Successfully reported this slideshow.
O caso da varaMachado de Assis
• Escola Estadual Senador Petrônio Portella• Alunos:       Angelo Coppo           Nº 02                João Pedro         ...
• O Caso da Vara é um dos contos mais famosos de  Machado de Assis, publicado inicialmente na Gazeta de  Notícias, no ano ...
•   Damião – Jovem medroso que fugira do seminário por não querer seguir a carreira religiosa    imposta pelo pai. Apesar ...
A história• Machado de Assis, conta brevemente a história de um  seminarista fugitivo, que tem medo de voltar para casa, p...
Damião e Lucrécia• No final do conto, Lucrécia chega a implorar por tudo  que é mais sagrado para que Damião a ajudasse. E...
Análise do conto
• Narrado em 3º pessoa.• Não há preocupação em analisar psicologicamente os  personagens, fato que não retira a profundida...
• Machado foi sensível às crueldades da escravidão, porém,  declarou que o conto em questão não tratou da escravidão  prop...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O caso da vara

9.997 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

O caso da vara

  1. 1. O caso da varaMachado de Assis
  2. 2. • Escola Estadual Senador Petrônio Portella• Alunos: Angelo Coppo Nº 02 João Pedro Nº 15 Lucas Magalhães Nº 17 Kamila Tavares Nº 18 Rayssa Gualberto Nº 27 Edvan Frazão Nº 38Professora: Pricila
  3. 3. • O Caso da Vara é um dos contos mais famosos de Machado de Assis, publicado inicialmente na Gazeta de Notícias, no ano de 1891, e republicado no livro Páginas Recolhidas. O conto, fala sobre a história de Damião, um fugitivo do seminário, que tem uma difícil escolha a fazer.
  4. 4. • Damião – Jovem medroso que fugira do seminário por não querer seguir a carreira religiosa imposta pelo pai. Apesar da piedade que tem em relação à Lucrécia, deixa-se levar pelo egoísmo do interesse próprio.• Sinhá Rita – Viúva, “quarenta anos com olhos de vinte e sete, apessoada, viva, patusca, mas quando convinha era brava e firme como o diabo”. Vivia de ensinar bordado para escravas e mantinha relações com João Carneiro não bem entendidas por Damião. Aceita ajudar o jovem para provar seu autoritarismo sobre o “amante”. Impunha castigos a suas escravas, como surras de vara.• João Carneiro – Padrinho de Damião e suposto amante de Rita. Molenga, sem vontade, por si só não fazia nada útil. Amigo do falecido marido de Rita e submisso às determinações da viúva.• Lucrécia – Escrava de apenas onze anos que bordava na casa de Rita: frágil, magricela, marcada por uma cicatriz e uma queimadura, tímida ria e tossia para dentro. Vítima da vara da patroa.Personagens
  5. 5. A história• Machado de Assis, conta brevemente a história de um seminarista fugitivo, que tem medo de voltar para casa, pois sabe que o pai o levará de volta ao seminário. Portanto, Damião foge e se esconde na casa de Sinhá Rita. A mulher promete ajudá-lo e por isso Damião permanece.• Porém, Sinhá Rita, tem uma escrava chamada Lucrécia, uma garota que é maltratada por Sinhá Rita.• Damião, vendo a situação, promete a si mesmo que iria apadrinhar Lucrécia. Mas chega um momento, em que Sinhá Rita vai castigar Lucrécia e pede a vara a Damião, que fica em dúvida entre ajudar Lucrécia ou entregar a vara e receber a ajuda de Sinhá Rita. Por fim, ele decide entregar a vara.
  6. 6. Damião e Lucrécia• No final do conto, Lucrécia chega a implorar por tudo que é mais sagrado para que Damião a ajudasse. E com isso, Machado de Assis usa sua ironia para fazer uma crítica contra a escravidão da época, porém, essa crítica perpetua até hoje, e nos faz refletir, se todas as pessoas são cruéis e interesseiras como Damião - justamente como ocorre nos dias atuais, em que as pessoas perpetuam suas mentalidades racistas, sexistas e especistas; sempre entregando a vara.
  7. 7. Análise do conto
  8. 8. • Narrado em 3º pessoa.• Não há preocupação em analisar psicologicamente os personagens, fato que não retira a profundidade abordada no relato.• Crítica explícita ao interesse e egoísmo reinante nas posições sociais. Damião tem consciência que se interceder a favor da jovem escrava a salvará do desumano castigo imposto por Rita, contudo, não pode ir contra as convicções da senhora que estava lhe ajudando a sair do seminário. Por mais que haja comoção, dó e piedade em relação à Lucrécia, seu objetivo está acima de qualquer situação, o interesse subjetivo é somente o que importa. A mesquinhez do jovem é o reflexo de sua posição, tanto financeira quanto interior.A submissão do padrinho em relação aos caprichos da amante, juntamente com a ousadia e autoritarismo feminino para a época, são fatores também merecedores de relevante olhar.
  9. 9. • Machado foi sensível às crueldades da escravidão, porém, declarou que o conto em questão não tratou da escravidão propriamente e sim da falta de princípios da classe social vigente perante perspectivas que visem apenas instâncias individuais. “Não há outro episódio na literatura Pré- abolicionista brasileira que dê tão bem e de modo tão flagrante a vida da criança urbana escrava”. Machado de Assis

×