SlideShare uma empresa Scribd logo

Criatividade e Processos de Criação, capítulo 1.

Disciplina: Laboratório de Artes Plásticas: Escultura.

1 de 37
Baixar para ler offline
1º BIMESTRE
DISCIPLINA: EXPRESSÃO TRIDIMENSIONAL
DOCENTE: DANIELA JACOMEL
DISCENTES: BRUNO PEREIRA
HELLEN MAYARA
JÉSSICA PÁDUA
LUANA COLOSIO
CRIATIVIDADE E
PROCESSOS DE CRIAÇÃO
(CAPÍTULO 1)
FAYGA OSTROWER
SINOPSE+INTRO + CAPÍTULO 1:
http://www.mariosantiago.net/textos%
20em%20pdf/criatividade%20e%20proce
ssos%20de%20cria%C3%A7%C3%A3o.pdf
QUEM É FAYGA?
 Fayga Perla Ostrower nasceu em
14 de setembro de 1920, Lodz - Polônia;
 Considerada uma artista plástica brasileira;
 Atuou como gravadora, pintora, desenhista, ilustradora, teórica da
arte e professora;
 Cursou Artes Gráficas na Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 1947.
 Conseguiu uma bolsa de estudos em Nova York na Fundação
Fullbright.
QUEM É FAYGA?
 Fascinada pelas obras de Paul Cezanne
adotou o estilo abstrato;
 Realizou inúmeras exposições, sendo
individuais e coletivas, no Brasil e no Exterior;
 Recebeu vários prêmios:
• Prêmio Nacional de Gravura da Bienal de São Paulo,1957;
• Prêmio Internacional da Bienal de Veneza ,1958.
QUEM É FAYGA?
 Cargos importantes:
 Em 2015 foi homenageada com o livro “Fayga Ostrower”, com a
curadoria de Anna Bella Geiger.
• Presidente da Associação Brasileira de Artes Plásticas entre 1963 e 1966.
• Membro honorário da Academia de Arte e Desenho de Florença.
INTRODUÇÃO
 Fayga Ostrower, em sua obra “Criatividade e Processos de
Criação” (2009), considera a criatividade inerente ao Homem,
inerente à vida: mais que uma visão (necessidade);
 Parte de uma visão política, histórica e filosófica;
 Ser humano criativo;
 Os processos criativos não se restringem somente à arte;
Criar e viver estão interligam;
A natureza criativa do homem se elabora no contexto cultural.
Anúncio

Recomendados

leitura de uma obra
leitura de uma obraleitura de uma obra
leitura de uma obraDaiana Holz
 
A função da arte slide
A função da arte   slideA função da arte   slide
A função da arte slide2011saletekm
 
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visualElementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visualWilliam Marques
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mascaras africanas
Mascaras africanasMascaras africanas
Mascaras africanasLena Dias
 
Sintaxe da Linguagem Visual - parte II
Sintaxe da Linguagem Visual - parte IISintaxe da Linguagem Visual - parte II
Sintaxe da Linguagem Visual - parte IICíntia Dal Bello
 
Theodor adorno-industria-cultural-e-sociedade
Theodor adorno-industria-cultural-e-sociedadeTheodor adorno-industria-cultural-e-sociedade
Theodor adorno-industria-cultural-e-sociedadeMGA
 
Ensino médio texto- análise de uma obra de arte-
Ensino médio  texto- análise de uma obra de arte-Ensino médio  texto- análise de uma obra de arte-
Ensino médio texto- análise de uma obra de arte-ArtesElisa
 
Técnicas Visuais Aplicadas ao Design
Técnicas Visuais Aplicadas ao DesignTécnicas Visuais Aplicadas ao Design
Técnicas Visuais Aplicadas ao Designanamargarites
 
Arte erudita popular e de massa
Arte erudita popular e de massaArte erudita popular e de massa
Arte erudita popular e de massaGilson Ribeiro
 
Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.Renata_Vasconcelos
 
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptx
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptxTECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptx
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptxMidiIzidoroSilva
 
Evolução conceito arte
Evolução conceito arteEvolução conceito arte
Evolução conceito arteGi Loureiro
 
