SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
setembro2009 o essencial sobre...
48
Limpeza
de FeridasReflexão para Mudança de Práticas
Luis Miguel Martins Faria
Enfermeiro Licenciado, Consorci Sanitari Garraf – Hospital Residencia Sant Camil – Barcelona: Serviço Cirurgia Geral
o essencial sobre...
49
RESUMO
Este artigo resulta de uma pesquisa contínua após
a frequência do Curso de Formação Profissional
“Tratamento de Feridas Crónicas – Estratégias de
Mudança de Práticas” promovido pela FORMASAU
– Formação e Saúde, Lda. e ministrado pela Enf.ª
Especialista em Enfermagem Médico-Cirúrgica Ar-
minda Costeira no pólo D. Ana Guedes da Escola
Superior de Enfermagem do Porto.
Com o presente artigo pretende-se compreender
quais as soluções mais indicadas na preparação do
leito das feridas agudas e crónicas, e a acção dos an-
tissépticos nas mesmas.
Palavras-chave: Feridas; Limpeza de Feridas; Leito da
Ferida; Pele Circundante; Agentes não iónicos; Antis-
sépticos.
INTRODUÇÃO
Todo o processo de tratamento de feridas inicia-se
com uma observação/avaliação atenta tanto das
condições que o leito da ferida e pele circundante
apresentam, bem como do utente na vertente ho-
lística, efectuando-se posteriormente a limpeza da
pele circundante e do leito da ferida, com avaliação
subsequente. (Fig. 1)
A limpeza da ferida pode ser considerada como uma
«agressão celular», que irá condicionar a continuida-
de e eficiência de todo o restante tratamento da feri-
da na medida em que interfere numa fase inicial com
a preparação do leito da ferida e da pele circundante.
LIMPEZA DA FERIDA
A presença de detritos estranhos e contaminantes
na superfície da ferida pode alojar microrganismos
ou fornecer nutrientes para o seu crescimento. A
limpeza da ferida é um procedimento que favorece
a remoção destes contaminantes inflamatórios me-
nos aderentes da sua superfície e torna a ferida me-
nos permissiva ao crescimento bacteriano. (8)
É importante alcançar um balanço correcto entre
os efeitos benéficos da limpeza de uma ferida e os
potenciais efeitos secundários de um desnecessário
distúrbio do delicado equilíbrio que existe no seu
leito, pois o procedimento pode causar um trauma
tecidular que influencia a cicatrização. (6)
Actualmente a limpeza e preparação do leito das fe-
ridas tem por base quatro princípios que constituem
o acrónimo TIME: (4)
Tissue (Tecido: gestão do tecido não viável, fibri-•	
noso, necrosado, com remoção do mesmo);
Infection/Inflamation (Infecção e Inflamação:•	
pretende-se optimizar o controlo destas duas
variantes);
Moisture (Humidade: compreende o controlo do•	
exsudato e a manutenção do ambiente húmido
favorável ao processo de cicatrização);
Edge (Margens epiteliais: avanço centrípto do te-•	
cido epitelial).
Os objectivos da limpeza das feridas são: remover
detritos orgânicos e inorgânicos; reduzir a carga mi-
crobiana; minimizar o trauma aquando da remoção
de material aderente; hidratar a superfície da ferida
para promover e facilitar o desenvolvimento da cica-
trização; aumentar o campo visual do leito da ferida
para despistar eventuais alterações no processo de
cicatrização; promover o conforto do utente. (6)
A limpeza das feridas deve ser feita com agentes não
iónicos (sem potencial eléctrico) como: soro fisioló-
gico, solução de Ringer, gluconato de zinco. Isto por-
que não destroem as células e removem a sujidade
e as bactérias potencialmente presentes no leito da
ferida. (8,10,15) (Fig.2)
O cloreto de sódio a 0,9% é um fluído isotónico, inó-
cuo e uma solução de primeira escolha para a limpe-
za de feridas em geral. (3)
A solução de Ringer possui uma concentração idên-
tica à do fluido extracelular, e no tratamento de fe-
ridas é importante manter as trocas entre o plasma
e o fluido extra celular de forma a promover a oxige-
 
Fig. 1: Várias soluções habitualmente aplicadas no tratamento de
feridas nomeadamente: Solução Alcoólica 70%, Clorohexidina
2%, Peróxido de Hidrogénio, Solução de Iodopovidona, Solução de
Polihexanida, Soro Fisiológico, e Solução de Ringer de perfusão
endovenosa.
setembro2009 o essencial sobre...
50
nação, nutrição celular e eliminação de substâncias
residuais (ex: CO2). (11) (Fig. 3)
Relativamente à aplicação de zinco no leito das fe-
ridas, este apresenta papel fundamental ao nível:
da manutenção do sistema imunológico; na lise
celular bacteriana mediada por células natural Kil-
ler e acção citolítica das células T; no crescimento
e proliferação celular; na re-epitilização; diminuição
da resposta inflamatória; intervindo nos processos
de tradução, transporte e replicação do ADN (ácido
desoxirribonucleico), e no processo de fagocitose de
macrófagos e neutrófilos. (1,2,13)
GERIR A APLICAÇÃO DE ANTISSÉPTICOS
O uso indiscriminado de antissépticos perturba o
delicado balanço do processo orgânico de limpeza
fisiológica. Os antissépticos (agentes carregados
electricamente) como: soluto de Dakin, peróxido de
hidrogénio, iodopovidona; interagem com a mem-
brana celular – resultando na morte celular – e des-
troem os fibroblastos – agentes importantes na sín-
tese de colagénio e consequentemente no processo
de cicatrização. (6, 8,10,15) (Fig. 4)
Eles são agentes que destroem ou inibem o desen-
volvimento e o crescimento de microrganismos nos
tecidos vivos. Por vezes são referidos como desin-
fectantes mas estes só actuam eficazmente (e só
devem ser aplicados) em superfícies inertes pelas
suas características inapropriadas quando em con-
tacto com tecidos vivos. (6, 8,10,15)
Os antissépticos apresentam desvantagens clínicas,
tais como: não apresentar poder de penetração nos
tecidos; serem inactivos na presença de matéria or-
gânica; necessitam de um tempo de contacto para
terem efeito; depois de várias vezes aplicados as
bactérias desenvolvem defesas tornando-se resis-
tentes; em baixas concentrações são soluções irri-
tantes, e em altas concentrações reduzem o número
de bactérias mas provocam danos nos tecidos; cito-
toxicidade presente para todas as células principal-
mente os linfócitos T e os fibroblastos.
Mas também desvantagens práticas: desenvolvi-
mento de resistências por parte das bactérias; semi-
vida curta ou instabilidade química dos agentes;
maceração da pele; mudança frequente de penso;
dor, sofrimento e desconforto para o utente; baixa
rentabilidade tendo em conta o custo-benefício da
sua utilização. (6, 8, 10, 15)
Fig. 2: Soluções de agentes não iónicos para o tratamento de feri-
das: Soro Fisiológico (NaCl 0,9%); Solução de Ringer de perfusão
endovenosa (0,860% NaCl, 0,030 % KCl, 0,033 CaCl2.H2O).
 
