01 pentateuco-nocoes-introdutorias

507 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
507
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

01 pentateuco-nocoes-introdutorias

  1. 1. Pentateuco 1 Estudo do Pentateuco Bibliografia básica BLENKINSOPP, J. The Pentateuch. An introduction to the First Five Books of the Bible. London – New York, 1992 (tradução espanhola, Estella – Navarra, 1999). CRUSSEMANN, F. A Tora. Vozes, Petrópolis 2001. GÁRCIA LÓPEZ, F. O Pentateuco. Paulinas, São Paulo 1998. GÁRICA LÓPEZ, F. O Pentateuco. Vol. 3a. Ave Maria, São Paulo 2004. DE PURY, A. (ed.). O Pentateuco em questão: as origens e a composição dos cinco primeiros livros da Bíblia à luz das pesquisas recentes. Vozes, Petrópolis 20022. SCHMIDT, W. H. Introdução ao Antigo Testamento. Sinodal, Porto Alegre 1994. SKA, J. L. Introdução à leitura do Pentateuco. Loyola, São Paulo 2003. ZENGER, E. (ed.) Introdução ao Antigo Testamento. Loyola, São Paulo 2002. 1. Noções introdutórias Tomemos Dt 1,1-5, como leitura inicial e introdução ao nosso estudo do Pentateuco. Que se percebe neste texto? Vê-se que uma voz anônima se apresenta e introduz as palavras que Moisés dirigiu a todo o Israel. Esta voz é do narrador que entra em cena como uma ponte colocada sobre o rio Jordão ligando as suas duas margens. Uma ponte que liga o presente do narrador e do seu ouvinte ao passado do seu povo. Para manter viva a voz de Moisés, que transmitia a voz de Deus, a voz do narrador se apresenta e coloca a voz de Moisés diante dos seus ouvintes. Acontece um elo entre épocas diversas, mas ao mesmo tempo indica que existe uma tradição viva. Quem lê ou escuta a voz do narrador, escuta a voz de Moisés que escuta a voz de Deus. O mesmo se dá com Jesus: “quem vos recebe, a mim recebe e quem me recebe, recebe o que me enviou” (Mt 10,40). Há entre o ouvinte-leitor e a voz de Moisés uma distância, marcada pelas duas margens do rio Jordão, que se unem na voz do narrador. No estudo e análise de qualquer obra literária é fundamental, para um bom aproveitamento, perceber, investigar e conhecer os dados que favorecerão o estudo de tal obra. Por exemplo: o nome do livro, a estrutura e o conteúdo, limites, dados de composição: autoria, data, lugar, circunstâncias etc. O Pentateuco é uma obra literária peculiar em vários aspectos. Em primeiro lugar, porque os estudiosos não chegaram a um acordo sobre a “autoria” ou sobre o “redator final”. Não existe uma palavra final que responda de forma plausível sobre o seu processo de formação. Este desacordo se converteu numa das principais questões para a exegese do Antigo Testamento. Por causa Copyright © 2011 Leonardo Agostini Fernandes – Todos os direitos reservados.
