SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
Superior Tribunal de Justiça
               Revista Eletrônica de Jurisprudência




RECURSO ESPECIAL Nº 983.450 - RS (2007⁄0205665-9)

RELATORA               :   MINISTRA NANCY ANDRIGHI
RECORRENTE             :   JAN
ADVOGADO               :   JOSÉ ODORALDO MEDEIROS PINHEIRO
RECORRIDO              :   BVG
ADVOGADO               :   ELISABETH PEREIRA ALVES
                                          EMENTA



Direito civil. Família. Recurso especial. Ação de cobrança de indenização entre ex-cônjuges, em
decorrência do uso exclusivo de imóvel ainda não partilhado. Estado de condomínio. Indenização
correspondente a metade do valor da renda de estimado aluguel, diante da fruição exclusiva do bem
comum por um dos condôminos. Concorrência de ambos os condôminos nas despesas de conservação da
coisa e nos ônus a que estiver sujeita. Possível dedução. Arts. 1.319 e 1.315 do CC⁄02.
- Com a separação do casal cessa a comunhão de bens, de modo que, embora ainda não operada a
partilha do patrimônio comum do casal, é facultado a um dos ex-cônjuges exigir do outro, que estiver na
posse e uso exclusivos de determinado imóvel, a título de indenização, parcela correspondente à metade
da renda de um presumido aluguel, devida a partir da citação.
- Enquanto não dividido o imóvel, a propriedade do casal sobre o bem remanesce, sob as regras que
regem o instituto do condomínio, notadamente aquela que estabelece que cada condômino responde aos
outros pelos frutos que percebeu da coisa, nos termos do art. 1.319 do CC⁄02. Assim, se apenas um
dos condôminos reside no imóvel, abre-se a via da indenização àquele que se encontra privado da
fruição da coisa.
- Subsiste, em igual medida, a obrigação de ambos os condôminos, na proporção de cada parte, de
concorrer para as despesas inerentes à manutenção da coisa, o que engloba os gastos resultantes da
necessária regularização do imóvel junto aos órgãos competentes, dos impostos, taxas e encargos que
porventura onerem o bem, além, é claro, da obrigação de promover a sua venda, para que se ultime
a partilha, nos termos em que formulado o acordo entre as partes. Inteligência do art. 1.315 do CC⁄02.
Recurso especial parcialmente provido.



                                             ACÓRDÃO



Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os Ministros da TERCEIRA TURMA do Superior
Tribunal de Justiça, na conformidade dos votos e das notas taquigráficas constantes dos autos, por
unanimidade, conhecer em parte do recurso especial e, nessa parte, dar-lhe provimento, nos termos do
voto da Sra. Ministra Relatora. Os Srs. Ministros Massami Uyeda, Sidnei Beneti, Vasco Della Giustina e
Paulo Furtado votaram com a Sra. Ministra Relatora.

Brasília (DF), 02 de fevereiro de 2010(data do julgamento)



                                  MINISTRA NANCY ANDRIGHI
                                           Relatora
RECURSO ESPECIAL Nº 983.450 - RS (2007⁄0205665-9)

RECORRENTE         : JAN
ADVOGADO           : JOSÉ ODORALDO MEDEIROS PINHEIRO
RECORRIDO          : BVG
ADVOGADO           : ELISABETH PEREIRA ALVES
Relatora: MINISTRA NANCY ANDRIGHI

                                            RELATÓRIO

Cuida-se de Recurso especial interposto por J. A. N., com fundamento nas alíneas “a” e “c” do permissivo
constitucional, contra acórdão exarado pelo TJ⁄RS.
Ação (inicial às fls. 2⁄10): de arbitramento de aluguel, em decorrência de ocupação exclusiva de imóvel,
ajuizada pelo recorrente em face de sua ex-mulher, B. V. G.
O autor alega, em sua inicial, que foi casado com a ré de 1973 até 6 (seis) de março de 2002, ocasião em
que foi homologado acordo de separação convencional do casal, em que constou que a partilha seria feita
posteriormente,fazendo, contudo, alusão ao imóvel objeto do litígio, no sentido de que concordavam as
partes com a venda e posterior divisão do produto em partes iguais, estabelecendo o preço mínimo de R$
20.000,00 (vinte mil reais). Comocausa de pedir aduz que a ex-mulher reside no aludido imóvel com os
dois filhos do casal, o que lhe confere o direito de valor correspondente a metade do aluguel.
Contestação (fls. 45⁄52): B. V. G. sustenta que as alegações constantes da inicial não correspondem à
verdade dos fatos. Aduz que “além das dificuldades naturais e peculiares a comercialização de imóvel de
praia, própria do mercado, soma-se um fato agravante: o imóvel além de necessitar de alguns reparos
ainda se encontra sem regularização e sem habite-se junto ao órgão do INSS e prefeitura municipal,
sendo que o requerido nunca se preocupou para a devida regulamentação e seus pagamentos, como
tampouco mostrou-se até a presente data realmente interessado em negociar o dito imóvel, uma vez
que jamais promovendo (sic) a divulgação por imobiliária ou simplesmente facilitando a venda, já que é
o único que possui a documentação do imóvel, que ficou exclusivamente no seu poder” (fl. 46). Faz
menção ainda a débitos de IPTU, referentes aos anos de 1998, 1999, 2000 e 2002, os quais relata que
foram parcelados unicamente por ela, sem que o recorrente, embora na época ainda casado com ela,
jamais se preocupasse com o fato. Por fim, argumenta que “em se tratando de direito de família, cada
situação deve ajustar-se ao caso concreto” (fl. 50), e que a ausência de prova da premente necessidade
do recorrente afasta a pretensão de receber valor correspondente a metade do aluguel do imóvel.
Audiência: às fls. 110⁄111.
Sentença (fls. 117⁄118): o pedido deduzido pelo recorrente foi julgado improcedente, ao entendimento de
que “não havendo partilha do bem que indique a cota-parte de cada ex-cônjuge, inviável a fixação de
aluguel em razão de habitação exclusiva por um dos separandos, cabendo ao caso, se assim entender a
parte que se considera prejudicada, promover a específica ação de partilha”.
Acórdão (fls. 158⁄160): o TJ⁄RS negou provimento ao recurso de apelação interposto pelo recorrente, por
entender que “enquanto não for procedida partilha dos bens comuns, este pertencem a ambos os
litigantes em estado de mancomunhão, sendo descabida a fixação de aluguel em favor daquele que não
faz uso do bem comum” acrescentando ainda que “não restando demonstrado que a demandada retira
renda do imóvel, mas sim que nele residecom os filhos, nem havendo indicativo de que ela, de qualquer
forma, esteja postergando a divisão do patrimônio, descabe impor-lhe qualquer encargo financeiro,
cumprindo apenas que tenha curso a partilha dos bens em razão da dissolução da sociedade
conjugal” (fl. 158).
Recurso especial (fl. 164⁄172): interposto sob alegação de ofensa ao art. 1.319 do CC⁄02, além de
dissídio jurisprudencial.
Contrarrazões (fls. 180⁄191): reitera a recorrida as alegações feitas em sede de contestação, além de
asseverar que “merece especialmente atentar-se para fato de suma importância para desate final do
presente caso, onde o ora recorrente até a presente data jamais providenciou em sequer promover
a regularização da construção de dito imóvel que até a data atual, não possui o 'HABITE-SE', e, que
jamais efetuou qualquer reparo para manutenção do mesmo, ou tenha efetuado pagamento de impostos
territoriais e prediais – IPTU; o que resultou originando elevada dívida, cujos atrasos por falta de
pagamento foram suportados exclusivamente pela ora recorrida (sic)” (fl. 182).
Prévio Juízo de admissibilidade (fls. 197⁄198): o TJ⁄RS admitiu o recurso especial, determinando a
remessa dos autos ao STJ.
Parecer da Procuradoria Geral da República: o Parquet apresentou parecer da lavra do i.
Subprocurador-Geral da República, Fernando H. O. de Macedo, opinando pelo conhecimento e
provimento do recurso especial, para reformar parcialmente o acórdão proferido pelo TJ⁄RS.
É o relatório.
RECURSO ESPECIAL Nº 983.450 - RS (2007⁄0205665-9)

