PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
1
Projeto Educativo Escola
Básica dos 2º e 3...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
2
Índice
1. Introdução ........................
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
3
Índice de Figuras
Figura 1- Mapa do Concel...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
4
1. Introdução
1.1. O ProjetoEducativo
Em t...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
5
2. Contextualização e identidade cultural
...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
6
Engenho Velho, Fajã, Fontes, Jamboto, Lade...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
7
em cujos jardins se encontra a casa-mãe (F...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
8
2.2.1. Estruturaorganizacional
A estrutura...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
9
Como complemento à formação dos alunos, a ...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
10
2.2.4. Parcerias/Protocolos
Para a concre...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
11
No ano letivo 2014/2015, matricularam-se ...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
12
escola alguns computadores portáteis e um...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
13
3. Missão, visão e valores
Os elementos e...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
14
5. Identificação das áreas de intervenção...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
15
 Imagem da escola
Figura 7- Perceção dos...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
16
Em relação ao pessoal não docente, a gran...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
17
 Opinião do pessoal não docente sobre os...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
18
Figura 14 - Relação dos professores com o...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
19
 PERCEÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS ENCARRE...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
20
5.2. Análise SWOT
O recurso à análise SWO...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
21
5.3.Áreas de intervenção
Feito um diagnós...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
22
 MOTIVAÇÃO PARA O ESTUDO / NÍVEL DE SUCE...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
23
No 2º ciclo, também se regista algum insu...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
24
Tabela 14 - Número de alunos do 2º ciclo ...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
25
Tabela 17 - Áreas de intervenção prioritá...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
26
Áreas de
Intervenção
Prioritárias
Fundame...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
27
6. Plano de Intervenção
6.1. Metas que no...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
28
Áreas de
intervenção
Objetivos Metas
Indi...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
29
Áreas de
intervenção
Objetivos Metas
Indi...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
30
7. Avaliação
Requerendo o Projeto Educati...
PROJETO EDUCATIVO 2014-2018
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO
31
Bibliografia
Alves, José Matias. (2003). ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Projeto educativo de escola

772 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Projeto educativo de escola

  1. 1. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 1 Projeto Educativo Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António 2014/2018 LEMA:ORIENTAR SABERES, PREPARARPARA A CIDADANIA
  2. 2. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 2 Índice 1. Introdução ............................................................................................................................................4 1.1. O Projeto Educativo ........................................................................................................................4 1.2. Metodologia....................................................................................................................................4 2. Contextualização e identidade cultural...............................................................................................5 2.1. O meio envolvente..........................................................................................................................5 2.2. A Escola...........................................................................................................................................6 2.2.1. Estrutura organizacional ..........................................................................................................8 2.2.2. Oferta formativa e atividades de complemento curricular .....................................................8 2.2.3. Serviços especializados de Apoio Educativo............................................................................9 2.2.4. Parcerias/Protocolos ..............................................................................................................10 2.2.5. Recursos humanos .................................................................................................................10 2.2.6. Recursos físicos ......................................................................................................................11 2.2.7. Recursos financeiros ..............................................................................................................12 2.2.8. Cultura organizacional da escola............................................................................................12 3. Missão, visão e valores ......................................................................................................................13 3.1. Missão...........................................................................................................................................13 3.2. Visão..............................................................................................................................................13 3.3. Valores ..........................................................................................................................................13 4. Objetivos organizacionais..................................................................................................................13 5. Identificação das áreas de intervenção.............................................................................................14 5.1. Resultados do inquérito................................................................................................................14 5.2. Análise SWOT................................................................................................................................20 5.3. Áreas de intervenção....................................................................................................................21 5.4. Fundamentação............................................................................................................................21 6. Plano de intervenção .........................................................................................................................27 6.1. Metas que nos propomos alcançar..............................................................................................27 7. Avaliação.............................................................................................................................................30 8. Nota final............................................................................................................................................30 Bibliografia..............................................................................................................................................31
  3. 3. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 3 Índice de Figuras Figura 1- Mapa do Concelho do Funchal ....................................................................................................5 Figura 2- Edifício principal da quinta – casa-mãe.......................................................................................6 Figura 3- Edifício da Escola..........................................................................................................................7 Figura 4- Organograma da escola...............................................................................................................8 Figura 5- Alunos matriculados por ano de escolaridade no ano lectivo 2014/2015................................10 Figura 6- Grau de satisfação dos alunos, pessoal docente e não docente em relação à escola..............14 Figura 7- Perceção dos alunos sobre a imagem da escola .......................................................................15 Figura 8 - Perceção do pessoal docente sobre a imagem da escola ........................................................15 Figura 9 - Perceção do pessoal não docente sobre a imagem da escola .................................................15 Figura 10 - Opinião dos alunos sobre a turma a que pertencem .............................................................16 Figura 11- Perceção dos alunos sobre as aulas.........................................................................................16 Figura 12- Opinião do pessoal não docente sobre os alunos...................................................................17 Figura 13- Relação dos alunos com outros intervenientes.......................................................................17 Figura 14 - Relação dos professores com outros intervenientes .............................................................18 Figura 15- Relação do Pessoal Não Docente com outros intervenientes.................................................18 Figura 16- Relação de parentesco Encarregados de Educação/Alunos....................................................19 Figura 17- Áreas de intervenção...............................................................................................................21 Índice de Tabelas Tabela 1- Dados da RAM, concelhoe freguesia.............................................................................................. 5 Tabela 2- Problemáticas dos alunos da Educação Especial.............................................................................. 9 Tabela 3- Evolução do número de alunos.....................................................................................................10 Tabela 4- Alunos apoiados pela ASE.............................................................................................................11 Tabela 5- Habilitações dos pais/encarregados de educação...........................................................................19 Tabela 6 - Análise SWOT..............................................................................................................................20 Tabela 7- Número de conselhos de turma de natureza disciplinar..................................................................21 Tabela 8 - Comportamentos desviantes .......................................................................................................21 Tabela 9 - Evolução das transições de 2010/2011 a 2013/2014 .....................................................................22 Tabela 10 - Percentagem média de alunos que transitam com nível negativo – ano letivo 2012/2013 .............22 Tabela 11- Percentagem média de alunos que transitam com nível negativo – ano letivo 2013/2014 ..............23 Tabela 12- Número de transições em 2012/2013 e em 2013/2014 ................................................................23 Tabela 13 - Percentagem de alunos que transitaram sem níveis negativos em 2012/2013 e 2013/2014...........23 Tabela 14 - Número de alunos do 2º ciclo com planos de recuperação e acompanhamento............................24 Tabela 15 - Número de alunos do 3º ciclo com planos de recuperação e acompanhamento............................24 Tabela 16 - Número de alunos com planos de recuperação com transição.....................................................24 Tabela 17 - Áreas de intervenção prioritárias, fundamentação e estratégias ..................................................25 Tabela 18 - Áreas de Intervenção, objetivos, metas,indicadores de avaliação e meios de verificação..............27
  4. 4. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 4 1. Introdução 1.1. O ProjetoEducativo Em termos legais, o Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa da escola, elaborado e aprovado pelos seus órgãos de administração e gestão para um horizonte de quatro anos, no qual se explicitamos princípios, os valores, as metas e as estratégias, segundo os quais a escola se propõe cumprir a sua função educativa (Decreto Legislativo Regional nº 4/2000/M, de 31 de janeiro, artigo 3º, alterado pelo Decreto Legislativo Regional nº 21/2006/M, de 21 de junho). Neste pressuposto, o Projeto Educativo é um dos documentos-charneira da gestão escolar e consagra o devir da escola enquanto organização. Na opinião de Silva (1999): “O Projecto Educativo é a expressão do poder e da liberdade dos actores escolares no que se refere à mudança da realidade escolar e à manifestação de uma acção estratégica com vista à introdução de mudanças no cenário escolar.” (p. 81). Com efeito, é no Projeto Educativo que se concretizam as estratégias definidas e adotadas pela escola. Representa a possibilidade de se enveredar por outros rumos, de mudar os conceitos e as práticas escolares e as mentalidades dos atores. Encarna a possibilidade da passagemda intenção à prática, correspondendo também à bússola da gestão estratégica e meio de antecipação e viabilizaçãodos planos elaborados. Assim,será legítimo afirmar que o Projeto Educativo é o instrumento que, por excelência, consubstancia o grau de autonomia; implementa as mudanças; define as condições de liderança e é a força motriz que dinamiza os processos organizacionais. Este Projeto visa promover, numa união de esforços, uma cultura de sucesso educativo e escolar para todos os alunos, assimcomo atitudes e comportamentos adequados à aprendizagem, fomentando os valores de cidadania. 1.2. Metodologia Reportando-se um Projeto Educativo à singularidade de cada escola, afigura-se essencial para a sua construção a análise do contexto interno, de modo a tornar bem explícita não só a imagem que a comunidade educativa tem de si mesma, mas também as suas expetativas. Nesta decorrência, a metodologia usada para a identificação das áreas de intervenção foi diversificada. Procedeu-se à aplicação de inquéritos aos alunos, ao corpo docente e não docente e aos representantes dos encarregados de educação do ano letivo de 2014-2015. A informação assimobtida foi complementada pela consulta de outros documentos organizacionais (Balanço Social, plataforma Place, Plano Anual de Turma, atas, relatórios de direção de turma, pautas e outros), cujo contributo foi considerado pertinente para um estudo mais aprofundado da realidade escolar. Numa perspetiva evolutiva, foram observados dados compreendidos entre o ano letivo 2010/2011 e 2013/2014. Recorreu-se, ainda, a uma análise SWOT, ferramenta que permite identificar os pontos fortes e fracos da organização, assim como as ameaças e as oportunidades presentes no exterior. Finalmente, identificadas as áreas de intervenção e enunciadas as metas a atingir de acordo com os valores educacionais a promover, fundamenta-se a ação educativa subjacente ao plano de ação delineado, em consonância com as especificidades da escola.