  2. 2. 2 Noções Introdutórias disso, não existe, também, um acordo sobre a extensão deste primeiro Corpus da Bíblia. Em segundo lugar, porque o Pentateuco apresenta-se como um conjunto literário extremamente complexo e possuidor de uma riqueza literária extraordinária. Complexidade e riqueza literária são dois traços típicos do Pentateuco, visto que possui textos com formas literárias diversas: relatos, leis, hinos, exortações etc. Todavia, tal complexidade existe devido aos problemas históricos presentes no texto, gerando as questões literárias que se tornam importantes para todos os que se aproximam do Pentateuco não só com a fé, mas também de forma crítica1: 1) Os relatos representam uma fonte confiável para o historiador moderno? 2) Em que contextos históricos (Sitz im Leben = contexto vital) os diferentes autores redigiram as diferentes tradições e/ou as reuniram num corpus literário? 2. Nome O termo Pentateuco é de origem grega – penta,teucoj – e significa “cinco invólucros” ou “cinco estojos”. Uma antiga tradição, que já se encontra na versão grega dos LXX, apresenta a t como um conjunto de cinco rolos: Gênesis (Gn), Êxodo (Ex), Levítico (Lv), Números (Nm) e Deuteronômio (Dt). O termo Pentateuco foi empregado pela primeira vez por Tolomeu, um gnóstico do séc. II d.C. em sua carta a Flora2. Tertuliano (Adv. Marc., 1,10) latinizou o termo no início do séc. III d.C. em “pentateuchus (liber)” e Santo Isidoro (Etym., 6,22,1.2) converteu-o em um vocábulo neutro “Pentateuchum”. O Pentateuco é o livro que os judeus designavam com o nome de t (deriva da raiz hebraica hrt) e significa instrução e lei. Sabe-se que se escrevia, antigamente, em rolos de pele que eram guardados em vasilhas, estojos ou ânforas (em grego teu,coj = Pentateuco). Um único rolo é manuseado com facilidade se não for muito volumoso. Uma obra extensa, em função da praticidade, era divida em várias partes. Por isso, o rolo do Pentateuco foi dividido em cinco quintos (pe,nta) para facilitar a sua conservação, o seu transporte para o lugar da leitura, o seu manuseio e a sua reprodução, quando se fazia necessária, visto que o material tinha um curto tempo de vida útil. Cada uma destas cinco partes, ou “rolos”, é designada em hebraico pela primeira palavra importante do seu texto, assim temos: Cf. Leonardo A. FERNANDES, “Leituras inaceitáveis (espúrias) da Palavra de Deus”, Coletânea 15 (Jan-Jun 2009) pp. 11-31. 2 Consevada em S. Epifânio, Adv. Haer., 33,4.1 (PG 41,560). 1
  3. 3. Pentateuco  tyviareB. ()3 = “no princípio”  tAmv. ()4 = “nomes”  ar'q.YIw:. ()5 = “e chamou”  rB;d>miB. ()6 = “no deserto”  ~yrIb'D>h; ()7 3 = “as palavras” Os judeus residentes em Alexandria, responsáveis pela versão grega dos LXX, designaram estes livros com nomes que, de algum modo, refletissem o seu conteúdo e tais nomes são os que usamos em nossas versões em vernáculo:  Gênesis (Ge,nesij), para indicar a origem do mundo e das criaturas;  Êxodo ( ;Exodoj), para indicar a saída do Egito;  Levítico (Leuitico,n), para indicar a legislação relativa aos “levitas”;  Números ( vAriqmoi,), por causa dos recenseamentos relatados;  Deuteronômio (Deuterono,mion), para indicar a “segunda lei”8 dada nas planícies de Moab, que completariam as prescrições dadas no Sinai. Os judeus denominaram t o primeiro Corpus da sua Bíblia. Mas que significa o termo t? Na Bíblia hebraica, o termo t pode designar: a) uma lei, uma prescrição isolada e concreta (cf. Lv 6,2.7.8; 7,1; Nm 6,13). b) uma coleção mais extensa de prescrições legislativas (cf. Lv 11,46; 26,46). c) pode ter um sentido mais complexo e mais teológico. Em 2Rs 22-23 narra-se a “descoberta de uma Lei” no Templo durante o reinado de Josias e designa este documento como livro da t (cf. 2Rs 22,8.11) ou como livro da Aliança (cf. 2Rs 23,2.21). Esta Lei corresponde provavelmente ao antigo núcleo do livro do Deuteronômio (Dt 12 – 26*). A reforma religiosa empreendida por Josias se apresenta detalhada em 2Rs 23, mas está de acordo com a legislação dada em Dt 12. A t aqui representa, então, o documento da aliança onde se expressa a relação privilegiada entre Deus e o seu povo. A palavra t é empregada neste mesmo sentido em Dt 1,5 para designar o conjunto do livro, que contém as palavras que Moisés dirigiu a todo o Israel. Ela reúne e combina relatos e leis. Os relatos falam das façanhas realizadas pelo Preposição + substantivo comum feminino singular absoluto. Substantivo comum masculino plural no estado constructo. 5 Conjunção + verbo no qal com waw consecutivo imperfeito 3a masc.sg. 6 Preposição + substantivo comum masc.sg. no estado constructo. 7 Artigo + substantivo comum masculino plural absoluto. 8 Como veremos mais adiante, a nomeclatura deuteronômio não significa uma “segunda lei” no sentido estrito, mas possui o valor de “cópia da lei” (cf. Dt 17,18) 3 4 Copyright © 2011 Leonardo Agostini Fernandes – Todos os direitos reservados.
