SlideShare uma empresa Scribd logo
Fruto – Anatomia e
Morfologia
Escola Estadual Heronides Araújo
Barra do Garças
Data: 04/06/2012
Aluna: Lídia Pavan
Professora: Dionice
Série: 2º EMIEP
Informações gerais
   Somente angiospermas

   Função: proteção e dispersão das sementes
   Anemocoria: sementes que podem ser levadas pelo
    vento. E.x: Algodão e dente-de-leão.
   Hidrocoria: semente levadas pela água pode. Ex.: coco-
    da-baía.
    Zoocoria: alguns frutos secos grudam no pelo de
    determinados animais, sendo levados a longas distâncias.
    Ex.: O carrapicho
   Origem: ovário da flor após a fecundação do óvulo.
Estrutura básica dos frutos
   Epicarpo ou exocarpo: camada externa, normalmente uma
    camada membranácea e fibrosa; pode ser lisa, rugosa, pilosa
    ou espinosa, é conhecida como casca, camada mais externa
    do fruto, se origina da epiderme do carpelo.

   Mesocarpo: camada abaixo do epicarpo, suculenta, que pode
    ou não armazenar substâncias de reserva. Provém do mesofilo
    carpelar.

   Endocarpo: camada mais interna, normalmente a camada
    mais rígida que envolve as sementes. Origina-se da epiderme
    interna da folha carpelar. Em certos tipos de frutos, o
    endocarpo apresenta-se espessado e muito resistente.
Partes do fruto
Gametófito masculino:
   grão de pólen



                                                    (Casca
                                               Origem: epiderme
                                               da folha carpelar)




                                                   (Origem:
                                              parênquima da folha
                          (Origem: epiderme        carpelar)
                           interna da folha
                               carpelar)
   Gametófito feminino:
    saco embrionário
Classificação dos frutos
   Quanto à capacidade de abertura para liberação das
    sementes:

-   Deiscentes (abrem para liberação das sementes);
-   Indeiscentes (não abrem para liberar as sementes).




   Quanto à presença de substâncias nutritivas no pericarpo:
-   Secos
-   Carnosos
Frutos secos indeiscentes



Aquênio ( semente presa ao     Cariopse (semente presa ao
pericarpo pelo funículo)       pericarpo em toda sua
                               extensão)




 Sâmara ( fruto com expansão
 lateral em forma de asa)       Noz (pericarpo duro)
Frutos secos deiscentes


 Folículo (fruto formado por um só     Legume (fruto de um só carpelo,
  carpelo que se abre em um só           que se abre em dois pontos)
         local) Ex.: peroba                       Ex.: feijão




Silíqua: fruto formado por       Pixide (abre       Poróforo (abre por
dois carpelos, que se abre    transversalmente)          poros)
  em quatro pontos. Ex.:         Ex.: eucalipto       Ex.: papoula
           couve
Frutos carnosos indeiscentes
Baga: ovário uni ou multicarpelar   Drupa: o ovário unicarpelar, com
com sementes livres, por            semente aderida ao endocarpo duro
exemplo: tomate, limão.             (caroço), por exemplo:
                                    pêssego, ameixa.




                     Pomo: é um pseudofruto
                     composto por 1 ou mais
                     carpelos, por exemplo:
                     maçã, pêra.
Frutos carnosos deiscentes
   Cápsula carnosa: semelhante
   ao pepino, quando maduro se
     abre explosivamente para
        liberar as sementes.
    Ex.: Melão de São Caetano




                             Cápsula drupácea: quando o
                            fruto está maduro se abre para
                                    liberar o caroço.
                                   Ex.: Noz moscada
Fruto partenocápico


                     Formado a partir do
                      desenvolvimento do
                      ovário sem a ocorrência
                      de fecundação das
                      sementes.
Pseudofrutos Simples

                      Se desenvolvem a partir do
                       receptáculo floral
Frutos Simples

                    Frutos simples:
                     quando os carpelos
                     são unidos entre si, ao
                     menos nos primeiros
                     estágios de
                     desenvolvimento.
                        Ex.: maracujás e
                        mamões.
Pseudofruto múltiplos ou inflorescências

                             Surgem de
                              florescências em que
                              há desenvolvimento do
                              receptáculo.
Pseudofrutos compostos
Pseudofrutos compostos

                      Gineceu com vários
                       carpelos não unidos.
                       Cada carpelo produz
                       um fruto do tipo
                       aquênio.

