7. Informação 
Política 
Prática Profissional Jornalística: Fatalismo Natural da 
Reprodução das Ideologias Dominantes?
Informação política 
 (1) Conjunto de eventos, episódios, ações, etc. que ocorrem no âmbito 
da vida política e que afeta...
Informação política 
 O jornalista nunca abandona a sua matriz política, deixando-a refletida 
na seleção e redação infor...
Informação política 
 John Soloski demonstra que, embora os jornalistas não relatem as notícias 
deliberadamente para man...
Informação política 
 “As notícias reflectem no seu conteúdo a estrutura política da sociedade” 
 (Daniel Hallin e Paolo...
Informação política 
 A notícia “pede ao leitor para estar interessado na política, mas na 
política como a comunidade de...
Informação política 
 Vladimír Hudec admite que o jornalismo é um fenómeno exclusivo da cultura 
moderna, e que, na impos...
Informação política 
 Jornalismo underground? 
 Ou jornalismo amarelo (yellow journalism), que designa a prática de um 
...
Informação política 
 O aparecimento do jornalismo de investigação e o princípio do watchdoggery 
exigiram metamorfoses n...
Informação política 
 A informação pode funcionar paradoxalmente: pode esclarecer, iluminar, ou 
pode escurecer os aspect...
Estudo de Caso da informação política 
sobre sócrates
1. Análise de Conteúdo
1.1. Técnica 
Corpus: Notícias da TSF Rádio Notícias (TSF): 
Período de análise: segundo mandato de José Sócrates: de 
27...
 1.2. Resultados
CONSIDERAÇÕES FINAIS 
 Comprova-se que os media são um vértice crucial no triângulo que 
formam com os políticos e a opin...
CONSIDERAÇÕES FINAIS 
 A análise de conteúdo revela: 
 (1) Imagens negativas: Nível de impopularidade no barómetro da TS...
BIBLIOGRAFIA 
 CORNU, Daniel (1994), Jornalismo e Verdade. Para uma Ética da informação, 
trad. de Armando Pereira da Sil...
BIBLIOGRAFIA 
 HACKETT, Robert (1999), “Declínio de um paradigma? A parcialidade e a 
objectividade nos estudos dos media...
BIBLIOGRAFIA 
 LASSWELL, Harold (2002), “A Estrutura e a Função da Comunicação na 
Sociedade”, ESTEVES, (“The Structure a...
Informação Política
Informação Política
Informação Política
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Informação Política

191 visualizações

Publicada em

Prática Profissional Jornalística: Fatalismo Natural da reprodução das Ideologias Dominantes

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
191
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Informação Política

