Estilo Vitoriano

15.516 visualizações

Publicada em

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.516
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
126
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estilo Vitoriano

  1. 1. Estilo Vitoriano Lívia Priscilla Jornalismo
  2. 2. Sobre o estilo: • Os vitorianos procuravam um modelo que expressasse sua época, mas a incerteza estética levava a inúmeras abordagens do design e a filosofias frequentemente contraditórias combinadas em estilos aleatórios.
  3. 3. Folha de rosto para The Pencil of Nature (O lápis da natureza), 1844.
  4. 4. Surgimento: • O estilo vitoriano surgiu durante o reinado da Rainha Vitória (1819-1901), no Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda. O reinado dela se iniciou em 1837 e se estendeu por dois terços do século XIX. • O movimento se manifestou principalmente na arquitetura, na ornamentação, no mobiliário, no vestuário e nos tipos e inscrições.
  5. 5. Contexto histórico: • A Inglaterra firmou sua posição de principal potência mundial. Fase de apogeu britânico, caracterizada por uma política marcadamente burguesa e impulsionadora do liberalismo. • O poderio britânico contava com o rápido crescimento industrial (Revolução Industrial), uma poderosa Marinha mercante e um Estado solidamente estruturado. Desde a derrota de Napoleão Bonaparte em 1815, não havia nenhum rival suficientemente forte para ameaçá-la. Vigorava a chamada “Pax Britannica”. • A era vitoriana foi um tempo de fortes convicções morais e religiosas, convenções sociais e otimismo. Lema popular: “Deus está no céu, tudo certo com o mundo.”
  6. 6. Principais representantes • A. W. N. Pugin (1812-1852): predileção pelo gótico. Projetou os detalhes ornamentais das Câmaras do Parlamento Britânico. • Owen Jones (1809-1874): sua principal influência se deu graças a seu livro amplamente estudado de grandes lâminas coloridas “The Grammar of Ornament”, de 1856, que se tornou a “bíblia” do ornamento do século XIX.
  7. 7. Sir Charles Barry com A. W. N. Pugin, A Câmara dos Lordes nas Casas do Parlamento Britânico, construída em 1840-1867.
  8. 8. The Grammar of Ornament, 1856. Owen Jones.
  9. 9. The Grammar of Ornament, 1856. Owen Jones. O uso do tipo estilo moderno com iniciais decoradas é típico do antigo design de livros da era vitoriana.
  10. 10. The Grammar of Ornament, 1856. Owen Jones. “Persian Ornament no. 4”: From a Persian manufacturer's pattern book, Marlborough House.
  11. 11. Características: • A atenção aos detalhes diminutos e à decoração intrincada marcou a arquitetura, o mobiliário, o vestuário e os estilos artísticos do período. • Com o design de tipos, o resultado não foi promissor. Frequentemente, levou a tipos filigranados e embelezados de tal forma que eram quase impossíveis de serem lidos. Muitos tipos vitorianos mostram encaracolados entrelaçados com temas naturais cobertos de folhas, que não eram vistos desde a Idade Média. • O meio de produção para profusão de impressões coloridas era a cromolitografia, inovação da Revolução Industrial.
  12. 12. Características: • O amor vitoriano pela complexidade exagerada expressava-se no madeirame ostentoso aplicado à arquitetura doméstica, nos adornos extravagantes em produtos fabricados, de prataria a grandes mobílias, e nas molduras e letras elaboradas no design gráfico. • As artes gráficas da era vitoriana não eram o resultado de uma filosofia do design ou de convicções artísticas, mas das atitudes e sensibilidades dominantes no período. Muitas de suas convenções ainda podiam ser encontradas durante as primeiras décadas do século XX, particularmente na promoção comercial.
  13. 13. Características: • O design gráfico da era vitoriana capturou e transmitiu os valores dessa época. • Sentimentalismo, nostalgia e um cânone de beleza idealizada eram veiculados por imagens impressas de crianças, donzelas, cachorrinhos e flores. Valores tradicionais de lar, religião e patriotismo eram simbolizados com sentimentalismo e devoção. Essa época causou uma atitude social mais amável para com as crianças, parcialmente manifestada pela ampla publicação de livros infantis.
  14. 14. Kate Greenway, página de Under the window, 1879. Omitindo o fundo, ela simplifica seus desenhos de página e se concentra nas figuras. Rompe com a tendência assimétrica da época. Seus desenhos influenciaram a moda infantil.
  15. 15. The Art Album: Sixteen Facsimilies of Water- colour Drawings. Engraved and Printed by Edmund Evans. London: W. Kent and Co., 1861.
  16. 16. Krebs Lithographing Company, cartaz para a Cincinnati Industrial Exposition, 1883. Transmite um eufórico otimismo em relação ao progresso industrial.
  17. 17. Ilustração da Família Real decorando sua árvore de Natal foi publicada na Illustrated London News, 1848.
  18. 18. Rainha Vitória (1819-1901).
  19. 19. Moda na era vitoriana.
  20. 20. Moda na era vitoriana na fase do luto .
  21. 21. Releitura do estilo vitoriano na moda atual.
  22. 22. Ambiente vitoriano.
  23. 23. Móveis inspirados na era vitoriana. Releitura do estilo e riqueza de detalhes.
  24. 24. Releitura do estilo vitoriano: Hotel Queensberry Place South Kensington, Londres.
  25. 25. Releitura do estilo: Casas inspiradas no estilo vitoriano. São Francisco, EUA.
  26. 26. Big Ben (Clock Tower), de 1858 ornamentado no estilo gótico vitoriano por Barry e Pugin.
  27. 27. Referências Bibliográficas • MEGGS, Philip B. História do Design Gráfico. São Paulo: Cosac Naify, 2009. • VICENTINO, Claudio. História geral. 9ª edição. São Paulo: Scipione, 2002.

×