Aula 07 impressionismo e expressionismo
Aula 07 impressionismo e expressionismoAula 07 impressionismo e expressionismo
Aula 07 impressionismo e expressionismoMarcio Duarte
 

Mais procurados (20)

Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
Mascaras africanas
Mascaras africanasMascaras africanas
Mascaras africanas
 
Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019
 
Introdução ao processo criativo (1)
Introdução ao processo criativo (1)Introdução ao processo criativo (1)
Introdução ao processo criativo (1)
 
Sintaxe da Linguagem Visual - parte II
Sintaxe da Linguagem Visual - parte IISintaxe da Linguagem Visual - parte II
Sintaxe da Linguagem Visual - parte II
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
 
Theodor adorno-industria-cultural-e-sociedade
Theodor adorno-industria-cultural-e-sociedadeTheodor adorno-industria-cultural-e-sociedade
Theodor adorno-industria-cultural-e-sociedade
 
Aula 3 - Direção de Arte
Aula 3  - Direção de ArteAula 3  - Direção de Arte
Aula 3 - Direção de Arte
 
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia JuniorElementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
 
Ensino médio texto- análise de uma obra de arte-
Ensino médio  texto- análise de uma obra de arte-Ensino médio  texto- análise de uma obra de arte-
Ensino médio texto- análise de uma obra de arte-
 
Técnicas Visuais Aplicadas ao Design
Técnicas Visuais Aplicadas ao DesignTécnicas Visuais Aplicadas ao Design
Técnicas Visuais Aplicadas ao Design
 
Percepcao visual
Percepcao visualPercepcao visual
Percepcao visual
 
Arte erudita popular e de massa
Arte erudita popular e de massaArte erudita popular e de massa
Arte erudita popular e de massa
 
Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.
 
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptx
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptxTECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptx
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptx
 
Evolução conceito arte
Evolução conceito arteEvolução conceito arte
Evolução conceito arte
 
Arte africana
Arte africanaArte africana
Arte africana
 
Intervenção Urbana
Intervenção UrbanaIntervenção Urbana
Intervenção Urbana
 
Aula 07 impressionismo e expressionismo
Aula 07 impressionismo e expressionismoAula 07 impressionismo e expressionismo
Aula 07 impressionismo e expressionismo
 
Design Editorial | Estruturas
Design Editorial | EstruturasDesign Editorial | Estruturas
Design Editorial | Estruturas
 

Destaque

Criatividade e processos de criação - Fayga Ostrower
Criatividade e processos de criação - Fayga OstrowerCriatividade e processos de criação - Fayga Ostrower
Criatividade e processos de criação - Fayga OstrowerCarla NG
 
Criatividade e Processos de Criação
Criatividade e Processos de CriaçãoCriatividade e Processos de Criação
Criatividade e Processos de CriaçãoFabio Silva
 
Arte Engajada: O enlace entre arte e sociedade
Arte Engajada: O enlace entre arte e sociedadeArte Engajada: O enlace entre arte e sociedade
Arte Engajada: O enlace entre arte e sociedadeLuana Colosio
 
Desenho e Percepção Visual modulo 2 cgav
Desenho e Percepção Visual modulo 2 cgavDesenho e Percepção Visual modulo 2 cgav
Desenho e Percepção Visual modulo 2 cgavAnacatgarrido
 
Cooperação entre Organizações
Cooperação entre OrganizaçõesCooperação entre Organizações
Cooperação entre OrganizaçõesYuri Vellinho
 
Modelos de negócios para a economia criativa
Modelos de negócios para a economia criativaModelos de negócios para a economia criativa
Modelos de negócios para a economia criativaLaboratorium
 
Economia criativa – john howkins
Economia criativa – john howkins Economia criativa – john howkins
Economia criativa – john howkins Marcelia Lupetti
 
Aula de pintura pdf
Aula de pintura pdfAula de pintura pdf
Aula de pintura pdfAmanda Depp
 
O processo de criação - Design - InfoBranding
O processo de criação - Design - InfoBrandingO processo de criação - Design - InfoBranding
O processo de criação - Design - InfoBrandingLeticia Ikeda
 
