anos, era Capitão e Ajudante       uma canção e tomar parte num
do Regimento. Era perito em        concerto ou numa ópera,...
o macaco» que veio a ser o seu
ditado preferido.
   Pôs um chapéu de «cowboy»
pela primeira vez na operação
dos Ashanti e ...
deveres tinham o privilégio de       nizar uma frente militar pronta                                          depois da gu...
sea, com duas dezenas de rapa-      O número cresceu depressa -                                          quando falava nos...
por exemplo, passeava com       Ocupou-lhe muito tempo e
os     seus    cães      pelo   deu-lhe    oportunidade     de
ac...
1925- Sai o primeiro número da revista   1983 -60.° Aniversário do C.N.E., em que
«FLOR DE LIS». 1929 -B.P. recebe        ...
-4 de Abril de 1929-Prin-            -21 de Junho de 1963-Inau-
                                         cipia em Coimbra ...
- 29 de Novembro a 1 de                                                                                 Sobrepõe-se à Flor...
bandeira, sendo a largura
                                       correspondente à de um
                                  ...
gna-se por um número de ordem        - Os Agrupamentos extintos,
de filiação, dado pela Junta      quando reactivados, man...
- As Unidades têm uma            pamento, desempenhando as
lumeração de base regional.        funções técnico-pedagógicas ...
- Flor de Lis e Cruz de Cristo      No entanto outros distintivos       Quanto ao uniforme, poderás
                      ...
EXEMPLOS:                        de e porque exemplifica que
   Um Pioneiro bem unifor-          estão Sempre Alerta para ...
em duas tábuas de pedra para que        6. - Guardar castidade nas pa-
as mostrasse a todo o povo. E todo            lavra...
quot;Pai Nossoquot; pedimos que o nome       vida nem contra a do próximo,
de Deus seja bendito e louvado.      ou pô-la e...
8.° - S. Paulo escreveu aos   mesmo tempo que trabalhamos
Gaiatas, dizendo: «Se vós,       com diligência para melhorar a
...
Do mesmo modo, os Escu-          3.°- O Escuta é útil e pratica   Significa ainda comprometer-se,    porto. De repente um ...
O herói desta história foi um   nimato, como o jovem herói da                                           5.° - O ESCUTA É D...
delas precisasse, para a sua      uso das suas criaturas, por um
sobrevivência, dando por meio     animal que maltratamos,...
10.° - O ESCUTA É PURO          PRINCÍPIOS DO ESCUTA
NOS PENSAMENTOS, NAS
                                       1.°- O Es...
3.° - O DEVER DO ESCU-               Pouco vale sermos bons para
TA COMEÇA EM CASA : -                 os outros, se somos...
saber há duas maneiras de o         ta na ponta mais fina enfias na   consiste em voltar a extremi-
                      ...
Denomina-se Grupo Pioneiro         - Cada Grupo de Pioneiros
a Unidade formada pelas Equipas     tem de duas a cinco Equip...
- Cada Equipa é efectiva-           - Cada Equipa designa-se pelo         - Os Guias têm voto deli-    ves razões de ordem...
cozinha, Relações públicas,
                                 Animador, Socorrista.
                                   - O ...
Se as motivações podem ser,        - Espírito comunitário -     Quer um mundo novo, uma             ousadia e aventura, no...
criação e desenvolvimento de
novos espaços, na construção de
um novo mundo, para uma vida
melhor.
   No Escutismo, os Pion...
esquerda da camisa, junto à           3.quot; Etapa de Progresso -
costura do ombro.                   Ouro/Animação

    ...
Propõe assim a definição de      criarem um projecto, proceder à
um cargo para ti, de modo a que     escolha do melhor no ...
AOS OUTROS, pois só somos            Deixamos aqui umas palavras
verdadeiramente felizes quando    do nosso Fundador sobre...
PLANO:                             FASES DO EMPREENDI-             Para este, deverão ter em
                             ...
se vão escolher todos os recur-     4.a fase - AVALIAÇÃO/
sos necessários, para o seu       CELEBRAÇÃO
desenvolvimento. Ta...
D. João IV governar o Brasil,       nome de Apostolinho, alusão ao        Nas costas da Guiné houve
onde faleceu.         ...
bre a terra nua ou, quando muito,      Mais tarde conduziram João        Pouco tempo depois, uma         voltou-se contra ...
Foi a sentença executada a 4 de      terceiro golpe lhe desprende
Fevereiro de 1693, perto de          inteiramente a cabe...
Até aqui éreis uma esperança.                                       Chefe:
A partir de agora sois quase uma               ...
Manual Da Adesão
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Manual Da Adesão

4.614 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Manual Da Adesão

  1. 1. anos, era Capitão e Ajudante uma canção e tomar parte num do Regimento. Era perito em concerto ou numa ópera, como exploração e espionagem; tanto de pintar um cenário ou desenhar assim que foi autoridade os populares, reconhecida nestes assuntos. O regimento deixou a índia Como desportista notabilizou- em 1884 e no regresso a via- -se na montaria ao javali - gem foi interrompida no Natal desporto arriscadíssimo mas (território da África do Sul) muito apreciado pela equitação porque se receava um conflito Panzi» - o homem que se deita e pela perspicácia que exige no com os Boers. Foi durante esta para disparar- significando que seguimento das pistas. Muitas primeira visita àquela região que ele tinha cuidado ao apontar ou vezes vagueava sozinho pelas BP entrou em contacto com os pensava antes de agir . regiões mais silvestres, obser- Zulus- Começou então a colher Em seguida fez serviço em vando os animais e aprendendo- informações secretas, disfarçado Malta e simultaneamente foi -lhes os costumes. em jornalista. nomeado Oficial de Infor- Isto obrigou-o a uma marcha de Como passatempo, estava Em 1887 foi de novo para a mações para o Mediterrâneo. cerca de 150 milhas através de sempre desejoso, tanto de cantar África como Ajudante de Isto deu-lhe mais aventuras densos bosques e florestas e a campo de seu tio, que era como espião e ensinou-lhe ainda atravessar numerosos rios. Nesta Governador da Província do mais de exploração. expedição o trabalho de B.P. era Cabo. B.P. satisfez o seu Em 1893 foi escolhido para a exploração e o pioneirismo; primeiro desejo de serviço uma missão especial contra os assim aprendeu a maneira prá- activo numa campanha contra Ashanti. tica e útil de construir pontes. os Zulus. Foi então que ouviu o coro «Ingoniama» cantado O rei nativo estava a pertur- Foi quando estava no Oeste por uma coluna de Zulus em bar a ordem e foi enviada uma Africano que ouviu o ditado: marcha. Os nativos deram-lhe expedição para a restabelecer. «devagar devagarinho se apanha o nome «M'hlaha
  2. 2. o macaco» que veio a ser o seu ditado preferido. Pôs um chapéu de «cowboy» pela primeira vez na operação dos Ashanti e os nativos cha- maram-lhe, por isso, «Kan- tankye » ou « chapéu grande». Terminada a expedição, foi encarregado da exploração. A promovido a Coronel e pouco sua tarefa não era nada fácil pois cavam com toda a espécie de Procurou que os seus soldados depois punha-se a caminho do tinha de descobrir o paradeiro torturas, se lhes viesse a cair nas encontrassem a felicidade mes- que ele dizia ser «a melhor do inimigo e o que era mais mãos. mo nas dificuldades e procurou aventura da minha vida...» a difícil, como atingir as suas Muitas das suas experiências conquistar-lhe rapidamente a guerra dos Matabeles. fortalezas. Perdeu muitas noites de observação e dedução, bem confiança, A terra de Matabeles é ago- nas expedições de exploração como muitos dos episódios que Mas a sua realização mais ra conhecida por Zimbabwe mas era tão bem sucedido que viveu foram por ele mais tarde importante foi nos métodos de (antiga Rodésia). Estava então quase sempre guiava os soldados aproveitados na educação dos treino. Porque a achava im- ainda pouco explorada, por aí para o lugar ideal para o ataque. jovens Escuteiros. portante, procurou que a ex- Desenhou mapas absolutamente A missão que em seguida lhe ploração se tornasse popular. haver poucos colonos brancos. correctos, de grande valor. Foi foi confiada foi o comando do Os homens eram divididos em Os nativos tinham-se sublevado durante esta campanha que ele Regimento de Dragões 5, então pequenas unidades de meia dúzia e massacraram alguns colonos se tornou conhecido como um em serviço na índia. Foi com -o que nós depois no Escutismo brancos e fugiram depois para grande explorador. Os Mata- pena que deixou o seu velho chamaríamos de Patrulhas-sob as montanhas. Ali havia lugares beles chamaram-lhe «Impisa» regimento; mas lançou-se no o comando de um deles-o nosso difíceis de atingir, pois as suas que quer dizer «o lobo que não novo trabalho com todo o seu Guia de Patrulha. Aqueles que grandes rochas ofereciam mui- dorme». Sabia que gritavam habitual entusiasmo e eficiência, melhor desempenhassem os seus tos e bons abrigos. B.P. foi com ódio o seu nome e o amea-