                      Expansão do
                       receptáculo, que fica
                       carnoso e suculento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Flores
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre FloresSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Flores
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Flores
 
Gimnospermas e angiosperma
Gimnospermas e angiospermaGimnospermas e angiosperma
Gimnospermas e angiosperma
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Estrutura da flor
Estrutura da florEstrutura da flor
Estrutura da flor
 
Fruto
FrutoFruto
Fruto
 
Frutos e sementes
Frutos e sementesFrutos e sementes
Frutos e sementes
 
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e sementeV.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
 
Folhas 2012 aula
Folhas 2012 aulaFolhas 2012 aula
Folhas 2012 aula
 
Raiz
RaizRaiz
Raiz
 
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementesUnidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
 
Fruto 2012 aula
Fruto 2012 aulaFruto 2012 aula
Fruto 2012 aula
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Flores
FloresFlores
Flores
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
 
Tipos celulares da madeira
Tipos celulares da madeiraTipos celulares da madeira
Tipos celulares da madeira
 
Flor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E AnatomiaFlor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E Anatomia
 
Anatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folhaAnatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folha
 
7 ano classificação das plantas
7 ano classificação das plantas7 ano classificação das plantas
7 ano classificação das plantas
 

Destaque (13)

Frutos & Pseudofrutos
Frutos & PseudofrutosFrutos & Pseudofrutos
Frutos & Pseudofrutos
 
El fruto
El frutoEl fruto
El fruto
 
Unidade I capítulo I
Unidade I capítulo IUnidade I capítulo I
Unidade I capítulo I
 
Aula 3 ano olimpo morfologia vegetal
Aula 3 ano olimpo  morfologia vegetalAula 3 ano olimpo  morfologia vegetal
Aula 3 ano olimpo morfologia vegetal
 
Semente – Anatomia E Morfologia
Semente – Anatomia E MorfologiaSemente – Anatomia E Morfologia
Semente – Anatomia E Morfologia
 
vrvrvr
vrvrvrvrvrvr
vrvrvr
 
Frutos biologia
Frutos biologiaFrutos biologia
Frutos biologia
 
Anatomia vegetal
Anatomia vegetalAnatomia vegetal
Anatomia vegetal
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
 
Frutos e sementes
Frutos e sementesFrutos e sementes
Frutos e sementes
 
Frutos
FrutosFrutos
Frutos
 
Trabalho de frutos e frutas
Trabalho de frutos e frutasTrabalho de frutos e frutas
Trabalho de frutos e frutas
 
Histologia Vegetal - Renato Paiva
Histologia Vegetal - Renato PaivaHistologia Vegetal - Renato Paiva
Histologia Vegetal - Renato Paiva
 

Semelhante a O fruto - About The Fruits

FRUTO-ANGIOSPERMAS
FRUTO-ANGIOSPERMASFRUTO-ANGIOSPERMAS
FRUTO-ANGIOSPERMASDCRDANYLA
 
Futos e sindromes de dispersão
Futos e sindromes de dispersãoFutos e sindromes de dispersão
Futos e sindromes de dispersãoCotucaAmbiental
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e FrutosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e FrutosTurma Olímpica
 
Angiospermas - Renato Paiva
Angiospermas - Renato PaivaAngiospermas - Renato Paiva
Angiospermas - Renato PaivaTurma Olímpica
 
Angio mono dico
Angio mono dicoAngio mono dico
Angio mono dicocaca-filho
 
Angiospermas Prof. Marcos Santos
Angiospermas Prof. Marcos SantosAngiospermas Prof. Marcos Santos
Angiospermas Prof. Marcos SantosMarcos Santos
 
Reino vegetal7ºcd
Reino vegetal7ºcdReino vegetal7ºcd
Reino vegetal7ºcdNeila
 
Reino Vegetal
Reino VegetalReino Vegetal
Reino VegetalFer Nanda
 
Angiospermas - Reino Plantae
Angiospermas - Reino Plantae Angiospermas - Reino Plantae
Angiospermas - Reino Plantae Erica Cristina
 
Angiospermas 121009134619-phpapp01
Angiospermas 121009134619-phpapp01Angiospermas 121009134619-phpapp01
Angiospermas 121009134619-phpapp01Cristina Lira
 
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)infoeducp2
 
Frente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e II
Frente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e IIFrente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e II
Frente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e IIColégio Batista de Mantena
 
Reprodução das plantas com flor
Reprodução das plantas com florReprodução das plantas com flor
Reprodução das plantas com florSandra Soeiro
 

Semelhante a O fruto - About The Fruits (20)