Modelos de negócios para a economia criativa
Modelos de negócios para a economia criativa Modelos de negócios para a economia criativa
Modelos de negócios para a economia criativa Marcelo Pimenta (menta90)
 
Design para quem não é designer Robin Williams
Design para quem não é designer Robin WilliamsDesign para quem não é designer Robin Williams
Design para quem não é designer Robin WilliamsElizabeth Fantauzzi
 

Destaque (20)

Criatividade e processos de criação - Fayga Ostrower
Criatividade e processos de criação - Fayga OstrowerCriatividade e processos de criação - Fayga Ostrower
Criatividade e processos de criação - Fayga Ostrower
 
Percepção visual
Percepção visualPercepção visual
Percepção visual
 
Criatividade e Processos de Criação
Criatividade e Processos de CriaçãoCriatividade e Processos de Criação
Criatividade e Processos de Criação
 
Lou borghetti usa
Lou borghetti usaLou borghetti usa
Lou borghetti usa
 
Arte Engajada: O enlace entre arte e sociedade
Arte Engajada: O enlace entre arte e sociedadeArte Engajada: O enlace entre arte e sociedade
Arte Engajada: O enlace entre arte e sociedade
 
Percepção Visual
Percepção VisualPercepção Visual
Percepção Visual
 
Desenho e Percepção Visual modulo 2 cgav
Desenho e Percepção Visual modulo 2 cgavDesenho e Percepção Visual modulo 2 cgav
Desenho e Percepção Visual modulo 2 cgav
 
Desenho manual prático do artista.pdf
Desenho   manual prático do artista.pdfDesenho   manual prático do artista.pdf
Desenho manual prático do artista.pdf
 
Cooperação entre Organizações
Cooperação entre OrganizaçõesCooperação entre Organizações
Cooperação entre Organizações
 
Teste para alunos
Teste para alunosTeste para alunos
Teste para alunos
 
Modelos de negócios para a economia criativa
Modelos de negócios para a economia criativaModelos de negócios para a economia criativa
Modelos de negócios para a economia criativa
 
Economia criativa – john howkins
Economia criativa – john howkins Economia criativa – john howkins
Economia criativa – john howkins
 
Aula de pintura pdf
Aula de pintura pdfAula de pintura pdf
Aula de pintura pdf
 
O processo de criação - Design - InfoBranding
O processo de criação - Design - InfoBrandingO processo de criação - Design - InfoBranding
O processo de criação - Design - InfoBranding
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Modelos de negócios para a economia criativa
Modelos de negócios para a economia criativa Modelos de negócios para a economia criativa
Modelos de negócios para a economia criativa
 
Percepção visual
Percepção visualPercepção visual
Percepção visual
 
Geometria do Design
Geometria do DesignGeometria do Design
Geometria do Design
 
APL de economia criativa
APL de economia criativaAPL de economia criativa
APL de economia criativa
 
Design para quem não é designer Robin Williams
Design para quem não é designer Robin WilliamsDesign para quem não é designer Robin Williams
Design para quem não é designer Robin Williams
 

Semelhante a Criatividade e Processos de Criação, capítulo 1.

O paradigma da educação multicultural amazônica
O paradigma da educação multicultural amazônicaO paradigma da educação multicultural amazônica
O paradigma da educação multicultural amazônicaHebert Balieiro
 
Como o ser humano se tornou ser humano
Como o ser humano se tornou ser humanoComo o ser humano se tornou ser humano
Como o ser humano se tornou ser humanoAndressa Joao Bidoia
 
Comunicação, cultura e valores
Comunicação, cultura e valoresComunicação, cultura e valores
Comunicação, cultura e valoresgraziela33
 
Comunicação, cultura e valores
Comunicação, cultura e valoresComunicação, cultura e valores
Comunicação, cultura e valoresgraziela33
 
Comunicação, cultura e valores
Comunicação, cultura e valoresComunicação, cultura e valores
Comunicação, cultura e valoresgraziela33
 
Identidade cultural fap
Identidade cultural  fapIdentidade cultural  fap
Identidade cultural fapSONIAPASSOS7
 
