SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
O Behaviorismo
Faculdade Atenas
Curso de Direito
Psicologia
1 semestre
Grupo:
Gabriela Salles
Miriã Oliveira
Jackelyne Barros
Helaine Patricia
Luccas Lorran
Bruna Caroline
O Behaviorismo (Behaviorismo em inglês de behavior
(EUA): comportamento, conduta).
Esta teoria teve início em 1913, com um manifesto
criado por John B. Watson – ―A Psicologia como
um comportamentista a vê‖. Começando assim o
período conhecido como o do behaviorismo
clássico que durou, mais ou menos, até 1930.
Conhecido também como teoria comportamental ou
comportamentalismo. De acordo com o pensamento
comportamentalista, a conduta dos indivíduos é
observável, mensurável e controlável similarmente aos
fatos e eventos nas ciências naturais e nas exatas.
•Watson defendia que comportamento é
estudado em função de variáveis do meio e os
estímulos, levando o organismo a darem
determinadas respostas, em razão do ajuste do
organismo ao seu meio, utilizando equipamentos
hereditários e formação de hábitos.
Os Postulados centrais do Behaviorismo são:
* A Psicologia é a ciência do comportamento, e não a
ciência da mente. Pois este é visível
* O comportamento pode ser descrito e explicado sem
recorrer aos esquemas mentais ou aos esquemas
psicológicos internos.
* A fonte dos comportamentos é o ambiente (que pode
ser inclusive os órgãos internos) e não a "mente" interna
individual.
John. B. Watson (1878-1958) é considerado o autor
do behaviorismo na verdade devendo ser lembrado
que antes de Watson, dois pesquisadores deram os
primeiros passos para esta teoria: o americano
Edward Lee Thorndike(1874-1949) e o russo
Ivan Pavlov (1849-1936)
Com experimentos e teorias sobre o
Condicionamento clássico ou (Respondente)
Este é uma relação na qual um estímulo do
ambiente produz uma resposta específica no
organismo que independente de
aprendizagem.
. Presumia-se assim que poderia também se ver a
origem de nossos traços mentais em outras
espécies, mesmo que de forma mais simples e
rudimentar e assim, no final do século XIX e início
do século XX, alguns psicólogos passaram a
conduzir experimentos com animais.
Exemplo do Condicionamento Clássico ou (Respondente):
Em 1940 surgiu o neo-behaviorismo, mais minucioso
experimentalmente e baseado na teoria do
comportamento adaptado de Pavlov.
Um dos neo-behaviorista mais importante foi Burrhus
Frederic Skinner criador do conceito de
“Condicionamento Operante”
Que se tornou a peça chave para a descrição
da relação indivíduo-ambiente, O
comportamento operante é aquele que influi
direta ou indiretamente sobre o mundo
(KELLER, F.S). O reforço operante é um meio
extremamente eficaz para
"modelar a personalidade".
Esse comportamento pode ser
representado através do seguinte
esquema:
R —> S (R leva a S), em que R é a
resposta e S o estímulo reforçador,
também chamado de reforço.
No primeiro tipo as respostas são eliciadas
(respondentes) e no segundo, emitidas
(operantes). O reforço no condicionamento
operante é dado após a resposta exigida, quando
aparece a resposta condicionada. A ação do
organismo produz o agente que reforça. Portanto, o
condicionamento do tipo S diz respeito a respostas
do sistema nervoso autônomo e o do tipo R ao
comportamento motor (músculos estriados).
No seu clássico experimento um rato ou um
pombo foram colocados em uma caixa
experimental. Nesta caixa existia uma
barra e/ou um disco (botão) e um
recipiente que liberava água ou comida. O
rato ou o pombo privados da água ou
comida tiveram acesso tanto a água ou a
comida toda vez que exibiram um certo
comportamento. No caso do rato o
comportamento seria pressionar a barra e
no pombo seria o comportamento de bicar
um disco (botão) iluminado na parede da
caixa experimental.
A teoria de Skinner teve pronta aceitação
porque na prática o estimulo reforçado é
dado justamente pela ação do indivíduo.
Outro Exemplo:
O pai só elogia o filho quando este dá a
resposta esperada; o filho, fazendo o
desejado pelo pai recebe o prêmio, a
recompensa ou reforço positivo. E vai