RELATORA               :     MINISTRA NANCY ANDRIGHI
RECORRENTE             :     JAN
ADVOGADO               :     JOSÉ ODORALDO MEDEIROS PINHEIRO
RECORRIDO              :     BVG
ADVOGADO               :     ELISABETH PEREIRA ALVES

                                                 VOTO

A EXMA. SRA. MINISTRA NANCY ANDRIGHI (Relatora):



Cinge-se a lide a estabelecer se, depois de cessada a comunhão de bens pela separação judicial, embora
ainda não operada a partilha do patrimônio comum do casal, é facultado a um dos ex-cônjuges exigir do
outro, que estiver naposse e uso de determinado imóvel, a título de indenização, parte correspondente à
metade da renda de um presumido aluguel.

I. Considerações iniciais.

Arvora-se o recorrente firmemente na possibilidade de cobrança de aluguéis, em razão da ocupação
exclusiva da ex-mulher de imóvel ainda não partilhado.

Como peculiaridade, insere-se o fato de que o aludido imóvel pende de regularização junto aos órgãos
competentes, inclusive o “habite-se”, do que alega a recorrida teria o recorrente se obrigado, sem,
contudo, desincumbir-se daobrigação. Aduz, a recorrida, em sede de contrarrazões (fls. 180⁄191), que sem
a regularização do imóvel, não há como se proceder à venda do bem, para que seja, enfim, partilhado.

Em suas razões recursais (fls. 164⁄172), o recorrente colaciona julgado do STJ – REsp 178.130⁄RS, DJ de
17⁄6⁄2002 –, no qual foi adotada solução distinta daquela seguida pelo acórdão impugnado. A similitude
entre as hipóteses está evidente, pois o acórdão alçado a paradigma trata especificamente da hipótese em
que, ocorrendo a separação do casal, relegada a partilha de bens para momento posterior, e,
permanecendo o imóvel comum na posse exclusiva de um dos cônjuges, ao co-proprietário assiste o
direito de ser indenizado diante da fruição exclusiva do bem comum pelo outro cônjuge, a partir da
citação.

Assim, patente a existência de divergência jurisprudencial, bem como configurado o devido
prequestionamento do art. 1.319 do CC⁄02, deve o recurso especial ser conhecido. Passa-se, portanto, à
análise de mérito e aplicação dodireito à espécie, conforme autoriza o art. 257 do RISTJ.

II. Do arbitramento de aluguel sobre imóvel não partilhado.

A Segunda Seção do STJ fixou entendimento no sentido de que “convencionado na separação do casal
que o imóvel seria partilhado, tocando metade para cada cônjuge, e permanecendo em comum até a
alienação, o fato de o marido deter a posse exclusiva dá à mulher o direito à indenização correspondente
ao uso da propriedade comum, devida a partir da citação. Trata-se de condomínio, regulado pelas
regras que lhe são próprias,desfazendo-se desde a partilha a mancomunhão que decorria do direito
de família” (EREsp 130.605⁄DF, Rel. Min. Ruy Rosado de Aguiar, DJ de 23⁄4⁄2001).

Verifica-se que a jurisprudência firmada pela Segunda Seção deste Tribunal circunscreve-se às hipóteses
em que já operada a partilha de bens do casal separado.
O TJ⁄RS tratou a questão sob o viés do estado de mancomunhão, que somente cederia lugar ao estado de
condomínio, depois de operada a partilha dos bens do casal. Eis a fundamentação contida no acórdão
impugnado:
(fl. 159 e v.) – “Com efeito, a dissolução do casamento ocorreu em 6 de março de 2002 (fl. 12), tendo
sido proposta a ação de separação litigiosa, que foi convertida em consensual, sendo acordada a
partilha de um dos bens pertencentes ao casal. Restou relegada para momento posterior a partilha do
imóvel onde atualmente vivem a virago e os filhos comuns do casal. A decisão que pôs fim ao casamento
havido entre as partes transitou em julgado, mas, ao que consta, ainda não foi efetuada a partilha desse
imóvel.
Vê-se que o recorrente alega estar a recorrida usufruindo com exclusividade do imóvel do casal, desde a
separação em 2002, e permanecendo esse imóvel em condomínio, entende devido o pagamento de
locativos.
No entanto, tenho que, enquanto não for procedida a efetiva partilha dos bens comuns, estes pertencem a
ambos os cônjuges em estado de mancomunhão, sendo em regra descabida a fixação de indenização em
favor da parte que não faz uso dos bens comuns.
E, no caso, tal pretensão se mostra mais descabida quando está claro que o imóvel serve de residência
não apenas para a virago mas também para os filhos, que vivem em sua companhia, sendo de destacar,
também, que tal condição permanece desde quando foi ajustada a separação judicial do casal.
Ademais, não restou demonstrado nos autos que a recorrida esteja fazendo uso comercial do bem comum
do casal, nem que dele tenha qualquer renda, nem que esteja sonegando valores ou, ainda, que, de
qualquer forma, esteja postergando a partilha desse bem comum. E o mero fato de persistir este estado
de indivisão não é suficiente para se cogitar de enriquecimento sem causa, nada justificando o
estabelecimento de qualquer indenização ou a fixação de qualquer encargo.
Friso que a situação é de mancomunhão até que seja elaborada a partilha; um (sic) vez formalizada a
divisão dos bens, estabelecendo-se o quinhão patrimonial de cada ex-cônjuge, é que se poderá cogitar de
condomínio.
Finalmente, lembro que, para que a questão patrimonial seja resolvida, basta que o recorrente promova
a efetiva partilha dos bens.”

Como se vê, as bases fáticas firmadas no acórdão recorrido são claras no sentido de que ainda não houve
a partilha de bens do casal que, por acordo homologado em Juízo, relegou a divisão do patrimônio
comum para momentoposterior. Todavia, o recorrente e a recorrida fizeram constar do
mencionado acordo de separação consensual, que o imóvel, objeto deste litígio, seria vendido e que a
divisão do produto se daria em partes iguais, estabelecendo inclusive preço mínimo.

Dimas Messias de Carvalho (in Direito de Família, 2ª ed., Belo Horizonte: Del Rey, 2009, p. 211⁄212)
distingue o estado de mancomunhão do estado de condomínio, com as seguintes considerações:

“Os bens não partilhados após a separação ou divórcio, pertencem ao casal, semelhante ao que ocorre
com a herança, entretanto, nenhum deles pode alienar ou gravar seus direitos na comunhão antes da
partilha, sendo ineficaz a cessão, posto que o direito à propriedade e posse é indivisível, ficando os bens
numa situação que a doutrina denomina de estado de mancomunhão. Não raras vezes, entretanto,
quando os bens estão identificados na ação de separação ou divórcio, são partilhados na fração ideal de
50% (cinqüenta por cento) para cada um, em razão da meação, importa em estado de condomínio entre
o casal e não mais estado de mancomunhão. Tratando-se de condomínio, pode qualquer um dos cônjuges
alienar ou gravar seus direitos, observando a preferência do outro, podendo ainda requerer a extinção
por ação de divisão ou alienação judicial, não se cogitando a nova partilha e dispensando a abertura de
inventário.”

