Exemplo do uso de BPMN

23.406 visualizações

Publicada em

Introdução ao uso de Diagramas de Processo de Negócio - BPMN
Luis Borges Gouveia
Abril de 2011 v1.1

2 comentários
29 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.406
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
103
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
2
Gostaram
29
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Exemplo do uso de BPMN

  1. 1. Introdução ao BPMN Luis Borges Gouveia Fevereiro de 2013 Versão 1.5
  2. 2. O que é o BPMNBusiness Process Modeling Notation Notação para a modelação de processos de negócio• É uma notação gráfica que permite a visualização de processos de negócio – (diagrama BPD – Business Process Diagrams)• É uma norma adoptada e gerida pelo consórcio OMG (Object Management Group, www.omg.org)• Proporciona capacidade de definir e entender a atividade de uma organização através da especificação dos seus processos de negócio
  3. 3. objetivos• Proporcionar uma notação normalizada que seja facilmente entendida por todos os envolvidos no negócio (stakeholders)• Facilitar a comunicação entre quem concebe os processos de negócio e quem os implementa• Criar uma linguagem comum que permita o entendimento de todos, sobre os processos de negócio representados
  4. 4. Porquê usar o BPMN?• Tornou-se uma norma aceite de modo alargado• Substitui uma grande diversidade de linguagens de modelação de processos, notações e métodos• Simples de aprender, mas suficientemente poderosa para especificar diferentes níveis de complexidade de um processo de negócio• É independente e neutral (não proprietária) com um leque alargado de ferramentas que a suportam, respeitando a norma oficial
  5. 5. Porque nos devemos preocupar?• Os processos estão no núcleo de qualquer organização – nem sempre estão definidos, documentados ou se encontram optimizados de forma clara• A necessidade de assegurar a comunicação entre o negócio e as TI (alinhamento) é cada vez maior – resultado do intenso ritmo de mudança e da pressão colocada às organizações para se tornarem mais eficientes – necessidade de se formar uma visão clara de como os processos de negócio se desenrolam• O BPMN proporciona uma notação que permite a documentação dos processos de negócio, de forma não ambígua 5
  6. 6. Como?• Criando diagramas de processo de negócio (business process diagrams – BPD)• Utilizando um pequeno conjunto de elementos de diagrama designados por objectos (objects) – Desenhar cada passo do processo – Fazer uso dos elementos de diagrama relevantes para documentar eventos, atividades e pontos de decisão – Mostrar o fluxo de processo de início ao fim, de forma completa
  7. 7. Aspeto de um diagrama de processo de negócio The purpose of this presentation is to introduce business people to BPMN, its usages and benefits
  8. 8. Conjunto básico de elementos do diagrama • Os seis símbolos apresentados são o núcleo que permite a especificação de um diagrama de processos de negócio • Os símbolos apresentados são familiares dos profissionais da área de sistemas e tecnologias de informação – semelhantes, mas não são diagramas de fluxo (fluxogramas) ou diagramas de fluxo de dados (DFD)
  9. 9. Para começar…Um evento (event) dispara (triggers) um processo: - cada processo deve ter pelo menos um eventoUm fluxo de sequência liga: – Atividades de um mesmo contexto (swim lane)Um fluxo de mensagem liga: – Atividades entre diferentes grupos ou contextos (swim lanes), ou – Atividades assíncronas
  10. 10. Elementos principaisExistem 3 elementos principais na notação:• Evento (event): um iniciador ou um resultado que ocorre durante o decurso do processo de negócio e que afecta o fluxo do processo• Actividade (activity): o trabalho que é realizado num processo de negócio• Pontos de decisão (gateways): utilizados para controlar como as sequências de fluxo interagem e de que forma convergem ou divergem no processo
  11. 11. Eventos (events) • Um evento é algo que acontece durante a existência de um processo de negócio • Os eventos afetam o fluxo do processo e normalmente estão associados com um disparo (trigger) ou um resultado • Os eventos podem iniciar, interromper ou terminar o fluxo
  12. 12. Exemplo de um evento… • Evento intermediário:Request info – Representa uma excepção ou manipulação de compensação 5 Days – É representado pela colocação do evento intermediário na delimitação da tarefa ou sub-processo Inform and close the call • no exemplo: – limitação de tempo para recolher informação
  13. 13. Tipos de eventos intermediários Indicam diferentes formas de como o processo pode ser interrompido ou atrasado após ter sido iniciado • Evento de compensação (compensation event) – Utilizado para manipular compensação. Invoca a compensação se o evento é parte do fluxo normal. Reage a uma dada compensação se estiver colocado no contorno de uma actividade • Evento de regra (rule event) – Utilizado apenas para o tratamento de excepções. Este tipo de evento é disparado quando a regra se torna verdeira • Ligação (link) – A ligação é um mecanismo para relacionar um evento final (resultado) de um processo a um evento intermediário (trigger) a um outro processo. Pares de eventos intermediários podem ser também utilizados como objectos de ligação (do tipo Go To) dentro de um processo • Evento múltiplo (switch) – Este evento identifica a existência de múltiplas formas de disparo de um evento. Apenas uma dessas formas será necessária
  14. 14. Atividades (activities) • uma atividade representa trabalho que é realizado dentro de um processo de negócio • uma atividade pode ser atómica ou não atómica (composta) • existem diversos tipos de atividades que são parte de um processo: – Processo; – Sub-processo; – Tarefa.
  15. 15. Sub-Processos • os sub-processos podem ser uma forma de estender o detalhe do processo de um conjunto de atividades – proporciona um maior nível de detalhe ou baixo nível
