Comunicação e expressão

1.680 visualizações

Publicada em

muito bom

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.680
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
76
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Comunicação e expressão

  1. 1. Curso de Direito Professora:TalitaVargeides
  2. 2.  As comunicações são o centro gravitacional de todas as atividades humanas.  A falta de comunicação pode acarretar diversos problemas.  Comunicar bem não é só transmitir ou só receber bem é entender e se fazer entendido.
  3. 3.  COMUNICACÃO é troca de ENTENDIMENTO, e é preciso considerar emoções, gestos, olhares, e a situação ao qual está inserido.  A tarefa de comunicar-se não está concluída até que haja compreensão, aceitação e ação resultante.
  4. 4.  O objetivo da comunicação é afetar comportamentos.  As recompensas das boas comunicações são grandes, mas difíceis são os meios de se obtê-las, para isto sempre esteja atento às bases para a boa comunicação.
  5. 5.  Para que ocorra comunicação entre duas pessoas é necessário que se observem as seguintes regras:  Saber Ouvir - Demonstre estar apto a ouvir informações mesmo que desagradáveis, procurando aceitá-las de forma construtiva. Escute, ouça atentamente, demonstre interesse pelo que está sendo apresentado, não interrompa sem motivo.
  6. 6.  Examine o ponto criticado - Compreenda o ponto criticado para dar crédito as boas ideias e ao trabalho sincero. Ao receber criticas, procure extrair os aspectos positivos e construtivos e corrija o que for necessário.  Expresse o seu interesse – Esteja em contato com as pessoas ao seu redor e escute. Expresse seu interesse pelos problemas das outras pessoas.
  7. 7.  Ações X Informações - Demonstre que ações são tomadas baseadas em informação.  Suas ações apoiam o que você diz? - Suas ações refletem o que você pensa e diz para os outros.  Procure ser objetivo- Seja objetivo, direto ao ponto mesmo que a conversa não seja agradável.  Que mensagem quero transmitir? - Qual é o objetivo da mensagem, o que você deseja que as pessoas absorvam, compreendam, qual é o verdadeiro propósito da comunicação.
  8. 8.  A quem vou me dirigir? - Antes de transmitir alguma informação procure conhecer qual vai ser o público. A quem você quer direcionar e qual é o momento adequado.  Consulte outras pessoas- Consulte outras pessoas para planejar as comunicações, peça opiniões e analise com discernimento.
  9. 9.  Como transmitir? - Como você deve transmitir a sua mensagem, esteja atento a sua tonalidade de voz, bem como a linguagem que você irá utilizar.
  10. 10.  Verifique se foi entendido- Sempre verifique se você foi entendido. Após transmitir a informação, faça perguntas para confirmar a compreensão das pessoas.  Suas ações - Esteja certo de suas ações apoiam aquilo que você diz, lembre que ações falam mais do que palavras.
  11. 11.  Entendimento - Procure não só ser compreendido como compreender, seja um bom ouvinte não só para os significados explícitos mas também para os implícitos.
  12. 12.  "FEEDBACK" - O retorno de informações é importante para manter seus parceiros atualizados nos processos e atividades de interesse comum, sempre retorne a informação, mostre os resultados e ações consequentes de informação recebida anteriormente.
  13. 13.  Comunicação: significa “ação em comum”, refere-se a um mesmo objetivo da consciência. É entender e se fazer entendido, é troca de informações, ideias, interesses e até sentimentos.  Existe também o fato de comunicar e estabelecer uma relação com alguém, uma transferência de informação para outrem o que sentimos.
  14. 14.  Atividade prática  Escrever um roteiro e apresentar em forma de linguagem não-verbal. (em grupo)
  15. 15. Aula 2
  16. 16.  A linguagem é a denominação genérica dos sistemas de expressão que permitem a interação, a comunicação, por meio de signos que os órgãos dos sentidos são capazes de perceber.
  17. 17. A linguagem é o instrumento de interação e de construção do conhecimento na sociedade. A linguagem é uma manifestação cultural. O ser humano cria cultura quando dá um novo sentido a uma palavra, quando cria novos símbolos, novas maneiras de expressar significados.