  3. 3. deveres tinham o privilégio de nizar uma frente militar pronta depois da guerra; e prestaram usar uma insígnia especial - Flor para qualquer emergência. excelentes serviços, graças ao de Lis - que na bússola indica o Quando a guerra estalou estava treino que B.P. lhes deu em rumo Norte. ele em Mafeking com parte das disciplina e responsabilidade. Em 1899 B.P. regressou a suas forças. Quase ao mesmo Bem organizada a P.M.S.A., casa, mas logo se lançou noutro tempo, um exército Bóer de 9000 voltou à Inglaterra para outra empreendimento. Trouxera con- homens pôs cerco à pequena importante tarefa: tinha sido sigo da índia o manuscrito de um cidade. Não se pode contar aqui, nomeado Inspector Geral de pequeno livro chamado «Aids to em tão pouco espaço, a história Cavalaria. De novo encetou mais Scouting» (Auxiliar do do famoso cerco; contudo é justo esta carreira com a dedicação e Explorador) que continha as salientar que foi nele que o nome suas missões. Viu que, se lhes prespicácia habitual para elevar palestras que fizera aos soldados, de B.P. galgou as fronteiras de fosse confiada qualquer res- o nível da Arma de Cavalaria do com muitos exemplos de todos os países, tornando-se ponsabilidade, eles se sairiam seu país. observação e dedução. conhecido em todo mundo, pois bem em qualquer ocasião. Outro facto, entretanto, lhe Ainda antes que o livro fosse defendeu a cidade durante 217 Como reconhecimento do seu tinha chamado a atenção: vira publicado já ele estava de novo a dias das poderosas forças empreendimento em Mafeking, que o seu pequeno livro «Aids caminho da Africa do Sul, onde inimigas e foi graças à sua alegria B.P. foi promovido a Major-- to Scouting» tinha sido adopta- se preparava uma guerra com os e à sua desenvoltura (ao seu General sendo o mais novo do do como compêndio na edu- Boers. A sua missão era orga- «desenrascamento») que a cidade Exército, e herói do Reino cação da juventude. O fundador não foi tomada. Para os Unido. da Brigada dos Rapazes, «Sir» Escuteiros quot;Mafekingquot; tem uma Foi-lhe então confiada a William Smith, pediu-lhe que grande importância. Os rapazes importante tarefa de organizar a adaptasse os métodos de ex- da cidade foram organizados num Policia Montada Sul Africana. ploração à formação dos jovens. corpo, de mensageiros e B.P. Era um corpo de homens va- B.P. estudou um plano e em impressionou-se pela maneira lentes, fundado para ajudar na 1907 fez um acampamento como eles levavam a cabo as reconstrução do Sul africano experimental na ilha de Brown-
  4. 4. sea, com duas dezenas de rapa- O número cresceu depressa - quando falava nos Jamborees. zes de todas as classes. Este pelos fins de 1908 havia uns Algumas das suas declarações acampamento foi tão bem su- 60.000 Escuteiros - e B.P. teve felizmente foram gravadas e cedido que resolveu escrever que se esforçar muito para con- poderá ser que o teu Chefe tudo o que tinha ensinado à volta seguir insígnias, uniformes, consiga ainda arranjar uma do «Fogo de Conselho». Assim cartões de alistamento, etc. dessas gravações. nasceu o «Escutismo para Ra- E impossível, por falta de es- B.P. era uma figura magra, pazes». Foi primeiro publicado paço, fazer aqui uma discrição franzina, mas se o visses certa- em fascículos quinzenais, nos pormenorizada da expansão do mente te admirarias da sua bela primeiros meses de 1908. Os Escutismo no mundo, assim Todavia será útil dizer uma cabeça e dos seus olhos bastante rapazes buscavam-no por toda a como do admirável trabalho de palavra acerca de B.P. Afinal expressivos. Era um homem so- parte e rapidamente formaram B.P. pela juventude, nas suas que tipo de homem era ele? ciável e muitos Escutas se Patrulhas com os seus amigos. viagens pelo globo. Todos os que lerem estas lembram ainda com saudades fichas nunca o viram, nem das conversas tidas com ele nos ouviram a sua possante voz Jamborees. Em Gilwell Park,
  5. 5. por exemplo, passeava com Ocupou-lhe muito tempo e os seus cães pelo deu-lhe oportunidade de acampamento. E os Escutas admi¬rar a natureza - um dos depressa viam com maiores prazeres da sua vida. profunda amizade a sua Possuía um grande presença. Era um homem conhecimento da vida da simples no seu modo de natureza, sobretudo da vida viver. Dormia numa dos animais,e nos últimos varanda durante quase todo anos, quando já tinha poucas o ano,levantava-se muito forças e por isso não podia ir cedo, praticava exercícios visitar os seus Escutas, de ginástica e depois dava dedicava-se ao estudo um passeio com os seus dosanimais selvagens e 1907-Acampamento na ilha 1916-Início oficial do Lobitismo. Apa- cães antes do almoço. pintava quadros que focavam Brownsea - o 1.° Acampamento rece o livro «Manual do Lobito». Poucos homens terão aspectos da vida desses - Os nomes das Patrulhas eram: Cor- 1918-Início oficial do Caminheirismo. trabalhado tanto como ele. animais.Os últimos anos vos, Touros, Maçaricos e Lobos 1919-Abertura do Campo Escola Inter- Mantinha uma assídua passou-os no Quénia onde 1908-Publicação do «Escutismo para nacional de Dirigentes, em Gilwell correspondência, mas nunca veio a falecer no dia 8 de Rapazes» Park. se esquecia dos velhos Janeiro de 1941,aPós uma 1909-Primeira concentração de 11.000 Escutas em Crystal Palace-Londres 1920-Primeiro Jamboree Mundial, em amigos quando procurava vida de inteira dedicação aos Olímpia, Londres. -B.P. é 1910-A instância do Rei Eduardo VII, adquirir outros.A pesca era jovens. B.P. deixa o exército para se de- aclamado Chefe Mundial. - o seu desporto favorito. dicar inteiramente ao Escutismo. Fundação do Secretariado Mun- 1911-Dão-se os primeiros passos do dial. Escutismo em Portugal. 1923 - (27 de Maio) - Fundação em Bra- 1912- Funda-se em Lisboa a Associação ga, do C.N.E. pelo Arcebispo de dos Escoteiros de Portugal (A.E.P.). Braga, D. Manuel Vieira de Matos.
  6. 6. 1925- Sai o primeiro número da revista 1983 -60.° Aniversário do C.N.E., em que «FLOR DE LIS». 1929 -B.P. recebe é declarado de Utilidade Pública. a honra do baronato, com o nome de 1985 -Há mais de 26 milhões de Escu- Lord Baden-Powell ofGilwell. -B.P. teiros e Guias em todo o mundo. visita Portugal. -Jamboree de Arrowe 1993-Comemorações dos 70 Anos do Park. 1934 -B.P. visita Portugal pela C.N.E. segunda vez. 1941 -(8 de Janeiro) - Morre B. P. no Quénia, África. 1957 -Ano Jubilar - Centenário do nascimento de B.P. - Cinquentenário do Movimento Escutista no Mundo. -9.° Jamboree Mundial. 1973 -50.° Aniversário do C.N.E. Registamos aqui alguns fac- SCOUTS CATÓLICOS POR- -14.° Acampamento Nacional em Leiria. 1982 -Ano Mundial do tos no decorrer dos 70 anos de TUGUESES, em Braga, Escuteiro. vida do C.N.E. - Aprovação dos Estatutos do - 27 de Maio de 1923 - C.S.C.P. pelo Governo Civil de Fundação do CORPO DE Braga.