Como se percebe, no processo em julgamento, constou do acordo homologado em Juízo a manifestação
expressa da vontade de ambos os ex-cônjuges no sentido de vender o referido imóvel, sendo o produto
dessa vendadividido na fração ideal de 50% para cada um, o que, por consequência, importa em
reconhecer o estado de condomínio entre o casal quanto ao bem que pretende o recorrente receber valor
correspondente a locativos.
Dessa forma, cessada a comunhão universal pela separação judicial, o patrimônio comum subsiste sob a
forma de condomínio, enquanto não ultimada a partilha. Nesse sentido, o REsp 254.190⁄SP, de minha
relatoria, DJ de 4⁄2⁄2002.

Assim, enquanto não dividido o imóvel, a propriedade do casal sobre o bem remanesce, sob as regras que
regem o instituto do condomínio, notadamente aquela que estabelece que cada condômino responde aos
outros pelos frutos que percebeu da coisa, nos termos do art. 1.319 do CC⁄02. Assim, se apenas um dos
condôminos reside no imóvel, abre-se a via da indenização àquele que se encontra privado da fruição da
coisa, indenização essa que pode se dar mediante o pagamento de valor correspondente a metade do valor
estimado do aluguel do imóvel.

Subsiste, em igual medida, a obrigação de ambos os condôminos, na proporção de cada parte, de
concorrer para as despesas inerentes à manutenção da coisa, o que engloba os gastos resultantes da
necessária regularização do imóvel junto aos órgãos competentes, dos impostos, taxas e encargos que
porventura onerem o bem, além, é claro, da obrigação de promover a sua venda, para que se ultime a
partilha, nos termos em que formulado o acordo entre as partes. Inteligência do art. 1.315 do CC⁄02.

Em conclusão, deve ser parcialmente reformado o acórdão recorrido, para estabelecer a obrigatoriedade
de pagamento ao recorrente de indenização correspondente a 50% do valor apurado de aluguel do imóvel,
a partir da citação,deduzida de igual fração incidente sobre as despesas de conservação da coisa, bem
como, os ônus a que estiver sujeita, pagos ou a vencer, no período posterior à separação.

Forte em tais razões, CONHEÇO do recurso especial para LHE DAR PARCIAL PROVIMENTO, nos
termos acima declinados.




                                  CERTIDÃO DE JULGAMENTO
                                      TERCEIRA TURMA
Número Registro: 2007⁄0205665-9                                                       REsp 983450 ⁄ RS



Números Origem: 10522878443 70019081454 70020160560

PAUTA: 02⁄02⁄2010                                                                JULGADO: 02⁄02⁄2010
                                                                               SEGREDO DE JUSTIÇA
Relatora
Exma. Sra. Ministra NANCY ANDRIGHI

Presidente da Sessão
Exmo. Sr. Ministro SIDNEI BENETI

Subprocurador-Geral da República
Exmo. Sr. Dr. MAURÍCIO DE PAULA CARDOSO

Secretária
Bela. MARIA AUXILIADORA RAMALHO DA ROCHA

                                             AUTUAÇÃO

RECORRENTE            : JAN
ADVOGADO              : JOSÉ ODORALDO MEDEIROS PINHEIRO
RECORRIDO             : BVG
ADVOGADO             : ELISABETH PEREIRA ALVES

ASSUNTO: Civil - Família - Divórcio - Partilha de Bens

                                            CERTIDÃO

Certifico que a egrégia TERCEIRA TURMA, ao apreciar o processo em epígrafe na sessão realizada
nesta data, proferiu a seguinte decisão:

A Turma, por unanimidade,deu parcial provimento ao recurso especial, nos termos do voto da Sra.
Ministra Relatora. Os Srs. Ministros Massami Uyeda, Sidnei Beneti, Vasco Della
Giustina (Desembargador convocado do TJ⁄RS) e Paulo Furtado (Desembargador convocado do TJ⁄BA)
votaram com a Sra. Ministra Relatora.

                                  Brasília, 02 de fevereiro de 2010




                         MARIA AUXILIADORA RAMALHO DA ROCHA
                                       Secretária

Documento: 940072                        Inteiro Teor do Acórdão                       - DJ: 10/02/2010

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aulas processo civil
Aulas processo civilAulas processo civil
Aulas processo civil
Fabricio Pani
 
Ação Renovatória Cc Revisional e Tutela Antecipada
Ação Renovatória Cc Revisional e Tutela AntecipadaAção Renovatória Cc Revisional e Tutela Antecipada
Ação Renovatória Cc Revisional e Tutela Antecipada
Consultor JRSantana
 

Mais procurados (20)

Modelo Destituir advogado
Modelo Destituir advogadoModelo Destituir advogado
Modelo Destituir advogado
 
2077 - Contraminuta de Agravo Regimental - STJ CPC ATUALIZADO
2077 - Contraminuta de Agravo Regimental - STJ CPC ATUALIZADO2077 - Contraminuta de Agravo Regimental - STJ CPC ATUALIZADO
2077 - Contraminuta de Agravo Regimental - STJ CPC ATUALIZADO
 
2117 - CONTESTAÇÃO COBRANÇA - Atualizada Novo CPC
2117 - CONTESTAÇÃO COBRANÇA - Atualizada Novo CPC2117 - CONTESTAÇÃO COBRANÇA - Atualizada Novo CPC
2117 - CONTESTAÇÃO COBRANÇA - Atualizada Novo CPC
 
Declaração de união estável
Declaração de união estávelDeclaração de união estável
Declaração de união estável
 
Ação revisional de alimentos
Ação revisional de alimentosAção revisional de alimentos
Ação revisional de alimentos
 
Recurso Especial - STJ
Recurso Especial - STJRecurso Especial - STJ
Recurso Especial - STJ
 
Notificação de não renovação de contrato de aluguel brasilia advogado www.bra...
Notificação de não renovação de contrato de aluguel brasilia advogado www.bra...Notificação de não renovação de contrato de aluguel brasilia advogado www.bra...
Notificação de não renovação de contrato de aluguel brasilia advogado www.bra...
 
Aulas processo civil
Aulas processo civilAulas processo civil
Aulas processo civil
 
Contrato de União Estável
Contrato de União EstávelContrato de União Estável
Contrato de União Estável
 
MODELO DE SUBS COM ASSINATURA DIGITAL
MODELO DE SUBS COM ASSINATURA DIGITALMODELO DE SUBS COM ASSINATURA DIGITAL
MODELO DE SUBS COM ASSINATURA DIGITAL
 
1158- Contrarrazões de Agravo de Instrumento
1158- Contrarrazões de Agravo de Instrumento1158- Contrarrazões de Agravo de Instrumento
1158- Contrarrazões de Agravo de Instrumento
 
Modelo de procuração particular
Modelo de procuração particular Modelo de procuração particular
Modelo de procuração particular
 
Modelo de Razões de Apelação
Modelo de Razões de ApelaçãoModelo de Razões de Apelação
Modelo de Razões de Apelação
 
Prova testemunhal - Direito Processual Civil
Prova testemunhal - Direito Processual CivilProva testemunhal - Direito Processual Civil
Prova testemunhal - Direito Processual Civil
 
Modelo contestação guarda curadora
Modelo contestação guarda curadoraModelo contestação guarda curadora
Modelo contestação guarda curadora
 
Ação Renovatória Cc Revisional e Tutela Antecipada
Ação Renovatória Cc Revisional e Tutela AntecipadaAção Renovatória Cc Revisional e Tutela Antecipada
Ação Renovatória Cc Revisional e Tutela Antecipada
 
1024- AÇÂO DE REC E DISS UNIAO ESTAVEL E ALIMENTOS
1024- AÇÂO DE REC E DISS UNIAO ESTAVEL E ALIMENTOS1024- AÇÂO DE REC E DISS UNIAO ESTAVEL E ALIMENTOS
1024- AÇÂO DE REC E DISS UNIAO ESTAVEL E ALIMENTOS
 
1177- Embargo a execução
1177- Embargo a execução1177- Embargo a execução
1177- Embargo a execução
 
Petição Inicial de danos morais.
Petição Inicial de danos morais.Petição Inicial de danos morais.
Petição Inicial de danos morais.
 
