EMPREGO DO ACENTO
INDICATIVO DA CRASE
Há se, ao substituirmos um substantivo feminino
por um masculino, o “a” der lugar a “ao”:
Fui à escola.
Fui ao colégio.
Cr...
Não pode haver crase antes dos substantivos:
a) terra (= terra firme e diferente de bordo); e
b) casa (= lar).
Depois de t...
Crase
Há em se tratando de aquele, aqueles, aquela,
aquelas, aquilo, basta que haja a preposição “a”
antes dessas palavras...
Crase
Facultativa antes de pronome possessivo feminino:
Refiro-me a sua colega, e não a minha. (ou)
Refiro-me à sua colega...
Crase
Facultativa antes dos seguintes nomes:
“Europa, Ásia, África, França, Inglaterra,
Espanha, Holanda e Escócia”:
Fui a...
Crase
Há em expressões como “Vestir-se à Luís XV”;
“Móveis à Luís XIV” o “a” aparece craseado, por
modificar a palavra fem...
Crase
As expressões “devido a”, “relativo a”, “referente a”,
“com respeito a”, “quanto a”, “em obediência a” e
outras deve...
Crase
Há antes das formas de tratamento Sr.ª, Sr.ta
e D.
(Dona):
Enviei o pedido à D. Maria.
Jonas escreveu uma carta à Sr...
Crase
Não há: quando a distância não é explicitada,
como em:
Vi um barco a distância.
Há: quando a distância está especifi...
Crase
Pode ser indicada, nas locuções de modo ou
instrumento, para evitar ambiguidade:
à bala, à faca, à máquina, à chave,...
Crase
Nota: o Gramático Napoleão Mendes de Almeida afirma
que não se emprega a crase quando, substituindo-se na
locução de...
Crase
Não há antes de substantivo masculino:
andar a cavalo, andar a pé
Não há com o verbo ir e antes de nome próprio
de c...
Crase
Não há antes de verbo:
Estou disposto a rever o processo.
A partir de amanhã retomaremos as obras.
Não há entre subs...
Crase
Não há antes de numerais:
O curso será de 11 a 20 de maio.
Nasci a 18 de março.
Não há antes do artigo indefinido “u...
Crase
Não há diante de pronomes em geral (essa, esta,
cada, qualquer, qual, cuja, toda, tudo, você, ele,
ela, V. Ex.ª, V.S...
Facultativa com a locução “até a”:
Fui até a (até à) farmácia.
Isso porque com nomes masculinos ficaria assim:
Fui até o (...
Não há antes de nome feminino tomado no
sentido genérico ou indeterminado:
Não me refiro a mulheres.
O prefeito não dá ouv...
Crase
Não há em locuções adverbiais de modo com
o substantivo no plural: “a portas fechadas”, “a
dentadas”, “a duras penas...
Crase
Não há antes de numerais que não precedem
substantivos determinados:
“Assisti a três sessões.” (dentre as várias); m...
Nas frases que seguem, indique a crase, quando houver:
1) Resistimos a paixão mais por sua fraqueza do que por
nossa força...
6) O amor vê, a distância, a liberdade, mas prefere ficar
preso a doçura de um sorriso.
7) Apressemo-nos a ceder a tentaçã...
12) A visita a National Gallery, em Londres, favoreceu a
compreensão dos quadros de Monet.
13) Atribuía-se a iniciativa pr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho da deza

1.406 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.406
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
345
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho da deza

  1. 1. EMPREGO DO ACENTO INDICATIVO DA CRASE
  2. 2. Há se, ao substituirmos um substantivo feminino por um masculino, o “a” der lugar a “ao”: Fui à escola. Fui ao colégio. Crase
  3. 3. Não pode haver crase antes dos substantivos: a) terra (= terra firme e diferente de bordo); e b) casa (= lar). Depois de tantos dias no mar, chegamos a terra. Fui a casa, mas regressei em poucos minutos. Contudo, vindo tais substantivos com modificador, o “a” passa a receber o acento: Depois de tantos dias no mar, chegamos à terra procurada. Fui à casa dela, mas regressei em poucos minutos. Crase
  4. 4. Crase Há em se tratando de aquele, aqueles, aquela, aquelas, aquilo, basta que haja a preposição “a” antes dessas palavras para que ocorra a crase. Nos casos em que aparece esses pronomes demonstrativos não importa, o gênero gramatical: Dei um lápis àquela menina. (= para aquela) Dei um lápis àquele menino (= para aquele) Se na expressão “para aquele menino” substituirmos o “para” por “a”, teremos dois “aa” seguidos, que deverão contrair-se: a + aquele = àquele.