  7. 7. -4 de Abril de 1929-Prin- -21 de Junho de 1963-Inau- cipia em Coimbra o 1.° Con- guração oficial do Campo Escola gresso Nacional de Dirigentes. Nacional Calouste Gulbenkian, - 2 de Maio de 1929 - em Fraião - Braga. Admissão do C.N.E. no Bureau -15 de Agosto de 1966-1.° Mundial de Escutismo. Encontro Nacional de Diri- - 29 de Junho de 1932-0 De- gentes, em Fátima. creto n.° 21434 regulariza a Orga- - 9 de Março de 1975 - nização Escutista de Portugal. Aprovação de novos Estatutos - 26 de Novembro de 1923 - - 13 de Agosto de 1936 - A Organização Escutista de Portugal do C.N.E., no Conselho Na A portaria 3824 aprova os é extinta pela Portaria n.° 8488. cional, em Fátima. Estatutos do C.S.C.P. - 9 de Maio de 1950 -Apro- -16 de Dezembro de 1982 - - 26 de Maio de 1924 - Publicação do Decreto n.° 9729 vação de novos Estatutos do Corpo O C.N.E. é condecorado pelo que confirma a aprovação já Nacional de Escutas e Publicação Ministro de Qualidade de Vida dada em Portaria, dos Estatutos de novo Regulamento Geral. com a «MEDALHA DE BONS referidos e alarga a todo o território -24 de Setembro de 1950 - SERVIÇOS DESPORTIVOS». nacional o âmbito da associação. O C.N.E. é condecorado com a - 3 de Agosto de 1983 - O - Fevereiro de 1925 - Sai o «MEDALHA DE OURO DO C.N.E. é declarado de UTI primeiro número da revista TIRADENTES» da União de LIDADE PÚBLICA, conforme «FLOR DE LIS». Escoteiros do Brasil. despacho do Primeiro-Ministro, - 25 de Fevereiro de 1925 - -5 de Novembro de 1950 - - 31 de Janeiro de 1985 - publicado no Diário da Re Lavrada a Escritura dos Esta- O Decreto n.° 10589 aprova os A Sede Central do C.N.E. é trans- ferida de Braga para Lisboa. pública, II série, n.° 177 (Des tutos do C.N.E, no 11.° Cartório Estatutos do Corpo de Scouts Católicos Portugueses. - 19 a 25 de Setembro de pacho de 20 de Julho de 1983) Notarial de Lisboa - 15 de Março de 1925 - É 1961 - Conferência Internacional -l de Março de l984- Entra -12 a 18 de Abril de 1986- aprovada a nova redacção do do Escutismo, no Seminário dos em vigor o novo Re-gulamento Conferência Europeia do Es- Regulamento Geral do C.N.E. Olivais, em Lisboa. Geral do C.N.E. cutismo e do Guidismo, em Ofir.
  8. 8. - 29 de Novembro a 1 de Sobrepõe-se à Flor de Lis uma Dezembro de 1986 - 1.° Con- Cruz de Cristo, que nos recorda gresso do Escutismo Católico a dimensão cristã e o ideal de Português «Que Escutismo para Jesus. Tem por baixo um listei, o ano 2000?». também amarelo-ouro com a - 7 de Maio de 1988 - Inau- palavra ALERTA debruada a guração do Centro de Formação preto, com a forma de um sor- de São Jacinto -Aveiro. riso, lembrando-nos que o - 28 de Maio de 1989 - «Escuta tem sempre boa dis- Inauguração da Sede Nacional do posição de espírito.» C.N.E, na Rua D. Luís I, 34 - Alerta é a divisa do Escuteiro, Lisboa. que deve estar sempre alerta - Concessão ao C.N.E da tanto física como mentalmente, quot;MEDALHA DE HONRA DA isto é, sempre alerta para servir CIDADE DE LISBOAquot;. e ajudar o próximo. O C.N.E tem uma insígnia - 26 de Maio de 1990 - Tal como S. Jorge, pronto a própria que o distingue, é a Flor Inauguração do novo espaço do combater o dragão do mal. de Lis. Esta era usada anti- D.M.F. gamente nas cartas de marear -4 a 11 de Agosto de 1992- ração da quot;ORDEM DO MÉRI- para indicar o norte, que a nós AS BANDEIRAS DO C.N.E. XVIII ACANAC no Palheirão, TOquot;, é publicado no Diário da Re- indica o caminho de bem, para com cerca de pública n.°257-IIsériede 6-11-92. o alto, para Deus. 1 - A Bandeira Nacional do lO.OOOparticipantes, sob o tema -28,29 e 30 de Maio de 1993 - A Flor deLis é de côr ama- C.N.E. é constituída por um geral: quot;A Fronteira do Homemquot;. 70 anos do C.N.E., na feiradas relo-ouro, cujas três pétalas nos campo verde dividido ao alto e a - 17 de Julho de 1992 - regiões em Vila Nova de relembram os Princípios do toda a extensão da largura pela Famalicão. Escutismo e a nossa Promessa. Cruz da Fundação em azul, com Publicação do Alvará da condeco-
  9. 9. bandeira, sendo a largura correspondente à de um canto do campo verde, ou seja, 0,30 m ou um terço da altura total da bandeira, com a cruz azul sobreposta, com uma largura de 17cm. d) Flor de Lis (da insígnia asso- abertura de uma cruz a branco, ciativa) : 0,57 m x 0,36 m. sobre a qual assenta a insígnia e) Cruz de Cristo (da insígnia associativa; no canto superior associativa) 0,22m x 0,22m, esquerdo do campo verde, junto sendo a largura das hastes à tralha, encontra-se a inscrição igual a um terço do total. «CORPO NACIONAL DE f) Listei amarelo da divisa ESCUTAS», em branco, de- «ALERTA»(dainsígnia asso- bruado a preto. ciativa): 38 cm x 57 cm, ten- 2 - A Bandeira Nacional do do as letras da divisa 5 cm. C.N.E. tem as seguintes g) Inscrição «CORPO NA- medidas: CIONAL DE ESCUTAS» a) Medidatotal: U0mx0,90m a toda a extenção do canto b) Cada canto do campo ver- superior esquerdo, tomando de: 0,30 m x 0,50 m. a mediana horizontal deste c) Cruz da Fundação: assente canto com base das letras e em fundo branco a toda a medindo estas 8 cm de O Agrupamento é a estrutura - Cada Agrupamento exerce altura e comprimento da altura. básica do C.N.E., tendo por a sua acção, em princípio, na função enquadrar e realizar o área de uma Paróquia. Escutismo a nível local. - Cada Agrupamento desi-
  10. 10. gna-se por um número de ordem - Os Agrupamentos extintos, de filiação, dado pela Junta quando reactivados, mantêm o Central, e pelo nome do respec- mesmo número de ordem. tivo Patrono (Santo da Igreja, -A fundação de Agrupa- Benemérito da Humanidade ou mento é da iniciativa da Junta Herói Nacional). Regional a quem compete no- - Os números de ordem do mear os respectivos Dirigentes Agrupamento constituem uma e emitir os regulamentos e série única nacional. instruções necessárias. - A fundação de Agrupa- Unidades: mentos carece do parecer fa- a) Alcateia vorável da competente autori- b) Grupo Explorador dade eclesiástica. c) Grupo Pioneiro d) Clã - O período de formação de Agrupamentos é de 1 a 3 anos. - Um Agrupamento não pode - O Agrupamento é composto ter mais de duas Unidades em por uma ou mais das seguintes cada Secção.
