Quanto Eu Te Amo
Adivinha Quanto Eu Te Amomiriam catao
 
Aula de Literatura Ocidental - Emily Bronte
Aula de Literatura Ocidental - Emily BronteAula de Literatura Ocidental - Emily Bronte
Aula de Literatura Ocidental - Emily Brontevinivs
 
Biografia Ricardo reis
Biografia Ricardo reisBiografia Ricardo reis
Biografia Ricardo reisFagner Aquino
 
Lengalengas
LengalengasLengalengas
LengalengasTC2S
 
"Comprar, comprar, comprar" de Luísa Ducla Soares
"Comprar, comprar, comprar" de Luísa Ducla Soares"Comprar, comprar, comprar" de Luísa Ducla Soares
"Comprar, comprar, comprar" de Luísa Ducla SoaresCentral Didática
 

Mais procurados (20)

Ler o mar
Ler o marLer o mar
Ler o mar
 
O Limpa Palavras
O Limpa PalavrasO Limpa Palavras
O Limpa Palavras
 
A liberdade o que é? José Jorge Letria
A liberdade o que é? José Jorge LetriaA liberdade o que é? José Jorge Letria
A liberdade o que é? José Jorge Letria
 
Biografia de sophia de mello breyner
Biografia de sophia de mello breynerBiografia de sophia de mello breyner
Biografia de sophia de mello breyner
 
Fernando Pessoa Ortónimo
Fernando Pessoa OrtónimoFernando Pessoa Ortónimo
Fernando Pessoa Ortónimo
 
Quinta amizade
Quinta amizadeQuinta amizade
Quinta amizade
 
O Principezinho
O PrincipezinhoO Principezinho
O Principezinho
 
O Menino Maluquinho
O Menino MaluquinhoO Menino Maluquinho
O Menino Maluquinho
 
Rapunzel
RapunzelRapunzel
Rapunzel
 
Hist+¦ria de uma gaivota e do gato que
Hist+¦ria de uma gaivota e do gato queHist+¦ria de uma gaivota e do gato que
Hist+¦ria de uma gaivota e do gato que
 
Tchau
TchauTchau
Tchau
 
Adivinha Quanto Eu Te Amo
Adivinha Quanto Eu Te AmoAdivinha Quanto Eu Te Amo
Adivinha Quanto Eu Te Amo
 
Lenços namorados
Lenços namoradosLenços namorados
Lenços namorados
 
Aula de Literatura Ocidental - Emily Bronte
Aula de Literatura Ocidental - Emily BronteAula de Literatura Ocidental - Emily Bronte
Aula de Literatura Ocidental - Emily Bronte
 
Biografia Ricardo reis
Biografia Ricardo reisBiografia Ricardo reis
Biografia Ricardo reis
 
Principezinho
PrincipezinhoPrincipezinho
Principezinho
 
Jose Saramago
Jose SaramagoJose Saramago
Jose Saramago
 
Lengalengas
LengalengasLengalengas
Lengalengas
 
A Ovelhinha
A OvelhinhaA Ovelhinha
A Ovelhinha
 
"Comprar, comprar, comprar" de Luísa Ducla Soares
"Comprar, comprar, comprar" de Luísa Ducla Soares"Comprar, comprar, comprar" de Luísa Ducla Soares
"Comprar, comprar, comprar" de Luísa Ducla Soares
 

Destaque

Poemas do mar
Poemas do marPoemas do mar
Poemas do marcruchinho
 
Projeto e.a. ano 16 pna
Projeto e.a. ano 16 pnaProjeto e.a. ano 16 pna
Projeto e.a. ano 16 pnaLicinio Borges
 
ATIVIDADE: À descoberta de Inês de Castro («Os Lusíadas»)
ATIVIDADE: À descoberta de Inês de Castro («Os Lusíadas»)ATIVIDADE: À descoberta de Inês de Castro («Os Lusíadas»)
ATIVIDADE: À descoberta de Inês de Castro («Os Lusíadas»)Licinio Borges
 
Poemes festivalciclesuperior
Poemes festivalciclesuperiorPoemes festivalciclesuperior
Poemes festivalciclesuperiorEscolaAlberich
 
