SlideShare uma empresa Scribd logo

Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística

1 de 3
Baixar para ler offline
Linguagens – 1º ano
Língua, linguagem e comunicação
À capacidade de comunicar-se por meio de signos damos o nome de linguagem. Assim, linguagem é a capacidade
de o homem comunicar-se, seja por meio de ícones, índices ou símbolos. A língua é um conjunto de sinais
(palavras) e de leis combinatórias por meio do qual as pessoas de uma comunidade se comunicam e interagem.
Ela pertence a todos os membros de uma comunidade; por isso faz parte do patrimônio social e cultural de cada
coletividade. Como ela é resultado histórico de uma convenção, um único indivíduo, isoladamente, não é capaz de
criá-la ou modificá-la. Nem a língua nem a fala são imutáveis. A língua evolui transformando-a historicamente,
algumas palavras ganham ou perdem certos fonemas, a exemplo da palavra “oxente”, o termo é formado pela
aglutinação da expressão “ó gente”.
Para comunicar-se, cada indivíduo utiliza o código linguístico do modo que julga mais apropriado. No entanto, para
que a comunicação se dê de maneira bem-sucedida, faz-se necessário que a língua – que constitui o código
linguístico – seja respeitada em suas regras internas. Assim podemos dizer que a língua é comum a todos os
indivíduos de uma determinada comunidade linguística e que a fala é um ato individual, efetuado por um membro
da comunidade Variedades Linguísticas A língua possui uma unidade que se garante por uma série de elementos
particulares (como os fonemas, os vocábulos) e regras específicas para sua combinação, ela também possui
variedades condicionadas por fatores sociais, regionais e das diversas situações em que se atualiza. As
variedades linguísticas podem ser divididas a dois campos de estudo, segundo Dino Preti:
1) Variedades geográficas
As variedades geográficas ocorrem em função do espaço geográfico em que a linguagem é analisada, pois um
mesmo objeto de estudo pode possuir inúmeras nomeações, apesar de designarem um mesmo ser, dependendo
da área estuda.
2) Variedades Socioculturais
2.1) Variedades determinadas pelo falante
a) Grupos Culturais: Uma pessoa que conhece a língua que emprega apenas “de ouvido”, que não teve
oportunidade de tomar conhecimento das regras internas que a compõe, domina essa língua de forma diversa de
uma pessoa que tem contato com esse código linguístico por meio de livros, dicionários ou ainda por intermédio da
convivência com pessoas de boa formação intelectual. No entanto, não se quer dizer que um grupo fale melhor ou
pior que outro.
Deseja-se apenas registrar o fato de que a formação escolar de um indivíduo, por exemplo, suas atividades
profissionais, seu nível cultural podem determinar um domínio diferente dá língua.
b) O jargão (uma variação social): Observe os diversos grupos profissionais, cada um deles faz uso de um
vocabulário e expressão que são típicos de seu trabalho. As análises feitas até aqui apontam para o fato de que há
na língua inúmeras variedades que representam os usos incontáveis que podem ser feitos dela. Essas variedades
são infinitas porque são infinitas as maneiras como o vocabulário, a pronuncia e a sintaxe de uma língua pode se
manifestar. Definir quantas são ou contá-las seria pressupor uma artificialidade inexistente, pois não se trata de
uma realidade palpável, que se posso tocar ou distinguir com clareza. Além disso, as variedades se modificam,
permeiam-se, de modo que é impossível determinar onde cada uma começa ou termina, e sua separação só pode
ser feita didaticamente. Geralmente, cada usuário emprega mais de uma variedade, condicionando-a à situação
em que se encontra, ao gênero discursivo, às finalidade que determinam sua ação. Desse modo, em um mesmo
ato de fala é possível encontrar características de uma variedade misturada às de outra. Outra questão
fundamental a observar é que uma variedade não é única e exclusivamente linguística: cada uma dela é também, e
ao mesmo tempo, uma manifestação social e cultural, porque a língua e os seus usos são determinados e
condicionados social e culturalmente. Da mesma forma que a cultura e a maneira de se expressar de algumas
classes sociais possuem maior prestígio (são mais valorizadas) do que as de outras, podemos dizer que algumas
variedades linguísticas também recebem maior prestigio enquanto outras são menos valorizadas.
 Variedade padrão, língua padrão ou norma culta: é a variedade linguística de maior prestigio social.
 Variedade não padrão ou língua não padrão: são todas as linguísticas diferentes da não padrão.
Obs.: 1) Marca de oralidade: Algumas construções como “deixei ele” , são típicas da linguagem oral, até mesmo
de pessoas que evitariam expressar-se assim em textos escritos formais Obs.:
2) Liberdade de uso: Mesmo que em aulas de língua um professor detenha-se mais nas características da norma
padrão, não se espera que um falante – seja ele quem for – abandone a variedade linguística que domina e passe
a empregar a norma-padrão em todos os momentos de sua vida (lembre que a norma-padrão é um modelo
teórico). É preciso saber utilizar mais de uma variedade linguística, adequando nosso discurso ao contexto, aos
interlocutores, à finalidade pretendida.
 Linguagem verbal: envolvimento direto com a palavra
 Linguagem não verbal: sem envolvimento direto com a palavra