  18. 18.  É importante percebermos que a linguagem possui cargas ideológicas intensas e, por isso, é um fenômeno carregado de significados culturalmente marcados.  A linguagem torna os seres humanos capazes de elaborar, receber e interpretar os textos produzidos na sociedade. Textos, portanto, geram sentido.
  19. 19.  Na linguagem não-verbal, usamos sistemas de sinais convencionados que permitem a leitura e a apreensão do seu significado.
  20. 20.  As linguagens não-verbais se expressam pelo gesto; pelo movimento; pelo símbolo matemático; pela imagem; pela dança; pela nota musical etc.  Esses atos se concretizam na interação social.
  21. 21.  Na linguagem corporal, nenhum gesto deve ser lido isoladamente, pois só terá sentido quando somando aos demais gestos e, juntos, apontarem uma congruência da comunicação corporal.
  22. 22.  Falar e compreender a linguagem não verbal de quem se comunica com você é importante pois se for apenas pela informação falada, o processo está incompleto.
  23. 23.  Ex.: Se uma pessoa estiver num ponto de ônibus, num dia frio, toda encolhida, provavelmente está com frio e tentando se proteger da temperatura.  Os sinais também refinam-se com a idade.  A criança quando mente coloca a mão sobre a boca;  O adolescente passa a mão pela boca;  E o adulto dá um leve e rápido toque de dedos no nariz.
  24. 24. Além da compreensão dos sinais do corpo, temos também a movimentação do próprio corpo. Cada pessoa tem ao redor de si, como um campo de proteção, um território íntimo. Essa área circular em torno da pessoa varia de acordo com a cultura, região e é medida pela distância entre os corpos. Ex.: Essa área é menor entre pessoas da cidade, acostumadas com elevadores, congestionamentos, confinamentos do que entre pessoas do campo;
  25. 25. Na linguagem corporal, nenhum gesto deve ser lido isoladamente, pois só terá sentido quando somando aos demais gestos e, juntos, apontarem uma complementação da comunicação corporal.
  26. 26. Fonte: Hozana Barros dos Anjos
  27. 27.  Mãos sobre a mesa -Dedicado aos negócios. Querendo negociar. "Vamos direto ao assunto.  Mãos juntas sobre o colo ou estômago - Um gesto de proteção.  Mãos nos quadris - Provocativo ou duro. Entretido ou ansioso para entrar no assunto principal.  Mãos nos bolsos - Estar em contato com o próprio corpo. Busca de equilíbrio frente a uma possível insegurança.
  28. 28.  Assumindo o controle - a palma da mão voltada diretamente para o chão. Quando você diz, corporalmente, à outra pessoa, que deseja assumir o controle no encontro que se seguirá.  Desarmando um aperto de mão e assumindo o controle - (segurar as costas da mão próximo ao pulso) Essa atitude pode ser embaraçosa para o dominador, assim deve ser tomada com precaução e discrição.  Concedendo o controle - (palma da mão voltada para cima) Quando você deseja entregar o controle à pessoa ou fazer com que ela sinta que está no comando da situação.  O igual - Aperto de mão firme, com as duas palmas permanecendo na posição vertical, cada uma das pessoas transmitindo sentimento de respeito e harmonia à outra.
  29. 29.  Mãos no rosto - Quando uma pessoa usa um dos gestos de mão no rosto, um pensamento negativo penetrou em sua mente e poderá representar dúvida, falsidade, incerteza, exagero, apreensão ou mentira.  A proteção da boca - Reprimindo as palavras falsas que estão sendo ditas. Este gesto da boca também pode ser representado por dedos colocados sobre a boca ou pela mão fechada, porém com o mesmo significado.
  30. 30.  O toque do nariz - Controlando um pensamento negativo ou uma mentira. Pode ser uma ligeira esfregada ou um toque rápido e quase imperceptível.  Esfregar o olho - Tentativa de bloquear a falsidade, dúvida ou mentira que vê, ou evitar olhar o rosto da pessoa para quem está contando a mentira.  Esfregar a orelha - Tentativa do ouvinte de bloquear as palavras ouvidas, colocando a mão ao redor e sobre a orelha.
  31. 31.  Tédio (mão apoiando o rosto) - Demonstra falta de interesse, tédio. Quando forem sinais emitidos pelo ouvinte.  Avaliação interessante - A avaliação é demonstrada pela mão fechada sobre a face, mas sem servir de apoio para a cabeça, mas o dedo indicador apontado para cima.  Tomada de decisão - O gesto de esfregar o queixo é um sinal de que o ouvinte está tomando uma decisão.
