Os jornalistas on line

197 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
197
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os jornalistas on line

  1. 1. Os jornalistas online em Portugal João Canavilhas Universidade da Beira InteriorÍndice explorar as potencialidades jornalísticas da web exigiria um investimento assinalável.1 Introdução 1 Com a economia em recessão e os merca-2 Desenvolvimento do jornalismo na In- dos financeiros avisados após a queda das ternet 2 empresas tecnológicas, a procura de um mo-3 O caso português 2 delo económico que viabilize o negócio da4 Conclusão 7 informação online tornou-se num objectivo5 Bibliografia 7 não cumprido até aos dias de hoje. Numa fase inicial, pensou-se que a supres-1 Introdução são das despesas relativas ao papel e à dis- tribuição colocaria os custos de produção deO jornalismo online português cumpre este uma publicação online ao nível das receitasano uma década. Durante este período, o oriundas da publicidade, o que não se veri-país assistiu ao nascimento de várias publi- ficou. Apesar das receitas publicitárias on-cações exclusivamente online e à criação de line continuarem a crescer, os valores atin-versões web da esmagadora maioria dos me- gidos ainda estão longe de cobrir os custosdia tradicionais. inerentes a uma publicação pensada para a Numa primeira fase, jornais, rádios e tele- web. Por isso, a adopção de um modelo eco-visões foram atraídos pela imagem de ino- nómico análogo aos das televisões e rádiosvação tecnológica associada à presença na hertzianas – baseado quase exclusivamenteInternet e pela possibilidade de consegui- na publicidade – parece não ser, para já, orem uma dimensão global até então condi- mais indicado.cionada pelos circuitos de distribuição. Por Uma das alternativas à publicidade é o pa-isso, as primeiras edições online limitaram- gamento dos conteúdos. Em Abril de 2005,se a transportar para a web aquilo que já fa- mês em que a versão online do PÚBLICOziam nas versões tradicionais. Só mais tarde passou a ser paga, José Vítor Malheiros, jus-algumas empresas perceberam o potencial da tificava1 esta opção com a necessidade de au-web, tendo introduzido funcionalidades pró- mentar as receitas. Segundo ele, para alémprias do meio e criado novos serviços apenas do aumento de custos decorrente da necessi-possíveis neste meio. 1 Apesar dos avanços, cedo se percebeu que http://jornal.publico.pt/noticias.asp?a=2005&m =04&d=03&id=14009&sid=1537
  2. 2. 2 João Canavilhasdade de mais recursos humanos e técnicos, a hiperligações, aplicações interactivas e, nal-versão online levou ao desaparecimento das guns casos, fotos, vídeos ou sons.assinaturas oriundas do estrangeiro, pelo que Fase 3. Conteúdos desenvolvidos exclusi-a situação se tornou ainda mais difícil para o vamente para a web, tirando partido de todassector online. Por isso, a empresa optou por as suas características.um modelo de negócio assente no pagamento Esta última fase, a que chamamos Web-do acesso à informação. Porém, a experiên- jornalismo, caracteriza-se pela produção decia de outros sectores económicos indica que informação de cariz noticioso com recursoé difícil convencer os consumidores a paga- a uma linguagem constituída por palavras,rem um bem ou serviço quando ele foi for- sons, imagens - estáticas ou em movimentonecido gratuitamente durante um longo pe- - e hiperligações, tudo combinado num todoríodo. A excepção verifica-se quando esse coerente, interactivo, aberto e de livre nave-bem ou serviço sofre melhorias significati- gação para os utilizadores.vas: neste caso, os clientes estão dispostos a É justamente nesta fase que os factoresmudar de atitude, pagando o bem ou serviço. económicos adquirem especial importância, O estudo A Internet e a Imprensa em Por- não só ao nível da emissão, como ao da re-tugal, publicado em 2003, dá bons indicado- cepção.res nesse sentido, identificando as várias ra- Recepção: Embora o número de utiliza-zões que levariam os consumidores a pagar dores continue a crescer de forma exponen-informação online: personalização, desejo cial, a banda larga ainda é uma miragem parade aceder a informação com suporte multi- grande parte da população. A integração demédia, a actualização permanente e possibi- vídeo e som na notícia, por exemplo, exigemlidade de trocar informações com os jorna- largura de banda, pois de outra forma os uti-listas, são algumas das razões que, segundo lizadores desistem de aceder aos conteúdosos inquiridos, os levariam a pagar o acesso multimédia.