SlideShare uma empresa Scribd logo

Artigo ensaios de impacto envolvendo corpos de prova à base de aglomerante

Lowrrayny Franchesca
Lowrrayny Franchesca
Lowrrayny FranchescaEstudante na Centro Universitário de Várzea Grande

Projeto Unificado lV

Artigo ensaios de impacto envolvendo corpos de prova à base de aglomerante

1 de 5
Baixar para ler offline
1
Discentes do curso de Engenharia Civil. Centro Universitário de Várzea Grande, Turma de 2013 ENC131AN. E-
mail: insightecivil@outlook.com.br
ENSAIOS DE IMPACTO ENVOLVENDO CORPOS DE PROVA À BASE
DE AGLOMERANTE/LIGANTE
SANTOS, Abrahão L. A. dos
Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande
SCARDELAI, Bruno L. V.
Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande
RODRIGUES, Eloa P.
Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande
GONÇALVES, Lowrrayny F. de P.
Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande
CAVALCANTI, Marcio W.
Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande
BONFIM, Pamelariele S.
Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande
FILHO, Paulo A. P. Z.
Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande
MARTINELLO, Vitor A. A.
Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande
RESUMO
Os métodos de ensaios de impacto envolvendo corpos de prova servem para
determinar a resistência e sensibilidade dos materiais quando submetido a uma certa carga de
impacto.
___________________________
2
Existem diversos métodos e tipos de ensaios envolvendo corpos de prova, porém
visando focar o artigo bibliográfico no projeto proposto, se fez interessante elaborá-lo através
do ensaio de impacto por pêndulo Charpy NBR 281-1 (11/2003), um ensaio dinâmico
utilizado para o conhecimento da energia de impacto dos materiais, tendo como um dos seus
instrumentos para aferição a máquina de ensaio de impacto, na qual é capaz de analisar os
corpos com diversas composições químicas.
Palavras-chave: Ensaio Charpy, Medida de Resistência.
ABSTRACT
The test methods involving impact test specimens used to determine the resistance and
sensitivity of the material when subjected to a certain impact load.
There are many methods and types of tests involving specimens, but aiming to focus
on the bibliographic item in the proposed project, became interesting to elaborate it by testing
Charpy pendulum impact NBR 281-1 (11/2003), a dynamic test used to the knowledge of the
impact energy of the material, having as one of its instruments to measure the impact testing
machine, which is able to analyze the bodies with different chemical compositions.
Keywords: Charpy Test, Measure Resistance.
1. INTRODUÇÃO
O objetivo principal do teste Charpy é medir a quantidade de energia absorvida pelo
material durante a fratura, sendo assim essenciais para garantir a segurança, confiabilidade e
qualidade dos mais diversos materiais. Entre suas principais vantagens estão: a simplicidade,
o baixo custo e o tamanho reduzido do corpo de prova.
O ensaio é realizado por um pêndulo de impacto. O corpo de prova é fixado em um
suporte, na base da máquina. O martelo do pêndulo é liberado de uma altura pré-definida,
causando a ruptura do corpo em teste. A altura de elevação do martelo após o impacto, em
comparação com a anterior, dá a medida da energia absorvida pelo corpo de prova.
2. ENSAIO DE IMPACTO
Os ensaios mecânicos e tecnológicos são utilizados para a determinação das
propriedades dos materiais. Eles visam não apenas medir suas propriedades, mas também
3
obter dados comparativos entre eles, estabelecer a influência das condições de fabricação
nestes materiais e determinar a adequação de fabricação nestes materiais e determinar a
adequação do material para o emprego desejado (CHIAVERINI, 1986).
Para que o resultado de um ensaio possa refletir, com a máxima fidelidade, o
comportamento e propriedades de um material, é preciso que sejam observadas normas,
especificação e padronizações tomadas como referências em sua execução.
Figura 1 – Máquina de ensaio Charpy. (Callister, 2002).
2.1 Ensaio de impacto em corpo de prova entelhado
O ensaio de impacto é um dos primeiros e até hoje um dos ensaios mais empregados
para o estudo de fratura frágil nos metais. Esse ensaio, às vezes, denominado ensaio de
choque é um ensaio dinâmico usado principalmente para materiais utilizados em baixa
temperatura, como teste de aceitação do material.
A tendência de um metal de se comportar de uma maneira frágil é então medida pelo
ensaio de impacto. O corpo de prova é padronizado e provido de um entalhe para localizar a
sua ruptura produzir um estado triaxial de tensões, quando ele é submetido e uma flexão por
impacto, produzida por um martelo pendular (Souza, 1982).
Tais ensaios visam principalmente correlacionar seus resultados com as fraturas
ocorridas na prática. Com isso, sua utilidade de uma maneira dinâmica, serve para evitar que
as rupturas ocorram de carácter frágil do material em serviço.
4
2.2 Técnicas de ensaio de impacto
Dois ensaios são padronizados, as técnicas de Charpy e Izod, foram concebidos e são
ainda utilizadas para medir energia de impacto, algumas vezes também chamada de
tenacidade ao entalhe. A técnica de Charpy do entalhe em “V” é a mais comumente usada.
Este ensaio relativamente simples consiste na colisão de um martelo pendular com um
corpo de prova de seção transversal quadrada, entalhado no centro e bi-apoiado
horizontalmente na maquina de ensaio (CALLISTER, 2002).
Os corpos de prova entalhados para ensaio Charpy são subdivididos em três tipos
conforme forma de entalhe: tipo A, tipo B e tipo C. Todos possuem comprimento igual a 55
milímetros e seção quadrada de 10mm.
Figura 2 – Tipos de entalhe
Para iniciar o ensaio, o martelo pendular é elevado a uma determinada altura, onde
adquire uma energia potencial gravitacional inicial. Quando o pêndulo é liberado, a aresta
montada sobre o mesmo colide e fratura o corpo de prova exatamente no entalhe, que tem a
finalidade de atuar como um ponto concentrador de tensões, e após isso continua sua trajetória
até a certa altura, menor que a primeira, onde possui uma nova energia potencial gravitacional
(CALLISTER, 2002).
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS
O ensaio de impacto da técnica Charpy é largamente utilizado nos dias atuais, dessa
forma entender a dinâmica de utilização do ensaio, aliado ao mecanismo de operação da
máquina nos remete um conhecimento maior sobre a fluência dos materiais. Permitindo
determinar a energia total absorvida para causa a fratura completa de um corpo de prova
entalhado, de dimensões padronizadas. Porém apresentando um valor desse parâmetro de uso
limitado.
5
REFERÊNCIAS
CALLISTER, W. D. J. Ciência e engenharia de materiais: Uma Introdução. 5ª Edição.
Rio de Janeiro: LTC-Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., 2002.
CHIAVERINI, V.; Tecnologia Mecânica. Pearson, Vol. 1 2ª. Edição, São Paulo, 1986.
SOUZA, Sérgio A. de. Ensaios mecânicos de materiais metálicos: Fundamentos
teóricos e práticos. 5.ed. São Paulo: Ed. Edgard Blucher, 1982.
Anúncio