  5. 5. Crase Facultativa antes de pronome possessivo feminino: Refiro-me a sua colega, e não a minha. (ou) Refiro-me à sua colega, e não à minha. Há antes de nomes próprios femininos quando se tratar de amizade íntima: Faço referência à Maria, e não à Rosa. Não há antes de nome próprio de pessoa célebre (Maria Stuart, Ana Bolena etc.): Ninguém fez alusão a Joana d’Arc.
  6. 6. Crase Facultativa antes dos seguintes nomes: “Europa, Ásia, África, França, Inglaterra, Espanha, Holanda e Escócia”: Fui a Europa. (ou) Fui à Europa. Porém, antes dos demais nomes de lugares deve-se usar o “macete”: “vir da”, crase há; “vir de”, crase para quê? Fui a Portugal. (= Vim de Portugal.) Fui à Bahia. (= Vim da Bahia.)
  7. 7. Crase Há em expressões como “Vestir-se à Luís XV”; “Móveis à Luís XIV” o “a” aparece craseado, por modificar a palavra feminina “moda”, oculta nessas frases: Vestir-se à (moda de) Luís XV. Decorou o salão com móveis à (moda de) Luís XIV.
  8. 8. Crase As expressões “devido a”, “relativo a”, “referente a”, “com respeito a”, “quanto a”, “em obediência a” e outras devem ter o “a” craseado quando vêm antes de nomes femininos: “devido à morte do pai”; “referente à prisão”; “com respeito à situação”; “em obediência às leis” etc. O conhecimento da regência verbal ajuda a diminuir dúvidas quanto à utilização da crase. Os verbos “obedecer” e “desobedecer” exigem crase: Obedeço às leis. / Desobedeceu às normas.
  9. 9. Crase Há antes das formas de tratamento Sr.ª, Sr.ta e D. (Dona): Enviei o pedido à D. Maria. Jonas escreveu uma carta à Sr.ª Luísa. Falará tudo à Sr.ta Maria.
  10. 10. Crase Não há: quando a distância não é explicitada, como em: Vi um barco a distância. Há: quando a distância está especificada, como em: Vi um barco à distância de 800 metros.
  11. 11. Crase Pode ser indicada, nas locuções de modo ou instrumento, para evitar ambiguidade: à bala, à faca, à máquina, à chave, à vista, à venda, à toa, à tinta, à mão, à navalha, à espada, à baioneta.
  12. 12. Crase Nota: o Gramático Napoleão Mendes de Almeida afirma que não se emprega a crase quando, substituindo-se na locução de modo ou de instrumento o nome feminino por outro masculino, não aparece a forma “ao”. Por isso, não se deveria crasear o “a” da expressão: “Ele foi ferido a bala”, porque não se diz: “Foi ferido ao cacete”. Por essa mesma razão não se poderia grafar: “Escrever uma carta à máquina, à mão, à tinta”, porque não se diz: “Escrever uma carta ao lápis”. O mesmo se aplicaria a “pagamento à vista”, pois não se diz “pagamento ao prazo”. Grafa-se, porém, “O resultado está à vista de todos” (= O resultado está ao alcance de todos; na vista de todos).
  13. 13. Crase Não há antes de substantivo masculino: andar a cavalo, andar a pé Não há com o verbo ir e antes de nome próprio de cidade, quando for “vir de”: Vou a Brasília. Porém, se a frase é complementada por uma expressão, o uso da crase é necessário: Vou à Brasília de JK.
