SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
O GOVERNANTE
Arquétipos da alma
Lema: ''O poder não é tudo...é só o que importa''
 O arquétipo do Rei e Rainha
é o arquétipo do ser
primordial.
 Os judeus e cristãos referem-
se a esse arquétipo como
imago Dei, a "Imagem de
Deus".
 Freud falou do Rei como o
"pai primordial da horda
primordial". E de muitas
maneiras a energia do Rei e
Rainha é a energia do Pai e da
Mãe
 Historicamente, os reis e
rainhas sempre foram
sagrados. Mas é o reinado, a
energia do Rei/Rainha em
si, que é importante.
 os reis e rainhas no mundo
antigo eram em geral mortos
ritualmente quando a
capacidade de representar o
arquétipo decaía.
 O importante era que o poder
gerador da energia não ficasse
preso ao destino de um mortal
que envelhecia e ficava cada vez
mais impotente.
 Com a ascensão do novo
Rei/Rainha, a energia era
novamente encarnada, e o
arquétipo se renovava nas vidas
das pessoas que faziam parte do
reino.
 Na verdade, o mundo inteiro se
renovava.
Reis e Rainhas bons
estão no Centro do
Mundo. Senta-se no
seu trono na montanha
central, ou na Colina
Original, como
chamavam os antigos
egípcios.
O "Mundo" é definido como a parte da
realidade que é organizada e
ordenada pelo Rei.
O que está fora dos limites
da sua influência é a não-
criação, o caos, o
demoníaco, o não-mundo.
O Centro desse universo era sempre
onde reis e rainhas — deus/deusa —
reinava, e era o local da revelação
divina, do poder criativo e
organizador, divino.
Os ambientes dos Governantes são, portanto, substanciais e
impressionantes: prédios com grandes colunas e muitas
escadas, com materiais utilizados para durar e causar
atemporalidade - como granito ou concreto, belos painéis e
grossos cortinados.
Essa ordem misteriosa, expressa no reinado, nas leis
humanas e em toda a ordem social dos homens , é a
manifestação dos pensamentos ordenadores dos Reis e
Rainhas
 É dever do Rei e da Rainha
receber e levar ao seu povo a
ordem e moldá-la numa
forma social e encarná-la
em sua própria pessoa.
 Se o Rei/Rainha o fizer, diz
a mitologia, tudo no reino
também seguirá de acordo
com a Ordem Justa. O reino
florescerá.
 Se o Rei/Rainha não viver
de acordo com a
Ordem, nada dará certo
para o seu povo, nem para o
reino como um todo.
 O Centro que o rei
representa não se manterá;
e o reino estará pronto para
uma rebelião.
 Uma das funções do Rei e
Rainha em Sua Plenitude é
ordenar;
Assumir características da
ordem, do modelo sensato e
racional, da integração e
integridade.
Estabilizar a emoção
caótica e os
"comportamentos
descontrolados”.
Centralizar, trazer a calma.
Apoiar e equilibrar.
Defender o sentido de ordem
interior e os propósitos.
 A outra função é
proporcionar fertilidade
e bênção.
O rei bom sempre era o
espelho e a confirmação de
quem era merecedor.
O rei bom sentia prazer em
notar e promover os
homens bons a posições de
responsabilidade.
Vê os outros em toda a sua
fraqueza e em todo o seu
talento e valor.
Não é invejoso, porque está
seguro, como o Rei, do seu
próprio valor.
 Indivíduos
Reis/Rainhas são mais
satisfeitos quando
podem demonstrar
liderança, orquestrar
situações complexas ou
usar a sua influência
para fazer as coisas
funcionarem melhor.
 Poder é também a
capacidade de realizar a
ação decisiva.
Quando o arquétipo do Governante está ativo nos
indivíduos, eles gostam de assumir papéis de liderança e
de estar no controle tanto quanto possível.
Responsabilidade é a palavra-chave para a essência do rei, sendo
disposto a manifestar-se em todas as atividades que tenham alguma
forma ou nuance de responsabilidade, poder, domínio ou
influência, ou um modelo de ação.
 O deus grego Atlas
carregando o mundo nos