Recomendados

Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação7 de Setembro
 
Níveis de Língua
Níveis de LínguaNíveis de Língua
Níveis de LínguaA. Simoes
 
Linguagem lingua e código
Linguagem lingua  e códigoLinguagem lingua  e código
Linguagem lingua e códigoPaulinha Iacks
 
Linguagem comunicação e interação
Linguagem comunicação e interaçãoLinguagem comunicação e interação
Linguagem comunicação e interaçãoMargarete Nogueira
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaSeduc/AM
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Falajayarruda
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 constituição do campo sociolinguístico
Aula 2   constituição do campo sociolinguísticoAula 2   constituição do campo sociolinguístico
Aula 2 constituição do campo sociolinguísticoMarina Panciarelli
 
Cultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaCultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaKaren Olivan
 
Língua(s), linguagens e comunicação
Língua(s), linguagens e comunicaçãoLíngua(s), linguagens e comunicação
Língua(s), linguagens e comunicaçãoArnaldoSobrinho
 
Variedades Linguísticas
Variedades LinguísticasVariedades Linguísticas
Variedades Linguísticas7 de Setembro
 
Pibid letras - Variação Linguística
Pibid letras - Variação LinguísticaPibid letras - Variação Linguística
Pibid letras - Variação LinguísticaBeto Batis
 
6835632 dino-preti-estudos-da-lingua-falada
6835632 dino-preti-estudos-da-lingua-falada6835632 dino-preti-estudos-da-lingua-falada
6835632 dino-preti-estudos-da-lingua-faladaRoberto Carvalho
 
Linguística i saussure
Linguística i  saussureLinguística i  saussure
Linguística i saussureGuida Gava
 
Lingua em uso linguagem e lingua
Lingua em uso   linguagem e linguaLingua em uso   linguagem e lingua
Lingua em uso linguagem e linguaMoises Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Variedades linguisticas
Variedades linguisticasVariedades linguisticas
Variedades linguisticas
 
Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1
 
Artigo sobre sociolinguistica
Artigo sobre sociolinguisticaArtigo sobre sociolinguistica
Artigo sobre sociolinguistica
 
Comunicação e linguagem
Comunicação e linguagemComunicação e linguagem
Comunicação e linguagem
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
 
Aula 2 constituição do campo sociolinguístico
Aula 2   constituição do campo sociolinguísticoAula 2   constituição do campo sociolinguístico
Aula 2 constituição do campo sociolinguístico
 
Cultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaCultura linguagem e língua
Cultura linguagem e língua
 
Slides sociolinguistica
Slides sociolinguisticaSlides sociolinguistica
Slides sociolinguistica
 
Língua(s), linguagens e comunicação
Língua(s), linguagens e comunicaçãoLíngua(s), linguagens e comunicação
Língua(s), linguagens e comunicação
 
GramáTica E LíNgua
GramáTica E LíNguaGramáTica E LíNgua
GramáTica E LíNgua
 
Variedades Linguísticas
Variedades LinguísticasVariedades Linguísticas
Variedades Linguísticas
 
O que é comunicação
O que é comunicaçãoO que é comunicação
O que é comunicação
 
Variação e Ensino de Língua Portuguesa
Variação e Ensino de Língua PortuguesaVariação e Ensino de Língua Portuguesa
Variação e Ensino de Língua Portuguesa
 
Concepões de língua, linguagem, norma e fala
Concepões de língua, linguagem, norma e falaConcepões de língua, linguagem, norma e fala
Concepões de língua, linguagem, norma e fala
 
Pibid letras - Variação Linguística
Pibid letras - Variação LinguísticaPibid letras - Variação Linguística
Pibid letras - Variação Linguística
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
6835632 dino-preti-estudos-da-lingua-falada
6835632 dino-preti-estudos-da-lingua-falada6835632 dino-preti-estudos-da-lingua-falada
6835632 dino-preti-estudos-da-lingua-falada
 
Linguística i saussure
Linguística i  saussureLinguística i  saussure
Linguística i saussure
 
Lingua em uso linguagem e lingua
Lingua em uso   linguagem e linguaLingua em uso   linguagem e lingua
Lingua em uso linguagem e lingua
 
Linguagem e língua
Linguagem e línguaLinguagem e língua
Linguagem e língua
 

Destaque

Drupal v Biznise - prípadové štúdie
Drupal v Biznise - prípadové štúdieDrupal v Biznise - prípadové štúdie
Drupal v Biznise - prípadové štúdieSven Creative, s.r.o.
 