Agravo Regimental - AREsp - STJ
Agravo Regimental - AREsp - STJAgravo Regimental - AREsp - STJ
Agravo Regimental - AREsp - STJ
 

Destaque

Direito Sao Bernardo InventáRio Julgado Stj 090828 Julgado 04
Direito Sao Bernardo   InventáRio   Julgado Stj   090828   Julgado 04Direito Sao Bernardo   InventáRio   Julgado Stj   090828   Julgado 04
Direito Sao Bernardo InventáRio Julgado Stj 090828 Julgado 04
Pedro Kurbhi
 
Termo de ajustamento_de_conduta_do_
Termo de ajustamento_de_conduta_do_Termo de ajustamento_de_conduta_do_
Termo de ajustamento_de_conduta_do_
grazi87
 
11.11.13 ação de divórcio direto consensual c c visitas, alimentos, partilha ...
11.11.13 ação de divórcio direto consensual c c visitas, alimentos, partilha ...11.11.13 ação de divórcio direto consensual c c visitas, alimentos, partilha ...
11.11.13 ação de divórcio direto consensual c c visitas, alimentos, partilha ...
Juliane Espíndola
 
NULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMO
NULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMONULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMO
NULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMO
António Neto
 
Ação de consignação em pagamento
Ação de consignação em pagamentoAção de consignação em pagamento
Ação de consignação em pagamento
007negox
 

Destaque (20)

Alimentos compensatórios e divisão dos frutos - Dra. maria berenice
Alimentos compensatórios e divisão dos frutos  - Dra. maria bereniceAlimentos compensatórios e divisão dos frutos  - Dra. maria berenice
Alimentos compensatórios e divisão dos frutos - Dra. maria berenice
 
Modelo de peticao de divorcio em cartorio 2
Modelo de peticao de divorcio em cartorio   2Modelo de peticao de divorcio em cartorio   2
Modelo de peticao de divorcio em cartorio 2
 
Contrato Compromisso Divisao Amigavel
Contrato Compromisso Divisao AmigavelContrato Compromisso Divisao Amigavel
Contrato Compromisso Divisao Amigavel
 
Ação de Despejo e Separação Judicial
Ação de Despejo e Separação JudicialAção de Despejo e Separação Judicial
Ação de Despejo e Separação Judicial
 
Execução processo cumprimento de sentença
Execução  processo cumprimento de sentençaExecução  processo cumprimento de sentença
Execução processo cumprimento de sentença
 
Direito Sao Bernardo InventáRio Julgado Stj 090828 Julgado 04
Direito Sao Bernardo   InventáRio   Julgado Stj   090828   Julgado 04Direito Sao Bernardo   InventáRio   Julgado Stj   090828   Julgado 04
Direito Sao Bernardo InventáRio Julgado Stj 090828 Julgado 04
 
Termo de ajustamento_de_conduta_do_
Termo de ajustamento_de_conduta_do_Termo de ajustamento_de_conduta_do_
Termo de ajustamento_de_conduta_do_
 
11.11.13 ação de divórcio direto consensual c c visitas, alimentos, partilha ...
11.11.13 ação de divórcio direto consensual c c visitas, alimentos, partilha ...11.11.13 ação de divórcio direto consensual c c visitas, alimentos, partilha ...
11.11.13 ação de divórcio direto consensual c c visitas, alimentos, partilha ...
 
Recurso Especial - Família - Cível - STJ
Recurso Especial - Família - Cível - STJRecurso Especial - Família - Cível - STJ
Recurso Especial - Família - Cível - STJ
 
Cumprimento de sentença
Cumprimento de sentençaCumprimento de sentença
Cumprimento de sentença
 
Ação de Indenização
Ação de IndenizaçãoAção de Indenização
Ação de Indenização
 
NULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMO
NULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMONULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMO
NULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMO
 
Ação de consignação em pagamento
Ação de consignação em pagamentoAção de consignação em pagamento
Ação de consignação em pagamento
 
DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA PROPOR AÇÃO
DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA PROPOR AÇÃODOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA PROPOR AÇÃO
DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA PROPOR AÇÃO
 
O novo cpc e o cumprimento de sentença com Prof. Dijosete Veríssimo.
O novo cpc e o cumprimento de sentença com Prof. Dijosete Veríssimo.O novo cpc e o cumprimento de sentença com Prof. Dijosete Veríssimo.
O novo cpc e o cumprimento de sentença com Prof. Dijosete Veríssimo.
 
Recurso de multa a JARI modelo
Recurso de multa a JARI modeloRecurso de multa a JARI modelo
Recurso de multa a JARI modelo
 
Petição inicial
Petição inicialPetição inicial
Petição inicial
 
Aula 01 inss interpretação de textos
Aula 01 inss interpretação de textosAula 01 inss interpretação de textos
Aula 01 inss interpretação de textos
 
Petição inicial
Petição inicialPetição inicial
Petição inicial
 
Caligafia isabella
Caligafia isabellaCaligafia isabella
Caligafia isabella
 

Semelhante a Separação - Uso exclusivo de Imóvel por ex-cônjuge - Indenização

ceu - incorporacao - estudo de caso - 090811 - acordao resp.pdf
ceu - incorporacao - estudo de caso - 090811 - acordao resp.pdfceu - incorporacao - estudo de caso - 090811 - acordao resp.pdf
ceu - incorporacao - estudo de caso - 090811 - acordao resp.pdf
Pedro Kurbhi
 
Ceu Incorporacao Estudo De Caso 090811 Acordao Apelacao
Ceu   Incorporacao   Estudo De Caso   090811   Acordao ApelacaoCeu   Incorporacao   Estudo De Caso   090811   Acordao Apelacao
Ceu Incorporacao Estudo De Caso 090811 Acordao Apelacao
Pedro Kurbhi
 
SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 831 - FR (2005/0031310-2)
SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 831 - FR (2005/0031310-2)SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 831 - FR (2005/0031310-2)
SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 831 - FR (2005/0031310-2)
pedromatte
 
FR (2005/0031310-2)
FR (2005/0031310-2)FR (2005/0031310-2)
FR (2005/0031310-2)
pedromatte
 
Aula 3 -_prática_jurídica_simulada_cível_-_2012-2
Aula 3 -_prática_jurídica_simulada_cível_-_2012-2Aula 3 -_prática_jurídica_simulada_cível_-_2012-2
Aula 3 -_prática_jurídica_simulada_cível_-_2012-2
anderlon Rangel
 
Aula 3 prática jurídica simulada cível - 2012-2
Aula 3   prática jurídica simulada cível - 2012-2Aula 3   prática jurídica simulada cível - 2012-2
Aula 3 prática jurídica simulada cível - 2012-2
anderlon Rangel
 
Direito Sao Bernardo InventáRio Julgado Stj 090828 Julgado 06
Direito Sao Bernardo   InventáRio   Julgado Stj   090828   Julgado 06Direito Sao Bernardo   InventáRio   Julgado Stj   090828   Julgado 06
Direito Sao Bernardo InventáRio Julgado Stj 090828 Julgado 06
Pedro Kurbhi
 

Semelhante a Separação - Uso exclusivo de Imóvel por ex-cônjuge - Indenização (20)

Execucao extrajudicial legitimidade
Execucao extrajudicial legitimidadeExecucao extrajudicial legitimidade
Execucao extrajudicial legitimidade
 
ceu - incorporacao - estudo de caso - 090811 - acordao resp.pdf
ceu - incorporacao - estudo de caso - 090811 - acordao resp.pdfceu - incorporacao - estudo de caso - 090811 - acordao resp.pdf
ceu - incorporacao - estudo de caso - 090811 - acordao resp.pdf
 
é Nula a alienação de bem imóvel, na constância da sociedade
é Nula a alienação de bem imóvel, na constância da sociedadeé Nula a alienação de bem imóvel, na constância da sociedade
é Nula a alienação de bem imóvel, na constância da sociedade
 
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...
 