Interação verba lou_trabalho lgg-cognitivopsíquico_ou_ou
Interação verba lou_trabalho lgg-cognitivopsíquico_ou_ouInteração verba lou_trabalho lgg-cognitivopsíquico_ou_ou
Interação verba lou_trabalho lgg-cognitivopsíquico_ou_oujorge luiz dos santos de souza
 
Seminário identidade identificação 2014 UENF Mestrado Cognição Linguagem
Seminário identidade identificação 2014 UENF Mestrado  Cognição LinguagemSeminário identidade identificação 2014 UENF Mestrado  Cognição Linguagem
Seminário identidade identificação 2014 UENF Mestrado Cognição LinguagemRafael Rivera
 
o papel da arte-educacao_publicado.pdf
o papel da arte-educacao_publicado.pdfo papel da arte-educacao_publicado.pdf
o papel da arte-educacao_publicado.pdfSimone Simões
 
O conhecimento slides
O conhecimento   slidesO conhecimento   slides
O conhecimento slidesUFMS
 
Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660
Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660
Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660Leandro (Inpes-Uscs)
 

Semelhante a Criatividade e Processos de Criação, capítulo 1. (20)

Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
O paradigma da educação multicultural amazônica
O paradigma da educação multicultural amazônicaO paradigma da educação multicultural amazônica
O paradigma da educação multicultural amazônica
 
Eti cid sus_09_pdf
Eti cid sus_09_pdfEti cid sus_09_pdf
Eti cid sus_09_pdf
 
Como o ser humano se tornou ser humano
Como o ser humano se tornou ser humanoComo o ser humano se tornou ser humano
Como o ser humano se tornou ser humano
 
1612670.ppt
1612670.ppt1612670.ppt
1612670.ppt
 
Caderno 03
Caderno 03Caderno 03
Caderno 03
 
Comunicação, cultura e valores
Comunicação, cultura e valoresComunicação, cultura e valores
Comunicação, cultura e valores
 
Comunicação, cultura e valores
Comunicação, cultura e valoresComunicação, cultura e valores
Comunicação, cultura e valores
 
Comunicação, cultura e valores
Comunicação, cultura e valoresComunicação, cultura e valores
Comunicação, cultura e valores
 
Identidade cultural fap
Identidade cultural  fapIdentidade cultural  fap
Identidade cultural fap
 
Interação verba lou_trabalho lgg-cognitivopsíquico_ou_ou
Interação verba lou_trabalho lgg-cognitivopsíquico_ou_ouInteração verba lou_trabalho lgg-cognitivopsíquico_ou_ou
Interação verba lou_trabalho lgg-cognitivopsíquico_ou_ou
 
Seminário identidade identificação 2014 UENF Mestrado Cognição Linguagem
Seminário identidade identificação 2014 UENF Mestrado  Cognição LinguagemSeminário identidade identificação 2014 UENF Mestrado  Cognição Linguagem
Seminário identidade identificação 2014 UENF Mestrado Cognição Linguagem
 
Volume VII
Volume VIIVolume VII
Volume VII
 
o papel da arte-educacao_publicado.pdf
o papel da arte-educacao_publicado.pdfo papel da arte-educacao_publicado.pdf
o papel da arte-educacao_publicado.pdf
 
Cp aula 4
Cp aula 4Cp aula 4
Cp aula 4
 
Publicação2
Publicação2Publicação2
Publicação2
 
O conhecimento slides
O conhecimento   slidesO conhecimento   slides
O conhecimento slides
 
Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660
Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660
Dialnet o brincar-umapercepcao-3694660
 

Mais de Luana Colosio

Políticas Culturais no Brasil - Lia Calabre
Políticas Culturais no Brasil - Lia CalabrePolíticas Culturais no Brasil - Lia Calabre
Políticas Culturais no Brasil - Lia CalabreLuana Colosio
 
Ferramentas da Gestão do Conhecimento na Educação
Ferramentas da Gestão do Conhecimento na EducaçãoFerramentas da Gestão do Conhecimento na Educação
Ferramentas da Gestão do Conhecimento na EducaçãoLuana Colosio
 
Ciclo de conhecimento como gerador de valor: uma proposta integradora
Ciclo de conhecimento como gerador de valor: uma proposta integradoraCiclo de conhecimento como gerador de valor: uma proposta integradora
Ciclo de conhecimento como gerador de valor: uma proposta integradoraLuana Colosio
 