à informação online. A resposta a estes an- Emissão: a dificuldade em financiar osseios implica necessariamente que o jorna- projectos online tem sido o maior entrave aolismo na web entre numa nova fase de de- desenvolvimento de uma nova linguagem. Asenvolvimento. produção de informação multimédia implica a existência de profissionais que dominem o processo de produção noticiosa mas que, em2 Desenvolvimento do simultâneo dominem um conjunto de ferra- jornalismo na Internet mentas informáticas que lhes permita traba-John Pavlik (2001) sistematizou a evolução lhar conteúdos multimédia.do jornalismo na web em três fases: Fase 1. Os conteúdos disponibilizados on- 3 O caso portuguêsline são os mesmos que antes foram publica-dos nas versões tradicionais do meio. O jornalismo que actualmente se faz na web Fase 2. Os conteúdos são produzidos uni- encontra-se ainda na segunda fase de de-camente para as versões online, contendo já senvolvimento preconizada por Pavlik. Na maior parte dos casos, aquilo a que se chama www.bocc.ubi.pt
  3. 3. Os jornalistas online em Portugal 3jornalismo online é a disponibilização de no- a classe, suas características, dificuldades etícia de última hora. Jornais exclusivamente anseios.online, como o Diário Digital ou o PortugalDiário, estão longe de ter entrado na fase de 3.1 Metodologiawebjornalismo. O Diário Digital funcionacomo uma espécie de jornalismo de agência, No mês de Fevereiro de 2005 foram identi-ao qual se juntam hipertexto, arquivo, artigos ficadas as publicações online existentes emde opinião e a possibilidade de contactar os Portugal e compilados os contactos dos seusjornalistas. jornalistas. Nas 253 publicações exclusiva- O Portugal Diário, por seu lado, acres- mente online, ou com uma versão online, fo-centa a tudo isto algumas novas funcionali- ram recolhidos os endereços electrónicos dedades e ainda “dossiers multimédia” que se 93 jornalistas4 .resumem a textos, fotografias e, nalguns ca- No contacto estabelecido, 8 endereçossos, curtos vídeos. electrónicos estavam errados e 5 publicações As restantes publicações fornecem edi- não responderam, pelo que o universo do es-ções online com características muito seme- tudo ficou reduzido a 20 publicações com 79lhantes às das suas versões tradicionais, ti- jornalistas. Destes, 54 preencheram o inqué-rando partido de algumas características da rito enviado por correio electrónico.web mas, ainda assim, muito longe de ex- Os inquiridos responderam a 17 questõesplorarem as potencialidades do meio. Casos divididas em quatro grandes grupos: dadoscomo a TSF online ou a SIC online funcio- pessoais, experiência profissional, formaçãonam com base em texto, ao qual acrescen- e utilização da Internet.tam os hipermédia2 naturais de cada um dos Foi ainda incluído um grupo de questõesmeios: som ou vídeo. destinados a integrar os dados recolhidos, so- A marca mais visível de uma terceira fase licitando a concordância ou discordância emde desenvolvimento do jornalismo na web é relação a algumas frases onde se abordavama oferta de infografias multimédia. Porém, questões ligadas à sua actividade profissio-ainda são poucas as publicações portuguesas nal.que apostam no Flash, uma ferramenta compotencial para criar um novo género jornalís- 3.2 Amostratico no online. De um universo 79 jornalistas foram rece- Apesar de tudo, os jornalistas que traba- bidos 54 inquéritos, conseguindo-se assimlham no online partilham um conjunto de va- uma Taxa de Retorno de 71%, um valor sufi-lores comuns e têm uma noção clara da si- ciente para validar os resultados.tuação que vivem, pelo que o ponto de par- 3tida para a análise da situação do jornalismo Das publicações identificadas, 5 forneciam umna web passa necessariamente por conhecer endereço único, por isso considerou-se a existência de um só jornalista na redacção. 2 4 Utiliza-se a palavra hipermédia para referir foto- Neste trabalho o termo “jornalista” é entendidografias, clips de vídeo/áudio ou animações em flash. como o profissional que trabalha numa publicação on- line, não sendo considerada a necessidade de carteira profissional.www.bocc.ubi.pt
