Pedagogia de integração texto estudo adaptado

1.085 visualizações

Publicada em

Considerações sobre a Pedagogia de Integração, isto é, da integração dos saberes e do saber-fazer a nível do ensino. Baseia-se na obra de Roegiers e De Ketele(2004).

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Pedagogia de integração texto estudo adaptado

  1. 1. PEDAGOGIA DE INTEGRAÇÃO A pedagogia da integração, também designada por abordagem por competências de base, baseia-se no princípio da integração das aquisições na resolução de tarefas complexas.  Pedagogia orientada nas capacidades do aluno de transferir as suas aprendizagens do contexto escolar para um contexto do quotidiano, integrar os seus conhecimentos (saberes e saberes - fazer) – utilizá-los de forma concreta em situações da vida corrente.  A pedagogia da integração pressupõe a adopção por um ensino centrado no aluno.  Integração – processo que permite mobilizar vários recursos para resolver uma situação complexa da vida quotidiana. Este procedimento permite ver se um aluno é competente. Uma situação de integração é uma situação-problema que reflecte a competência a instalar no aluno. Ela pode ser considerada como uma oportunidade de exercer a competência, ou de avaliar o grau de domínio da competência. Na abordagem pelas competências de base, quando se fala de situações, fala-se de situações de integração, situações de reinvestimento, situações – alvo, ou ainda de situações complexas (todos estes termos são sinónimos) Integração é a resolução de situações- problema novas por cada um dos alunos.  … a colocação em prática de uma abordagem que constrói as aprendizagens etapa por etapa para permitir aos alunos fazer face a qualquer situação da vida corrente.  Só há integração se o aluno possuir os diferentes recursos: saberes, saber- fazer saber- ser. Só há integração se o aluno reinveste (reconduzir) os conhecimentos adquiridos num contexto novo (uma nova situação -problema).  A pedagogia por objetivos consiste em desdobrar as aprendizagens complexas em objectivos distintos a serem atingidos pelos alunos. Ela permite responder à questão : “O que é que o aluno deve saber, ou
  2. 2. deve saber fazer no fim de uma determinada lição ?” A PPO coloca o aluno no centro das preocupações dos programas escolares. Os programas passam a listar os objectivos a serem atingidos pelos alunos. Mas, a PPO tem limitações: os objectivos são numerosos e parcelados, o aluno aprende saberes fragmentados.  A pedagogia da integração permite criar relações entre diversos objectivos. Na resolução de uma situação – problema, se os alunos são competentes, os objectivos são atingidos. Competência é  Aptidão para poder resolver problemas, graças à mobilização conjunta de vários recursos: saberes (conhecimentos específicos, conhecimentos de base), saberes-fazer (aplicações de uns procedimentos, de umas regras, de umas técnicas, capacidades) e saberes-ser (atitudes adaptadas a uma situação determinada). A competência é entendida como “um conjunto integrado de capacidades que permite de maneira espontânea – apreender uma situação e responder a ela mais ou menos pertinentemente” (Gerard e Roegiers, 1993). Le Boterf (1995) define a competência como “ um saber - agir, um saber integrar, mobilizar e transferir um conjunto de recursos (conhecimentos, saberes, aptidões, raciocínios, etc.) em um contexto para encarar os diferentes problemas encontrados ou para realizar uma tarefa”. Perrenoud (2000ª), considera “competência como a faculdade de mobilizar um conjunto de recursos cognitivos para solucionar com pertinência e eficácia uma série de situações”. Características de uma Competência  Mobilização de um conjunto de recursos.  Carácter finalizado. A competência é inseparável da possibilidade de agir; é finalizada: tem uma função social, uma utilidade social do ponto de vista do indivíduo que a possui.  Ligação com uma família de situações. Uma competência só pode ser compreendida em referência às situações em que é exercida.  Carácter frequentemente disciplinar . O carácter das competências é, muitas vezes, disciplinar, pois decorre do facto de a competência ser frequentemente definida por uma categoria de situações,
