SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
1
CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO
Atualização sobre anti-sépticos
São Paulo, 12 de março de 2.009.
A PELE HUMANA
É o maior órgão do corpo humano e suas principais funções são a proteção entre o indivíduo e
o ambiente, realização da termo-regulação e recepção de estímulos do ambiente.
A pele apresenta microbiota transitória e residente. A microbiota transitória é composta por
microrganismos “contaminantes” ou “não colonizantes”, ou seja, microrganismos que
contaminam a pele, mas não estão consistentemente presentes na maioria das pessoas e são
facilmente removidos por fricção mecânica com água e sabão. Na microbiota residente os
microrganismos habitam e se multiplicam nas camadas mais profundas da pele como glândulas
sebáceas, folículos pilosos e no leito das feridas abertas, não sendo totalmente removidos com
a fricção mecânica.
As principais fontes de microrganismos são de origem endógena que compreende a microbiota
do local do procedimento ou proveniente de um sítio remoto. Os de origem exógena são os
presentes nos profissionais como, por exemplo, nas mãos, cabelos e nasofaringe. O ambiente
(sala cirúrgica, material cirúrgico contaminado, equipamentos, insumos, dentre outros) também
pode ser considerado como uma fonte importante de microrganismos. Por fim citamos os
reservatórios inanimados como, por exemplo, os anti-sépticos contaminados.
DEFINIÇÃO DE TERMOS
Anti-sepsia: é o processo de eliminação ou inibição do crescimento dos microrganismos na
pele e mucosas, sendo realizado através da aplicação de um agente anti-séptico.

