SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
REVISÃO / REVIEW
MARCAPASSO CARDÍACO: QUANDO INDICAR E COMO USAR
CARDIAC PACEMAKER: WHEN TO INDICATE AND HOW TO USE
Fábio Camilo Pellegrino dos Santos , Edgar Nunez Rubio , Leonardo Figueiredo de Abreu , Eduardo Rocha
Barouche , Juan Carlos Pachón Mateos , Enrique Indalécio Pachón Mateos , José Carlos Pachón Mateos
1 1 2
2 3 4 5
5
Rev.Fac.Ciênc.Méd.Sorocaba,v.10,n.4,p.5-7, 2008
1-ResidenteemMarcapasso-InstitutoDantePazzanesedeCardiologia
deSãoPaulo-,especializaçãoemCardiologiaClínica.
2-ResidenteemEletrofisiologia-HospitaldoCoraçãodeSãoPaulo-,
especializaçãoemCardiologiaClínica.
3-MédicocoordenadordoServiçodeHolter-HospitaldoCoraçãode
São Paulo -, médico do Serviço de Estimulação Cardíaca Artificial -
InstitutoDantePazzanesedeCardiologiadeSãoPaulo.
4 - Médico coordenador do Serviço de Eletrofisiologia, Marcapasso e
Arritmias - Hospital do Coração de São Paulo -, diretor da Clínica de
ArritmiasSEMAP.
5-MédicodiretordoServiçodeEletrofisiologia,MarcapassoeArrritmias
- Hospital do Coração de São Paulo -, médico diretor do Serviço de
EstimulaçãoCardíacaArtificial-InstitutoDantePazzanesedeCardiologia
de São Paulo -, doutor em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da
UniversidadedeSãoPaulo.
Recebidoem 16/5/2008.Aceitopara publicaçãoem 24/10/2008.
Contato:
FábioCamiloPellegrinodos Santos
RuaEstradaCelestes/nº
Bairrodos Morros CEP18.020-400 Sorocaba/SP
E-mail:fabiocps@spamed.com.br
Dentre os grandes avanços tecnológicos da Medicina,
podemos citar o marcapasso cardíaco como um dos mais
importantes. A indicação pode ser da implantação de um
marcapasso temporário ou de um marcapasso definitivo.
Sua implantação, assim como o seguimento do paciente,
devem ser executados por cardiologista especializado em
marcapassos ou por cirurgião cardíaco. Os distúrbios do
sistema excito-condutor, principalmente as bradiarritmias,
bloqueios avançados e totais são as patologias que mais
respondemàutilizaçãodaestimulaçãocardíacaartificial.
Descritores: marcapasso artificial, estimulação cardíaca
artificial,bradicardia,bloqueiocardíaco.
Amongthemajortechnologicaladvancesinmedicinewecan
cite the heart pacemaker as one of the most important. The
indication may be for the insertion of either a temporary
pacemaker or a final one. Its insertion as well as the patient
follow up must be carried out by a cardiologist specialized in
cardiac pacemakers or in heart surgery. The disturbances of
the excito-conductor system, especially bradyarrhythmias,
advanced and total blocks are the illnesses that better react to
theuseofartificialcardiacstimulation.
Key-words: artificial pacemaker, artificial cardiac
stimulation,bradycardia,heartblock.
Na Medicina são poucos os casos em que a tecnologia
tenha auxiliado de modo tão importante no tratamento e
prognósticodedoenças.
Os marcapassos cardíacos são um exemplo dessa
contribuição, em especial porque proporcionam ao paciente
uma vida normal, seja no que se refere à qualidade e ao tempo
desobrevida.
Em 1883, Walter Holbrook Gaskell denominou
“bloqueio cardíaco” a dissociação entre o ritmo dos átrios e o
ritmo dos ventrículos decorrente da destruição da região do nó
atrioventricular.
Após vários estudos desenvolvidos para a tentativa de
reversão de quadros clínicos de bloqueio cardíaco, finalmente,
em 1930, Albert Hyman ressaltou a utilidade da estimulação
cardíaca artificial quando cessada a atividade espontânea,
concebendo, então, um marcapasso com gerador elétrico
manual, o qual gerou a publicação de trabalhos de extrema
relevância acerca do tratamento elétrico para as hipóteses de
paradacardíaca.
Concretizando as bases da estimulação cardíaca
moderna, em 1953 ocorreu o primeiro implante de marcapasso
cardíaco com fonte interna de energia, operação essa executada
por Ake Senning; e, em 1959, Seymour Furman evidenciou a
viabilidade de se proceder a estimulação endocárdica pela via
transvenosa.
Em meados da década de 60, os doutores Décio
Silvestre Kormann eAdib Domingos Jatene iniciaram a prática
da estimulação cardíaca artificial no Brasil, com a criação de
marcapassosnacionaisenovastécnicasdeimplante.
Atualmente, nos tratamentos que exigem a implantação
do estimulador cardíaco ora tratado, pode-se, apenas, utilizar
marcapassos temporários, os quais serão, a seguir, substituídos
pordefinitivos.
Indica-se a implantação de marcapasso temporário para
oscasosde:tratamentodepatologiasreversíveis,atéqueocorra