ombros é imagem fiel da
tendência dos Reis e
Rainhas à responsabilidade.
 Esse arquétipo tende a
detestar as pessoas
desenfreadas que ameaçam
destruir a ordem que eles
desenvolveram com tanto
cuidado.
 Organizar as
atividades, implementar
políticas e procedimentos é
uma tarefa que lhes
proporciona um senso
altamente gratificante de
mestria pessoal e poder
sobre o mundo.
Com toda naturalidade
forma-se uma corte em
volta desse Arquétipo. Em
geral, quando não se
tornam tiranos, são
admirados. Essa é a
recompensa pela
responsabilidade que os
reis estão dispostos a
assumir. A autoridade deles
é reconhecida sem que
tenham de lutar
excepcionalmente por ela.
Uma soberania inteligente está no Governante que sabe sobre
“seu povo”, pois um rei que não sabe nada sobre a vida do “seu
reino” nunca fará um governo que faça justiça às necessidades
dele.
Naturalmente confiantes, competentes e responsáveis, eles gostam
de demonstrar a sua habilidade e motivar os outros a manter
padrões elevados. Eles são geralmente animados e desafiados por
oportunidades para assumir o comando de uma situação.
O Governante sabe que a melhor coisa a fazer para evitar o caos é
assumir o controle, pois é a melhor maneira de manter a si
mesmo, a sua família e amigos seguros.
 As pessoas com o
arquétipo do Governante
se preocupam com
assuntos ligados à
imagem, ao status e ao
prestígio, não por serem
superficiais, mas porque
compreendem que a
aparência aumenta o
poder.
 Elas agem com um senso
natural de autoridade que
torna fácil aos outros
segui-las.
O arquétipo Governante gosta de organizações
hierárquicas, papeis definidos, funções e relações estáveis ​​e
determinadas.
Características Principais
 Desejo Básico: Controle
 Meta: Criar uma família, empresa ou comunidade próspera e bem-
sucedida.
 Estratégia: Exercer a liderança
 Medo: Caos, ser destruído
 Armadilha: Torna-se mandão, autoritário
 Dom: Responsabilidade, liderança
Níveis
 Motivação: falta de recursos, de ordem ou de harmonia
 Nível 1: assumir a responsabilidade para as condições de sua
própria vida
 Nível 2: exercer a liderança em sua família, grupo, organização, ou
local de trabalho
 Nível 3: tornar-se um líder em sua comunidade, campo de
atuação, ou sociedade
 Sombra: comportamentos tirânicos ou manipuladores
Subtipos
 Líder: encarrega-se de pessoas e situações, assume a
responsabilidade pelo bem dos outros
 Powerbroker: Usa o poder e influência para fazer as coisas
 Condutor/orquestrador: Direciona sistemas
complexos, processos, estruturas e o cria ordem
 Modelo: Define padrões para outros seguirem
 Pacificador: Encontra um terreno comum entre indivíduos
diferentes e grupos
Bibliografia
 HASSELMANN, Varda; SCHMOLKE, Frank. Arquétipos da
Alma: Um guia para se reconhecer a matriz dos padrões
anímicos. Editora Pensamento. São Paulo, 2004.
 MARK, Margaret; PEARSON, Carol S. O herói e o fora-da-
lei: Como construir marcas extraordinárias usando o poder
dos arquétipos. Editora Cultrix. São Paulo, 2011.
 GILLETE, David; MOORE, Robert. Rei Guerreiro Mago
Amante. A redescoberta dos arquétipos do masculino A
redescoberta dos arquétipos do masculino. Editora
Campus, 1993.
Apresentação sobre o Arquétipo do Governante (Rei e Rainha) criada por
Lorena Souza, Fábio Espiga, Raiana Márcia, Madana Ribas, Ricardo
Pinto, Laércio Santos, Sol Mascarenhas e Tamara Novais.
Ao utilizar a apresentação, favor inserir os devidos créditos bibliográficos e
de criação.
http://www.enthusiasmus.qlix.com.br/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Busca da Atenção - Arquétipos
Aula Busca da Atenção - ArquétiposAula Busca da Atenção - Arquétipos
Aula Busca da Atenção - ArquétiposAndré Ursulino
 