Tudo sobre arte: Dadaísmo.
Tudo sobre arte: Dadaísmo.Tudo sobre arte: Dadaísmo.
Tudo sobre arte: Dadaísmo.Luana Colosio
 
O Rei Lear, Shakespeare.
O Rei Lear, Shakespeare.O Rei Lear, Shakespeare.
O Rei Lear, Shakespeare.Luana Colosio
 
Clermont Gauthier: um ofício feito de saberes
Clermont Gauthier: um ofício feito de saberesClermont Gauthier: um ofício feito de saberes
Clermont Gauthier: um ofício feito de saberesLuana Colosio
 

Mais de Luana Colosio (9)

Políticas Culturais no Brasil - Lia Calabre
Políticas Culturais no Brasil - Lia CalabrePolíticas Culturais no Brasil - Lia Calabre
Políticas Culturais no Brasil - Lia Calabre
 
Ferramentas da Gestão do Conhecimento na Educação
Ferramentas da Gestão do Conhecimento na EducaçãoFerramentas da Gestão do Conhecimento na Educação
Ferramentas da Gestão do Conhecimento na Educação
 
Ciclo de conhecimento como gerador de valor: uma proposta integradora
Ciclo de conhecimento como gerador de valor: uma proposta integradoraCiclo de conhecimento como gerador de valor: uma proposta integradora
Ciclo de conhecimento como gerador de valor: uma proposta integradora
 
Tudo sobre arte: Dadaísmo.
Tudo sobre arte: Dadaísmo.Tudo sobre arte: Dadaísmo.
Tudo sobre arte: Dadaísmo.
 
O Rei Lear, Shakespeare.
O Rei Lear, Shakespeare.O Rei Lear, Shakespeare.
O Rei Lear, Shakespeare.
 
Clermont Gauthier: um ofício feito de saberes
Clermont Gauthier: um ofício feito de saberesClermont Gauthier: um ofício feito de saberes
Clermont Gauthier: um ofício feito de saberes
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
Abraão Batista
Abraão BatistaAbraão Batista
Abraão Batista
 
Body Art
Body ArtBody Art
Body Art
 

Criatividade e Processos de Criação, capítulo 1.