Fig. 3: Aplicação de Solução de Ringer na preparação do leito de
ferida não colonizada ou contaminada com intuito de autólise do
tecido desvitalizado.
 
Fig. 4: Antissépticos habitualmente utilizados no tratamento de
feridas: Solução Alcoólica 70%, Clorohexidina 2%, Peróxido de
Hidrogénio, Solução de Iodopovidona
 
o essencial sobre...
51
CARACTERÍSTICAS DOS ANTISSÉPTICOS (6, 8, 10, 15)
A Solução de Hipoclorito tem pouco efeito benéfico
e causam muitos danos. Apresentam eficácia nas
bactérias Gram negativas e positivas, sobre alguns
esporos, e vírus, podendo ser utilizado em feridas
sujas e com tecido necrótico por um curto período
de tempo e nunca em feridas limpas (principalmen-
te naquelas que apresentem tecido de granulação
pois é tóxico para o mesmo), causando a irritação na
ferida e na pele circundante; têm efeito cumulativo
provocando rubor, dor e edema; prolongam o esta-
dio inflamatório da cicatrização; é citotóxico para os
fibroblastos; apresenta toxicidade celular; reduz a
perfusão capilar; causa edema localizado.
A Solução de Peróxido de Hidrogénio tem um efeito
oxidante que destrói as bactérias anaeróbias, mas
perde o seu efeito na presença de material orgâni-
co. Este efeito oxidante é benéfico na remoção de
crostas, apresenta uma acção mecânica de limpeza
e na remoção de substâncias contaminantes, mas
quando usado numa ferida com tecido de granula-
ção verifica-se a: formação de vesículas que quando
abertas promovem uma maior deterioração do leito
da ferida; toxicidade sobre os fibroblastos; embolias
nas irrigações em cavidades; semi-vida curta; dor
ao contacto; irritação da pele circundante; em con-
centrações menores que 0,003% inibe a migração
e proliferação dos queratinócitos, é ineficaz contra
bactérias.
A Solução de Iodopovidona é um antisséptico de
amplo espectro disponível em soluções aquosas e
alcoólicas. As soluções aquosas (como a iodopovi-
dona) são usadas no tratamento de feridas sujas e
infectadas, antissépsia da pele, muito eficaz con-
tra Staphylococcus aureus Meticilino – Resistentes
(MRSA), bactérias Gram negativas e positivas, e é
fungicida.
Alguns efeitos tóxicos que se verificam são: inibição
da cicatrização; retarda a epitilização; é citotóxico
para os fibroblastos; ocorre reabsorção do iodo;
aumento da probabilidade de infecção em feridas
contaminadas. A iodopovidona a 5% prejudica a mi-
crocirculação da ferida em processo de cicatrização;
A Solução de Clorohexidina é eficaz nas bactérias
Gram negativas e positivas, apresentando baixa to-
xidade ao nível celular, consegue manter os níveis de
antimicrobianos durante algum tempo quando im-
pregnada num curativo, mas na presença de matéria
orgânica a sua eficácia diminui rapidamente. Quan-
do utilizada com elevada frequência e regularidade
os seus efeitos tóxicos são: toxicidade celular; irrita-
ção cutânea, dor e desconforto; efeito cumulativo; e
efeito mutagénico.
A Solução Cetrimicina é útil por causa das suas pro-
priedades de detergente – principalmente na lim-
peza inicial de feridas traumáticas ou remoção de
crostas nas doenças de pele – sendo que nunca de-
verá ser considerado um agente diário de limpeza e
entrar em contacto com os olhos. Alguns dos seus
efeitos adversos são as irritações e a hiper – sensi-
bilidade, inactividade na presença matéria orgânica,
é facilmente contaminada por bactérias – especial-
mente a Pseudomonas aeruginosa; toxicidade sobre
fibroblastos; irritação e sensibilidade da pele.
O ANTISSÉPTICO IDEAL
O agente antisséptico ideal deveria apresentar as se-
guintes propriedades: (7)
Eficácia contra agentes patogénicos e contami-•	
nantes;
Acção rápida com actividade residual prolonga-•	
da após uma única utilização;
Incapaz de promover resistência bacteriana;•	
Absorção sistémica mínima;•	
Não carcinogénico e não teratogénico para as cé-•	
lulas do hospedeiro;
Não tóxico;•	
Baixo custo económico;•	
Facilmente disponível;•	
Actualmente, o antisséptico ideal não existe mas a
solução de Polihexanida é a que mais se aproxima
dessa designação. (Fig.5)
A polihexanida possui capacidade de especificidade
de acção eliminando organismos de forma selectiva
sendo considerada uma solução eficaz na limpeza e
desinfecção de feridas, preferencialmente adequada
nas feridas contaminadas, colonizadas e infectadas.
A sua acção de bactericida através de mecanismos
de agregação mediada por núcleos de catiões de
biguanida reduz o risco de contaminação da ferida,
sendo que a estrutura destes polímeros mimetiza a
das fibronectinas – proteínas responsáveis pela coe-
são celular nos tecidos. (5, 12, 14)
Das vantagens que resultam da sua aplicação salien-
tam-se: (5, 9, 12, 14)
setembro2009 o essencial sobre...
52
Não provocar irritabilidade cutânea – desconhe-•	
cendo-se desenvolvimento de alergias;
Não ser verifica maceração dos tecidos adjacentes;•	
Não provoca desidratação do leito da ferida;•	
Não provocar dor aquando da sua aplicação – in-•	
clusive na retirada de placas de fibrina;
Elimina odores desagradáveis / fétidos;•	
Elevada capacidade tensioactiva;•	
Não é absorvido via sistémica;•	
Nãointerferecomoprocessodeformaçãodoteci-•	
do de granulação, proporcionando condições para
o desenvolvimento do processo de cicatrização;
Compatível com outros produtos ao nível do tra-•	
tamento de feridas em ambiente húmido;
Eficaz na eliminação de biofilmes do leito da feri-•	
da (eficácia comprovada relativamente à utiliza-
ção de solução de NaCl 0,9%);
Eficaz no combate a infecções provocadas por•	
MRSA;
Solução pode ser aquecida antes de ser aplicada•	
na ferida;
Depois de aberta tem uma validade de 8 semanas;•	
Pode ser utilizada no tratamento de feridas con-•	
taminadas, colonizadas ou infectadas, garantin-
do condições ideais para a cicatrização;
Visto que o processo de limpeza/desbridamento
deve ser contínuo e não apenas num acto único, a
solução de polihexanida está indicada na limpeza da
ferida actuando de forma directa num período de
tempo limitado, mas também pode ser colocado no
leito da ferida para uma actuação permanente. (9)
A solução líquida pode ser aplicada directamente do
Fig. 5: Solução líquida de Polihexanida (composta por 0,1 % de
polihexanida (polímero poli-hexa-metileno-biguanida [PHMB]) e
0,1% de undecilenamidopropil betaína)
 