aprendendo a buscar o estimulo positivo
com diferentes tipos de comportamento e
esta mudança de comportamento do filho
esperando o elogio do pai e chamada de
condicionamento operante.
sentido de "Behaviorismo" foi sendo alterado no
decorrer do tempo, e hoje já não se entende o
comportamento como uma ação isolada, mas
uma interação entre o ambiente (onde o "fazer"
acontece) e o sujeito (aquele que "faz"),
passando o "Behaviorismo" a se dedicar ao
estudo das interações entre o sujeito e o
ambiente, e as ações desse sujeito (suas
respostas) e o ambiente (os estímulos).
Pode ser conceituada como conjunto de
características psicológicas que
determinam os padrões de pensar,
sentir e agir, ou seja, a individualidade
pessoal e social de alguém.
O comportamento do indivíduo é regido
pela busca da satisfação das
necessidades.
A formação da personalidade é um
processo gradual, complexo e único de
cada indivíduo.
Truepenny J. (Gabriela)
TODO DIREITO BASEASSE :QUEM
QUER QUE PRIVE A OUTEM DA VIDA SERA
PUNIDO COM A MORTE.
CARACTERISTICAS DA PERSONALIDADE:
RACIONALISTA LEGALSTA
IDEALISTA SUPERVISOR
CUMPRIDOR
DEFENSOR
CONSELHEIRO
LÍDER
INTERPRETE.
Foster J. (Helaine)
Foster comportamento operante segundo Foster
aqueles afortunados homens da caverna não
deveriam ser julgados as condições usuais de
existência nos inclinam a considerar que a vida
humana e um valor absoluto que não pode ser
sacrificado em nenhuma circunstancia tivemos o
ex ; dez trabalhadores morreram na remoção de
rochas não sabiam os engenheiros e os
funcionários público que dirigiam a operação
salvamento envolviam um certos risco a suas
vidas este homens praticaram um ato que viola a
expressão da lei devido a circunstancia que se
encontravam.
Tatting J. (Jackelyne).
Realista : Se baseia em fatos.
“Examinando este trágico caso, sinto,
todavia que me faltam os recursos habituais.
Sob o aspecto emocional sinto-me dividido
entre a simpatia por estes homens e um
sentimento de aversão e revolta com relação
ao monstruoso ato que cometeram.”
Emocional :
“Quanto mais examino este caso e penso
sobre ele, mais profundamente envolvido
emocionalmente me sinto. Minha mente fica
enredada nas malhas das redes que eu
próprio arremesso para salvar-me.”
Keen J. (Miriã)
se baseia na ideia de que não pode se deixar
levar por desejos e interpretações pessoais,
Sendo assim concluo dizendo que deve
confirmar a sentença condenatória.
Segundo o Behaviorismo o comportamento
deste juiz é explicado pela forma como ele
obedece as regras da sociedade e do
legislativo, mas contradiz seus sentimentos
humanos de solidariedade ao próximo.
Handy J. (Bruna)
Segundo o behaviorismo Handy J. começa dispondo:
estou convicto que meus colegas se horrorizarão por eu
ter sugerido que este tribunal leve em conta a opinião
pública. Eles dirão que a opinião pública é emocional e
caprichosa”.
O presidente queria uma solução na qual não cometesse
uma injustiça e ao mesmo tempo preservar o respeito e a
lei. Handy J. desejava apenas poder convencer os colegas
da sabedoria dos princípios desde que a assumiu, embora
muitos dissessem “ penso que seria de alvitre que os
tribunais condenassem estes homens a força e que, em
seguida, outro poder do Estado os absolvesse”.
Isto torna obvio não somente o que deveríamos, mas o
que devemos fazer se desejarmos preservar entre nos e a
opinião pública uma harmonia razoável e decente. O fato
de declararmos estes homens inocentes não envolve em
nenhum subterfúgio ou ardil pouco digno, tampouco é
necessário qualquer principio de interpretação legal de
proceder deste tribunal.
Diante dos fatos conclui se que os réus são inocentes da
prática do crime que constitui objeto de acusação e que
acabam de se enunciados, eu desejaria reexaminar a
posição que assumi anteriormente. Quero expressar que
espiões de ouvi-los sinto-me bastante fortalecido em
minha convicção de que não devo participar do
julgamento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoNilson Dias Castelano
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoLudmila Moura
 
Behaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricosBehaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricosThales Rocha
 
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosA psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosLudmila Moura
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1Nilson Dias Castelano
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemDébora Silveira
 
Behaviorismo - Período Pós Fundação
Behaviorismo - Período Pós FundaçãoBehaviorismo - Período Pós Fundação
Behaviorismo - Período Pós Fundaçãonicecoimbra
 
Skinner e a educação
Skinner e a educaçãoSkinner e a educação
Skinner e a educaçãomarizagama
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeNilson Dias Castelano
 
A historia da gestalt
A historia da gestaltA historia da gestalt
A historia da gestaltDiego Avila
 

Mais procurados (20)

Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
 
Behaviorismo de Skinner
Behaviorismo de SkinnerBehaviorismo de Skinner
Behaviorismo de Skinner
 
Teoria Humanista
Teoria HumanistaTeoria Humanista
Teoria Humanista
 
Trabalho slides behavorismo 2014
Trabalho slides behavorismo 2014Trabalho slides behavorismo 2014
Trabalho slides behavorismo 2014
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Behaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricosBehaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricos
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
 
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosA psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
 
Behaviorismo - Período Pós Fundação
Behaviorismo - Período Pós FundaçãoBehaviorismo - Período Pós Fundação
Behaviorismo - Período Pós Fundação
 
O reflexo inato
O reflexo inato O reflexo inato
O reflexo inato
 
Skinner e a educação
Skinner e a educaçãoSkinner e a educação
Skinner e a educação
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
A historia da gestalt
A historia da gestaltA historia da gestalt
A historia da gestalt
 
Teoria Behaviorista
Teoria BehavioristaTeoria Behaviorista
Teoria Behaviorista
 

Destaque

Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovComportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovEduardo Manfré
 
Psicologia do trabalho (1)
Psicologia do trabalho (1)Psicologia do trabalho (1)
Psicologia do trabalho (1)Caio Aguiar
 
O Behaviorismo
O BehaviorismoO Behaviorismo
O Behaviorismooseas1234
 
Modelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamentoModelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamentoCaio Maximino
 
Cconcepções epistemológicas: o Empirismo e o Racionalismo
Cconcepções epistemológicas: o Empirismo e o RacionalismoCconcepções epistemológicas: o Empirismo e o Racionalismo
Cconcepções epistemológicas: o Empirismo e o RacionalismoLucila Pesce
 
Personalidade na visão analítico-comportamental
Personalidade na visão analítico-comportamentalPersonalidade na visão analítico-comportamental
Personalidade na visão analítico-comportamentalMárcio Borges Moreira
 
Trabalho de psicologia motivação
Trabalho de psicologia motivaçãoTrabalho de psicologia motivação
Trabalho de psicologia motivaçãoenfanhanguera
 
Reforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e NegativoReforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e NegativoLeandro Malveira
 
Psicologia genética piaget
Psicologia genética   piagetPsicologia genética   piaget
Psicologia genética piagetCRIS TORRES
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteTalita Queiroz
 
Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteCatarinaNeivas
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE09108303
 

Destaque (20)

Teorias Behavioristas
Teorias BehavioristasTeorias Behavioristas
Teorias Behavioristas
 
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovComportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
 
Psicologia do trabalho (1)
Psicologia do trabalho (1)Psicologia do trabalho (1)
Psicologia do trabalho (1)
 
O Behaviorismo
O BehaviorismoO Behaviorismo
O Behaviorismo
 
Modelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamentoModelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamento
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
Cconcepções epistemológicas: o Empirismo e o Racionalismo
Cconcepções epistemológicas: o Empirismo e o RacionalismoCconcepções epistemológicas: o Empirismo e o Racionalismo
Cconcepções epistemológicas: o Empirismo e o Racionalismo
 
Personalidade na visão analítico-comportamental
Personalidade na visão analítico-comportamentalPersonalidade na visão analítico-comportamental
Personalidade na visão analítico-comportamental
 
Modelagem computadorizada
Modelagem computadorizadaModelagem computadorizada
Modelagem computadorizada
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Modelagem
 