Recomendados

Aula 04 ensaio de tração - procedimentos normalizados
Aula 04   ensaio de tração - procedimentos normalizadosAula 04   ensaio de tração - procedimentos normalizados
Aula 04 ensaio de tração - procedimentos normalizadosRenaldo Adriano
 
Aula 08 dobramento e flexão
Aula 08   dobramento e flexãoAula 08   dobramento e flexão
Aula 08 dobramento e flexãoRenaldo Adriano
 
Aula 7 ensaios mecânicos e end - ensaio de impacto
Aula 7   ensaios mecânicos e end - ensaio de impactoAula 7   ensaios mecânicos e end - ensaio de impacto
Aula 7 ensaios mecânicos e end - ensaio de impactoAlex Leal
 
Aula 14 ensaio de fluência
Aula 14   ensaio de fluênciaAula 14   ensaio de fluência
Aula 14 ensaio de fluênciaRenaldo Adriano
 
Aula 02 ensaio de tração - cálculo da tensão
Aula 02   ensaio de tração - cálculo da tensãoAula 02   ensaio de tração - cálculo da tensão
Aula 02 ensaio de tração - cálculo da tensãoRenaldo Adriano
 
Ensaio de fluência
Ensaio de fluênciaEnsaio de fluência
Ensaio de fluênciaLeogluiz
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 06 ensaio de compressão
Aula 06   ensaio de compressãoAula 06   ensaio de compressão
Aula 06 ensaio de compressãoRenaldo Adriano
 
