Upload lx 2011

556 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

Upload lx 2011

  1. 1. UPLOAD LISBOA <ul><li>15 OUTUBRO 2011 </li></ul>PLANEAMENTO ESTRATÉGICO LOWE ATIVISM Fotografia de Nelson Pimenta
  2. 2. <ul><li>ARMANDO ALVES </li></ul><ul><li>Fullsix PT </li></ul><ul><li>A ARTE DO VIRAL </li></ul><ul><li>http://www.slideshare.net/armandoalves/arte-do-viral </li></ul>
  3. 3. <ul><li>O viral tem ciência. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Vivemos na era da economia da atenção </li></ul><ul><li>48 horas de videos são carregadas a cada minuto no Youtube. </li></ul><ul><li>É necessário perceber como se transforma conteúdos em conteúdos contaginates (virais). </li></ul>
  5. 7. 6 categorias de conteúdos “influentes” Gatinhos Helio Imaginário Numa Numa
  6. 8. Que tácticas podemos utilizar para criar um video viral?
  7. 9. <ul><li>1. Todo o video precisa de sorte. </li></ul><ul><li>Mas a sorte dá muito trabalho: </li></ul><ul><li>Ter atenção que os acessos não vão deitar o servidor abaixo </li></ul><ul><li>É necessário catalogar o viral com palavras chaves que não o façam cair no spam. </li></ul><ul><li>É preciso encontrar a oportunidade no momento certo. </li></ul>
  8. 10. 2. CRIAR ATALHOS. Temos de conseguir fazer chegar a nossa mensagem às pessoas certas. Cabe às marcas criar esses atalhos que potenciam a partilha. Maior será a velocidade de propagação e acessibilidade.
  9. 11. <ul><li>3. ORÇAMENTO </li></ul><ul><li>Não podemos estar à espera que algo se torne viral de forma espontânea, todas as grandes campanhas têm um grande orçamento de media por trás. </li></ul>
  10. 13. http://www.youtube.com/watch?v=_OBlgSz8sSM E depois há os virais que não se conseguem planear...
  11. 14. <ul><li>SALVADOR GOUVEIA </li></ul><ul><li>Netsonda </li></ul><ul><li>MEDIÇÃO DA PRESENÇA ONLINE </li></ul>
  12. 16. <ul><li>“ É necessário que as marcas tenham que monitorizar os conteúdos para conhecerem a imagem que têm no mercado e junto dos consumidores” </li></ul>
  13. 18. <ul><li>“ Nenhuma análise tem interesse sem um olhar crítico sobre os dados” </li></ul>
  14. 19. O PROCESSO DE ANÁLISE:
  15. 20. <ul><li>&quot;Não tem preço as marcas poderem aprender com os seus clientes como melhorar os seus produtos&quot; </li></ul>
  16. 21. <ul><li>INÊS MATEUS </li></ul><ul><li>Samsung </li></ul><ul><li>NARRATIVAS DE UM PERFIL DE MARCA NO FACEBOOK </li></ul>
  17. 22. <ul><li>Existem 4375 páginas de marcas portuguesas. </li></ul><ul><li>Todas elas estão à procura de declarações de amor (likes) </li></ul>
  18. 23. <ul><li>Como ter uma fatia maior dos likes? </li></ul><ul><li>Sorte – Magia – Talento? </li></ul>
  19. 24. <ul><li>É preciso monitorizar e analizar para ter uma estratégia nas redes socais mais assertiva. </li></ul><ul><li>A Samsung: </li></ul><ul><li>100.000 likes </li></ul><ul><li>400 posts dd o dia 1. </li></ul><ul><li>Que padrão tem estes posts? </li></ul>
  20. 25. <ul><li>A interação é o indicador que mede o sucesso. </li></ul>
  21. 26. <ul><li>Nos conteúdos da página vamos analizar a taxa de interação: </li></ul><ul><li>Noticias da marca / Noticias do produto </li></ul><ul><li>Fan Kudos (objectivo: mimar) </li></ul><ul><li>Specials (objectivo: divertir) </li></ul><ul><li>Partilhas gerais </li></ul><ul><li>Promoções no FB (objectivo: premiar) </li></ul><ul><li>Social (objectivo: ouvir os fãs) </li></ul>
  22. 31. TAXA DE INTERAÇÃO MAIS ALTA.
  23. 32. Existe um padrão na forma como vestimos os posts?
  24. 33. ANALIZANDO A INTERACTIVIDADE PELO NR DE CARACTERES...
  25. 34. <ul><li>A SIMPLICIDADE É RAINHA NO FACEBOOK </li></ul>
  26. 35. A INTERAÇÃO NOS POSTS LIGADOS AO DIA DA SEMANA: A Samsung chegou à conclusão que no inicio da semana deveria fazer uma abordagem mais introvertida (info sobre produtos e marca) e no final da semana uma abordagem mais social.
  27. 36. A INTERAÇÃO NOS POSTS LIGADOS À HORA DO DIA?
  28. 37. Das 12 às 18, probabilidade da marca ser menos ouvida. Devem as marcas comunicar?