  5. 5. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 5 2. Contextualização e identidade cultural 2.1. O meioenvolvente A população escolar é oriunda da freguesia de Santo António. Implantada na zona Nordeste alta do concelho do Funchal, a freguesia de Santo António (Figura 1) ocupa uma vasta área e confronta a Norte com o concelho de Santana, a Sul com a freguesia de São Pedro, a Oeste com a freguesia de São Martinho e concelho de Câmara de Lobos e a Leste com a freguesia de São Roque. Nesta freguesia, notam-se estilos de vida diferentes, devido à sua extensão, registando-se estilos de vida mais urbanos nas zonas mais baixas e características rurais nas zonas mais altas, próximas à montanha. De uma forma geral, os aglomerados existentes nas zonas altas apresentam um nível socioeconómico mais baixo. É ainda de considerar, nesta freguesia, a existência de oito bairros de habitação social, estando quatro destes no pelouro do Instituto de Habitação da Madeira e sendo os restantes da responsabilidade do pelouro do Departamento de Habitação da Câmara Municipal do Funchal. Através da observação do mapa, podemos verificar que é a freguesia mais extensa e mais populosa do concelho do Funchal. Segundo dados do Recenseamento Geral da população de 2011 (Tabela 1) a freguesia de Santo António tinha 27 383 habitantes. A variação de população entre censos (2001 e 2011), em Santo António, foi de cerca de 25%, o que é muito significativo. No Funchal, foi de 7,6%. Isto é, se a cidade do Funchal aumentou 7931 habitantes, 5 452 registaram-se na freguesia de Santo António. A escola deu resposta a este crescimento populacional da primeira década deste século, que agora mostra sinais de estagnação, o que se reflete na redução do número de alunos, nomeadamente no 5º ano. Tabela 1- Dados da RAM, concelho e freguesia Fonte: INE. Censos 2011-RAM A freguesia é constituída pelos seguintes sítios: Água de Mel, Álamos, Alecrins, Barreira, Boliqueime, Casa Branca, Casas, Casas Próximas, Chamorra, Courelas, Curral Velho, Encruzilhadas, Indicadores Área geográfica População Residente % de Homens % de Mulheres Nº de Famílias Nº de Alojamentos Nº de Edifícios RAM 267 785 47,15% 52,84% 92 823 129 158 91 961 Funchal 111 892 46,52% 52,46% 39 855 51 922 29 244 Santo António 27 383 47,64% 52,35% 9 027 10 926 6 311 Figura 1- Mapa do Concelho do Funchal
  6. 6. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 6 Engenho Velho, Fajã, Fontes, Jamboto, Ladeira, Laranjal, Levada do Cavalo, Lombinho, Lombo dos Aguiares, Lugar do Meio, Madalena, Penteada, Pico dos Barcelos, Pico do Cardo, Pilar, Pinheiro das Voltas, Pomar do Miradouro, Preces, Quinta das Freiras, Quinta do Leme, Ribeira Grande, Ribeirinho, Romeiras, Salão, Santa Quitéria, Santo Amaro, Tanque, Terra Chã, Trapiche, Três Paus e Vasco Gil. A freguesia de Santo António possui um variado número de instituições de caráter educativo, cultural, recreativo e desportivo, nomeadamente: - Arquivo Regional da Madeira; - Escolas do 1º Ciclo: Escola da Ladeira, do Boliqueime; - Biblioteca Municipal do Funchal; - Centro Cívico de Santo António; - Centro de Saúde de Santo António; - Serviço local de Segurança Social de Santo António; - Centro de Formação de Deficientes da Quinta do Leme - Centro Social e Paroquial da Graça; - Cine-Teatro de Santo António; - Clube de Futebol Andorinha de Santo António; - Clube Sport Marítimo; - Corpo Nacional de Escutas; - Direção Regional de Qualificação Profissional; - Grupo Cultural de Santo António; - Grupo de Campismo de Santo António; - Juventude Católica Antoniana; - Junta de Freguesia de Santo António - Piscinas da Penteada. 2.2. A Escola A Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António, embora seja uma escola de construção recente (1997), surgiu da necessidade de uma outra escola de 2º ciclo, e com muitos anos, se expandir – a Escola da Achada - de onde herdou algum do seu corpo docente e não docente. Foi construída, de raiz, para ser uma escola técnico-profissional, nos terrenos de uma antiga quinta – a Quinta Josefina - Figura 2- Edifício principal da quinta – casa-mãe
  7. 7. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 7 em cujos jardins se encontra a casa-mãe (Figura 2), que, depois de recuperada acolhe os Serviços Administrativos, os gabinetes dos Diretores de Turma e o Conselho Executivo. O edifício da Escola (Figura 3) é constituído por duas alas, tendo uma delas seis pisos e a outra dois. Esta diferenciação e número de pisos devem-se ao facto do projeto ter sido implantado numa encosta de declive acentuado. Acrescente-se que este género de estrutura se revela como uma séria condicionante do eficaz funcionamento da escola, na medida em que obriga a uma circulação interna na vertical. Pelas suas dimensões e pelo facto de permitir aos alunos frequentar, na sua freguesia, o 2º e 3º ciclos, é vista como um ponto de referência para a freguesia. A população, normalmente, designa-a por “escola da Madalena” por ter sido esse o seu primeiro nome. Note-se que, nos seus curtos anos de existência, a designação da escola passou por várias alterações. As características do meio em que a escola está inserida (heterogeneidade do tecido social) e o nível etário dos alunos exigem que, a par do rigor que a educação terá sempre que ter, haja também alguma flexibilidade que facilite a integração, a interação e a aceitação da própria escola no meio que a rodeia. A missão assumida pela escola obriga a que esteja atenta ao meio que a envolve, combatendo o insucesso e o abandono escolar dos alunos, pelo que, além de alargar o seu leque de oferta em cursos especiais de formação, faculta apoio psicológico e mantém um contacto estreito e recorrente com os organismos oficiais: Segurança Social, Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, Centro de Saúde, entre outros. Por ser uma escola com boas infraestruturas e um razoável desenvolvimento tecnológico, oferece, para além dos currículos oficiais, várias áreas de complemento à formação dos alunos. Figura 3- Edifício da Escola
  8. 8. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 8 2.2.1. Estruturaorganizacional A estrutura organizacional da escola inclui as estruturas de gestão e direção e as estruturas de gestão intermédia conforme Figura 4. Figura 4- Organograma da escola 2.2.2. OfertaFormativae atividades de complemento curricular No ano letivo 2014-2015, a escola tem vinte e seis turmas de ensino regular (2º e 3º ciclos), três turmas de Percursos Curriculares Alternativos (duas turmas do 6º ano e uma do 8º ano), assimcomo três Cursos de Educação e Formação do tipo 2: de Práticas Comerciais (em conclusão); de Eletricidade de Instalações e outro de Operador de Informática (primeiro ano). É um objetivo da escola oferecer apoio pedagógico acrescido aos alunos com mais dificuldades de aprendizagem nas disciplinas de Matemática, Português, Físico-Química, Francês e Inglês. CONSELHO DA COMUNIDADE EDUCATIVA CONSELHO ADMINISTRATIVO Docentes Rep. Pessoal Não Docente Rep. Autarquia Rep. Centro de Saúde Rep. Segurança Social Rep. Encarregados de Educação Rep. Educação Especial Rep. Alunos CONSELHO EXECUTIVO Serviço Especializado de Apoio Educativo (SPO e Ed. Especial) Pessoal Não Docente Pessoal Docente Alunos CONSELHO PEDAGÓGICO Coordenações de Ciclo Diretores de Turma Conselhos de Turma Representantes Encarregados de Educação Delegados de Turma Departamentos Curriculares Grupos Disciplinares Atividades Não Curriculares Comissão de Formação
