Perfeição - capítulo 01 - Raquel volta extorquindo Ester

307 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
307
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Perfeição - capítulo 01 - Raquel volta extorquindo Ester

  1. 1. Recanto das LetrasCentral de Produção Capítulo 01 Perfeição (VALE PARA 05/06/2012) Novela de Lucas Vinicius Escrita por Lucas Vinícius Personagens deste capítulo ASTOLFO JECA NÉIA CÂNDIDA JÚLIO PEDRO JR. CARMÉLIA LEANDRO RAQUEL CLÁUDIO LISA ESTER MARIA EUNICE MARIZETE (flashback) MIRELA Participação Especial: CONVIDADOS, GARÇONS
  2. 2. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 2CENA 1. SÃO PAULO. TOMADA GERAL. EXT. DIA.Imagens de São Paulo. Sonoplastia: Tema animado.Imagens alternadas de São Paulo. Mostra o solnascendo. As pessoas a caminharem, os comércios aabrirem. Tomada áerea. Sobrevoos da cidade, mostrapaisagens e monumentos da cidade.Corta para:CENA 2. CASA DE JÚLIO. TOMADA GERAL. EXT. DIA.Cam passeia pelo local. O quintal da mansãoparecendo uma festa daquelas bem frescurentas.Enfeites, garçons, chefs de cozinha, convidados,ainda que poucos nesse momento. CAM caminhalentamente pelos arredores da quintal. Vai buscarEster, que conversa descontraída com Carmélia, queestá comendo vários doces. Em tour, mostra Leandrocom Jeca, um amigo seu da faculdade. Os dois parecemconversar com antipatia, um ao outro. Em tour, Júlioaos papos com alguns amigos médicosCorta para:CENA 3. MANSÃO DE JÚLIO. QUINTAL. EXT. CANTOEster e Carmélia que conversam perto da mesa dedoces, bolos e aperitivos. Ester parece olhar para olado. Efeito PV de Ester: Espia Leandro com Jeca, efica preocupada. CARMÉLIA — Ester, tua festa lá um luxo! Os docinhos...! Hum! Esses me deixaram deslumbrada! ESTER — (distraída, desvia o olhar) Ah... querida, obrigada!Carmélia percebe a distração de Ester. ela enfia amão na bandeja de docinhos. Rapidamente Carmélia
  3. 3. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 3enfia tudo no sutiã, quando Ester vira-se e sedepara com a cena. ESTER — (hesita envergonhada) Ah...Carmélia intervém e começa a inventar. CARMÉLIA — (gagueja) Ah... são... são pras crianças! Imagina você, que elas ficaram em casa. Então, peguei alguns docinhos pra elas... ESTER — Ah... desde quando você tem filhos, Carmélia? CARMÉLIA — (disfarça, mudando de assunto) Mas... e a … Eunice, hein? Ela ficaria muito feliz em ver esse momento tão... digamos, família. Porque noivado, de certo modo é família, né?Ao falar em nome de “Eunice”, Ester fica pálida. SONOPLASTA: Instrumental de Tensão e Mistério.Carmélia fica abismada ao ver Ester ali, parada,travada. Não diz nada, apenas fica olhando prafrente. CARMÉLIA — Menina... morreu em pé, foi? Deus me livre!Corta para:CENA 5. MANSÃO DE JÚLIO. EXT. QUINTAL. TARDE. CONTINUIDADE./ Continuação da cena 3/ Carmélia estalando osdedos. Ester desperta pra vida, depois de ter ficadoparalisada. Ela ainda parece abalada. ESTER — Ah, me desculpa... (disfarça) Eu... CARMÉLIA — Que nada, menina! Se preocupa, não. ESTER — Carmélia, você vai me desculpar, mas eu preciso ir ali, tá? Com licença!