Trabalho de psicologia motivação
Trabalho de psicologia motivaçãoTrabalho de psicologia motivação
Trabalho de psicologia motivação
 
Reforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e NegativoReforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e Negativo
 
Punição positiva x negativa
Punição positiva x negativaPunição positiva x negativa
Punição positiva x negativa
 
Skinner
SkinnerSkinner
Skinner
 
Psicologia genética piaget
Psicologia genética   piagetPsicologia genética   piaget
Psicologia genética piaget
 
Skinner slides
Skinner   slidesSkinner   slides
Skinner slides
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
 
Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento Operante
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
 
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fasesFreud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
 

Semelhante a O Behaviorismo e seus principais conceitos

inato_adquirido.ppt teorias do desenvolvimento
inato_adquirido.ppt teorias do desenvolvimentoinato_adquirido.ppt teorias do desenvolvimento
inato_adquirido.ppt teorias do desenvolvimentoAntónio Revez
 
O método das ciências humanas
O método das ciências humanasO método das ciências humanas
O método das ciências humanasAlan
 
Teorias da Aprendizagen
Teorias da AprendizagenTeorias da Aprendizagen
Teorias da AprendizagenUFC
 
Cap 3 Teorias da aprendizagem
Cap 3   Teorias da aprendizagemCap 3   Teorias da aprendizagem
Cap 3 Teorias da aprendizagemGustavo Blank
 
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981Rodnei Reis
 
Behavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradicalBehavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradicalLima Venancio
 
Behaviorismo Metodológico e B. Radical
Behaviorismo Metodológico e B. RadicalBehaviorismo Metodológico e B. Radical
Behaviorismo Metodológico e B. Radicalmairamatoscosta
 
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radicalBehaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radicalRésia Morais
 
Humanismo x Behaviorismo
Humanismo x BehaviorismoHumanismo x Behaviorismo
Humanismo x Behaviorismomairamatoscosta
 
Humanismo x Behaviorismo
Humanismo x BehaviorismoHumanismo x Behaviorismo
Humanismo x Behaviorismomairamatoscosta
 
A rede conceptual da ação
A rede conceptual da açãoA rede conceptual da ação
A rede conceptual da açãoManuel Oliveira
 
Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)julilp10
 

Semelhante a O Behaviorismo e seus principais conceitos (20)

O behaviorismo
O behaviorismoO behaviorismo
O behaviorismo
 
inato_adquirido.ppt teorias do desenvolvimento
inato_adquirido.ppt teorias do desenvolvimentoinato_adquirido.ppt teorias do desenvolvimento
inato_adquirido.ppt teorias do desenvolvimento
 
O método das ciências humanas
O método das ciências humanasO método das ciências humanas
O método das ciências humanas
 
Primórdio..
Primórdio..Primórdio..
Primórdio..
 
02 primórdio..
02 primórdio..02 primórdio..
02 primórdio..
 
Watson e o behaviorismo
Watson e o behaviorismoWatson e o behaviorismo
Watson e o behaviorismo
 
Teorias da Aprendizagen
Teorias da AprendizagenTeorias da Aprendizagen
Teorias da Aprendizagen
 
Cap 3 Teorias da aprendizagem
Cap 3   Teorias da aprendizagemCap 3   Teorias da aprendizagem
Cap 3 Teorias da aprendizagem
 
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
 
Criatividade liberdade
Criatividade liberdadeCriatividade liberdade
Criatividade liberdade
 
Behavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradicalBehavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradical
 
Behaviorismo Metodológico e B. Radical
Behaviorismo Metodológico e B. RadicalBehaviorismo Metodológico e B. Radical
Behaviorismo Metodológico e B. Radical
 
Causas do comportamento
Causas do comportamentoCausas do comportamento
Causas do comportamento
 
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radicalBehaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radical
 
Humanismo x Behaviorismo
Humanismo x BehaviorismoHumanismo x Behaviorismo
Humanismo x Behaviorismo
 
Humanismo x Behaviorismo
Humanismo x BehaviorismoHumanismo x Behaviorismo
Humanismo x Behaviorismo
 
A rede conceptual da ação
A rede conceptual da açãoA rede conceptual da ação
A rede conceptual da ação
 
Artigo samantha
Artigo samanthaArtigo samantha
Artigo samantha
 
Psicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiolaPsicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiola
 
Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)
 

O Behaviorismo e seus principais conceitos

  • 1. O Behaviorismo Faculdade Atenas Curso de Direito Psicologia 1 semestre
  • 2. Grupo: Gabriela Salles Miriã Oliveira Jackelyne Barros Helaine Patricia Luccas Lorran Bruna Caroline
  • 3. O Behaviorismo (Behaviorismo em inglês de behavior (EUA): comportamento, conduta). Esta teoria teve início em 1913, com um manifesto criado por John B. Watson – ―A Psicologia como um comportamentista a vê‖. Começando assim o período conhecido como o do behaviorismo clássico que durou, mais ou menos, até 1930. Conhecido também como teoria comportamental ou comportamentalismo. De acordo com o pensamento comportamentalista, a conduta dos indivíduos é observável, mensurável e controlável similarmente aos fatos e eventos nas ciências naturais e nas exatas.
  • 4. •Watson defendia que comportamento é estudado em função de variáveis do meio e os estímulos, levando o organismo a darem determinadas respostas, em razão do ajuste do organismo ao seu meio, utilizando equipamentos hereditários e formação de hábitos.
  • 5. Os Postulados centrais do Behaviorismo são: * A Psicologia é a ciência do comportamento, e não a ciência da mente. Pois este é visível * O comportamento pode ser descrito e explicado sem recorrer aos esquemas mentais ou aos esquemas psicológicos internos. * A fonte dos comportamentos é o ambiente (que pode ser inclusive os órgãos internos) e não a "mente" interna individual.
  • 6. John. B. Watson (1878-1958) é considerado o autor do behaviorismo na verdade devendo ser lembrado que antes de Watson, dois pesquisadores deram os primeiros passos para esta teoria: o americano Edward Lee Thorndike(1874-1949) e o russo Ivan Pavlov (1849-1936) Com experimentos e teorias sobre o Condicionamento clássico ou (Respondente) Este é uma relação na qual um estímulo do ambiente produz uma resposta específica no organismo que independente de aprendizagem.
  • 7. . Presumia-se assim que poderia também se ver a origem de nossos traços mentais em outras espécies, mesmo que de forma mais simples e rudimentar e assim, no final do século XIX e início do século XX, alguns psicólogos passaram a conduzir experimentos com animais.
  • 8. Exemplo do Condicionamento Clássico ou (Respondente):
  • 9.
  • 10. Em 1940 surgiu o neo-behaviorismo, mais minucioso experimentalmente e baseado na teoria do comportamento adaptado de Pavlov. Um dos neo-behaviorista mais importante foi Burrhus Frederic Skinner criador do conceito de “Condicionamento Operante” Que se tornou a peça chave para a descrição da relação indivíduo-ambiente, O comportamento operante é aquele que influi direta ou indiretamente sobre o mundo (KELLER, F.S). O reforço operante é um meio extremamente eficaz para "modelar a personalidade".
  • 11. Esse comportamento pode ser representado através do seguinte esquema: R —> S (R leva a S), em que R é a resposta e S o estímulo reforçador, também chamado de reforço.
  • 12. No primeiro tipo as respostas são eliciadas (respondentes) e no segundo, emitidas (operantes). O reforço no condicionamento operante é dado após a resposta exigida, quando aparece a resposta condicionada. A ação do organismo produz o agente que reforça. Portanto, o condicionamento do tipo S diz respeito a respostas do sistema nervoso autônomo e o do tipo R ao comportamento motor (músculos estriados).
  • 13. No seu clássico experimento um rato ou um pombo foram colocados em uma caixa experimental. Nesta caixa existia uma barra e/ou um disco (botão) e um recipiente que liberava água ou comida. O rato ou o pombo privados da água ou comida tiveram acesso tanto a água ou a comida toda vez que exibiram um certo comportamento. No caso do rato o comportamento seria pressionar a barra e no pombo seria o comportamento de bicar um disco (botão) iluminado na parede da caixa experimental.
  • 14.