Propriedades basicas
Propriedades basicasPropriedades basicas
Propriedades basicasPublicaTUDO
 
Aula 03 ensaio de tração - propriedades mecânicas avaliada
Aula 03   ensaio de tração - propriedades mecânicas avaliadaAula 03   ensaio de tração - propriedades mecânicas avaliada
Aula 03 ensaio de tração - propriedades mecânicas avaliadaRenaldo Adriano
 
Aula 2 ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
Aula 2   ensaios mecânicos e end - ensaio de traçãoAula 2   ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
Aula 2 ensaios mecânicos e end - ensaio de traçãoAlex Leal
 
Trabalho completo teste de traçao em laboratorio
Trabalho completo teste de traçao em laboratorioTrabalho completo teste de traçao em laboratorio
Trabalho completo teste de traçao em laboratorioMarcelo Silva Vitor Amaral
 
Aula 3 propriedades mecânicas dos materiais
Aula 3   propriedades mecânicas dos materiaisAula 3   propriedades mecânicas dos materiais
Aula 3 propriedades mecânicas dos materiaisLidiane Augusto
 
Propriedades mecânicas dos materiais
Propriedades mecânicas dos materiaisPropriedades mecânicas dos materiais
Propriedades mecânicas dos materiaisJulyanne Rodrigues
 
Aula 16 ensaio de impacto
Aula 16   ensaio de impactoAula 16   ensaio de impacto
Aula 16 ensaio de impactoRenaldo Adriano
 
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressãoAula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressãoAlex Leal
 
Aula 15 ensaio de fadiga
Aula 15   ensaio de fadigaAula 15   ensaio de fadiga
Aula 15 ensaio de fadigaRenaldo Adriano
 
6 propriedades mecanicas (1)
6  propriedades mecanicas (1)6  propriedades mecanicas (1)
6 propriedades mecanicas (1)Carla Faria
 
Aula 6 propriedades mecânicas , emgenharia
Aula 6 propriedades mecânicas  , emgenhariaAula 6 propriedades mecânicas  , emgenharia
Aula 6 propriedades mecânicas , emgenhariaFelipe Rosa
 
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2Hamilton Gonçalves de Araújo
 
Máquina de Ensaios Emic
Máquina de Ensaios EmicMáquina de Ensaios Emic
Máquina de Ensaios Emickaposi
 

Mais procurados (20)

Aula 06 ensaio de compressão
Aula 06   ensaio de compressãoAula 06   ensaio de compressão
Aula 06 ensaio de compressão
 
Propriedades basicas
Propriedades basicasPropriedades basicas
Propriedades basicas
 
Aula 03 ensaio de tração - propriedades mecânicas avaliada
Aula 03   ensaio de tração - propriedades mecânicas avaliadaAula 03   ensaio de tração - propriedades mecânicas avaliada
Aula 03 ensaio de tração - propriedades mecânicas avaliada
 
Fadiga Dos Materiais
Fadiga Dos MateriaisFadiga Dos Materiais
Fadiga Dos Materiais
 
Aula 2 ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
Aula 2   ensaios mecânicos e end - ensaio de traçãoAula 2   ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
Aula 2 ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
 
Aula+09 mm ensaios+mecânicos
Aula+09 mm ensaios+mecânicosAula+09 mm ensaios+mecânicos
Aula+09 mm ensaios+mecânicos
 
Trabalho completo teste de traçao em laboratorio
Trabalho completo teste de traçao em laboratorioTrabalho completo teste de traçao em laboratorio
Trabalho completo teste de traçao em laboratorio
 
Aula 3 propriedades mecânicas dos materiais
Aula 3   propriedades mecânicas dos materiaisAula 3   propriedades mecânicas dos materiais
Aula 3 propriedades mecânicas dos materiais
 
Propriedades mecânicas dos materiais
Propriedades mecânicas dos materiaisPropriedades mecânicas dos materiais
Propriedades mecânicas dos materiais
 
Aula 16 ensaio de impacto
Aula 16   ensaio de impactoAula 16   ensaio de impacto
Aula 16 ensaio de impacto
 
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressãoAula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
 
Aula 15 ensaio de fadiga
Aula 15   ensaio de fadigaAula 15   ensaio de fadiga
Aula 15 ensaio de fadiga
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
6 propriedades mecanicas (1)
6  propriedades mecanicas (1)6  propriedades mecanicas (1)
6 propriedades mecanicas (1)
 
