Deficiência Istmo-Cervical e Placenta Prévia

1.609 visualizações

Publicada em

Publicada em: Ciências
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.609
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Deficiência Istmo-Cervical e Placenta Prévia

  1. 1. Deficiência Istmo-cervical e Placenta Prévia Fisioterapia Urologia, Ginecologia e Obstetrícia Acadêmicas: Santos G; Menna Barreto L; Lins M; Barsanti P; Tonello T. 2014.1
  2. 2. Deficiência Istmo-cervical  Inabilidade em manter uma gravidez intra- uterina devida a uma fragilidade inerente ou adquirida do colo uterino.  Conhecida como: Incompetência istmo- cervical, insuficiência istmo-cervical, insuficiência cervical, insuficiência do colo ou deficiência istmo-cervical
  3. 3.  Caracterizada por uma fraqueza congênita ou adquirida na junção do orifício interno cervical e o segmento inferior.
  4. 4. Classificação: Primária e Secundária.  Primária: congênita - podendo ou não coexistir com outras malformações.  Secundária: ocorre como consequência de um trauma na região istmo-cervical. Obs.: Há autores que o tipo funcional (somente quando grávida aparece a abertura devido ao aumento da pressão intra-uterina)
  5. 5. Causas:  Congênitas ou adquiridas.  Congênitas: malformação do canal ístmico- cervical Ex.: maior concentração de fibras elásticas que fibras musculares.  Adquiridas: levam a uma deformidade deste canal após o nascimento Ex.: uso fórceps no parto, partos traumáticos, dilatação forçada do colo uterino, conização, miomas.
  6. 6. Diagnóstico:  Primariamente na história clínica.  Poderá ser efetuado antes ou durante a gestação. Em ambas épocas considera-se, a anamnese e o procedimento propedêutico diagnóstico de eleição.
  7. 7. Medidas de Precauções:  Repouso moderado à absoluto;  Circlagem antes da 13ª semana de gestação;  Medicamentos inibidores de contração uterina precoce (Inibina, Dactil), AAS;  O repouso absoluto costuma ajudar a manter a gestação até pelo menos a 34ª semana.  Quando então o pulmão do bebe estará melhor desenvolvido. Solicitar o medicamento para amadurecimento do pulmão também é uma medida preventiva.
  8. 8. Tratamento:  O tratamento é cirúrgico e corresponde ao reforço do colo uterino com sutura atraumática e inabsorvível na altura do orifício interno do canal endocervical, com o objetivo de manutenção da gravidez em curso até a viabilidade fetal. (procedimento denominado “circlagem cervical”.  Já as propostas de circlagem em mulheres não grávidas são genericamente denominadas “istmorrafias profiláticas”.
  9. 9. Circlagem:  Circlagem é como uma costura em volta do colo uterino antes da 13ª semana de gestação com um, dois ou mais pontos, dependendo do grau da IIC.  É feita com anestesia local ou radial e na maioria das vezes não há necessidade de internação.
  10. 10.  Após a cirurgia, como medida cautelar deve- se utilizar o ultrassom mensalmente para medir o colo uterino. Colo uterino menor que 3 cm exige cautela e repouso absoluto pois corre-se o risco de arrebentar com os pontos da circlagem.
  11. 11. Placenta Prévia  Placenta prévia (PP) é definida como a situação em que a placenta está inserida total ou parcialmente, no segmento inferior do útero, podendo ou não recobrir o orifício cervical interno (OCI).  Frequente detecção no segundo trimestre de gestação
  12. 12.  Resolução de mais de 90% dos casos até o terceiro trimestre.  Diagnóstico: avaliação ecográfica efetuada no terceiro trimestre da gravidez.  Fatores de risco: idade materna avançada, cesariana anterior e tratamentos de infertilidade.
  13. 13.  Etiologia e fisiopatologia não estão bem esclarecidos.  Fatores associados com a PP: multiparidade, gravidez gemelar, antecedentes de abortos espontâneos ou induzidos, cirurgia uterina, miomas uterinos, tabagismo, consumo de cocaína e PP em gravidez anterior.
  14. 14.  A PP é a segunda causa mais comum de hemorragia genital no segundo trimestre.  Manifesta-se geralmente por uma hemorragia assintomática sob forma de coitorragia.  A ecografia transvaginal tem uma segurança bem demonstrada e uma acuidade diagnóstica superior à da ecografia transabdominal.
  15. 15.  Classificação clássica: PP central, parcial e marginal.  Classificação RCOG: PP major (quando a placenta cobre total ou parcialmente o OCI) e PP minor (quando a placenta se localiza no segmento inferior do útero mas não cobre o OCI).
  16. 16. Referências: 1. Antonio Rozas, Luiz Ferraz de Sampaio Neto. Incompetência Cervical: Conceito, diagnóstico e conduta. Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, v. 5, n. 2, p. 1 - 9, 2003; 2. Ricardo Barini1, Egle Couto1, Marcos Matias Mota1, Carolina Taddeo M. dos Santos1, Sofia Rocha Leiber, Simone Cotes Batista. Fatores Associados ao Aborto Espontâneo Recorrente. RBGO-22(4):217-223, 2000. 3. Maria Regina Torloni, Antonio Fernandes Moron, Luiz Camano. Placenta Prévia: Fatores de Risco para o Acretismo. RBGO-23(7):417-422, 2001. 4. Maria Isabel Bento Ayres Pereira, Diogo Ayres de Campos. Placenta Prévia: classificação e orientação terapêutica. Acta Obstet Ginecol Port

×