  14. 14. Crase Não há antes de verbo: Estou disposto a rever o processo. A partir de amanhã retomaremos as obras. Não há entre substantivos repetidos: gota a gota, passo a passo, frente a frente, cara a cara.
  15. 15. Crase Não há antes de numerais: O curso será de 11 a 20 de maio. Nasci a 18 de março. Não há antes do artigo indefinido “uma”: Dirigi-me a uma amiga. Contudo, antes de horas, usa-se: Cheguei à uma hora. (= Cheguei à 1h.) Cheguei às duas horas. (= Cheguei às 2h.) Almoço: das 12h às 13h.
  16. 16. Crase Não há diante de pronomes em geral (essa, esta, cada, qualquer, qual, cuja, toda, tudo, você, ele, ela, V. Ex.ª, V.S.ª etc.). No entanto, o acento aparece em: Não fale às outras. (= Não fale aos outros.) São estas as cartas às quais responderei. (= São estes os cartões aos quais responderei).
  17. 17. Facultativa com a locução “até a”: Fui até a (até à) farmácia. Isso porque com nomes masculinos ficaria assim: Fui até o (até ao) supermercado. Não há na expressão “de segunda a sexta”, pois, como não há artigo antes de segunda, não há artigo antes de sexta. Crase
  18. 18. Não há antes de nome feminino tomado no sentido genérico ou indeterminado: Não me refiro a mulheres. O prefeito não dá ouvidos a reclamações. Crase
  19. 19. Crase Não há em locuções adverbiais de modo com o substantivo no plural: “a portas fechadas”, “a dentadas”, “a duras penas”. Contudo, usando-se toda a expressão no plural, aparece o acento: “às avessas”, “às favas”, “às escondidas”, “às pressas”. Há nas seguintes locuções adverbiais de modo e de tempo: “à risca”, “à direita”, “à esquerda”, “à frente”, “à procura de”, “à mercê de”, “à custa de”, “à medida que”, “à proporção que”, “à força de”, “à espera de”, “à noite”, “à tarde”, “à mostra”, “à base de”.
  20. 20. Crase Não há antes de numerais que não precedem substantivos determinados: “Assisti a três sessões.” (dentre as várias); mas “Assisti às três sessões.” (só houve três); “Assisti às duas sessões do filme Piratas do Caribe”. Não há antes de “a” indicando futuro: Voltaremos daqui a quatro semanas. Retornarei daqui a pouco.
  21. 21. Nas frases que seguem, indique a crase, quando houver: 1) Resistimos a paixão mais por sua fraqueza do que por nossa força. 2) A rebelião contra os tiranos é obediência a Deus. 3) Cristina chegou a uma hora e estava a procura do Maurício. 4) Simone voltou duas vezes a casa, a procurar o passaporte. 5) Aquele que sobrevive a seu inimigo, um dia só que seja, atingiu a sua meta. Crase
  22. 22. 6) O amor vê, a distância, a liberdade, mas prefere ficar preso a doçura de um sorriso. 7) Apressemo-nos a ceder a tentação, antes que ela se vá. 8) Os restaurantes de bordo servem lanches a base de sanduíche. 9) Quanto as experiências, os clubes enviam propostas a Ciranda da Ciência. 10) Há pessoas que compram a fama e outras que se vendem a ela. 11) Renunciamos a paz, a medida que queremos preservar nossa liberdade. Crase
  23. 23. 12) A visita a National Gallery, em Londres, favoreceu a compreensão dos quadros de Monet. 13) Atribuía-se a iniciativa privada a maioria dos benefícios sociais. 14) A visita a reserva da Lagoa São Paulo provocou uma reação a crise ecológica. 15) A felicidade não é o pão, mas o sonho que se oferece as pessoas. 16) A lógica matemática permite as pessoas ordenar fatos, objetos e números. 17) É importante ser sensível as diferenças entre as pessoas e as suas emoções. Crase

×