SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
REANIMAÇÃO	
  EM	
  SALA	
  DE	
  PARTO	
  –	
  NORMAS	
  2011	
  	
  
Tabela	
  1:	
  Estimativa	
  do	
  tamanho	
  da	
  lâmina	
  do	
  laringoscópio	
  e	
  da	
  cânula	
  traqueal	
  e	
  extensão	
  da	
  cânula	
  a	
  ser	
  introduzida	
  
Peso	
  (g)	
   IG	
  (sem)	
   Lâmina	
  do	
  laringoscópio	
   Tamanho	
  da	
  cânula	
  (mm)	
   Fixação	
  no	
  lábio	
  superior	
  (cm)	
  
<	
  1000	
   <	
  28	
   Reta	
  00	
  –	
  Reta	
  0	
   2,5	
   6,5	
  –	
  7,0	
  
1000	
  –	
  2000	
   28	
  –	
  34	
   Reta	
  0	
   3,0	
   7,0	
  –	
  8,0	
  
2000	
  –	
  3000	
   34	
  –	
  38	
   Reta	
  0	
  –	
  Reta	
  1	
   3,5	
   8,0	
  –	
  9,0	
  
>	
  3000	
   >	
  38	
   Reta	
  1	
   4,0	
   >	
  9,0	
  
	
  
Tabela	
  2:	
  Medicações	
  para	
  reanimação	
  do	
  RN	
  em	
  sala	
  de	
  parto	
  
	
   Adrenalina	
  EV	
   Adrenalina	
  ET	
   Expansores	
  de	
  volume	
  
Diluição	
   1ml	
  de	
  adrenalina	
  +	
  9ml	
  de	
  SF0,9%	
   SF0,9%	
  /	
  Ringer	
  Lactato	
  /	
  Sangue	
  total	
  
Preparo	
   	
  Seringa	
  de	
  1ml	
   Seringa	
  de	
  5ml	
   2	
  seringas	
  de	
  20ml	
  
Dose	
   0,1-­‐0,3ml/kg	
   0,5-­‐1ml/kg	
   10ml/kg	
  EV	
  
PESO	
  AO	
  NASCER	
  
1kg	
   0,1-­‐0,3ml	
   0,5-­‐1ml	
   10ml	
  
2kg	
   0,2-­‐0,6ml	
   1-­‐2ml	
   20ml	
  
3kg	
   0,3-­‐0,9ml	
   1,5-­‐3ml	
   30ml	
  
4kg	
   0,4-­‐1,2ml	
   2,0-­‐4,0ml	
   40ml	
  
Velocidade	
  e	
  
precauções	
  
Infundir	
  rápido	
  na	
  veia	
  
umbilical	
  e,	
  a	
  seguir,	
  infundir	
  
0,5-­‐1ml	
  de	
  SF0,9%	
  
Infundir	
  diretamente	
  na	
  cânula	
  
traqueal	
  e	
  ventilar	
  a	
  seguir.	
  
USO	
  ÚNICO.	
  
Infundir	
  o	
  expansor	
  de	
  volume	
  na	
  veia	
  
umbilical	
  lentamente,	
  em	
  5-­‐10min.	
  
Massagem	
  cardíaca	
  SEMPRE	
  sincronizada	
  com	
  VPP	
  na	
  relação	
  de	
  3	
  compressões	
  para	
  1	
  ventilação.	
  
Colocar	
  os	
  RN	
  com	
  PN≤1500g	
  em	
  saco	
  plástico	
  imediatamente	
  após	
  o	
  nascimento	
  (antes	
  de	
  secar).	
  
	
  
Cesar	
  Passamani	
  –	
  Médico	
  neonatologista	
  (CREMEB	
  –	
  20597)	
  –	
  Teixeira	
  de	
  Freitas	
  
Adaptado	
  de:	
  de	
  Almeida,	
  MFB,	
  Guinsburg,	
  R.	
  Programa	
  de	
  Reanimação	
  Neonatal	
  da	
  SBP:	
  Condutas	
  2011	
  
!
27
Programa de Reanimação Neonatal da Sociedade Brasileira de Pediatria:
Condutas 2011
Fluxograma da reanimação neonatal em sala de parto
NASCIMENTO
Gestação a termo?
Respirando ou chorando?
Tônus muscular em flexão?
sim
Cuidados de rotina junto à mãe:
prover calor, manter vias aéreas
pérvias, secar e avaliar FC e
respiração de modo contínuo

não 
Prover calor
Posicionar cabeça
Aspirar vias aéreas s/n
Secar

30 segundos
FC <100 bpm, apneia ou
respiração irregular?
não
Desconforto Respiratório?

sim  sim 
60 segundos
(Golden minute)
VPP, considerar
monitorar a SatO2
Considerar monitorar SatO2
Considerar CPAP

FC <100 bpm?
sim 
Assegurar VPP adequada
Considerar O2 suplementar
Considerar intubação
Minutos
de vida
SatO2
pré-ductal
 Até 5 70-80%
FC <60 bpm? 5-10 80-90%
sim  >10 85-95%
Massagem cardíaca
coordenada com VPP