Arquétipos - Material Teórico Aula 1.pdf
Arquétipos - Material Teórico Aula 1.pdfArquétipos - Material Teórico Aula 1.pdf
Arquétipos - Material Teórico Aula 1.pdfPatyPaty33
 
O Que são Crenças Limitantes
O Que são Crenças LimitantesO Que são Crenças Limitantes
O Que são Crenças LimitantesGetulio Chaves
 
Curso de-tarot-nivel-iniciante-para-relacionamentos
Curso de-tarot-nivel-iniciante-para-relacionamentosCurso de-tarot-nivel-iniciante-para-relacionamentos
Curso de-tarot-nivel-iniciante-para-relacionamentossedf
 
Palestra temperamentos
Palestra temperamentosPalestra temperamentos
Palestra temperamentosLuis Araujo
 
Criação de personagens: Arquétipos e Jornada do Herói
Criação de personagens: Arquétipos e Jornada do HeróiCriação de personagens: Arquétipos e Jornada do Herói
Criação de personagens: Arquétipos e Jornada do HeróiKelly Cardoso
 
COMO ANDA SUA AUTOESTIMA na visão Espiritualistalideshare.pptx
COMO ANDA SUA AUTOESTIMA  na visão Espiritualistalideshare.pptxCOMO ANDA SUA AUTOESTIMA  na visão Espiritualistalideshare.pptx
COMO ANDA SUA AUTOESTIMA na visão Espiritualistalideshare.pptxARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Tarô de Marselha By V. Martins
Tarô de  Marselha By   V.  MartinsTarô de  Marselha By   V.  Martins
Tarô de Marselha By V. MartinsRicardo Pereira
 
Tarot arcanos maiores_vera_miranda
Tarot arcanos maiores_vera_mirandaTarot arcanos maiores_vera_miranda
Tarot arcanos maiores_vera_mirandaCamilaLagoeiro1
 
Parte 6 significados dos arcanos menores
Parte 6   significados dos arcanos menoresParte 6   significados dos arcanos menores
Parte 6 significados dos arcanos menoresparoca6
 
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeSegundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeCeiClarencio
 

Mais procurados (20)

Aula Busca da Atenção - Arquétipos
Aula Busca da Atenção - ArquétiposAula Busca da Atenção - Arquétipos
Aula Busca da Atenção - Arquétipos
 
Arquétipos - Material Teórico Aula 1.pdf
Arquétipos - Material Teórico Aula 1.pdfArquétipos - Material Teórico Aula 1.pdf
Arquétipos - Material Teórico Aula 1.pdf
 
O herói e o fora da-lei 2
O herói e o fora da-lei 2O herói e o fora da-lei 2
O herói e o fora da-lei 2
 
O herói e o fora da-lei 1
O herói e o fora da-lei 1O herói e o fora da-lei 1
O herói e o fora da-lei 1
 
Arquétipos para a construção do Storytelling da Marca
Arquétipos para a construção do Storytelling da MarcaArquétipos para a construção do Storytelling da Marca
Arquétipos para a construção do Storytelling da Marca
 
O Que são Crenças Limitantes
O Que são Crenças LimitantesO Que são Crenças Limitantes
O Que são Crenças Limitantes
 
Curso de-tarot-nivel-iniciante-para-relacionamentos
Curso de-tarot-nivel-iniciante-para-relacionamentosCurso de-tarot-nivel-iniciante-para-relacionamentos
Curso de-tarot-nivel-iniciante-para-relacionamentos
 
