A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS URBANOS Contexto Dezembro, 2009
Contexto   "Em todas as nossas deliberações, devemos considerar o impacto das nossas decisões sobre as próximas sete ...
Contexto
Contexto
Contexto
Contexto
Contexto
A caracterização deste resíduo sólido gerado muda de forma mais radicalmente do que de volume.
Legislação Municipal em Coimbra, século XVI “ Quem lançar água nas ruas sem dizer ‘água vai’ três vezes se for de noite pa...
Contexto – A Educação Acompanha as Mudanças? No Brasil não era diferente... “ Às três horas da manhã, alguns negros escrav...
Código de Posturas de São Paulo, editado em 1875. Art. 82 – Quando chegar ao conhecimento do fiscal que, dentro de alguma ...
A obrigatoriedade da utilização da lata de lixo na cidade de São Paulo foi decretada em 1914. Este procedimento foi inspir...
A obrigatoriedade da utilização de sacos plásticos é determinada pela prefeitura por disposição da Lei nº 7.775, de 1972, ...
<ul><li>Macro tendências  </li></ul><ul><li>- Famílias menores, Solteiros, Vida mais longa, </li></ul><ul><li>deslocamento...
<ul><li>Conveniência & Economia </li></ul><ul><li>Segurança alimentar & Higiene </li></ul><ul><li>Sustentabilidade (?) </l...
Crescimento populacional e urbanização . Estilo de vida e industrialização. Crescimento da geração de excedentes de renda ...
Reciclagem de PET no Brasil – CENSO 2008
Metodologia <ul><ul><ul><li>Censo – Por que? </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>O Censo é a metodologia mais indicada qua...
Metodologia <ul><ul><ul><li>Censo – Como Fazemos? </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Segmentamos o setor e identificamos ...
Reciclagem de PET no Brasil – 2008 A Origem do PET Reciclado
A Origem do PET Reciclado
A Origem do PET Reciclado
A Origem do PET Reciclado
Fonte: The Council for PET Bottle Recycling Japão
A Origem do PET Reciclado
O Destino do PET Reciclado – Visão do Aplicador/Usuário
O Destino do PET Reciclado – Visão do Aplicador/Usuário
<ul><li>Obrigado! </li></ul><ul><li>www.nousconsulting.com </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>lfraga@usp....
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Importância da Educação Ambiental para o Gerenciamento dos Resíduos Urbanos / Noûs Consulting

1.509 visualizações

Publicada em

SEMINÁRIO SOBRE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL PÓS-CONSUMO - 9 E 10 DE DEZEMBRO DE 2009 - RIO DE JANEIRO/RJ

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.509
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Importância da Educação Ambiental para o Gerenciamento dos Resíduos Urbanos / Noûs Consulting