FC <60 bpm?
sim 
Adrenalina endovenosa
Oxímetro	
  em	
  
membro	
  
superior	
  direito	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Eduardo Gomes da Silva
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem universitária
 
Aula de reanimação pediatrica
Aula de reanimação pediatricaAula de reanimação pediatrica
Aula de reanimação pediatricamariacristinasn
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemRaíssa Soeiro
 
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Paulo Sérgio
 
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognósticoPlano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognósticoSelma Silva
 
Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e CurativosElayne Nunes
 
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éViviane da Silva
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemYasmin Casini
 
Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1mariacristinasn
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoViviane da Silva
 
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rnMickael Gomes
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Ravenny Caminha
 
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - NascidoManual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascidoblogped1
 

Mais procurados (20)

Hemorragia pós-parto
Hemorragia pós-partoHemorragia pós-parto
Hemorragia pós-parto
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Aula de reanimação pediatrica
Aula de reanimação pediatricaAula de reanimação pediatrica
Aula de reanimação pediatrica
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
 
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
 
Hipertensão na gestação
Hipertensão na gestaçãoHipertensão na gestação
Hipertensão na gestação
 
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognósticoPlano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
 
Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e Curativos
 
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
 
Reanimação Neonatal
Reanimação NeonatalReanimação Neonatal
Reanimação Neonatal
 
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 
Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil
 
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
 
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - NascidoManual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
 

Semelhante a REANIMAÇÃO EM SALA DE PARTO – NORMAS 2011

Reanimação neonatal
Reanimação neonatalReanimação neonatal
Reanimação neonatalNayara Dias
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátricaresenfe2013
 
2.reanimação neonatal
2.reanimação neonatal2.reanimação neonatal
2.reanimação neonatalMickael Gomes
 
Medicamentos por via SC 22 02 17.pdf
Medicamentos por via  SC  22 02 17.pdfMedicamentos por via  SC  22 02 17.pdf
Medicamentos por via SC 22 02 17.pdfEvertonMonteiro19
 
Reabilitação Cardiovascular, como fazer
Reabilitação Cardiovascular, como fazerReabilitação Cardiovascular, como fazer
Reabilitação Cardiovascular, como fazerMarcela Mihessen
 
Apostila Saúde da Criança e do Adolescente.docx
Apostila Saúde da Criança e do Adolescente.docxApostila Saúde da Criança e do Adolescente.docx
Apostila Saúde da Criança e do Adolescente.docxLubarraLu
 
ITO 23 - Módulo 200 sbv
ITO 23 - Módulo 200   sbvITO 23 - Módulo 200   sbv
ITO 23 - Módulo 200 sbvComandantelima
 
Pbl dispneia na emergencia
Pbl dispneia na emergenciaPbl dispneia na emergencia
Pbl dispneia na emergenciaFlávia Salame
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Huggalegoo
 
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael OtsuziACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael OtsuziRafael Otsuzi
 
Trabalho de parto prematuro pp ph
Trabalho de parto prematuro pp phTrabalho de parto prematuro pp ph
Trabalho de parto prematuro pp phtvf
 
Hipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de forçaHipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de forçafelipethoaldo
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaFábio Falcão
 
Protocolo dor aguda
Protocolo dor agudaProtocolo dor aguda
Protocolo dor agudaAnestesiador
 
Protocolo dor aguda
Protocolo dor agudaProtocolo dor aguda
Protocolo dor agudaAnestesiador
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoAmanda Thomé
 

Semelhante a REANIMAÇÃO EM SALA DE PARTO – NORMAS 2011 (20)

Reanimação neonatal
Reanimação neonatalReanimação neonatal
Reanimação neonatal
 
aula jornada.pptx
aula jornada.pptxaula jornada.pptx
aula jornada.pptx
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
2.reanimação neonatal
2.reanimação neonatal2.reanimação neonatal
2.reanimação neonatal
 
Medicamentos por via SC 22 02 17.pdf
Medicamentos por via  SC  22 02 17.pdfMedicamentos por via  SC  22 02 17.pdf
Medicamentos por via SC 22 02 17.pdf
 
Reabilitação Cardiovascular, como fazer
Reabilitação Cardiovascular, como fazerReabilitação Cardiovascular, como fazer
Reabilitação Cardiovascular, como fazer
 
Apostila Saúde da Criança e do Adolescente.docx
Apostila Saúde da Criança e do Adolescente.docxApostila Saúde da Criança e do Adolescente.docx
Apostila Saúde da Criança e do Adolescente.docx
 
ITO 23 - Módulo 200 sbv
ITO 23 - Módulo 200   sbvITO 23 - Módulo 200   sbv
ITO 23 - Módulo 200 sbv
 
Pbl dispneia na emergencia
Pbl dispneia na emergenciaPbl dispneia na emergencia
Pbl dispneia na emergencia
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Hug
 
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael OtsuziACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
 
Trabalho de parto prematuro pp ph
Trabalho de parto prematuro pp phTrabalho de parto prematuro pp ph
Trabalho de parto prematuro pp ph
 
Hipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de forçaHipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de força
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
 