  • 1. 1º BIMESTRE DISCIPLINA: EXPRESSÃO TRIDIMENSIONAL DOCENTE: DANIELA JACOMEL DISCENTES: BRUNO PEREIRA HELLEN MAYARA JÉSSICA PÁDUA LUANA COLOSIO CRIATIVIDADE E PROCESSOS DE CRIAÇÃO (CAPÍTULO 1) FAYGA OSTROWER
  • 2. SINOPSE+INTRO + CAPÍTULO 1: http://www.mariosantiago.net/textos% 20em%20pdf/criatividade%20e%20proce ssos%20de%20cria%C3%A7%C3%A3o.pdf
  • 3. QUEM É FAYGA?  Fayga Perla Ostrower nasceu em 14 de setembro de 1920, Lodz - Polônia;  Considerada uma artista plástica brasileira;  Atuou como gravadora, pintora, desenhista, ilustradora, teórica da arte e professora;  Cursou Artes Gráficas na Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 1947.  Conseguiu uma bolsa de estudos em Nova York na Fundação Fullbright.
  • 4. QUEM É FAYGA?  Fascinada pelas obras de Paul Cezanne adotou o estilo abstrato;  Realizou inúmeras exposições, sendo individuais e coletivas, no Brasil e no Exterior;  Recebeu vários prêmios: • Prêmio Nacional de Gravura da Bienal de São Paulo,1957; • Prêmio Internacional da Bienal de Veneza ,1958.
  • 5. QUEM É FAYGA?  Cargos importantes:  Em 2015 foi homenageada com o livro “Fayga Ostrower”, com a curadoria de Anna Bella Geiger. • Presidente da Associação Brasileira de Artes Plásticas entre 1963 e 1966. • Membro honorário da Academia de Arte e Desenho de Florença.
  • 6. INTRODUÇÃO  Fayga Ostrower, em sua obra “Criatividade e Processos de Criação” (2009), considera a criatividade inerente ao Homem, inerente à vida: mais que uma visão (necessidade);  Parte de uma visão política, histórica e filosófica;  Ser humano criativo;  Os processos criativos não se restringem somente à arte; Criar e viver estão interligam; A natureza criativa do homem se elabora no contexto cultural.
  • 7.  Criar corresponde a um formar, um dar forma a alguma coisa.  Fayga estabelece a ação de criar como uma possibilidade de evitar a alienação do Homem contemporâneo, o homem deixa de ser passivo. CONSCIENTE-SENSÍVEL-CULTURAL  A integração destes três meios resultam o comportamento do homem criativo.
  • 8. I POTENCIAL “Criar é basicamente formar” Dar forma a algo novo.
  • 9.  O ato criador abrange:  O homem é um ser formador; COMPREENDER RELACIONAR = ORDENAR = CONFIGURAR = SIGNIFICAR RELACIONA = FORMA
  • 10.  As formas de percepção não são gratuitas nem os relacionamentos se estabelecem ao acaso.  Em cada ato, no exercê-lo, no compreendê-lo e no compreender- nos dentro dele, transparece a projeção de nossa ordem interior. BUSCA DE SIGNIFICADOS
  • 11.  Nessa busca de ordenações e significados reside a profunda motivação humana de criar. O homem cria, não apenas porque quer, ou porque gosta, e sim porque precisa, ele só pode crescer, enquanto ser humano, coerentemente, ordenando, dando forma criando.
  • 12.  O ato de criar ocorre por intuição;  Entende-se que a própria consciência nunca é algo acabado ou definitivo. Ela vai se formando no exercício de si mesma, num desenvolvimento dinâmico em que o homem, procurando sobreviver e agindo, ao transformar a natureza se transforma também. O homem não somente percebe as transformações como sobretudo nelas se percebe. A percepção de si mesmo no agir é um aspecto relevante que distingue a criatividade humana.
  • 13. REALIZAÇÃO E CONSTANTE TRANSFORMAÇÃO  O homem antecipa suas criações mentalmente; INTENCIONALIDADE DA AÇÃO HUMANA  O ato intencional pressupõe existir uma mobilização interior, não necessariamente consciente, que é orientada para determinada finalidade antes mesmo de existir a situação concreta para a qual a ação seja solicitada.  O ato criador não existe antes ou fora do ato intencional.
  • 14. SER CONSCIENTE-SENSÍVEL-CULTURAL Fayga afirma que o ser consciente-sensível-cultural existe há muito tempo, antes mesmo dos HOMO SAPIENS. Na integração do consciente, do sensível e do cultural se baseiam os comportamentos criativos do homem. Somente ante a ação de um ser consciente, faz sentido falar-se da criação. Sem a consciência, prescinde-se o imaginativo na ação. O homem será um ser consciente e sensível em qualquer contexto cultural.
  • 15. SER CONSCIENTE-SENSÍVEL-CULTURAL A consciência e a sensibilidade das pessoas fazem parte de sua herança biológica, são qualidades comportamentais inatas, ao passo que a cultura representa o desenvolvimento social do homem; configura as formas de convívio entre as pessoas. As culturas assumem formas variáveis que se alteram com rapidez. As culturas se acumulam, se diversificam, se complexificam e se enriquecem. Desenvolvem-se e, por motivos sociais, se extinguem ou são extintas. São transmitidas!
