Guerra dos sexos na academia

470 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
470
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Guerra dos sexos na academia

  1. 1. GUERRA DOS SEXOS NA ACADEMIA: análise semiótica de uma capa da revista Unesp Ciência BRUNO SAMPAIO GARRIDO Doutorando – Linguística e Língua Portuguesa (FCLAr/Unesp) bgarrido@fc.unesp.br
  2. 2. Introdução • Objetivo: investigar as relações entre os elementos textuais e não textuais presentes em uma capa da revista Unesp Ciência, e como elas atuam na construção do sentido global das mensagens produzidas. • Corpus: capa da edição 17 da revista Unesp Ciência (março de 2011). • Metodologia: análise semiótica, valendo-se do percurso gerativo de sentido elaborado por Greimas (vide GREIMAS, 1979; GREIMAS; COURTÉS, 2008) e estudo das relações semissimbólicas entre expressão e conteúdo (FLOCH, 1985; PIETROFORTE, 2004; 2011).
  3. 3. Análise do corpus Nível discursivo •Figurativização de categoria profissional (cientistas homens e mulheres) – equilíbrio aparente. •Metáfora da corrida: evidencia a competição do ambiente acadêmico. Chegar à frente equivale ao êxito, ao sucesso na carreira. •Bebê e compras: remete ao papel triplo da mulher na sociedade (profissional, mãe e dona de casa). •Balão volumétrico: metonímia que figurativiza a profissão e a carreira científicas. •Óculos: a perda deles figurativiza uma desvantagem – desnorteio. •Texto: uso do talvez e de verbo no subjuntivo lançam a dúvida no enunciado.
  4. 4. Análise do corpus Nível narrativo •Objeto-valor: atingir o êxito profissional. •Mulher: busca o equilíbrio entre as três facetas (trabalho, maternidade e lar). •Modalidades: dever-fazer (obrigação profissional), querer-fazer (desejo pessoal) e não-poder-fazer (impossibilidade de conciliação). •Sanção: positiva para o homem, negativa para a mulher – que fica em “segundo lugar”.
  5. 5. Análise do corpus Nível axiológico ou fundamental •Oposição principal: feminino X masculino. •Homem: recebe valores eufóricos – competitividade, foco no trabalho, êxito, sucesso profissional. •Mulher: recebe valores disfóricos – falta de competitividade, falta de foco, frustração, fracasso profissional. •Solução para a mulher: negar sua feminilidade, agindo como os homens (não-feminino).
  6. 6. Análise do corpus Relações semissimbólicas entre expressão e conteúdo •Valorização da mulher: evidencia os valores disfóricos e explicita a discriminação entre homens e mulheres na carreira acadêmica – fato tratado pela reportagem. PC Feminino X Masculino PE Policromia X Monocromia (cromático) Esquerda X Direita (topológico)
  7. 7. Considerações finais • Pudemos verificar o quanto os recursos expressivos utilizados pelas mídias informativas não exercem meramente um papel estético, mas visam a chamar a atenção dos potenciais leitores e estabelecer desde já uma espécie de contrato, regulado por modalidades veridictórias baseadas na expectativa de o leitor encontrar determinados conteúdos que satisfaçam suas necessidades de consumo de informação, enquanto o produto midiático se oferece como o objeto capaz de saná-las. • A temática retratada pela capa é figurativizada e articulada de maneira a facilitar um reconhecimento imediato por parte do leitor do assunto e motivá-lo a continuar a leitura, valendo-se de elementos mais concernentes com o repertório cognitivo-cultural médio do público- alvo, tal como retratar a desigualdade entre homens e mulheres no meio acadêmico sob a metáfora de uma competição esportiva. • O conjunto complexo de valores, relações lógicas e figuras pertinentes à temática abordada na capa de Unesp Ciência tornou-se, desse modo, um objeto atraente e palatável, mais suscetível a ser consumida.
  8. 8. OBRIGADO!

×