o restabelecimento do paciente; procedimentos diagnósticos e
profilaxia.
A seguir, vêem-se mencionadas circunstâncias de
implantação:
1. Controle de emergência de qualquer bradiarritmia
sintomática(sinusaloupor bloqueioatrioventricular),
2. Infarto agudo do miocárdio com bradiarritmia ou
infartoanteriorcombloqueioderamorecente,
3. Cateterismo cardíaco direito em portador de bloqueio
deramoesquerdo,
4. Grandes cirurgias gerais em portadores de distúrbios
dosistemaexcito-condutordocoração(2),
5. Testesfarmacológicos,
6. Procedimentos diagnósticos (estudo eletrofisiológico
invasivo),
7. Disfunção do marcapasso definitivo em paciente
dependente,
8. Pós-operatóriodecirurgiacardíaca,
9. Simulação de marcapasso definitivo para escolha do
tipodemarcapasso.
RESUMO
ABSTRACT
INTRODUÇÃO
INDICAÇÕES PARA MARCAPASSO
TEMPORÁRIO
1
2
3
4,5
6
6
Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, v. 10, n. 4, p. 5 - 7, 2008
CARACTERÍSTICAS
ELETROCARDIOGRÁFICAS
ENDOCAVITÁRIAS DURANTE A
IMPLANTAÇÃO DE MARCAPASSO
TEMPORÁRIO
Para a implantação do marcapasso, faz-se necessária,
imediatamente antes do implante, a realização de
eletrocardiografia - ECG - completa, pois os padrões por ela
indicados, principalmente de aVR, V , V , V , D , D , aVF e
aVL, podem, por analogia, orientar quanto ao posicionamento
doeletrodoendocavitário.
As morfologias da onda P, do QRS e do ST obtidas a
partir da eletrocardiografia são muito importantes durante a
implantação do marcapasso, seja ele definitivo ou temporário,
porque orientam quanto à posição do eletrodo e às condições da
conexão eletrodo-coração, possibilitando, inclusive, o
posicionamento correto de um eletrodo temporário nos casos
emquearadioscopiasefazausente.
Segue o quadro de orientações obtido a partir do
estudoeletrocardiográfico:1 2 6 2 3
7
INDICAÇÕES DE MARCAPASSO CARDÍACO
DEFINITIVO
Os estudos atuais comprovam que os resultados da
estimulação cardíaca a longo prazo são positivos, de modo
que, salientando que sua indicação deva ser feita com rigor,
dilatou-seo uso dessa práticaterapêutica.
Os quadros clínicos a seguir apresentados, quando
irreversíveis e sintomáticos, são aqueles aos quais a indicação
do implante de marcapasso cardíaco definitivo é largamente
aceito:
1. Síndromedoseiocarotídeohipersensível,
2. Síncope neurocardiogênica (forma cardioinibidora
maligna),
3. Doençadonósinusal,
4. Síndrome braditaquicardia que não responde a drogas
antiarrítmicas,
5. Fibrilaçãoatrialcomfreqüênciaventricularreduzida,
6. Bloqueioatrioventriculardeterceirograu,
7. BloqueioatrioventriculardesegundograutipoI,
8. BloqueioatrioventriculardesegundograutipoII,
9. Bloqueioatrioventricularavançado,
10. LesãoHis-Purkinjegrave(intervaloH-V>70ms),
11. Bloqueioderamoalternante.
Há, por outro lado, situações em que a indicação
relatadaébastantecontrovertida,comosevêaseguir:
1. Pacientes com síncopes de repetição e bloqueio
bifascicular sem nenhuma outra causa aparente que
justifiqueossintomas,
2. Bloqueioderamoalternanteassintomático,
3. BloqueioMobitzII assintomático,
4. Bloqueioatrioventricularcongênito.
8,9,10
1 VEIA CAVA SUPERIOR Negativa semelhante
a aVR
Semelhante
a aVR
Ausente
2 ÁTRIO DIREITO ALTO Negativa grande Semelhante
a aVR
Ausente
3 ÁTRIO DIREITO MÉDIO Isodifásica grande Semelhante
a aVR
Ausente
4 ÁTRIO DIREITO BAIXO Positiva grande Semelhante
a V1
Ausente
5 VEIA CAVA INFERIOR Positiva pequena Semelhante
a VF ou D3
Ausente
6 VENTRÍCULO DIREITO
(ENTRADA)
Positiva pequena Muito grande
semelhante a V1
Presente se
impactado
7 VENTRÍCULO DIREITO
(PONTA)
Positiva pequena Muito grande
semelhante a V3
Presente se
impactado
8 VENTRÍCULO DIREITO
(VIA DE SAÍDA)
Pequena semelhante
a aVL
Polifásico tipo
RSR ´S´
Presente se
impactado
ONDA P QRS CORRENTE DE
LESÃO (ST)
7
São possíveis algumas complicações decorrentes da
implantação da estimulação cardíaca artificial, porém, as
mesmas podem ser evitadas se tomadas as devidas cautelas no
quedizrespeitoaoseguimentodopaciente.
É imprescindível comentar que essas complicações
podemser deduas ordens:
1. Precoces - aquelas que ocorrem dentro dos 30 dias que
seguem a cirurgia de implantação e que, geralmente, guardam
relação com o próprio ato cirúrgico. São elas: pneumotórax,
hemotórax ou hemopneumotórax; sangramento/hematoma da
loja do gerador; embolia gasosa; taquicardia ou fibrilação
ventricular; perfuração atrial ou ventricular; pericardite;
estimulação frênica/diafragmática; deslocamento do eletrodo;