  11. 11. - As Unidades têm uma pamento, desempenhando as lumeração de base regional. funções técnico-pedagógicas que -As Unidades extintas, quando o Chefe do Agrupamento lhes eactivadas, mantêm o mesmo cometer. íúmero de ordem. - Os Caminheiros (com insí- -A orientação pedagógica da gnia de ligação) e aspirantes a Jnidade está a cargo da Equipa Dirigentes em serviço na Unidade ie Animação, constituída pelo participam, com voto consultivo, 2hefe da Unidade, Adjunto e os nas reuniões da Equipa de Ani- instrutores em serviço na mesma. mação. - O Chefe da Unidade é - A assistência religiosa e os iesignado pelo Chefe do Agru- serviços administrativos e finan- jamento e responsável perante ceiros da Unidade competem ao i Direcção do Agrupamento. Assistente, ao Secretário e ao Te- - Os Instrutores constituem soureiro de Agrupamento, res- im quadro único a todo o Agru- pectivamente. Os Dirigentes do teu Agru- identificam o seu cargo no pamento, usam um distintivo de Agrupamento, função, constituído por um Este distintivo é colocado na losango cuja côr e composição manga esquerda da camisa, a
  12. 12. - Flor de Lis e Cruz de Cristo No entanto outros distintivos Quanto ao uniforme, poderás sobre fundo verde, para Chefes farão parte do teu uniforme e que ver a maneira correcta de o usar de Unidade. são comuns a todos os Escuteiros: no Regulamento Geral do C.N.E. - Flor de Lis e Cruz de Distintivo Mundial - quot;Beretquot; No entanto, deverás saber as Jerusalém sobre fundo verme Distintivo Regional - Lenço. razões de se usarem certas peças lho, para Secretário e/ou Te Distintivo de Agrupamento - e também o seu simbolismo. soureiro de Agrupamento. manga direita. - Flor de Lis e Cruz Flor de Finalmente tens os distintivos Lisada sobre fundo vermelho, que só os Pioneiros podem usar: para Assistente de Agrupamento. Insígnia de Promessa (bolso Os Chefes Adjuntos, usam esquerdo) um distintivo igual ao do Chefe Distintivo de Equipa (manga esquerda) de Agrupamento, Secção ou ao Noites de Campo (por cima Assistente e os Instrutores usam do bolso direito) apenas o lenço verde, sem qual- Estrelas de Serviço (por cima quer distintivo de função. do bolso esquerdo) - uso Estes são os distintivos de facultativo cargo dos teus Dirigentes. um terço da distância entre a Distintivo de Função (bolso costura do ombro e o cotovelo, esquerdo) medida a partir da primeira. Etapas de Progresso (manga esquerda) - 2 cm abaixo do Os distintivos são: distintivo de equipa - Flor de Lis e Cruz de Cristo Insígnias de Competência sobre fundo vermelho, para (manga direita) abaixo do distin- Chefe de Agrupamento. tivo do Agrupamento.
  13. 13. EXEMPLOS: de e porque exemplifica que Um Pioneiro bem unifor- estão Sempre Alerta para qual- mizado usa calças compridas, quer trabalho que surja. É pois, saias ou calções. No entanto, em um símbolo exterior de dis- actividades deverás usar calção, ponibilidade. A camisa pode porque durante uma chuvada, as ainda ser utilizada como mo- calças começam a prender os chila e com duas varas é fácil movimentos, tornando-se mais improvisar uma maca. pesadas e colando-se ao corpo. Preocupa-te em teres sempre Deves usar meias até aos o teu uniforme com os distin- joelhos, porque além destas te tivos nos sítios correctos, para aquecerem ajudando a circula- que todos os Escuteiros saibam ção sanguínea, protegem-te dos qual o Agrupamento e Região a arbustos. que pertences, bem como a tua O lenço, além de proteger o Equipa, a tua função e o teu grau pescoço dos raios solares, poderá de evolução. ser usado como banda triangular em socorrismo, disfarces, ban- deira improvisada, etc. A camisa, melhor que um abrigo dá liberdade à garganta e braços, e é fresca. Os Escuteiros Subiu um dia, Moisés ao Monte casa da servidão. Não terás outro usam as mangas da sua camisa do Sinai e Deus disse-lhe:« Eu Deus senão a mim ». arregaçadas, acima dos coto- sou o Senhor teu Deus, que te E ditou-lhe os Dez Manda- velos, para uma maior liberda- libertou da terra do Egipto, da mentos. Depois deu-lhe os escritos
  14. 14. em duas tábuas de pedra para que 6. - Guardar castidade nas pa- as mostrasse a todo o povo. E todo lavras e nas obras. o povo prometeu cumprir tudo o 7.° -Não furtar (nem injusta- que mandava o Senhor. mente reter ou danificar os bens do próximo). 8.° -Não levantar falsos teste- Estes Dez Mandamentos munhos (nem de qualquer encerram-se em dois que são: outromodo faltara verdade Amar a Deus sobre todas as ou difamar o próximo). 9.°-Guardar castidade nos coisas e amar o próximo como a pensamentos e nos desejos. nós mesmos. 10.°- Não cobiçar as coisas l.° - Existe um só Deus que alheias. criou todas as coisas. O primeiro dever do Homem consiste em dar-lhe glória, em reconhecê-lo 1.° -Adorar a Deus e amá-lo como seu Deus e prestar-lhe o sobre todas as coisas. culto devido. 2.° -Não invocar o santo nome 2.°-Manda-nos honrar o Seu de Deus em vão. santo nome. Quando rezamos o 3.°-Santificar os Domingos e Festas de Guarda. 4.° - Honrar pai e mãe (e os ou- tros legítimos superiores). 5.°-Não matar (nem causar outro dano, no corpo ou na alma, a si mesmo ou ao próximo).
  15. 15. quot;Pai Nossoquot; pedimos que o nome vida nem contra a do próximo, de Deus seja bendito e louvado. ou pô-la em perigo. Lembra-te da Antes de fazermos um voto, ira de Deus perante o crime de devemos pensar bem e pedir Cain que matou o seu irmão Abel. conselho. 6.° - Deus deu aos nosso, 3.° - Neste Mandamento pres- primeiros pais o seguinte Man- creve-se quando devemos tributar damento: quot;Crescei e multiplicai- a Deus o culto público. Diz a Bí- -vosquot; e para que o pudessem blia quot;Deus repousou no sétimo dia cumprir dotou-os das qualidades do trabalho realizado abençoou-o e do Corpo e da Alma. Estabele- santificou-oquot;. Génesis 2,1-3. ceu que a procriação dos filhos 4.° - Jesus ensinou-nos com o seu exemplo como devemos Honrar, Amar e Obedecer aos nossos pais. Devemos honrar os nossos pais porque, depois de Deus, devemos-lhe a vida e representam Deus. Conta-nos Lucas que quot;Jesus se faria na união do homem e mu- criados devem chegar com desceu com eles (José e Maria) e lher - no matrimónio - instituído igualdade às mãos de todos, foi aNazaré, e era-lhes submissoquot;. por Deus já no paraíso terrestre. segundo a regra da justiça, 5.°-Apenas Deus é o Senhor 7.° - Deus destinou a terra e inseparável da caridade. da vida humana: compete aos tudo o que ela contém para uso A justiça deve acompanhar homens respeitá-la. Não pode- de todos os homens e de todos os sempre o Amor. E o Amor não mos atentar nem contra a nossa povos, de sorte que os bens deve destruir a Justiça.
  16. 16. 8.° - S. Paulo escreveu aos mesmo tempo que trabalhamos Gaiatas, dizendo: «Se vós, com diligência para melhorar a porém, vos mordeis e vos nossa situação actual, com o devorais uns aos outros, vede coração aberto às necessidades não vos consumais uns aos dos outros. outros». Neste Mandamento proibe- -se a mentira e manda-se respeitar o bom nome do próximo. 9.° Tal como a Lei do Escuta que nos diz: «O Escuta é puro nos pensamentos, palavras e acções», assim, este Manda- mento nos manda controlar os maus pensamentos, evitar os palavrões e as asneiras, bem como os desejos pecaminosos que mancham a alma do Escuteiro. Para poder viver em socie- regras, leis e princípios que 10.° - O Décimo Mandamen- dade, em plena harmonia com lhe permitissem viver em to manda-nos viver desprendi- todos, desde cedo o homem convívio salutar com os dos dos bens materiais, ao sentiu necessidade de criar outros.