Fruto
FrutoFruto
Fruto
 
FRUTO-ANGIOSPERMAS
FRUTO-ANGIOSPERMASFRUTO-ANGIOSPERMAS
FRUTO-ANGIOSPERMAS
 
Futos e sindromes de dispersão
Futos e sindromes de dispersãoFutos e sindromes de dispersão
Futos e sindromes de dispersão
 
Reino vegetal
Reino vegetalReino vegetal
Reino vegetal
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e FrutosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Sementes e Frutos
 
Angiospermas - Renato Paiva
Angiospermas - Renato PaivaAngiospermas - Renato Paiva
Angiospermas - Renato Paiva
 
Angio mono dico
Angio mono dicoAngio mono dico
Angio mono dico
 
Angiospermas Prof. Marcos Santos
Angiospermas Prof. Marcos SantosAngiospermas Prof. Marcos Santos
Angiospermas Prof. Marcos Santos
 
Reino vegetal7ºcd
Reino vegetal7ºcdReino vegetal7ºcd
Reino vegetal7ºcd
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Reino Vegetal
Reino VegetalReino Vegetal
Reino Vegetal
 
FRUTOS.ppt
FRUTOS.pptFRUTOS.ppt
FRUTOS.ppt
 
Angiospermas - Reino Plantae
Angiospermas - Reino Plantae Angiospermas - Reino Plantae
Angiospermas - Reino Plantae
 
Angiospermas 121009134619-phpapp01
Angiospermas 121009134619-phpapp01Angiospermas 121009134619-phpapp01
Angiospermas 121009134619-phpapp01
 
Fruto
FrutoFruto
Fruto
 
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
 
Frente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e II
Frente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e IIFrente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e II
Frente 3 Módulo 4, 5 Reprodução nas angiospermas I e II
 
Sementes - Morfologia Vegetal
Sementes - Morfologia VegetalSementes - Morfologia Vegetal
Sementes - Morfologia Vegetal
 
Reprodução das plantas com flor
Reprodução das plantas com florReprodução das plantas com flor
Reprodução das plantas com flor
 
ANGIOSPERMAS.pptx
ANGIOSPERMAS.pptxANGIOSPERMAS.pptx
ANGIOSPERMAS.pptx
 

Mais de Lídia Pavan

Fisiologia Cap 29 Guyton Regulación renal del K, Ca, el fosfato y el Mg;
Fisiologia Cap 29 Guyton Regulación renal del K, Ca, el fosfato y el Mg; Fisiologia Cap 29 Guyton Regulación renal del K, Ca, el fosfato y el Mg;
Fisiologia Cap 29 Guyton Regulación renal del K, Ca, el fosfato y el Mg; Lídia Pavan
 
Regulación enzimática/Enzymatic regulations of Biochemistry
Regulación enzimática/Enzymatic regulations of BiochemistryRegulación enzimática/Enzymatic regulations of Biochemistry
Regulación enzimática/Enzymatic regulations of BiochemistryLídia Pavan
 
Aplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear Medicine
Aplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear MedicineAplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear Medicine
Aplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear MedicineLídia Pavan
 
Ideologia no Cotidiano - Ideology in Everyday Life
Ideologia no Cotidiano  -  Ideology in Everyday LifeIdeologia no Cotidiano  -  Ideology in Everyday Life
Ideologia no Cotidiano - Ideology in Everyday LifeLídia Pavan
 
Evolução da fotografia - Evolution of Photography
Evolução da fotografia  -  Evolution of PhotographyEvolução da fotografia  -  Evolution of Photography
Evolução da fotografia - Evolution of PhotographyLídia Pavan
 
Surrealismo - Surrealism
Surrealismo  -  SurrealismSurrealismo  -  Surrealism
Surrealismo - SurrealismLídia Pavan
 
Relevo brasileiro - Brazilian Relief
Relevo brasileiro  -  Brazilian ReliefRelevo brasileiro  -  Brazilian Relief
Relevo brasileiro - Brazilian ReliefLídia Pavan
 
Placas tectônicas - Tectonic Plates of Brazil
Placas tectônicas  -  Tectonic Plates of BrazilPlacas tectônicas  -  Tectonic Plates of Brazil
Placas tectônicas - Tectonic Plates of BrazilLídia Pavan
 
Doce Inferno - açúcar - guerra e escravidão no Brasil holandês - Sweet Hel...
Doce Inferno - açúcar - guerra e escravidão no Brasil holandês  -   Sweet Hel...Doce Inferno - açúcar - guerra e escravidão no Brasil holandês  -   Sweet Hel...
Doce Inferno - açúcar - guerra e escravidão no Brasil holandês - Sweet Hel...Lídia Pavan
 