  9. 9. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 9 Como complemento à formação dos alunos, a escola oferece os clubes: Europeu, de Música, de Matemática (“Construmatic”) e o Ateliê de Pintura, assim como os projetos:  Educação para a Sexualidade e Afetos;  Educação para a Segurança e Prevenção de Riscos;  Rede de Bufetes Escolares Saudáveis;  Educação e Prevenção Rodoviária;  Baú de Leitura;  Parlamento Jovem;  Eco Escolas;  Modalidades Artísticas – Cordofones e Artes Plásticas;  Desporto Escolar: núcleos de futebol; badminton; MDO (Modalidades Multidesportivas de Outdoor); ténis de mesa e dança. 2.2.3. Serviços especializados de ApoioEducativo  Educação Especial (apoio individualizado /personalizado) A Educação Especial é uma modalidade de apoio específico para alunos com severas dificuldades de aprendizagem ou com necessidades educativas especiais (NEE), que revelam um grande distanciamento de competências relativamente às do ano que frequentam. Permite um apoio personalizado a estes alunos, centralizado na sua especificidade individual ou no programa educativo individual traçado para os alunos com NEE. Estão sinalizados setenta e um alunos como pertencentes à Educação Especial, usufruindo de apoios individualizados ou personalizados devido a graves dificuldades de aprendizagem e de aquisição de competências, de acordo com a tabela seguinte: Tabela 2- Problemáticas dos alunos da Educação Especial no ano letivo 2014/2015 Problemáticas Nº de alunos Perturbaçãodo Espectrodo Autismo 2 Dificuldades no FuncionamentoIntelectual 47 Desordem por déficedeatenção e hiperatividade 3 Perturbaçãode Hiperatividadecom DéficedeAtenção 2 Perturbações Emocionais e comportamento graves 2 Perturbaçãoda Linguageme da Fala 1 Perturbações das Aptidões Motoras 1 Perturbações Emocionais 3 Dislexia 5 Disgrafia 1 Prader-Willi 1 EscleroseTuberosa 1 Paralisia Cerebral 1 Síndrome Fetal Alcoólico 1 Total: 71
  10. 10. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 10 2.2.4. Parcerias/Protocolos Para a concretização dos seus objetivos, a escola tem desenvolvido parcerias e estabelecido protocolos com algumas entidades, salientando-se: - Câmara Municipal do Funchal; - Centro de Saúde de Santo António; - Serviço Local de Segurança Social; - Escola de Dança do Funchal – ensino artístico especializado; - Estação de Biologia Marinha; - Jardim Botânico do Funchal; - Junta de Freguesia de Santo António; - Parque Natural da Madeira; - Polícia de Segurança Pública – Escola Segura; - Universidade da Madeira. 2.2.5. Recursos Humanos  Alunos Conforme se pode observar na Tabela 3, nos últimos quatro anos letivos, verifica-se um decréscimo progressivo no número de alunos inscritos, facto aliado a fatores como a evolução negativa da natalidade e a emigração, acentuado no presente ano letivo pela redução de alunos no 5º ano de escolaridade. Tabela 3- Evolução do número de alunos Anos letivos 2º Ciclo 3º Ciclo Total 2010/2011 304 377 681 2011/2012 314 421 735 2012/2013 307 416 723 2013/2014 269 439 708 2014/2015 220 410 630 Figura 5- Alunos matriculados por ano de escolaridade no ano lectivo 2014/2015 5º Ano, 91 6º Ano, 129 7º Ano, 142 8º Ano, 122 9º Ano, 108 CEF, 38
  11. 11. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 11 No ano letivo 2014/2015, matricularam-se 630 alunos, com maior incidência no 7º ano de escolaridade. Tabela 4- Alunos apoiados pela ASE Ano Letivo Escalão 1 Escalão 2 Sem escalão Total de alunos 2010-2011 241 175 265 681 2011-2012 238 206 287 731 2012-2013 224 212 293 729 2013-2014 244 189 261 694 2014-2015 216 191 223 630 A nível socioeconómico, há um considerável número de alunos que provêm de famílias com fracos recursos, situação agravada pela atual conjuntura económica. Os apoios financeiros são proporcionados aos alunos seguindo os dispositivos legais, plasmados por portaria regional, e assegurados através dos serviços de Ação Social Escolar. O facto de a escola servir uma população economicamente mais desfavorecidapoderá constatar-sepelo número de alunos que usufrui de escalão da Ação Social Escolar (Tabela 4) ao longo dos anos e que abrange cerca de 2/3 da população escolar (65%).  Pessoal docente No ano letivo 2014-2015, a escola conta com 96 docentes, sendo 54 do Quadro de Escola, 31 do Quadro de Zona Pedagógica, 5 do quadro de vinculação à RAM e 6 contratados, o que confere, através de um quadro de estabilidade, a garantia de continuidade pedagógica. O corpo docente é, maioritariamente, feminino, com uma média de idade de 44 anos, natural e residente no concelho do Funchal, com 11 a 20 anos de serviço, encontrando-se na escola há mais de nove anos.  Pessoal não docente Do quadro de pessoal não docente fazem parte 44 trabalhadores, sendo 6 do género masculino e 38 do género feminino, distribuídos pelas categorias de técnico superior (2), técnico de informática (1), assistentes técnicos (12) e assistentes operacionais (29). No que diz respeito às habilitações literárias, há quatro licenciados. A média de idade situa-se nos 51 anos. Há três trabalhadores subsidiados colocados pelo Centro de Emprego ao abrigo do Programa Ocupacional dos Trabalhadores Subsidiados. 2.2.6. Recursos físicos A escolapossui quatro laboratórios de informática, salade sessões,papelaria,cantina, duas salas de convívio com bufete, dois polidesportivos, ginásio, para além das 25 salas de aula, algumas delas equipadas com videoprojetor ou quadros interativos (smartboards). Constam ainda do património da
  12. 12. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 12 escola alguns computadores portáteis e um laboratório móvel. Atenta à importância das novas tecnologias, e numa perspetiva de inovação, está disponível o acesso à plataforma Moodle. Para ocupação dos tempos livres, os alunos têm ao seu dispor jogos na sala de convívio e uma biblioteca com um considerável acervo de livros. O jardim é, igualmente, um espaço onde os alunos podem descontrair ou jogar ping-pong. 2.2.7. Recursos financeiros O orçamento da escola abrange duas áreas: o Fundo Escolar, dotado de autonomia administrativa e financeira, que abrange todas as despesas relacionadas comalunos, e o Funcionamento Normal, que abarca as despesas com o funcionamento da organização. A escola lida com falta de liquidez, o que cria constrangimentos e obriga a aguçar o engenho na procura de recursos financeiros para colmatar as suas carências quotidianas.Destadecorrência, algumas parcerias ou protocolos foram estabelecidos. 