  • 15. A teoria de Skinner teve pronta aceitação porque na prática o estimulo reforçado é dado justamente pela ação do indivíduo. Outro Exemplo: O pai só elogia o filho quando este dá a resposta esperada; o filho, fazendo o desejado pelo pai recebe o prêmio, a recompensa ou reforço positivo. E vai aprendendo a buscar o estimulo positivo com diferentes tipos de comportamento e esta mudança de comportamento do filho esperando o elogio do pai e chamada de condicionamento operante.
  • 16.
  • 17. sentido de "Behaviorismo" foi sendo alterado no decorrer do tempo, e hoje já não se entende o comportamento como uma ação isolada, mas uma interação entre o ambiente (onde o "fazer" acontece) e o sujeito (aquele que "faz"), passando o "Behaviorismo" a se dedicar ao estudo das interações entre o sujeito e o ambiente, e as ações desse sujeito (suas respostas) e o ambiente (os estímulos).
  • 18.
  • 19. Pode ser conceituada como conjunto de características psicológicas que determinam os padrões de pensar, sentir e agir, ou seja, a individualidade pessoal e social de alguém. O comportamento do indivíduo é regido pela busca da satisfação das necessidades. A formação da personalidade é um processo gradual, complexo e único de cada indivíduo.
  • 20. Truepenny J. (Gabriela) TODO DIREITO BASEASSE :QUEM QUER QUE PRIVE A OUTEM DA VIDA SERA PUNIDO COM A MORTE. CARACTERISTICAS DA PERSONALIDADE: RACIONALISTA LEGALSTA IDEALISTA SUPERVISOR CUMPRIDOR DEFENSOR CONSELHEIRO LÍDER INTERPRETE.
  • 21. Foster J. (Helaine) Foster comportamento operante segundo Foster aqueles afortunados homens da caverna não deveriam ser julgados as condições usuais de existência nos inclinam a considerar que a vida humana e um valor absoluto que não pode ser sacrificado em nenhuma circunstancia tivemos o ex ; dez trabalhadores morreram na remoção de rochas não sabiam os engenheiros e os funcionários público que dirigiam a operação salvamento envolviam um certos risco a suas vidas este homens praticaram um ato que viola a expressão da lei devido a circunstancia que se encontravam.
  • 22. Tatting J. (Jackelyne). Realista : Se baseia em fatos. “Examinando este trágico caso, sinto, todavia que me faltam os recursos habituais. Sob o aspecto emocional sinto-me dividido entre a simpatia por estes homens e um sentimento de aversão e revolta com relação ao monstruoso ato que cometeram.” Emocional : “Quanto mais examino este caso e penso sobre ele, mais profundamente envolvido emocionalmente me sinto. Minha mente fica enredada nas malhas das redes que eu próprio arremesso para salvar-me.”
  • 23. Keen J. (Miriã) se baseia na ideia de que não pode se deixar levar por desejos e interpretações pessoais, Sendo assim concluo dizendo que deve confirmar a sentença condenatória. Segundo o Behaviorismo o comportamento deste juiz é explicado pela forma como ele obedece as regras da sociedade e do legislativo, mas contradiz seus sentimentos humanos de solidariedade ao próximo.
  • 24. Handy J. (Bruna) Segundo o behaviorismo Handy J. começa dispondo: estou convicto que meus colegas se horrorizarão por eu ter sugerido que este tribunal leve em conta a opinião pública. Eles dirão que a opinião pública é emocional e caprichosa”. O presidente queria uma solução na qual não cometesse uma injustiça e ao mesmo tempo preservar o respeito e a lei. Handy J. desejava apenas poder convencer os colegas da sabedoria dos princípios desde que a assumiu, embora muitos dissessem “ penso que seria de alvitre que os tribunais condenassem estes homens a força e que, em seguida, outro poder do Estado os absolvesse”.
  • 25. Isto torna obvio não somente o que deveríamos, mas o que devemos fazer se desejarmos preservar entre nos e a opinião pública uma harmonia razoável e decente. O fato de declararmos estes homens inocentes não envolve em nenhum subterfúgio ou ardil pouco digno, tampouco é necessário qualquer principio de interpretação legal de proceder deste tribunal. Diante dos fatos conclui se que os réus são inocentes da prática do crime que constitui objeto de acusação e que acabam de se enunciados, eu desejaria reexaminar a posição que assumi anteriormente. Quero expressar que espiões de ouvi-los sinto-me bastante fortalecido em minha convicção de que não devo participar do julgamento.