Artes Plásticas no Brasil - Fine Arts in Brazil
Artes Plásticas no Brasil  -  Fine Arts in BrazilArtes Plásticas no Brasil  -  Fine Arts in Brazil
Artes Plásticas no Brasil - Fine Arts in BrazilLídia Pavan
 
Divisões das Ciências Sociais - Divisions of Social Sciences
Divisões das Ciências Sociais  -  Divisions of Social SciencesDivisões das Ciências Sociais  -  Divisions of Social Sciences
Divisões das Ciências Sociais - Divisions of Social SciencesLídia Pavan
 
História da Música - History of Music
História da Música  -  History of Music História da Música  -  History of Music
História da Música - History of Music Lídia Pavan
 
A democracia no Brasil - The Democracy in Brazil
A democracia no Brasil  -  The Democracy in BrazilA democracia no Brasil  -  The Democracy in Brazil
A democracia no Brasil - The Democracy in BrazilLídia Pavan
 
Tecido Sanguíneo - Blood Tissue
Tecido Sanguíneo - Blood TissueTecido Sanguíneo - Blood Tissue
Tecido Sanguíneo - Blood TissueLídia Pavan
 

Mais de Lídia Pavan (20)

Trauma vascular
Trauma vascularTrauma vascular
Trauma vascular
 
Fisiologia Cap 29 Guyton Regulación renal del K, Ca, el fosfato y el Mg;
Fisiologia Cap 29 Guyton Regulación renal del K, Ca, el fosfato y el Mg; Fisiologia Cap 29 Guyton Regulación renal del K, Ca, el fosfato y el Mg;
Fisiologia Cap 29 Guyton Regulación renal del K, Ca, el fosfato y el Mg;
 
Regulación enzimática/Enzymatic regulations of Biochemistry
Regulación enzimática/Enzymatic regulations of BiochemistryRegulación enzimática/Enzymatic regulations of Biochemistry
Regulación enzimática/Enzymatic regulations of Biochemistry
 
Aplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear Medicine
Aplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear MedicineAplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear Medicine
Aplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear Medicine
 
Ideologia no Cotidiano - Ideology in Everyday Life
Ideologia no Cotidiano  -  Ideology in Everyday LifeIdeologia no Cotidiano  -  Ideology in Everyday Life
Ideologia no Cotidiano - Ideology in Everyday Life
 
Evolução da fotografia - Evolution of Photography
Evolução da fotografia  -  Evolution of PhotographyEvolução da fotografia  -  Evolution of Photography
Evolução da fotografia - Evolution of Photography
 
Present perfect
Present perfectPresent perfect
Present perfect
 
Marc ferrez
Marc ferrezMarc ferrez
Marc ferrez
 
Surrealismo - Surrealism
Surrealismo  -  SurrealismSurrealismo  -  Surrealism
Surrealismo - Surrealism
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Cores - Colors
Cores  -  ColorsCores  -  Colors
Cores - Colors
 
Relevo brasileiro - Brazilian Relief
Relevo brasileiro  -  Brazilian ReliefRelevo brasileiro  -  Brazilian Relief
Relevo brasileiro - Brazilian Relief
 
Placas tectônicas - Tectonic Plates of Brazil
Placas tectônicas  -  Tectonic Plates of BrazilPlacas tectônicas  -  Tectonic Plates of Brazil
Placas tectônicas - Tectonic Plates of Brazil
 
Doce Inferno - açúcar - guerra e escravidão no Brasil holandês - Sweet Hel...
Doce Inferno - açúcar - guerra e escravidão no Brasil holandês  -   Sweet Hel...Doce Inferno - açúcar - guerra e escravidão no Brasil holandês  -   Sweet Hel...
Doce Inferno - açúcar - guerra e escravidão no Brasil holandês - Sweet Hel...
 
Artes Plásticas no Brasil - Fine Arts in Brazil
Artes Plásticas no Brasil  -  Fine Arts in BrazilArtes Plásticas no Brasil  -  Fine Arts in Brazil
Artes Plásticas no Brasil - Fine Arts in Brazil
 
Divisões das Ciências Sociais - Divisions of Social Sciences
Divisões das Ciências Sociais  -  Divisions of Social SciencesDivisões das Ciências Sociais  -  Divisions of Social Sciences
Divisões das Ciências Sociais - Divisions of Social Sciences
 
História da Música - History of Music
História da Música  -  History of Music História da Música  -  History of Music
História da Música - History of Music
 