Aula 6 propriedades mecânicas , emgenharia
Aula 6 propriedades mecânicas  , emgenhariaAula 6 propriedades mecânicas  , emgenharia
Aula 6 propriedades mecânicas , emgenharia
 
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2
 
Resistência a compressão
Resistência a compressãoResistência a compressão
Resistência a compressão
 
Máquina de Ensaios Emic
Máquina de Ensaios EmicMáquina de Ensaios Emic
Máquina de Ensaios Emic
 
Unidade 3
Unidade 3Unidade 3
Unidade 3
 
Ensaio de materiais
Ensaio de materiaisEnsaio de materiais
Ensaio de materiais
 

Semelhante a Artigo ensaios de impacto envolvendo corpos de prova à base de aglomerante

Analise de ensaios_de_tracao_em
Analise de ensaios_de_tracao_emAnalise de ensaios_de_tracao_em
Analise de ensaios_de_tracao_emCaio Tostes
 
Apostila 4 para publicar
Apostila 4 para publicarApostila 4 para publicar
Apostila 4 para publicarwendelrocha
 
Relatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo aco
Relatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo acoRelatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo aco
Relatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo acoUniversidade Eduardo Mondlane
 
Hidráulica industrial
Hidráulica industrialHidráulica industrial
Hidráulica industrialIsaque Nascto
 
Aula 01 ensaiar é preciso
Aula 01   ensaiar é precisoAula 01   ensaiar é preciso
Aula 01 ensaiar é precisoRenaldo Adriano
 
Aula_7___Propriedades_Mecanicas.ppt
Aula_7___Propriedades_Mecanicas.pptAula_7___Propriedades_Mecanicas.ppt
Aula_7___Propriedades_Mecanicas.pptOswaldo Gonzales
 
DESENVOLVIMENTO DE UMA GARRA DE ENSAIO DE COMPRESSÃO APÓS IMPACTO PARA ENSAIO...
DESENVOLVIMENTO DE UMA GARRA DE ENSAIO DE COMPRESSÃO APÓS IMPACTO PARA ENSAIO...DESENVOLVIMENTO DE UMA GARRA DE ENSAIO DE COMPRESSÃO APÓS IMPACTO PARA ENSAIO...
DESENVOLVIMENTO DE UMA GARRA DE ENSAIO DE COMPRESSÃO APÓS IMPACTO PARA ENSAIO...Agnys Jony
 
Resistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios ResolvidosResistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios ResolvidosMoreira1972
 
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2 (1)
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2 (1)Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2 (1)
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2 (1)Francisco Costa
 

Semelhante a Artigo ensaios de impacto envolvendo corpos de prova à base de aglomerante (20)

Analise de ensaios_de_tracao_em
Analise de ensaios_de_tracao_emAnalise de ensaios_de_tracao_em
Analise de ensaios_de_tracao_em
 
Artigo dureza
Artigo durezaArtigo dureza
Artigo dureza
 
Apostila 4 para publicar
Apostila 4 para publicarApostila 4 para publicar
Apostila 4 para publicar
 
Ensa01
Ensa01Ensa01
Ensa01
 
Relatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo aco
Relatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo acoRelatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo aco
Relatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo aco
 
Ensaio po ultra som
Ensaio po ultra somEnsaio po ultra som
Ensaio po ultra som
 
Hidráulica industrial
Hidráulica industrialHidráulica industrial
Hidráulica industrial
 
U l t r a s o m
U l t r a   s o mU l t r a   s o m
U l t r a s o m
 
Ensaio de materiais
Ensaio de materiaisEnsaio de materiais
Ensaio de materiais
 
Capítulo-3.pdf
Capítulo-3.pdfCapítulo-3.pdf
Capítulo-3.pdf
 
Apostila ultrassom abendi
Apostila ultrassom abendiApostila ultrassom abendi
Apostila ultrassom abendi
 
Apostila us
Apostila usApostila us
Apostila us
 
Aula 01 ensaiar é preciso
Aula 01   ensaiar é precisoAula 01   ensaiar é preciso
Aula 01 ensaiar é preciso
 
Aula_7___Propriedades_Mecanicas.ppt
Aula_7___Propriedades_Mecanicas.pptAula_7___Propriedades_Mecanicas.ppt
Aula_7___Propriedades_Mecanicas.ppt
 