Palestra temperamentos
Palestra temperamentosPalestra temperamentos
Palestra temperamentos
 
Criação de personagens: Arquétipos e Jornada do Herói
Criação de personagens: Arquétipos e Jornada do HeróiCriação de personagens: Arquétipos e Jornada do Herói
Criação de personagens: Arquétipos e Jornada do Herói
 
COMO ANDA SUA AUTOESTIMA na visão Espiritualistalideshare.pptx
COMO ANDA SUA AUTOESTIMA  na visão Espiritualistalideshare.pptxCOMO ANDA SUA AUTOESTIMA  na visão Espiritualistalideshare.pptx
COMO ANDA SUA AUTOESTIMA na visão Espiritualistalideshare.pptx
 
Seminario campbell herói das mil faces
Seminario campbell  herói das mil facesSeminario campbell  herói das mil faces
Seminario campbell herói das mil faces
 
Tarô de Marselha By V. Martins
Tarô de  Marselha By   V.  MartinsTarô de  Marselha By   V.  Martins
Tarô de Marselha By V. Martins
 
Tarot arcanos maiores_vera_miranda
Tarot arcanos maiores_vera_mirandaTarot arcanos maiores_vera_miranda
Tarot arcanos maiores_vera_miranda
 
Parte 6 significados dos arcanos menores
Parte 6   significados dos arcanos menoresParte 6   significados dos arcanos menores
Parte 6 significados dos arcanos menores
 
Aula 03 autoconhecimento
Aula 03 autoconhecimentoAula 03 autoconhecimento
Aula 03 autoconhecimento
 
Archetypes
ArchetypesArchetypes
Archetypes
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
 
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeSegundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
 
PNL - Crenças
PNL - CrençasPNL - Crenças
PNL - Crenças
 
Crenças
CrençasCrenças
Crenças
 

Destaque

Destaque (20)

40 arquetipos
40 arquetipos40 arquetipos
40 arquetipos
 
Guerreiros
GuerreirosGuerreiros
Guerreiros
 
As marcas e os arquétipos o legado de jung
As marcas e os arquétipos   o legado de jungAs marcas e os arquétipos   o legado de jung
As marcas e os arquétipos o legado de jung
 
12 arquétipos na criação de personagens
12 arquétipos na criação de personagens12 arquétipos na criação de personagens
12 arquétipos na criação de personagens
 
Estereotipoxarquetipos
EstereotipoxarquetiposEstereotipoxarquetipos
Estereotipoxarquetipos
 
Estereótipos e Arquetipos
Estereótipos e ArquetiposEstereótipos e Arquetipos
Estereótipos e Arquetipos
 
Arquétipos
ArquétiposArquétipos
Arquétipos
 
Arquétipos
ArquétiposArquétipos
Arquétipos
 
Marketing e arquétipos e book
Marketing e arquétipos e bookMarketing e arquétipos e book
Marketing e arquétipos e book
 
Storytelling: Marca e Midias Sociais
Storytelling: Marca e Midias SociaisStorytelling: Marca e Midias Sociais
Storytelling: Marca e Midias Sociais
 
Arquétipos xamã 01
Arquétipos   xamã 01Arquétipos   xamã 01
Arquétipos xamã 01
 
Arquetipos de Jung
Arquetipos de JungArquetipos de Jung
Arquetipos de Jung
 
Apresentação Stuart Hall e Barbosa & Campbell
Apresentação Stuart Hall e Barbosa & CampbellApresentação Stuart Hall e Barbosa & Campbell
Apresentação Stuart Hall e Barbosa & Campbell
 
O explorador
O exploradorO explorador
O explorador
 
Arquétipo Governante - Sombra
Arquétipo Governante - SombraArquétipo Governante - Sombra
Arquétipo Governante - Sombra
 