A menina do mar
A menina do marA menina do mar
A menina do marbomjoaob2a
 
Família de palavras e área vocabular
Família de palavras e área vocabularFamília de palavras e área vocabular
Família de palavras e área vocabulargifamiliar
 
Poemas al mar alumnos 5º a
Poemas al mar  alumnos 5º aPoemas al mar  alumnos 5º a
Poemas al mar alumnos 5º aampatoba
 
Variáveis em investigação
Variáveis em investigaçãoVariáveis em investigação
Variáveis em investigaçãoMinvC
 
Gramatica familia.palavras
Gramatica familia.palavrasGramatica familia.palavras
Gramatica familia.palavrasProfessor
 
Mar poluído - Ficha de Língua Portuguesa - 2.º ano
Mar poluído - Ficha de Língua Portuguesa - 2.º anoMar poluído - Ficha de Língua Portuguesa - 2.º ano
Mar poluído - Ficha de Língua Portuguesa - 2.º anoProfcris 81
 
Cartaz familia de palavras
Cartaz familia de palavrasCartaz familia de palavras
Cartaz familia de palavrasaasf
 

Destaque (20)

Poemas do mar
Poemas do marPoemas do mar
Poemas do mar
 
Frases sobre o mar
Frases sobre o marFrases sobre o mar
Frases sobre o mar
 
Ondas do mar e pensamentos
Ondas do mar e pensamentosOndas do mar e pensamentos
Ondas do mar e pensamentos
 
Projeto e.a. ano 16 pna
Projeto e.a. ano 16 pnaProjeto e.a. ano 16 pna
Projeto e.a. ano 16 pna
 
O teclado 2
O teclado 2O teclado 2
O teclado 2
 
ATIVIDADE: À descoberta de Inês de Castro («Os Lusíadas»)
ATIVIDADE: À descoberta de Inês de Castro («Os Lusíadas»)ATIVIDADE: À descoberta de Inês de Castro («Os Lusíadas»)
ATIVIDADE: À descoberta de Inês de Castro («Os Lusíadas»)
 
Tese final
Tese finalTese final
Tese final
 
Poemes festivalciclesuperior
Poemes festivalciclesuperiorPoemes festivalciclesuperior
Poemes festivalciclesuperior
 
Área Vocabular de Mar
Área Vocabular de MarÁrea Vocabular de Mar
Área Vocabular de Mar
 
POEMAS CORTOS
POEMAS CORTOSPOEMAS CORTOS
POEMAS CORTOS
 
POEMAS CORTOS 2
POEMAS CORTOS 2POEMAS CORTOS 2
POEMAS CORTOS 2
 
A menina do mar
A menina do marA menina do mar
A menina do mar
 
SOL Y LUNA
SOL Y LUNASOL Y LUNA
SOL Y LUNA
 
POEMAS CORTOS 3
POEMAS CORTOS 3POEMAS CORTOS 3
POEMAS CORTOS 3
 
Família de palavras e área vocabular
Família de palavras e área vocabularFamília de palavras e área vocabular
Família de palavras e área vocabular
 
Poemas al mar alumnos 5º a
Poemas al mar  alumnos 5º aPoemas al mar  alumnos 5º a
Poemas al mar alumnos 5º a
 
Variáveis em investigação
Variáveis em investigaçãoVariáveis em investigação
Variáveis em investigação
 
Gramatica familia.palavras
Gramatica familia.palavrasGramatica familia.palavras
Gramatica familia.palavras
 
Mar poluído - Ficha de Língua Portuguesa - 2.º ano
Mar poluído - Ficha de Língua Portuguesa - 2.º anoMar poluído - Ficha de Língua Portuguesa - 2.º ano
Mar poluído - Ficha de Língua Portuguesa - 2.º ano
 
Cartaz familia de palavras
Cartaz familia de palavrasCartaz familia de palavras
Cartaz familia de palavras
 

Semelhante a Mar e poemas clássicos portugueses

Semana da leitura 2013 aescd
Semana da leitura 2013 aescdSemana da leitura 2013 aescd
Semana da leitura 2013 aescdcruchinho
 