A democracia no Brasil - The Democracy in Brazil
A democracia no Brasil  -  The Democracy in BrazilA democracia no Brasil  -  The Democracy in Brazil
A democracia no Brasil - The Democracy in Brazil
 
Tom cruise
Tom cruiseTom cruise
Tom cruise
 
Tecido Sanguíneo - Blood Tissue
Tecido Sanguíneo - Blood TissueTecido Sanguíneo - Blood Tissue
Tecido Sanguíneo - Blood Tissue
 

Último

Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxEduardaMedeiros18
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 

Último (20)

Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 

O fruto - About The Fruits

  • 1. Fruto – Anatomia e Morfologia Escola Estadual Heronides Araújo Barra do Garças Data: 04/06/2012 Aluna: Lídia Pavan Professora: Dionice Série: 2º EMIEP
  • 2. Informações gerais  Somente angiospermas  Função: proteção e dispersão das sementes  Anemocoria: sementes que podem ser levadas pelo vento. E.x: Algodão e dente-de-leão.  Hidrocoria: semente levadas pela água pode. Ex.: coco- da-baía.  Zoocoria: alguns frutos secos grudam no pelo de determinados animais, sendo levados a longas distâncias. Ex.: O carrapicho  Origem: ovário da flor após a fecundação do óvulo.
  • 3.
  • 4. Estrutura básica dos frutos  Epicarpo ou exocarpo: camada externa, normalmente uma camada membranácea e fibrosa; pode ser lisa, rugosa, pilosa ou espinosa, é conhecida como casca, camada mais externa do fruto, se origina da epiderme do carpelo.  Mesocarpo: camada abaixo do epicarpo, suculenta, que pode ou não armazenar substâncias de reserva. Provém do mesofilo carpelar.  Endocarpo: camada mais interna, normalmente a camada mais rígida que envolve as sementes. Origina-se da epiderme interna da folha carpelar. Em certos tipos de frutos, o endocarpo apresenta-se espessado e muito resistente.
  • 5. Partes do fruto Gametófito masculino: grão de pólen (Casca Origem: epiderme da folha carpelar) (Origem: parênquima da folha (Origem: epiderme carpelar) interna da folha carpelar) Gametófito feminino: saco embrionário
  • 6. Classificação dos frutos  Quanto à capacidade de abertura para liberação das sementes: - Deiscentes (abrem para liberação das sementes); - Indeiscentes (não abrem para liberar as sementes).  Quanto à presença de substâncias nutritivas no pericarpo: - Secos - Carnosos
  • 7. Frutos secos indeiscentes Aquênio ( semente presa ao Cariopse (semente presa ao pericarpo pelo funículo) pericarpo em toda sua extensão) Sâmara ( fruto com expansão lateral em forma de asa) Noz (pericarpo duro)
  • 8. Frutos secos deiscentes Folículo (fruto formado por um só Legume (fruto de um só carpelo, carpelo que se abre em um só que se abre em dois pontos) local) Ex.: peroba Ex.: feijão Silíqua: fruto formado por Pixide (abre Poróforo (abre por dois carpelos, que se abre transversalmente) poros) em quatro pontos. Ex.: Ex.: eucalipto Ex.: papoula couve
  • 9. Frutos carnosos indeiscentes Baga: ovário uni ou multicarpelar Drupa: o ovário unicarpelar, com com sementes livres, por semente aderida ao endocarpo duro exemplo: tomate, limão. (caroço), por exemplo: pêssego, ameixa. Pomo: é um pseudofruto composto por 1 ou mais carpelos, por exemplo: maçã, pêra.
  • 10. Frutos carnosos deiscentes Cápsula carnosa: semelhante ao pepino, quando maduro se abre explosivamente para liberar as sementes. Ex.: Melão de São Caetano Cápsula drupácea: quando o fruto está maduro se abre para liberar o caroço. Ex.: Noz moscada
  • 11. Fruto partenocápico  Formado a partir do desenvolvimento do ovário sem a ocorrência de fecundação das sementes.
  • 12. Pseudofrutos Simples  Se desenvolvem a partir do receptáculo floral
  • 13. Frutos Simples  Frutos simples: quando os carpelos são unidos entre si, ao menos nos primeiros estágios de desenvolvimento. Ex.: maracujás e mamões.
  • 14. Pseudofruto múltiplos ou inflorescências  Surgem de florescências em que há desenvolvimento do receptáculo.
  • 16. Pseudofrutos compostos  Gineceu com vários carpelos não unidos. Cada carpelo produz um fruto do tipo aquênio.  Expansão do receptáculo, que fica carnoso e suculento.