Fig. 6: Preparação do leito de ferida de Pé Diabético com aplica-
ção de solução de polihexanida.
Fonte: KAEHN, K. – Polihexanide (PHMB) and Betaine in Wound
care management. The EWMA Journal. London. ISSN 1609-2759.
8:2 (2008). p.15
 
a) Preparação do leito de ferida com soluções de agentes não ió-
nicos.
 
b) Preparação do leito de ferida com solução de polihexanida du-
rante 20’.
c) Resultado da aplicação, durante 3 dias, da solução líquida de
polihexanida na preparação do leito da ferida.
 
o essencial sobre...
53
recipiente de irrigação; em compressas até saturar
com solução polihexanida de forma actuar continu-
amente no leito da ferida; humedecendo compres-
sas e aplicá-las sobre a lesão durante 10’-15’; no caso
de fístulas profundas poder ser aplicada com recur-
so a uma seringa. (12, 14) (Fig.6)
Asoluçãoemgelpodeseraplicadademodoaabran-
ger todo o leito da ferida com uma fina camada de
3-5 mm deixando actuar até à próxima mudança do
apósito. (12, 14)
CONCLUSÃO
A utilização de antissépticos no tratamento de fe-
ridas necessita de uma ponderação de forma a pro-
movermos uma maior racionalização dos recursos
institucionais (económicos, materiais, humanos).
Os antissépticos devem ser utilizados quando as si-
tuações para as quais eles são indicados estão pre-
sentes. Fora essas situações devem ser evitada a sua
utilização pois para além de atrasarem o processo de
cicatrização e prejudicam o normal funcionamento
do organismo do utente. O mais recomendado será
então a utilização dos agentes não iónicos na lim-
peza e preparação do leito das feridas de forma a
favorecer a cicatrização e optimização de todas as
medidas terapêuticas posteriormente adoptadas.
Retém-se deste artigo que nas feridas agudas e fe-
ridas crónicas não contaminadas, colonizadas ou
infectadas as soluções mais adequadas para a lim-
peza e preparação do leito das feridas serão aquelas
compostas por agentes não iónicos.
Nas feridas contaminadas, colonizadas ou infecta-
das a solução mais adequadas para a limpeza e pre-
paração do leito das feridas será a solução de po-
lihexanida, sendo que após verificarmos que a ferida
não apresenta tais características podemos utilizar
soluções de agentes não iónicos para que, a solução
de polihexanida não perca a sua eficácia devido a
uma utilização inapropriada desta solução, evitando
que as bactérias desenvolvam defesas.
A aplicação da solução de polihaxanida carece ainda
de reflexão pois as informações disponíveis e os es-
tudos desenvolvidos ainda são escassos, aguardan-
do-se o desenvolvimento de mais investigação nesta
área científica. √sv
BIBLIOGRAFIA
(1) ÄGREN, M. S. et al – Zinc in wound healing: Theoretical, expe-
rimental, and clinical aspects. Wound Repair and Regeneration.
London. ISSN 1067-1927. 15:1 (2007). p. 2-16.
(2) ÄGREN, M. S. et al – Zinc Oxide. The EWMA Journal. London.
ISSN 1609-2759. 1:1 (2001). p. 15-17.
(3) ALVES, Marta et al – Será o soro fisiológico uma solução se-
gura para a limpeza de feridas? Nursing. Lisboa. ISSN 0871-6196.
17:219 (2007). p. 22-26.
(4) AYELLO, Elizabeth; DOWSETT, Caroline – TIME principles of
chronic wound bed preparation and treatment. British Journal
of Nursing –Supplement. London. ISSN 0966-0461. 13:15 (2004).
p. S16-S23.
(5) BORDIGNON, J. C. P. et al - POLIBIGUANIDAS NAS FERIDAS:
UMA EXPERIÊNCIA BEM-SUCEDIDA, [em linha] <www.abev.
com.br/controledeinfeccao/temaslivres/poster/id906.doc>
(10.01.2007)
(6) BRIALL, June et al – Nursing Management of Chronic Woun-
ds. 2ª ed. Barcelona: Mosby, 1997. ISBN 0-7234-25574. p. 1-25; 87-
90; 95-99.
(7) CUTTING, Keith et al – Topical Antimicrobials in the Control
of Wound Bioburden? – part 1. Ostomy Wound Management.
Malvern. ISSN 0889-5899. 52:8 (2006). p. 26-58.
(8) DEALEY, Carol – Cuidando de Feridas: um guia para as enfer-
meiras. 2ª ed. São Paulo: Atheneu Editora, 2001. ISBN 85-7454-
070-6. p. 49-51; 72-79; 147-159.
(9) GOUVEIA, João et al – Limpeza da ferida: Papel da Polihe-
xadina na preparação do leito da ferida. Nursing – Suplemento
Feridas. Lisboa. ISSN 0871-6196. 17:228 (2007). p.8-10.
(10) LAMBERT, Peter et al – Principals and Practice of Disinfec-
tion, Preservation & Sterilization. 4ª ed. Oxford: Blackweel Pu-
blishing Ltd, 2004. ISBN 1-4051-0199-7. p. 48-67.
(11) McVICAR, Andrew et al – Princípios da Substituição de Flui-
dos por via Intravenosa. Nursing. Rio de Janeiro. 10:115 (1995), p.
14-17.
(12) Modern wound cleansing for the best possible healing,
[em linha] <www.bbraun.com/index.cfm?uuid=D9A0F0A92A
5AE6266A9842B65DDE3B0B&object _ id=3086202&mode=1>
(10.01.2007)
(13) PEDROSA, L. F. C; SENA, K. C. M. – Efeitos da suplementação
de zinco sobre o crescimento, sistema imunológico e diabetes.
Revista de Nutrição. São Paulo. ISSN 1415-5273. 18:2 (2005). p.
251-259.
(14) Prontosan®…La solución para a irrigación de heridas, [em
linha] <www.bbraun.es/doc/doc _ download.ir.cfm?uuid=C527
31E92A5AE626605A1ABCAEC2FCD5> (10.01.2007)
(15) TÉOT, Luc et al – Wound Management: Changing ideas on
antiseptics. Manchester: The Cober, 2004. ISBN 1-9080-2847-7.
p. 13-15; 60.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e CurativosElayne Nunes
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosHeberth Macedo
 
Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativosLuh Soares
 
Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01SMS - Petrópolis
 
Curativo apresentação (1)
Curativo apresentação (1)Curativo apresentação (1)
Curativo apresentação (1)Solange Broggine
 
Tratamento de feridas - Aula 03
Tratamento de feridas - Aula 03Tratamento de feridas - Aula 03
Tratamento de feridas - Aula 03SMS - Petrópolis
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Proqualis
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Atualização em curativos e exercício
Atualização em curativos e exercícioAtualização em curativos e exercício
Atualização em curativos e exercícioJuninho Spina
 
Feridas E Curativos
Feridas E CurativosFeridas E Curativos
Feridas E Curativostecnicas
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeAngelica Reis Angel
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacienteViviane da Silva
 
Tipos de cobertura
Tipos de coberturaTipos de cobertura
Tipos de coberturaDessa Reis
 
26967547 feridas-e-curativos
26967547 feridas-e-curativos26967547 feridas-e-curativos
26967547 feridas-e-curativosMaria Alves Silva
 
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFJanaína Lassala
 
Prevenção de lesão por pressão (LPP).pptx
Prevenção de lesão por pressão (LPP).pptxPrevenção de lesão por pressão (LPP).pptx
Prevenção de lesão por pressão (LPP).pptxedinajunges
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Aline Bandeira
 

Mais procurados (20)

Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e Curativos
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
 
Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativos
 
Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01
 
Curativo apresentação (1)
Curativo apresentação (1)Curativo apresentação (1)
Curativo apresentação (1)
 
Tratamento de feridas - Aula 03
Tratamento de feridas - Aula 03Tratamento de feridas - Aula 03
Tratamento de feridas - Aula 03
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Atualização em curativos e exercício
Atualização em curativos e exercícioAtualização em curativos e exercício
Atualização em curativos e exercício
 
Trabalho sobre feridas
Trabalho sobre feridas Trabalho sobre feridas
Trabalho sobre feridas
 
Feridas E Curativos
Feridas E CurativosFeridas E Curativos
Feridas E Curativos
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Tratamento de feridas
Tratamento de feridasTratamento de feridas
Tratamento de feridas
 
Tipos de cobertura
Tipos de coberturaTipos de cobertura
Tipos de cobertura
 
26967547 feridas-e-curativos
26967547 feridas-e-curativos26967547 feridas-e-curativos
26967547 feridas-e-curativos
 
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
 
Prevenção de lesão por pressão (LPP).pptx
Prevenção de lesão por pressão (LPP).pptxPrevenção de lesão por pressão (LPP).pptx
Prevenção de lesão por pressão (LPP).pptx
 
Feridas
FeridasFeridas
Feridas
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 

Semelhante a Limpeza de feridas: os princípios da preparação do leito e a ação dos antissépticos

Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009
Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009
Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009Letícia Spina Tapia
 
9.Medicação e Irrigação Intracanalar.ppt
9.Medicação e Irrigação Intracanalar.ppt9.Medicação e Irrigação Intracanalar.ppt
9.Medicação e Irrigação Intracanalar.pptMuniza Alfredo
 
Recomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicas
Recomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicasRecomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicas
Recomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicasGNEAUPP.
 
Princípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIAR
Princípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIARPrincípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIAR
Princípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIARCURSO TÉCNICO CEPRAMED
 
CUIDADOS_INTEG_CUTANEA.pdf
CUIDADOS_INTEG_CUTANEA.pdfCUIDADOS_INTEG_CUTANEA.pdf
CUIDADOS_INTEG_CUTANEA.pdfssuser0ecaee
 
Prevenção de Infecção no Processo de Administração de Terapia Infusional
Prevenção de Infecção no Processo de Administração de Terapia InfusionalPrevenção de Infecção no Processo de Administração de Terapia Infusional
Prevenção de Infecção no Processo de Administração de Terapia InfusionalHospital Em Foco
 
Uso de antimicrobianos ... 2ª rev 22-03-07
Uso de antimicrobianos ... 2ª rev  22-03-07Uso de antimicrobianos ... 2ª rev  22-03-07
Uso de antimicrobianos ... 2ª rev 22-03-07Heitor Silva
 
curativos e coberturas.pdf
curativos e coberturas.pdfcurativos e coberturas.pdf
curativos e coberturas.pdfJssicaBizinoto
 
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptxassepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptxWilliamdaCostaMoreir
 
Biossegurança desinfecção
Biossegurança desinfecçãoBiossegurança desinfecção
Biossegurança desinfecçãoluanamelo18
 
O uso da Clorexidina no tratamento de dermatopatias em cães e gatos
O uso da Clorexidina no tratamento de dermatopatias em cães e gatosO uso da Clorexidina no tratamento de dermatopatias em cães e gatos
O uso da Clorexidina no tratamento de dermatopatias em cães e gatosLívea Maria Gomes
 
Aula 03 assepsia e antisepssia
Aula 03   assepsia e antisepssiaAula 03   assepsia e antisepssia
Aula 03 assepsia e antisepssiaThaís Braga
 

Semelhante a Limpeza de feridas: os princípios da preparação do leito e a ação dos antissépticos (20)

Antisepticos
AntisepticosAntisepticos
Antisepticos
 
Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009
Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009
Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009
 
curativos.ppt
curativos.pptcurativos.ppt
curativos.ppt
 
9.Medicação e Irrigação Intracanalar.ppt
9.Medicação e Irrigação Intracanalar.ppt9.Medicação e Irrigação Intracanalar.ppt
9.Medicação e Irrigação Intracanalar.ppt
 
Recomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicas
Recomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicasRecomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicas
Recomendacoes sobre a utilizacao de antissepticos no cuidado de feridas cronicas
 
Princípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIAR
Princípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIARPrincípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIAR
Princípios de biossegurança 2017 - GRUPO IRRADIAR
 
CUIDADOS_INTEG_CUTANEA.pdf
CUIDADOS_INTEG_CUTANEA.pdfCUIDADOS_INTEG_CUTANEA.pdf
CUIDADOS_INTEG_CUTANEA.pdf
 
Prevenção de Infecção no Processo de Administração de Terapia Infusional
Prevenção de Infecção no Processo de Administração de Terapia InfusionalPrevenção de Infecção no Processo de Administração de Terapia Infusional
Prevenção de Infecção no Processo de Administração de Terapia Infusional
 
Uso de antimicrobianos ... 2ª rev 22-03-07
Uso de antimicrobianos ... 2ª rev  22-03-07Uso de antimicrobianos ... 2ª rev  22-03-07
Uso de antimicrobianos ... 2ª rev 22-03-07
 
curativos e coberturas.pdf
curativos e coberturas.pdfcurativos e coberturas.pdf
curativos e coberturas.pdf
 
Assepsia+e
Assepsia+eAssepsia+e
Assepsia+e
 
2. biossegurança
2. biossegurança2. biossegurança
2. biossegurança
 
Curativos léia
Curativos  léiaCurativos  léia
Curativos léia
 
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptxassepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
assepsia_antissepsia_cap_cirurg-2017-ilovepdf-compressed.pptx
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
 
Biossegurança desinfecção
Biossegurança desinfecçãoBiossegurança desinfecção
Biossegurança desinfecção
 
O uso da Clorexidina no tratamento de dermatopatias em cães e gatos
O uso da Clorexidina no tratamento de dermatopatias em cães e gatosO uso da Clorexidina no tratamento de dermatopatias em cães e gatos
O uso da Clorexidina no tratamento de dermatopatias em cães e gatos
 
Aula 03 assepsia e antisepssia
Aula 03   assepsia e antisepssiaAula 03   assepsia e antisepssia
Aula 03 assepsia e antisepssia
 
FERIDAS E COBERTURAS.pdf
FERIDAS E COBERTURAS.pdfFERIDAS E COBERTURAS.pdf
FERIDAS E COBERTURAS.pdf
 
Protocolo feridas rs
Protocolo feridas rsProtocolo feridas rs
Protocolo feridas rs
 

Mais de Letícia Spina Tapia

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleLetícia Spina Tapia
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarLetícia Spina Tapia
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampLetícia Spina Tapia
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaLetícia Spina Tapia
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012Letícia Spina Tapia
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLetícia Spina Tapia
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoLetícia Spina Tapia
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteLetícia Spina Tapia
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaLetícia Spina Tapia
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoLetícia Spina Tapia
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoLetícia Spina Tapia
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaLetícia Spina Tapia
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Letícia Spina Tapia
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilLetícia Spina Tapia
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasLetícia Spina Tapia
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILLetícia Spina Tapia
 

Mais de Letícia Spina Tapia (20)

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
 
Saberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da InclusãoSaberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da Inclusão
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criança
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescente
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - menina
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - menino
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
 

Último

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 

Último (10)

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 

Limpeza de feridas: os princípios da preparação do leito e a ação dos antissépticos