Semana da leitura power point
Semana da leitura power pointSemana da leitura power point
Semana da leitura power pointCélia Almeida
 
Semana da leitura power point
Semana da leitura power pointSemana da leitura power point
Semana da leitura power pointCélia Almeida
 
Poemas votacao
Poemas votacaoPoemas votacao
Poemas votacaobearnoso
 
Mar e Poesia
Mar e PoesiaMar e Poesia
Mar e Poesiaguida04
 
Caderno digital de Literatura
Caderno digital de LiteraturaCaderno digital de Literatura
Caderno digital de Literaturadavidaaduarte
 
Antologia de Poesia
Antologia de PoesiaAntologia de Poesia
Antologia de PoesiaBiblioteia
 
Alexandre herculano a voz
Alexandre herculano   a vozAlexandre herculano   a voz
Alexandre herculano a vozTulipa Zoá
 
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBesaf Biblioteca
 
Semana da Poesia em Miranda do Corvo
Semana da Poesia  em Miranda do CorvoSemana da Poesia  em Miranda do Corvo
Semana da Poesia em Miranda do Corvocriscouceiro
 
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello BreynerIngrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello Breynerarqueomike
 

Semelhante a Mar e poemas clássicos portugueses (20)

Semana da leitura 2013 aescd
Semana da leitura 2013 aescdSemana da leitura 2013 aescd
Semana da leitura 2013 aescd
 
Semana da leitura power point
Semana da leitura power pointSemana da leitura power point
Semana da leitura power point
 
Semana da leitura power point
Semana da leitura power pointSemana da leitura power point
Semana da leitura power point
 
Maratona da leitura
Maratona da leituraMaratona da leitura
Maratona da leitura
 
Sophia e o mar
Sophia e o marSophia e o mar
Sophia e o mar
 
Poemas votacao
Poemas votacaoPoemas votacao
Poemas votacao
 
Mar e Poesia
Mar e PoesiaMar e Poesia
Mar e Poesia
 
O mar na poesia
O mar na poesiaO mar na poesia
O mar na poesia
 
O mar
O marO mar
O mar
 
Caderno digital de Literatura
Caderno digital de LiteraturaCaderno digital de Literatura
Caderno digital de Literatura
 
Capitao golfo
Capitao golfoCapitao golfo
Capitao golfo
 
Antologia de Poesia
Antologia de PoesiaAntologia de Poesia
Antologia de Poesia
 
Alexandre herculano a voz
Alexandre herculano   a vozAlexandre herculano   a voz
Alexandre herculano a voz
 
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
 
Semana da Poesia em Miranda do Corvo
Semana da Poesia  em Miranda do CorvoSemana da Poesia  em Miranda do Corvo
Semana da Poesia em Miranda do Corvo
 
Letras musicas coral
Letras musicas coralLetras musicas coral
Letras musicas coral
 
Poema da semana
Poema da semanaPoema da semana
Poema da semana
 
Poema da semana
Poema da semanaPoema da semana
Poema da semana
 
Saga
SagaSaga
Saga
 
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello BreynerIngrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
 

Mais de Licinio Borges

A Pesca em Mondim de Basto.pdf
A Pesca em Mondim de Basto.pdfA Pesca em Mondim de Basto.pdf
A Pesca em Mondim de Basto.pdfLicinio Borges
 
Referências bibliográficas outubro 2021
Referências bibliográficas   outubro 2021Referências bibliográficas   outubro 2021
Referências bibliográficas outubro 2021Licinio Borges
 
No Poupar está o ganho
No Poupar está o ganhoNo Poupar está o ganho
No Poupar está o ganhoLicinio Borges
 
No Poupar está o ganho
No Poupar está o ganhoNo Poupar está o ganho
No Poupar está o ganhoLicinio Borges
 
No Poupar está o ganho
No Poupar está o ganhoNo Poupar está o ganho
No Poupar está o ganhoLicinio Borges
 