falha da conexão do gerador; falha de comando e/ou de
sensibilidade;infecção.
2. Tardias - aquelas que ocorrem após os 30 dias da
implantaçãodomarcapasso.Sãoelas:falhadecomandoe/oude
sensibilidade, deslocamento de eletrodo, estimulação muscular
esquelética, erosão ou pré-erosão, migração de gerador,
infecção, falha do isolante, fratura do cabo-eletrodo, falha
eletrônicadocircuito,trombosevenosa,endocardite.
É importante destacar que para a prevenção de casos de
infecção da loja do gerador e de endocardite não há um consenso
quantoàutilizaçãodeumaantibioticoterapiaespecífica.
Nesse diapasão, salienta-se que no Serviço de
Estimulação Cardíaca Artificial do Instituto Dante Pazzanese
de Cardiologia de São Paulo utiliza-se rotineiramente a
cefalexina 500 mg, via oral, a cada seis horas, durante sete dias
apósoimplante,afimdeprevenirquadrosinfecciosos.
Após a implantação de marcapassos definitivos, os
pacientesdevemsersubmetidosaconstanteacompanhamentode
cardiologistasclínicosoucirurgiõescardíacosespecializadosnos
mesmos, seja para prevenção de eventuais disfunções ou mesmo
paraoajustedosistemadeestimulaçãoquandonecessário.
Aprimeira avaliação do paciente deve ser procedida 30
dias após a retirada dos pontos do implante. Posteriormente,
durante o primeiro ano do implante, são necessárias
reavaliaçõesacadatrêsmeses.
Nos anos que se seguirem, as reavaliações devem ser
realizadas a cada seis meses, até que se opere o término da
garantia do gerador, quando, então, o paciente deverá ser
novamentesubmetidoaanálises,pelomenos,acadatrêsmeses.
Verifica-se, portanto, que os estudos celebrados acerca
da complexidade do sistema excito-condutor cardíaco
implicaram na idealização e no desenvolvimento de
equipamentostecnológicosparaoauxílionotratamentodesuas
possíveispatologias.
Nessa área, destacam-se os marcapassos, equipamentos
que tentam mimetizar o sistema excito-condutor cardíaco na
tentativa de proporcionar ao paciente uma melhor qualidade de
vida.
Contudo, a sua implantação deve ser rigorosa e realizada
por profissionais especializados em estimulação cardíaca
artificial, fazendo-se imprescindível o acompanhamento clínico
antes, durante e após a sua introdução, de modo a se remediarem
asraras,maspossíveis,complicaçõesdosmarcapassos.
POSSÍVEIS PROBLEMAS DECORRENTES DO
IMPLANTE DE MARCAPASSO
SEGUIMENTO CLÍNICO DOS PORTADORES
DE MARCAPASSO
CONCLUSÃO
REFERÊNCIAS
1. Abrams LD, Hudson WA, Lighttowood RA. Surgical
approach to the management of heart block using and
inductive couple artificial cardiac pacemaker. Lancet. 1960;
1:1372.
2. Lagergren H, Johanson L. Intracardiac stimulation for
completeheart block.ActaChirScand.1963;125:562.
3. Furman S, Escher DJW, Schwedel JB, Solomon N.
Transvenous pacing: a seven year review.Am Heart J. 1966;
71:408.
4. Kormann DS, Galantier M, Abdmulmassih Neto C, Jatene
MT.Prevençãodecomplicaçõescomoeletrodoendocavitário
demarcapasso.RevBrasMed.1975;2:232-7.
5. Kormann DS, Jatene AD. Triângulo eletrodo vertebro
diafragmático no posicionamento de eletrodo endocavitário
paramarcapassocardíaco.Arq Bras Cardiol.1977;39:380.
6. Pimenta J. Estimulação cardíaca temporária. São Paulo,
PanamedEditorial,1984.
7. Mateos JCP. Marcapasso cardíaco provisório: indicações e
procedimentos. REBRAMPA Rev Bras Marcapasso e
Arritmia1990;3(3):94.
8. Pachón MJCE, Pachón MEI. Síncope: epidemiologia e
mecanismos fisiopatológicos. Rev Soc Cardiol Est. São
Paulo.1999;9:163-74.
9. Connolly SJ, Sheldon R, Thorpe KE, Roberts RS,
Ellenbogen KA, Wilkoff BL, et al. VPS II Investigators.
Pacemaker therapy for prevention of syncope in patients
with recurrent severe vasovagal syncope: SecondVasovagal
Pacemaker Study (VPS II): a randomized Trial. JAMA
2003;289(17):2224-9.
10. Pachon JC, Pachon EI, Pachon J, Lobo TJ, Pachon MZC,
Albornoz RN. A new treatment of neurocardiogenic
syncope (NCS) and/or functional AV block (FAVB) with
RF-ablation[abstract].Cardiostim2004.
Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba
REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE SOROCABA
Agradecemos a colaboração da Associação dos Docentes do CCMB/PUC-SP
Diretoria
Enio Marcio Maia Guerra
João Luiz Garcia Duarte
Celeste Gomes Sardinha Oshiro
José Eduardo Martinez
Dirce Setsuko Tacahashi
Nelson Boccato Jr.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosEduardo Bernardino
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Aline Bandeira
 
