33, narrativas em primeira pessoa<br />Por LorizaKettle<br />
33, narrativas em primeira pessoa<br />O documentário de KikoGoifman, 33, narrado em primeira pessoa, trata da busca do di...
33, narrativas em primeira pessoa<br />Quem é KikoGoifman?<br />De Belo Horizonte-MG, nasceu em 1968 e aos 20 anos de idad...
33, narrativas em primeira pessoa<br />O documentário 33 é um relato sobre a adoção e tenta desfazer o tabu que ainda exis...
33, narrativas em primeira pessoa<br />Observações relevantes de 33:<br /><ul><li>Original, único
Feito em gravações reais, depoimentos dos personagens e cenas noturnas da cidade
Sem segundos takes
Não tem roteiro, apenas um ponto de partida
Por isso mesmo seu desfecho não é previsto
Narrado em primeira pessoa pelo próprio diretor-protagonista
Presença da voz-over (voz de Deus)
Produzido em preto e branco, estilo noir</li></li></ul><li>33, narrativas em primeira pessoa<br />Ao encarar o desafio de ...
33, narrativas em primeira pessoa<br />Ao se expor diante da câmera, Goifman não tem nenhum pudor em transmitir suas opini...
33, narrativas em primeira pessoa<br />Vemos aí o comportamento profílmico, citado por Claudine de France, ou seja, o comp...
33, narrativas em primeira pessoa<br />Durante o filme Kiko revela ao espectador todo o processo e avanços da investigação...
33, narrativas em primeira pessoa<br />A narração em forma de diário policial com imagens urbanas e noturnas, a cidade sol...
33, narrativas em primeira pessoa<br />Apesar do gênero noir estar relacionado a crimes, cenas violentas, homicídios e mul...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

33, Narrativas Em Primeira Pessoa

2.909 visualizações

Publicada em

Análise do documentário 33, de Kiko Goifman.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.909
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
75
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