Sec507
Sec507Sec507
Sec507
 
STJ - É válida a penhora de salário para pagamento de aluguéis atrasados
STJ - É válida a penhora de salário para pagamento de aluguéis atrasadosSTJ - É válida a penhora de salário para pagamento de aluguéis atrasados
STJ - É válida a penhora de salário para pagamento de aluguéis atrasados
 
É penhorável bem de família dado como garantia de dívida de empresa familiar
É penhorável bem de família dado como garantia de dívida de empresa familiar É penhorável bem de família dado como garantia de dívida de empresa familiar
É penhorável bem de família dado como garantia de dívida de empresa familiar
 
Decisao agravo de instrumento
Decisao agravo de instrumentoDecisao agravo de instrumento
Decisao agravo de instrumento
 
Ceu Incorporacao Estudo De Caso 090811 Acordao Apelacao
Ceu   Incorporacao   Estudo De Caso   090811   Acordao ApelacaoCeu   Incorporacao   Estudo De Caso   090811   Acordao Apelacao
Ceu Incorporacao Estudo De Caso 090811 Acordao Apelacao
 
SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 831 - FR (2005/0031310-2)
SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 831 - FR (2005/0031310-2)SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 831 - FR (2005/0031310-2)
SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 831 - FR (2005/0031310-2)
 
SEC 831
SEC 831SEC 831
SEC 831
 
SEC 831
SEC 831SEC 831
SEC 831
 
FR (2005/0031310-2)
FR (2005/0031310-2)FR (2005/0031310-2)
FR (2005/0031310-2)
 
1196- EMBARGOS EXECUÇÃO
1196- EMBARGOS EXECUÇÃO1196- EMBARGOS EXECUÇÃO
1196- EMBARGOS EXECUÇÃO
 
Aula 3 -_prática_jurídica_simulada_cível_-_2012-2
Aula 3 -_prática_jurídica_simulada_cível_-_2012-2Aula 3 -_prática_jurídica_simulada_cível_-_2012-2
Aula 3 -_prática_jurídica_simulada_cível_-_2012-2
 
Aula 3 prática jurídica simulada cível - 2012-2
Aula 3   prática jurídica simulada cível - 2012-2Aula 3   prática jurídica simulada cível - 2012-2
Aula 3 prática jurídica simulada cível - 2012-2
 
2212201111910795 pal. 15.12.2011 dr. fernando sartori
2212201111910795 pal. 15.12.2011   dr. fernando sartori2212201111910795 pal. 15.12.2011   dr. fernando sartori
2212201111910795 pal. 15.12.2011 dr. fernando sartori
 
Direito Sao Bernardo InventáRio Julgado Stj 090828 Julgado 06
Direito Sao Bernardo   InventáRio   Julgado Stj   090828   Julgado 06Direito Sao Bernardo   InventáRio   Julgado Stj   090828   Julgado 06
Direito Sao Bernardo InventáRio Julgado Stj 090828 Julgado 06
 
1043- Ação Revisional de Distrato II
1043- Ação Revisional de Distrato II1043- Ação Revisional de Distrato II
1043- Ação Revisional de Distrato II
 
Agravo nos autos de Recurso Especial
Agravo nos autos de Recurso EspecialAgravo nos autos de Recurso Especial
Agravo nos autos de Recurso Especial
 

Mais de Luiz F T Siqueira

Execução de cheque deve ser processada no mesmo local da agência sacada
Execução de cheque deve ser processada no mesmo local da agência sacadaExecução de cheque deve ser processada no mesmo local da agência sacada
Execução de cheque deve ser processada no mesmo local da agência sacada
Luiz F T Siqueira
 
Bem de família pode ser penhorado para garantir pensão alimentícia decorrente...
Bem de família pode ser penhorado para garantir pensão alimentícia decorrente...Bem de família pode ser penhorado para garantir pensão alimentícia decorrente...
Bem de família pode ser penhorado para garantir pensão alimentícia decorrente...
Luiz F T Siqueira
 
Dano moral presumido - Overbooking
Dano moral presumido - OverbookingDano moral presumido - Overbooking
Dano moral presumido - Overbooking
Luiz F T Siqueira
 
Dano moral presumido - Multa de trânsito cobrada indevidamente - Repetição de...
Dano moral presumido - Multa de trânsito cobrada indevidamente - Repetição de...Dano moral presumido - Multa de trânsito cobrada indevidamente - Repetição de...
Dano moral presumido - Multa de trânsito cobrada indevidamente - Repetição de...
Luiz F T Siqueira
 
Dano moral presumido - Instituição de ensino - Impossibilidade de registro de...
Dano moral presumido - Instituição de ensino - Impossibilidade de registro de...Dano moral presumido - Instituição de ensino - Impossibilidade de registro de...
Dano moral presumido - Instituição de ensino - Impossibilidade de registro de...
Luiz F T Siqueira
 
Dano moral presumido - Extravio de talonários de cheques - Utilização indevid...
Dano moral presumido - Extravio de talonários de cheques - Utilização indevid...Dano moral presumido - Extravio de talonários de cheques - Utilização indevid...
Dano moral presumido - Extravio de talonários de cheques - Utilização indevid...
Luiz F T Siqueira
 

Mais de Luiz F T Siqueira (20)

É válido testamento que cumpre vontade do falecido mesmo na falta de formalid...
É válido testamento que cumpre vontade do falecido mesmo na falta de formalid...É válido testamento que cumpre vontade do falecido mesmo na falta de formalid...
É válido testamento que cumpre vontade do falecido mesmo na falta de formalid...
 
STJ anula júri por uso de algema em réu durante julgamento
STJ anula júri por uso de algema em réu durante julgamentoSTJ anula júri por uso de algema em réu durante julgamento
STJ anula júri por uso de algema em réu durante julgamento
 
Estado deve indenizar preso em situação degradante - STF - Voto do Ministro C...
Estado deve indenizar preso em situação degradante - STF - Voto do Ministro C...Estado deve indenizar preso em situação degradante - STF - Voto do Ministro C...
Estado deve indenizar preso em situação degradante - STF - Voto do Ministro C...
 
Prazo decadencial para anular praça pública começa após expedição da carta de...
Prazo decadencial para anular praça pública começa após expedição da carta de...Prazo decadencial para anular praça pública começa após expedição da carta de...
Prazo decadencial para anular praça pública começa após expedição da carta de...
 
STF - Regime de precatórios não se aplica à execução provisória de obrigação ...
STF - Regime de precatórios não se aplica à execução provisória de obrigação ...STF - Regime de precatórios não se aplica à execução provisória de obrigação ...
STF - Regime de precatórios não se aplica à execução provisória de obrigação ...
 