2.2.8. Culturaorganizacional da escola A cultura organizacional da escola é uma realidade complexa mas, simultaneamente, passível de ser interpretada e compreendida. As escolas evidenciam a sua cultura através de artefactos verbais, visuais, simbólicos e comportamentais que as singularizam, assimcomo crenças, valores e pressupostos que fundamentam as perceções, atitudes e expetativas dos seus membros. A cultura de uma escola é engendrada na e pela multiplicidade de relações estabelecidas pela dinâmica dos seus interlocutores, possuidora da plasticidade suficiente, que tanto inibe como dinamiza os contextos. Apesar de estaser uma escolarecente, apresenta, já, um conjunto, quiçáapreciável, de símbolos, rituais, cerimónias, eventos e confraternizações que, além de dar identidade à própria instituição, promovem ainda o proliferar de relações informais que caracterizam a sua própria dinâmica. Em suma, estaescola,como todas as outras, tem uma cultura organizacional própria que também aqui surge como resultado de um processo permanente de inovação, adaptação e evolução. A exemplo do que refere a literatura (Torres, 2004), a escola investe nas suas dimensões simbólicas, dinamizando cerimónias e outras iniciativas com o intuito de reforçar a sua identidade cultural. Estes momentos de partilha e as interações produzidas constituem o berço e a forma (aqui entendida como molde) para a cultura organizacional da escola. Na perceção dos docentes, prevalece uma Cultura de Objetivos e uma Cultura de Apoio, correspondendo às exigências impostas à escola atual: é o local de partilha, de colaboração, de ensinamentos democráticos, mas também o locus de produtividade, do mostrar resultados numa vertente empresarial de eficiência e eficácia de acordo com uma cultura de mérito própria de uma sociedade moderna e competitiva. Esta dupla vertente é compreensível na perspetiva de que estes tipos de cultura se completam e complementam, numa lógica de escola bricolage de que fala Gomes (1993).
  13. 13. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 13 3. Missão, visão e valores Os elementos estruturantes em que assenta a estratégia de qualquer organização são: a Missão (Porque existimos?), a Visão (O que queremos ser?), os Valores (O que é importante para nós) e os Objetivos, com os indicadores, as metas e as fontes de verificação. Cabe à visão e à missão suportarem a ação estratégica da organização, sobretudo quando está em causa uma estratégia de mudança. 3.1. Missão A Escola Básica dos 2º e 3 º ciclos de Santo António tem como missão assegurar aos alunos os conhecimentos, competências e saberes necessários para o prosseguimento de estudos, alémde educar para os valores e para o exercício de uma cidadania plena, desenvolvendo o espírito crítico, estético, cultural e científico. O lema é: ORIENTARSABERES, PREPARARPARA A CIDADANIA. 3.2. Visão Numa ideia de futuro, a escola quer ser reconhecida pela qualidade do ensino que oferece, na perspetiva da formação integral dos alunos, assim como pela inovação nas práticas educativas. 3.3. Valores A qualidade organizacional pressupõe um conjunto de valores que influenciame orientam aação dos membros da comunidade escolar. Assim, a escola privilegia os seguintes valores:  Responsabilidade  Disciplina  Empenho/Dedicação  Solidariedade  Tolerância 4. Objetivos organizacionais A escola, como organização, tem por principais objetivos:  Melhorar o sucesso escolar e educativo;  Promover atitudes e comportamentos adequados às aprendizagens;  Fomentar os valores de cidadania.
  14. 14. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 14 5. Identificação das áreas de intervenção 5.1. Resultados doinquérito Nesta secção, são apresentados alguns resultados considerados pertinentes do inquérito efetuado aos alunos, aos representantes dos Encarregados de Educação e a todo o corpo docente e não docente no ano letivo de 2014-2015. Num universo de 539 alunos, responderam ao inquérito 485 alunos, o que corresponde a 90% de respostas. Atendendo ao ainda breve contacto com a realidade escolar, os alunos de 5º ano não foram considerados. De um total de 96 professores, responderam ao inquérito 62 (65%). No conjunto de 47 funcionários, responderam 35 (74%). Num universo de 64 representantes de Encarregados de Educação, responderam 47 (73%).  PERCEÇÃO DOS ALUNOS, PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE  Grau de satisfação relativamente à escola ALUNOS PESSOAL DOCENTE PESSOAL NÃO DOCENTE Figura 6- Grau de satisfação dos alunos, pessoal docente e não docente em relação à escola Como se pode constatar na Figura 6, a grande maioria dos inquiridos manifesta um grau de satisfação com a escola. 11% 63% 26% Pouco Satisfatória Satisfatória Muito Satisfatória 55% 45% Satisfatória Muito Satisfatória 11% 63% 26% Pouco Satisfatória Satisfatória Muito Satisfatória
  15. 15. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 15  Imagem da escola Figura 7- Perceção dos alunos sobre a imagem da escola Pela análisedaFigura 7, verificou-se que os alunos têm uma boa imagem da escola,vendo-a como uma escola organizada (82%); como não violenta (78%); como um bom local de trabalho (85%) e como um bom espaço de convívio (86%). No item rigor na disciplina, 62% pronunciaram-se favoravelmente e 38% não concordaram. Esta última percentagem poderá causaralguma preocupação na medida em que, se, por um lado, podemos inferir da não necessidade desse rigor, por outro, poderão esses 38% querer manifestar a ausência da sua aplicação. Figura 8 - Perceção do pessoal docente sobre a imagem da escola De destacar a concordância de todos os professores em que a escola é organizada; não é uma escola violenta (95%) e quase todos os professores inquiridos a consideram um bom local de trabalho (95%) e um bom espaço de convívio (90%). Em relação ao rigor na disciplina, só 56% manifestam concordância. Figura 9 - Perceção do pessoal não docente sobre a imagem da escola 0 100 200 300 400 500 SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO Uma escola organizada Uma escola violenta Um bom local de trabalho Uma escola rigorosa na disciplina Um bom espaço de convívio 397 88 109 376 414 71 301 184 418 67 0 20 40 60 80 SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO Uma escola organizada Uma escola violenta Um bom local de trabalho Uma escola rigorosa na disciplina Um bom espaço de convívio 62 0 3 59 59 3 35 27 56 6 0 20 40 SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO Uma escola organizada Uma escola violenta Um bom local de trabalho Uma escola rigorosa na disciplina Um bom espaço de convívio 31 4 6 29 31 4 16 19 25 10
  16. 16. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 16 Em relação ao pessoal não docente, a grande maioria dos inquiridos considera a escola como organizada (89%); não violenta (83%) e um bom local de trabalho (89%). Para 71% dos participantes no inquérito, a escola é um bom espaço de convívio. É ainda de realçar que 54% consideram que a escola não é rigorosa na disciplina.  Opinião dos alunos sobre a turma a que pertencem Figura 10 - Opinião dos alunos sobre a turma a que pertencem Relativamente à opinião que os alunos têm sobre a sua turma, podemos considerar como muito positivo o facto de 93% afirmarem ser “uma turma de que gostam”, aliado aos valores obtidos nos itens ser “um grupo unido” (71%) e “onde se trabalha bem” (78%). Por outro lado, deverá ter-se em consideração o facto de cerca de 1/3 dos alunos achar que a sua turma tem mau comportamento.  Opinião dos alunos sobre as aulas Figura 11- Perceção dos alunos sobre as aulas No que diz respeito à opinião sobre as aulas, 90% consideram-nas importantes e um bom espaço de aprendizagem. Para 84% dos inquiridos, as aulas são interessantes; contudo, ficam divididos em relação ao item aulas com muito barulho, verificando-se que 45% consideram que as aulas são barulhentas e 55% que não o são. 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO Uma turma de que gostas Uma turma com mau comportamento Um grupo unido Um grupo onde se trabalha bem 449 36 166 319 342 143 378 107 0 100 200 300 400 500 SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO Um espaço onde aprendo bem Com interesse Com muito barulho Importantes 435 50 404 81 217 268 436 49
