O mobile learning em contexto educativo

4.507 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.507
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.783
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
55
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O mobile learning em contexto educativo

  1. 1. Adelina Moura | adelinam@upt.pt |
  2. 2. Agenda1 Contextualização2 Questões da investigação3 Referencial Teórico4 Atividades5 Conclusões6 Mãos na massa: Website mobile
  3. 3. Contextualização
  4. 4. Contextualização Os tempos mudaram… 91% SMS das atividades mobile 79% das atividades desktop É mais do que um telemóvel…
  5. 5. Contextualização 1998 2007 < 10 anos
  6. 6. Contextualização
  7. 7. Contextualização O limite já não a tecnologia, mas a nossa capacidade de imaginar oportunidades de aprendizagem dentro e fora da sala de aula.
  8. 8. Contextualização
  9. 9. Contextualização Tecnologia de maior generalização
  10. 10. ContextualizaçãoO telemóvel é atecnologia eleita paracomunicar.
  11. 11. ContextualizaçãoNativos Digitais É tempo de mobilizar e potenciar os recursos que estão na mão dos alunos.
  12. 12. Contextualização Byod
  13. 13. O que está a faltar?
  14. 14. Estatuto do aluno
  15. 15. Agenda Portugal Digital http://dre.pt/pdf1sdip/2012/12/25200/0730707319.pdf
  16. 16. MG Geração Móvel
  17. 17. Contextualização Com a evolução das tecnologias móveis um novo “paradigma”educacional tem emergido denominado por mobile learning ou m-learning(Attewell et al., 2009; Kukulska-Hulme & Traxler, 2005; Quinn, 2000; Ryu &Parsons, 2009) e é definido como a aquisição de qualquer conhecimento oucompetência usando tecnologias móveis, em qualquer lugar e momento,resultando numa alteração no comportamento (Geddes, 2004, Yousuf, 2007); Estas tecnologias podem suprimir as limitações da aprendizagemconfinada à sala de aula, oferecendo acesso a materiais de ensino e deaprendizagem em qualquer local e tempo (Kukulska-Hulme & Traxler, 2005;Song, 2008; Vavoula et al., 2009; Pachler et al., 2010; Sharples et al., 2006); Há necessidade de investigar a forma como estas tecnologias podem sermelhor utilizadas como ferramentas de aprendizagem formal e informal(Pachler et al., 2010; Sharples et al., 2006);
  18. 18.  Alguns autores sugerem que as tecnologias móveis vão transformar aeducação nos próximos tempos (Pachler et al., 2010; Ryu & Parsons,2009, Soloway et al., 2001). Mas para uma utilização eficaz é precisocompreender: i) como os alunos utilizam as tecnologias que guardam nos bolsos; ii) como se sentem relativamente a essas tecnologias; iii) as possibilidades e limitações que apresentam; iv) como estas tecnologias alteram o local de aprendizagem e asactividades que suportam. Estes novos cenários educativos levou-nos a tentar compreenderos desafios e oportunidades da integração de dispositivos móveis,como o telemóvel, no processo de ensino e aprendizagem.
  19. 19. Questões da Investigação  Como se processa a apropriação do telemóvel enquanto ferramenta de aprendizagem?  Como é que artefactos como o telemóvel são usados na aprendizagem individual e colaborativa como elementos de mediação pedagógica?  Que papel têm os artefactos na aprendizagem e desenvolvimento de competências de línguas dentro e fora da sala de aula?  Que impactes têm as tecnologias móveis no desenvolvimento de estratégias pedagógicas e acompanhamento do processo de ensino e aprendizagem?
  20. 20. Referencial Teórico Abordagens Construtivistas (Bruner, 1966; Fosnot, 1996; Papert,1999; Piaget, 1977); Teoria da Atividade (Vygotsky, 1978; Leontiev, 1978; Engeström,2001); Modelo ARCS (Keller, 1987); Investigação em m-learning (Naismith et al., 2004; Kukulska-Hulme& Traxler, 2005; Kukulska-Hulme, 2009; Sharples et al., 2007; Vavoulaet al., 2009; Shuler, 2009).