  1. 1. 7. Informação Política Prática Profissional Jornalística: Fatalismo Natural da Reprodução das Ideologias Dominantes?
  2. 2. Informação política  (1) Conjunto de eventos, episódios, ações, etc. que ocorrem no âmbito da vida política e que afetam uma comunidade;  (2) Tratamento jornalístico de todo o manancial de eventos e factos ligados à vida política, que segue as fases do processo de atividade jornalística, visando informar os cidadãos, orientar as suas opiniões, dar-lhes a conhecer candidatos políticos e seus feitos (positivos e negativos) e integrá-los no mundo à sua volta, no sentido de estarem mais conscientes sobre o governo da coisa pública.
  3. 3. Informação política  O jornalista nunca abandona a sua matriz política, deixando-a refletida na seleção e redação informativas.  Daniel Cornu frisa, na esteira de Max Weber, que o jornalista se move no domínio político e que ele próprio se reveste de um estatuto político.  “O jornalista é, segundo as categorias de Weber, um homem político: o seu objecto é político, o seu campo de acção é político. Mas fica normalmente na antecâmara da acção política. O jornalista, como intérprete da realidade, comenta e recomenda opções. Não as faz. É esta a diferença, que dá a sua dimensão à responsabilidade jornalística” (1994: 384).
  4. 4. Informação política  John Soloski demonstra que, embora os jornalistas não relatem as notícias deliberadamente para manter o sistema político-económico existente, as suas normas profissionais contribuem para a produção de “estórias”, que, implicitamente, defendem a ordem em vigor e legitimam-na ao fazê-la parecer um estado de coisas que ocorre naturalmente. In “O jornalismo e o profissionalismo: alguns constrangimentos no trabalho jornalístico”  Realça que a cobertura noticiosa “não ameaça nem a posição económica da organização jornalística individual nem o sistema político-económico global no qual a organização jornalística «opera» e «produz «estórias» que permitem que as organizações jornalísticas aumentem o seu público e mantenham um controlo firme sobre o mercado” (1999: 100).
  5. 5. Informação política  “As notícias reflectem no seu conteúdo a estrutura política da sociedade”  (Daniel Hallin e Paolo Mancini,1999: 309).  Robert A. Hackett (1999: 127) escreve que as formas e a retórica da objectividade ajudam a reproduzir os enquadramentos políticos dominantes.  E Stuart Hall et al. (1999: 230-1) esclarecem que os media não se limitam a criar notícias, nem a transmitir a ideologia da classe dominante num figurino conspiratório. Sugerem, num sentido crítico, que os media não são os primeiros definidores de acontecimentos noticiosos, pois a sua relação estruturada com o poder desemboca na reprodução das matrizes dos que, como fontes poderosas e acreditadas, usufruem de um acesso privilegiado e de direito.
  6. 6. Informação política  A notícia “pede ao leitor para estar interessado na política, mas na política como a comunidade de jornalistas a concebe”.  (Michael Schudson, 1999: 293)  “Não há jornal que não tenha as suas escolhas políticas, mesmo que vagas, e não há maneira neutra de dar uma notícia”.  (Nuno Crato, 1992: 116)  “A situação de comunicação ideal não pode jamais se realizar totalmente, visto que ela contém sempre algum conteúdo ideológico”.  (Cósimo D. Ávila, 1980: 219)
  7. 7. Informação política  Vladimír Hudec admite que o jornalismo é um fenómeno exclusivo da cultura moderna, e que, na impossibilidade de ser uma pura antena de informação, evidencia uma índole vincadamente ideológica.  Acredita estar associado a uma fase histórica concreta do desenvolvimento sócio-económico, à transformação revolucionária.  “Numa sociedade de classes o jornalismo tem sempre um carácter de classe e exprime os interesses dos diversos grupos políticos, é uma tribuna para os pontos de vista políticos e ideológicos, é um dos mais importantes canais de propaganda de massas e participa activamente nas actividades sociais” (1980: 36). Logo, é profundamente comprometido.  Cai, assim, em terreno fértil a afirmação de Marx de que “as ideias dominantes de qualquer época são as ideias da classe dominante”. Justifica, neste sentido, que a valência das ideias maioritárias se deve a dois alicerces: (1) a detenção e controlo dos meios de produção materiais; (2) a posse e controlo dos meios de produção mental.
  8. 8. Informação política  Jornalismo underground?  Ou jornalismo amarelo (yellow journalism), que designa a prática de um jornalismo assente na falsificação de factos políticos para benefício do próprio jornal. Este tipo de jornalismo aumentou o poder político exercido pelos media.  Jornalismo de escândalo, jornalismo sensacionalista, marrom  Fruto das contendas jornalísticas entre William Randolph Hearst (1863-1951) e Joseph Pulitzer (1847-1911)  LER: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos/mat2009g.ht m#argemiro
  9. 9. Informação política  O aparecimento do jornalismo de investigação e o princípio do watchdoggery exigiram metamorfoses no papel sagrado à imprensa: terá de estar alerta ao comportamento da classe política e, nos casos de abuso do poder, denunciá-los, mantendo a opinião pública informada. Assim, a imprensa e a política atenuam as rivalidades, cimentando-se, entre as duas, uma relação de interdependência. É, assim, que desde a formação da sociedade de massas, a relação entre a comunicação social e o poder é de “coexistência pacífica” (Paula Espírito Santo, 1997: 131).  Segundo este princípio, o jornalismo deverá ser um eterno vigilante da actividade política, nunca vacilando na tarefa de denunciar a corrupção, incongruências, ilegalidades, etc. O jornalismo serve, assim, de contrapeso na vida política, sendo sua responsabilidade social desmascarar obscuridades e “césares”.  Lasswell (2002: 59) refere, como uma das funções do processo de comunicação na sociedade, a vigilância do meio ambiente, revelando ameaças e oportunidades, que possa afectar a posição da comunidade e das suas partes constituintes, em termos de valores.