  17. 17. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 17  Opinião do pessoal não docente sobre os alunos Figura 12- Opinião do pessoal não docente sobre os alunos Analisando a Figura 12, notamos que o pessoal não docente não caracteriza os alunos pela agressividade, não deixando de reconhecer que o grau de obediência e respeito, colaboração e simpatia encontrado é francamente inferior ao desejável. Esta perceção é reveladora do tipo de contacto e relacionamento mais específicos que o pessoal não docente mantém com os alunos num ambiente exterior às aulas.  Relações com outros intervenientes Figura 13- Relação dos alunos com outros intervenientes Manifesta-se um considerável grau de satisfação relativamente às relações dos alunos com os intervenientes da comunidade escolar (Figura 13), destacando-se a relação “muito satisfatória” com o conselho executivo (49%) e com os professores (49%) e, de modo ainda mais evidente, com os respetivos diretores de turma (57%) e com os seus colegas (57%). 0 5 10 15 20 25 30 Nenhum Pouca Muita Nenhum Pouca Muita Nenhum Pouca Muita Nenhum Pouca Muita Agressividade Obediência e Respeito Simpatia Colaboração 2 26 7 3 22 10 1 19 15 0 23 12 0 50 100 150 200 250 300 PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião Alunos – Assistentes Operacionais Alunos - Pessoal ASE Alunos – Conselho Executivo Alunos - Professores Alunos - Pessoal Serviços Administrativos Alunos - Diretores de Turma Alunos - Alunos 36 232 196 21 32 231 204 18 30 196 239 20 30 202 237 16 24 214217 30 20 172 276 17 26 162 277 20
  18. 18. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 18 Figura 14 - Relação dos professores com outros intervenientes Na relação dos professores com os outros intervenientes da comunidade escolar (Figura 14), destaca-se a que é estabelecida com o conselho executivo e com os seus alunos (0% de opiniões desfavoráveis relativamente a ambas). Dos dados recolhidos neste âmbito, resulta ainda bem claro que a relação humana dos professores com os seus colegas,com os assistentes operacionais e com o pessoal administrativo se situa a um nível manifestamente satisfatório. Figura 15- Relação do Pessoal Não Docente com outros intervenientes No que diz respeito às relações com outros intervenientes na comunidade escolar (Figura 15), o pessoal não docente revela um elevado grau de satisfação, de modo mais evidente com o pessoal administrativo e com o conselho executivo, mas também com os professores e mesmo com os seus colegas, em geral. Quanto à relação com os alunos, não deixa de surpreender que, apesar das observações já registadas, esta seja considerada satisfatória por 80% dos inquiridos. 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião Professores – Conselho Executivo Professores - Professores Professores - Alunos Professores – Assistentes Operacionais Professores - Pessoal Administrativo Professores - Encarregados de Educação 0 17 45 0 3 34 25 0 0 39 22 1 2 36 23 1 1 26 34 1 7 35 12 8 0 5 10 15 20 25 PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião PoucoSatisfatória Satisfatória MuitoSatisfatória SemOpinião Pessoal Não Docente- Pessoal Não Docente PessoalNão Docente – Conselho Executivo Pessoal Não Docente - Alunos Pessoal Não Docente - Professores Pessoal Não Docente - Pessoal Administrativo 4 21 8 2 2 21 12 0 6 18 10 1 5 18 11 1 2 18 15 0
  19. 19. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 19  PERCEÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO SOBRE OS SEUS EDUCANDOS Neste ponto, foram efetuadas duas análises: uma tendo por base dados das fichas biográficas dos alunos e outra resultante dos inquéritos aos representantes dos encarregados de educação. Tabela 5- Habilitações dos pais/encarregados de educação 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO BACHARELATO LICENCIATURA MESTRADO Pai 145 142 141 67 2 11 - Mãe 88 140 153 120 4 23 1 Total 233 (23%) 282 (27%) 294 (28,4%) 187 (18%) 6 (0,6%) 34 (3,3%) 1 (0,1%) Regista-se que, no que diz respeito às habilitações literárias, dos 1037 pais/encarregados de educação dos quais existe informação, há uma prevalência significativa do ensino básico (78,4%). Figura 16- Relação de parentesco Encarregados de Educação/Alunos Verifica-se que, maioritariamente, as mães (88%) são os encarregados de educação dos seus educandos. Dos 47 (73%) representantes dos Encarregados de Educação que responderam ao inquérito, destacam-se algumas das suas opiniões. Todos achamque os contributos da escola para a formação dos seus educandos são bastantes satisfatórios. Consideram que os seus educandos reconhecem facilmente os seus erros e que nenhum deles recorre a linguagem imprópria na relação familiar, nem adotam atitudes violentas. Noventa e oito por cento dos inquiridos julgam que os seus educandos mostram satisfação relativamente ao trabalho realizado e à noção do dever cumprido. No plano da autonomia, 36% consideram-nos pouco capazes, adotando, por vezes, uma atitude de inferioridade, geradora de desmotivação. No plano do estudo, 49% dos inquiridos acham que interrompem frequentemente os seus trabalhos, se distraem com estímulos exteriores e manifestam enfado perante as atividades escolares (trabalhos de casa, leitura …). 0 100 200 300 400 500 600 60 555 9 5 1
  20. 20. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 20 5.2. Análise SWOT O recurso à análise SWOT permite identificar as forças (strengths) e fraquezas (weaknesses) – fatores internos – e as oportunidades (opportunities) e ameaças (threats) – fatores externos - da organização. As forças ou pontos fortes são os aspetos positivos, aquilo que se está a fazer bem, enquanto as fraquezas ou pontos fracos correspondem ao oposto. O ideal será os pontos fortes compensarem os pontos fracos da organização. As oportunidades contribuem para a melhoria do desempenho da organização, enquanto as ameaças,pelo contrário, desestabilizam,não permitindo atingir essepatamar. A Tabela 6 evidencia os fatores que foram identificados. Tabela 6 - Análise SWOT  Competência e empenho da generalidade dos docentes  Dinâmica de alguns grupos disciplinares  Oferta de Apoio Pedagógico Acrescido  Organização da escola  Clima organizacional  Estabilidade do corpo docente  Diversidade de atividades/projetos de complemento curricular  Empenho do pessoal não docente Pontos Fortes  Cumprimento de regras por parte dos alunos  Baixas expetativas dos alunos  Articulação entre ciclos  Participação/Acompanhamento dos Encarregados de Educação  Condições acústicas e físicas do edifício  Resistência à mudança  Ausência de espaços de lazer para os alunos  Reduzido número de assistentes operacionais  Comunicação  Falta de equipamentos/recursos  Diferença entre os resultados da avaliação interna e externa Pontos Fracos  Incremento de parcerias/protocolos  Reconhecimento por parte da comunidade local Oportunidades  Programas longos  Condição socioeconómica desfavorecida das famílias  Conjuntura económica  Critérios na atribuição de passes sociais Ameaças