  17. 17. Do mesmo modo, os Escu- 3.°- O Escuta é útil e pratica Significa ainda comprometer-se, porto. De repente um grito ele- teiros têm também as suas leis e diariamente uma Boa responsabilizar-se, cumprir com vou-se das águas escuras: uma princípios, pelos quais regem a Acção; seriedade o seu dever. mulher afogava-se. O jovem sua vida, visto formarem um 4.°- O Escuta é amigo de todos Ser digno de confiança quer localizou a infeliz, atirou-se à grupo dentro da sociedade e irmão de todos o° , dizer ser Homem de uma só moderna que, pelas suas carac- outros Escutas; palavra, não fazer promessas que água escura e fria, nadou, lu- terísticas muito próprias, têm de 5.°- O Escuta é delicado e não possa cumprir e uma vez tou, até conduzi-la ao cais. Os ter também regras que os respeitador; feitas, não as esquecer. transeuntes acorreram e agru- definam como membros de um 6.°- O Escuta protege as plan- Significa ser pontual às reu- param-se em redor da vítima do mesmo grupo. tas e os animais; niões e a todo e qualquer en- acidente. Esta recuperou os Assim deves saber os nossos 7.°- O Escuta é obediente; contro combinado. Ser honesto, sentidos e procurou em vão o códigos, perceber o que eles te 8.°- O Escuta tem sempre boa recto, sincero e franco. seu salvador. Tinha desapa- pedem e viveres a tua vida disposição de espírito; recido. Preferiu ficar no ano- 9.°- O Escuta é sóbrio, eco- 2.° - O ESCUTA É LEAL : Princípios. nómico e respeitador do nimato.quot; - Lealdade é fidelidade. bem alheio; Serás fiel ao cumprimento da 10.°- O Escuta é puro nos pen- Lei, fiel aos deveres, leal aos samentos, nas palavras e pais, amigos, Chefes, etc. To- nas acções. dos poderão confiar em ti, pois sabem que o Escuta cumpre a sua palavra. l.°-A HONRA DO ESCUTA INSPIRA CONFIANÇA: - quot;Dar a palavra de honraquot; 3.° - O ESCUTA É ÚTIL E consiste em não mentir, não fa- PRATICA DIARIAMENTE segundo essa mesma Lei e zer nem pensar nada às escon- UMA BOA ACÇÃO : - quot;Chovia didas, agir sempre, quando sós, torrencialmente. Um jovem ca- 1.°- A honra do Escuta inspira confiança; 2.°- O Escuta é leal; como se estivermos em público. minhava nos arredores de um
  18. 18. O herói desta história foi um nimato, como o jovem herói da 5.° - O ESCUTA É DELI- jovem Caminheiro que, cheio história. CADO E RESPEITADOR: - de coragem arriscou a vida BADEN-POWELL diz-nos: quot;O tentando salvar um ser humano. 4.°-O ESCUTA É AMIGO Escuta é delicado para com Uma extraordinária Boa Acção. DE TODOS E IRMÃO DT todos, especialmente para com Mas nunca poderá haver gran- TODOS OS OUTROS as mulheres, crianças, pessoas des Boas Acções se não nos ESCUTAS : - A grande força idosas, inválidas e doentes. Não prepararmos diariamente com internacional do Escutismo é que receberá qualquer recompensa uma pequena Boa Acção. Cada todos somos irmãos, sem dis- pelos serviços prestadosquot;. uma dessas pequeninas Boas tinção de raça, cor, naciona- Este artigo sugere-nos que Acções diárias é um degrau na lidade e classe social. Todos tenhamos um carácter equili- escada da caridade. pertencem à Grande Família Es- brado, nunca brusco, nem Não se pedem coisas extraor- cutista. Sempre que encontres, violento. Amabilidade e deli- dinárias, mas pequenos actos que cadeza, simplicidade de coração ajudem os outros e te deixem e atitudes, ser compreensivo, mais feliz contigo próprio. A saber colocar-se na situação dos melhor maneira de sermos outros e procurar o interesse, o algum Escuta, mesmo que não o felizes é fazermos felizes os bem e a felicidade deles. conheças saúda-o e prontifica-- outros. te a ajudá-lo. As actividades Escutistas têm Com as outras pessoas, deves 6.° - O ESCUTA PRO- por finalidade preparar o Escuta ser amigo, não ofender ninguém TEGE AS PLANTAS E OS para torná-lo útil ao próximo em e saber perdoar as ofensas. Há ANIMAIS: - Deus criou todas qualquer circunstância da vida e tanta guerra no mundo, sejamos as coisas deste mundo para que isto sem pensar em recompensas, os mensageiros da Paz e o mun- o homem as governasse, admi- nem aceitá-las. Manter o ano- do tornar-se-à melhor. nistrasse, usasse, sempre que
  19. 19. delas precisasse, para a sua uso das suas criaturas, por um sobrevivência, dando por meio animal que maltratamos, por do Escuta. Obedecer é fazer as Saber dominar os senti- delas Glória ao Senhor do Uni- coisas com ordem e perfeição, mentos da cólera e do aborre- uma planta que ferimos sem é não fazer nada a meias: nem cimento é uma obrigação do verso. Mas o homem não sabe motivo válido. o trabalho diário, nem as Boas Escuta. usufruir, abusa delas e delas Acções, nem as actividades dispõe como tirano e dono abso- 7.° - O ESCUTA É OBE- Escutistas em geral. luto, destruindo e matando, por DIENTE : - Obedece pron- 9.° - O ESCUTA É SÓ- prazer, ou maldade, prevertendo tamente... sem protestar... sem BRIO, ECONÓMICO E 8.°-0 ESCUTATEM SEMPRE os planos de Deus. insistir... sem murmurar, nem RESPEITADOR DO BEM BOA DISPOSIÇÃO DE Lembremo-nos que todos nós sequer mentalmente... essa é a ESPÍRITO: - Ser sempre dono ALHEIO : - Não devo ter temos de dar contas a Deus pelo obedência perfeita, a obediência de si mesmos, ser alegre e feliz e receio de fazer eu próprio por toda a parte encher a vida aquilo que posso comprar, dos outros dum perfume de nem devo deitar fora nada felicidade. que ainda se possa concertar ou utilizar. Cada objecto, por pequeno que seja, representa um valor - um prego, um alfinete, um lápis, - tudo possui uma utilidade, um valor, não só monetário, mas sobretudo o valor do trabalho de quem o fabricou- esse tra- balho devemos respeitá-lo. Devemos ter cuidado com o que é dos outros como se fosse nosso.
  20. 20. 10.° - O ESCUTA É PURO PRINCÍPIOS DO ESCUTA NOS PENSAMENTOS, NAS 1.°- O Escuta orgulha-se da PALAVRAS E NAS ACÇÕES: sua Fé e por ela orienta - O nosso corpo é o Templo da toda a sua vida. nossa Alma e como tal, deve ser 2.°- O Escuta é filho de Portu- respeitado - a nossa Alma é a gal e bom cidadão. imagem de Deus, devemos ve- 3.°- O dever do Escuta come- nerá-la. ça em casa. Ser puro é comprender os dons de Deus e render-lhe homenagem utilizando-os para o fim para que 1.° - O ESCUTA ORGU- Ele nos deu. LHA-SE DA SUA FÉ E POR ELA ORIENTA TODA A SUA VIDA : - Ter fé é conhecer a Deus, saber que nos podemos nossa vida de maneira a sermos Hoje Portugal não é dos dirigir a Ele, com confiança e também amigos d'Ele, cum- maiores, mas sê-lo-á quando amizade, como a um Pai prindo a sua vontade. todos nos esforçamos por o bondoso. valorizar, por o tornar grande. E Ter Fé, não quer dizer 2.° - O ESCUTA É FILHO o Escuta é dos primeiros a papaguear muitas orações, mas DE PORTUGAL E BOM CI- levantar Portugal! É dos pri- sim estarmos convencidos de DADÃO: - Portugal tem uma lon- meiros na obediência aos go- que Deus existe, que nos vê , ga e ilustre história. Foi dos mais importantes países do mundo. vernantes e dos primeiros a sempre, que nos quer ajudar, que é nosso verdadeiro amigo. Mas um país só é grande quando valorizar-se para assim valorizar Por isso, devemos orientar a os seus filhos também o são. Portugal.