  32. 32.  Mão entrelaçadas em posição vertical - Gesto de frustração, retendo uma atitude negativa. Demonstra, pela posição elevada das mãos, uma certa intensidade de humor negativo.  Mãos entrelaçadas em posição baixa - Retendo uma atitude, porém com menor intensidade do humor negativo do que a figura anterior.
  33. 33.  Braços cruzados na frente do corpo - Indicam uma variedade de significados, dependendo da situação. Pode ser uma forma de se resguardar, de se proteger ou de mostrar medo, timidez, força ou poder (uma fortaleza). Como também uma pessoa com os braços cruzados pode, simplesmente, ser fria. De uma forma geral demonstra uma posição defensiva.  Mãos fechadas demonstram atitude hostil - Se além dos braços cruzados, a pessoa também fechar as mãos , isso indica uma atitude hostil e defensiva, uma posição de ataque.
  34. 34.  Gesto padrão de pernas cruzadas - Pode indicar uma postura nervosa, reservada ou defensiva. Em geral, é um gesto de apoio que ocorre junto com outros sinais negativos, e não devem ser interpretados isoladamente ou fora do contexto.  Inclinar-se para a frente ou recostar-se na cadeira - Aproximar o corpo pode significar um gesto de amizade ou interesse. Encostar-se na cadeira indica uma diminuição de interesse ou até de indiferença.  Tenho todas as respostas mas também quero argumentar - O gesto de ambas as mãos atrás da cabeça é típico das pessoas que se sentem confiantes ou superiores. As pernas cruzadas desta figura representam a posição de competição ou de querer argumentar ideias.
  35. 35.  Erguer a cabeça - Manter a cabeça erguida é um sinal de interesse, de estar aberto e receptivo à opinião dos outros.  Encostar-se em alguma coisa - Esta pessoa precisa de contato com seu ambiente e sente conforto em estar com outras.  Evitar troca de olhares - As pessoas que reagem desta forma são inseguras de si mesmas e estão com medo de você.
  36. 36.  A linguagem verbal. Trata-se de uma linguagem que se expressa pela capacidade que o ser humano possui de interagir com os seus semelhantes, por meio de um sistema de signos sonoros, vocais: a língua (idioma).  É o tipo de linguagem que se manifesta pelo texto, ou discurso.
  37. 37.  É um código espontâneo, produzido e usado por uma determinada comunidade de fala, com o objetivo maior de o homem interagir com os seus semelhantes, comunicar os seus pensamentos, sentimentos, ações etc.;
  38. 38.  Na língua falada, há entre o falante e o(s) seu(s) interlocutor(es) uma interação direta.  Na fala espontânea não planejamos com antecedência o que dizemos, porque a produção e a execução do discurso ocorrem ao mesmo tempo.  Por isso, o texto oral apresenta pausas, interrupções, retomadas, correções etc.
  39. 39.  Planejamos cuidadosamente o nosso texto, para assegurar que o leitor compreenda as nossas idéias sem precisar de mais explicações, pois não podemos resolver dúvidas imediatamente, não dispomos de recursos como gestos, voz, expressões faciais.
  40. 40.  Dependendo da situação em que nos encontramos e do nosso interlocutor, usamos uma variedade, um estilo e um grau de formalidade diferentes. Veja alguns exemplos:
  41. 41. Oi, tudo bem? Melhorou da tendinite? 1a. Fala informal, com uma colega de turma. Bom dia, Excelência. Como vai?Vossa Excelência apresenta melhora da tendinite que o assolou? 1b. Fala formal, mais próxima da escrita, com um ministro de Estado. Tô chegando aí em dez minutinhos pra entregar a taça pro campeão! 2a. Fala informal, ou coloquial. Chegarei ao local do evento, com um pequeno atraso em relação a programação estabelecida. Solicito-lhe o obséquio de adiar a entrega da taça ao campeão de natação por quinze minutos. 2b. Escrita formal. Quero te pedir pra me ajudar a conseguir um auxílio- doença. O que é que eu faço? 3a. Escrita informal, ou coloquial, com um conhecido do INSS. Venho solicitar aV. Sa. a concessão de auxíliodoença. 3b. Escrita formal.
  42. 42.  Perceba que cada situação social exige dos participantes de uma interação comportamentos, vestimenta, postura e linguagem adequados, conforme convenções sociais, para que alcancem resultados produtivos. Mudamos a nossa linguagem como mudamos de roupa, conforme o evento social.

×