Transição do repouso ao exercicio

253 visualizações

Publicada em

Transição do repouso ao exercicio

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
253
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Transição do repouso ao exercicio

  1. 1. Transição do repouso ao exercício Prof Berg
  2. 2. • O exercício – um sério desafio às vias bioenergéticas do músculo em atividade, – durante o exercício intenso o gasto energético total do organismo pode ser de 15 a 25 vezes o gasto de energia em repouso. • Várias alterações metabólicas ocorrem no músculo esquelético no início do exercício: – Fornecer a energia necessária para a continuidade da atividade.
  3. 3. • Na transição do repouso ao exercício leve ou moderado, o consumo de oxigênio aumenta rapidamente e atine um estado estável em um período de 1 a 4 minutos. • O consumo de oxigênio não aumenta instantaneamente até atingir um valor de estado estável. – As fontes anaeróbicas de energia contribuem para a produção de ATP no início do exercício.
  4. 4. • Muitas evidências mostram que no início do exercício, o sistema ATP- CP é a primeira via bioenergética ativa, seguido pela glicólise e, finalmente, pela produção aeróbica de energia.
  5. 5. • Após o estado estável ter sido atingido, a necessidade orgânica de ATP é suprimida por intermédio do metabolismo aeróbio. • A energia necessária para o exercício não é fornecida simplesmente ativando-se uma única via bioenergética, mas por uma mistura de diversos sistemas metabólicos.
  6. 6. • A produção aeróbica de ATP é ativada mais rapidamente no começo do exercício – Resulta em uma menor produção de ácido lático nos indivíduos treinados em comparação com os não treinados. – os indivíduos treinados apresentam uma capacidade aeróbica mais desenvolvida, resultado de adaptações cardiovasculares ou musculares induzidas pelo treinamento de endurance. – Indivíduos não treinados, geralmente, apresentam, um episódio conhecido como fadiga muscular, causado pelo aumento de ácido lático sanguíneo.

×