  21. 21. 3.° - O DEVER DO ESCU- Pouco vale sermos bons para TA COMEÇA EM CASA : - os outros, se somos maus para Parece-te que possa ser bom Escuta com os nossos. O nosso dever aquele que desobedece aos pais, começa com aqueles que nos trata mal os irmãos, não estuda nem rodeiam. trabalha? NÓ DIREITO nó para atacar os sapatos. Se o - É o nó que serve para ligar fizeres bem feito, os ataca- duas cordas da mesma bitola dores nunca andarão desata- (grossura). É também o melhor cados.
  22. 22. saber há duas maneiras de o ta na ponta mais fina enfias na consiste em voltar a extremi- fazer. A primeira para usar num argola formada com a corda dade para trás e enrolá-la á volta tronco de árvore; a segunda para grossa, pelo lado de baixo, enfiar numa estaca. circulas a corda grossa e vens trilhar a ponta menor, como podes ver no desenho. Repara - É o nó com que os bar- queiros atam uma corda a um mastro ou os agricultores a per- na do porco quando o levam para a feira ou para o matadouro. da corda principal. Vê o dese- que a corda não mexe. Só a nho. Este nó é muito útil para mais fina faz o nó. rebocar ou içar troncos. NÓ DE CORRER - É, como o nome indica, o NÓ DE PEDREIRO nó usado pelos tecelões e usa-se - É um nó que aperta cada Serve para amarrar uma corda para ligar duas cordas de gros- - Usado para segurar a ex- vez mais, à medida que se puxa. a um tronco e é muito útil num sura diferente. É também usado tremidade de uma corda a uma É bom, por exemplo para aper- acampamento. Consiste, todo para fazer rede para pesca ou estaca ou árvore e também para tar um feixe de lenha miúda ou ele, em dar duas voltas ao tron- para o «voley». É fácil de fazer. começo do botão em cruz. um molho de palha. co de modo que a ponta fique Dobras a ponta da corda mais Quanto mais se puxa mais firme Faz-se uma alça numa das trilhada. E quanto mais se puxa grossa que seguras com a mão se torna o nó (mas fica sempre pontas por onde depois se vai mais aperta. Como podes vir a esquerda. Pegando com a direi- fácil de se desfazer). Tudo enfiar a outra ponta.
  23. 23. Denomina-se Grupo Pioneiro - Cada Grupo de Pioneiros a Unidade formada pelas Equipas tem de duas a cinco Equipas. dePioneiros e Equipa de Animação. - As Equipas podem ser - Os Pioneiros organizam-se mistas, caso estejam reunidas em Equipas de 5 a 8 elementos. condições para tal.
  24. 24. - Cada Equipa é efectiva- - Cada Equipa designa-se pelo - Os Guias têm voto deli- ves razões de ordem moral ou mente dirigida por um Guia de nome de um animal ou pessoa berativo; os Sub-Guias, voto pedagógica. Equipa, escolhido pelos seus célebre, cuja silhueta, figura na consultivo, salvo quando subs- - O Conselho de Guias de- membros, com a aprovação do insígnia respectiva e cujas cores tituam os respectivos Guias. libera sobre todos os interesses Chefe de Grupo, que deve pro- distinguem os seus membros. - O Chefe de Grupo tem de caracter geral para o Grupo, movera sua nomeação em Ordem - Cada Equipa adopta um grito direito de veto, mas só o deve como: Gestão; Disciplina; For- de Serviço de Agrupamento. e uma divisa. utilizar em caso de estrita mação; Projectos; Programa- - Para o coadjuvar e substi- necessidade motivada por gra- ção; Etc. - O grito da Equipa só pode ser tuir no seu impedimento, o Guia usado pelos seus membros e serve de Equipa designa um Sub-Guia como sinal de reunião ou acla- de Equipa. mação. -Quando conveniente, pode o - O Conselho de Guias é Chefe de Grupo designar, de entre composto pela Equipa de Ani os Guias de Equipa, um Guia de mação: Chefe, Adjunto, Ins Grupo Pioneiro, que acumula as trutores e pelos Guias e Sub- duas funções. -Guias das Equipas.
  25. 25. cozinha, Relações públicas, Animador, Socorrista. - O Patrono da Secção é S. João de Brito. - A Sede dos Pioneiros è chamada de Abrigo. - As Actividades da Secção designam-se por: Empreendi- mentos. -As deliberações do Con- selho de Guias são registadas em livro próprio e mantidas secretas. O Pioneiro é, por definição, desbravar de áreas ignoradas como - Os cargos da Equipa são: alguém que aceita a insegurança objecto do seu empenhamento. Guia, Sub-Guia, Repórter/Se- como condição de vida, o risco Eis toda uma dimensão de ideal cretário, Guia da Região, Res- como desafio, a busca de novos capaz de alimentar o imaginário ponsável do material, Chefe de rumos como pista a percorrer, o das actividades da III Secção.
  26. 26. Se as motivações podem ser, - Espírito comunitário - Quer um mundo novo, uma ousadia e aventura, norteada Capacidade de organização sociedade nova. pela vontade de aprender e de - Realização consequente vencer. Na descoberta: O Pioneiro descobre que À medida que vai superando pensa, que raciocina, que tem IDENTIFICAÇÃODO dúvidas, incertezas e perigos, o capacidade de querer e de PIONEIRO decidir. Pioneiro vai também descobrindo Na procura: novas situações e novas verdades. O Pioneiro descobre e O Pioneiro, ao deixar a sua No Escutismo, o Pioneiro é experimenta a liberdade res- terra, procura uma nova forma de incentivado à descoberta de si ponsável. Descobre que é vida. próprio. pessoa. à partida, as mais variadas, o Se a descoberta é, por vezes, No Escutismo, o Pioneiro, apelo é constante por um apro- fruto do acaso, ela é, na maior Na acção: tendo deixado de ser criança, fundamento e rectificação cada parte das vezes, o resultado de procura ser diferente, novo. Os pioneiros desempenha- vez maior do porquê deste es- um sério esforço, misto de ram um papel fundamental na forço, o que resultará em per- sonalidades fortes, capazes de enfrentar toda a sorte de pro- blemas. São seu timbre: - Segurança pessoal - Cooperação - Solidariedade - Justiça
  27. 27. criação e desenvolvimento de novos espaços, na construção de um novo mundo, para uma vida melhor. No Escutismo, os Pioneiros são elementos activos na evo- lução/transformação da sua pró- pria personalidade, elemento indispensável na construção duma sociedade renovada, no 1,° - A Rosa dos ventos - respeito das características, Significa a busca, o percorrer complexas mas específicas, novos rumos, a procura do ca- desta idade como: arrojados, minho para ser feliz. apaixonados, dedicados e ávi- 2.° - A Gota de água - dos de perfeição. Simboliza a pureza e a sen- sibilidade. A água ajudou a Simbologia: descoberta do mundo aos - Rosa dos ventos Pioneiros. - Gota de água 3.°-A Machada - É o gosto - Machada Dos distintivos próprios da triangular com 4 cm de lado, os de construir e transformar, cantos arredondados, tendo a tua nova Secção, somente deixar obra feita. É a construção silhueta do animal-totem/pessoa existem três que são exclusivos: Por tudo o que ficou dito a sim- do mundo novo e simultanea- ao centro e as cores convencio- bologia dos Pioneiros, assenta mente da sua própria persona- DISTINTIVO DE EQUIPA nais dispostas em duas faixas em três imagens relevantes: lidade. Este distintivo tem a forma horizontais. É usado na manga
  28. 28. esquerda da camisa, junto à 3.quot; Etapa de Progresso - costura do ombro. Ouro/Animação DISTINTIVOS DE PROGRESSO São circulares possuindo a côr base da Secção, azul, possuindo também um anel de côr bronze, São usados dois centímetros prata ou ouro, consuante o grau abaixo do distintivo de Equipa. de progressão. 1.quot; Etapa de Progresso - INSÍGNIAS DE Bronze/Autonomia COMPETÊNCIA São usadas na manga da camis do lado direito abaixo da insígnia do Agrupamento. Estas estão di- vididas em sete áreas (cores do arco-íris), tendo como objectivo Já deves ter notado que a Nela todos os elementos têm um final alcançar uma de cada côr vivência da Equipa em que estás cargo específico, pois só assim é 2.quot; Etapa de Progresso - que dará lugar à conquista da integrado, tem muito a ver com o possível que todas as tarefas sejam Prata/Responsabilidade insígnia de quot;MÉRITOquot;. totem escolhido da mesma. realizadas, sem que haja atropelos.