  • 1. setembro2009 o essencial sobre... 48 Limpeza de FeridasReflexão para Mudança de Práticas Luis Miguel Martins Faria Enfermeiro Licenciado, Consorci Sanitari Garraf – Hospital Residencia Sant Camil – Barcelona: Serviço Cirurgia Geral
  • 2. o essencial sobre... 49 RESUMO Este artigo resulta de uma pesquisa contínua após a frequência do Curso de Formação Profissional “Tratamento de Feridas Crónicas – Estratégias de Mudança de Práticas” promovido pela FORMASAU – Formação e Saúde, Lda. e ministrado pela Enf.ª Especialista em Enfermagem Médico-Cirúrgica Ar- minda Costeira no pólo D. Ana Guedes da Escola Superior de Enfermagem do Porto. Com o presente artigo pretende-se compreender quais as soluções mais indicadas na preparação do leito das feridas agudas e crónicas, e a acção dos an- tissépticos nas mesmas. Palavras-chave: Feridas; Limpeza de Feridas; Leito da Ferida; Pele Circundante; Agentes não iónicos; Antis- sépticos. INTRODUÇÃO Todo o processo de tratamento de feridas inicia-se com uma observação/avaliação atenta tanto das condições que o leito da ferida e pele circundante apresentam, bem como do utente na vertente ho- lística, efectuando-se posteriormente a limpeza da pele circundante e do leito da ferida, com avaliação subsequente. (Fig. 1) A limpeza da ferida pode ser considerada como uma «agressão celular», que irá condicionar a continuida- de e eficiência de todo o restante tratamento da feri- da na medida em que interfere numa fase inicial com a preparação do leito da ferida e da pele circundante. LIMPEZA DA FERIDA A presença de detritos estranhos e contaminantes na superfície da ferida pode alojar microrganismos ou fornecer nutrientes para o seu crescimento. A limpeza da ferida é um procedimento que favorece a remoção destes contaminantes inflamatórios me- nos aderentes da sua superfície e torna a ferida me- nos permissiva ao crescimento bacteriano. (8) É importante alcançar um balanço correcto entre os efeitos benéficos da limpeza de uma ferida e os potenciais efeitos secundários de um desnecessário distúrbio do delicado equilíbrio que existe no seu leito, pois o procedimento pode causar um trauma tecidular que influencia a cicatrização. (6) Actualmente a limpeza e preparação do leito das fe- ridas tem por base quatro princípios que constituem o acrónimo TIME: (4) Tissue (Tecido: gestão do tecido não viável, fibri-• noso, necrosado, com remoção do mesmo); Infection/Inflamation (Infecção e Inflamação:• pretende-se optimizar o controlo destas duas variantes); Moisture (Humidade: compreende o controlo do• exsudato e a manutenção do ambiente húmido favorável ao processo de cicatrização); Edge (Margens epiteliais: avanço centrípto do te-• cido epitelial). Os objectivos da limpeza das feridas são: remover detritos orgânicos e inorgânicos; reduzir a carga mi- crobiana; minimizar o trauma aquando da remoção de material aderente; hidratar a superfície da ferida para promover e facilitar o desenvolvimento da cica- trização; aumentar o campo visual do leito da ferida para despistar eventuais alterações no processo de cicatrização; promover o conforto do utente. (6) A limpeza das feridas deve ser feita com agentes não iónicos (sem potencial eléctrico) como: soro fisioló- gico, solução de Ringer, gluconato de zinco. Isto por- que não destroem as células e removem a sujidade e as bactérias potencialmente presentes no leito da ferida. (8,10,15) (Fig.2) O cloreto de sódio a 0,9% é um fluído isotónico, inó- cuo e uma solução de primeira escolha para a limpe- za de feridas em geral. (3) A solução de Ringer possui uma concentração idên- tica à do fluido extracelular, e no tratamento de fe- ridas é importante manter as trocas entre o plasma e o fluido extra celular de forma a promover a oxige-   Fig. 1: Várias soluções habitualmente aplicadas no tratamento de feridas nomeadamente: Solução Alcoólica 70%, Clorohexidina 2%, Peróxido de Hidrogénio, Solução de Iodopovidona, Solução de Polihexanida, Soro Fisiológico, e Solução de Ringer de perfusão endovenosa.
  • 3. setembro2009 o essencial sobre... 50 nação, nutrição celular e eliminação de substâncias residuais (ex: CO2). (11) (Fig. 3) Relativamente à aplicação de zinco no leito das fe- ridas, este apresenta papel fundamental ao nível: da manutenção do sistema imunológico; na lise celular bacteriana mediada por células natural Kil- ler e acção citolítica das células T; no crescimento e proliferação celular; na re-epitilização; diminuição da resposta inflamatória; intervindo nos processos de tradução, transporte e replicação do ADN (ácido desoxirribonucleico), e no processo de fagocitose de macrófagos e neutrófilos. (1,2,13) GERIR A APLICAÇÃO DE ANTISSÉPTICOS O uso indiscriminado de antissépticos perturba o delicado balanço do processo orgânico de limpeza fisiológica. Os antissépticos (agentes carregados electricamente) como: soluto de Dakin, peróxido de hidrogénio, iodopovidona; interagem com a mem- brana celular – resultando na morte celular – e des- troem os fibroblastos – agentes importantes na sín- tese de colagénio e consequentemente no processo de cicatrização. (6, 8,10,15) (Fig. 4) Eles são agentes que destroem ou inibem o desen- volvimento e o crescimento de microrganismos nos tecidos vivos. Por vezes são referidos como desin- fectantes mas estes só actuam eficazmente (e só devem ser aplicados) em superfícies inertes pelas suas características inapropriadas quando em con- tacto com tecidos vivos. (6, 8,10,15) Os antissépticos apresentam desvantagens clínicas, tais como: não apresentar poder de penetração nos tecidos; serem inactivos na presença de matéria or- gânica; necessitam de um tempo de contacto para terem efeito; depois de várias vezes aplicados as bactérias desenvolvem defesas tornando-se resis- tentes; em baixas concentrações são soluções irri- tantes, e em altas concentrações reduzem o número de bactérias mas provocam danos nos tecidos; cito- toxicidade presente para todas as células principal- mente os linfócitos T e os fibroblastos. Mas também desvantagens práticas: desenvolvi- mento de resistências por parte das bactérias; semi- vida curta ou instabilidade química dos agentes; maceração da pele; mudança frequente de penso; dor, sofrimento e desconforto para o utente; baixa rentabilidade tendo em conta o custo-benefício da sua utilização. (6, 8, 10, 15) Fig. 2: Soluções de agentes não iónicos para o tratamento de feri- das: Soro Fisiológico (NaCl 0,9%); Solução de Ringer de perfusão endovenosa (0,860% NaCl, 0,030 % KCl, 0,033 CaCl2.H2O).   