Artigo de atualização escrito pelo Dr Dirceu Carrara e Ariane Ferreira Machado, membros da CÂMARA TÉCNICA
DO COREN-SP, gestão 2008-2011.
2
Anti-séptico: formulação hipoalergênica, de baixa causticidade, com função de destruir
microrganismos ou inibir o seu crescimento quando aplicados sobre tecidos vivos.
Degermante: anti-séptico associado a um agente tensoativo (detergente).
Tópico: anti-séptico em veículo aquoso.
Tintura: anti-séptico em veículo alcoólico.
CARACTERÍSTICAS DO ANTI-SÉPTICO IDEAL
O anti-séptico ideal deve apresentar amplo espectro de ação, ação rápida, presença de efeito
residual, baixa toxicidade, baixa inativação na presença de matéria orgânica, estabilidade, não
corrosividade, odor agradável, boa aceitação pelo usuário e disponibilidade no mercado local.
O efeito cumulativo não é desejável.
SELEÇÃO DE ANTI-SÉPTICO
Para a seleção do anti-séptico devemos considerar os que apresentam ausência de absorção
pela pele ou membranas mucosas; o efeito residual é desejável se for para preparo da pele
pré-operatório ou proteção de dispositivos inseridos como, por exemplo, os cateteres e os
drenos. O início da ação deve ser rápida para garantir que o procedimento seja iniciado na
presença da ação do mesmo economizando tempo, principalmente em situações de
emergência; assegurar a eficácia na diminuição da microbiota; apresentar amplo espectro de
ação; considerar a aceitação pelo usuário em termos de odor, conforto e facilidade no uso e
ausência de intolerâncias; avaliar cada aplicação de acordo com a indicação e finalidade (vide
Quadro 01).
CUIDADOS NA AQUISIÇÃO E USO
Para aquisição dos anti-sépticos, o profissional deve exigir laudos microbiológicos, teste de
irritabilidade cutânea e ocular, registro como medicamento em órgão competente do Ministério
da Saúde, boas práticas de fabricação do fabricante e rotulagem conforme normas vigentes;
adquirir frascos de pequeno volume e descartável ou dispensadores fechados e com lacres,
dispensadores de parede de áreas críticas que permitam limpeza, desinfecção e secagem,
acionados pelo cotovelo, pés ou célula fotoelétrica. Os dispensadores de parede comuns,
geralmente utilizados nos postos de enfermagem, devem permitir a limpeza e desinfecção.
No cuidado com as almotolias de anti-sépticos o enfermeiro deve supervisionar o uso
individual, troca semanal, identificação clara e em local visível, informando nome do produto,
3
data de abertura e nome do profissional responsável pela abertura e a proteção da borda da
almotolia.
ANTI-SÉPTICOS RECOMENDADOS
ÁLCOOL (ETÍLICO E ISOPROPÍLICO)
• Início da ação efetiva: 15 segundos.
• Mecanismo de ação: desnaturação das proteínas das células bacterianas com
conseqüente morte celular.
• Espectro de ação: excelente.
• Concentração: 60 a 90%, sendo a 70% mais adequada por apresentar melhor efeito
anti-séptico com menor abrasividade para a pele.
• Efeito residual: nenhum.
• Vantagens: rápida ação e baixo custo.
• Desvantagens: ressecamento da pele do profissional em uso repetido, inativação do
anti-séptico na presença de matéria orgânica, volátil e inflamável.
• Indicações: anti-sepsia da pele para procedimentos de curta duração como por
exemplo, punção venosa intermitente para coleta de amostras de sangue para exames
laboratoriais (INS, 2006; INS, 2008).
GLUCONATO DE CLOREXIDINA
• Início da ação efetiva: 15 segundos.
• Mecanismo de ação: ruptura da parede celular e precipitação dos componentes internos
da célula com conseqüente morte celular.
• Espectro de ação: excelente contra os microrganismos Gram positivos, boa contra
Gram negativos, fungos e vírus, pouca contra o bacilo da tuberculose.
• Efeito residual: excelente (6 a 8 horas).
• Concentração: solução degermante a 2 ou 4%; solução alcoólica a 0,5% e solução
aquosa a 0,2%.
• Vantagens: baixa toxicidade, absorção e irritabilidade, atividade não é afetada na
presença de matéria orgânica. É uma boa alternativa para pacientes e profissionais
alérgicos ao iodo.
• Desvantagens: é fórmula-dependente, cuidados específicos devem ser tomados quanto
a formulação e estabilidade da solução. Não utilizar no globo ocular, ouvido médio,
4
cérebro, meninges e irrigação de cavidades corpóreas. Causa manchas em tecidos
quando alvejados com Cl-
(cloro).
IODO
• Início da ação efetiva: imediato.
• Mecanismo de ação: oxidação/substituição do conteúdo celular por iodo livre levando a
morte celular.
• Espectro de ação: boa contra bactérias Gram positivas e Gram negativas, regular contra
fungos, micobactérias e vírus.
• Efeito residual: mínimo.
• Concentração: 0,5 a 1% diluído em álcool 70%.
• Vantagens: tempo de ação rápido, espectro amplo e baixo custo.
• Desvantagens: alergia, queimaduras e irritações; inativação na presença de matéria
orgânica; apresenta curta estabilidade após a manipulação da formulação e