  • 16. SER CONSCIENTE-SENSÍVEL-CULTURAL Não há um desenvolvimento biológico que possa ocorrer independente do cultural. O comportamento de cada ser humano se molda pelos padrões culturais, históricos, do grupo em que ele, indivíduo, nasce e cresce. Ainda vinculado aos mesmos padrões coletivos, ele se desenvolverá enquanto individualidade, com seu modo pessoal de agir, seus sonhos, suas aspirações e suas eventuais realizações. Enfoque: CULTURA Para Fayga, o importante é mostrar como a cultura serve de referência a tudo o que o indivíduo é, faz, comunica, à elaboração de novas atitudes e novos comportamentos e, naturalmente, a toda possível criação.
  • 18. SER SENSÍVEL A sensibilidade é uma porta de entrada das sensações. Ela representa uma abertura constante ao mundo e nos liga de modo imediato ao acontecer em torno de nós. Esse fenômeno é essencial a qualquer forma de vida e inerente à própria condição de vida. Os processos de criação interligam-se intimamente com o nosso ser sensível, pois, são processos intuitivos. A sensibilidade é inata, e não restrita a artistas ou privilegiados: É PATRIMÔNIO DE TODOS OS SERES HUMANOS! CRIAÇÃO ATRAVÉS DA SENSIBILIDADE
  • 19. SER SENSÍVEL Grande parte da sensibilidade, incluindo as sensações internas, permanece vinculada ao inconsciente. Uma outra parte, porém, também participando do sensório, chega ao nosso consciente. Chega de modo articulado, em formas organizadas. É a nossa percepção. INCONSCIENTE CONSCIENTE PERCEPÇÃO A PERCEPÇÃO É A ELABORAÇÃO MENTAL DAS SENSAÇÕES
  • 20. SER SENSÍVEL A percepção delimita o que somos capazes de sentir e compreender, porquanto corresponde a uma ordenação seletiva dos estímulos e cria uma barreira entre o que percebemos e o que não percebemos. Articula o mundo que nos atinge, o mundo que chegamos a conhecer e dentro do qual nós nos conhecemos. Articula o nosso ser dentro do não ser. SENSIBILIDADE PERCEPÇÃO
  • 21. SER CULTURAL Segundo conhecimentos atuais: o homem surge na história como um ser cultural. CULTURA Formas materiais e espirituais com que os indivíduos de um grupo convivem, nas quais atuam e se comunicam e cuja experiência coletiva pode ser transmitida através de vias simbólicas para a geração seguinte.
  • 22. SER CULTURAL Embora não se saiba quais foram as formas de convívio coletivo inicialmente, entende-se hoje que os comportamentos dos homínidas devem ser considerados culturais. Entretanto, além desses dados, existem provas irrefutáveis de seres de percepção consciente e de vida cultural: as pedras lascadas. Comunicação dos homínidas e expressão simbólica. CARLETON COON “No homem, a biologia tornou- se inseparável da cultura, uma vez que nossos ancestrais começaram a usar ferramentas. A partir de então, a seleção natural favoreceu aqueles que puderam usar a cultura em seu melhor benefício.” Clarke: “fazer qualquer ferramenta, baseia- se num conhecimento preciso da matéria- prima [...] é característico dos seres humanos terem uma apreciação maior do fator tempo que outros primatas; usam memórias do passado, servindo como uma espécie de capital cultural”
  • 23. SER CONSCIENTE Ao se tornar consciente de sua existência individual, o homem não deixa de conscientizar-se também de sua existência social. O modo de sentir e de pensar os fenômenos, o próprio modo de pensar-se e sentir-se, de vivenciar as aspirações, os possíveis êxitos e eventuais insucessos, tudo se molda segundo ideias e hábitos particulares ao contexto social em que se desenvolve o indivíduo. Os valores culturais vigentes constituem o clima mental para o seu agir. Criam as referências, discriminam as propostas, pois, conquanto os objetivos possam ser de caráter estritamente pessoal, neles se elaboram possibilidades culturais.
  • 24. SER CONSCIENTE Como ser que se percebe e se interroga, o homem é levado a interpretar todos os fenômenos; nessa tradução, o âmbito cultural transpõe o natural. EX: SOL, no Egito (divindade), Idade Média (coroa gigante flamejante), pintura moderna (círculo preto entre borrões vermelhos). Essas visões diferentes de um mesmo fenômeno natural são também as diversas formas expressivas por que o fenômeno chega ao consciente dos indivíduos. A cultura influencia também a visão de vida de cada um.
