CONSTRUTIVISMO<br />1<br />Os fundamentos de uma psicopatologia narrativa<br />(Aula da Profª Lina Sue Matsumoto – 2010)<b...
ProfªLina Sue Matsumoto <br />2<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />Gonçalves, O. Psicoterapia Cognitiva Narrativa:  Manual d...
ProfªLina Sue Matsumoto <br /> Os pressupostos da PSICOLOGIA NARRATIVA põe em questão:  <br />1) A crença na existência de...
ProfªLina Sue Matsumoto <br />  Decorrem implicações clínicas em 2 níveis:<br />1º) Uma nova concepção de psicopatologia, ...
ProfªLina Sue Matsumoto <br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />TERAPIA  COGNITIVA  NARRATIVA<br />Psicopatologia Narrativa<br /...
ProfªLina Sue Matsumoto <br /> A psicopatologia, como processo de significação, é o produto da interação entre sistemas de...
ProfªLina Sue Matsumoto <br />A psicoterapia  ouvir as narrativas do cliente como uma forma de compreender os seus sistem...
ProfªLina Sue Matsumoto <br />8<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />TERAPIA  COGNITIVA  NARRATIVA<br /> Há 3 dimensões centra...
ProfªLina Sue Matsumoto <br /> Processo  por intermédio do qual os diferentes aspectos da narrativa se ligam uns aos outro...
ProfªLina Sue Matsumoto <br />10<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />1. Estrutura Narrativa (coerência)<br />  Ao longo da vi...
ProfªLina Sue Matsumoto <br />11<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />1. Estrutura Narrativa (coerência)<br /> O paciente surg...
ProfªLina Sue Matsumoto <br />12<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br /> 2. Processo Narrativo (complexidade)<br /> Inclui os as...
ProfªLina Sue Matsumoto <br />13<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br /> 2. Processo Narrativo (complexidade)<br />Atitude narra...
ProfªLina Sue Matsumoto <br />14<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />3. Conteúdo Narrativo (multiplicidade)<br /> Indivíduos ...
ProfªLina Sue Matsumoto <br />15<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />3. Conteúdo Narrativo (multiplicidade)<br /> Existência ...
ProfªLina Sue Matsumoto <br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />TERAPIA  COGNITIVA  NARRATIVA<br />“Nós compreendemos o passado ...
ProfªLina Sue Matsumoto <br />Namastê!<br />17<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />E-mail : lina.sue@hotmail.com<br />Site: l...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

AULA OSCAR GONÇALVES II - Profª Lina - 2010

2.523 visualizações

Publicada em

Aula sobre Construtivismo, baseado no capítulo "Os fundamentos de uma psicopatologia narrativa" (GONÇALVES, O. Psicoterapia Cognitiva Narrativa: um manual de terapia breve. Campinas: Editorial Psy, 1998, capítulo 2)

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.523
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
97
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