decomposição pela exposição excessiva à luz e ou calor. Pode causar hipotireoidismo
quando utilizado em recém-nascidos.
• Quando existir a preferência pelo uso de soluções contendo iodo, recomenda-se o uso
de iodóforos.
IODÓFOROS
• Início da ação efetiva: intermediário (1 a 2 minutos).
• Espectro de ação: bom contra as bactérias Gram positivas e Gram negativas, fungos,
micobactérias e vírus.
• Mecanismo de ação: penetram a parede celular dos microrganismos, oxidam e
substituem o conteúdo microbiano por iodo livre levando a morte celular.
• Efeito residual: regular (2 a 4 horas).
• Concentração: 10%, com 1% de iodo livre.
• Vantagens: não mancham tecidos, causam menor irritabilidade na pele e toxicidade que
o iodo.
• Desvantagens: redução da atividade na presença de matéria orgânica e pode causar
hipotireoidismo em recém nascidos.
5
TRICLOSAN (IRGASAN DP 300)
• Início da ação efetiva: intermediário.
• Mecanismo de ação: ruptura das paredes celulares com inativação do microrganismo.
• Espectro de ação: boa contra as bactérias Gram positivas e a maioria das Gram
negativas, com exceção à Pseudomonas aeruginosa, pouca atividade fungicida,
micobactérias e para vírus apresenta espectro duvidoso.
• Efeito residual: 4 horas.
• Concentração: 0,3 a 2,0%.
• Vantagens: não é tóxico, alergênico, mutagênico ou carcinogênico em potencial.
Atividade minimamente afetada por matéria orgânica.
• Desvantagem: espectro limitado, não age contra Pseudomonas aeruginosa.
PRINCÍPIOS ATIVOS NÃO RECOMENDADOS
Acetona, éter e clorofórmio: ação germicida desprezível, causam ressecamento e esfoliação da
pele e mucosas.
Hexaclorofeno: espectro limitado, agindo somente contra bactérias Gram positivas. É
neurotóxico quando utilizado em prematuros.
Líquido de Dakin (hipoclorito de sódio 0,5%): inativado na presença de matéria orgânica, é
altamente instável e causa danos ao tecido de granulação.
Mercuriais orgânicos: espectro limitado e são apenas bacteriostáticos, são inativados na
presença de matéria orgânica e podem causar reação de hipersensibilidade, além de
apresentarem potencial teratogênico.
Peróxido de hidrogênio 3% (água oxigenada): é instável, sofre inativação por matéria orgânica
e necessita de longo período de contato para apresentar ação anti-séptica. É oxidante e causa
danos ao tecido de granulação.
Quaternários de amônio: espectro limitado, têm pobre ação contra bactérias Gram negativas e
micobactérias. São inativados na presença de matéria orgânica e agentes aniônicos.
6
Quadro 01. Resumo das características da ação dos anti-sépticos.
Grupo G + G - Micobact. Fungos Vírus Início da ação
efetiva
Obs
Álcoois +++ +++ +++ +++ +++ Rápida Sem
atividade
persistente
Gluconato de
clorexidina
+++ ++ + + +++ Intermediária Atividade
persistente
Compostos
Iodados
+++ +++ +++ ++ +++ Intermediária Irritação
cutânea
Iodóforos +++ ++ + ++ ++ Intermediária Menos
irritantes
que iodo
Triclosan +++ - + - +++ Intermediária Atividade
persistente
Bibliografia
Boyce JM, Pittet D. Guideline for Hand Hygiene in Health-Care Settings: Recommendations of
the Healthcare Infection Control Practices advisory Committee and the HICPAC/ SHEA/ APIC/
IDSA Hand Hygiene Task Force. Infect Control Hosp Epidemiol 2002; 23(12 Suppl):S3-40.
Centers for Disease Control and Prevention: guidelines for the prevention of intravascular
catheter-related infections. MMWR 2002: 51 (RR-10):1-29.
Infusion Nurses Society Brasil. Diretrizes Práticas para Terapia Intravenosa. São Paulo, 2008.
Infusion Nurses Society. Infusion Nursing Standards of Practice. J Inf Nursing 2006; 29(1S):S1-
S92.
Larson EL. APIC guideline for handwashing and hand antisepsis in health care settings. AJIC
1995; 23:251-69.
Mangram AJ, Horan TC, Pearson ML, Silver LC, Jarvis WR. Guideline for prevention of surgical
site infection, 1999. Hospital Infection Control Practices Advisory Committee. Infect Control
Hosp Epidemiol. 1999;20(4):250-78; 279-80.
Mastro TD, Farley TA, Elliott JA, Facklam RR, Perks JR, Hadler JL, Good RC, Spika JS. An
outbreak of surgical-wound infections due to group A streptococcus carried on the scalp. N Engl
J Med. 1990;323(14):968-72.
Oie S, Kamiya A. Microbial contamination of antiseptics and disinfectants. Am J Infect Control.
1996;(5):389-95.
7
Peterlini, M A S. PVP-I Aquoso em almotolias : estudo da frequência de contaminação, São
Paulo, 1994. [Dissertação]. Escola Paulista de Medicina.
Stuesse DC, Robinson JH, Durzinsky DS. A late sternal wound infection caused by
hematogenous spread of bacteria. Chest. 1995;108(6):1742-3.
Wiley AM, Ha'eri GB. Routes of infection. A study of using "tracer particles" in the orthopedic
operating room. Clin Orthop Relat Res. 1979;(139):150-5.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-spManual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-spViviane da Silva
 