  29. 38. FACEBOOK: O NOVO CANAL DE APOIO AO CLIENTE
  30. 41. RESUMO
  31. 42. <ul><li>JOÃO VITÓRIA </li></ul><ul><li>FULLSIX </li></ul><ul><li>ON=OFF - O ONLINE NO PONTO DE VENDA  </li></ul>
  32. 43. <ul><li>Temos que dar conectividade às pessoas nas lojas </li></ul><ul><li>É PRECISO CRIAR RELAÇÕES NO POS </li></ul>
  33. 60. SE NOS QUISEREM VENDER UMA CASA ATRAVÉS DE UMA DESCRIÇÃO VISUAL, AUDITIVA OU QUINESTÉSICA, QUAL VAMOS PREFERIR?
  34. 61. A CRIATIVIDADE DEVE APELAR ÀS EMOÇÕES, TEMPERATURA, SENTIMENTOS. ESTE É O CENÁRIO IDEAL PARA CRIAR UMA ACÇÃO INTERACTIVA NA LOJA.
  35. 62. <ul><li>O factor distintivo da tecnologia é perceber a interacção humana </li></ul><ul><li>http://www.youtube.com/watch?v=CsKMDoWQ2MA </li></ul><ul><li>(Galerias la fayette) </li></ul><ul><li>http://www.youtube.com/user/fullsix#p/u/5/nr4j10nsAbU </li></ul><ul><li>(Diesel) </li></ul>
  36. 63. <ul><li>EURICO NOBRE </li></ul><ul><li>Ogilvy One </li></ul><ul><li>WE SELL, OR ELSE </li></ul>
  37. 66. <ul><li>O claro entendimento do que é a Era Digital tem pouco que ver com a tecnologia  </li></ul><ul><li>A tecnologia serve para trabalhar os dados, torná-los informação e retirar conclusões sobre o que fazer. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  38. 67. <ul><li>Nesta era digital falamos de uma realidade em que temos de compreender como os nossos consumidores tomam decisões .   </li></ul>
  39. 68. Sou tentado a partilhar mais e mais informação com a marca se retirar disso algo de valor e útil ao longo do tempo
  40. 69. <ul><li>Precisamos de trocar os 4 Ps do marketing pelos 4 Es: </li></ul><ul><li>experience, </li></ul><ul><li>everywhere, </li></ul><ul><li>exchange, </li></ul><ul><li>evangelism </li></ul>
  41. 71. COMO É QUE PODEMOS OBTER BONS RESULTADOS? Brand awareness _ Levis Butt-cam http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=mhjTJ5rKfKA Customer Experience_ Pilot Handwrittíng http://www.youtube.com/watch?v=pHl8UEewbN8 Community building Petnet http://www.petnet.pt/index.php/page,Tos Lead Generation Europcar FR http://www.youtube.com/watch?v=aKeRt2YQ31Q
  42. 73. <ul><li>As empresas têm de ser coerentes a 3 níveis: </li></ul><ul><li>aquilo que dizem, </li></ul><ul><li>aquilo que fazem </li></ul><ul><li>e como são percebidas  </li></ul>
  43. 74. <ul><li>EDSON ATHAIDE </li></ul><ul><li>COMUNICAR NO REINO DA DESATENÇÃO </li></ul>
  44. 77. <ul><li>“ As pessoas são loucas, raras, diferentes e esquisitas. Por isso são pessoas e não máquinas&quot;  </li></ul><ul><li>(sobre a importância de conhecer as pessoas antes da tecnologia) </li></ul>
  45. 78. <ul><li>Nem tudo o que é antigo é velho. </li></ul><ul><li>Nem tudo o que é novo é genial. </li></ul><ul><li>(sobre a reutilização/remix de conteúdos antigos) </li></ul>
  46. 80. <ul><li>O importante é partilhar a nossa história, para os outros poderem comparar as suas histórias com ela.  </li></ul>
  47. 81. <ul><li>A história pode ser aumentada e alterada ao longo do tempo, tem é de ser coerente ao longo do tempo. </li></ul>
  48. 82. <ul><li>Quem está excluído das redes sociais, é o quê? </li></ul>http://www.youtube.com/watch?v=2fplGLCZI0s
  49. 83. <ul><li>O Facebook é como as mulheres: </li></ul><ul><li>quando pensam que já o entenderam, muda tudo! </li></ul>
  50. 84. <ul><li>DAMON CREPIN-BURR </li></ul><ul><li>FULLSIX NY </li></ul><ul><li>BRA(I)NDING </li></ul>
  51. 90. Porque é que os meios digitais são tão viciantes? Mais diversão e menos dor / complexidade
  52. 92. O digital está entre as redes socais e a realidade aumentada. Mas vai evoluir para o estado em que vai passar a fazer parte dos nossos corpos e chegar à inteligência humana.
  53. 93. Human enhancement Artificial intelligence
  54. 94. <ul><li>Digital is not a new media: it's part of who we are. </li></ul>IMPACTO PARA AS MARCAS:
  55. 95. <ul><li>Stop doing digital and start being digital  </li></ul>
  56. 98. E como é que podemos preencher as respostas primárias através de dinâmicas de jogo?

×