Protocolo dor aguda
Protocolo dor agudaProtocolo dor aguda
Protocolo dor aguda
 
Protocolo dor aguda
Protocolo dor agudaProtocolo dor aguda
Protocolo dor aguda
 
Currents
CurrentsCurrents
Currents
 
Currents
CurrentsCurrents
Currents
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
 
Reanimao%20 neonatal[1]
Reanimao%20 neonatal[1]Reanimao%20 neonatal[1]
Reanimao%20 neonatal[1]
 

Mais de Letícia Spina Tapia

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleLetícia Spina Tapia
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarLetícia Spina Tapia
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampLetícia Spina Tapia
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaLetícia Spina Tapia
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012Letícia Spina Tapia
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLetícia Spina Tapia
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoLetícia Spina Tapia
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteLetícia Spina Tapia
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaLetícia Spina Tapia
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoLetícia Spina Tapia
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoLetícia Spina Tapia
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaLetícia Spina Tapia
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Letícia Spina Tapia
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilLetícia Spina Tapia
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasLetícia Spina Tapia
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILLetícia Spina Tapia
 

Mais de Letícia Spina Tapia (20)

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
 
Saberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da InclusãoSaberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da Inclusão
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criança
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescente
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - menina
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - menino
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
 

REANIMAÇÃO EM SALA DE PARTO – NORMAS 2011

  • 1. REANIMAÇÃO  EM  SALA  DE  PARTO  –  NORMAS  2011     Tabela  1:  Estimativa  do  tamanho  da  lâmina  do  laringoscópio  e  da  cânula  traqueal  e  extensão  da  cânula  a  ser  introduzida   Peso  (g)   IG  (sem)   Lâmina  do  laringoscópio   Tamanho  da  cânula  (mm)   Fixação  no  lábio  superior  (cm)   <  1000   <  28   Reta  00  –  Reta  0   2,5   6,5  –  7,0   1000  –  2000   28  –  34   Reta  0   3,0   7,0  –  8,0   2000  –  3000   34  –  38   Reta  0  –  Reta  1   3,5   8,0  –  9,0   >  3000   >  38   Reta  1   4,0   >  9,0     Tabela  2:  Medicações  para  reanimação  do  RN  em  sala  de  parto     Adrenalina  EV   Adrenalina  ET   Expansores  de  volume   Diluição   1ml  de  adrenalina  +  9ml  de  SF0,9%   SF0,9%  /  Ringer  Lactato  /  Sangue  total   Preparo    Seringa  de  1ml   Seringa  de  5ml   2  seringas  de  20ml   Dose   0,1-­‐0,3ml/kg   0,5-­‐1ml/kg   10ml/kg  EV   PESO  AO  NASCER   1kg   0,1-­‐0,3ml   0,5-­‐1ml   10ml   2kg   0,2-­‐0,6ml   1-­‐2ml   20ml   3kg   0,3-­‐0,9ml   1,5-­‐3ml   30ml   4kg   0,4-­‐1,2ml   2,0-­‐4,0ml   40ml   Velocidade  e   precauções   Infundir  rápido  na  veia   umbilical  e,  a  seguir,  infundir   0,5-­‐1ml  de  SF0,9%   Infundir  diretamente  na  cânula   traqueal  e  ventilar  a  seguir.   USO  ÚNICO.   Infundir  o  expansor  de  volume  na  veia   umbilical  lentamente,  em  5-­‐10min.   Massagem  cardíaca  SEMPRE  sincronizada  com  VPP  na  relação  de  3  compressões  para  1  ventilação.   Colocar  os  RN  com  PN≤1500g  em  saco  plástico  imediatamente  após  o  nascimento  (antes  de  secar).     Cesar  Passamani  –  Médico  neonatologista  (CREMEB  –  20597)  –  Teixeira  de  Freitas   Adaptado  de:  de  Almeida,  MFB,  Guinsburg,  R.  Programa  de  Reanimação  Neonatal  da  SBP:  Condutas  2011   ! 27 Programa de Reanimação Neonatal da Sociedade Brasileira de Pediatria: Condutas 2011 Fluxograma da reanimação neonatal em sala de parto NASCIMENTO Gestação a termo? Respirando ou chorando? Tônus muscular em flexão? sim Cuidados de rotina junto à mãe: prover calor, manter vias aéreas pérvias, secar e avaliar FC e respiração de modo contínuo  não  Prover calor Posicionar cabeça Aspirar vias aéreas s/n Secar  30 segundos FC <100 bpm, apneia ou respiração irregular? não Desconforto Respiratório?  sim  sim  60 segundos (Golden minute) VPP, considerar monitorar a SatO2 Considerar monitorar SatO2 Considerar CPAP  FC <100 bpm? sim  Assegurar VPP adequada Considerar O2 suplementar Considerar intubação Minutos de vida SatO2 pré-ductal  Até 5 70-80% FC <60 bpm? 5-10 80-90% sim  >10 85-95% Massagem cardíaca coordenada com VPP  FC <60 bpm? sim  Adrenalina endovenosa Oxímetro  em   membro   superior  direito