Toma de decisiones
Toma de decisionesToma de decisiones
Toma de decisionesNildaLugo
 
Mapa conceptual. toma de decisiones.
Mapa conceptual. toma de decisiones.Mapa conceptual. toma de decisiones.
Mapa conceptual. toma de decisiones.FA4427759
 
Mapa Conceptual Toma de Decisiones
Mapa Conceptual Toma de DecisionesMapa Conceptual Toma de Decisiones
Mapa Conceptual Toma de DecisionesNildaLugo
 
Mapa conceptual principios de la toma de decisiones presentación
Mapa conceptual principios de la toma de decisiones presentaciónMapa conceptual principios de la toma de decisiones presentación
Mapa conceptual principios de la toma de decisiones presentaciónDorysmoren
 
Planificacion y toma de desiciones
Planificacion y toma de desicionesPlanificacion y toma de desiciones
Planificacion y toma de desicionescontadora.lis
 
Mapa Conceptual de la Planificacion
Mapa Conceptual de la PlanificacionMapa Conceptual de la Planificacion
Mapa Conceptual de la PlanificacionMagaaranguren
 
Mapa conceptual de toma de decisiones
Mapa conceptual de toma de decisiones Mapa conceptual de toma de decisiones
Mapa conceptual de toma de decisiones Tatiti León Rodíguez
 
Mapa Conceptual (Toma de Decisiones)
Mapa Conceptual (Toma de Decisiones)Mapa Conceptual (Toma de Decisiones)
Mapa Conceptual (Toma de Decisiones)Yanitza Hernandez
 
Toma de Decisiones en una Institución Educativa
Toma de Decisiones en una Institución EducativaToma de Decisiones en una Institución Educativa
Toma de Decisiones en una Institución Educativaemenes
 
Clasificación de las Líneas
Clasificación de las LíneasClasificación de las Líneas
Clasificación de las Líneasyoliani
 

Destaque (11)

Drupal v Biznise - prípadové štúdie
Drupal v Biznise - prípadové štúdieDrupal v Biznise - prípadové štúdie
Drupal v Biznise - prípadové štúdie
 
Toma de decisiones
Toma de decisionesToma de decisiones
Toma de decisiones
 
Mapa conceptual. toma de decisiones.
Mapa conceptual. toma de decisiones.Mapa conceptual. toma de decisiones.
Mapa conceptual. toma de decisiones.
 
Mapa Conceptual Toma de Decisiones
Mapa Conceptual Toma de DecisionesMapa Conceptual Toma de Decisiones
Mapa Conceptual Toma de Decisiones
 
Mapa conceptual principios de la toma de decisiones presentación
Mapa conceptual principios de la toma de decisiones presentaciónMapa conceptual principios de la toma de decisiones presentación
Mapa conceptual principios de la toma de decisiones presentación
 
Planificacion y toma de desiciones
Planificacion y toma de desicionesPlanificacion y toma de desiciones
Planificacion y toma de desiciones
 
Mapa Conceptual de la Planificacion
Mapa Conceptual de la PlanificacionMapa Conceptual de la Planificacion
Mapa Conceptual de la Planificacion
 
Mapa conceptual de toma de decisiones
Mapa conceptual de toma de decisiones Mapa conceptual de toma de decisiones
Mapa conceptual de toma de decisiones
 
Mapa Conceptual (Toma de Decisiones)
Mapa Conceptual (Toma de Decisiones)Mapa Conceptual (Toma de Decisiones)
Mapa Conceptual (Toma de Decisiones)
 
Toma de Decisiones en una Institución Educativa
Toma de Decisiones en una Institución EducativaToma de Decisiones en una Institución Educativa
Toma de Decisiones en una Institución Educativa
 
Clasificación de las Líneas
Clasificación de las LíneasClasificación de las Líneas
Clasificación de las Líneas
 

Semelhante a Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística

Semelhante a Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística (20)

Tp1
Tp1Tp1
Tp1
 
Pojhd
PojhdPojhd
Pojhd
 
Modelo de material.luc
Modelo de material.lucModelo de material.luc
Modelo de material.luc
 