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...Teresa Oliveira
 
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)Natalya Maia
 
Administração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteralAdministração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteralAline Neves
 
[Apostila] aplicacao de injetaveis
[Apostila]   aplicacao de injetaveis[Apostila]   aplicacao de injetaveis
[Apostila] aplicacao de injetaveisRoberto Taffarel
 
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdfSemiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdfJucie Vasconcelos
 
Tratamento de feridas - Aula 02
Tratamento de feridas -  Aula 02Tratamento de feridas -  Aula 02
Tratamento de feridas - Aula 02SMS - Petrópolis
 
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarPrecauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarGrupo Ivan Ervilha
 
Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativosLuh Soares
 
_Administrao_de_Medicamentos-1.ppt
_Administrao_de_Medicamentos-1.ppt_Administrao_de_Medicamentos-1.ppt
_Administrao_de_Medicamentos-1.pptCELEYCOELHODESOUZA
 
Vias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de MedicamentosVias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de MedicamentosJade Oliveira
 
Administração de Medicamentos
Administração de MedicamentosAdministração de Medicamentos
Administração de MedicamentosFabricio Lopes
 
Primerios socorros enf elisandro greff
Primerios socorros   enf elisandro greffPrimerios socorros   enf elisandro greff
Primerios socorros enf elisandro greffclinicansl
 

Mais procurados (20)

Curativo
CurativoCurativo
Curativo
 
Como calçar luva estéril
Como calçar luva estérilComo calçar luva estéril
Como calçar luva estéril
 
Anti histamínicos
Anti histamínicosAnti histamínicos
Anti histamínicos
 
Atendente de Farmácia - injetáveis
Atendente de Farmácia -  injetáveisAtendente de Farmácia -  injetáveis
Atendente de Farmácia - injetáveis
 
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-spManual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
 
Fluxograma manchester
Fluxograma manchesterFluxograma manchester
Fluxograma manchester
 
Erisipela
ErisipelaErisipela
Erisipela
 
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
 
PROTETOR SOLAR.pptx
PROTETOR SOLAR.pptxPROTETOR SOLAR.pptx
PROTETOR SOLAR.pptx
 
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
Cartilha farmã¡cia hospitalar 2a ediã§ã£o(reimpressã£o 22julho2010)
 
Administração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteralAdministração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteral
 
[Apostila] aplicacao de injetaveis
[Apostila]   aplicacao de injetaveis[Apostila]   aplicacao de injetaveis
[Apostila] aplicacao de injetaveis
 
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdfSemiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdf
 
Tratamento de feridas - Aula 02
Tratamento de feridas -  Aula 02Tratamento de feridas -  Aula 02
Tratamento de feridas - Aula 02
 
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarPrecauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
 
Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativos
 
_Administrao_de_Medicamentos-1.ppt
_Administrao_de_Medicamentos-1.ppt_Administrao_de_Medicamentos-1.ppt
_Administrao_de_Medicamentos-1.ppt
 
Vias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de MedicamentosVias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de Medicamentos
 
Administração de Medicamentos
Administração de MedicamentosAdministração de Medicamentos
Administração de Medicamentos
 
Primerios socorros enf elisandro greff
Primerios socorros   enf elisandro greffPrimerios socorros   enf elisandro greff
Primerios socorros enf elisandro greff
 

Destaque

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturasLigia Amaral
 
Aula 2 vidrarias de laboratório
Aula 2   vidrarias de laboratórioAula 2   vidrarias de laboratório
Aula 2 vidrarias de laboratórioJosé Vitor Alves
 
Principais vidrarias de laboratório
Principais vidrarias de laboratórioPrincipais vidrarias de laboratório
Principais vidrarias de laboratóriocmdantasba
 
Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagemInfeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagemUnichristus Centro Universitário
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccihLarissa Paulo
 
Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2cristianoafranca
 
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção HospitalarManual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção HospitalarGeneral Clean
 
Aula residuos de serviços da saúde
Aula   residuos de serviços da saúdeAula   residuos de serviços da saúde
Aula residuos de serviços da saúdesanthdalcin
 
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISAManual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISAredeamb
 

Destaque (15)