No Poupar está o ganho
No Poupar está o ganhoNo Poupar está o ganho
No Poupar está o ganhoLicinio Borges
 
3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina
3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina 3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina
3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina Licinio Borges
 
Poemas e Acrósticos . Turma 6º A. cristina peixoto, licinio borge
Poemas e Acrósticos . Turma 6º A.   cristina peixoto, licinio borgePoemas e Acrósticos . Turma 6º A.   cristina peixoto, licinio borge
Poemas e Acrósticos . Turma 6º A. cristina peixoto, licinio borgeLicinio Borges
 
Alvao e cesario verde cristina reis, licinio borges
Alvao e cesario verde   cristina reis, licinio borgesAlvao e cesario verde   cristina reis, licinio borges
Alvao e cesario verde cristina reis, licinio borgesLicinio Borges
 
Anne frank em tempos de pandemia - Fernando Silva
Anne frank   em tempos de pandemia - Fernando SilvaAnne frank   em tempos de pandemia - Fernando Silva
Anne frank em tempos de pandemia - Fernando SilvaLicinio Borges
 
Historias construidas a partir fernando silva
Historias construidas a partir   fernando silvaHistorias construidas a partir   fernando silva
Historias construidas a partir fernando silvaLicinio Borges
 
Da minha janela ve se! - clementina gomes, licinio borge
Da minha janela ve se! - clementina gomes, licinio borgeDa minha janela ve se! - clementina gomes, licinio borge
Da minha janela ve se! - clementina gomes, licinio borgeLicinio Borges
 
Lendas de Mondim de Basto Licínio Borges
Lendas de Mondim de Basto   Licínio BorgesLendas de Mondim de Basto   Licínio Borges
Lendas de Mondim de Basto Licínio BorgesLicinio Borges
 

Mais de Licinio Borges (20)

A Pesca em Mondim de Basto.pdf
A Pesca em Mondim de Basto.pdfA Pesca em Mondim de Basto.pdf
A Pesca em Mondim de Basto.pdf
 
Referências bibliográficas outubro 2021
Referências bibliográficas   outubro 2021Referências bibliográficas   outubro 2021
Referências bibliográficas outubro 2021
 
Bd 5ºc
Bd 5ºcBd 5ºc
Bd 5ºc
 
No Poupar está o ganho
No Poupar está o ganhoNo Poupar está o ganho
No Poupar está o ganho
 
No Poupar está o ganho
No Poupar está o ganhoNo Poupar está o ganho
No Poupar está o ganho
 
No Poupar está o ganho
No Poupar está o ganhoNo Poupar está o ganho
No Poupar está o ganho
 
No Poupar está o ganho
No Poupar está o ganhoNo Poupar está o ganho
No Poupar está o ganho
 
Dac ear geo panfleto
Dac ear geo panfletoDac ear geo panfleto
Dac ear geo panfleto
 
Dac geo ear cartaz
Dac geo ear cartazDac geo ear cartaz
Dac geo ear cartaz
 
Texto dac geo ear
Texto dac geo earTexto dac geo ear
Texto dac geo ear
 
3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina
3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina 3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina
3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina
 
Poesia partilhada
Poesia partilhadaPoesia partilhada
Poesia partilhada
 
Poemas e Acrósticos . Turma 6º A. cristina peixoto, licinio borge
Poemas e Acrósticos . Turma 6º A.   cristina peixoto, licinio borgePoemas e Acrósticos . Turma 6º A.   cristina peixoto, licinio borge
Poemas e Acrósticos . Turma 6º A. cristina peixoto, licinio borge
 
Alvao e cesario verde cristina reis, licinio borges
Alvao e cesario verde   cristina reis, licinio borgesAlvao e cesario verde   cristina reis, licinio borges
Alvao e cesario verde cristina reis, licinio borges
 
Anne frank em tempos de pandemia - Fernando Silva
Anne frank   em tempos de pandemia - Fernando SilvaAnne frank   em tempos de pandemia - Fernando Silva
Anne frank em tempos de pandemia - Fernando Silva
 
Historias construidas a partir fernando silva
Historias construidas a partir   fernando silvaHistorias construidas a partir   fernando silva
Historias construidas a partir fernando silva
 