Modelo de material.luc
Modelo de material.lucModelo de material.luc
Modelo de material.luc
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguistica
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Resumo modulo1 ines e ana
Resumo  modulo1 ines e anaResumo  modulo1 ines e ana
Resumo modulo1 ines e ana
 
linguagem_lingua_fala.pdf
linguagem_lingua_fala.pdflinguagem_lingua_fala.pdf
linguagem_lingua_fala.pdf
 
PORTUGUÊS EAD 1.pdf
PORTUGUÊS EAD 1.pdfPORTUGUÊS EAD 1.pdf
PORTUGUÊS EAD 1.pdf
 
Artigo científico artigo19 xii de língua portuguesa
Artigo científico   artigo19 xii de língua portuguesaArtigo científico   artigo19 xii de língua portuguesa
Artigo científico artigo19 xii de língua portuguesa
 
Semântica.PDF
Semântica.PDFSemântica.PDF
Semântica.PDF
 
Resumo modulo1 ines e ana
Resumo  modulo1 ines e anaResumo  modulo1 ines e ana
Resumo modulo1 ines e ana
 
Ipt resumo
Ipt   resumoIpt   resumo
Ipt resumo
 
Comunicação oral e escrita 1
Comunicação oral e escrita 1Comunicação oral e escrita 1
Comunicação oral e escrita 1
 
Níveis de linguagem
Níveis de linguagemNíveis de linguagem
Níveis de linguagem
 
Funções
FunçõesFunções
Funções
 
Comunicação e expressão
Comunicação e expressão Comunicação e expressão
Comunicação e expressão
 
Variedades linguisticas
Variedades linguisticasVariedades linguisticas
Variedades linguisticas
 
Pcc
PccPcc
Pcc
 
Resenha marcos
Resenha marcosResenha marcos
Resenha marcos
 

Mais de Kênia Machado

A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leituraKênia Machado
 
Avalição de linguagensdivergente8º1
Avalição de linguagensdivergente8º1Avalição de linguagensdivergente8º1
Avalição de linguagensdivergente8º1Kênia Machado
 
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadasLinguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadasKênia Machado
 
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivosKênia Machado
 
A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leituraKênia Machado
 
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismoGabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismoKênia Machado
 
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismoLinguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismoKênia Machado
 
2014 17a-at02-literatura
2014 17a-at02-literatura2014 17a-at02-literatura
2014 17a-at02-literaturaKênia Machado
 
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1riasRevisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1riasKênia Machado
 
Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta
Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão propostaLeia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta
Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão propostaKênia Machado
 
Felicidade clandestina
Felicidade clandestinaFelicidade clandestina
Felicidade clandestinaKênia Machado
 

Mais de Kênia Machado (20)

A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leitura
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
1º ano
1º ano1º ano
1º ano
 
Avalição de linguagensdivergente8º1
Avalição de linguagensdivergente8º1Avalição de linguagensdivergente8º1
Avalição de linguagensdivergente8º1
 
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadasLinguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
 
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
 
A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leitura
 
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismoGabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
 
Linguagensrevisão
LinguagensrevisãoLinguagensrevisão
Linguagensrevisão
 
Novoacordoortografico
NovoacordoortograficoNovoacordoortografico
Novoacordoortografico
 
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismoLinguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
 
Quem foi tomie ohtake
Quem foi tomie ohtakeQuem foi tomie ohtake
Quem foi tomie ohtake
 
2014 17a-at02-literatura
2014 17a-at02-literatura2014 17a-at02-literatura
2014 17a-at02-literatura
 
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1riasRevisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
 
1ppportugues1ano (1)
1ppportugues1ano (1)1ppportugues1ano (1)
1ppportugues1ano (1)
 
1ppliteratura1ano (1)
1ppliteratura1ano (1)1ppliteratura1ano (1)
1ppliteratura1ano (1)
 
Dicas de português1
Dicas de português1Dicas de português1
Dicas de português1
 
Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta
Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão propostaLeia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta
Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta
 
Tc de literatura6º
Tc de literatura6ºTc de literatura6º
Tc de literatura6º
 
Felicidade clandestina
Felicidade clandestinaFelicidade clandestina
Felicidade clandestina
 

Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística

  • 1. Linguagens – 1º ano Língua, linguagem e comunicação À capacidade de comunicar-se por meio de signos damos o nome de linguagem. Assim, linguagem é a capacidade de o homem comunicar-se, seja por meio de ícones, índices ou símbolos. A língua é um conjunto de sinais (palavras) e de leis combinatórias por meio do qual as pessoas de uma comunidade se comunicam e interagem. Ela pertence a todos os membros de uma comunidade; por isso faz parte do patrimônio social e cultural de cada coletividade. Como ela é resultado histórico de uma convenção, um único indivíduo, isoladamente, não é capaz de criá-la ou modificá-la. Nem a língua nem a fala são imutáveis. A língua evolui transformando-a historicamente, algumas palavras ganham ou perdem certos fonemas, a exemplo da palavra “oxente”, o termo é formado pela aglutinação da expressão “ó gente”. Para comunicar-se, cada indivíduo utiliza o código linguístico do modo que julga mais apropriado. No entanto, para que a comunicação se dê de maneira bem-sucedida, faz-se necessário que a língua – que constitui o código linguístico – seja respeitada em suas regras internas. Assim podemos dizer que a língua é comum a todos os indivíduos de uma determinada comunidade linguística e que a fala é um ato individual, efetuado por um membro da comunidade Variedades Linguísticas A língua possui uma unidade que se garante por uma série de elementos particulares (como os fonemas, os vocábulos) e regras específicas para sua combinação, ela também possui variedades condicionadas por fatores sociais, regionais e das diversas situações em que se atualiza. As variedades linguísticas podem ser divididas a dois campos de estudo, segundo Dino Preti:
  • 2. 1) Variedades geográficas As variedades geográficas ocorrem em função do espaço geográfico em que a linguagem é analisada, pois um mesmo objeto de estudo pode possuir inúmeras nomeações, apesar de designarem um mesmo ser, dependendo da área estuda. 2) Variedades Socioculturais 2.1) Variedades determinadas pelo falante a) Grupos Culturais: Uma pessoa que conhece a língua que emprega apenas “de ouvido”, que não teve oportunidade de tomar conhecimento das regras internas que a compõe, domina essa língua de forma diversa de uma pessoa que tem contato com esse código linguístico por meio de livros, dicionários ou ainda por intermédio da convivência com pessoas de boa formação intelectual. No entanto, não se quer dizer que um grupo fale melhor ou pior que outro. Deseja-se apenas registrar o fato de que a formação escolar de um indivíduo, por exemplo, suas atividades profissionais, seu nível cultural podem determinar um domínio diferente dá língua. b) O jargão (uma variação social): Observe os diversos grupos profissionais, cada um deles faz uso de um vocabulário e expressão que são típicos de seu trabalho. As análises feitas até aqui apontam para o fato de que há na língua inúmeras variedades que representam os usos incontáveis que podem ser feitos dela. Essas variedades são infinitas porque são infinitas as maneiras como o vocabulário, a pronuncia e a sintaxe de uma língua pode se manifestar. Definir quantas são ou contá-las seria pressupor uma artificialidade inexistente, pois não se trata de uma realidade palpável, que se posso tocar ou distinguir com clareza. Além disso, as variedades se modificam,
  • 3. permeiam-se, de modo que é impossível determinar onde cada uma começa ou termina, e sua separação só pode ser feita didaticamente. Geralmente, cada usuário emprega mais de uma variedade, condicionando-a à situação em que se encontra, ao gênero discursivo, às finalidade que determinam sua ação. Desse modo, em um mesmo ato de fala é possível encontrar características de uma variedade misturada às de outra. Outra questão fundamental a observar é que uma variedade não é única e exclusivamente linguística: cada uma dela é também, e ao mesmo tempo, uma manifestação social e cultural, porque a língua e os seus usos são determinados e condicionados social e culturalmente. Da mesma forma que a cultura e a maneira de se expressar de algumas classes sociais possuem maior prestígio (são mais valorizadas) do que as de outras, podemos dizer que algumas variedades linguísticas também recebem maior prestigio enquanto outras são menos valorizadas.  Variedade padrão, língua padrão ou norma culta: é a variedade linguística de maior prestigio social.  Variedade não padrão ou língua não padrão: são todas as linguísticas diferentes da não padrão. Obs.: 1) Marca de oralidade: Algumas construções como “deixei ele” , são típicas da linguagem oral, até mesmo de pessoas que evitariam expressar-se assim em textos escritos formais Obs.: 2) Liberdade de uso: Mesmo que em aulas de língua um professor detenha-se mais nas características da norma padrão, não se espera que um falante – seja ele quem for – abandone a variedade linguística que domina e passe a empregar a norma-padrão em todos os momentos de sua vida (lembre que a norma-padrão é um modelo teórico). É preciso saber utilizar mais de uma variedade linguística, adequando nosso discurso ao contexto, aos interlocutores, à finalidade pretendida.  Linguagem verbal: envolvimento direto com a palavra  Linguagem não verbal: sem envolvimento direto com a palavra