MEDIÇÃO DE DUREZA DE MATERIAIS FERROSOS
MEDIÇÃO DE DUREZA DE MATERIAIS FERROSOSMEDIÇÃO DE DUREZA DE MATERIAIS FERROSOS
MEDIÇÃO DE DUREZA DE MATERIAIS FERROSOS
 
Ensaio de impacto
Ensaio de impactoEnsaio de impacto
Ensaio de impacto
 
DESENVOLVIMENTO DE UMA GARRA DE ENSAIO DE COMPRESSÃO APÓS IMPACTO PARA ENSAIO...
DESENVOLVIMENTO DE UMA GARRA DE ENSAIO DE COMPRESSÃO APÓS IMPACTO PARA ENSAIO...DESENVOLVIMENTO DE UMA GARRA DE ENSAIO DE COMPRESSÃO APÓS IMPACTO PARA ENSAIO...
DESENVOLVIMENTO DE UMA GARRA DE ENSAIO DE COMPRESSÃO APÓS IMPACTO PARA ENSAIO...
 
Resistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios ResolvidosResistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
 
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2 (1)
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2 (1)Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2 (1)
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2 (1)
 
Ensa02
Ensa02Ensa02
Ensa02
 

Mais de Lowrrayny Franchesca

Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco BrunettiLivro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco BrunettiLowrrayny Franchesca
 
Young e freedman ( resolução todos os volumes)
Young e freedman ( resolução todos os volumes)Young e freedman ( resolução todos os volumes)
Young e freedman ( resolução todos os volumes)Lowrrayny Franchesca
 
Tipler para cientistas e engenheiros resolução 6 edição
Tipler para cientistas e engenheiros resolução 6 ediçãoTipler para cientistas e engenheiros resolução 6 edição
Tipler para cientistas e engenheiros resolução 6 ediçãoLowrrayny Franchesca
 
Fisica 3 young e freedman 12ª edição (resolução)
Fisica 3   young e freedman 12ª edição (resolução)Fisica 3   young e freedman 12ª edição (resolução)
Fisica 3 young e freedman 12ª edição (resolução)Lowrrayny Franchesca
 
Projeto Unificado lV História pykrete
Projeto Unificado lV História pykreteProjeto Unificado lV História pykrete
Projeto Unificado lV História pykreteLowrrayny Franchesca
 
Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Relatório Densidade de amostras desconhecidas Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Relatório Densidade de amostras desconhecidas Lowrrayny Franchesca
 
Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Relatório Densidade de amostras desconhecidas Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Relatório Densidade de amostras desconhecidas Lowrrayny Franchesca
 
Projeto unificado ll , 3ª etapa ajustes -
Projeto unificado ll , 3ª etapa   ajustes -Projeto unificado ll , 3ª etapa   ajustes -
Projeto unificado ll , 3ª etapa ajustes -Lowrrayny Franchesca
 
Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )
Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )
Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )Lowrrayny Franchesca
 
Trabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicasTrabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicasLowrrayny Franchesca
 
Gasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anos
Gasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anosGasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anos
Gasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anosLowrrayny Franchesca
 
Trabalho emas ciclos biogeoquímicos
Trabalho emas   ciclos biogeoquímicosTrabalho emas   ciclos biogeoquímicos
Trabalho emas ciclos biogeoquímicosLowrrayny Franchesca
 
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenhariaUm engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenhariaLowrrayny Franchesca
 
Administração pública e privada
Administração pública e privadaAdministração pública e privada
Administração pública e privadaLowrrayny Franchesca
 
Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )Lowrrayny Franchesca
 
Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )Lowrrayny Franchesca
 
Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )Lowrrayny Franchesca
 
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )Lowrrayny Franchesca
 

Mais de Lowrrayny Franchesca (20)

Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco BrunettiLivro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
 
Young e freedman ( resolução todos os volumes)
Young e freedman ( resolução todos os volumes)Young e freedman ( resolução todos os volumes)
Young e freedman ( resolução todos os volumes)
 
Tipler para cientistas e engenheiros resolução 6 edição
Tipler para cientistas e engenheiros resolução 6 ediçãoTipler para cientistas e engenheiros resolução 6 edição
Tipler para cientistas e engenheiros resolução 6 edição
 