  21. 21. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 21 5.3.Áreas de intervenção Feito um diagnóstico da situação da escola tendo por base os resultados dos inquéritos, a análise SWOT e a consulta de documentação (Balanço Social, plataforma Place, Plano Anual de Turma, atas, relatórios de direção de turma e pautas), foram identificadas três áreas de intervenção prioritárias: Figura 17- Áreas de intervenção 5.4.Fundamentação  INDISCIPLINA Tabela 7- Número de conselhos de natureza disciplinar Ano letivo 2010-2011 Ano letivo 2011/2012 Ano letivo 2012/2013 Ano letivo 2013/2014 29 38 22 * * No ano letivo 2013-2014,com a publicação de um novo Estatuto do Aluno, a aplicação demedidas corretivas e sancionatórias não careceda decisão do Conselho de Turma de natureza disciplinar. Os números indicados na Tabela 7 revelam a necessidade de se incidir atenção nesta área de intervenção. Tabela 8 - Comportamentos Desviantes Ano letivo 2010-2011 Ano letivo 2011/2012 Ano letivo 2012/2013 Ano letivo 2013/2014 2616 1928 1331 404 Verificou-se um decréscimo acentuado do número dos comportamentos desviantes ao longo dos anos letivos. Nos três primeiros anos letivos, foram contabilizadas todas as participações e comunicações. No ano letivo 2013-14, foram contabilizadas apenas as participações disciplinares – 202 emcada ciclo, referentes a 134 alunos (19% do valor total dos alunos da escola). INDISCIPLINA MOTIVAÇÃOPARA O ESTUDO NÍVEL DE SUCESSO EDUCATIVO
  22. 22. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 22  MOTIVAÇÃO PARA O ESTUDO / NÍVEL DE SUCESSO EDUCATIVO No ano letivo 2013/2014, 23 das 34 turmas identificaram a motivação para o estudo como uma área de intervenção prioritária. Tabela 9 - Evolução das transições de 2010/2011 a 2013/2014 2010/2011 2011/2012 2012/2013 2013/2014 5º ano 131(87%) 118 (83%) 131 (91%) 92 (88%) 6º ano 122 (85%) 114 (78%) 142 (88%) 118 (77%) 7º ano 96 (71%) 108 (73%) 118 (89%) 95 (73%) 8º ano 70 (60%) 97 (82%) 108 (89%) 100 (79%) 9º ano 64 (72%) 59 (69%) 74 (76%) 96 (91%) Da análise da evolução das transições de nível de escolaridade nos últimos 4 anos letivos (tabela 9) destacam-se os seguintes aspetos: - No 5º ano, a percentagem das transições de nível situou-se acima dos 80%, sendo o limite mínimo 83%, em 2011/2012 e o máximo 92%, em 2013/2014. - No 6º ano, a percentagem mais baixa (78%) ocorreu em 2011/2012 e a mais alta (88%) em 2012/2013. - No 7º ano, verifica-se uma quebra assinalável no número de alunos aprovados. A percentagem das transições situa-se abaixo dos 74%, com exceção dos 89% conseguidos no ano letivo 2012/2013. - No 8º ano, as percentagens de aprovações situaram-se acima dos 78%, sendo o ano letivo de 2010/2011 um ano excecional com uma percentagem de somente 60%. - O 9º ano é o nível em que se verificam alterações mais significativas entre o início e o final do período em análise: de 69% em 2011/2012 a 91% de aprovações em 2013/2014. DISCIPLINAS COM MAIORES PERCENTAGENS DE ALUNOS QUE TRANSITAM COM NÍVEL NEGATIVO (2012/2013 e 2013/2014) Tabela 10 - Percentagem de alunos que transitam com nível negativo – Ano letivo 2012/2013 5º ANO 6º ANO 7º ANO 8º ANO 9º ANO 1ª MAT 18% MAT 26% MAT 17% MAT 44% MAT 42% 2ª ET 10% ING 8% PORT 14% FQ 23% FQ 19% 3ª HGP 9% PORT 6% FQ 11% FR 13% HIST 18% No ano letivo 2012/2013, nos 2º e 3º ciclos, o nível negativo da disciplina de Matemática é o que mais ocorre, se considerados os alunos que transitam com níveis negativos. É de realçar que essa percentagem é superior a 40%, tanto no 8º como no 9º ano.
  23. 23. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 23 No 2º ciclo, também se regista algum insucesso nas disciplinas de História e Geografia de Portugal, Educação Tecnológica, Inglês e Português com valores inferiores a 10%. No 3º ciclo, os valores em análise são mais elevados nas disciplinas de Físico Química, Português, Francês e História. Tabela 11- Percentagem de alunos que transitam com nível negativo – Ano letivo 2013/2014 5º ANO 6º ANO 7º ANO 8º ANO 9º ANO 1ª MAT 14% MAT 26% MAT 24% MAT 34% MAT 44% 2ª ET 5% ET 11% FQ 12% FR 13% FR 14% 3ª PORT/CN 4% ING 7% ET 10% FQ/HIST 9% FQ/ING 8% No ano letivo 2013/2014, a disciplina de Matemática continua a ser a que apresenta maiores valores de alunos que transitam com nível negativo. Relativamente ao ano letivo anterior, ocorreu uma redução nos 5º e 8º anos e um aumento nos 7º e 9º anos. No que diz respeito a outras disciplinas, observa-se que os valores no 2º ciclo não ultrapassam os 11% em ET no 6º ano, enquanto, no 3º ciclo, as percentagens mais elevadas se verificam na disciplina de Francês no 8º e no 9º ano (13% e 14%, respetivamente). TRANSIÇÕES SEM NÍVEIS NEGATIVOS (2012/2013 e 2013/2014 Tabela 12- Número de transições em 2012/2013 e em 2013/2014 Tabela 13 - Percentagem de alunos que transitaram sem níveis negativos em 2012/2013 e 2013/2014 Pela análisedaTabela13, constatamos que há um número relativamente reduzido de alunos que transitam sem níveis negativos, sobretudo nos 8º e 9º anos de escolaridade. 2012/2013 2013/2014 Nº ALUNOS QUE TRANSITARAM Nº ALUNOS QUE TRANSITARAM SEM NÍVEIS NEGATIVOS Nº ALUNOS QUE TRANSITARAM Nº ALUNOS QUE TRANSITARAM SEM NÍVEIS NEGATIVOS 5º ANO 130 85 92 69 6º ANO 123 75 117 73 7º ANO 118 62 92 59 8º ANO 108 48 100 45 9º ANO 74 26 96 39 2012/2013 2013/2014 % DO Nº DEALUNOS QUE TRANSITARAM SEM NÍVEIS NEGATIVOS % DO Nº DEALUNOS QUE TRANSITARAM SEM NÍVEIS NEGATIVOS 5º ANO 65% 75% 6º ANO 61% 62% 7º ANO 53% 64% 8º ANO 44% 45% 9º ANO 35% 41%
  24. 24. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 24 Tabela 14 - Número de alunos do 2º ciclo com planos de recuperação e acompanhamento 2º CICLO 2010/2011 2011/2012 2012/2013 2013/2014 Universo de alunos 304 307 306 257 Alunos com planos de recuperação 108 36% 121 39% 92 30% * * Alunos com planos de acompanhamento 38 (13%) 49 16% 46 15% 101 40% Tabela 15 - Número de alunos do 3º ciclo com planos de recuperação e acompanhamento 3º CICLO 2010/2011 2011/2012 2012/2013 2013/2014 Universo de alunos 357 380 350 361 Alunos com planos de recuperação 248 (69%) 250 66% 213 61% * * Alunos com planos de acompanhamento 57 (16%) 101 27% 48 14% 204 57% *No ano letivo 2013/2014,os planos derecuperação passarama ser designados por planos deacompanhamento. Estes passarama poder ser aplicadosemqualquer altura do ano letivo. Tabela 16 - Número de alunos com planos de recuperação com transição 2010/2011 2011/2012 2012/2013 2013/2014 Nº Alunos com plano de recuperação Nº Alunos com plano que transitaram Nº Alunos com planode recuperação Nº Alunos com plano que transitaram Nº Alunos com plano de recuperação Nº Alunos com plano que transitaram Nº Alunos com plano de acompanha- mento Nº Alunos com plano de acompanha- mento que transitaram 2º Ciclo 108 55 (68%) 121 72 (60%) 92 62 (67%) 101 60 (59%) 3º Ciclo 248 136 (55%) 250 177 (71%) 213 172 (81%) 204 130 (64%) Pela análisedas tabelas anteriores, podemos constatar que há um número significativodealunos com planos de recuperação, sendo no 3º ciclo (superior a 60%) esse valor aproximadamente o dobro do verificado no 2º ciclo, o que é bastante revelador do agravar das dificuldades dos alunos na transição de ciclo. Refira-se que os planos de acompanhamento são aplicados aos alunos com três ou mais níveis negativos ou com níveis negativos em Português e Matemática, cumulativamente. Acrescente-se que, no que respeita aos alunos com planos de acompanhamento, se verifica um aumento na taxa de transição.