  4. 4. 4 Noções Introdutórias Senhor a favor de Israel, e as leis, manifestam o compromisso de Israel para com seu Deus. A t, então, é vista e apresentada como a história de salvação e libertação. Nesta, a iniciativa pertence sempre ao Senhor, que dá as leis e as prescrições para Israel, que se compromete em respeitá-las como resposta à oferta salvífica, que é dom de Deus. Desta forma, o Pentateuco aparece como relato e texto normativo indissociáveis. O relato fundamenta a fé que se torna conduta de vida9. 3. Divisão e Conteúdo A divisão do Pentateuco em cinco livros foi realizada levando-se em conta pontos de ruptura importantes: O livro do Gênesis inicia com os relatos da criação e termina com o relato dos Patriarcas, falando da morte de José; a) O livro Êxodo começa a história do povo de Israel no Egito, lembrando José, e termina com YHWH tomando posse da tenda-santuário; b) O livro do Levítico abre-se com YHWH falando a Moisés, e por ele a todo o povo, não mais do Sinai, mas da tenda-santuário, fazendo a regulamentação do culto. O livro termina falando das ordens de YHWH a Moisés no monte Sinai. c) O livro dos Números liga o Sinai à tenda-santuário, local onde YHWH fala a Moisés; retoma-se a marcha do Sinai em direção à terra prometida e termina aludindo aos mandamentos e às normas dadas por YHWH a Moisés nas estepes de Moab, isto é, às portas da terra prometida. d) O Deuteronômio inicia-se com um discurso de Moisés nas estepes de Moab no dia da sua morte (Dt 1-30). Dt 31–34 se liga claramente com o que se diz em Nm 27,12-22. Neste sentido, Dt 1–30 é o discurso de despedida de Moisés. O livro termina falando da morte de Moisés e de Josué seu sucessor na condução do povo. e) O Pentateuco, portanto, é uma obra literária que relata, num estilo histórico, uma sucessão de eventos encadeados entre si, começa com a criação do mundo e o aparecimento dos povos, segue com a história dos Patriarcas para acabar concentrando-se na origem de Israel: permanência no Egito e subida pelo deserto até chegar às portas de Canaã. É uma “história” continuada, a história que transformou um povo escravo no povo de Israel. 4. Delimitação Dado que a história iniciada em Gênesis parece continuar, sem rupturas após o Deuteronômio, em Josué, Juízes, Samuel e Reis, houve quem defendesse que a historiográfica original compreendia não somente os cinco primeiros livros, mas seis (Hexateuco), sete (Heptateuco), oito (Octateuco) ou nove livros (Eneateuco). 9 Cf. Oliver ARTUS, “Aproximación actual al Pentateuco”, (Cuadernos Bíblicos 106), ed. Verbo Divino, Estela 2001, 7.