Fisica 3 young e freedman 12ª edição (resolução)
Fisica 3   young e freedman 12ª edição (resolução)Fisica 3   young e freedman 12ª edição (resolução)
Fisica 3 young e freedman 12ª edição (resolução)
 
Projeto Unificado lV História pykrete
Projeto Unificado lV História pykreteProjeto Unificado lV História pykrete
Projeto Unificado lV História pykrete
 
Apresentação Treliça
Apresentação Treliça Apresentação Treliça
Apresentação Treliça
 
Laudo Técnico ( Gasolina )
Laudo Técnico ( Gasolina ) Laudo Técnico ( Gasolina )
Laudo Técnico ( Gasolina )
 
Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Relatório Densidade de amostras desconhecidas Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Relatório Densidade de amostras desconhecidas
 
Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Relatório Densidade de amostras desconhecidas Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Relatório Densidade de amostras desconhecidas
 
Projeto unificado ll , 3ª etapa ajustes -
Projeto unificado ll , 3ª etapa   ajustes -Projeto unificado ll , 3ª etapa   ajustes -
Projeto unificado ll , 3ª etapa ajustes -
 
Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )
Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )
Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )
 
Trabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicasTrabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicas
 
Gasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anos
Gasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anosGasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anos
Gasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anos
 
Trabalho emas ciclos biogeoquímicos
Trabalho emas   ciclos biogeoquímicosTrabalho emas   ciclos biogeoquímicos
Trabalho emas ciclos biogeoquímicos
 
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenhariaUm engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
 
Administração pública e privada
Administração pública e privadaAdministração pública e privada
Administração pública e privada
 
Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )
 
Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )
 
Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )
 
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
 

Último

Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...manoelaarmani
 
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfQ20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfPedroGual4
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfAndreiaSilva852193
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfkeiciany
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfalexandrerodriguespk
 
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e AppsApresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e AppsAlexandre Oliveira
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxssuser86fd77
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIAHisrelBlog
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...pj989014
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 

Último (20)

Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
 
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfQ20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
 
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e AppsApresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
Apresentação Aula Usabilidade Web Jogos e Apps
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 