Choque aula-med-de-urgc3aancia
Choque aula-med-de-urgc3aanciaChoque aula-med-de-urgc3aancia
Choque aula-med-de-urgc3aanciaRejane Durães
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadorozenaisna
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoresenfe2013
 
Atualizações SBV/SAV/RCP AHA 2020
Atualizações SBV/SAV/RCP AHA 2020Atualizações SBV/SAV/RCP AHA 2020
Atualizações SBV/SAV/RCP AHA 2020DiegoAugusto86
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIFábio Falcão
 
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfederCardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfederGabriel Do Nascimento
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerEliane Santos
 
Traumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracico
Traumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracicoTraumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracico
Traumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracicoEdison Santos
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Will Nunes
 
Paciente em fase terminal
Paciente em fase terminalPaciente em fase terminal
Paciente em fase terminalRodrigo Abreu
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativasresenfe2013
 
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de EnfermagemEletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de EnfermagemJosé Augusto Casagrande
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Aline Bandeira
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaAroldo Gavioli
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensivaresenfe2013
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Aline Bandeira
 

Mais procurados (20)

Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Choque aula-med-de-urgc3aancia
Choque aula-med-de-urgc3aanciaChoque aula-med-de-urgc3aancia
Choque aula-med-de-urgc3aancia
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
 
Atualizações SBV/SAV/RCP AHA 2020
Atualizações SBV/SAV/RCP AHA 2020Atualizações SBV/SAV/RCP AHA 2020
Atualizações SBV/SAV/RCP AHA 2020
 
Pai, balao e swan ganz resumo
Pai, balao e swan ganz resumoPai, balao e swan ganz resumo
Pai, balao e swan ganz resumo
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfederCardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
 
Traumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracico
Traumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracicoTraumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracico
Traumatorax 140204060457-phpapp02.ppt-senac iraja trauma toracico
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Paciente em fase terminal
Paciente em fase terminalPaciente em fase terminal
Paciente em fase terminal
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de EnfermagemEletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
Eletrocardiograma - Revisão e implicações de Enfermagem
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 

Semelhante a Marcapasso cardíaco, quando indicar e como usar?

Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoresenfe2013
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar resenfe2013
 
Anestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomia
Anestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomiaAnestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomia
Anestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomiaTuane Freitas
 
Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações.
Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações. Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações.
Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações. Carlos Volponi Lovatto
 
4a aula fisiologia cardiovascular ecg_profa luiza a. rabelo_farmácia 034 ufal
4a aula   fisiologia cardiovascular ecg_profa luiza a. rabelo_farmácia 034 ufal4a aula   fisiologia cardiovascular ecg_profa luiza a. rabelo_farmácia 034 ufal
4a aula fisiologia cardiovascular ecg_profa luiza a. rabelo_farmácia 034 ufalluizaa.rabelo
 
Miocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal Alcoolica
Miocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal AlcoolicaMiocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal Alcoolica
Miocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal AlcoolicaEvandro Martins Filho
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade Rui Amorim
 

Semelhante a Marcapasso cardíaco, quando indicar e como usar? (20)

Desfibrilacao
DesfibrilacaoDesfibrilacao
Desfibrilacao
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
 
Ecg infantil
Ecg infantilEcg infantil
Ecg infantil
 
V93n3s2a01
V93n3s2a01V93n3s2a01
V93n3s2a01
 
Anestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomia
Anestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomiaAnestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomia
Anestesia em paciente com marcapasso cardíaco para gastrectomia
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
Sbv rcp e de
Sbv   rcp  e deSbv   rcp  e de
Sbv rcp e de
 
Parada cardíaca
Parada cardíacaParada cardíaca
Parada cardíaca
 
Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações.
Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações. Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações.
Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações.
 
rcp.pdf
rcp.pdfrcp.pdf
rcp.pdf
 
ecg.pptx
ecg.pptxecg.pptx
ecg.pptx
 
PCR - RCP
PCR - RCPPCR - RCP
PCR - RCP
 
exames
examesexames
exames
 
Tour abc do_ecg
Tour abc do_ecgTour abc do_ecg
Tour abc do_ecg
 
4a aula fisiologia cardiovascular ecg_profa luiza a. rabelo_farmácia 034 ufal
4a aula   fisiologia cardiovascular ecg_profa luiza a. rabelo_farmácia 034 ufal4a aula   fisiologia cardiovascular ecg_profa luiza a. rabelo_farmácia 034 ufal
4a aula fisiologia cardiovascular ecg_profa luiza a. rabelo_farmácia 034 ufal
 
Miocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal Alcoolica
Miocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal AlcoolicaMiocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal Alcoolica
Miocardiopatia Hipertrófica - Ablação Septal Alcoolica
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
 
Síndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana AgudaSíndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana Aguda
 

Mais de Letícia Spina Tapia

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleLetícia Spina Tapia
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarLetícia Spina Tapia
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampLetícia Spina Tapia
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaLetícia Spina Tapia
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012Letícia Spina Tapia
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLetícia Spina Tapia
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoLetícia Spina Tapia
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteLetícia Spina Tapia
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaLetícia Spina Tapia
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoLetícia Spina Tapia
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoLetícia Spina Tapia
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaLetícia Spina Tapia
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Letícia Spina Tapia
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilLetícia Spina Tapia
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasLetícia Spina Tapia
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILLetícia Spina Tapia
 

Mais de Letícia Spina Tapia (20)

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
 
Saberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da InclusãoSaberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da Inclusão
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criança
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescente
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - menina
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - menino
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
 

Marcapasso cardíaco, quando indicar e como usar?