  21. 21. Atividades
  22. 22. Produtos dos alunos
  23. 23. Geração Móvel
  24. 24. WebsiteMóvel
  25. 25.  Dos resultados inferimos que os alunos depois de terem começado a explorar as potencialidades do telemóvel como ferramenta de aprendizagem, descobriram os benefícios e utilidade do aparelho e passaram a usá-loConclusões também como ferramenta de aprendizagem, integrando-o nas suas práticas educativas diárias de forma natural, tal como em estudos de Waycott (2004) e Waycott et al. (2005);  As características do telemóvel tais como a sua natureza pessoal, a familiaridade, o controlo, a conveniência, a gestão pessoal da informação e a comunicação facilitaram a apropriação do telemóvel como ferramenta de mediação em m-learning;  Verificamos que o telemóvel foi visto como introduzindo novas possibilidades e constrangimentos à actividade (Teoria da Actividade);  O telemóvel, ao ser usado como ferramenta de aprendizagem, o artefacto transformou-se, deixando de ser uma ferramenta pessoal para ganhar um novo estatuto (Teoria da Actividade).
  26. 26.  A maioria dos alunos perspectivou o telemóvel como uma ferramenta de mediação em m-learning;Conclusões  As limitações técnicas dos dispositivos dos alunos parecem não ter interferido na forma como se apropriaram da ferramenta para aprender, nem no nível de satisfação relativamente às experiências mediadas pelos seus telemóveis. “Eu antes nunca pensei que o “… o potencial do telemóvel para telemóvel desse para aprender aprender em qualquer lado e a qualquer tipo de matéria. Mas qualquer hora é bastante bom pois hoje...depois destas motiva os alunos a interagir mais na experiências, digo que é uma sala de aula e a aprender mais, tanto óptima ferramenta de dentro da sala como fora” (DE03). aprendizagem” (CE07).
  27. 27.  O facto do telemóvel ser um objecto pessoal, facilitou a sua utilização eapropriação e a resolução de problemas ligados às limitações dosdispositivos; A proposta de trabalho colaborativo suportado pelo telemóvel incentivouà colaboração; O processo de ensino e aprendizagem foi considerado mais atractivo,aumentando a motivação pela aprendizagem; A qualidade da aprendizagem efectuada com o apoio do telemóvel foiconsiderada melhor do que sem o seu apoio;
  28. 28.  O professor não desaparece com a tecnologia, ele passa a ter maisoportunidades, pois é uma peça fundamental no processo educativo; O professor não deve ter medo de levar para a sala de aula umatecnologia pessoal, como o telemóvel, por pensar que perde o controlosobre os alunos e as actividades; Os dispositivos móveis obrigam a uma reconceptualização de papéis(professor/aluno) e a novas dinâmicas na sala de aula; O aluno tem domínio sobre a tecnologia, por ser sua, e sobre aconstrução da sua aprendizagem; Não chega mudar a tecnologia, é preciso mudar as abordagens doprocesso de ensino e aprendizagem.
  29. 29. ConclusõesSer nativo digital é suficiente?
  30. 30. Estão os Nativos Digitais mais preparados para o Mobile Learning?
  31. 31. Passado >>Presente
  32. 32. Tablet na sala de aula
  33. 33. A usabilidade móvelmudou …
  34. 34. ContextualizaçãoMobile Learning: é a Hora!
  35. 35. Editores para Website Móvel
  36. 36. http://www.mobilestudy.org/
  37. 37. Tutoriais Tutorial Mobile Study http://www.youtube.com/watch?v=t2Bal7XLjfY Tutorial Wirenode http://www.dailymotion.com/video/xb6ryh_wirenode_school
  38. 38. http://polldaddy.com/
  39. 39. http://goo.gl/AguiK/Google Sites - Mobile Templateshttp://www.google.com/sites/help/mobile-landing-pages/mlpb.html
  40. 40. Universidade PortucalenseAdelina Moura adelinam@upt.pt https://twitter.com/geramovel

×