Fig. 3: Aplicação de Solução de Ringer na preparação do leito de ferida não colonizada ou contaminada com intuito de autólise do tecido desvitalizado.   Fig. 4: Antissépticos habitualmente utilizados no tratamento de feridas: Solução Alcoólica 70%, Clorohexidina 2%, Peróxido de Hidrogénio, Solução de Iodopovidona  
  • 4. o essencial sobre... 51 CARACTERÍSTICAS DOS ANTISSÉPTICOS (6, 8, 10, 15) A Solução de Hipoclorito tem pouco efeito benéfico e causam muitos danos. Apresentam eficácia nas bactérias Gram negativas e positivas, sobre alguns esporos, e vírus, podendo ser utilizado em feridas sujas e com tecido necrótico por um curto período de tempo e nunca em feridas limpas (principalmen- te naquelas que apresentem tecido de granulação pois é tóxico para o mesmo), causando a irritação na ferida e na pele circundante; têm efeito cumulativo provocando rubor, dor e edema; prolongam o esta- dio inflamatório da cicatrização; é citotóxico para os fibroblastos; apresenta toxicidade celular; reduz a perfusão capilar; causa edema localizado. A Solução de Peróxido de Hidrogénio tem um efeito oxidante que destrói as bactérias anaeróbias, mas perde o seu efeito na presença de material orgâni- co. Este efeito oxidante é benéfico na remoção de crostas, apresenta uma acção mecânica de limpeza e na remoção de substâncias contaminantes, mas quando usado numa ferida com tecido de granula- ção verifica-se a: formação de vesículas que quando abertas promovem uma maior deterioração do leito da ferida; toxicidade sobre os fibroblastos; embolias nas irrigações em cavidades; semi-vida curta; dor ao contacto; irritação da pele circundante; em con- centrações menores que 0,003% inibe a migração e proliferação dos queratinócitos, é ineficaz contra bactérias. A Solução de Iodopovidona é um antisséptico de amplo espectro disponível em soluções aquosas e alcoólicas. As soluções aquosas (como a iodopovi- dona) são usadas no tratamento de feridas sujas e infectadas, antissépsia da pele, muito eficaz con- tra Staphylococcus aureus Meticilino – Resistentes (MRSA), bactérias Gram negativas e positivas, e é fungicida. Alguns efeitos tóxicos que se verificam são: inibição da cicatrização; retarda a epitilização; é citotóxico para os fibroblastos; ocorre reabsorção do iodo; aumento da probabilidade de infecção em feridas contaminadas. A iodopovidona a 5% prejudica a mi- crocirculação da ferida em processo de cicatrização; A Solução de Clorohexidina é eficaz nas bactérias Gram negativas e positivas, apresentando baixa to- xidade ao nível celular, consegue manter os níveis de antimicrobianos durante algum tempo quando im- pregnada num curativo, mas na presença de matéria orgânica a sua eficácia diminui rapidamente. Quan- do utilizada com elevada frequência e regularidade os seus efeitos tóxicos são: toxicidade celular; irrita- ção cutânea, dor e desconforto; efeito cumulativo; e efeito mutagénico. A Solução Cetrimicina é útil por causa das suas pro- priedades de detergente – principalmente na lim- peza inicial de feridas traumáticas ou remoção de crostas nas doenças de pele – sendo que nunca de- verá ser considerado um agente diário de limpeza e entrar em contacto com os olhos. Alguns dos seus efeitos adversos são as irritações e a hiper – sensi- bilidade, inactividade na presença matéria orgânica, é facilmente contaminada por bactérias – especial- mente a Pseudomonas aeruginosa; toxicidade sobre fibroblastos; irritação e sensibilidade da pele. O ANTISSÉPTICO IDEAL O agente antisséptico ideal deveria apresentar as se- guintes propriedades: (7) Eficácia contra agentes patogénicos e contami-• nantes; Acção rápida com actividade residual prolonga-• da após uma única utilização; Incapaz de promover resistência bacteriana;• Absorção sistémica mínima;• Não carcinogénico e não teratogénico para as cé-• lulas do hospedeiro; Não tóxico;• Baixo custo económico;• Facilmente disponível;• Actualmente, o antisséptico ideal não existe mas a solução de Polihexanida é a que mais se aproxima dessa designação. (Fig.5) A polihexanida possui capacidade de especificidade de acção eliminando organismos de forma selectiva sendo considerada uma solução eficaz na limpeza e desinfecção de feridas, preferencialmente adequada nas feridas contaminadas, colonizadas e infectadas. A sua acção de bactericida através de mecanismos de agregação mediada por núcleos de catiões de biguanida reduz o risco de contaminação da ferida, sendo que a estrutura destes polímeros mimetiza a das fibronectinas – proteínas responsáveis pela coe- são celular nos tecidos. (5, 12, 14) Das vantagens que resultam da sua aplicação salien- tam-se: (5, 9, 12, 14)