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Manual de Enfermagem
Manual de EnfermagemManual de Enfermagem
Manual de Enfermagem
 
Aula 2 vidrarias de laboratório
Aula 2   vidrarias de laboratórioAula 2   vidrarias de laboratório
Aula 2 vidrarias de laboratório
 
Principais vidrarias de laboratório
Principais vidrarias de laboratórioPrincipais vidrarias de laboratório
Principais vidrarias de laboratório
 
Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagemInfeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 
Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2
 
Resíduos hospitalares
Resíduos hospitalaresResíduos hospitalares
Resíduos hospitalares
 
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção HospitalarManual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
 
Aula residuos de serviços da saúde
Aula   residuos de serviços da saúdeAula   residuos de serviços da saúde
Aula residuos de serviços da saúde
 
Mesa e Material Cirurgico
Mesa e Material CirurgicoMesa e Material Cirurgico
Mesa e Material Cirurgico
 
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISAManual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
 
Limpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalarLimpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalar
 

Semelhante a Anti-sépticos Recomendados para Pele e Mucosas

Controle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato VargesControle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato VargesRenato Varges - UFF
 
curativos e coberturas.pdf
curativos e coberturas.pdfcurativos e coberturas.pdf
curativos e coberturas.pdfJssicaBizinoto
 
Recomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicas
Recomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicasRecomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicas
Recomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicasGNEAUPP.
 
Esterilizantes slides (2)
Esterilizantes   slides (2)Esterilizantes   slides (2)
Esterilizantes slides (2)Biel Pinho
 
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptxassepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptxWilliamdaCostaMoreir
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Conceicao Cavalcante
 
Mastite bovina e o uso de antissépticos
Mastite bovina e o uso de antissépticosMastite bovina e o uso de antissépticos
Mastite bovina e o uso de antissépticosRural Pecuária
 
Aula 05 Microbiologia
Aula 05 Microbiologia Aula 05 Microbiologia
Aula 05 Microbiologia Tiago da Silva
 
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdfAula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdfHerikaValenzuelaferr
 
Princípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIAR
Princípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIARPrincípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIAR
Princípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIARCURSO TÉCNICO CEPRAMED
 
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptxAula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptxFelipe Ribeiro
 

Semelhante a Anti-sépticos Recomendados para Pele e Mucosas (20)

Antisepticos
AntisepticosAntisepticos
Antisepticos
 
Controle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato VargesControle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato Varges
 
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
 
Limpeza de Feridas
Limpeza de FeridasLimpeza de Feridas
Limpeza de Feridas
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
curativos e coberturas.pdf
curativos e coberturas.pdfcurativos e coberturas.pdf
curativos e coberturas.pdf
 
Recomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicas
Recomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicasRecomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicas
Recomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicas
 
Diphoterine
DiphoterineDiphoterine
Diphoterine
 
Esterilizantes slides (2)
Esterilizantes   slides (2)Esterilizantes   slides (2)
Esterilizantes slides (2)
 
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptxassepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
 
biosseg__aula_3.ppt
biosseg__aula_3.pptbiosseg__aula_3.ppt
biosseg__aula_3.ppt
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
 
Mastite bovina e o uso de antissépticos
Mastite bovina e o uso de antissépticosMastite bovina e o uso de antissépticos
Mastite bovina e o uso de antissépticos
 
Aula 05 Microbiologia
Aula 05 Microbiologia Aula 05 Microbiologia
Aula 05 Microbiologia
 
2. biossegurança
2. biossegurança2. biossegurança
2. biossegurança
 
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdfAula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
 
Princípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIAR
Princípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIARPrincípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIAR
Princípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIAR
 
0006
00060006
0006
 
02
0202
02
 
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptxAula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
 

Mais de Letícia Spina Tapia

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleLetícia Spina Tapia
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarLetícia Spina Tapia
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampLetícia Spina Tapia
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaLetícia Spina Tapia
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012Letícia Spina Tapia
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLetícia Spina Tapia
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoLetícia Spina Tapia
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteLetícia Spina Tapia
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaLetícia Spina Tapia
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoLetícia Spina Tapia
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoLetícia Spina Tapia
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaLetícia Spina Tapia
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Letícia Spina Tapia
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilLetícia Spina Tapia
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasLetícia Spina Tapia
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILLetícia Spina Tapia
 