Da minha janela ve se! - clementina gomes, licinio borge
Da minha janela ve se! - clementina gomes, licinio borgeDa minha janela ve se! - clementina gomes, licinio borge
Da minha janela ve se! - clementina gomes, licinio borge
 
Lendas de Mondim de Basto Licínio Borges
Lendas de Mondim de Basto   Licínio BorgesLendas de Mondim de Basto   Licínio Borges
Lendas de Mondim de Basto Licínio Borges
 
Mãe Clementina Gomes
Mãe   Clementina GomesMãe   Clementina Gomes
Mãe Clementina Gomes
 
Apresent para alunos
Apresent para alunosApresent para alunos
Apresent para alunos
 

Mar e poemas clássicos portugueses

  • 1. Mar de setembro Tudo era claro: céu, lábios, areias. Ilustração de Cathy Delanssay O mar estava perto, fremente de espumas. Corpos ou ondas: iam, vinham, iam, dóceis, leves - só ritmo e brancura. Felizes, cantam; serenos, dormem; despertos, amam, exaltam o silêncio. Tudo era claro, jovem, alado. O mar estava perto. Puríssimo. Doirado. Eugénio de Andrade, in Mar de Setembro
  • 2. O sol o muro o mar Ilustração de Brenda Montes No quadrado aberto da janela o mar cintila coberto de escamas e brilhos como na infância. O mar ergue o seu radioso sorrir de estátua arcaica. Toda a luz se azula. Reconhecemos nossa inata alegria: a evidência do lugar sagrado. Sophia de Mello Breyner Andresen, in Ilhas
  • 3. Do lado do verão Ilustração de Liu Ye Vinha do sul ou de um verso de Homero. Como dormir, depois de ter ouvido o mar o mar o mar na sua boca? Eugénio de Andrade, in O outro nome da terra
  • 4. Soneto de Eurydice Eurydice perdida que no cheiro E nas vozes do mar procura Orpheu: Ausência que povoa terra e céu E cobre de silêncio o mundo inteiro. Assim bebi manhãs de nevoeiro E deixei de estar viva e de ser eu Ilustração de Alice Guicciardi Em procura de um rosto que era o meu O meu rosto secreto e verdadeiro. Porém nem nas marés, nem na miragem Eu te encontrei. Erguia-se somente O rosto liso e puro da paisagem. E devagar tornei-me transparente Como morte nascida à tua imagem E no mundo perdida esterilmente. Sophia de Melo Breyner Andresen, in No Tempo dividido
  • 5. Inscrição Ilustração de Jeffrey Larson Quando eu morrer voltarei para buscar Os instantes que não vivi junto do mar Sophia de Mello Breyner Andresen
  • 6. Como o rumor Ilustração de Maki Hino Como o rumor do mar dentro de um búzio O divino sussurra no universo Algo emerge: primordial projecto. Sophia de Mello Breyner Andresen, in O Nome das coisas
  • 7. Amar Ilustração de Sigrid Martinez Bastava-nos amar. E não bastava o mar. Joaquim Pessoa
  • 8. Na praia Ilustração de Angela Morgan Raça de marinheiros que outra coisa vos chamar senhoras que com tanta dignidade à hora que o calor mais apertar coroadas de graça e majestade entrais pela água dentro e fazeis chichi no mar? Ruy Belo, "Verão", in Todos os Poemas, Assírio & Alvim
  • 9. Lua Ilustração de Victor Nizovtsev Entre a terra e os astros, flor intensa. Nascida do silêncio, a lua cheia Dá vertigens ao mar e azula a areia, E a terra segue-a em êxtases suspensa. Sophia de Mello Breyner Andresen
  • 10. Mala de viagem Começa por guardar um sonho dourado pelo sol, por onde corra o vento mais quente; põe sobre ele o silêncio que acompanha o desejo dos amantes, limpando-o das sombras do inverno; protege-os com a negra foice do destino, de lâmina embainhada na geada matinal, cujo brilho anuncia já o céu do meio-dia. Esvazia o búzio da madrugada do seu recheio de amor, para que se possa ouvir o mar sem o eco nocturno dos porões. Por cima, põe as conchas do oráculo de rosto apagado pelo degelo das estrelas. Lembra-te que a casa que vais deixar não pode ficar fechada; e que a chave do sono ficou entre os seios nus da memória. Só assim terás um rumo, e de cada vez que chegares a mala estará pronta para a viagem. Nuno Júdice, in Fórmulas de uma luz inexplicável Ilustração de Шлыков Геннадий- Gennady