  4. 4. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 4Ester passa por Carmélia, saindo abaladaemocionalmente. Carmélia fica boquiaberta com asituação. CARMÉLIA — Que menina mais estranha! Deus me livre uma coisa dessa/Ela mesmo se interrompe quando vê doces e beijinhosem cima da mesa de comidas. Carmélia lambe os lábiose dá uma olhada de rabo de olho. Ela vê que não háninguém e começa a atacar os bolinhos. CARMÉLIA — (enfiando no sutiã) Ah... adoro desses bolinhos... Que primor!Corta para:CENA 6. SÃO PAULO. EXT. DIA. PLANOS GERAIS. CLIPE.Imagens alternadas de São Paulo. Paisagens, casas,céu nublado. Imagens de arquivos do sol se pondo. Sonoplastia: Bela música tema acompanha.Corta para:CENA 7. APÊ DE LISA E MIRELA. INT. DIA.CAM começa focado no máximo de zoom possível numnotebook. Abre. CAM se afasta e mostra Mirela,sorrindo, sentada ao sofá, com o notebook no colo.Instantes. Corta para a tela de computador: Mirelaconversa com alguns amigos no computador. MIRELA — (empolgada, para si) Ai! Tô nervosa, será que escrevo isso?! Ai...!Instantes. Vem se abrindo a porta. Lisa vementrando. Toda bonita, e com vários livros ecadernos às mãos. LISA — Ô de casa! Boa tarde!Mirela se levanta, e coloca o notebook no sofá. Seaproxima de Lisa. MIRELA — E aí, mana! Foi bem na aula? LISA — (se aproxima) Hum... ainda bem que você me perguntou! Hoje teve maratona escolar. Por isso saí mais
  5. 5. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 5 cedo. Os alunos ficam, os professores vão embora! (ri) Novidades por aqui? MIRELA — Adivinha? (empolgada) Adivinha! LISA — Só vou adivinhar se você me der uma dica. MIRELA — Hum... (pensativa) Então tá. Chegou e-mail pra você! E dos diretores da escola onde você dá aula!Lisa preocupada. LISA — E-mail, Mirela? Me dá aqui computador, deixa eu ver. MIRELA — Ok. Espera aí.Mirela se apressa e logo pega o notebook, sesentando no sofá. MIRELA — Vem, senta aqui.Lisa se apressa e senta ao lado de Mirela. Mirelaabre a caixa de e-mail de Lisa, e lá tem escrito:ASTOLFO (Convite!). MIRELA — Vou abrir, spam não pode ser!Mirela abre o e-mail, e tem um seguinte texto:“LISA, CÂNDIDA E EU VAMOS NUM NOIVADO DE UM COMPADRENOSSO. CONVIDAMOS VOCÊ TAMBÉM, JÁ QUE DISSE QUE ESTÁSENTINDO-SE SOLITÁRIA. CASO ACEITE, ENCONTRE-NOS NOPONTO DE TÁXI, COMO DE COSTUME”. Apos a leiturafeita em voz alta por Mirela. LISA — Um noivado? MIRELA — Hum... tá ficando importante, hein, dona Lisa! LISA — Mirela. Você acha que eu deva ir? MIRELA — Olha... por mim e por você, não ia. Mas recusar convite de patrão é pedir pra ir pra forca. LISA — O Astolfo e a Cândida não iam me demitir só porque eu não compareci a esse noivado. MIRELA — Tá bom. Se você acha!Lisa se levanta indecisa.
  6. 6. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 6 LISA — Ai, minha irmã... eu tô tão indecisa. Vou ou não vou? MIRELA — Bom, eu de você ia. Porque lá (se levanta) pode ter uns gatinhos.Lisa sorri, mas disfarça. LISA — Mirela, olha os modos! Você é nova pra pensar em homens! MIRELA — E quem disse “homem”? Disse “gatinho”! Além do quê, eu tenho 16 anos. Sou uma mocinha, se quer saber! LISA — Idade não significa nada, “mocinha”! Enquanto eu sustentar a casa, o comando fica pra mim! MIRELA — (zombando) Ok, dona restrição!Mirela ri e dá um beijo no rosto de Lisa. MIRELA — Ó, vou saindo pra tomar um banho. Quer uma conselho? Vai nessa festa! Vai ser bom, maninha!Corta para:CENA 8. PRAÇA PÚBLICA. EXT. DIA. PARQUINHO.CAM abre no céu. Desliza, mostrando o lindo parque,verde, uma praça. No meio um banco, onde tem pessoassentadas. No meio, vários brinquedos, gangorras,escorredores, uma variedade só. CAM dá um giro 360ºe mostra Maria, que anda sozinha ao parque, triste. Sonoplastia: Instrumental sofrimentos.Maria cabisbaixa, andando. Simplesmente do nada, emOFF ouvimos a voz do Pedro Júnior. PEDRO JR. — (alegre, OFF) Maria, Maria! Maria!Maria dá um sorriso. Ela vira-se e vê de verdadeseu filho correndo em sua direção. Pedro Jr dá umabraço apertado em Maria, que se comove com a cena.Quando ela termina o abraço, sua cara muda de alegrepara séria. Ela vê Marizete e Cláudio chegando a suafrente.