Mais de Letícia Spina Tapia (20)

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
 
Saberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da InclusãoSaberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da Inclusão
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criança
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescente
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - menina
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - menino
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
 

Anti-sépticos Recomendados para Pele e Mucosas

  • 1. 1 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO Atualização sobre anti-sépticos São Paulo, 12 de março de 2.009. A PELE HUMANA É o maior órgão do corpo humano e suas principais funções são a proteção entre o indivíduo e o ambiente, realização da termo-regulação e recepção de estímulos do ambiente. A pele apresenta microbiota transitória e residente. A microbiota transitória é composta por microrganismos “contaminantes” ou “não colonizantes”, ou seja, microrganismos que contaminam a pele, mas não estão consistentemente presentes na maioria das pessoas e são facilmente removidos por fricção mecânica com água e sabão. Na microbiota residente os microrganismos habitam e se multiplicam nas camadas mais profundas da pele como glândulas sebáceas, folículos pilosos e no leito das feridas abertas, não sendo totalmente removidos com a fricção mecânica. As principais fontes de microrganismos são de origem endógena que compreende a microbiota do local do procedimento ou proveniente de um sítio remoto. Os de origem exógena são os presentes nos profissionais como, por exemplo, nas mãos, cabelos e nasofaringe. O ambiente (sala cirúrgica, material cirúrgico contaminado, equipamentos, insumos, dentre outros) também pode ser considerado como uma fonte importante de microrganismos. Por fim citamos os reservatórios inanimados como, por exemplo, os anti-sépticos contaminados. DEFINIÇÃO DE TERMOS Anti-sepsia: é o processo de eliminação ou inibição do crescimento dos microrganismos na pele e mucosas, sendo realizado através da aplicação de um agente anti-séptico.  Artigo de atualização escrito pelo Dr Dirceu Carrara e Ariane Ferreira Machado, membros da CÂMARA TÉCNICA DO COREN-SP, gestão 2008-2011.
  • 2. 2 Anti-séptico: formulação hipoalergênica, de baixa causticidade, com função de destruir microrganismos ou inibir o seu crescimento quando aplicados sobre tecidos vivos. Degermante: anti-séptico associado a um agente tensoativo (detergente). Tópico: anti-séptico em veículo aquoso. Tintura: anti-séptico em veículo alcoólico. CARACTERÍSTICAS DO ANTI-SÉPTICO IDEAL O anti-séptico ideal deve apresentar amplo espectro de ação, ação rápida, presença de efeito residual, baixa toxicidade, baixa inativação na presença de matéria orgânica, estabilidade, não corrosividade, odor agradável, boa aceitação pelo usuário e disponibilidade no mercado local. O efeito cumulativo não é desejável. SELEÇÃO DE ANTI-SÉPTICO Para a seleção do anti-séptico devemos considerar os que apresentam ausência de absorção pela pele ou membranas mucosas; o efeito residual é desejável se for para preparo da pele pré-operatório ou proteção de dispositivos inseridos como, por exemplo, os cateteres e os drenos. O início da ação deve ser rápida para garantir que o procedimento seja iniciado na presença da ação do mesmo economizando tempo, principalmente em situações de emergência; assegurar a eficácia na diminuição da microbiota; apresentar amplo espectro de ação; considerar a aceitação pelo usuário em termos de odor, conforto e facilidade no uso e ausência de intolerâncias; avaliar cada aplicação de acordo com a indicação e finalidade (vide Quadro 01). CUIDADOS NA AQUISIÇÃO E USO Para aquisição dos anti-sépticos, o profissional deve exigir laudos microbiológicos, teste de irritabilidade cutânea e ocular, registro