Apresentação do modelo de Auto-Avaliação da BE<br />Alexandra Lima | Novembro 2009 <br />1<br />
Pertinência do modelo de Auto-Avaliação para as BE<br /><ul><li> O projecto de Rede de BE tem como conceito central o de q...
 Assim, é essencial a criação de um modelo de Auto-Avaliação que permita:
Avaliar o trabalho da BE e o impacto desse trabalho:
 No funcionamento global da escola;
 Nas aprendizagens dos alunos;
Identificar áreas de sucesso e aquelas que requerem maior investimento.
 Numa época em que as tecnologias e as pressões económicas acentuam a necessidade de fazer valer o papel e a necessidade d...
O Modelo enquanto instrumento pedagógico e de melhoria da melhoria<br /><ul><li> Objectivo do modelo:
 Desenvolver uma abordagem essencialmente qualitativa, orientada para uma análise dos processos e dos resultados e numa pe...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Modelo Auto Av BE

304 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
304
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modelo Auto Av BE

  1. 1. Apresentação do modelo de Auto-Avaliação da BE<br />Alexandra Lima | Novembro 2009 <br />1<br />
  2. 2. Pertinência do modelo de Auto-Avaliação para as BE<br /><ul><li> O projecto de Rede de BE tem como conceito central o de que a biblioteca escolar constitui um contributo essencial para o sucesso educativo, sendo um recurso fundamental para o ensino e aprendizagem.
  3. 3. Assim, é essencial a criação de um modelo de Auto-Avaliação que permita:
  4. 4. Avaliar o trabalho da BE e o impacto desse trabalho:
  5. 5. No funcionamento global da escola;
  6. 6. Nas aprendizagens dos alunos;
  7. 7. Identificar áreas de sucesso e aquelas que requerem maior investimento.
  8. 8. Numa época em que as tecnologias e as pressões económicas acentuam a necessidade de fazer valer o papel e a necessidade de bibliotecas, a avaliação é essencial, permitindo validar as mais-valias que acrescenta à escola.</li></ul>2<br />
  9. 9. O Modelo enquanto instrumento pedagógico e de melhoria da melhoria<br /><ul><li> Objectivo do modelo:
  10. 10. Desenvolver uma abordagem essencialmente qualitativa, orientada para uma análise dos processos e dos resultados e numa perspectiva formativa, permitindo identificar as necessidades e os pontos fracos com vista a melhorá-los.
  11. 11. Ideias-chave que presidiram à construção do modelo:
  12. 12. Noção de valor, entendido como algo que tem a ver com a experiência e os benefícios que se retira dela;
  13. 13. Noção de que a avaliação não constitui um fim, mas sim um processo que conduzirá à reflexão e orientará mudanças concretas na prática, procurando uma melhoria contínua.</li></ul>3<br />
  14. 14. [O Modelo enquanto instrumento pedagógico e de melhoria da melhoria]<br /><ul><li>Assim sendo, o processo de auto-avaliação deve mobilizar toda a escola, pois só uma análise e reflexão conjunta permitirá melhorar as possibilidades oferecidas pelas BE.
  15. 15. O quadro referencial que constitui o modelo pretende ser um instrumento pedagógico, permitindo orientar as escolas.
  16. 16. Assim, alguns procedimentos serão formalizados e implementados de forma a criar rotinas de funcionamento que se tornem práticas habituais e não apenas com vista à avaliação (ex: registo escrito de todas as reuniões de trabalho realizadas pela equipa da BE).</li></ul>4<br />
  17. 17. Organização estrutural e funcional<br /><ul><li> O modelo está organizado em quatro domínios e respectivos subdomínios que representam as áreas essenciais para que a BE cumpra os seus objectivos:</li></ul>A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular<br />A.1. Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes<br />A.2. Desenvolvimento da literacia da informação<br />B. Leitura e Literacias<br />C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade<br />C.1. Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular<br />C.2. Projectos e parcerias<br />D. Gestão da Biblioteca Escolar<br />D.1. Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE<br />D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços<br />D.3. Gestão da colecção/da informação<br />5<br />
  18. 18. [Organização estrutural e funcional]<br /><ul><li> Os resultados da análise efectuada serão depois confrontados com os perfis de desempenho apresentados para cada domínio, no sentido de verificar em que nível se situará a BE.</li></ul>6<br />
  19. 19. [Organização estrutural e funcional]<br /><ul><li> O modelo adopta uma aproximação à realidade por etapas. O Coordenador(a), tendo em conta o contexto interno e externo da BE, em cada ano lectivo deve seleccionar um domínio a ser objecto de análise. O ciclo completa-se ao fim de quatro anos e deve fornecer uma visão global da BE.
  20. 20. Cada etapa compreende um ciclo:
  21. 21. Identificação de um problema ou de um desafio;
  22. 22. Recolha de evidências;
  23. 23. Interpretação da informação recolhida;
  24. 24. Realização dasmudanças necessárias;
  25. 25. Recolha de novas evidênciasacerca do impacto dessas mudanças.</li></ul>7<br />
  26. 26. Integração/Aplicação à realidade da escola/BE. Oportunidades e constrangimentos<br /><ul><li> Oportunidades:
  27. 27. Dotar as escolas/BE de um instrumento que lhes permite a melhoria contínua da qualidade.
  28. 28. Constrangimentos:
  29. 29. Possível dificuldade na motivação individual dos membros da escola/agrupamento e possível dificuldade por parte do coordenador em liderar todo este processo, mobilizando a escola para a necessidade de implementação do modelo.</li></ul>8<br />
  30. 30. Gestão participada nas mudanças que o modelo impõe<br /><ul><li> A avaliação da BE deve ser participada a nível da escola e ser conhecida e divulgada.
  31. 31. Deve ser incorporada no processo de auto-avaliação da própria escola/agrupamento.
  32. 32. Deve articular-se com os objectivos do Projecto Educativo da escola/agrupamento.
  33. 33. Com este modelo pretende-se avaliar a qualidade e eficácia da BE e não o desempenho do coordenador(a) e/ou elementos da equipa.
  34. 34. A escola deverá encarar este processo como uma necessidade própria, pois todos irão beneficiar com a análise e reflexão realizadas.</li></ul>9<br />
  35. 35. Espera-se que o processo de auto-avaliação mobilize toda a escola, melhorando através da acção colectiva as possibilidades oferecidas pela BE.<br />Em suma…<br />10<br />

×