A sombra do guerreiro
A sombra do guerreiroA sombra do guerreiro
A sombra do guerreiro
 
Semana 4 proceso
Semana 4 procesoSemana 4 proceso
Semana 4 proceso
 
Arquétipo do Inocente
Arquétipo do InocenteArquétipo do Inocente
Arquétipo do Inocente
 
Conan - O Bárbaro
Conan - O BárbaroConan - O Bárbaro
Conan - O Bárbaro
 
Os Mapas de Oz: Transmedia Storytelling e possíveis futuros da comunicação
Os Mapas de Oz: Transmedia Storytelling e possíveis futuros da comunicaçãoOs Mapas de Oz: Transmedia Storytelling e possíveis futuros da comunicação
Os Mapas de Oz: Transmedia Storytelling e possíveis futuros da comunicação
 

Semelhante a Arquétipo governante

Maquiavel fundador dopensamentopolíticomoderno.
Maquiavel fundador dopensamentopolíticomoderno.Maquiavel fundador dopensamentopolíticomoderno.
Maquiavel fundador dopensamentopolíticomoderno.Milton Fabiano Silva
 
Maquiavel e a natureza da política
Maquiavel e a natureza da políticaMaquiavel e a natureza da política
Maquiavel e a natureza da políticaCarla Motta
 
Conselho das 13 ‘Famílias Reais’, a Cabala, os Reptilianos e os Illuminati _ ...
Conselho das 13 ‘Famílias Reais’, a Cabala, os Reptilianos e os Illuminati _ ...Conselho das 13 ‘Famílias Reais’, a Cabala, os Reptilianos e os Illuminati _ ...
Conselho das 13 ‘Famílias Reais’, a Cabala, os Reptilianos e os Illuminati _ ...ELIAS OMEGA
 
Maquiavel os fins justificamo os meios.
Maquiavel os fins justificamo os meios.Maquiavel os fins justificamo os meios.
Maquiavel os fins justificamo os meios.Milton Fabiano Silva
 
O absolutismo 11º ano
O absolutismo 11º anoO absolutismo 11º ano
O absolutismo 11º anoCarla Teixeira
 

Semelhante a Arquétipo governante (8)

Aula 18 - As ideias de Maquiavel
Aula 18 - As ideias de MaquiavelAula 18 - As ideias de Maquiavel
Aula 18 - As ideias de Maquiavel
 
Maquiavel fundador dopensamentopolíticomoderno.
Maquiavel fundador dopensamentopolíticomoderno.Maquiavel fundador dopensamentopolíticomoderno.
Maquiavel fundador dopensamentopolíticomoderno.
 
Maquiavel e a natureza da política
Maquiavel e a natureza da políticaMaquiavel e a natureza da política
Maquiavel e a natureza da política
 
Conselho das 13 ‘Famílias Reais’, a Cabala, os Reptilianos e os Illuminati _ ...
Conselho das 13 ‘Famílias Reais’, a Cabala, os Reptilianos e os Illuminati _ ...Conselho das 13 ‘Famílias Reais’, a Cabala, os Reptilianos e os Illuminati _ ...
Conselho das 13 ‘Famílias Reais’, a Cabala, os Reptilianos e os Illuminati _ ...
 
Maquiavel os fins justificamo os meios.
Maquiavel os fins justificamo os meios.Maquiavel os fins justificamo os meios.
Maquiavel os fins justificamo os meios.
 