  29. 29. Propõe assim a definição de criarem um projecto, proceder à um cargo para ti, de modo a que escolha do melhor no Conselho sejas útil ao conjunto, e desem- do Grupo e depois toda a sua penha-o o melhor que souberes. preparação, onde decerto terás Se tiveres dificuldade não tenhas um papel importante a de- vergonha de solicitar ajuda, pois sempenhar. só assim poderás quot;crescerquot;. Depois do Empreendimento, terás também uma palavra na Procura pois impregnar-te do sua avaliação: o que gostaste espírito reinante da Equipa, para mais, o que não gostaste, o que que não sejas mais um elemen- foi interessante... to, mas sim um DELES. Por fim, com todo o teu Gru- Deseja-se que durante este po estarás na festa, primeiro com espaço de tempo, possas par- Jesus para agradecer aqueles ticipar com a tua Equipa, num momentos e depois em comu- Empreendimento do Grupo. nhão com os outros Pioneiros Assim estarás presente em todas que partilharam com alegria nas as suas fases, começando por aventuras que ocorreram. Todos os Pioneiros devem Para além da Boa Acção praticar uma Boa Acção diária. individual, é necessário que a Já a nossa quot;Leiquot; assim o Equipa ou o Grupo, desen- determina. volvam um trabalho de AJUDA
  30. 30. AOS OUTROS, pois só somos Deixamos aqui umas palavras verdadeiramente felizes quando do nosso Fundador sobre isso: todos os que nos rodeiam são «Não se contentem com tentar também felizes. lutar contra os maus hábitos. E preciso que sejam úteis e bon? Neste princípio, deverás co- Quando lhes digo para serem laborar no levantamento de bons, entendo por isso prestar necessidades dos mais des- pequenos serviços uns aos outros, favorecidos da tua zona ou sejam estes conhecidos ou não. região, para que depois possais Não custa nada, e o melhor meio responder efectivamente ao é decidirem-se a fazer, pelo pretendido. menos, uma Boa Acção em cada Não é necessário que arran- dia. Habituar-se-ão deste modo a jes ou disponibilizes grandes prestar sempre Bons Serviços». quantias em dinheiro. B.P. É por vezes mais importante uma mão amiga e um bom Concluindo podemos afirmar ouvinte do que quot;rios de notasquot;. que a ideia da Boa Acção existe e Poderás participar numa existiu semprenosjovens, porqu' pintura de uma casa, no arranjo são sempre cheios de energia, ge- de um terreno ou em tantas ou- nerosidade, espírito de iniciativa tras coisas. e de amizade, cheios de alegria O que interessa é que con- para com os seus semelhantes, Não te vamos aqui dar actividades pode variar. qualidades que, passando da for- exemplos de actividades típicas Vamos sim dar-te a estrutura tribuas de alguma forma para ça de acção, se tornam Boas da tua Secção, já que conforme o padrão que deverão ter as acti- que alguém possa ter mais al- Acções, quando se apresenta a local em que está situado o teu vidades que irás realizar. guns momentos de felicidade. ocasião. Agrupamento, o tipicismo das Vamos a isso.
  31. 31. PLANO: FASES DO EMPREENDI- Para este, deverão ter em MENTO : conta: Nenhuma actividade deve - A sua realização por quem aparecer por acaso. Ela deverá 1.quot; fase-ESCOLHA vai ser feita (todo o Gru- fazer parte do Plano Geral da po ou as Equipas em se- - Concepção em EQUIPA tua Unidade, para que assim parado). - Apresentação possa haver um desenvolvi- -A atraência do mesmo, - EscolhaemCONSELHO mento harmonioso do Grupo de modo a entusiasmar DE GRUPO Pioneiro. quem o vai escolher. Concepção : -Argumentação necessária EMPREENDIMENTO : à sua defesa. (meio de revelação eficaz das As diversas Equipas reú- -Elaboração de um organi- ser feito através de cartaz, dia- capacidades) nem-se em separado e decidem grama, onde esteja defe- porama ou de outra forma qual- Empreender é AVENTURA, sobre que ante-projecto irão nido: quer. O que tem é de ser bem ARROJO, CAPACIDADE DE apresentar ao Grupo. • Que Empreendimento ? apresentado, para que todos CRIAR, PROJECTAR, ESTU- • Quando ? percebam qual a ideia. DAR, EXECUTAR, logo incita • Onde ? Após a eleição, o Empreendi- à CRIATIVIDADE, IMAGINA- mento escolhido é o único para ÇÃO, DESCOBERTA, EXPE- • Como vai ser realizado ? todo o Grupo. RIÊNCIA. Para a sua realização, sobres- -Estabelecimento da dura- saem AJUDA e COMPRE- ção das diferentes fases. - Recursos necessários. 2.ª fase - PREPARAÇÃO ENSÃO, SOLIDARIEDADE e PARTILHA, TESTEMUNHO, Esta é uma fase importante, PROGRESSO e VIVÊNCIA Depois vem a sua apre- pois é nela que o Empre- DA LEI. sentação ao Grupo, que poderá endimento vai ser enriquecido e
  32. 32. se vão escolher todos os recur- 4.a fase - AVALIAÇÃO/ sos necessários, para o seu CELEBRAÇÃO desenvolvimento. Tarefas, Co- missões, Atelieres,... tudo vai Depois de todo o esforço acontecer. empregue na realização da. diversas actividades, e como o seu desenvolvimento foi o desejado, vamos festejar e pôr 3/ fase - REALIZAÇÃO em comum as experiências vividas, os conhecimentos Aqui e agora é hora da adquiridos, tudo aquilo que aventura, do divertimento, da acharmos de interesse para os acção, sendo necessário que outros. antes tenham sido verificados Mais tarde, calmamente todos os materiais necessários, vamos fazer a avaliação da para que nada falte e possa actividade, tanto a nível indi- vidual, como de Equipa como impedir o bom desenrolar das do Grupo, pois que sem est? actividades. não se poderão detectar pe- Antes da partida para o quenas falhas que houveram, Empreendimento, a actividade de maneira a que os próximos já começou em cada elemento EMPREENDIMENTOS, pos- S. João de Brito era natural Brites Pereira. Muito menino participante, pelo que o em- sam ser melhores. de Lisboa, onde nasceu a 1 de ainda, perdeu o pai, que alguns penhamento de todos, mas Findo este, novo vai come- Março de 1647, filho de Sal- anos depois da restauração de mesmo de todos, é necessário. çar... é sempre assim. vador Pereira de Brito e D. 1640 fora mandado por
  33. 33. D. João IV governar o Brasil, nome de Apostolinho, alusão ao Nas costas da Guiné houve onde faleceu. nome glorioso de Apóstolos, grande número de enfemérides D. Brites Pereira, consa- com que em Portugal eram e apesar de muito abatido, João grou-se totalmente aos três fi- conhecidos os membros da de Brito prodigalizou aos en- lhos que o marido lhe deixara. Companhia de Jesus. fermos socorros espirituais e João, o mais novo, foi educado Aos 14 anos, apresentou-se temporais. na corte entre pagens do Infante na casa professa de S. Roque a Em Goa terminou os estudos D. Pedro. Já desde essa tenra solicitar ser admitido entre os de teologia. Em Abril de 1674 idade começou a cultivar dese- noviços. partia para o colégio de Amba- jos de vida mais perfeita, abri- A 17 de Dezembro de 1662 lacate, para se preparar no Sul gando aspirações de completo transpunha finalmente João de de índia com o estudo das lín- sacrifício e imolação a Deus. Brito os umbrais da casa do guas nativas. Assaltou-o nessa ocasião uma noviciado de Lisboa. Dis- Destinaram-no os superiores gravíssima doença. Chegaram tinguiu-se muito pela piedade e para a missão do Madure, que os médicos a perder a esperança observância religiosa. oferecia especiais dificuldades culdades. Conservando em tu- de lhe salvar a vida; menos a sua Uma ideia o