  7. 7. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 7 Sonoplastia: Cessa emoção, entra tensão. MARIA — (ignorando-os) Tava bom demais.Maria se fecha. Pedro Júnior estranha o assunto. PEDRO JR. — (para Marizete) Do que vocês tão falando, mamãe? MARIZETE — Nada, menino! Vai brincar, vai, no parque!Pedro Júnior sai correndo em direção ao parque.Maria volta a encarar Marizete. MARIA — Vocês acham que estão vitoriosos, né? MARIZETE — E não estamos? MARIA — Vocês apenas conseguiram a guarda do meu filho, não ganhou ele pra vocês! MARIZETE — Mas temos uma arma! MARIA — (seca) Ah, qual? CLÁUDIO - (intervém) Se esqueceu que Pedro acha que é nosso filho? MARIA — Isso mesmo! Ele acha! Porque não é! E quando eu conseguir a guarda dele, ouçam bem vocês dois... eu vou proibir ele de se referir a vocês dois, que não são mais da minha famí/ MARIZETE — (corta) Como ousa? Somos seus pais! MARIA — (cínica) Eram! Eram meus pais! A partir do momento em que vocês dois decidiram intervim na minha vida, tomando meu filho de mim, passaram a ser dois quaisquer. MARIZETE — Fala isso de novo e eu te mostro o que é “uma qualquer”! Você precisa de uma educação, e é essa educação, que você não teve que estamos dando pro nosso netinho!
  8. 8. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 8 MARIA — (emocionada) Que bela educação! Privar uma mãe de ver o filho... me diz, que educação é essa?Maria, não querendo se humilhar na frente dos pais,enxuga as lágrimas. MARIZETE — (seca) Foi a justiça! A justiça que te privou de ver o seu filho! MARIA — (chorando) Isso porque vocês decidiram inventar pra justiça que eu não tinha condições de criá-lo! Foi golpe-baixo! MARIZETE — Levar desaforo de filha? É muito pra mim! MARIA — Ah...? Agora é desaforo? Pra mim, isso se chama VERDADE. Nua e crua! Vocês querem ser perfeitos na sociedade, Com a mania de que filha tem que casar, depois engravidar. Pra que tanta perfeição, meu Deus do céu? Ninguém é perfeito!Por instante, escorre lágrimas nos olhos deMarizete. Close.Corta para:CENA 9. MANSÃO DE JÚLIO. EXT. QUINTAL. ALGUM CANTO.Ester estarrecida, chega às mesas de águas,champanhes e bebes. CAM foca seu rosto abalado ealgumas pessoas a observa. Visivelmente trêmula,Ester pega uma taça e enche de água rapidamente. ESTER — (abalada) Nem no dia do meu noivado eu posso ficar em paz. Sem o povo lembrar nessa barata morta da Eunice?! Droga!Ester bebe todo resto de água possível no copo. Elaestressada sai andando no meio do povo, e entra numaporta que dá na cozinha.Corta para:
  9. 9. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 9CENA 10. MANSÃO DE JÚLIO. INT. SALA. TARDE.Close em Ester, que chega alterada da cozinha,nervosa. Ela nervosíssima caminha até o sofá.DETALHE: sempre perto da TV, um quadro de EUNICE,que Júlio adora. ESTER — Querem me ver na lama, será? Só ficam lembrando em Eunice, Eunice, Eunice! (irritada) Morta-viva!Néia, a empregada vem chegando à sala, com umabandeja, preocupada com Ester. NÉIA — (se aproxima) Com licença, dona Ester. Mas a senhora está bem?Close em Ester, que com seus olhos malvados selevanta e se aproxima de Néia. ESTER — Nada... (com as mãos) do que acontece nessa casa, diz respeito a você! Suburbana! NÉIA — Mas... (assustada) dona Ester, eu só queria ajudar. Te perguntei/ ESTER — Empregados não