  • 1. REVISÃO / REVIEW MARCAPASSO CARDÍACO: QUANDO INDICAR E COMO USAR CARDIAC PACEMAKER: WHEN TO INDICATE AND HOW TO USE Fábio Camilo Pellegrino dos Santos , Edgar Nunez Rubio , Leonardo Figueiredo de Abreu , Eduardo Rocha Barouche , Juan Carlos Pachón Mateos , Enrique Indalécio Pachón Mateos , José Carlos Pachón Mateos 1 1 2 2 3 4 5 5 Rev.Fac.Ciênc.Méd.Sorocaba,v.10,n.4,p.5-7, 2008 1-ResidenteemMarcapasso-InstitutoDantePazzanesedeCardiologia deSãoPaulo-,especializaçãoemCardiologiaClínica. 2-ResidenteemEletrofisiologia-HospitaldoCoraçãodeSãoPaulo-, especializaçãoemCardiologiaClínica. 3-MédicocoordenadordoServiçodeHolter-HospitaldoCoraçãode São Paulo -, médico do Serviço de Estimulação Cardíaca Artificial - InstitutoDantePazzanesedeCardiologiadeSãoPaulo. 4 - Médico coordenador do Serviço de Eletrofisiologia, Marcapasso e Arritmias - Hospital do Coração de São Paulo -, diretor da Clínica de ArritmiasSEMAP. 5-MédicodiretordoServiçodeEletrofisiologia,MarcapassoeArrritmias - Hospital do Coração de São Paulo -, médico diretor do Serviço de EstimulaçãoCardíacaArtificial-InstitutoDantePazzanesedeCardiologia de São Paulo -, doutor em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da UniversidadedeSãoPaulo. Recebidoem 16/5/2008.Aceitopara publicaçãoem 24/10/2008. Contato: FábioCamiloPellegrinodos Santos RuaEstradaCelestes/nº Bairrodos Morros CEP18.020-400 Sorocaba/SP E-mail:fabiocps@spamed.com.br Dentre os grandes avanços tecnológicos da Medicina, podemos citar o marcapasso cardíaco como um dos mais importantes. A indicação pode ser da implantação de um marcapasso temporário ou de um marcapasso definitivo. Sua implantação, assim como o seguimento do paciente, devem ser executados por cardiologista especializado em marcapassos ou por cirurgião cardíaco. Os distúrbios do sistema excito-condutor, principalmente as bradiarritmias, bloqueios avançados e totais são as patologias que mais respondemàutilizaçãodaestimulaçãocardíacaartificial. Descritores: marcapasso artificial, estimulação cardíaca artificial,bradicardia,bloqueiocardíaco. Amongthemajortechnologicaladvancesinmedicinewecan cite the heart pacemaker as one of the most important. The indication may be for the insertion of either a temporary pacemaker or a final one. Its insertion as well as the patient follow up must be carried out by a cardiologist specialized in cardiac pacemakers or in heart surgery. The disturbances of the excito-conductor system, especially bradyarrhythmias, advanced and total blocks are the illnesses that better react to theuseofartificialcardiacstimulation. Key-words: artificial pacemaker, artificial cardiac stimulation,bradycardia,heartblock. Na Medicina são poucos os casos em que a tecnologia tenha auxiliado de modo tão importante no tratamento e prognósticodedoenças. Os marcapassos cardíacos são um exemplo dessa contribuição, em especial porque proporcionam ao paciente uma vida normal, seja no que se refere à qualidade e ao tempo desobrevida. Em 1883, Walter Holbrook Gaskell denominou “bloqueio cardíaco” a dissociação entre o ritmo dos átrios e o ritmo dos ventrículos decorrente da destruição da região do nó atrioventricular. Após vários estudos desenvolvidos para a tentativa de reversão de quadros clínicos de bloqueio cardíaco, finalmente, em 1930, Albert Hyman ressaltou a utilidade da estimulação cardíaca artificial quando cessada a atividade espontânea, concebendo, então, um marcapasso com gerador elétrico manual, o qual gerou a publicação de trabalhos de extrema relevância acerca do tratamento elétrico para as hipóteses de paradacardíaca. Concretizando as bases da estimulação cardíaca moderna, em 1953 ocorreu o primeiro implante de marcapasso cardíaco com fonte interna de energia, operação essa executada por Ake Senning; e, em 1959, Seymour Furman evidenciou a viabilidade de se proceder a estimulação endocárdica pela via transvenosa. Em meados da década de 60, os doutores Décio Silvestre Kormann eAdib Domingos Jatene iniciaram a prática da estimulação cardíaca artificial no Brasil, com a criação de marcapassosnacionaisenovastécnicasdeimplante. Atualmente, nos tratamentos que exigem a implantação do estimulador cardíaco ora tratado, pode-se, apenas, utilizar marcapassos temporários, os quais serão, a seguir, substituídos pordefinitivos. Indica-se a implantação de marcapasso temporário para