AULA OSCAR GONÇALVES II - Profª Lina - 2010

  1. 1. CONSTRUTIVISMO<br />1<br />Os fundamentos de uma psicopatologia narrativa<br />(Aula da Profª Lina Sue Matsumoto – 2010)<br />
  2. 2. ProfªLina Sue Matsumoto <br />2<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />Gonçalves, O. Psicoterapia Cognitiva Narrativa: Manual de Terapia Breve. Campinas:Editorial Psy. 1998<br />Capítulo 2 :<br />Os fundamentos de <br />uma psicopatologia narrativa<br />
  3. 3. ProfªLina Sue Matsumoto <br /> Os pressupostos da PSICOLOGIA NARRATIVA põe em questão: <br />1) A crença na existência de elementos de uma realidade interna essencial.<br />2) A existência de um ser humano completamente individualizado e autônomo.<br /> Essências cognitivas  organização da matriz existencial.<br />3<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />TERAPIA COGNITIVA NARRATIVA<br /> Hermenêutica absolutista e apriorística por uma hermenêutica facilitativa da multicompreensão.<br /> A abstração lógica cederá lugar à discursividade narrativa.<br /> Finalmente, o indivíduo isolado transformar-se-á num espaço relacional de interlinguagem.<br />
  4. 4. ProfªLina Sue Matsumoto <br /> Decorrem implicações clínicas em 2 níveis:<br />1º) Uma nova concepção de psicopatologia, equacionando a fenomenologia da perturbação, não como o reflexo de uma disfunção interna, seja ela “mental” ou “neurobiológica”, mas como um disfuncionamento do próprio discurso narrativo.<br />4<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />TERAPIA COGNITIVA NARRATIVA<br />2º) Uma psicoterapia que deixará de metaforizar o terapeuta como doutor da interioridade e da individualidade, e que procurará criar condições, no contexto da realidade conversacional que é a terapia, para um desenvolvimento da coerência, complexidade e multiplicidade do cliente.<br />
  5. 5. ProfªLina Sue Matsumoto <br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />TERAPIA COGNITIVA NARRATIVA<br />Psicopatologia Narrativa<br /> Construtivistas contemporâneos = Psicopatologia  ciência de significação = psiquiatria fenomenológica.<br /> As classificações nosológicas em psicopatologia deverão ser entendidas como metáforas – isto é – formas condensadas de organização de significados.<br />A psicopatologia é, nesse contexto, uma ciência da significação pessoal, e como tal, inseparável de um discurso narrativo.<br />Assim, falar de agorafobia, depressão ou esquizofrenia é, antes de tudo, falar de configurações prototípicas de organização de significados.<br />5<br />
  6. 6. ProfªLina Sue Matsumoto <br /> A psicopatologia, como processo de significação, é o produto da interação entre sistemas de significação de paciente e especialista.<br /> Assim, aquilo que caracteriza a psicopatologia é a sua existência, e não a sua essência.<br />6<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />TERAPIA COGNITIVA NARRATIVA<br /> A psicopatologia é uma produção discursiva de organização de significados, indissociável de uma contextualização conversacional e sociocultural.<br /> Por isso, as psicopatologias mudam, quando mudam os pacientes, os tempos, as culturas e os especialistas.<br />
  7. 7. ProfªLina Sue Matsumoto <br />A psicoterapia  ouvir as narrativas do cliente como uma forma de compreender os seus sistemas de significação = expandir estas formas de significação.<br />Não há pois psicopatologia sem interlocutor, e outra eventualmente seria a patologia, se outro fosse o interlocutor.<br />7<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />TERAPIA COGNITIVA NARRATIVA<br /> As significações do cliente existem numa realidade conversacional com as significações discursivas do próprio terapeuta.<br /> Mas... Como as significações se organizam na matriz narrativa do indivíduo?<br />
  8. 8. ProfªLina Sue Matsumoto <br />8<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />TERAPIA COGNITIVA NARRATIVA<br /> Há 3 dimensões centrais da matriz narrativa: (1) coerência, (2) complexidade e (3) multiplicidade.<br /> “Viver narrativamente é ser capaz de explorar múltiplas narrativas do passado, presente e futuro (multiplicidade narrativa), <br />enriquecer estas narrativas por uma variedade de processos e atitudes que nos dêem conta da multipotencialidade de cada instante episódico da nossa existência (complexidade narrativa)<br />e construir um sentido de conexão intra e inter-narrativas (coerência narrativa)”<br />
  9. 9. ProfªLina Sue Matsumoto <br /> Processo por intermédio do qual os diferentes aspectos da narrativa se ligam uns aos outros = proporcionar um sentido coerente de autoria.<br /> A significação da experiência está ligada à natureza e ao processo da construção narrativa.<br />9<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />1. Estrutura Narrativa (coerência)<br /> Os indivíduos necessitam estabelecer um processo de conexão e coerência, tanto no interior de cada episódio narrativo, quanto através das diferentes narrativas da vida.<br /> Viver depende de um sentido intencional de autoria.<br /> Os diferentes elementos da narrativa necessitam se ligar de um modo significativo e coerente.<br />