são contratados pra fazerem perguntas. No caso, eu contrato Marília Gabriela, caso eu queira! Suma daqui, Néia! Agora! NÉIA — Poxa, dona Eunice não me destratava assim!Ester brutalmente puxa a bandeja das mãos de Néia. ESTER — Me dá isso aqui! Vai embora daqui, empregadinha! NÉIA — (chateada) Com licença.Néia sai de cena humilhada, indo pra cozinha. Estercoloca aquela bandeja na mesa de centro. Ela vira-serispidamente e quando vê quadro na parede, deEunice, fica com receio. ESTER — (para o retrato) Quando você vai me deixar em paz, sua bruaca? Quando? Quando eu morrer? Quando eu largar do seu filhinho médico recém-formado e recém-saído das fraldas? (Se aproxima do retrato)
  10. 10. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 10 Por mim, eu quebraria você toda, agora. Toda. Mas não posso. (ri possessa) O que eu fiz já tá bom. Ótimo, até! Muito bom! Se lembra, Eunice? Hã?Zoom no retrato de Eunice. Ester o olha, com frieza.Cortando para o Flash-BackCENA 11. FLASH-BACK. MESES ATRÁS. APÊ DE ESTER. INT. DIA.CAM passeia pelo luxuoso apartamento de Ester. Vaibuscá-la. Ester jogada no sofá que é todo de couro.Com um pote, repleto de salada de frutas, eladelicia-se ouvindo um bom clássico no rádio que estáem cima da mesa de centro. Nisso, escuta-se BATIDASÀ PORTA. ESTER — (se irrita) Ai! Cadê o sossego na própria casa, meu Deus?!Ester coloca o pote de Salada no sofá. Corre até aporta. Ester abre a porta e dá de cara com Eunice,que está séria, nada boa. ESTER — (surpresa) Eunice? EUNICE — (corta) Nem começa com o papinho de boa moça, que não cola! Só vim pra dar um aviso. Se afasta do meu filho!Ester a primeira vista, fica balançada, então diz. ESTER — Como assim, Eunice? Não entendi/ EUNICE — (cínica) Ah, não entendeu ou se faz de não entendida? Hã? Eu explico, já que você não entendeu!Eunice entra com tudo e passa rudemente por Ester,caminhando até o centro da sala. Sonoplastia: Instrumental tensão.Ester fica indignada com tanta falta de respeito. ESTER — Espera aí... (sem graça) cadê a educação das pessoas? Não se entra na casa dos outros sem pedir lice/
  11. 11. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 11 EUNICE — Cala a boca e ouve! Quanto você quer? ESTER — (desentendida) Quanto eu quero? Como assim, eu não tô entendendo, Eunice. EUNICE — Quanto você quer pra se afastar do meu filho? Sonoplastia: Instrumental baques.Ester surpresa. ESTER — Espera... por que você tá me oferecendo dinheiro pra mim me afastar do Leandro? EUNICE — Simples. Prevenção! ESTER — (confusa) Prevenção? Prevenção do quê, dona Eunice? EUNICE — De você. (pausadamente) Prostituta.Ester fica pálida, sem chão após ver que seu passadosujo veio à tona. Close no rosto desolado de Ester. EUNICE — (começa a rir) Ai, você não sabe o quão prazer me dá ver você aí, com a cara no chão! Meretriz, cadela! Meretriz pra mim tinha que morrer. Prostituta, meretriz... tudo a mesma coisa, cachorras! ESTER — (sem rumo) Mas... como que... EUNICE — Não me pergunte, eu não vou responder! Só se afaste de meu filho. Receberá por isso. Invente uma viagem de última hora. Parta e nunca mais volte. ESTER — (preocupada) Não! Ficou louca? Não hei me separar do Leandro. Meu passado não diz nada do meu presente.Ester, preocupada começa a andar de um lado prooutro, enquanto Eunice continua.