STJ - Espera excessiva em fila de banco - Indenização
STJ - Espera excessiva em fila de banco - IndenizaçãoSTJ - Espera excessiva em fila de banco - Indenização
STJ - Espera excessiva em fila de banco - Indenização
 
STF decide que juros de mora incidem sobre obrigações de RPV e precatórios
STF decide que juros de mora incidem sobre obrigações de RPV e precatóriosSTF decide que juros de mora incidem sobre obrigações de RPV e precatórios
STF decide que juros de mora incidem sobre obrigações de RPV e precatórios
 
STF - Estrangeiro residente no país tem direito à concessão de benefício assi...
STF - Estrangeiro residente no país tem direito à concessão de benefício assi...STF - Estrangeiro residente no país tem direito à concessão de benefício assi...
STF - Estrangeiro residente no país tem direito à concessão de benefício assi...
 
WhatsApp - Bloqueio viola liberdades de expressão e comunicação
WhatsApp - Bloqueio viola liberdades de expressão e comunicaçãoWhatsApp - Bloqueio viola liberdades de expressão e comunicação
WhatsApp - Bloqueio viola liberdades de expressão e comunicação
 
Ausência de notificação justifica retirada de nome em cadastro de restrição a...
Ausência de notificação justifica retirada de nome em cadastro de restrição a...Ausência de notificação justifica retirada de nome em cadastro de restrição a...
Ausência de notificação justifica retirada de nome em cadastro de restrição a...
 
Justiça do trabalho reconhece unicidade em contratos sucessivos de safra
Justiça do trabalho reconhece unicidade em contratos sucessivos de safraJustiça do trabalho reconhece unicidade em contratos sucessivos de safra
Justiça do trabalho reconhece unicidade em contratos sucessivos de safra
 
É válido protesto de cheque feito antes do término do prazo para ação de exec...
É válido protesto de cheque feito antes do término do prazo para ação de exec...É válido protesto de cheque feito antes do término do prazo para ação de exec...
É válido protesto de cheque feito antes do término do prazo para ação de exec...
 
Direito Penal - Abandono de incapaz - Atipicidade da conduta
Direito Penal - Abandono de incapaz   - Atipicidade da condutaDireito Penal - Abandono de incapaz   - Atipicidade da conduta
Direito Penal - Abandono de incapaz - Atipicidade da conduta
 
Execução de cheque deve ser processada no mesmo local da agência sacada
Execução de cheque deve ser processada no mesmo local da agência sacadaExecução de cheque deve ser processada no mesmo local da agência sacada
Execução de cheque deve ser processada no mesmo local da agência sacada
 
STJ - Terceira turma considera juizado especial competente para execução de m...
STJ - Terceira turma considera juizado especial competente para execução de m...STJ - Terceira turma considera juizado especial competente para execução de m...
STJ - Terceira turma considera juizado especial competente para execução de m...
 
Bem de família pode ser penhorado para garantir pensão alimentícia decorrente...
Bem de família pode ser penhorado para garantir pensão alimentícia decorrente...Bem de família pode ser penhorado para garantir pensão alimentícia decorrente...
Bem de família pode ser penhorado para garantir pensão alimentícia decorrente...
 
Dano moral presumido - Overbooking
Dano moral presumido - OverbookingDano moral presumido - Overbooking
Dano moral presumido - Overbooking
 
Dano moral presumido - Multa de trânsito cobrada indevidamente - Repetição de...
Dano moral presumido - Multa de trânsito cobrada indevidamente - Repetição de...Dano moral presumido - Multa de trânsito cobrada indevidamente - Repetição de...
Dano moral presumido - Multa de trânsito cobrada indevidamente - Repetição de...
 
Dano moral presumido - Instituição de ensino - Impossibilidade de registro de...
Dano moral presumido - Instituição de ensino - Impossibilidade de registro de...Dano moral presumido - Instituição de ensino - Impossibilidade de registro de...
Dano moral presumido - Instituição de ensino - Impossibilidade de registro de...
 
Dano moral presumido - Extravio de talonários de cheques - Utilização indevid...
Dano moral presumido - Extravio de talonários de cheques - Utilização indevid...Dano moral presumido - Extravio de talonários de cheques - Utilização indevid...
Dano moral presumido - Extravio de talonários de cheques - Utilização indevid...
 

Último

b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdfb2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
Renandantas16
 

Último (6)

Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
 
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdfb2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
 
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos AcontecerPesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
 
DROGASIL EQUIPE LOGISTICA MERCADOLOGICA.pptx
DROGASIL EQUIPE LOGISTICA MERCADOLOGICA.pptxDROGASIL EQUIPE LOGISTICA MERCADOLOGICA.pptx
DROGASIL EQUIPE LOGISTICA MERCADOLOGICA.pptx
 