  5. 5. Pentateuco 5 O começo desta obra não cria, a princípio, algum tipo problema: é Gn 1,1. A dificuldade reside em precisar onde a obra terminaria. Os estudiosos classificam e propõem a extensão da obra de forma diferente: Dado que o livro de Josué parece continuar a narrativa dos fatos dados no Deuteronômio (Js 1,1: “Depois da morte de Moisés...”), porque não conectar este livro aos precedentes? Desta forma, resulta que não teríamos mais um Pentateuco, mas um “Hexateuco”. Muitos críticos apóiam este ponto de vista, sustentado já no séc. XVII por Bonfrère, Spinoza, e posteriormente por Benzinger, Smend, Eissfeldt, Löhr, Mongenster, G. von Rad etc. G. von Rad (1901-1971) fala, seguindo o seu mestre J. Wellhausen (1844-1918), em Hexateuco = Pentateuco + Josué. Como a temática central do Pentateuco gira em torno da Promessa e da caminhada rumo à terra boa, que corre leite e mel, este estudioso mostra que a conclusão natural do percurso acontece no livro de Josué. Para G. von Rad, o Hexateuco se desenvolveu a partir de núcleos narrativos, chamados “Credos históricos”, resumos da história de Israel (cf. Dt 6,21-23; 26,5b-9; Js 24,2b-13). Nestes credos encontrar-se-iam antigas tradições litúrgicas que relacionam três temas narrativos: 1) a descida e a escravidão no Egito; 2) a saída do Egito; 3) a entrada na Terra Prometida. Outros críticos, porém, dentre os quais se destaca M. Noth, querem, ao contrário, separar o Dt do conjunto do Pentateuco, considerando-o como o prefácio de uma grande obra histórica, a obra deuteronomista, que se estenderia de Moisés até o exílio em Babilônia. Neste caso, se deveria falar de um Tetrateuco (cf. M. Noth; H.S. Nyberg; L. de Voux etc). M. Noth (1902-1968), embora influenciado pela teoria de J. Wellhausen, preferiu falar de um Tetrateuco = Gn–Nm. Ele lançou a hipótese de que estes quatro livros eram independentes no início, pois neles não se encontram a linguagem e o estilo do Dt/Dtr. As fórmulas repetidas, por exemplo, só aparecem em algumas breves passagens. Em Js não se encontra o estilo do Tetrateuco. Assim, Gn–Nm e Dt–Rs são dois mundos diferentes, e entre eles há uma cisão. Este estudioso faz esta afirmação pautando-se na teoria documentária, de modo que o Dt seria o primeiro livro da ODtr, Obra Deuteronomista de História que continua seu relato até 2Rs 25. O Dt seria a pedra angular, o fundamento e o critério empregado para elaboração de uma historiografia de Israel, cujas bases estão claramente presentes neste livro, que serviria de introdução. Então, o que se tem são dois blocos distintos: Gn – Nm (Tetrateuco); Dt – 2Rs (ODtr). Engnell, numa linha semelhante a M. Noth, postulou a hipótese de que o redator do Tetrateuco, Gn–Nm seria o Sacerdotal “P”. Outros estudiosos, como E. Zenger, preferem falar de um Eneateuco: Gn–2Rs, visto que nestes nove livros existe uma história que vai das Origens do mundo até a destruição do Templo de Jerusalém, o consequente exílio em Babilônia (587 a.C.), mas termina num modo positivo (cf. 2Rs 25,27-30). Copyright © 2011 Leonardo Agostini Fernandes – Todos os direitos reservados.
  6. 6. 6 Noções Introdutórias O AT possui duas historiografias que correm paralelamente: o Eneateuco e a Obra do Cronista (1-2Cro + Esd e Ne), que se inicia com Adão e vai até a reconstrução do templo. As hipóteses não apresentaram uma solução convincente e satisfatória. As mais comuns são as que defendem a existência de um Tetrateuco, um Pentateuco, um Hexateuco. Destas três a mais defendida e utilizada é a do Tetrateuco. Todavia, recentemente avança a convicção de que, prescindindo do complexo fenômeno da formação do Pentateuco, o estado atual do texto não forma uma unidade autônoma, mas seria o começo de uma obra mais ampla. A trama narrativa iniciada em Gn 1 chega evidentemente até 2Rs. Todo este conjunto forma uma unidade literária bem articulada, fazendo com que o estudo de qualquer perícope do Pentateuco deva ser situada num contexto mais amplo: o Eneateuco. O Pentateuco, sem dúvida alguma, possui uma importância capital tanto para o judaísmo como para o cristianismo, uma vez que nesta obra está contida a T (Lei-Instrução) de Deus para o seu povo. Na T se expressa o modo como Deus quer que o homem se comporte diante d’Ele, diante do seu próximo e no mundo. A T para o povo de Israel está na base da sua identidade religiosa e social, pois nela estão os traços peculiares que o diferenciava dos demais povos. 