A Arte de Contar Histórias (Introdução)

10.393 visualizações

Publicada em

Paletra introdutáoria à Arte de Contar Histórias

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

A Arte de Contar Histórias (Introdução)

  1. 1. A arte de Contar Histórias Renata Bomfim
  2. 2. “ Ninguém resiste a uma história, principalmente a uma história bem contada” Affonso Romano de Sant’ana <ul><li>Como toda a arte, a de contar histórias possui segredos e técnicas e sua principal matéria prima é A palavra. </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Origem desta arte </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Objetivos </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  3. 3. As histórias são bálsamos As histórias falam a linguagem do inconsciente, assim como os sonhos, elas provocam e revitalizam variados processos psíquicos, restabelecendo conexão e troca entre consciente e inconsciente. Fontes Arcaicas
  4. 4. No cenário atual você acha que as histórias são importantes? “ Apropriar-se de uma história é processá-la no interior de si mesmo. É deixar-se impregnar de tal forma por ela que todos os sentidos possam ser aguçados e que todo o corpo possa, naturalmente, comunicá-la pelos gestos, expressão facial e corporal, entonação de voz, ritmo, etc.”
  5. 5. Como escolher uma história? Nem toda história está pronta no livro para ser contada. <ul><li>É necessário selecionar observando o interesse do público ouvinte, a ideologia do conto, o objetivo que se espera atingir. </li></ul><ul><li>Se a história não despertar emoção no contador, possivelmente não despertará no público. </li></ul><ul><li>Para escolher: </li></ul><ul><li>Levar em conta a qualidade literária; </li></ul><ul><li>Observar a linguagem (rebuscada, simples, vulgar) lembrando que a história é um alimento para imaginação. </li></ul><ul><li>Observar a estrutura da narrativa: introdução, enredo, clímax e desfecho. </li></ul>
  6. 6. Era uma vez... (dicas) <ul><li>: </li></ul>A introdução da história a localiza em um tempo e em um espaço, ou fora dele... (deve ser curta) “ Era uma vez...” “ Há muitos e muitos anos...” “ Numa floresta distante...” “ três porquinhos resolveram fazer uma casa”. Deve-se explorar os tesouros da história: Qual a moral, a mensagem que você quer passar. ONDE – QUANDO - QUEM
  7. 7. Formas de apresentar a história <ul><li>Simples narrativa </li></ul><ul><li>Com o livro </li></ul><ul><li>Com gravuras </li></ul><ul><li>Com flanelógrafo </li></ul><ul><li>Com desenhos </li></ul><ul><li>Com fantoches </li></ul><ul><li>Com música </li></ul><ul><li>Entre outras... </li></ul><ul><li>Pode haver interferência ou não da platéia </li></ul><ul><li>É importante atentar para o setting onde a história será narrada </li></ul><ul><li>A narrativa não deve ultrapassar </li></ul><ul><li>10 minutos para jovens e crianças e </li></ul><ul><li>20 minutos para adultos </li></ul>A voz, a postura e o olhar transmitem emoção!
  8. 8. Algumas dicas para prender a atenção do expectador: <ul><li>Ser moderado no gesto </li></ul><ul><li>Evitar e corrigir cacoetes e viroses verbais </li></ul><ul><li>Falar com voz adequada à história e seus personagens </li></ul><ul><li>Viver a história </li></ul><ul><li>Conhecer o enredo </li></ul><ul><li>Narrar com naturalidade </li></ul>
  9. 9. Atividades a partir da história <ul><li>Dramatização, desenhos, recortes; modelagens, dobraduras, montagens, etc. </li></ul><ul><li>Criação de textos orais e escritos; </li></ul><ul><li>Brincadeiras; </li></ul><ul><li>Construção de maquetes. </li></ul>A história pode servir como agente desencadeador de atividades variadas Devem ser atividades espontâneas, participando delas aqueles que o desejarem.
  10. 10. O contador de histórias: integridade na vida <ul><li>C. Bridouxs </li></ul>“ Integridade significa praticar aquilo que pregamos, fazer o que falamos, viver nossos valores consistentes. As fachadas cedo ou tarde caem revelando o eu singular. Quanto mais elevados os padrões que determinamos para nós mesmos, bem como demonstramos auto-disciplina para seguir esses padrões, quanto mais as pessoas confiam em nós”.
  11. 11. <ul><li>Só se sabe o sabor do alimento quando se prova dele! </li></ul><ul><li>VIVENCIE!!!!!! </li></ul>
  12. 12. <ul><li>“ Só se você não fizer nada não cometerá erros, </li></ul><ul><li>mas talvez, não fazer nada, </li></ul><ul><li>seja um erro em si mesmo” Denis Bridouxs </li></ul><ul><li>SE AUTORIZE!!!!!!!!! </li></ul><ul><li>OBRIGADA!!!!!! </li></ul><ul><li>Renata Bomfim </li></ul>

×