33, Narrativas Em Primeira Pessoa

  1. 1. 33, narrativas em primeira pessoa<br />Por LorizaKettle<br />
  2. 2. 33, narrativas em primeira pessoa<br />O documentário de KikoGoifman, 33, narrado em primeira pessoa, trata da busca do diretor pela mãe biológica. Sabendo ser filho adotivo, Goifman começou sua busca aos 33 anos e deu esse título ao filme porque, além de sua idade, a mãe adotiva era de 1933 e ele tinha 33 dias para concluir o desafio. Pelo menos três bons motivos ele tinha para a escolha.<br />
  3. 3. 33, narrativas em primeira pessoa<br />Quem é KikoGoifman?<br />De Belo Horizonte-MG, nasceu em 1968 e aos 20 anos de idade mudou-se para São Paulo. Antopólogo pela Universidade Federal de Minas Gerais e mestre em Multimeios pela Unicamp, seu primeiro longa-metragem foi 33 (2003), selecionado para os festivais de Locarno (Suíça), Rotterdam, Marseille (França) e eleito como favorito na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Goifman começou no audiovisual ainda na faculdade, usando o vídeo como ferramenta para trabalhos acadêmicos. Aos poucos foi abandonando a Antropologia para se dedicar exclusivamente ao Cinema.<br />
  4. 4. 33, narrativas em primeira pessoa<br />O documentário 33 é um relato sobre a adoção e tenta desfazer o tabu que ainda existe nesse tema. Sabendo que é muito raro alguém falar publicamente que é filho adotivo, Goifman não apenas admite sua condição mas assume, diante das câmeras, a necessidade particular de conhecer sua história. Fugindo totalmente os padrões do cinema documentário, que tem objetividade e não pode ter envolvimento emocional, 33 se caracteriza justamente pelo emoção do protagonista e também do espectador. <br />
  5. 5. 33, narrativas em primeira pessoa<br />Observações relevantes de 33:<br /><ul><li>Original, único
  6. 6. Feito em gravações reais, depoimentos dos personagens e cenas noturnas da cidade
  7. 7. Sem segundos takes
  8. 8. Não tem roteiro, apenas um ponto de partida
  9. 9. Por isso mesmo seu desfecho não é previsto
  10. 10. Narrado em primeira pessoa pelo próprio diretor-protagonista
  11. 11. Presença da voz-over (voz de Deus)
  12. 12. Produzido em preto e branco, estilo noir</li></li></ul><li>33, narrativas em primeira pessoa<br />Ao encarar o desafio de produzir um documentário tão pessoal, Kiko não tem necessidade de roteiro, simplesmente porque não faz idéia de como vai acabar sua busca. O trabalho é simplesmente imprevisível. <br />Ele apenas precisa de um ponto de partida, que já tem, a procura pela mãe biológica. Ele decide começar com dicas de alguns detetives. Em seguida entrevista a mãe adotiva, segundo ele, o momento mais difícil do projeto. <br />
  13. 13. 33, narrativas em primeira pessoa<br />Ao se expor diante da câmera, Goifman não tem nenhum pudor em transmitir suas opiniões. Fala sobre suas impressões na investigação, faz considerações sobre os entrevistados e até questiona o depoimento de uma tia. Chega a se exibir para a câmera com um certo narcizismo. Talvez essa exibição não seja consciente, mas transmite uma postura arrogante. <br />
  14. 14. 33, narrativas em primeira pessoa<br />Vemos aí o comportamento profílmico, citado por Claudine de France, ou seja, o comportamento adotado para a câmera no documentário. Ao saber que está sendo filmado, o personagem perde a naturalidade e passa a se exibir. No caso de Goifman parece que esse detalhe fica mais evidente, pode-se arriscar uma mise em scène na atuação do diretor.<br />
  15. 15. 33, narrativas em primeira pessoa<br />Durante o filme Kiko revela ao espectador todo o processo e avanços da investigação e deixa claro que independente do seu papel, ator ou diretor, personagem ou autor, está criando uma obra, mesmo sendo essa obra sua história. Goifman só mostra no filme o que é interessante para o próprio filme.<br />
  16. 16. 33, narrativas em primeira pessoa<br />A narração em forma de diário policial com imagens urbanas e noturnas, a cidade solitária na madrugada, dá ao documentário um ar de suspense. Essa atmosfera, confirmada com a música de fundo, talvez seja um dos fatores que faz de 33, um filme noir. Mas esse não é o único motivo.<br />
  17. 17. 33, narrativas em primeira pessoa<br />Apesar do gênero noir estar relacionado a crimes, cenas violentas, homicídios e mulheres fatais, geralmente carregados de ciúmes, corrupção e fraqueza moral, o documentário 33 pode ser assim considerado por outras características desse gênero de filme do início da década de 40.<br />
  18. 18. 33, narrativas em primeira pessoa<br />Características dos filmes noir presentes no documentário 33 :<br />Ambiente urbano<br />Fotografia em preto e branco<br />Efeitos visuais incomuns<br />Cenários noturnos e interiores sombrios<br />Uso da narração em voz-over<br />Presença do protagonista em quase todas as cenas <br />O efeito em preto e branco e as cenas noturnas talvez seja o que torna o documentário mais característico. <br />
  19. 19. 33, narrativas em primeira pessoa<br />
  20. 20. 33, narrativas em primeira pessoa<br />Segundo Bill Nichols a voz do documentário defende uma causa e tenta nos convencer do seu ponto de vista. Nada mais é do que a maneira especial de expressar um argumento. Essa voz pode ser do próprio cineasta, que assume uma posição de respeito para nos persuadir de um aspecto do mundo histórico.<br />
  21. 21. 33, narrativas em primeira pessoa<br />Mas qual o ponto de vista que Kiko Goifman tenta nos convencer em seu documentário? Para responder voltamos a Nichols. Ele afirma que documentário é a representação do mundo em que vivemos, uma visão de mundo que talvez nunca tenhamos deparado antes, mesmo que nos sejam familiares.<br />
  22. 22. 33, narrativas em primeira pessoa<br />Seguindo esse raciocínio, já sabemos a intenção de Goifman em seu filme. Ele quer convencer o público e a si mesmo que é importante para ele conhecer a mãe biológica e também compartilhar a experiência de sua busca. Deixa transparecer que não se importa em ser adotado. Mas talvez esse assunto ainda esteja longe de ser resolvido.<br />
  23. 23. 33, narrativas em primeira pessoa<br />“Documentário é o tratamento criativo da realidade.” John Griesson<br />

×