5. Breve “ex-curso” para se perceber o que aconteceu no estudo do Pentateuco O Método Histórico Crítico (MHC) possui muitas operações e algumas delas são etapas imprescindíveis, fundamentais e decisivas para uma correta interpretação dos textos: a) Crítica Textual; b) Análise filológica10; c) Análise semântica11. Existem, também, modalidades específicas como a Crítica Literária (usada no Pentateuco para se falar da crítica das fontes). No século XIX, o MHC era o modo como se estudavam as obras antigas, como a Ilíada e a Odisséia de Homero, os Diálogos de Platão etc. O objetivo do MHC era o de estabelecer a paternidade literária do texto e produzir ou reproduzir um texto que fosse o mais fiel possível ao texto autógrafo, isto é, ao texto antigo que saiu das mãos do seu autor ou à cópia mais próxima do original. Para isso, era necessário eliminar os acréscimos, expurgando aquilo que se considerava glosa posterior e que pertencia à épocas e “mãos diferentes”. Disciplina histórico-lingüística que possui por objeto o conhecimento das civilizações do passado através dos documentos escritos que foram preservados ou encontrados pela arqueologia. Compreende a lingüística, a ciência literária, a história, a filosofia, a etnologia, a arqueologia e a crítica textual. 11 Disciplina científica que estuda o significado dos sinais lingüísticos, de palavras e frases. Na filosofia da linguagem é a doutrina das relações entre língua, experiência, realidade e pensamento. A semântica é importante na exegese bíblica, sobretudo em relação à lexicografia e à análise do hebraico-aramaicogrego sobre o plano da comparação cultural do Oriente com o ambiente posterior de compreensão bíblica (Ocidente). 10
  7. 7. Pentateuco 7 O mesmo procedimento foi aplicado ao estudo dos textos bíblicos. O pressuposto geral admite que os textos bíblicos são históricos e que foram se formando com uma complexa história literária, recebeu enriquecimento, acréscimos e desenvolvimentos. A razão dos acréscimos se dá porque os textos bíblicos, por serem antigos, possuem diferentes situações históricas e culturais que, com o passar do tempo, necessitavam de novas versões e adaptações às novas realidades da comunidade que os transmitia. O estudioso, de forma empírica e crítica, olha e vê que os textos não apresentam homogeneidade de vocabulário, de formas literárias, de ideologia e ainda possuem anomalias literárias. A repetição de um texto representa uma nova interpretação. Conta-se uma segunda vez com uma outra intenção. As tensões ideológicas não se coadunam; a lógica ocidental não funciona como a lógica oriental e se verificam claros sinais de harmonizações redacionais com acréscimos no início e no fim de um escrito. Por exemplo:  Onde existe diferença de idade, pode-se estar diante de diferentes “fontes” ou “paternidade” textual;  Onde existe “ordem e autoridade superior”, pode-se estar diante de uma temática que polemiza contra os “falsos profetas” ou os “falsos sacerdotes”, visto que eram duas classes que disputavam o controle do povo quando a monarquia era fraca, perdera o seu poder ou deixara de existir;  Onde existe diversidade teológica em torno da Lei, da Retribuição, do Templo, do Messianismo e do Monoteísmo. Essas observações servem para os estudiosos falarem de diversidade de autores. O difícil é traçar e descobrir no texto os extratos redacionais. Busca-se o que é homogêneo e segue-se o que é “igual” do ponto de vista do estilo, da forma e da linha teológica. Isto está na base da Antologia, isto é, uma coleta de textos dos melhores autores de uma literatura ou de um período histórico ou uma escolha de páginas da obra de um único escritor ou ainda de obras que tratam de uma mesma temática. Este procedimento é típico para o estudo do Pentateuco e para confrontar e separar no livro de Jeremias o que seria de Jeremias do que seria releitura de Jeremias. A abordagem diacrônica busca determinar os extratos literários e tenta traçar a evolução do texto para explicar a história da formação do texto. É uma operação lícita e plausível, mas não é capaz de explicar e dizer tudo sobre um texto em questão. Copyright © 2011 Leonardo Agostini Fernandes – Todos os direitos reservados.