  25. 25. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 25 Tabela 17 - Áreas de intervenção prioritárias, fundamentação e estratégias Áreas de Intervenção Prioritárias Fundamentação Estratégias INDISCIPLINA - Falta de civismo na linguagem, nas regras de convivênciae desrespeitopelos espaços exteriores; - Falta de recursos humanos para a substituição do pessoal não docente (vigilância norecreio e acompanhamento na cantina); - Elevado número de participações disciplinares; - Condição socioeconómica desfavorecida das famílias; - Alguma indiferença e/ou desconhecimentorelativamente à organização da escola e às suas regras de funcionamento (RI). 1. Promoção de atitudese hábitos positivos de relaçãosócio – afetiva através do respeito pelos outros, nomeadamente pelo respeito à(s) diferença(s); 2. Combate aos hábitos culturaisnocivos aodesenvolvimento físico e intelectual; 3. Divulgação/análise dasprincipaissecções doRegulamento Interno, nomeadamente direito, deveres e medidas disciplinares, a ser entregue no início do ano letivo a discentes, docentes e encarregados de educação; 4. Criação de momentos de reflexão, com vista a uma uniformização das práticase dasregras comportamentais; 5.Acompanhamento especializado de casos considerados problemáticos; 6. Sensibilizaçãopara umusoadequado da linguagem verbal, dentro e fora do espaço escolar; 7. Realização de ações de sensibilização sobre métodos e hábitos de trabalho e regras de civismo; 8.Realização de açõesde sensibilizaçãopara a importância da preservação do espaço escolar; 9. Cumprimento do RI da Escola, sujeitando-se o infrator às sanções previstas no mesmo; 10. Diversificação da oferta formativa através de Percursos Curriculares Alternativos e Cursos de Educação e Formação; 11.Atuação da equipa da disciplina na valorização das boas práticas de comportamento e conduta. MOTIVAÇÃOPARAOESTUDO A nível da escola: - Conteúdos programáticos afastados da realidade vivenciada pelos alunos; - Um número considerável de alunos com falta de hábitos de trabalhoe métodos de estudo, empenho, concentração e responsabilidade; - Elevado número de alunos com planos de acompanhamento; - Muitos alunos com dificuldades de aprendizagem persistentes. A nível pessoal e familiar: - Nível de escolaridade médio/baixo; - Insuficiente envolvimento dos Encarregados de Educação nasatividades escolares; - Apatia dos alunos na construção do seu própriosucessoescolar e profissional; - Baixas expetativas em relação à escolae à necessidade de valorização científica e cultural. 1. Desenvolvimento da autoestima, pelo reforço positivo da participação nas atividades escolares; 2. Divulgação de trabalhos dos alunos por toda a Comunidade Escolar; 3. Diversificação de metodologias na apresentação dos conteúdos programáticos nomeadamente pela rentabilização dos recursos existentes na Escola ; 4. Realizaçãode visitas de estudo comocomplemento prático dos conteúdos programáticos; 5. Organização de atividades lúdico- formativas; 6. Envolvimento dos pais e encarregados de educação nas atividades promovidas pela escola e no acompanhamento diário no estudo dos seus educandos ; 7. Estabelecimento de protocolos/parcerias com entidades/ instituições com vistaà viabilização de projetos coletivos e/ou individuais; 8. Realização de açõesde sensibilizaçãopara reconhecimento da importância de uma formação humanista, científica e tecnológica como condição fundamental ao exercício da cidadania; 9. Garantia de apoio educativo a alunos com necessidades específicas; 10. Promoção de encontros com alunos com vista aodebate de problemas e aoseuenvolvimentona procura de soluções para os mesmos; 11. Reconhecimentodo mérito pela atribuiçãode certificados e/ou divulgação das boas práticas.
  26. 26. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 26 Áreas de Intervenção Prioritárias Fundamentação Estratégias NÍVELDOSUCESSOEDUCATIVO A nível escolar:  Percentagem elevada de notas negativas em Matemática;  Transições com elevado número de alunos com negativas em algumas disciplinas;  Elevado número de planos de acompanhamento pedagógico;  Grande número de alunos com NEE e/ou com dificuldades de aprendizagem;  Elevado número de alunos com fragilidades no acompanhamento familiar e apoiados por entidades externas à escola; - Conteúdos programáticos muito extensos e complexos. 1. Articulação dasmetas, dos programas das disciplinase das áreas não curriculares; 2. Conjugação de opções e prioridades metodológicas na articulação curricular; 3. Uniformização de critérios de avaliação para as diversas disciplinas bem como dos elementos a contemplar na avaliação das áreas não disciplinares; 4. Análise /reflexão dos resultados da avaliaçãoe estratégias promotoras de sucesso ao nível dos diferentes intervenientes; 5. Valorização da correção da Língua Portuguesa, enquanto instrumento imprescindível à eficácia da comunicação nas diferentes disciplinas, tanto aonível da oralidade comoaoda escrita; 6. Garantia de apoio educativo a alunos com necessidades específicas; 7. Apelo à importância dos apoios educativos junto dos alunos com dificuldades de aprendizagem; 8. Incremento, junto dos encarregados de educação, da importância da frequência dos apoios educativos disponibilizados pela escola ; 9. Maior aproximação entre a Escola e os encarregados de educação.