Artigo ensaios de impacto envolvendo corpos de prova à base de aglomerante

  • 1. 1 Discentes do curso de Engenharia Civil. Centro Universitário de Várzea Grande, Turma de 2013 ENC131AN. E- mail: insightecivil@outlook.com.br ENSAIOS DE IMPACTO ENVOLVENDO CORPOS DE PROVA À BASE DE AGLOMERANTE/LIGANTE SANTOS, Abrahão L. A. dos Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande SCARDELAI, Bruno L. V. Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande RODRIGUES, Eloa P. Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande GONÇALVES, Lowrrayny F. de P. Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande CAVALCANTI, Marcio W. Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande BONFIM, Pamelariele S. Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande FILHO, Paulo A. P. Z. Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande MARTINELLO, Vitor A. A. Graduando em Engenharia Civil – UNIVAG / Várzea Grande RESUMO Os métodos de ensaios de impacto envolvendo corpos de prova servem para determinar a resistência e sensibilidade dos materiais quando submetido a uma certa carga de impacto. ___________________________
  • 2. 2 Existem diversos métodos e tipos de ensaios envolvendo corpos de prova, porém visando focar o artigo bibliográfico no projeto proposto, se fez interessante elaborá-lo através do ensaio de impacto por pêndulo Charpy NBR 281-1 (11/2003), um ensaio dinâmico utilizado para o conhecimento da energia de impacto dos materiais, tendo como um dos seus instrumentos para aferição a máquina de ensaio de impacto, na qual é capaz de analisar os corpos com diversas composições químicas. Palavras-chave: Ensaio Charpy, Medida de Resistência. ABSTRACT The test methods involving impact test specimens used to determine the resistance and sensitivity of the material when subjected to a certain impact load. There are many methods and types of tests involving specimens, but aiming to focus on the bibliographic item in the proposed project, became interesting to elaborate it by testing Charpy pendulum impact NBR 281-1 (11/2003), a dynamic test used to the knowledge of the impact energy of the material, having as one of its instruments to measure the impact testing machine, which is able to analyze the bodies with different chemical compositions. Keywords: Charpy Test, Measure Resistance. 1. INTRODUÇÃO O objetivo principal do teste Charpy é medir a quantidade de energia absorvida pelo material durante a fratura, sendo assim essenciais para garantir a segurança, confiabilidade e qualidade dos mais diversos materiais. Entre suas principais vantagens estão: a simplicidade, o baixo custo e o tamanho reduzido do corpo de prova. O ensaio é realizado por um pêndulo de impacto. O corpo de prova é fixado em um suporte, na base da máquina. O martelo do pêndulo é liberado de uma altura pré-definida, causando a ruptura do corpo em teste. A altura de elevação do martelo após o impacto, em comparação com a anterior, dá a medida da energia absorvida pelo corpo de prova. 2. ENSAIO DE IMPACTO Os ensaios mecânicos e tecnológicos são utilizados para a determinação das propriedades dos materiais. Eles visam não apenas medir suas propriedades, mas também
  • 3. 3 obter dados comparativos entre eles, estabelecer a influência das condições de fabricação nestes materiais e determinar a adequação de fabricação nestes materiais e determinar a adequação do material para o emprego desejado (CHIAVERINI, 1986). Para que o resultado de um ensaio possa refletir, com a máxima fidelidade, o comportamento e propriedades de um material, é preciso que sejam observadas normas, especificação e padronizações tomadas como referências em sua execução. Figura 1 – Máquina de ensaio Charpy. (Callister, 2002). 2.1 Ensaio de impacto em corpo de prova entelhado O ensaio de impacto é um dos primeiros e até hoje um dos ensaios mais empregados para o estudo de fratura frágil nos metais. Esse ensaio, às vezes, denominado ensaio de choque é um ensaio dinâmico usado principalmente para materiais utilizados em baixa temperatura, como teste de aceitação do material. A tendência de um metal de se comportar de uma maneira frágil é então medida pelo ensaio de impacto. O corpo de prova é padronizado e provido de um entalhe para localizar a sua ruptura produzir um estado triaxial de tensões, quando ele é submetido e uma flexão por impacto, produzida por um martelo pendular (Souza, 1982). Tais ensaios visam principalmente correlacionar seus resultados com as fraturas ocorridas na prática. Com isso, sua utilidade de uma maneira dinâmica, serve para evitar que as rupturas ocorram de carácter frágil do material em serviço.
  • 4. 4 2.2 Técnicas de ensaio de impacto Dois ensaios são padronizados, as técnicas de Charpy e Izod, foram concebidos e são ainda utilizadas para medir energia de impacto, algumas vezes também chamada de tenacidade ao entalhe. A técnica de Charpy do entalhe em “V” é a mais comumente usada. Este ensaio relativamente simples consiste na colisão de um martelo pendular com um corpo de prova de seção transversal quadrada, entalhado no centro e bi-apoiado horizontalmente na maquina de ensaio (CALLISTER, 2002). Os corpos de prova entalhados para ensaio Charpy são subdivididos em três tipos conforme forma de entalhe: tipo A, tipo B e tipo C. Todos possuem comprimento igual a 55 milímetros e seção quadrada de 10mm. Figura 2 – Tipos de entalhe Para iniciar o ensaio, o martelo pendular é elevado a uma determinada altura, onde adquire uma energia potencial gravitacional inicial. Quando o pêndulo é liberado, a aresta montada sobre o mesmo colide e fratura o corpo de prova exatamente no entalhe, que tem a finalidade de atuar como um ponto concentrador de tensões, e após isso continua sua trajetória até a certa altura, menor que a primeira, onde possui uma nova energia potencial gravitacional (CALLISTER, 2002). 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS O ensaio de impacto da técnica Charpy é largamente utilizado nos dias atuais, dessa forma entender a dinâmica de utilização do ensaio, aliado ao mecanismo de operação da máquina nos remete um conhecimento maior sobre a fluência dos materiais. Permitindo determinar a energia total absorvida para causa a fratura completa de um corpo de prova entalhado, de dimensões padronizadas. Porém apresentando um valor desse parâmetro de uso limitado.
  • 5. 5 REFERÊNCIAS CALLISTER, W. D. J. Ciência e engenharia de materiais: Uma Introdução. 5ª Edição. Rio de Janeiro: LTC-Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., 2002. CHIAVERINI, V.; Tecnologia Mecânica. Pearson, Vol. 1 2ª. Edição, São Paulo, 1986. SOUZA, Sérgio A. de. Ensaios mecânicos de materiais metálicos: Fundamentos teóricos e práticos. 5.ed. São Paulo: Ed. Edgard Blucher, 1982.