  12. 12. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 12 EUNICE — Ah... você acha que ser prostituta é uma profissão de um dia, que você esquece no outro? ESTER — Quem te contou tudo isso?! Por que contou?! Hã?! EUNICE — Eu já disse, eu não vou dizer quem me contou. Mas foi uma pessoa muito conhecida sua. De mais, até. ESTER — Bom... você nunca gostou de mim, tem motivos pra me odiar. Agora, o meu passado como o nome já diz, é passado! E o Leandro não é desses que largam a mulher pelo que ela é, ou deixa de ser! EUNICE — (ri) Ah, Ester... Leandro não é tão bonzinho assim, não. Eu conheço meu filho. Ele vai correr atrás de outra. E deixar você, a ver navios! ESTER — Que culpa tenho eu? Hã? Se fui... enfim, fugi de casa por causa duns problemas que eu não posso contar, com o meu padrasto. E... hoje, estou aqui. EUNICE — Vivendo do dinheiro da minha família! Interesseira! Outro motivo pelo qual quero que você se afaste da nossa família. ESTER — Dona Eunice, eu não sou uma interesseira! EUNICE — (se aproxima) Ah, não é? Explica os limites de inúmeros cartões de créditos que você estourou! ESTER — Olha, estamos estendendo o assunto. A senhora foi grossa comigo, invadiu minha residência/ EUNICE — (esbraveja) Para de se fingir! Para, garota!!! Se mostra! Prova
  13. 13. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 13 que você é uma mulher, de honra, que não se esconde! Mascarada! ESTER — A senhora é que se esconde. Atrás dessa mulher que tem cara de boazinha, existe uma mulher fria, perversa... que desmoraliza todo mundo, mas vai ver no fundo é uma ordinária!Sem medir esforços, Eunice mete um tapa na cara deEster, que num vap-vupt lhe dá outro também. Muitoritmo!!!!! EUNICE — Imunda! Cachorra! ESTER — A senhora quem começou! Dona Eunice. EUNICE — Ah, mas isso não vai ficar assim, eu vou ligar pro Leandro, agora! Você vai ser desmascarada. E é agora!Ester fica sem ação. Assustada. ESTER — Ligar pro... Leandro? EUNICE — Isso mesmo! Agora, você não escapa da verdade!Eunice puxa da bolsa o seu celular. Ela caminha prasacada do apê. Corte descontínuo para exterior doapê. Tomada aérea, CAM revela a altura do apê.Eunice na sacada, pegando o celular da bolsa, decostas para Ester, que fica sem reação. ESTER — (para si, baixinho) Meu Deus... e agora? E agora?! O que eu faço? Leandro vai descobrir tudo, tudo! Não...!Eunice cutuca o celular enraivada. Close na tela doaparelho, que indica estar fora de área. EUNICE — (histérica) Droga! (para Ester) Não pense que você vai se livrar. O meu filho tem o direito de saber de toda a verdade. Toda! ESTER — Tudo bem. Conte. Vai fundo!
  14. 14. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 14Por impulso, Ester sai dali às pressas e se dirige àcozinha do apartamento. CAM fica em Eunice,insistente a mexer no celular. EUNICE — Droga... sem sinal! Sem sinal! Não pode ser!Câmera subjetiva: Uma arma surge na frente da cam, euma mão feminina a segura. Lentamente se aproxima dopescoço de Eunice. Esta vira-se, e paralisada: EUNICE — (paralisada) O que é isso?CAM revela Ester, que dá um sorriso maquiavélicosegurando a arma. ESTER — (ri) Sorria. Afinal, a vida é bela! EUNICE — (apavorada) Você ganha o que me matando? ESTER — Ganho meu casamento com o Leandro! EUNICE — Se afasta, Ester! Abaixa essa arma! ESTER — (ri) Quem vai me impedir? Você? (ri) Tá com o rabo entre as pernas, se borrando! EUNICE — Vai atirar? Mais um crime cometido por você, prostitutazinha! ESTER — Não... eu não vou atirar...Close na arma. Ester a deixa cair sobre o chão.Instantes no semblante de Eunice, surpresa. ESTER — (possessa) Eu vou fazer melhor!Efeito CAM lenta: Ester se aproxima e numa fraçãode segundos, leva a mão sobre a barriga de Eunicecom toda sua força. A mesma com o impacto sedesequilibra e cai da sacada do apartamento. Cortedescontínuo para exterior, em tomada aérea. Eunicecai em CAM lenta lá de cima. Instantes. Ester seapavora, e leva a mão sobre a boca, desesperada. ESTER — (desespera-se) Ah, meu Deus! O que eu fiz! O que eu fiz? Eu matei