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
 

Separação - Uso exclusivo de Imóvel por ex-cônjuge - Indenização

  • 1. Superior Tribunal de Justiça Revista Eletrônica de Jurisprudência RECURSO ESPECIAL Nº 983.450 - RS (2007⁄0205665-9) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : JAN ADVOGADO : JOSÉ ODORALDO MEDEIROS PINHEIRO RECORRIDO : BVG ADVOGADO : ELISABETH PEREIRA ALVES EMENTA Direito civil. Família. Recurso especial. Ação de cobrança de indenização entre ex-cônjuges, em decorrência do uso exclusivo de imóvel ainda não partilhado. Estado de condomínio. Indenização correspondente a metade do valor da renda de estimado aluguel, diante da fruição exclusiva do bem comum por um dos condôminos. Concorrência de ambos os condôminos nas despesas de conservação da coisa e nos ônus a que estiver sujeita. Possível dedução. Arts. 1.319 e 1.315 do CC⁄02. - Com a separação do casal cessa a comunhão de bens, de modo que, embora ainda não operada a partilha do patrimônio comum do casal, é facultado a um dos ex-cônjuges exigir do outro, que estiver na posse e uso exclusivos de determinado imóvel, a título de indenização, parcela correspondente à metade da renda de um presumido aluguel, devida a partir da citação. - Enquanto não dividido o imóvel, a propriedade do casal sobre o bem remanesce, sob as regras que regem o instituto do condomínio, notadamente aquela que estabelece que cada condômino responde aos outros pelos frutos que percebeu da coisa, nos termos do art. 1.319 do CC⁄02. Assim, se apenas um dos condôminos reside no imóvel, abre-se a via da indenização àquele que se encontra privado da fruição da coisa. - Subsiste, em igual medida, a obrigação de ambos os condôminos, na proporção de cada parte, de concorrer para as despesas inerentes à manutenção da coisa, o que engloba os gastos resultantes da necessária regularização do imóvel junto aos órgãos competentes, dos impostos, taxas e encargos que porventura onerem o bem, além, é claro, da obrigação de promover a sua venda, para que se ultime a partilha, nos termos em que formulado o acordo entre as partes. Inteligência do art. 1.315 do CC⁄02. Recurso especial parcialmente provido. ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os Ministros da TERCEIRA TURMA do Superior Tribunal de Justiça, na conformidade dos votos e das notas taquigráficas constantes dos autos, por unanimidade, conhecer em parte do recurso especial e, nessa parte, dar-lhe provimento, nos termos do voto da Sra. Ministra Relatora. Os Srs. Ministros Massami Uyeda, Sidnei Beneti, Vasco Della Giustina e Paulo Furtado votaram com a Sra. Ministra Relatora. Brasília (DF), 02 de fevereiro de 2010(data do julgamento) MINISTRA NANCY ANDRIGHI Relatora
  • 2. RECURSO ESPECIAL Nº 983.450 - RS (2007⁄0205665-9) RECORRENTE : JAN ADVOGADO : JOSÉ ODORALDO MEDEIROS PINHEIRO RECORRIDO : BVG ADVOGADO : ELISABETH PEREIRA ALVES Relatora: MINISTRA NANCY ANDRIGHI RELATÓRIO Cuida-se de Recurso especial interposto por J. A. N., com fundamento nas alíneas “a” e “c” do permissivo constitucional, contra acórdão exarado pelo TJ⁄RS. Ação (inicial às fls. 2⁄10): de arbitramento de aluguel, em decorrência de ocupação exclusiva de imóvel, ajuizada pelo recorrente em face de sua ex-mulher, B. V. G. O autor alega, em sua inicial, que foi casado com a ré de 1973 até 6 (seis) de março de 2002, ocasião em que foi homologado acordo de separação convencional do casal, em que constou que a partilha seria feita posteriormente,fazendo, contudo, alusão ao imóvel objeto do litígio, no sentido de que concordavam as partes com a venda e posterior divisão do produto em partes iguais, estabelecendo o preço mínimo de R$ 20.000,00 (vinte mil reais). Comocausa de pedir aduz que a ex-mulher reside no aludido imóvel com os dois filhos do casal, o que lhe confere o direito de valor correspondente a metade do aluguel. Contestação (fls. 45⁄52): B. V. G. sustenta que as alegações constantes da inicial não correspondem à verdade dos fatos. Aduz que “além das dificuldades naturais e peculiares a comercialização de imóvel de praia, própria do mercado, soma-se um fato agravante: o imóvel além de necessitar de alguns reparos ainda se encontra sem regularização e sem habite-se junto ao órgão do INSS e prefeitura municipal, sendo que o requerido nunca se preocupou para a devida regulamentação e seus pagamentos, como tampouco mostrou-se até a presente data realmente interessado em negociar o dito imóvel, uma vez que jamais promovendo (sic) a divulgação por imobiliária ou simplesmente facilitando a venda, já que é o único que possui a documentação do imóvel, que ficou exclusivamente no seu poder” (fl. 46). Faz menção ainda a débitos de IPTU, referentes aos anos de 1998, 1999, 2000 e 2002, os quais relata que foram parcelados unicamente por ela, sem que o recorrente, embora na época ainda casado com ela, jamais se preocupasse com o fato. Por fim, argumenta que “em se tratando de direito de família, cada situação deve ajustar-se ao caso concreto” (fl. 50), e que a ausência de prova da premente necessidade do recorrente afasta a pretensão de receber valor correspondente a metade do aluguel do imóvel. Audiência: às fls. 110⁄111. Sentença (fls. 117⁄118): o pedido deduzido pelo recorrente foi julgado improcedente, ao entendimento de que “não havendo partilha do bem que indique a cota-parte de cada ex-cônjuge, inviável a fixação de aluguel em razão de habitação exclusiva por um dos separandos, cabendo ao caso, se assim entender a parte que se considera prejudicada, promover a específica ação de partilha”. Acórdão (fls. 158⁄160): o TJ⁄RS negou provimento ao recurso de apelação interposto pelo recorrente, por entender que “enquanto não for procedida partilha dos bens comuns, este pertencem a ambos os litigantes em estado de mancomunhão, sendo descabida a fixação de aluguel em favor daquele que não faz uso do bem comum” acrescentando ainda que “não restando demonstrado que a demandada retira renda do imóvel, mas sim que nele residecom os filhos, nem havendo indicativo de que ela, de qualquer forma, esteja postergando a divisão do patrimônio, descabe impor-lhe qualquer encargo financeiro, cumprindo apenas que tenha curso a partilha dos bens em razão da dissolução da sociedade conjugal” (fl. 158). Recurso especial (fl. 164⁄172): interposto sob alegação de ofensa ao art. 1.319 do CC⁄02, além de dissídio jurisprudencial. Contrarrazões (fls. 180⁄191): reitera a recorrida as alegações feitas em sede de contestação, além de asseverar que “merece especialmente atentar-se para fato de suma importância para desate final do presente caso, onde o ora recorrente até a presente data jamais providenciou em sequer promover a regularização da construção de dito imóvel que até a data atual, não possui o 'HABITE-SE', e, que jamais efetuou qualquer reparo para manutenção do mesmo, ou tenha efetuado pagamento de impostos territoriais e prediais – IPTU; o que resultou originando elevada dívida, cujos atrasos por falta de pagamento foram suportados exclusivamente pela ora recorrida (sic)” (fl. 182). Prévio Juízo de admissibilidade (fls. 197⁄198): o TJ⁄RS admitiu o recurso especial, determinando a remessa dos autos ao STJ.
  • 3. Parecer da Procuradoria Geral da República: o Parquet apresentou parecer da lavra do i. Subprocurador-Geral da República, Fernando H. O. de Macedo, opinando pelo conhecimento e provimento do recurso especial, para reformar parcialmente o acórdão proferido pelo TJ⁄RS. É o relatório. RECURSO ESPECIAL Nº 983.450 - RS (2007⁄0205665-9) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : JAN ADVOGADO : JOSÉ ODORALDO MEDEIROS PINHEIRO RECORRIDO : BVG ADVOGADO : ELISABETH PEREIRA ALVES VOTO A EXMA. SRA. MINISTRA NANCY ANDRIGHI (Relatora): Cinge-se a lide a estabelecer se, depois de cessada a comunhão de bens pela separação judicial, embora ainda não operada a partilha do patrimônio comum do casal, é facultado a um dos ex-cônjuges exigir do outro, que estiver naposse e uso de determinado imóvel, a título de indenização, parte correspondente à metade da renda de um presumido aluguel. I. Considerações iniciais. Arvora-se o recorrente firmemente na possibilidade de cobrança de aluguéis, em razão da ocupação exclusiva da ex-mulher de imóvel ainda não partilhado. Como peculiaridade, insere-se o fato de que o aludido imóvel pende de regularização junto aos órgãos competentes, inclusive o “habite-se”, do que alega a recorrida teria o recorrente se obrigado, sem, contudo, desincumbir-se daobrigação. Aduz, a recorrida, em sede de contrarrazões (fls. 180⁄191), que sem a regularização do imóvel, não há como se proceder à venda do bem, para que seja, enfim, partilhado. Em suas razões recursais (fls. 164⁄172), o recorrente colaciona julgado do STJ – REsp 178.130⁄RS, DJ de 17⁄6⁄2002 –, no qual foi adotada