Filosofia Renascentista
Filosofia  RenascentistaFilosofia  Renascentista
Filosofia Renascentista
 
HERÓIS BUSCADORES
HERÓIS BUSCADORESHERÓIS BUSCADORES
HERÓIS BUSCADORES
 
O absolutismo 11º ano
O absolutismo 11º anoO absolutismo 11º ano
O absolutismo 11º ano
 

Arquétipo governante

  • 2. Lema: ''O poder não é tudo...é só o que importa''
  • 3.  O arquétipo do Rei e Rainha é o arquétipo do ser primordial.  Os judeus e cristãos referem- se a esse arquétipo como imago Dei, a "Imagem de Deus".  Freud falou do Rei como o "pai primordial da horda primordial". E de muitas maneiras a energia do Rei e Rainha é a energia do Pai e da Mãe  Historicamente, os reis e rainhas sempre foram sagrados. Mas é o reinado, a energia do Rei/Rainha em si, que é importante.
  • 4.  os reis e rainhas no mundo antigo eram em geral mortos ritualmente quando a capacidade de representar o arquétipo decaía.  O importante era que o poder gerador da energia não ficasse preso ao destino de um mortal que envelhecia e ficava cada vez mais impotente.  Com a ascensão do novo Rei/Rainha, a energia era novamente encarnada, e o arquétipo se renovava nas vidas das pessoas que faziam parte do reino.  Na verdade, o mundo inteiro se renovava.
  • 5. Reis e Rainhas bons estão no Centro do Mundo. Senta-se no seu trono na montanha central, ou na Colina Original, como chamavam os antigos egípcios.
  • 6. O "Mundo" é definido como a parte da realidade que é organizada e ordenada pelo Rei. O que está fora dos limites da sua influência é a não- criação, o caos, o demoníaco, o não-mundo.
  • 7. O Centro desse universo era sempre onde reis e rainhas — deus/deusa — reinava, e era o local da revelação divina, do poder criativo e organizador, divino.
  • 8. Os ambientes dos Governantes são, portanto, substanciais e impressionantes: prédios com grandes colunas e muitas escadas, com materiais utilizados para durar e causar atemporalidade - como granito ou concreto, belos painéis e grossos cortinados.
  • 9. Essa ordem misteriosa, expressa no reinado, nas leis humanas e em toda a ordem social dos homens , é a manifestação dos pensamentos ordenadores dos Reis e Rainhas
  • 10.  É dever do Rei e da Rainha receber e levar ao seu povo a ordem e moldá-la numa forma social e encarná-la em sua própria pessoa.  Se o Rei/Rainha o fizer, diz a mitologia, tudo no reino também seguirá de acordo com a Ordem Justa. O reino florescerá.  Se o Rei/Rainha não viver de acordo com a Ordem, nada dará certo para o seu povo, nem para o reino como um todo.  O Centro que o rei representa não se manterá; e o reino estará pronto para uma rebelião.
  • 11.  Uma das funções do Rei e Rainha em Sua Plenitude é ordenar; Assumir características da ordem, do modelo sensato e racional, da integração e integridade. Estabilizar a emoção caótica e os "comportamentos descontrolados”. Centralizar, trazer a calma. Apoiar e equilibrar. Defender o sentido de ordem interior e os propósitos.
  • 12.  A outra função é proporcionar fertilidade e bênção. O rei bom sempre era o espelho e a confirmação de quem era merecedor. O rei bom sentia prazer em notar e promover os homens bons a posições de responsabilidade. Vê os outros em toda a sua fraqueza e em todo o seu talento e valor. Não é invejoso, porque está seguro, como o Rei, do seu próprio valor.
  • 13.  Indivíduos Reis/Rainhas são mais satisfeitos quando podem demonstrar liderança, orquestrar situações complexas ou usar a sua influência para fazer as coisas funcionarem melhor.  Poder é também a capacidade de realizar a ação decisiva.
  • 14. Quando o arquétipo do Governante está ativo nos indivíduos, eles gostam de assumir papéis de liderança e de estar no controle tanto quanto possível.