  4. 4. 4 João Canavilhas3.2.1 Sexo 3.3 Experiência profissionalA observação das fichas técnicas das publi- A maioria dos jornalistas que trabalha nascações online permite afirmar que as mulhe- edições online está em início de carreira:res (54,9%) estão em maioria no universo do 53,75% exerce a profissão há menos de 5jornalismo online. A amostra que serviu de anos, 29,6% trabalha há 6 /10 anos e apenasbase a este estudo reflecte esse mesmo domí- 14,8% trabalha há mais de 11 anos.nio, com 59,3% dos inquiridos a pertencer ao O facto do grupo mais representado sersexo feminino. o dos jornalistas em início de carreira po- dia indicar que o online é um recurso para3.2.2 Idade os que não encontram colocação nos meios tradicionais. Porém, apenas 38,9% dos jor-O escalão etário mais representado é o dos nalistas afirma que o trabalho no online foi26/35 anos (59,3%), seguido dos que têm um recurso, enquanto 61,1% defende quemenos de 25 anos (24,1%), do grupo 36/45 a escolha do online foi efectuada por von-(12,9%) e do escalão 46/55 (3,5%). tade própria. A ideia parece ser reforçada A percentagem de jornalistas portugueses pelo facto de apenas 35,2% dos inquiridoscom menos de 35 anos (83,4%) é concor- ter começado a sua carreira no online. Osdante com o que se verifica na América La- restantes inquiridos optaram por sair de ou-tina, onde 87%5 tem entre 20 e 30 anos, um tros meios para ingressarem no online, comdado que não surpreende dado estarmos a fa- 35,2% vindo da imprensa escrita, 22,2% dalar de um fenómeno recente. rádio e 7,4% da televisão. A proporção homens/mulheres não é uni- Este grupo de jornalistas online originá-forme em todos os escalões. A diferença rios de outros meios considera mesmo queé particularmente desequilibrada nos gru- o trabalho no online é mais gratificantepos dos “menores de 25 anos” e dos 36/45. (59,3%), enquanto 29,6% diz preferir outroNo caso dos jornalistas em início de car- meio e 11,1% não tem opinião.reira, as mulheres representam 84,6%, sendo Em termos de organização das redacçõesque os poucos homens pertencentes a este online, e contrariamente ao que é vulgar nosgrupo trabalham numa publicação online di- meios tradicionais, o trabalho em diferenteszem que o trabalho neste meio foi um re- editorias é prática habitual, com 46,3% doscurso. inquiridos a trabalhar para várias secções. No grupo etário 36/45 regista-se precisa- Seguem-se as secções de Sociedade (27,8%),mente o caso contrário, com 85,7% dos jor- Política (22,2%), Nacional (16,7%), Culturanalistas a pertencerem ao sexo masculino e (12,9%), Desporto (11,1%) e Internacional98,1% a afirmarem que o trabalho no online (5,6%).foi uma opção. 5 http://www.noticiasdot.com/publicaciones/2004/ 3.4 Formação0404/2604/noticias260404/noticias260404-15.htm A esmagadora maioria dos jornalistas inqui- ridos (90,7%) refere que a web é um novo www.bocc.ubi.pt
  5. 5. Os jornalistas online em Portugal 5meio de comunicação social e há um con- de som (14,8%), edição de HTML (12,9%),senso (98,1%) quando referem que o jorna- edição de vídeo (7,4%) e edição electrónicalismo online não é apenas uma moda. Estes (5,6%).dados permitem afirmar que a identificação Justamente por falta de formação, ou porde uma linguagem jornalística própria para a opção da empresa, os hipermédia ainda nãoweb e a necessidade de formação específica são muito utilizados nas publicações portu-nesta área adquirem uma importância cru- guesas. Apenas 68,5% dos jornalistas utilizacial. o hipertexto nos seus artigos, embora 74,1% A formação na empresa é a situação mais considere que se trata de um bom auxiliar nahabitual entre os profissionais que trabalham hora de construir a notícia.no online (53,7%). Destes, 77,3% teve for- A integração de vídeo ou som na notícia émação em actividade, contra apenas 22,7% mais rara, com 44,4% a referir a sua utiliza-que adquiriu competências nesta área em ção. Embora as percentagens pareçam sig-cursos fornecidos pela empresa. Os restan- nificativas, a realidade é algo diferente. Ates inquiridos receberam formação especí- análise das publicações onde trabalham es-fica no Ensino Superior (16,7%) ou no Cen- tes jornalistas permite observar uma utiliza-jor (9,3%). Há ainda uma