Arquétipo governante

1.887 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.887
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
245
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
48
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arquétipo governante

  1. 1. O GOVERNANTE Arquétipos da alma
  2. 2. Lema: ''O poder não é tudo...é só o que importa''
  3. 3.  O arquétipo do Rei e Rainha é o arquétipo do ser primordial.  Os judeus e cristãos referem- se a esse arquétipo como imago Dei, a "Imagem de Deus".  Freud falou do Rei como o "pai primordial da horda primordial". E de muitas maneiras a energia do Rei e Rainha é a energia do Pai e da Mãe  Historicamente, os reis e rainhas sempre foram sagrados. Mas é o reinado, a energia do Rei/Rainha em si, que é importante.
  4. 4.  os reis e rainhas no mundo antigo eram em geral mortos ritualmente quando a capacidade de representar o arquétipo decaía.  O importante era que o poder gerador da energia não ficasse preso ao destino de um mortal que envelhecia e ficava cada vez mais impotente.  Com a ascensão do novo Rei/Rainha, a energia era novamente encarnada, e o arquétipo se renovava nas vidas das pessoas que faziam parte do reino.  Na verdade, o mundo inteiro se renovava.
  5. 5. Reis e Rainhas bons estão no Centro do Mundo. Senta-se no seu trono na montanha central, ou na Colina Original, como chamavam os antigos egípcios.
  6. 6. O "Mundo" é definido como a parte da realidade que é organizada e ordenada pelo Rei. O que está fora dos limites da sua influência é a não- criação, o caos, o demoníaco, o não-mundo.
  7. 7. O Centro desse universo era sempre onde reis e rainhas — deus/deusa — reinava, e era o local da revelação divina, do poder criativo e organizador, divino.
  8. 8. Os ambientes dos Governantes são, portanto, substanciais e impressionantes: prédios com grandes colunas e muitas escadas, com materiais utilizados para durar e causar atemporalidade - como granito ou concreto, belos painéis e grossos cortinados.
  9. 9. Essa ordem misteriosa, expressa no reinado, nas leis humanas e em toda a ordem social dos homens , é a manifestação dos pensamentos ordenadores dos Reis e Rainhas
  10. 10.  É dever do Rei e da Rainha receber e levar ao seu povo a ordem e moldá-la numa forma social e encarná-la em sua própria pessoa.  Se o Rei/Rainha o fizer, diz a mitologia, tudo no reino também seguirá de acordo com a Ordem Justa. O reino florescerá.  Se o Rei/Rainha não viver de acordo com a Ordem, nada dará certo para o seu povo, nem para o reino como um todo.  O Centro que o rei representa não se manterá; e o reino estará pronto para uma rebelião.
  11. 11.  Uma das funções do Rei e Rainha em Sua Plenitude é ordenar; Assumir características da ordem, do modelo sensato e racional, da integração e integridade. Estabilizar a emoção caótica e os "comportamentos descontrolados”. Centralizar, trazer a calma. Apoiar e equilibrar. Defender o sentido de ordem interior e os propósitos.
  12. 12.  A outra função é proporcionar fertilidade e bênção. O rei bom sempre era o espelho e a confirmação de quem era merecedor. O rei bom sentia prazer em notar e promover os homens bons a posições de responsabilidade. Vê os outros em toda a sua fraqueza e em todo o seu talento e valor. Não é invejoso, porque está seguro, como o Rei, do seu próprio valor.
  13. 13.  Indivíduos Reis/Rainhas são mais satisfeitos quando podem demonstrar liderança, orquestrar situações complexas ou usar a sua influência para fazer as coisas funcionarem melhor.  Poder é também a capacidade de realizar a ação decisiva.
  14. 14. Quando o arquétipo do Governante está ativo nos indivíduos, eles gostam de assumir papéis de liderança e de estar no controle tanto quanto possível.