oscasosde:tratamentodepatologiasreversíveis,atéqueocorra o restabelecimento do paciente; procedimentos diagnósticos e profilaxia. A seguir, vêem-se mencionadas circunstâncias de implantação: 1. Controle de emergência de qualquer bradiarritmia sintomática(sinusaloupor bloqueioatrioventricular), 2. Infarto agudo do miocárdio com bradiarritmia ou infartoanteriorcombloqueioderamorecente, 3. Cateterismo cardíaco direito em portador de bloqueio deramoesquerdo, 4. Grandes cirurgias gerais em portadores de distúrbios dosistemaexcito-condutordocoração(2), 5. Testesfarmacológicos, 6. Procedimentos diagnósticos (estudo eletrofisiológico invasivo), 7. Disfunção do marcapasso definitivo em paciente dependente, 8. Pós-operatóriodecirurgiacardíaca, 9. Simulação de marcapasso definitivo para escolha do tipodemarcapasso. RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO INDICAÇÕES PARA MARCAPASSO TEMPORÁRIO 1 2 3 4,5 6
  • 2. 6 Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, v. 10, n. 4, p. 5 - 7, 2008 CARACTERÍSTICAS ELETROCARDIOGRÁFICAS ENDOCAVITÁRIAS DURANTE A IMPLANTAÇÃO DE MARCAPASSO TEMPORÁRIO Para a implantação do marcapasso, faz-se necessária, imediatamente antes do implante, a realização de eletrocardiografia - ECG - completa, pois os padrões por ela indicados, principalmente de aVR, V , V , V , D , D , aVF e aVL, podem, por analogia, orientar quanto ao posicionamento doeletrodoendocavitário. As morfologias da onda P, do QRS e do ST obtidas a partir da eletrocardiografia são muito importantes durante a implantação do marcapasso, seja ele definitivo ou temporário, porque orientam quanto à posição do eletrodo e às condições da conexão eletrodo-coração, possibilitando, inclusive, o posicionamento correto de um eletrodo temporário nos casos emquearadioscopiasefazausente. Segue o quadro de orientações obtido a partir do estudoeletrocardiográfico:1 2 6 2 3 7 INDICAÇÕES DE MARCAPASSO CARDÍACO DEFINITIVO Os estudos atuais comprovam que os resultados da estimulação cardíaca a longo prazo são positivos, de modo que, salientando que sua indicação deva ser feita com rigor, dilatou-seo uso dessa práticaterapêutica. Os quadros clínicos a seguir apresentados, quando irreversíveis e sintomáticos, são aqueles aos quais a indicação do implante de marcapasso cardíaco definitivo é largamente aceito: 1. Síndromedoseiocarotídeohipersensível, 2. Síncope neurocardiogênica (forma cardioinibidora maligna), 3. Doençadonósinusal, 4. Síndrome braditaquicardia que não responde a drogas antiarrítmicas, 5. Fibrilaçãoatrialcomfreqüênciaventricularreduzida, 6. Bloqueioatrioventriculardeterceirograu, 7. BloqueioatrioventriculardesegundograutipoI, 8. BloqueioatrioventriculardesegundograutipoII, 9. Bloqueioatrioventricularavançado, 10. LesãoHis-Purkinjegrave(intervaloH-V>70ms), 11. Bloqueioderamoalternante. Há, por outro lado, situações em que a indicação relatadaébastantecontrovertida,comosevêaseguir: 1. Pacientes com síncopes de repetição e bloqueio bifascicular sem nenhuma outra causa aparente que justifiqueossintomas, 2. Bloqueioderamoalternanteassintomático, 3. BloqueioMobitzII assintomático, 4. Bloqueioatrioventricularcongênito. 8,9,10 1 VEIA CAVA SUPERIOR Negativa semelhante a aVR Semelhante a aVR Ausente 2 ÁTRIO DIREITO ALTO Negativa grande Semelhante a aVR Ausente 3 ÁTRIO DIREITO MÉDIO Isodifásica grande Semelhante a aVR Ausente 4 ÁTRIO DIREITO BAIXO Positiva grande Semelhante a V1 Ausente 5 VEIA CAVA INFERIOR Positiva pequena Semelhante a VF ou D3 Ausente 6 VENTRÍCULO DIREITO (ENTRADA) Positiva pequena Muito grande semelhante a V1 Presente se impactado 7 VENTRÍCULO DIREITO (PONTA) Positiva pequena Muito grande semelhante a V3 Presente se impactado 8 VENTRÍCULO DIREITO (VIA DE SAÍDA) Pequena semelhante a aVL Polifásico tipo RSR ´S´ Presente se impactado ONDA P QRS CORRENTE DE LESÃO (ST)