  10. 10. Informação política  A informação pode funcionar paradoxalmente: pode esclarecer, iluminar, ou pode escurecer os aspectos que se pretendem manter distantes da luz.  Para Lassale, é uma técnica que ostenta uma dupla faceta: (1) de liberdade; (2) de alienação.  A informação analisa o grau de receptividade da opinião, não transpondo, para a população, notícias, que possam perturbar o bem-estar social ou o conforto moral. Tende, assim, a alinhar em posições médias, travando, cautelosamente, qualquer escândalo e favorecendo uma pseudo-integração. Pela constante referência à classe e ao sistema políticos, apodera-se, das massas, a sensação de que, quanto àqueles, são omniscientes, que nada se lhes escapa, que não se formam segredos, emergindo um reino (ilusório e perigoso) de transparência.
  11. 11. Estudo de Caso da informação política sobre sócrates
  12. 12. 1. Análise de Conteúdo
  13. 13. 1.1. Técnica Corpus: Notícias da TSF Rádio Notícias (TSF): Período de análise: segundo mandato de José Sócrates: de 27 de Setembro de 2009 a 21 de Junho de 2011. Palavra-chave de pesquisa: “imagem de Sócrates”. Tipos de categorias: categorias temáticas.
  14. 14.  1.2. Resultados
  15. 15. CONSIDERAÇÕES FINAIS  Comprova-se que os media são um vértice crucial no triângulo que formam com os políticos e a opinião pública.  Nota-se uma inversão da estratégia de Sócrates: no início recorre a uma estratégia de discrição, contudo é acusado, mais adiante, de obcecado com a sua imagem pública.  As controvérsias em que esteve envolvido não beneficiaram a sua imagem. O caso licenciatura UnI marca o fim da “lua-de-mel” entre o primeiro-ministro e o eleitorado. Com base no Barómetro da TSF e Diário Económico de Julho de 2010, desde a eleição de Pedro Passos Coelho, o primeiro-ministro perde popularidade. A partir do Barómetro de Novembro de 2010, nunca voltou a recuperar a popularidade até à sua demissão.
  16. 16. CONSIDERAÇÕES FINAIS  A análise de conteúdo revela:  (1) Imagens negativas: Nível de impopularidade no barómetro da TSF e Diário Económico, Plano para controlar os media, Obsessão com imagem pessoal, Uso indevido de apoio político-partidário, Projecção exterior da crise política, económica e financeira de Portugal, Acusação de construção de imagens falsas de Portugal no exterior e Acusações de perda de razoabilidade e acepção de Sócrates como problema.  (2) Imagens positivas: Subida no barómetro da TSF, Ausência de provas contra Sócrates no caso “Face Oculta”, Cooperação com o Governo Regional da Madeira.  (3) Estratégias a considerar sobre a imagem: Necessidade de coesão social, Apoio às áreas das tecnologias (QREN), Necessidade de Mobilização do PS.
  17. 17. BIBLIOGRAFIA  CORNU, Daniel (1994), Jornalismo e Verdade. Para uma Ética da informação, trad. de Armando Pereira da Silva, Lisboa, Instituto Piaget.  CRATO, Nuno (1992), Comunicação Social: a imprensa: iniciação ao jornalismo, Lisboa, Presença.  D. ÁVILA, Cósimo (1980), “Comunicação, Ideologia, educação”, in NEOTTI Clarêncio (coordenador), Comunicação e Ideologia, Edições Loyola, São Paulo.  ESPÍRITO SANTO, Paula (1997), O Processo de Persuasão Política – Abordagem Sistémica da Persuasão com Referências ao Actual Sistema Político Português, Lisboa, ISCSP-UTL.  FERREIRA, Argemiro, “Amarelo e marrom: Hearst, Pulitzer e as cores do jornalismo”, observatoriodaimprensa.com.br, http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos/mat2009g.htm#argemiro .
  18. 18. BIBLIOGRAFIA  HACKETT, Robert (1999), “Declínio de um paradigma? A parcialidade e a objectividade nos estudos dos media noticiosos”, in TRAQUINA, Nelson (org.), Jornalismo: Questões, Teorias e “Estórias”, Lisboa, Vega, pp. 101-30.  HALL, Stuart et al. (1999), “A produção social das notícias: o mugging nos media”, in TRAQUINA, Nelson (org.) Jornalismo: questões, teorias e “estorias”, Lisboa, Vega, pp. 224-48.  HALLIN, Daniel; MANCINI, Paolo (1999), “Falando do presidente: a estrutura política e a forma representacional nas noticias televisivas dos Estados Unidos e da Itália”, in TRAQUINA, Nelson (org.), Jornalismo: questões, teorias e “estórias”, Lisboa, Vega, pp. 306-325.  HUDEC, Vladimír (1980), O que é o Jornalismo? – Essência, características, funções sociais e princípios do seu desenvolvimento, trad. de Maria Manuel Ricardo, Lisboa, Editorial Caminho.  LASSALE, Jean-Pierre (1971), Introdução à Política, Lisboa, Publicações Dom Quixote.
  19. 19. BIBLIOGRAFIA  LASSWELL, Harold (2002), “A Estrutura e a Função da Comunicação na Sociedade”, ESTEVES, (“The Structure and Function of Communication in Society”, in BRYSON, Lyman (ed.), The Communication of Ideas, New York, Institute for Religious and Social Studies, 1948), João Pissarra (org) (2002), Comunicação e Sociedade, Lisboa, Livros Horizonte, pp. 49-60.  SCHUDSON, Michael (1999), “A política da forma narrativa: a emergência das convenções noticiosas na imprensa e na televisão”, in TRAQUINA, Nelson (org.), Jornalismo: questões, teorias e “estórias”, Lisboa, Vega, pp. 278- 93.  SOLOSKI, John (1999), "O jornalismo e o profissionalismo: alguns constrangimentos no trabalho jornalístico", in TRAQUINA, Nélson (org.), Jornalismo: questões, teorias e "estorias", Lisboa, Vega, pp. 91-100.

×