solução distinta daquela seguida pelo acórdão impugnado. A similitude entre as hipóteses está evidente, pois o acórdão alçado a paradigma trata especificamente da hipótese em que, ocorrendo a separação do casal, relegada a partilha de bens para momento posterior, e, permanecendo o imóvel comum na posse exclusiva de um dos cônjuges, ao co-proprietário assiste o direito de ser indenizado diante da fruição exclusiva do bem comum pelo outro cônjuge, a partir da citação. Assim, patente a existência de divergência jurisprudencial, bem como configurado o devido prequestionamento do art. 1.319 do CC⁄02, deve o recurso especial ser conhecido. Passa-se, portanto, à análise de mérito e aplicação dodireito à espécie, conforme autoriza o art. 257 do RISTJ. II. Do arbitramento de aluguel sobre imóvel não partilhado. A Segunda Seção do STJ fixou entendimento no sentido de que “convencionado na separação do casal que o imóvel seria partilhado, tocando metade para cada cônjuge, e permanecendo em comum até a alienação, o fato de o marido deter a posse exclusiva dá à mulher o direito à indenização correspondente ao uso da propriedade comum, devida a partir da citação. Trata-se de condomínio, regulado pelas regras que lhe são próprias,desfazendo-se desde a partilha a mancomunhão que decorria do direito de família” (EREsp 130.605⁄DF, Rel. Min. Ruy Rosado de Aguiar, DJ de 23⁄4⁄2001). Verifica-se que a jurisprudência firmada pela Segunda Seção deste Tribunal circunscreve-se às hipóteses em que já operada a partilha de bens do casal separado.
  • 4. O TJ⁄RS tratou a questão sob o viés do estado de mancomunhão, que somente cederia lugar ao estado de condomínio, depois de operada a partilha dos bens do casal. Eis a fundamentação contida no acórdão impugnado: (fl. 159 e v.) – “Com efeito, a dissolução do casamento ocorreu em 6 de março de 2002 (fl. 12), tendo sido proposta a ação de separação litigiosa, que foi convertida em consensual, sendo acordada a partilha de um dos bens pertencentes ao casal. Restou relegada para momento posterior a partilha do imóvel onde atualmente vivem a virago e os filhos comuns do casal. A decisão que pôs fim ao casamento havido entre as partes transitou em julgado, mas, ao que consta, ainda não foi efetuada a partilha desse imóvel. Vê-se que o recorrente alega estar a recorrida usufruindo com exclusividade do imóvel do casal, desde a separação em 2002, e permanecendo esse imóvel em condomínio, entende devido o pagamento de locativos. No entanto, tenho que, enquanto não for procedida a efetiva partilha dos bens comuns, estes pertencem a ambos os cônjuges em estado de mancomunhão, sendo em regra descabida a fixação de indenização em favor da parte que não faz uso dos bens comuns. E, no caso, tal pretensão se mostra mais descabida quando está claro que o imóvel serve de residência não apenas para a virago mas também para os filhos, que vivem em sua companhia, sendo de destacar, também, que tal condição permanece desde quando foi ajustada a separação judicial do casal. Ademais, não restou demonstrado nos autos que a recorrida esteja fazendo uso comercial do bem comum do casal, nem que dele tenha qualquer renda, nem que esteja sonegando valores ou, ainda, que, de qualquer forma, esteja postergando a partilha desse bem comum. E o mero fato de persistir este estado de indivisão não é suficiente para se cogitar de enriquecimento sem causa, nada justificando o estabelecimento de qualquer indenização ou a fixação de qualquer encargo. Friso que a situação é de mancomunhão até que seja elaborada a partilha; um (sic) vez formalizada a divisão dos bens, estabelecendo-se o quinhão patrimonial de cada ex-cônjuge, é que se poderá cogitar de condomínio. Finalmente, lembro que, para que a questão patrimonial seja resolvida, basta que o recorrente promova a efetiva partilha dos bens.” Como se vê, as bases fáticas firmadas no acórdão recorrido são claras no sentido de que ainda não houve a partilha de bens do casal que, por acordo homologado em Juízo, relegou a divisão do patrimônio comum para momentoposterior. Todavia, o recorrente e a recorrida fizeram constar do mencionado acordo de separação consensual, que o imóvel, objeto deste litígio, seria vendido e que a divisão do produto se daria em partes iguais, estabelecendo inclusive preço mínimo. Dimas Messias de Carvalho (in Direito de Família, 2ª ed., Belo Horizonte: Del Rey, 2009, p. 211⁄212) distingue o estado de mancomunhão do estado de condomínio, com as seguintes considerações: “Os bens não partilhados após a separação ou divórcio, pertencem ao casal, semelhante ao que ocorre com a herança, entretanto, nenhum deles pode alienar ou gravar seus direitos na comunhão antes da partilha, sendo ineficaz a cessão, posto que o direito à propriedade e posse é indivisível, ficando os bens numa situação que a doutrina denomina de estado de mancomunhão. Não raras vezes, entretanto, quando os bens estão identificados na ação de separação ou divórcio, são partilhados na fração ideal de 50% (cinqüenta por cento) para cada um, em razão da meação, importa em estado de condomínio entre o casal e não mais estado de mancomunhão. Tratando-se de condomínio, pode qualquer um dos cônjuges alienar ou gravar seus direitos, observando a preferência do outro, podendo ainda requerer a extinção por ação de divisão ou alienação judicial, não se cogitando a nova partilha e dispensando a abertura de inventário.” Como se percebe, no processo em julgamento, constou do acordo homologado em Juízo a manifestação expressa da vontade de ambos os ex-cônjuges no sentido de vender o referido imóvel, sendo o produto dessa vendadividido na fração ideal de 50% para cada um, o que, por consequência, importa em reconhecer o estado de condomínio entre o casal quanto ao bem que pretende o recorrente receber valor correspondente a locativos.
  • 5. Dessa forma, cessada a comunhão universal pela separação judicial, o patrimônio comum subsiste sob a forma de condomínio, enquanto não ultimada a partilha. Nesse sentido, o REsp 254.190⁄SP, de minha relatoria, DJ de 4⁄2⁄2002. Assim, enquanto não dividido o imóvel, a propriedade do casal sobre o bem remanesce, sob as regras que regem o instituto do condomínio, notadamente aquela que estabelece que cada condômino responde aos outros pelos frutos que percebeu da coisa, nos termos do art. 1.319 do CC⁄02. Assim, se apenas um dos condôminos reside no imóvel, abre-se a via da indenização àquele que se encontra privado da fruição da coisa, indenização essa que pode se dar mediante o pagamento de valor correspondente a metade do valor estimado do aluguel do imóvel. Subsiste, em igual medida, a obrigação de ambos os condôminos, na proporção de cada parte, de concorrer para as despesas inerentes à manutenção da coisa, o que engloba os gastos resultantes da necessária regularização do imóvel junto aos órgãos competentes, dos impostos, taxas e encargos que porventura onerem o bem, além, é claro, da obrigação de promover a sua venda, para que se ultime a partilha, nos termos em que formulado o acordo entre as partes. Inteligência do art. 1.315 do CC⁄02. Em conclusão, deve ser parcialmente reformado o acórdão recorrido, para estabelecer a obrigatoriedade de pagamento ao recorrente de indenização correspondente a 50% do valor apurado de aluguel do imóvel, a partir da citação,deduzida de igual fração incidente sobre as despesas de conservação da coisa, bem como, os ônus a que estiver sujeita, pagos ou a vencer, no período posterior à separação. Forte em tais razões, CONHEÇO do recurso especial para LHE DAR PARCIAL PROVIMENTO, nos termos acima declinados. CERTIDÃO DE JULGAMENTO TERCEIRA TURMA Número Registro: 2007⁄0205665-9 REsp 983450 ⁄ RS Números Origem: 10522878443 70019081454 70020160560 PAUTA: 02⁄02⁄2010 JULGADO: 02⁄02⁄2010 SEGREDO DE JUSTIÇA Relatora Exma. Sra. Ministra NANCY ANDRIGHI Presidente da Sessão Exmo. Sr. Ministro SIDNEI BENETI Subprocurador-Geral da República Exmo. Sr. Dr. MAURÍCIO DE PAULA CARDOSO Secretária Bela. MARIA AUXILIADORA RAMALHO DA ROCHA AUTUAÇÃO RECORRENTE : JAN ADVOGADO : JOSÉ ODORALDO MEDEIROS PINHEIRO RECORRIDO : BVG
  • 6. ADVOGADO : ELISABETH PEREIRA ALVES ASSUNTO: Civil - Família - Divórcio - Partilha de Bens CERTIDÃO Certifico que a egrégia TERCEIRA TURMA, ao apreciar o processo em epígrafe na sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão: A Turma, por unanimidade,deu parcial provimento ao recurso especial, nos termos do voto da Sra. Ministra Relatora. Os Srs. Ministros Massami Uyeda, Sidnei Beneti, Vasco Della Giustina (Desembargador convocado do TJ⁄RS) e Paulo Furtado (Desembargador convocado do TJ⁄BA) votaram com a Sra. Ministra Relatora. Brasília, 02 de fevereiro de 2010 MARIA AUXILIADORA RAMALHO DA ROCHA Secretária Documento: 940072 Inteiro Teor do Acórdão - DJ: 10/02/2010