  10. 10. ProfªLina Sue Matsumoto <br />10<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />1. Estrutura Narrativa (coerência)<br /> Ao longo da vida, as narrativas necessitam obedecer a uma dimensão de conexão e continuidade.<br /> Na ausência de uma coerência dentro e através da narrativa, o indivíduo perde o sentido de autoria.<br /> A vida transforma-se num composto de experiências dissociadas que não podem ser compreendidas na sua singularidade, nem na sua sequência.<br /> Assim, o sentido de autoria é proporcionado por uma dupla procura de coerência da estrutura narrativa: dentro de cada narrativa e através da narrativa.<br /> Tendência universal de busca de significado.<br />
  11. 11. ProfªLina Sue Matsumoto <br />11<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />1. Estrutura Narrativa (coerência)<br /> O paciente surge com: <br />a) Discurso incoerente e desorganizado;<br />b) Não se apropria de suas experiências; <br />c) Mostra-se incapaz de construir um sentido; <br />d)Queixa-se de descontinuidade existencial.<br /> Dias sem sentido, espaços em branco nas memórias do passado, falta de um sentido de direção para a vida, sentimentos de estranheza e despersonalização, desrealização e sintomas dissociativos variados, são algumas das queixas mais comuns reveladoras de dificuldades na coerência da estrutura narrativa.<br />
  12. 12. ProfªLina Sue Matsumoto <br />12<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br /> 2. Processo Narrativo (complexidade)<br /> Inclui os aspectos de riqueza, qualidade, variedade e complexidade da produção estilística da narrativa.<br /> Os indivíduos podem apresentar narrativas coerentes, mas pouco diferenciadas em termos de complexidade<br /> Uma narrativa complexa é o contrário de uma visão empobrecida e dicotômica da experiência.<br /> Viver significa construir criativamente narrativas da experiência que dão conta da complexidade e das possibilidades. <br /> Viver é, por outras palavras, atualizar diferentes possibilidades, num mundo de complexidade.<br />
  13. 13. ProfªLina Sue Matsumoto <br />13<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br /> 2. Processo Narrativo (complexidade)<br />Atitude narrativa  5 processos narrativos:<br />(1) recordação: capacidade para identificar elementos episódicos da experiência; <br />(2) objetivação: exploração da multiplicidade do mundo sensorial;<br />(3) subjetivação: capacidade de identificar a variedade de experiências internas, emocionais e cognitivas;<br />(4) metaforização: diferenciação de significações da experiência;<br />(5) projeção: elaboração de possibilidades alternativas para narrativas de futuro. <br />
  14. 14. ProfªLina Sue Matsumoto <br />14<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />3. Conteúdo Narrativo (multiplicidade)<br /> Indivíduos que evidenciam um pobre conteúdo narrativo são aqueles cuja expressão discursiva se encontra limitada na diversidade de temas ou tramas, dando a idéia de que o sujeito opera num processo de unicidade discursiva.<br /> Ao contrário, uma existência narrativa, é ilustrada pela multiplicidade discursiva, pela sua diversidade temática, pela flexibilidade dos seus conteúdos.<br /> As narrativas variam não unicamente em termos de estrutura e processo, mas também em termos do seu próprio conteúdo.<br /> A multiplicidade narrativa resulta da diversidade dos seus conteúdos.<br />
  15. 15. ProfªLina Sue Matsumoto <br />15<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />3. Conteúdo Narrativo (multiplicidade)<br /> Existência narrativa = multiplicidade = diversidade de possibilidades = protagonizam vários temas.<br />Psicopatologia = incapacidade para uma visão multifacetada da experiência  diferentes tipos psicopatologia = diferentes protótipos narrativos.<br />Narrativa protótipo = autoria narrativa inflexível. <br /> Existir narrativamente implica evitar estar preso a um tema ou a um protótipo narrativo.<br />Objetivo da psicoterapia  introdução de uma maior flexibilidade, de modo que o indivíduo se abra o mais possível a toda potencialidade da experiência.<br />
  16. 16. ProfªLina Sue Matsumoto <br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />TERAPIA COGNITIVA NARRATIVA<br />“Nós compreendemos o passado mas vivemos o futuro” (Kierkgaard)<br />Discurso narrativo = compreender  viver <br />existência  conhecimento  hermenêutica<br /> Ligar o passado e o futuro no processo criativo de existir. <br />16<br />
  17. 17. ProfªLina Sue Matsumoto <br />Namastê!<br />17<br />PSICOTERAPIA COGNITIVA<br />E-mail : lina.sue@hotmail.com<br />Site: linasue.uuuq.com<br />

×