  3. 3. correspondendo a problemas específicos ligados à disciplina e das exigências desta. Avaliabilidade - Avaliamos uma competência principalmente por meio de um produto, uma produção do aluno, atribuindo-se alguns critérios: rapidez do processo, autonomia do aluno, o produto corresponde ao que era solicitado, etc. PATAMARES DE UMA COMPETÊNCIA Os patamares de uma competência são definidos simultaneamente pelos níveis intermediários de conteúdos, pelas actividades a serem exercidas e pelas situações nas quais essas competências devem ser exercidas. Para que haja patamar, é preciso que se tenha um conjunto que possa ser mobilizado em uma situação significativa, mais simples que uma situação relativa à competência inteira. SITUAÇÃO DE INTEGRAÇÃO Uma situação de integração permite exercer a competência. Permite verificar se os alunos integraram os recursos adquiridos recentemente e se novos objectivos foram atingidos. Ela é realizada depois de um conjunto de lições (aulas). Permite ao professor diagnosticar o que foi ou não adquirido pelos alunos. Situação – problema é uma situação complexa que exige do aluno articulação de vários saberes e saberes – fazer para a resolver. É uma situação próxima dos centros de interesse do aluno. É uma situação em que o aluno não está passivo. É uma situação que pode inicialmente ser tratada em grupos de três ou quatro alunos, mas que em seguida deve ser resolvida individualmente. … a que permite pôr em prática aprendizagens, verificar se o aluno adquiriu novos saberes e se os sabe utilizar em situações diversas. Situação problema – actividade de integração. FAMÍLIA DE SITUAÇÕES Uma competência também é definida em relação a uma família de situações , um conjunto de situações próximas uma da outra. Na prática, trata-se de buscar algumas situações que sejam equivalentes , quer dizer tais que : Estarem ligadas à mesma competência ( o que significa que elas tenham o mesmo nível de complicação);
  4. 4. Gerarem, em grupos representativos da população a que se destinam (os alunos), médias comparáveis; Serem, ambas, igualmente discriminantes, bem -resolvidas, de maneira comparável, pelos alunos fortes, medianos e fracos. Os parâmetros de uma família de situações As características que todas as situações relativas a uma competência devem respeitar servem de parâmetro para uma família de situações. Os parâmetros estão ligados com :  Contexto escolhido ( ambiente imediato do aluno).  Suportes (aquilo que se dá ao aluno, documentos autênticos) : Tipo(texto, figura, foto, esquema, tabela) Estrutura (expressões simples, frases curtas, limitar as informações dependentes)  Perguntas feitas (tarefas): Grau de complexidade, Nível de precisão esperado, Volume da produção. Dados (do conteúdo). OTI e OII  OTI – “Objectivo Terminal de Integração” – o que encerra um ciclo de estudos ( em geral, dois anos). OII - “Objectivo Intermediário de Integração” – o que encerra um ano escolar. SEMANAS (PERÍODOS) DE INTEGRAÇÃO? • Treinamento colectivo • Avaliação individual • Remediação e prova Remediação é superação dos alunos que têm dificuldades nas aprendizagens. Estabelece-se a partir de um diagnóstico que o professor realiza face aos resultados da avaliação. Pode efectuar-se:
  5. 5. • colectivamente (durante 30 minutos); • em pequenos grupos; • Individualmente (durante 45 minutos). • A fim de verificar se os alunos aproveitaram bem da remediação, o professor pode propor aos alunos uma nova situação - problema referente à mesma competência: nem mais fácil, nem mais difícil que a precedente
  6. 6. • colectivamente (durante 30 minutos); • em pequenos grupos; • Individualmente (durante 45 minutos). • A fim de verificar se os alunos aproveitaram bem da remediação, o professor pode propor aos alunos uma nova situação - problema referente à mesma competência: nem mais fácil, nem mais difícil que a precedente

×