  • 11. Ilustração de Mariana Kalacheva Atravessara o verão para te ver dormir, e trazia doutros lugares um sol de trigo na pupila; às vezes a luz demora-se em mãos fatigadas; não sei em qual de nós explodiu uma súbita juventude, ou cantava: era mais fresco o ar. Quem canta no verão espera ver o mar. Eugénio de Andrade, in O Peso da Sombra
  • 12. Apenas um rumor Ilustração de Vincent Gibeaux E no teu rosto aberto sobre o mar cada palavra era apenas o rumor de um bando de gaivotas a passar. Eugénio de Andrade, in Os Amantes do dinheiro
  • 13. Ilustração de Mariana Kalacheva Rapariga descalça Chove. Uma rapariga desce a rua. Os seus pés descalços são formosos. São formosos e leves: o corpo alto parte dali, e nunca se desprende. A chuva em abril tem o sabor do sol: cada gota recente canta na folhagem. O dia é um jogo inocente de luzes, de crianças ou beijos, de fragatas. Uma gaivota passa nos meus olhos. E a rapariga – os seus formosos pés – canta, corre, voa, é brisa, ao ver o mar tão próximo e tão branco. Eugénio de Andrade
  • 14. A Figueira Ilustração de Eugenia Gapchinska Não tenho mãos para o azul. Sonho com o mar que não está longe mas não vejo arder. Só a sombra parece estar em casa debaixo dos meus ramos: canta baixinho enquanto se descalça. Eugénio de Andrade, in Com o sol em cada sílaba
  • 15. Ilustração de Quentin Gréban Mar sonoro Mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim, A tua beleza aumenta quando estamos sós E tão fundo intimamente a tua voz Segue o mais secreto bailar do meu sonho, Que momentos há em que eu suponho Seres um milagre criado só para mim. Sophia de Mello Breyner Andresen, in Dia do Mar
  • 16. As ondas quebravam uma a uma Eu estava só com a areia e com a espuma Do mar que cantava só para mim. Sophia de Mello Breyner Andresen, in Dia do Mar Ilustração de Jeffrey Larson
  • 17. Praia Ilustração de Anton Gorcevich Os pinheiros gemem quando passa o vento O sol bate no chão e as pedras ardem. Longe caminham os deuses fantásticos do mar Brancos de sal e brilhantes como peixes. Pássaros selvagens de repente, Atirados contra a luz como pedradas, Sobem e morrem no céu verticalmente E o seu corpo é tomado nos espaços. As ondas marram quebrando contra a luz A sua fronte ornada de colunas. E uma antiquíssima nostalgia de ser mastro Baloiça nos pinheiros.
  • 18. Dormem na praia os barcos pescadores Imóveis mas abrindo Os seus olhos de estátua E a curva do seu bico Rói a solidão. Sophia de Mello Breyner Andresen, in Coral (1950)
  • 19. Ilustrações de Roel Obemio Pescador da barca bela Pescador da barca bela, Onde vais pescar com ela, Que é tão bela, Oh pescador? Não vês que a última estrela No céu nublado se vela? Colhe a vela, Oh pescador!
  • 20. Deita o lanço com cautela, Que a sereia canta bela... Mas cautela, Oh pescador! Não se enrede a rede nela, Que perdido é remo e vela Só de vê-la, Oh pescador! Pescador da barca bela, Ainda é tempo, foge dela, Foge dela, Oh pescador! Almeida Garrett