como medicamento em órgão competente do Ministério da Saúde, boas práticas de fabricação do fabricante e rotulagem conforme normas vigentes; adquirir frascos de pequeno volume e descartável ou dispensadores fechados e com lacres, dispensadores de parede de áreas críticas que permitam limpeza, desinfecção e secagem, acionados pelo cotovelo, pés ou célula fotoelétrica. Os dispensadores de parede comuns, geralmente utilizados nos postos de enfermagem, devem permitir a limpeza e desinfecção. No cuidado com as almotolias de anti-sépticos o enfermeiro deve supervisionar o uso individual, troca semanal, identificação clara e em local visível, informando nome do produto,
  • 3. 3 data de abertura e nome do profissional responsável pela abertura e a proteção da borda da almotolia. ANTI-SÉPTICOS RECOMENDADOS ÁLCOOL (ETÍLICO E ISOPROPÍLICO) • Início da ação efetiva: 15 segundos. • Mecanismo de ação: desnaturação das proteínas das células bacterianas com conseqüente morte celular. • Espectro de ação: excelente. • Concentração: 60 a 90%, sendo a 70% mais adequada por apresentar melhor efeito anti-séptico com menor abrasividade para a pele. • Efeito residual: nenhum. • Vantagens: rápida ação e baixo custo. • Desvantagens: ressecamento da pele do profissional em uso repetido, inativação do anti-séptico na presença de matéria orgânica, volátil e inflamável. • Indicações: anti-sepsia da pele para procedimentos de curta duração como por exemplo, punção venosa intermitente para coleta de amostras de sangue para exames laboratoriais (INS, 2006; INS, 2008). GLUCONATO DE CLOREXIDINA • Início da ação efetiva: 15 segundos. • Mecanismo de ação: ruptura da parede celular e precipitação dos componentes internos da célula com conseqüente morte celular. • Espectro de ação: excelente contra os microrganismos Gram positivos, boa contra Gram negativos, fungos e vírus, pouca contra o bacilo da tuberculose. • Efeito residual: excelente (6 a 8 horas). • Concentração: solução degermante a 2 ou 4%; solução alcoólica a 0,5% e solução aquosa a 0,2%. • Vantagens: baixa toxicidade, absorção e irritabilidade, atividade não é afetada na presença de matéria orgânica. É uma boa alternativa para pacientes e profissionais alérgicos ao iodo. • Desvantagens: é fórmula-dependente, cuidados específicos devem ser tomados quanto a formulação e estabilidade da solução. Não utilizar no globo ocular, ouvido médio,
  • 4. 4 cérebro, meninges e irrigação de cavidades corpóreas. Causa manchas em tecidos quando alvejados com Cl- (cloro). IODO • Início da ação efetiva: imediato. • Mecanismo de ação: oxidação/substituição do conteúdo celular por iodo livre levando a morte celular. • Espectro de ação: boa contra bactérias Gram positivas e Gram negativas, regular contra fungos, micobactérias e vírus. • Efeito residual: mínimo. • Concentração: 0,5 a 1% diluído em álcool 70%. • Vantagens: tempo de ação rápido, espectro amplo e baixo custo. • Desvantagens: alergia, queimaduras e irritações; inativação na presença de matéria orgânica; apresenta curta estabilidade após a manipulação da formulação e decomposição pela exposição excessiva à luz e ou calor. Pode causar hipotireoidismo quando utilizado em recém-nascidos. • Quando existir a preferência pelo uso de soluções contendo iodo, recomenda-se o uso de iodóforos. IODÓFOROS • Início da ação efetiva: intermediário (1 a 2 minutos). • Espectro de ação: bom contra as bactérias Gram positivas e Gram negativas, fungos, micobactérias e vírus. • Mecanismo de ação: penetram a parede celular dos microrganismos, oxidam e substituem o conteúdo microbiano por iodo livre levando a morte celular. • Efeito residual: regular (2 a 4 horas). • Concentração: 10%, com 1% de iodo livre. • Vantagens: não mancham tecidos, causam menor irritabilidade na pele e toxicidade que o iodo. • Desvantagens: redução da atividade na presença de matéria orgânica e pode causar hipotireoidismo em recém nascidos.