  8. 8. 8 Noções Introdutórias Por exemplo: Gn 1,1–2,4a e Gn 2,4b-25 são melhor entendidos quando se postula e se reconhece a existência de dois autores e de duas épocas diferentes, com objetivos teológicos também diferentes. É preciso, contudo, fazer uma avaliação geral dos limites internos e dos limites da natureza hermenêutica. 1) O que é convincente na metodologia aplicada à uma grande literatura bíblica, como no caso do Dtr e da suposta fonte “Q” no estudo dos Evangelhos Sinóticos, aparece problemático quando usada a um pequeno material literário, pois o aspecto conjetural prevalece sobre o que é objetivo. Não há resultados, na maioria das vezes, porque não há consenso entre os estudiosos. Exagera-se na avaliação, outorga-se patente às incoerências. A criteriologia literária vária tanto porque vária também a interpretação de um autor a outro autor, inclusive nas incongruências das gramáticas. Deve-se ponderar e dizer que um trabalho é realmente considerado científico, quando usa e apresenta argumentos bem fundamentados e plausíveis. 2) Estabelecer um texto como autêntico ou não autêntico é um caso ideal que até pode ser convincente, mas para um estudioso que respeita a Divina Revelação, prevalece o texto como ele é, com tudo o que ele comporta de problemático e na ordem em que ele aparece no cânon. Quando um texto não é homogêneo, não quer dizer que não se deva assumir a sua totalidade textual e considerar tudo nele como inspirado. Assim, tirar o espúrio, cancelar para purificar o texto não é uma melhor postura hermenêutica. A modalidade separatista é muito problemática, pois as “fontes” são complementares e não possuem a pretensão de cancelar um texto anterior. Não se pode interpretar o Deutero-Isaías (Is 40–55) fora da sua relação com o Proto-Isaías (Is 1–39*) e o Trito-Isaías (Is 56–66), pois as fontes são integrantes. Não é lícito pensar que o redator final de um texto bíblico não sabia o que estava fazendo. A harmonia textual que eu busco e quero encontrar é fruto da minha lógica aplicada ao texto, mas não é fruto da lógica pensada pelo autor, que possui a sua base retórica própria e com uma coerência que o estudioso é chamado a encontrar. Se um texto coloca o gênero lamentações e louvor lado a lado, é preciso aceitar o critério da diferença usado pelo redator final, pois tudo está interligado para formar um complexo e porque a verdade não é tão elementar quanto eu penso que ela seja. O procedimento que não valoriza o texto integral assemelha-se ao trabalho num campo arqueológico no qual se quer revelar os seus vários extratos. O texto é tratado como uma grande confusão e o estudioso busca “organizá-lo” por camadas literárias.
  9. 9. Pentateuco 9 É preciso admitir que o MHC para ser válido desembocará no texto no seu estado final e que a abordagem sincrônica é tão legítima como a diacrônica, pois tentará explicá-lo como o texto está e foi redigido. É o texto último, no seu estado final que deve ser interpretado e não somente as partes reconhecidas pela abordagem diacrônica. Alguns pressupostos válidos A literatura bíblica é devedora da literatura circunvizinha, pois o autor usa o dado já usado e conhecido para realizar sua obra com um objetivo específico. Que é um gênero literário? É uma modalidade que identifica o que é próprio de cada coisa: piada, receita, lei, horóscopo etc. Os elementos são próprios de cada coisa. É importante entender a organização de um texto e pelo seu gênero se vê melhor como os elementos chegam a formar o produto final. Todavia, é preciso perceber as mudanças e fazer o confronto com gêneros semelhantes e na comparação ressaltar o que é “igual” do que é “diferente”. Quando se lê a Bíblia é preciso entender a sua linguagem, o seu modo de narrar, pois a mudança de gênero nem sempre é sinal de mudança de autor, que intencional-mente pode ter objetivado chamar a atenção do ouvinte-leitor com sua(s) escolha(s). Copyright © 2011 Leonardo Agostini Fernandes – Todos os direitos reservados.

×