O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Revolta dos Malês

3.666 visualizações

Publicada em

Apresentação de Slides do 8° ano sobre a Revolta dos Malês: Bahia.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Revolta dos Malês

  1. 1.  Índice 1. Definição; 2. Participantes da Revolta; 3. Causas; 4. Objetivos; 5. Plano de Ação; 6. Repressão; 7. Dados; 8. Conclusão.
  2. 2.  Definição A revolta dos Malês foi uma sublevação de escravos africanos, que ocorreu na cidade de Salvador, em 1835. “Malê” é o termo que se utilizava para referir-se aos escravos muçulmanos.
  3. 3.  Participantes da Revolta Foi uma revolta feita exclusivamente por africanos de religião islâmica, excluindo os crioulos (negros nascidos no Brasil). Suas etnias eram nagô e haussá, principalmente. Africano nagô, que pode ser identificado pelas marcas étnicas no rosto.
  4. 4.  Causas Estavam muito insatisfeitos com a escravidão africana, a imposição do catolicismo e com o preconceito contra os negros.
  5. 5.  Objetivos • libertação dos escravos; • acabar com o catolicismo como religião obrigatória; • confisco dos bens dos brancos e mulatos; • implantação de uma república islâmica.
  6. 6.  Plano de Ação Sair do bairro da Vitória e ir até Itapagipe tomando as terras e matando os “brancos”. Infiltração dos engenhos do Recôncavo e a libertação dos escravos. Se reuniriam com os demais revoltosos para então tomar o governo. 1 2 3
  7. 7.  Repressão Um grupo de mais de 500 rebeldes (entre escravos e libertos), foram barrados, combatidos e vencidos pelas forças oficias, que possuíam bastante oficiais bem armados.
  8. 8.  Dados Morreram:  7 soldados;  70 rebeldes. Foram presos:  200 rebeldes. Os líderes foram:  Condenados à pena de morte. Os outros rebeldes foram:  Condenados à trabalhos forçados;  Açoites;  Degredo (Exílio).
  9. 9.  Conclusão Mesmo sem sucesso na revolta, os malês enfraqueceram a elite baiana, com sua capacidade de articulação de um plano bastante elaborado a favor de todos os escravos, se destacando entre as demais revoltas do período regencial.

×