  • 5. 5 TRICLOSAN (IRGASAN DP 300) • Início da ação efetiva: intermediário. • Mecanismo de ação: ruptura das paredes celulares com inativação do microrganismo. • Espectro de ação: boa contra as bactérias Gram positivas e a maioria das Gram negativas, com exceção à Pseudomonas aeruginosa, pouca atividade fungicida, micobactérias e para vírus apresenta espectro duvidoso. • Efeito residual: 4 horas. • Concentração: 0,3 a 2,0%. • Vantagens: não é tóxico, alergênico, mutagênico ou carcinogênico em potencial. Atividade minimamente afetada por matéria orgânica. • Desvantagem: espectro limitado, não age contra Pseudomonas aeruginosa. PRINCÍPIOS ATIVOS NÃO RECOMENDADOS Acetona, éter e clorofórmio: ação germicida desprezível, causam ressecamento e esfoliação da pele e mucosas. Hexaclorofeno: espectro limitado, agindo somente contra bactérias Gram positivas. É neurotóxico quando utilizado em prematuros. Líquido de Dakin (hipoclorito de sódio 0,5%): inativado na presença de matéria orgânica, é altamente instável e causa danos ao tecido de granulação. Mercuriais orgânicos: espectro limitado e são apenas bacteriostáticos, são inativados na presença de matéria orgânica e podem causar reação de hipersensibilidade, além de apresentarem potencial teratogênico. Peróxido de hidrogênio 3% (água oxigenada): é instável, sofre inativação por matéria orgânica e necessita de longo período de contato para apresentar ação anti-séptica. É oxidante e causa danos ao tecido de granulação. Quaternários de amônio: espectro limitado, têm pobre ação contra bactérias Gram negativas e micobactérias. São inativados na presença de matéria orgânica e agentes aniônicos.
  • 6. 6 Quadro 01. Resumo das características da ação dos anti-sépticos. Grupo G + G - Micobact. Fungos Vírus Início da ação efetiva Obs Álcoois +++ +++ +++ +++ +++ Rápida Sem atividade persistente Gluconato de clorexidina +++ ++ + + +++ Intermediária Atividade persistente Compostos Iodados +++ +++ +++ ++ +++ Intermediária Irritação cutânea Iodóforos +++ ++ + ++ ++ Intermediária Menos irritantes que iodo Triclosan +++ - + - +++ Intermediária Atividade persistente Bibliografia Boyce JM, Pittet D. Guideline for Hand Hygiene in Health-Care Settings: Recommendations of the Healthcare Infection Control Practices advisory Committee and the HICPAC/ SHEA/ APIC/ IDSA Hand Hygiene Task Force. Infect Control Hosp Epidemiol 2002; 23(12 Suppl):S3-40. Centers for Disease Control and Prevention: guidelines for the prevention of intravascular catheter-related infections. MMWR 2002: 51 (RR-10):1-29. Infusion Nurses Society Brasil. Diretrizes Práticas para Terapia Intravenosa. São Paulo, 2008. Infusion Nurses Society. Infusion Nursing Standards of Practice. J Inf Nursing 2006; 29(1S):S1- S92. Larson EL. APIC guideline for handwashing and hand antisepsis in health care settings. AJIC 1995; 23:251-69. Mangram AJ, Horan TC, Pearson ML, Silver LC, Jarvis WR. Guideline for prevention of surgical site infection, 1999. Hospital Infection Control Practices Advisory Committee. Infect Control Hosp Epidemiol. 1999;20(4):250-78; 279-80. Mastro TD, Farley TA, Elliott JA, Facklam RR, Perks JR, Hadler JL, Good RC, Spika JS. An outbreak of surgical-wound infections due to group A streptococcus carried on the scalp. N Engl J Med. 1990;323(14):968-72. Oie S, Kamiya A. Microbial contamination of antiseptics and disinfectants. Am J Infect Control. 1996;(5):389-95.
  • 7. 7 Peterlini, M A S. PVP-I Aquoso em almotolias : estudo da frequência de contaminação, São Paulo, 1994. [Dissertação]. Escola Paulista de Medicina. Stuesse DC, Robinson JH, Durzinsky DS. A late sternal wound infection caused by hematogenous spread of bacteria. Chest. 1995;108(6):1742-3. Wiley AM, Ha'eri GB. Routes of infection. A study of using "tracer particles" in the orthopedic operating room. Clin Orthop Relat Res. 1979;(139):150-5.