  • 3. 7 São possíveis algumas complicações decorrentes da implantação da estimulação cardíaca artificial, porém, as mesmas podem ser evitadas se tomadas as devidas cautelas no quedizrespeitoaoseguimentodopaciente. É imprescindível comentar que essas complicações podemser deduas ordens: 1. Precoces - aquelas que ocorrem dentro dos 30 dias que seguem a cirurgia de implantação e que, geralmente, guardam relação com o próprio ato cirúrgico. São elas: pneumotórax, hemotórax ou hemopneumotórax; sangramento/hematoma da loja do gerador; embolia gasosa; taquicardia ou fibrilação ventricular; perfuração atrial ou ventricular; pericardite; estimulação frênica/diafragmática; deslocamento do eletrodo; falha da conexão do gerador; falha de comando e/ou de sensibilidade;infecção. 2. Tardias - aquelas que ocorrem após os 30 dias da implantaçãodomarcapasso.Sãoelas:falhadecomandoe/oude sensibilidade, deslocamento de eletrodo, estimulação muscular esquelética, erosão ou pré-erosão, migração de gerador, infecção, falha do isolante, fratura do cabo-eletrodo, falha eletrônicadocircuito,trombosevenosa,endocardite. É importante destacar que para a prevenção de casos de infecção da loja do gerador e de endocardite não há um consenso quantoàutilizaçãodeumaantibioticoterapiaespecífica. Nesse diapasão, salienta-se que no Serviço de Estimulação Cardíaca Artificial do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia de São Paulo utiliza-se rotineiramente a cefalexina 500 mg, via oral, a cada seis horas, durante sete dias apósoimplante,afimdeprevenirquadrosinfecciosos. Após a implantação de marcapassos definitivos, os pacientesdevemsersubmetidosaconstanteacompanhamentode cardiologistasclínicosoucirurgiõescardíacosespecializadosnos mesmos, seja para prevenção de eventuais disfunções ou mesmo paraoajustedosistemadeestimulaçãoquandonecessário. Aprimeira avaliação do paciente deve ser procedida 30 dias após a retirada dos pontos do implante. Posteriormente, durante o primeiro ano do implante, são necessárias reavaliaçõesacadatrêsmeses. Nos anos que se seguirem, as reavaliações devem ser realizadas a cada seis meses, até que se opere o término da garantia do gerador, quando, então, o paciente deverá ser novamentesubmetidoaanálises,pelomenos,acadatrêsmeses. Verifica-se, portanto, que os estudos celebrados acerca da complexidade do sistema excito-condutor cardíaco implicaram na idealização e no desenvolvimento de equipamentostecnológicosparaoauxílionotratamentodesuas possíveispatologias. Nessa área, destacam-se os marcapassos, equipamentos que tentam mimetizar o sistema excito-condutor cardíaco na tentativa de proporcionar ao paciente uma melhor qualidade de vida. Contudo, a sua implantação deve ser rigorosa e realizada por profissionais especializados em estimulação cardíaca artificial, fazendo-se imprescindível o acompanhamento clínico antes, durante e após a sua introdução, de modo a se remediarem asraras,maspossíveis,complicaçõesdosmarcapassos. POSSÍVEIS PROBLEMAS DECORRENTES DO IMPLANTE DE MARCAPASSO SEGUIMENTO CLÍNICO DOS PORTADORES DE MARCAPASSO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS 1. Abrams LD, Hudson WA, Lighttowood RA. Surgical approach to the management of heart block using and inductive couple artificial cardiac pacemaker. Lancet. 1960; 1:1372. 2. Lagergren H, Johanson L. Intracardiac stimulation for completeheart block.ActaChirScand.1963;125:562. 3. Furman S, Escher DJW, Schwedel JB, Solomon N. Transvenous pacing: a seven year review.Am Heart J. 1966; 71:408. 4. Kormann DS, Galantier M, Abdmulmassih Neto C, Jatene MT.Prevençãodecomplicaçõescomoeletrodoendocavitário demarcapasso.RevBrasMed.1975;2:232-7. 5. Kormann DS, Jatene AD. Triângulo eletrodo vertebro diafragmático no posicionamento de eletrodo endocavitário paramarcapassocardíaco.Arq Bras Cardiol.1977;39:380. 6. Pimenta J. Estimulação cardíaca temporária. São Paulo, PanamedEditorial,1984. 7. Mateos JCP. Marcapasso cardíaco provisório: indicações e procedimentos. REBRAMPA Rev Bras Marcapasso e Arritmia1990;3(3):94. 8. Pachón MJCE, Pachón MEI. Síncope: epidemiologia e mecanismos fisiopatológicos. Rev Soc Cardiol Est. São Paulo.1999;9:163-74. 9. Connolly SJ, Sheldon R, Thorpe KE, Roberts RS, Ellenbogen KA, Wilkoff BL, et al. VPS II Investigators. Pacemaker therapy for prevention of syncope in patients with recurrent severe vasovagal syncope: SecondVasovagal Pacemaker Study (VPS II): a randomized Trial. JAMA 2003;289(17):2224-9. 10. Pachon JC, Pachon EI, Pachon J, Lobo TJ, Pachon MZC, Albornoz RN. A new treatment of neurocardiogenic syncope (NCS) and/or functional AV block (FAVB) with RF-ablation[abstract].Cardiostim2004. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE SOROCABA Agradecemos a colaboração da Associação dos Docentes do CCMB/PUC-SP Diretoria Enio Marcio Maia Guerra João Luiz Garcia Duarte Celeste Gomes Sardinha Oshiro José Eduardo Martinez Dirce Setsuko Tacahashi Nelson Boccato Jr.