  16. 16. Pontos de decisão (gateways) • Os pontos de decisão (gateways) são elementos de modelação utilizados para controlar como o fluxo de sequência interage na forma de convergir ou divergir no processo • Se o fluxo não necessita de ser controlado, então não são necessários pontos de decisão
  17. 17. Tratamento de exceções (exception handling) • Os eventos intermediários colocados na delimitação de uma atividade representam gatilhos (triggers) que podem interromper uma atividade • Todo o trabalho realizado dentro de uma atividade deve ser parado e o fluxo será retomado a partir do evento • Os gatilhos podem podem ser to tipo: tempo (timer); exceções (exceptions); mensagens (messages), entre outros
  18. 18. Transações e tratamento de compensação (compensation handling) • Uma transação é uma actividade que possui um duplo contorno. As transações são suportadas por um protocolo de transação) • O fluxo de sequência normal representa o caminho a seguir para uma transação ser completada com sucesso • O evento de cancelamento intermediário representa o caminho a seguir para uma transação cancelada • O evento intermediário de excepção representa o caminho a seguir para uma transação em que ocorra um problema • As atividades de compensação (que são indicadas pela respectiva marca) estão for a do fluxo normal e estão associadas a atividades normais
  19. 19. Objetos de ligação (connecting objects)• Fluxo de sequência (sequence flow) é utilizado para mostrar a ordem em que as atividades são realizadas no processo• Fluxo de mensagem (message flow) é utilizado para mostrar o fluxo de mensagens entre duas entidades que estão preparadas para receber e enviar mensagens• Associação (association) é utilizado para associar informação e artefatos com os objetos de ligação
  20. 20. Fluxo normal
  21. 21. Contexto (pools & swimlanes)Utilizados para representar contextos, nomeadamente regras, departamentos, locais ou diferentes organizações • Contexto (pool): delimitador gráfico para conter a especificação das atividades que agrega e são distintas de outros contextos (pode agregar um processo específico) • Canal (lane): divisão do contexto (pool), facilitando a distinção de diferentes atores ou entidades na realização de atividades
  22. 22. Exemplo de modelação B2B
  23. 23. Artefatos (artifacts) • Objetos de dados (data objects): não são objetos de fluxo (por exemplo, ligados através de fluxos de sequência), mas proporcionam informação sobre quais os documentos, dados e outros objetos que são utilizados e atualizados dentro do processos • Anotação de texto (text annotations): são as anotações realizadas no diagrama para facilitar a sua leitura e compreensão • Grupos (groups): proporcionam o mecanismo visual para organizar actividades e para as agrupar (proporcionam subgrupos para entendimento da complexidade do processo ou para a associação funcional de um subgrupo de tarefas)
  24. 24. Outro exemplo…
  25. 25. Conclusão• O BPMN é um método fácil de usar e bem estabelecido na indústria para a documentação e descoberta de processos de negócio – Proporciona capacidade de capturar e documentar os processos de forma rápida e adequada (utilizando as ferramentas disponíveis, muitas delas sem custos associados) – No entanto… a descoberta de processos e a sua documentação é apenas o início da jornada (ou mesmo um primeiro passo) para a melhoria ou para a mudança de comportamento, nos sistemas de informação
  26. 26. Para saber mais• Consultar o site da OMG – www.omg.org• Consultar o site oficial do BPMN – www.bpmn.org• Consultar o site da BizAgi (ferramenta freeware de desenho de diagramas de processos de negócio) – www.bizagi.com• Bonita Software, open source para Gestão de Processos – www.bonitasoft.com• Ver a apresentação / tutorial sobre o BPMN – www.slideshare.net/jimarlow/introductiontobpmn005
  27. 27. Exemplos do uso dediagramas de processos de negócioBusiness Process Model and Notation Vários exemplos
  28. 28. Exemplo simples…
  29. 29. Mais um exemplo…
  30. 30. Um exemplo de B2B…
  31. 31. Mais um exemplo…
  32. 32. Um exemplo de processo complexo
  33. 33. Exemplo do uso de diagramas de processos de negócioBusiness Process Model and Notation Processos administrativo e operacional no contexto da gestão documental em museus Paula Moura, Dissertação de Mestrado
  34. 34. Pormenor do Plano de Classificação da AMTC7.2 Gestão de Documentos de Arquivo7.2.1 processos de elaboração de portarias de gestão de documentos (documentação que serviu de suporte à elaboração da portaria de gestão de documentação)7.2.2 processos de substituição/transferencia de suportes (documentação relativa à substituição de suporte de documentação de arquivo)7.2.3 Manuais de procedimentos para a Gestão de arquivos (manuais de formulários, registos, processos organizacionais)7.2.4 Requisições (requisições de documentos de arquivo)7.2.5 Instrumentos de descrição documental (inventários, catálogos, guias, índices, roteiros)7.2.6 protocolos de correspondência7.2.7 registo de correspondência7.2.8 copiador7.2.9 autos de eliminação7.2.10 processo de eliminação7.2.11 autos de entrega7.2.12 guias de remessa7.2.13 processo de transferência
  35. 35. Pormenor Processomuseográfico componenteadministrativa
  36. 36. Pormenor – Processo museográfico componentemuseológica e de gestão de colecções
  37. 37. Oportunidades do recurso ao digital• O grande obstáculo associado a alguns processos relaciona- se com a dificuldade na localização de informação: – Estratégica, dada a profusão de versões (ex. contactos comunicação social); – Imagens ilustrativas do evento e identificação dos créditos (direitos de autor), dada a quantidade de versões e cópias da mesma imagem; – Reutilização de informação já existente, dado que cada serviço guarda mais do que uma versão do mesmo documento de um dado evento; – Dificuldade na localização de informação, tendo em conta o critério adoptado de armazenamento, dossier em formato papel, dossier digital, com a atribuição de identificadores não normalizados, dificultando o seu acesso.

×