percentagem sig- ção diminuta do som/vídeo. Ainda assim, enificativa de jornalistas (33,3%) que não teve salvo raríssimas excepções, o som e vídeoqualquer tipo de acção formativa. são usados apenas pelas edições online dos A baixa percentagem de jornalistas que meios que, na sua versão tradicional, ofere-recebeu formação no Ensino Superior e a cem este tipo de formato. A TSF Online, poremergência dos meios online levam 94,4% exemplo, disponibiliza sons, tal como a SICdos inquiridos a considerar que a opção de Online disponibiliza vídeos. Ou seja, os hi-jornalismo online deve ser introduzida no permédia são usados apenas como comple-currículo das escolas. mento, não se verificando a sua integração Actualmente, seis escolas de Ensino Supe- na notícia.rior português ministram uma disciplina de O recurso ao hipertexto começa a ser maisjornalismo online, embora com denomina- vulgar nas publicações portuguesas, emborações diferentes. Outras escolas incluem no a sua utilização se fique pela referência a ar-seu curriculum disciplinas ligadas à temática tigos relacionados com a notícia.digital onde o jornalismo online é abordado. Embora 88,9% dos jornalistas considere 3.5 Utilização da Internetimportante o domínio de ferramentas des-tinadas à produção de conteúdos multimé- Das várias funções oferecidas pela Internet,dia, o inquérito revelou que os softwa- a procura de informação é a mais referidares mais utilizados são os processadores de (100%) pelos jornalistas. Seguem-se a lei-texto (96,3%), os programas destinados tra- tura/envio de correio electrónico (98,1%), atamento digital de fotografias (87%) e as fo- actualização de dados (90,7%), o contactolhas de cálculo (31,5%). As ferramentas de com fontes (87%), a formação (81,5%) e oprodução multimédia têm utilizações mar- contacto com especialistas (72,2%).ginais: animação vectorial (16,6%), edição Para as pesquisas na web, o motor prefe-www.bocc.ubi.pt
  6. 6. 6 João Canavilhasrido dos jornalistas é o Google (94,4%), se- repetem. O mais referido é jornalismo ac-guido do Yahoo (31,5%), do SAPO (29,6%), tualizado ao minuto.do Altavista (24,1%) e do A9 (7,4%). É con- Com a questão da velocidade em desta-sensual que a web facilitou uma das activida- que, foi perguntado aos jornalistas se é jus-des base do jornalismo, a pesquisa. tificável cometer incorrecções para ser o pri- Uma das características que distingue o meiro a dar a notícia. Os resultados referemjornalismo online do jornalismo desenvol- que 90,1% rejeita esta hipótese, um valorvido nos restantes meios é a possibilidade alto mas que deixa ainda 9,9% de jornalis-dos leitores contactarem os jornalistas. Po- tas para quem ser o primeiro a avançar umarém, essa possibilidade não é explorada informação justifica a falta de rigor.nas edições online portuguesas, pois ape- Face à possibilidade de actualização cons-nas 22,2% assina os trabalhos com endereço tante das notícias, perguntou-se ainda aoselectrónico próprio. A prova de que os lei- jornalistas se é justificável que algumas pu-tores apreciam esta possibilidade é o facto blicações online tenham periodicidade. Osde 91,6% dos que assinam com endereço dados revelam que 62,9% dos inquiridospróprio receber mensagens dos seus leitores: discorda, defendendo uma actualização ao72,7% recebe 1 a 5 mensagens por artigo e ritmo dos acontecimentos.27,3% recebe 6 a 10 mensagens. Quase me- Para além da questão da velocidade, ostade dos jornalistas (45,5%) responde a todos jornalistas definiram ainda jornalismo onlineas mensagens, exactamente a mesma percen- como eficaz, imediato e sintético, misto detagem de jornalistas que responde apenas a papel e rádio, consequência tecnológica,algumas. complemento para os restantes meios ou, Os sites mais utilizados para actualiza- simplesmente, jornalismo com um tempoção de informações são a Lusa (44,4%), o de vida mais reduzido. Foram ainda assi-Público (18,5%), a TSF (14,8%), a BBC nalados termos como opinião, gratuitidade,(12,9%), o Diário Digital (11,1%), o El emoção, opinião e interacção.Mundo (9,3%) e a CNN (7,4%). São aindareferidas mais 17 fontes de informação, mui-tas delas ligadas a áreas de trabalho específi-cas de determinadas secções. O facto da Internet ter aumentado a ofertade informação poderiam tornar o jornalistadispensável, mas não é isso que pensam osjornalistas online: 98,1% dos inquiridos dizque o excesso de informação é, justamente,uma situação que reforça a necessidade dejornalistas que hierarquizem e seleccionem ainformação. Neste estudo foi pedido aos jornalistas quedefinissem “jornalismo online”. Embora asdefinições variem bastante, há termos que se www.bocc.ubi.pt