  • 25. SER CONSCIENTE Por se vincular no ser consciente a um fazer intencional e cultural em busca de conteúdos significativos, a sensibilidade se transforma. Incorpora um princípio configurador seletivo. Nessa integração que se dá de potencialidades individuais com possibilidades culturais, a criatividade não seria então senão a própria sensibilidade.
  • 26. CONCLUSÃO  Fayga se dirige a todos, por considerar a criatividade inerente ao Homem, inerente à vida: mais que uma visão artística é uma visão política, histórica e filosófica.  A natureza criativa é elaborada dentro de um contexto cultural e age de acordo com as potencialidades individuais que, realizadas, configuram as particularidades de uma época...
  • 27. MEMÓRIA O espaço vivencial da memória representa portanto, uma ampliação extraordinária, multidirecional, do espaço físico natural. Formas de inteligência associativa. Os processos de memória se baseiam na ativação de certos contextos e não em fatos isolados.
  • 28. A memória corresponderia uma retenção de dados já interligados em conteúdos vivenciais. Articulam-se limites entre o que lembramos, pensamos, imaginamos, e a infinidade de incidentes que se passaram em nossa vida. Cada instante relembrado constitui uma situação em si nova e específica. MEMÓRIA
  • 29. ASSOCIAÇÕES As associações compõe a essência de nosso mundo imaginativo. Geram um mundo experimental. Afluem em nossa mente como uma velocidade extraordinária. Embora as associações venham com tanta insistência que talvez possam tender para o difuso, estabelecem-se determinadas combinações, interligando-se ideais e sentimentos. O nosso mundo imaginativo será povoado por expectativas. As prioridades interiores influem em nosso fazer e naquilo que “queremos” criar.
  • 30. FALAR, SIMBOLIZAR Grande parte das associações liga-se à fala, nela submerge e com ela se funde, pois muito do que imaginamos é verbal, ou torna-se verbal. A fala está inserida no complexo de relacionamentos afetivos e intelectuais próprios de uma cultura. Cada um pensa e imagina nos termos de sua língua. Pensamos através da fala silenciosa.
  • 31. As palavras servem de mediador entre o nosso consciente e o mundo. Na língua dá-se um deslocamento do real físico do objeto para o real da ideia do objeto. A palavra evoca o objeto por intermédio da sua noção. O falar não é neutro. A função das palavras é variada, porquanto são variados os relacionamentos em que as palavras formulam o conhecimento que temos do mundo. Signos e símbolos. Representação das coisas. Simbolizam não só objetos, mas também ideias e correlações.
  • 32. Na percepção de si mesmo o homem pode distanciar-se dentro de si e imaginativamente colocar-se no lugar de outra pessoa. A expressão de sensações pode transformar-se na comunicação de conteúdos subjetivos. Falar com emoção e transmitir verbalmente suas emoções. Perfazer toda a espécie de abstrações mentais. Experiência e a criatividade individual se tornaram anônimas. Ainda que a capacidade de falar simbolizar seja um potencial inato, o aprendizado da fala implica um aprendizado cultural.
  • 33. FORMAS SIMBÓLICAS E ORDENAÇÕES INTERIORES As línguas constituem sistemas de comunicação verbal. Conquanto a fala seja da maior importância, a nossa capacidade de comunicar conteúdos expressivos não se restringe às palavras. No que o homem faz, imagina compreende, ele o faz ordenando. Se a fala representa um modo de ordenar, o comportamento também é ordenação. Forma simbólica. Através da estrutura formal, a mensagem simbólica sempre articula modos de ser essenciais – justamente pelos aspectos de espaço/tempo – que são entendidos como qualificações de vida.
  • 34. POTENCIAL CRIADOR Uma realidade configurada exclui outras realidades. O potencial criador elabora-se nos múltiplos níveis do ser sensível- cultural-consciente do homem, e se faz presente nos múltiplos caminho em que o homem procura captar e configurar as realidades da vida.
  • 35. TENSÃO PSÍQUICA A criatividade implica uma força crescente. Em cada atuação nossa, assim como também em cada forma criada, existe um estado de tensão. A tensão psíquica pode de deve ser elaborada. Assim, nos processos criativos, o essencial será poder concentrar-se e poder manter a tensão psíquica. Compreendemos, na criação, que a finalidade de nosso fazer seja poder ampliar em nós a experiência de vitalidade. Conflitos emocionais.
  • 36. FIM DO 1º CAPÍTULO!
  • 37. REFERÊNCIAS OSTROWER, Fayga. Criatividade e Processos de Criação. Petrópolis: Vozes, 2014, 30ª ed.