  • 21. Ilustração de Mariana Kalackeva O mar. O mar novamente à minha porta. Vi-o pela primeira vez nos olhos de minha mãe, onda após onda, perfeito e calmo, depois, contra falésias, já sem bridas. Com ele nos braços, quanta, quanta noite dormira, ou ficara acordado ouvindo seu coração de vidro bater no escuro, até a estrela do pastor atravessar a noite talhada a pique sobre o meu peito. Este mar, que de tão longe me chama, que levou na ressaca, além dos meus navios? Eugénio de Andrade, in Branco no branco
  • 22. Fundo do mar No fundo do mar há brancos pavores Onde as plantas são animais E os animais são flores. Mundo silencioso que não atinge A agitação das ondas. Abrem-se rindo conchas redondas, Baloiça o cavalo-marinho. Um polvo avança No desalinho Dos seus mil braços, Uma flor dança, Sem ruídos vibram os espaços. Sobre a areia o tempo poisa Leve como um lenço. Ilustração de Ani Castillo Mas por mais bela que seja cada coisa Tem um monstro em si suspenso. Sophia de Mello Breyner Andresen, in Mar
  • 23. Foi no mar que aprendi Foi no mar que aprendi o gosto da forma bela Ao olhar sem fim o sucessivo Inchar e desabar da vaga A bela curva luzidia do seu dorso O longo espraiar das mãos de espuma Por isso nos museus da Grécia antiga Olhando estátuas frisos e colunas Sempre me aclaro mais leve e mais viva E respiro melhor como na praia Sophia de Mello Breyner Andresen, in O Búzio de Cós e outros poemas
  • 24. Praia Ilustração de Adrienne Trafford Na luz oscilam os múltiplos navios Caminho ao longo dos oceanos frios As ondas desenrolam os seus braços E brancas tombam de bruços A praia é longa e lisa sob o vento Saturada de espaços e maresia E para trás fica o murmúrio Das ondas enroladas como búzios. Sophia de Mello Breyner Andresen, in No Tempo Dividido (1954)
  • 25. As meninas as minhas filhas nadam. a mais nova leva nos braços bóias pequeninas, a outra dá um salto e põe à prova o corpo esguio, as longas pernas finas: entre risadas como serpentinas, vai como a formosinha numa trova, salta a pés juntos, dedos nas narinas, e emerge ao sol que o seu cabelo escova. a água tem a pele azul-turquesa e brilhos e salpicos, e mergulham feitas pura alegria incandescente. e ficam, de ternura e de surpresa, nas toalhas de cor em que se embrulham, ninfinhas sobre a relva, de repente. Vasco Graça Moura Ilustração de Arthur de Pins
  • 26. Cena bíblica No meio da praia deserta, uma baleia morta. O céu estava cinzento. As ondas rebentavam em brancas explosões. Dois ou três pescadores, e outras tantas crianças, andavam à volta da baleia, tapando o nariz. Nada a fazer por ela. Mas o vento levava o cheiro para longe, e ao aproximar-me perguntava-me se não seria de a abrir e ver se, por acaso, não haveria um jonas no seu ventre. O pescador mais velho afastou-me: «E se ali estivesse alguém, o que teria para nos dizer?» Não soube o que responder: que mensagens de um deus antiquíssimo? Que recordações de um tempo de guerras e desastres? Que memórias da mulher amada, de quem não restam ossos nem imagens? No dia seguinte, com um tractor, a baleia foi enterrada bem fundo, numa cova ao seu tamanho. Dizem que nenhuma planta cresceu ali, desde então. E ainda hoje me arrependo de não ter ouvido o apelo de jonas, e de não o ter tirado do ventre da baleia. Nuno Júdice, in Fórmulas de uma luz inexplicável Ilustração de Carmen Arvizu
  • 27. estou deitado sobre a minha ausência, como poderia estar deitado se existisse. amanhã as ondas imitar-me-ão na praia. José Luís Peixoto, in A Criança em Ruínas Ilustração de Svjetlan Junakovic
  • 28. Ilustração de Kristyna Litten Tal como nós temos coração, intestinos, rins, fígado… …o mar tem peixes. Afonso Cruz, “2 de Julho”, in O livro do ano, Alfaguara