  7. 7. Os jornalistas online em Portugal 74 Conclusão ções – não mostraram ser capazes de viabi- lizar o negócio. O modelo misto – acessoPodemos dizer que os jornalistas online por- gratuito à maior parte dos conteúdos + pu-tugueses são, sobretudo, jovens em início de blicidade direccionada (em resultado da ne-carreira, o que é natural dado tratar-se de cessidade de registo) + venda de conteúdos -uma área de especialização recente. Estes parece ser o modelo mais promissor, já quejornalistas são profissionais que estão no on- garante o essencial para viabilizar o negócio:line por opção, embora entre o sexo feminino a existência de público.se registe uma rejeição inicial ao online. Neste mar de dúvidas relacionadas com Embora reconheça que o domínio das fer- questões financeiras, há uma certeza: o web-ramentas online é muito importante para a jornalismo terá de encontrar uma linguagemprofissão, a esmagadora maioria dos jor- que tire partido das características do meio.nalistas apenas domina processadores de Este estilo de informação exige investimen-texto, programas de tratamento de imagem tos, como se viu, grande parte do qual em re-e softwares de edição online próprios da sua cursos humanos qualificados, algo que o sis-publicação, tendo obtido esta última com- tema de ensino deve ter em consideração nospetência em formação na própria empresa. tempos vindouros.Acreditando que o online não é apenas umamoda, os jornalistas recomendam às escolasa integração de algumas disciplinas específi- 5 Bibliografiacas nos currículos. Canavilhas, João Messias. A notícia no web- Das características fundamentais do jorna- jornalismo: arquitectura e leitura dalismo na web - multimédia, interactivo, hi- imagem 152-171 em Brasil A, Alza-pertextual, personalizado e memória – ape- mora G. e outros (org). Cultura emnas a “interactividade” foi amplamente re- Fluxo: novas mediações em rede, Mi-ferida pelos jornalistas portugueses que par- nas Gerais , Edit. PUC-Minas, 2004ticiparam neste estudo. Se lhe juntarmosa “actualização permanente”, ficamos com Noci, Javier Díaz y Salaverria, Ramón (co-uma imagem daquilo que é a realidade diá- ord), Manual de Redacción Ciberperi-ria das publicações informativas portuguesas odística, Barcelona, Ariel Comunica-disponíveis na web: integração de hiperme- ción, 2004dia quase inexistente, fraca utilização do hi-pertexto e aposta nas notícias de última hora, Pavlik, John, Journalism and new media,num modelo muito semelhante aos das agên- New Cork, Columbia University Press,cias de notícias. 2001 Por detrás desta realidade parece estar a Valcarce, David P. y Marcos, José A. Ciber-dificuldade em encontrar um modelo de ne- periodismo. Madrid, Sintesis, 2004gócio que viabilize as publicações online. Ostrês modelos até agora testados - pagamento Ward, Mike, Journalism Online, Oxford, Fo-do acesso à informação, registo para acesso calPress, 2002gratuito à edição do dia e acesso sem restri-www.bocc.ubi.pt
  8. 8. 8 João CanavilhasTextos OnLineCabrera González, M.A. [2000] Conviven- cia de la prensa escrita y la prensa on line en su transición hacia el modelo de comunicación multimédia, http://www.ucm.es/info/perioI/Period_ I/EMP/Numer_07/7-4-Comu/7-4-01.h tm, consultado em 15 de Maio de 2005Fidalgo, António [2000] JAC – Jornalismo Assistido por computador, http://www. labcom.ubi.pt/jac/o_que_e_jac.html, consultado em 22 de Abril de 2005Estudos OnLineA Internet e a Imprensa em Portugal - Estudo da Vector XXI, http://www.vector21.co m/pd/estudosmercado/, consultado em 2 de Maio de 2005 Participaram neste estudo jornalistasdas seguintes publicações: Azores News,Canal de Notícias do IPV, Diário Digital, Ex-presso OnLine, Fábrica de Conteúdos, OesteOnLine, OnLine News, Portugal Diário, Mo-liceiro, Mundo Luso, Record OnLine, RTPOnLine, Setúbal na Rede, SIC OnLine, Sin-tra Digital, Público OnLine, TSF Online,Urbi@Orbi, Tinta Fresca, Visão OnLine. www.bocc.ubi.pt

×