  27. 27. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 27 6. Plano de Intervenção 6.1. Metas que nos propomos alcançar Feito o retrato da escola e conhecidas as expetativas daqueles que a ela estão ligados, resta-nos traçar as Metas e os Objetivos que nos propomos alcançar e que permitam a exequibilidade do nosso Projeto Educativo: Tabela 18 - Áreas de intervenção, objetivos, metas, indicadores de avaliação e meios de verificação Áreas de intervenção Objetivos Metas Indicadores de Avaliação Meios de Verificação INDISCIPLINA Promover um bom relacionamento humano dentro e fora da sala de aula Em cada ano letivo, assegurar o cumprimento do código de conduta em, pelo menos, 80% dos alunos. Número de alunos que têm um comportamento e atitude cívica exemplares. Registos das atitudes e comportamentos Promover a disciplina Diminuir em 5% o número de participações no final de cada ano letivo. Grelhas com o número de alunos com comportamentos desviantes Relatório da Equipa de Promoção da Disciplina Promover a cidadania Realizar anualmenteuma atividade/ação de formação/projeto. Número de turmas/alunos envolvidos Balanço do Plano Anual de Escola Realizar anualmenteuma iniciativaquepromova práticas decolaboração e solidariedade. Número de turmas/alunos envolvidos Balanço do Plano Anual de Escola MOTIVAÇÃOPARAOESTUDO Incentivar e apoiar as formas de participação dos alunos nas atividades da escola No quadriénio 2014-2018, estarem, anualmente, inscritosnos projetos/clubes,20%dos alunos da escola. Número de alunos participantes por projeto/clube. Registo total do número de alunos participantes Motivar para o Estudo Participar/Dinamizar uma atividadelúdico-formativa como complemento prático de conteúdos programáticos. Número de turmas/alunos envolvidos Balanço do Plano Anual de Escola
  28. 28. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 28 Áreas de intervenção Objetivos Metas Indicadores de Avaliação Meios de Verificação SUCESSOEDUCATIVO Aumentar os níveis positivos na disciplina de Português nos 2º e 3º ciclos Em cada ano letivo do quadriénio dois mil e catorze, dois mil e dezoito, nos diferentes anos de escolaridadedos segundo e terceiro ciclos,deverá observar-sesempre evolução no sucesso,tendo como referência a avaliação do primeiro período. Número de alunos de cada um dos anos dos 2º e 3º ciclosdo ensino básico que apresentaramuma evolução na avaliação na disciplina de Português. Pautas de avaliação interna. Assegurar a taxa de sucesso na disciplina de Português. Em cada ano letivo, no final dos 6º e do 9º anos,os alunos deverão atingir um sucesso,na Avaliação Final (a qual inclui a avaliação interna e a avaliação externa) acima dos 55%. Número de alunos dos 6º e 9º anos. Pautas de avaliação final. Em cada ano letivo, no final dos 5º, 7º e 8º anos,a taxa de sucesso deverá situar-se acima dos 65%. Número de alunos dos 5º, 7º e 8º anos. Reduzir a quantidade de níveis negativos na disciplina de Matemática nos 2º e 3º ciclos Em cada ano letivo, nos diferentes anos de escolaridadedos 2ºe 3º ciclos,deverá observar-se uma evolução no sucesso, tendo como referência a avaliação do 1º período situada no intervalo entre 0% e 5%. Número de alunos de cada um dos anos de escolaridadeque apresentaramuma evolução na avaliação na disciplina de Matemática. Pautas de avaliação interna. Melhorar a taxa de sucesso em Matemática de 2º e 3ºciclos nas Provas Finais de Ciclo Em cada ano letivo, no final de ciclo,6ºe 9º anos,a percentagem de níveis positivos na avaliação externa deverá ser de, pelo menos, 55% da percentagem de níveis positivos da Número de alunos que obtiveram positiva na avaliação interna e externa. Pautas de avaliação interna e externa dos 6º e 9º anos.
  29. 29. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 29 Áreas de intervenção Objetivos Metas Indicadores de Avaliação Meios de Verificação avaliação interna no 6ºano e de 50% no 9º ano. SUCESSOEDUCATIVO Manter / melhorar as percentagens de níveis positivos nas restantes disciplinas Em cada ano letivo, deverão manter-se / melhorar as percentagens de positivas. Número de alunos de cada um dos anos de escolaridadeque mantiveram ou apresentaramuma evolução na avaliação. Registo das classificações disponíveis na escola (pauta / tabela de registo de níveis atribuídos) Aperfeiçoar a qualidade de sucesso na transição do ano escolar Em cada ano letivo, aumentar em 2% o nº de alunos quetransitamsem níveis negativos. Número de alunos que estão nesta situação. Pautas Aumentar o nº de alunos que obtêm Diploma de Mérito no final de cada ano letivo. Promover a aquisição de objetivos específicos de acordo com as necessidades educativas de cada aluno Atingir 75% dos objetivos específicos previstos no Plano de Intervenção, em cada ano letivo. Número de objetivos atingidos Registos nos Planos de Intervenção dos professores de Educação Especial
  30. 30. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 30 7. Avaliação Requerendo o Projeto Educativo uma permanente avaliação de caráter formativo, de modo a, numa lógica de autoavaliação, possibilitar uma eventual reorientação ou ajustamento, no decorrer do seu desenvolvimento, prevê-se que a avaliação do projeto contemple a coerência do mesmo com os problemas identificados, a eficiência na gestão dos recursos e dos meios envolvidos e a eficácia das ações programadas, face aos resultados obtidos. Assim, propõe-se que esta integre:  Avaliação intermédia – (Para autorregulação do desenvolvimento do projeto) – Incidindo na avaliaçãodo Plano Anual de Escola e complementada através da recolha de informações, de modo a cobrir todas as áreas de ação consideradas prioritárias neste Projeto Educativo.  Avaliação final – (Para certificação dos resultados obtidos) – Mediante a recolha de informação, junto da comunidade educativa, a qual terá como suporte técnico um inquérito similar ao utilizado na fase de diagnóstico deste projeto e complementado por outros elementos considerados relevantes. No que respeita ao acompanhamento do processo de avaliação, prevê-se a formação de um grupo de trabalho (a nomear pelo Conselho Executivo), responsável pela recolha de informação, nomeadamente, quanto ao andamento, faseamento e pertinência das atividades desenvolvidas. Deverá, ainda, este grupo proceder à elaboração de um relatório anual que, depois de devidamente apresentado e apreciado em Conselho Pedagógico, será submetido à aprovação do Conselho da Comunidade Educativa. Divulgação dos resultados da avaliação – Será efetuada anualmente. 8. Nota final A preocupação fundamental é, agora, tornar exequíveis as estratégias que permitam atingir os objetivos traçados, em conformidade com as expetativas da Comunidade Educativa. Para tal, é absolutamente necessárioque nos envolvamos todos numa prática pedagógica(desde os Planos de Aula passando pelos Planos Anuais de Turma e, naturalmente, pelo Plano Anual de Escola) construída numa linha de coerência, de modo a sustentar o edifício, cuja primeira pedra aqui se lança.
  31. 31. PROJETO EDUCATIVO 2014-2018 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DE SANTO ANTÓNIO 31 Bibliografia Alves, José Matias. (2003). Organização, Gestão e Projetos Educativos das Escolas. (6ª edição). Porto: Edições Asa. Brito, Carlos. (1998). Gestão Escolar Participada, Na escola todos somos gestores. (4ª edição). Lisboa: Coleção Educação Hoje, Texto Editora. Carvalho, Adalberto Dias; Almeida, Leandro; Araújo, Manuela. (1993). A Construção do Projeto de Escola. Porto: Porto Editora. Costa, Jorge Adelino. (1999). Gestão Escolar, Participação, Autonomia, Projeto Educativo de Escola. (5ª edição). Lisboa: Texto Editora. Dias, Alfredo Gomes et al. (1998). Autonomia das Escolas, um desafio. (1ª edição). Lisboa: Texto Editora. Freitas, C. Varela et al. (2001). Gestão Flexível do Currículo, contributos para uma reflexão crítica. (1ª edição). Lisboa: Texto Editora. Gomes, R. (1993). Culturas de escola e identidades dos professores. Lisboa: Educa. Leite, Elvira et al. (2001). Trabalhos de Projeto. Vol.1. 4ª edição. Lisboa: coleção Ser Professor. Edições Afrontamento. Lemos, Jorge. (2001). Autonomia e Gestão das Escolas. Legislação anotada, texto de apoio à elaboração / revisão do regulamento interno. (3ª edição). Porto: Porto Editora. Lopes, Amélia. (2001). Mal estar na docência, visões, razões e soluções. Cadernos do CRIAP, nº 22. Lisboa: Asa Editores II, S.A. Silva, Eugénio. (1999). Gestão estratégica e Projecto Educativo. In J. Machado e G. Campinho (Orgs), Actas do Seminário Escola e Projecto. (p. 63-103). Braga: Centro de Formação de Associação de Escolas Braga/Sul. Consultado a 9 de Maio de 2010. Disponível em: http://www.cfae-braga-sul.rcts.pt/publica/Escola%20e%20Projecto.pdf Torres, L. (2004). Cultura organizacional em contexto educativo – Sedimentos culturais e processos de construção do simbólico numa escola do secundário. Braga: Universidade do Minho. Nota: Além da bibliografia supracitada, foram consultados diversos Projetos Educativos de Escola, de outros Estabelecimentos de Ensino da RAMe de Portugal Continental. Legislação Decreto Legislativo Regional nº 4/2000/M, de 31 de janeiro, alterado pelo Decreto Legislativo Regional nº 21/2006/M, de 21 de junho.

×