  1. 1. A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS URBANOS Contexto Dezembro, 2009
  2. 2. Contexto &quot;Em todas as nossas deliberações, devemos considerar o impacto das nossas decisões sobre as próximas sete gerações.” Um dos fundamentos da Gayanashagowa , a Grande Lei de Paz da Confederação Iroquois (*), estabelecida em torno do ano 1140. Ela mostra que quase 900 anos não foram suficientes para consolidar alguns conceitos úteis sobre estratégia e sustentabilidade.
  3. 3. Contexto
  4. 4. Contexto
  5. 5. Contexto
  6. 6. Contexto
  7. 7. Contexto
  8. 8. A caracterização deste resíduo sólido gerado muda de forma mais radicalmente do que de volume.
  9. 9. Legislação Municipal em Coimbra, século XVI “ Quem lançar água nas ruas sem dizer ‘água vai’ três vezes se for de noite pagará cinqüenta réis e de dia dez réis. E se tal água que deitar de dia for fedorenta pagará os ditos cinqüenta réis.“ “ Não lançarão escamas do pescado nem de sardinhas nas ruas nem terão cisco às portas sob pena de cinqüenta réis.” “ Qualquer pessoa que fizer seus feitos na praça ou em ruas e quelhas públicas, se for homem ou mulher, pagará trinta réis, e se for moço ou moça, pagará dez réis. E porém isto se não entenderá em meninos de quatro anos para baixo.” Contexto – A Educação Acompanha as Mudanças?
  10. 10. Contexto – A Educação Acompanha as Mudanças? No Brasil não era diferente... “ Às três horas da manhã, alguns negros escravos ainda podiam ser vistos com barris cheios de lixo e excremento das casas das putas da rua do Regente. Tudo era amontoado num local próximo, criando mais um dos aterros de monturo que enfeitavam a paisagem do Rio de Janeiro naquele mês de maio de 1886. Certos escravos competiam para ver quem fazia mais rapidamente o maior monte, e bandeirolas eram plantadas no topo das imundícies quando achavam que ali não cabiam mais dejetos. Depois, ficava a população à espera das chuvas, o escoamento natural que levava tudo aquilo para o mar, lavando as ruas e empesteando a cidade. Passados os temporais, lencinhos perfumados levados ao nariz faziam com que os ricos e a nobreza fingissem que o precário escoamento fornecido pela City Improvements se comparava à invejável rede de esgotos de Paris.” O Xangô de Baker Street, Jô Soares.
  11. 11. Código de Posturas de São Paulo, editado em 1875. Art. 82 – Quando chegar ao conhecimento do fiscal que, dentro de alguma casa ou quintal, existem objetos em tal estado que possam prejudicar a saúde pública, pedirá licença para inspecionar, e se porventura, o fiscal reconhecer a veracidade do fato, intimará o morador ouproprietário para, dentro de 24h, removê-los. Caso a inspeção seja negada por má vontade, o fiscal procurará o auxílio da autoridade policial, a fim de proceder a vistoria. O morador ou proprietário, em cuja casa se verificar a existência de tais objetos, sofrerá a multa de 5$. Parágrafo único – Qualquer vizinho que for incomodado pelas exalações nocivas de tais objetos e imundícies, dará parte ao fiscal facilitando-lhe os exames necessários para melhor atender à sua reclamação. ... Art. 96 – É proibido queimar nas ruas, largos ou pátios da cidade e povoações, palhas, cestos, barricos, lixo ou quaisquer cousas que possam corromper a atmosfera. ... Art. 98 – A Câmara designará os lugares próprios para neles ser feito o depósito de lixo e terra, afastando o mais possível das proximidades da cidade... Contexto – A Educação Acompanha as Mudanças?
  12. 12. A obrigatoriedade da utilização da lata de lixo na cidade de São Paulo foi decretada em 1914. Este procedimento foi inspirado na ação do prefeito de Seine, Eugène Poubelle, em 1884, que determinou a utilização e a dimensão das poubelles, nome pelo qual passaram a ser conhecidas as latas de lixo na França. Contexto – A Educação Acompanha as Mudanças?
  13. 13. A obrigatoriedade da utilização de sacos plásticos é determinada pela prefeitura por disposição da Lei nº 7.775, de 1972, para acondicionamento do lixo nos locais de coleta noturna, sendo seu uso facultativo nos demais. Contexto – A Educação Acompanha as Mudanças?
  14. 14. <ul><li>Macro tendências </li></ul><ul><li>- Famílias menores, Solteiros, Vida mais longa, </li></ul><ul><li>deslocamento intenso </li></ul><ul><li>População torna-se urbana </li></ul><ul><li>- Menor disponibilidade de espaço </li></ul><ul><li>- Menos produtos granel e mais embalagens </li></ul><ul><li>individualizadas </li></ul><ul><li>- Segurança alimentar & Embalagens </li></ul><ul><li>Maior poder aquisitivo </li></ul><ul><li>- Ascensão da Classe C e D, Produtos modernos, </li></ul><ul><li>acesso à Informação para consumo. </li></ul><ul><li>Logística complexa </li></ul><ul><li>- Mais pessoas e maiores distâncias </li></ul><ul><li>Características dos RSU </li></ul><ul><li>- Resíduos Orgânicos & Sólidos Recicláveis </li></ul><ul><li>- Menos produtos in natura e mais </li></ul><ul><li>produtos industrializados </li></ul><ul><li>Desconhecimento sobre Educação Ambiental </li></ul><ul><li>- Educação ambiental básica, Informação </li></ul><ul><li>sobre como e onde descartar. </li></ul><ul><li>- Conhecimento Científico: Análise do Ciclo </li></ul><ul><li>de Vida (ACV) </li></ul>Modelos de consumo Sistemas de disposição do Resíduo Sólido Urbano (RSU) Modelos de consumo em evolução mas sistemas de coleta e descarte avançam lentamente
  15. 15. <ul><li>Conveniência & Economia </li></ul><ul><li>Segurança alimentar & Higiene </li></ul><ul><li>Sustentabilidade (?) </li></ul>Comportamento do Consumidor Hábitos de consumo <ul><li>Conveniência & Convivência </li></ul><ul><li>- Grupos Sociais; Residência, </li></ul><ul><li>Trabalho, em Transito </li></ul><ul><li>Saúde Pública, Sistemas de Coleta e Limpeza </li></ul><ul><li>Sustentabilidade (?) </li></ul>Hábitos de descarte
  16. 16. Crescimento populacional e urbanização . Estilo de vida e industrialização. Crescimento da geração de excedentes de renda e, por conseqüência, de consumo. Contexto – A Educação Acompanha as Mudanças?
  17. 17. Reciclagem de PET no Brasil – CENSO 2008
  18. 18. Metodologia <ul><ul><ul><li>Censo – Por que? </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>O Censo é a metodologia mais indicada quando a população é pequena e a variabilidade dentro da população é alta. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Assim, podemos dizer que o Censo é: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Viável , quando a população não é muito numerosa; e </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Necessário , quando os elementos da população são muito diferentes entre si. </li></ul></ul></ul>
  19. 19. Metodologia <ul><ul><ul><li>Censo – Como Fazemos? </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Segmentamos o setor e identificamos as empresas de cada elo: recicladores e aplicadores; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Localizamos cada uma das empresas do setor e as contatamos pessoalmente ou por telefone; foram entrevistadas 462 empresas, distribuídas assim: </li></ul></ul></ul>Estado No. Contatos Estado No. Contatos Estado No. Contatos AM 4 MS 1 RJ 32 BA 9 MT 3 RN 3 CE 8 PA 1 RO 1 DF 1 PB 2 RS 38 ES 15 PE 11 SC 45 GO 13 PI 2 SE 3 MG 24 PR 26 SP 183
  20. 20. Reciclagem de PET no Brasil – 2008 A Origem do PET Reciclado
  21. 21. A Origem do PET Reciclado
  22. 22. A Origem do PET Reciclado
  23. 23. A Origem do PET Reciclado
  24. 24. Fonte: The Council for PET Bottle Recycling Japão
  25. 25. A Origem do PET Reciclado
  26. 26. O Destino do PET Reciclado – Visão do Aplicador/Usuário
  27. 27. O Destino do PET Reciclado – Visão do Aplicador/Usuário
  28. 28. <ul><li>Obrigado! </li></ul><ul><li>www.nousconsulting.com </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>lfraga@usp.br </li></ul>

×