  15. 15. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 15 uma pessoa... (chorando) Eu matei uma pessoa?!Apavorada, Ester começa a andar de um lado para ooutro, com a mão sobre a cabeça.Corta para fim do Flashback:CENA 10. MANSÃO DE JÚLIO. INT. SALA. TARDE. CONTINUIDADE DO FLASH-BACK, REALIDADE.Close em Ester. A mesma estava olhando para oquadro. Vira-se ríspida. ESTER — (para si) Ester, Ester... (vira- se) Nada de ficar vivendo de passado. Hoje é o teu dia! Teu! Só teu!Ester se senta ao sofá. Instantes. Pensativa. Grita: ESTER — (esbraveja) Néia!!!! Ô Néia!!!! Anda, sua incompetente!Instantes. Néia vem apressadíssima da cozinha, aenxugar as mãos no avental. NÉIA — Sim, dona Ester? ESTER — Me traz um... sei lá, alguma coisa pra me acalmar. Agora! NÉIA — Sim, dona Ester! (T) Com licença!Néia sai em direção à cozinha disparada. Close emEster, que suspira, ainda abalada.Corta para:CENA 11. MANSÃO DE JÚLIO. EXT. QUINTAL. TARDE. CONTINUIDADE.CAM faz tour pelo quintal. Vai buscar a entrada damansão, por onde entram vários convidados. Júlioestá ali perto, e recepciona-os. Instantes. Vemchegando Cândida e Astolfo, muito bem arrumados.Lisa vem logo atrás, os acompanhando. JÚLIO — Astolfo, Cândida... meus amigos! Quanto tempo! CÂNDIDA — (sorrindo) Ah... faz muito tempo mesmo, meu querido.
  16. 16. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 16 JÚLIO — Que bom que vocês vieram, viu. Era o que faltava,sóvocês. (percebe Lisa) E essa linda moça? (para Cândida, descontraído) Não me diga que engravidou?Todos a volta riem. CÂNDIDA — Ô! Quem me dera engravidasse... Mas enfim, essa é Lisa. Da nossa escola. Sabe, ela é professora. LISA — De língua portuguesa. (para Júlio) Muito prazer.Júlio encantado com Lisa. Ela estende as mãos, eJúlio dá o tradicional beijo. JÚLIO — Encantado. É um prazer, Lisa. Sabe, não falo mentindo, não. Sei como é a vida dos professores hoje em dia. Pouco remunerados, e na maioria das vezes destratados. LISA — Nem me fale. ASTOLFO — (rindo) Ué... a gente veio aqui pra se divertir,aproveitar... ou ficar falando de trabalho? JÚLIO — Tá valendo os dois, ué!Todos riem novamente. Sonoplastia: Tema animado.Agora sem áudio, Júlio os chama para acompanha-lo.Tanto Lisa, quanto Cândida e Astolfo saem dali juntode Júlio.Corta para:CENA 12. MANSÃO DE JULIO. EXT. OUTRO CANTO. TARDE.CAM se aproxima e vai buscar Ester. Ela estáchecando a mesa dos doces e bebidas, e parece olharcom um certo receio. ESTER — Mas esses doces estão uma porcaria! Bufê vagabundo esse meu sogro arrumou! Mão de vaca! (nojo) O que é isso? Serviram essa droga
  17. 17. Perfeição Capítulo 01 Pag.: 17 no meu noivado! (histérica) Ah, eu corto a cabeça de um!Efeito CAM subjetiva: Mostra ponto de vista dealguém, que caminha em meio aos convidados. CAMexplora à volta, e mostra a reação de algunspersonagens a encarar a “câmera”. A cam se aproximade Ester,que está de costas na mesa dos doces. Umamão feminina toca o ombro de Ester. Instantes. Essavira-se, e tem um susto. Sonoplastia: Baque Instrumental. MULHER — Quanto tempo, minha cara! ESTER — (desolada) Você? Você?CAM revela Raquel, a sorrir. CAM explora a moça, emostra sua roupa mais que provocante. Raquel sorrimaquiavelicamente. RAQUEL — (sorrindo) Oi, Ester... Quanto tempo! (T) ESTER — (apavorada) Raquel? RAQUEL — Eu mesma... Raquel... A sua colega de décadas... A sua amiga sincera... A sua colega da batalha... Gostou da sessão nostalgia? Porque eu to adorando te surpreender!CAM explora a desolação de Ester, a olhar encaradapra Raquel.Corta para: FIM DO CAPÍTULO

×