  15. 15. Responsabilidade é a palavra-chave para a essência do rei, sendo disposto a manifestar-se em todas as atividades que tenham alguma forma ou nuance de responsabilidade, poder, domínio ou influência, ou um modelo de ação.
  16. 16.  O deus grego Atlas carregando o mundo nos ombros é imagem fiel da tendência dos Reis e Rainhas à responsabilidade.  Esse arquétipo tende a detestar as pessoas desenfreadas que ameaçam destruir a ordem que eles desenvolveram com tanto cuidado.  Organizar as atividades, implementar políticas e procedimentos é uma tarefa que lhes proporciona um senso altamente gratificante de mestria pessoal e poder sobre o mundo.
  17. 17. Com toda naturalidade forma-se uma corte em volta desse Arquétipo. Em geral, quando não se tornam tiranos, são admirados. Essa é a recompensa pela responsabilidade que os reis estão dispostos a assumir. A autoridade deles é reconhecida sem que tenham de lutar excepcionalmente por ela.
  18. 18. Uma soberania inteligente está no Governante que sabe sobre “seu povo”, pois um rei que não sabe nada sobre a vida do “seu reino” nunca fará um governo que faça justiça às necessidades dele.
  19. 19. Naturalmente confiantes, competentes e responsáveis, eles gostam de demonstrar a sua habilidade e motivar os outros a manter padrões elevados. Eles são geralmente animados e desafiados por oportunidades para assumir o comando de uma situação.
  20. 20. O Governante sabe que a melhor coisa a fazer para evitar o caos é assumir o controle, pois é a melhor maneira de manter a si mesmo, a sua família e amigos seguros.
  21. 21.  As pessoas com o arquétipo do Governante se preocupam com assuntos ligados à imagem, ao status e ao prestígio, não por serem superficiais, mas porque compreendem que a aparência aumenta o poder.  Elas agem com um senso natural de autoridade que torna fácil aos outros segui-las.
  22. 22. O arquétipo Governante gosta de organizações hierárquicas, papeis definidos, funções e relações estáveis ​​e determinadas.
  23. 23. Características Principais  Desejo Básico: Controle  Meta: Criar uma família, empresa ou comunidade próspera e bem- sucedida.  Estratégia: Exercer a liderança  Medo: Caos, ser destruído  Armadilha: Torna-se mandão, autoritário  Dom: Responsabilidade, liderança
  24. 24. Níveis  Motivação: falta de recursos, de ordem ou de harmonia  Nível 1: assumir a responsabilidade para as condições de sua própria vida  Nível 2: exercer a liderança em sua família, grupo, organização, ou local de trabalho  Nível 3: tornar-se um líder em sua comunidade, campo de atuação, ou sociedade  Sombra: comportamentos tirânicos ou manipuladores
  25. 25. Subtipos  Líder: encarrega-se de pessoas e situações, assume a responsabilidade pelo bem dos outros  Powerbroker: Usa o poder e influência para fazer as coisas  Condutor/orquestrador: Direciona sistemas complexos, processos, estruturas e o cria ordem  Modelo: Define padrões para outros seguirem  Pacificador: Encontra um terreno comum entre indivíduos diferentes e grupos
  26. 26. Bibliografia  HASSELMANN, Varda; SCHMOLKE, Frank. Arquétipos da Alma: Um guia para se reconhecer a matriz dos padrões anímicos. Editora Pensamento. São Paulo, 2004.  MARK, Margaret; PEARSON, Carol S. O herói e o fora-da- lei: Como construir marcas extraordinárias usando o poder dos arquétipos. Editora Cultrix. São Paulo, 2011.  GILLETE, David; MOORE, Robert. Rei Guerreiro Mago Amante. A redescoberta dos arquétipos do masculino A redescoberta dos arquétipos do masculino. Editora Campus, 1993.
  27. 27. Apresentação sobre o Arquétipo do Governante (Rei e Rainha) criada por Lorena Souza, Fábio Espiga, Raiana Márcia, Madana Ribas, Ricardo Pinto, Laércio Santos, Sol Mascarenhas e Tamara Novais. Ao utilizar a apresentação, favor inserir os devidos créditos bibliográficos e de criação. http://www.enthusiasmus.qlix.com.br/

×