dominava e de envagelização, tanto por cau- do a pureza da doutrina cristã, piedosa mãe. D. Brites fez absorvia, conquistar almas para sa do clima ardente, das viagens procurou moldar-se ao carácter promessa a S. Francisco Xavier Jesus Cristo e sacrificar-se - através de areais, de pântanos, dos hindus, adoptando os trajes, que, se o filho recuperasse exemplo de S. Francisco Xavier de bosques e de serras aspér- os costumes e o modo de viver saúde, traria vestido durante um na envagelização da índia. rimas, como principalmente pela dos brâmanes saniássis, espécie ano inteiro a roupeta da Com- Em Março de 1673, João de condição dos hindus e pelas suas de religiosos letrados. panhia. Tendo ficado curado e Brito, ordenado sacerdote pou- ideias a respeito dos europeus. Nesta carreira o seu alimento trajando a humilde batina negra, co tempo antes, podia enfim sair A caridade de Cristo ensinou, era arroz, legumes, algumas acompanhava o Infante D. Pedro. de Lisboa, em companhia de porém, aos missionários a ma- ervas e leite, sem jamais tocar Começou a ser conhecido pelo missionários. neira de vencer estas difi- em carne ou peixe. Dormia so-
  34. 34. bre a terra nua ou, quando muito, Mais tarde conduziram João Pouco tempo depois, uma voltou-se contra o Saniássis sobre uma pele de tigre esten- de Brito a um lugar onde havia carta do Pe. Provincial Manuel europeu. Mandou, pois, sa- dida no chão. O calçado redu- uma grande pedra com muitas Rodrigues chamava-o à costa da quear as igrejas dos cristãos e zia-se a uma espécie de sola de pontas agudas, e sobre a qual Pescaria onde recebeu ordem de trazer à sua presença o madeira, presa ao pé com um dardejava o sol o dia inteire voltar à Europa, afim de em missionário. Correm os mi- botão. Os vestidos eram muito Nela o deitaram e sobre ela o Lisboa e Roma tratar negócios nistros à povoação de Muni e pobres. Tal foi o modo de vida, arrastaram, até que, por fim para o bem das cristandades. A sai-lhes ao encontro o Padre constantemente observado du- cansados, o abandonaram com 8 de Setembro de 1688 entrava João de Brito. rante treze anos consecutivos. o corpo em chaga viva. em Lisboa. Poucos dias depois dava Quando se dirigia para as No fim de 18 dias foi inti- Algum tempo depois regressa entrada nos cárceres do províncias do Norte, em com- mada ao Padre a sentença em de novo à índia e encontra-se de Maravá em companhia de panhia de alguns catequistas, que o rei o condenava; a ser novo envangelizado entre os alguns cristãos. Pouco depois, encontrou-se com o comandante morto e espetado, depois de lhe povos do Maravá onde baptizava assistindo o Padre ao in- das tropas do Maravá. Preso, cortarem os pés e as mãos. grande número de pessoas. terrogatório de dois dos juntamente com os catequistas, No entanto e sem dar ouvidos Foi esta conversão a causa cristãos presos advertiu ao fê-los o comandante açoitar, às queixas do general e dos da morte do nosso S. João de bárbaro que, se era crime cruelmente querendo obrigá-los brâmanes o príncipe, pediu que Brito. Antes de receber o sa- aqueles jovens serem cristãos, a invocar um Deus dizendo J. Brito lhe expusesse a dou grado baptismo, o neófito que- ele era o culpado desse crime Xivá, Xivá. trina que explicava aos discí- brou generosamente os laços da e ali mesmo teve para ser Depois levaram-nos a uma pulos. Ficou tão espantado com poligamia. Entre as mulheres morto a tiros de arcabuz. fortaleza, e aí quiseram outra o que ouviu, que não pôde dei- repudiadas contava-se uma so- Temendo algum motim do vez obrigá-los a dizer Xivá, xar de confessar que a lei dos brinha do rei do Maravá. Sob o povo, apartou o missionário Xivá; em caso contrário, con- cristãos era justa e santa e pretexto de vingar sua sobrinha da companhia dos outros dená-los-iam à morte, o que de mandou restituir à liberdade o e não se atrevendo a descarregar cristãos e mandou-o a um seu facto aconteceu. missionário e os cristãos. ira sobre o esforçado príncipe, irmão para que o degolasse.
  35. 35. Foi a sentença executada a 4 de terceiro golpe lhe desprende Fevereiro de 1693, perto de inteiramente a cabeça do tronco. Urgur, sobre um outeiro. Decepadas em seguida também Chegado ao lugar do martí- as mãos e os pés, o tronco rio, ajoelhou-se o missionário juntamente com a cabeça fo para se encomendar pela última ram atados a um poste, levan- vez a Deus, no meio do silêncio tado no mesmo sítio em que o da multidão atónita. Vacila o ver- Mártir estivera em oração. dugo ao aproximar-se. Nesse Na noite de 4 para 5 de momento os circunstantes viram Fevereiro e nos dias seguintes, assombrados o Santo Mártir, pairou sobre o poste uma luz levantar-se e, abraçando-se ao misteriosa, tendo uma grande algoz, dizer-lhe: «Amigo, da parte do seu corpo sido tragado minha parte cumpri o meu dever; pelas feras. tu, cumpre a ordem que te foi Algumas relíquias, que a dada». De joelhos em terra es- piedade dos cristãos pôde ainda pera o golpe. Aparta-lhe o bár- salvar, foram depois conduzi- baro os vestidos, mas, ao notar o das para Goa e honorificamente relicário que lhe pendia ao peito, guardadas no Colégio de S. invade-o o terror, julgando ver Paulo. algum encantamento ou sorti- Pio IX inscreveu João de Bri- légio. Retrocendo um pouco, to no catálogo dos Bem-aven- corta dum golpe o cordão, turados a 17 de Fevereiro de COMPROMISSO abrindo larga ferida no ombro e 1852, e Pio XII canonizou-o a Exemplo de um possível Chefe - Eis que chegais ao peito do Mártir; com segundo e 22 de Junho de 1947. compromisso de um noviço: início duma nova Pista.
  36. 36. Até aqui éreis uma esperança. Chefe: A partir de agora sois quase uma - Estais disposto a dar certeza. A côr que ides usar testemunho de alegria, para que simboliza a imensidão dos céus o mundo saiba que ser Cristão é e dos oceanos. Isso significa que ser alegre, generoso e bom ? o vosso Escutismo deverá ser de Noviço: nível mais elevado, de horizontes - Sim, Chefe. mais amplos, verdadeiro estilo de vida em cada dia que passa. Chefe: Não será difícil, se respei- (dirigindo-se ao Grupo) tardes a LEI DO ESCUTA em - Aceitais no nosso Grupo todas as circunstâncias, vivendo estes novos companheiros ? Noviço: com lealdade, com alegria, com Todos: espírito de obediência, amando e - Sim, Chefe. - Sim, aceitamos ! respeitando os OUTROS. Se Chefe: Chefe: estiverdes atentos muito podereis a fórmula da Promessa do - Com estas disposições vai aprender- sobretudo que a vida é - Estais dispostos a dar Escuta. ser-vos concedida uma (nova) um dom que Deus nos entregou testemunho de Amizade para insígnia e aceite, ou renovada a para o utilizarmos na construção com os OUTROS, mesmo fora vossa Promessa. Prometo pela minha honra de um mundo melhor. do nosso Grupo, vivendo e com a graça de Deus, fazer Neste sentido, gostaria que intensamente o ideal de ajuda todo o possível por: me dissésseis: fraterna ? FÓRMULA DA PROMESSA Cumprir os meus deveres para com Deus, a Igreja e a Pátria; - Estais dispostos a dar Cada candidato faz a meia-- Noviço: Auxiliar os meus semelhantes testemunho de Amizade dentro saudação e estende o braço em todas as circunstâncias; do nosso Grupo de Pioneiros? - Sim, Chefe. esquerdo dizendo, em seguida, Obedecer à Lei do Escuta.

×