  • 5. setembro2009 o essencial sobre... 52 Não provocar irritabilidade cutânea – desconhe-• cendo-se desenvolvimento de alergias; Não ser verifica maceração dos tecidos adjacentes;• Não provoca desidratação do leito da ferida;• Não provocar dor aquando da sua aplicação – in-• clusive na retirada de placas de fibrina; Elimina odores desagradáveis / fétidos;• Elevada capacidade tensioactiva;• Não é absorvido via sistémica;• Nãointerferecomoprocessodeformaçãodoteci-• do de granulação, proporcionando condições para o desenvolvimento do processo de cicatrização; Compatível com outros produtos ao nível do tra-• tamento de feridas em ambiente húmido; Eficaz na eliminação de biofilmes do leito da feri-• da (eficácia comprovada relativamente à utiliza- ção de solução de NaCl 0,9%); Eficaz no combate a infecções provocadas por• MRSA; Solução pode ser aquecida antes de ser aplicada• na ferida; Depois de aberta tem uma validade de 8 semanas;• Pode ser utilizada no tratamento de feridas con-• taminadas, colonizadas ou infectadas, garantin- do condições ideais para a cicatrização; Visto que o processo de limpeza/desbridamento deve ser contínuo e não apenas num acto único, a solução de polihexanida está indicada na limpeza da ferida actuando de forma directa num período de tempo limitado, mas também pode ser colocado no leito da ferida para uma actuação permanente. (9) A solução líquida pode ser aplicada directamente do Fig. 5: Solução líquida de Polihexanida (composta por 0,1 % de polihexanida (polímero poli-hexa-metileno-biguanida [PHMB]) e 0,1% de undecilenamidopropil betaína)   Fig. 6: Preparação do leito de ferida de Pé Diabético com aplica- ção de solução de polihexanida. Fonte: KAEHN, K. – Polihexanide (PHMB) and Betaine in Wound care management. The EWMA Journal. London. ISSN 1609-2759. 8:2 (2008). p.15   a) Preparação do leito de ferida com soluções de agentes não ió- nicos.   b) Preparação do leito de ferida com solução de polihexanida du- rante 20’. c) Resultado da aplicação, durante 3 dias, da solução líquida de polihexanida na preparação do leito da ferida.  
  • 6. o essencial sobre... 53 recipiente de irrigação; em compressas até saturar com solução polihexanida de forma actuar continu- amente no leito da ferida; humedecendo compres- sas e aplicá-las sobre a lesão durante 10’-15’; no caso de fístulas profundas poder ser aplicada com recur- so a uma seringa. (12, 14) (Fig.6) Asoluçãoemgelpodeseraplicadademodoaabran- ger todo o leito da ferida com uma fina camada de 3-5 mm deixando actuar até à próxima mudança do apósito. (12, 14) CONCLUSÃO A utilização de antissépticos no tratamento de fe- ridas necessita de uma ponderação de forma a pro- movermos uma maior racionalização dos recursos institucionais (económicos, materiais, humanos). Os antissépticos devem ser utilizados quando as si- tuações para as quais eles são indicados estão pre- sentes. Fora essas situações devem ser evitada a sua utilização pois para além de atrasarem o processo de cicatrização e prejudicam o normal funcionamento do organismo do utente. O mais recomendado será então a utilização dos agentes não iónicos na lim- peza e preparação do leito das feridas de forma a favorecer a cicatrização e optimização de todas as medidas terapêuticas posteriormente adoptadas. Retém-se deste artigo que nas feridas agudas e fe- ridas crónicas não contaminadas, colonizadas ou infectadas as soluções mais adequadas para a lim- peza e preparação do leito das feridas serão aquelas compostas por agentes não iónicos. Nas feridas contaminadas, colonizadas ou infecta- das a solução mais adequadas para a limpeza e pre- paração do leito das feridas será a solução de po- lihexanida, sendo que após verificarmos que a ferida não apresenta tais características podemos utilizar soluções de agentes não iónicos para que, a solução de polihexanida não perca a sua eficácia devido a uma utilização inapropriada desta solução, evitando que as bactérias desenvolvam defesas. A aplicação da solução de polihaxanida carece ainda de reflexão pois as informações disponíveis e os es- tudos desenvolvidos ainda são escassos, aguardan- do-se o desenvolvimento de mais investigação nesta área científica. √sv BIBLIOGRAFIA (1) ÄGREN, M. S. et al – Zinc in wound healing: Theoretical, expe- rimental, and clinical aspects. Wound Repair and Regeneration. London. ISSN 1067-1927. 15:1 (2007). p. 2-16. (2) ÄGREN, M. S. et al – Zinc Oxide. The EWMA Journal. London. ISSN 1609-2759. 1:1 (2001). p. 15-17. (3) ALVES, Marta et al – Será o soro fisiológico uma solução se- gura para a limpeza de feridas? Nursing. Lisboa. ISSN 0871-6196. 17:219 (2007). p. 22-26. (4) AYELLO, Elizabeth; DOWSETT, Caroline – TIME principles of chronic wound bed preparation and treatment. British Journal of Nursing –Supplement. London. ISSN 0966-0461. 13:15 (2004). p. S16-S23. (5) BORDIGNON, J. C. P. et al - POLIBIGUANIDAS NAS FERIDAS: UMA EXPERIÊNCIA BEM-SUCEDIDA, [em linha] <www.abev. com.br/controledeinfeccao/temaslivres/poster/id906.doc> (10.01.2007) (6) BRIALL, June et al – Nursing Management of Chronic Woun- ds. 2ª ed. Barcelona: Mosby, 1997. ISBN 0-7234-25574. p. 1-25; 87- 90; 95-99. (7) CUTTING, Keith et al – Topical Antimicrobials in the Control of Wound Bioburden? – part 1. Ostomy Wound Management. Malvern. ISSN 0889-5899. 52:8 (2006). p. 26-58. (8) DEALEY, Carol – Cuidando de Feridas: um guia para as enfer- meiras. 2ª ed. São Paulo: Atheneu Editora, 2001. ISBN 85-7454- 070-6. p. 49-51; 72-79; 147-159. (9) GOUVEIA, João et al – Limpeza da ferida: Papel da Polihe- xadina na preparação do leito da ferida. Nursing – Suplemento Feridas. Lisboa. ISSN 0871-6196. 17:228 (2007). p.8-10. (10) LAMBERT, Peter et al – Principals and Practice of Disinfec- tion, Preservation & Sterilization. 4ª ed. Oxford: Blackweel Pu- blishing Ltd, 2004. ISBN 1-4051-0199-7. p. 48-67. (11) McVICAR, Andrew et al – Princípios da Substituição de Flui- dos por via Intravenosa. Nursing. Rio de Janeiro. 10:115 (1995), p. 14-17. (12) Modern wound cleansing for the best possible healing, [em linha] <www.bbraun.com/index.cfm?uuid=D9A0F0A92A 5AE6266A9842B65DDE3B0B&object _ id=3086202&mode=1> (10.01.2007) (13) PEDROSA, L. F. C; SENA, K. C. M. – Efeitos da suplementação de zinco sobre o crescimento, sistema imunológico e diabetes. Revista de Nutrição. São Paulo. ISSN 1415-5273. 18:2 (2005). p. 251-259. (14) Prontosan®…La solución para a irrigación de heridas, [em linha] <www.bbraun.es/doc/doc _ download.ir.cfm?uuid=C527 31E92A5AE626605A1ABCAEC2FCD5> (10.01.2007) (15) TÉOT, Luc et al – Wound Management: Changing ideas on antiseptics. Manchester: The Cober, 2004. ISBN 1-9080-2847-7. p. 13-15; 60.