Gênero

491 visualizações

Publicada em

GênerO

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
491
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gênero

  1. 1. DISCENTES:ADRIANA PEREIRA DE ARAÚJOBÉLIT CARLA FRANÇA CRUZ ARAÚJODIANA DAIANE DA SILVAÍTALO CÁSSIO DE ARAÚJO MEDEIROSJOSUÉ DA SILVA GALVÃOPOLYANA LORENA SANTOS DA SILVA
  2. 2. GÊNEROO Gênero (masculino e feminino) é um conceito criado na década de 70para explicitar que sexo social não é determinado pelo sexo biológico; ouseja, a sociedade imputa uma diferença cultural entre homem e mulherque resulta em uma cisão construída, independente portanto dedeterminações biológicas.IDENTIDADE DE GÊNERO
  3. 3. PRINCIPAIS PROBLEMAS ENFRENTADOSPELOS PROFISSIONAIS NO SEU DIA A DIA As principais dificuldades relacionadas as questões de gênero dizem respeito a alguns procedimentos de enfermagem que por expor mais o paciente, o deixa envergonhado diante do profissional que é visto por este como homem ou mulher (Ex: a passagem de uma sonda vesical por uma enfermeira num homem). (FIGUEIREDO, 2011).
  4. 4. MITOS CRIADOS EM TORNO DA MULHER ENFERMEIRA Historicamente, a enfermagem foi exercida por algum tempo por mulheres marginalizadas socialmente, por terem sua imagem ligada a um símbolo sexual e ao cuidado materno, o exercício profissional da enfermagem demorou a ser reconhecido com seriedade, como uma profissão que exige uma formação pautada na cientificidade. (FIGUEIREDO, 2011). Hegemonia na Profissão Símbolo Sexual
  5. 5. DESAFIOS ENFRENTADOS POR ENFERMEIROS HOMENS“Como historicamente a enfermagem foi exercida pela mulher, ohomem que a escolhe como profissão, acaba sendo discriminado equestionado pela sociedade quanto a sua conduta sexual”.(FIGUEIREDO, 2011).
  6. 6. DIVERSIDADE SEXUAL Falar em diversidade sexual é primeiramente repensar novos paradigmas culturais, uma vez que temos impregnado em nosso ser valores que nossos pais receberam de seus antepassados e nos repassaram. A sexualidade faz parte da vida das pessoas desde que o mundo é mundo. Hoje as formas de expressão da diversidade sexual é que são novas, a exemplo das PARADAS DA DIVERSIDADE SEXUAL que a cada nova edição aglutinam mais adeptos.
  7. 7. REPERCUSSÃO DA DIVERSIDADE SEXUAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEMNo que diz respeito a repercussão da diversidade sexual dosprofissionais de enfermagem e o enfrentamento destesprofissionais diante dos desafios que poderão se apresentar, “Énecessário ter ética e profissionalismo. Esquecer a distinção entrehomem e mulher e priorizar só e somente o atendimento e não avida do profissional e/ou paciente”. (BARROS, 2011).
  8. 8. REFERÊNCIAS BARBOSA, M. À procura da história das mulheres. Cadernos da Condição Feminina, Lisboa, n.29, 1989. LOURO, G. L. Gênero, Sexualidade e Educação: uma perspectiva pós- estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997. SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v.16, n.2, p.5-22, jul./dez/, 1990.http://www.ebecl.com/neves1/index.php?option=com_content&task=view&id=566&Itemid=1http://www.prt18.mpt.gov.br/eventos/2005/mulher/anais/resumos/T08-LAAssuncaoETAL.pdfhttp://www.vivapernambuco.com.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=236

×