  • 15. Responsabilidade é a palavra-chave para a essência do rei, sendo disposto a manifestar-se em todas as atividades que tenham alguma forma ou nuance de responsabilidade, poder, domínio ou influência, ou um modelo de ação.
  • 16.  O deus grego Atlas carregando o mundo nos ombros é imagem fiel da tendência dos Reis e Rainhas à responsabilidade.  Esse arquétipo tende a detestar as pessoas desenfreadas que ameaçam destruir a ordem que eles desenvolveram com tanto cuidado.  Organizar as atividades, implementar políticas e procedimentos é uma tarefa que lhes proporciona um senso altamente gratificante de mestria pessoal e poder sobre o mundo.
  • 17. Com toda naturalidade forma-se uma corte em volta desse Arquétipo. Em geral, quando não se tornam tiranos, são admirados. Essa é a recompensa pela responsabilidade que os reis estão dispostos a assumir. A autoridade deles é reconhecida sem que tenham de lutar excepcionalmente por ela.
  • 18. Uma soberania inteligente está no Governante que sabe sobre “seu povo”, pois um rei que não sabe nada sobre a vida do “seu reino” nunca fará um governo que faça justiça às necessidades dele.
  • 19. Naturalmente confiantes, competentes e responsáveis, eles gostam de demonstrar a sua habilidade e motivar os outros a manter padrões elevados. Eles são geralmente animados e desafiados por oportunidades para assumir o comando de uma situação.
  • 20. O Governante sabe que a melhor coisa a fazer para evitar o caos é assumir o controle, pois é a melhor maneira de manter a si mesmo, a sua família e amigos seguros.
  • 21.  As pessoas com o arquétipo do Governante se preocupam com assuntos ligados à imagem, ao status e ao prestígio, não por serem superficiais, mas porque compreendem que a aparência aumenta o poder.  Elas agem com um senso natural de autoridade que torna fácil aos outros segui-las.
  • 22. O arquétipo Governante gosta de organizações hierárquicas, papeis definidos, funções e relações estáveis ​​e determinadas.
  • 23. Características Principais  Desejo Básico: Controle  Meta: Criar uma família, empresa ou comunidade próspera e bem- sucedida.  Estratégia: Exercer a liderança  Medo: Caos, ser destruído  Armadilha: Torna-se mandão, autoritário  Dom: Responsabilidade, liderança
  • 24. Níveis  Motivação: falta de recursos, de ordem ou de harmonia  Nível 1: assumir a responsabilidade para as condições de sua própria vida  Nível 2: exercer a liderança em sua família, grupo, organização, ou local de trabalho  Nível 3: tornar-se um líder em sua comunidade, campo de atuação, ou sociedade  Sombra: comportamentos tirânicos ou manipuladores
  • 25. Subtipos  Líder: encarrega-se de pessoas e situações, assume a responsabilidade pelo bem dos outros  Powerbroker: Usa o poder e influência para fazer as coisas  Condutor/orquestrador: Direciona sistemas complexos, processos, estruturas e o cria ordem  Modelo: Define padrões para outros seguirem  Pacificador: Encontra um terreno comum entre indivíduos diferentes e grupos
  • 26. Bibliografia  HASSELMANN, Varda; SCHMOLKE, Frank. Arquétipos da Alma: Um guia para se reconhecer a matriz dos padrões anímicos. Editora Pensamento. São Paulo, 2004.  MARK, Margaret; PEARSON, Carol S. O herói e o fora-da- lei: Como construir marcas extraordinárias usando o poder dos arquétipos. Editora Cultrix. São Paulo, 2011.  GILLETE, David; MOORE, Robert. Rei Guerreiro Mago Amante. A redescoberta dos arquétipos do masculino A redescoberta dos arquétipos do masculino. Editora Campus, 1993.
  • 27. Apresentação sobre o Arquétipo do Governante (Rei e Rainha) criada por Lorena Souza, Fábio Espiga, Raiana Márcia, Madana Ribas, Ricardo Pinto, Laércio Santos, Sol Mascarenhas e Tamara Novais. Ao utilizar a apresentação, favor inserir os devidos créditos bibliográficos e de criação. http://www.enthusiasmus.qlix.com.br/