CAMPANHA DE
SOBREVIVÊNCIA
À SEPSE
Atendimento ao paciente com
sepse grave/choque séptico
Não retarde o atendimento à esper...
SEPSE GRAVE DEVE SER SUSPEITADA EM
TODOS OS PACIENTES COM QUADRO INFECCIOSO
• Febre ou hipotermia
• Frequência respiratóri...
Provável sepse grave
ABORDAGEM INICIAL DA ENFERMAGEM
ATENDIMENTO AO PACIENTE COM PROVÁVEL SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO
Provi...
PACOTE3/6HORAS-PASSO3-OTIMIZAÇÃOHEMODINÂMICA
Hipotensãoarterialpressãoarterialsistólica90oupressãoarterialmédia65mmHg
Cris...
PACOTE6HORAS-PASSO4-OTIMIZAÇÃODESvcO2/PVC-(Puncionaracessovenosocentral)
ColherSvcO2emensurarPVC
Manterobservação.
Colhern...
FAÇA NOSSO CURSO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA.
CONSULTE NOSSO SITE - www.ilas.org.br
O ATENDIMENTO INICIAL À SEPSE É...
SOBRE O ILAS...
Ao longo de toda a história da Medicina, a sepse grave e o choque séptico
permaneceram como condições de e...
www.diamundialdasepse.com.br
www.facebook.com/diamundialdasepse
MAIS INFORMAÇÕES ACESSE
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

2.698 visualizações

Publicada em

Atendimento ao paciente com
sepse grave/choque séptico

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.698
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
109
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
84
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

  1. 1. CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA À SEPSE Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico Não retarde o atendimento à espera de vaga em UTI TEMPO É VIDA! MORTALIDADE DETECÇÃO PRECOCE + TRATAMENTO CORRETO SEPSE = Infecção + SRIS (pelo menos 2 dos critérios/sinais) SEPSE GRAVE = Sepse + Disfunção orgânica (pelo menos de 1 órgão) CHOQUE SÉPTICO = Hipotensão persistente, não responsiva a volume (refratária) SEPSE
  2. 2. SEPSE GRAVE DEVE SER SUSPEITADA EM TODOS OS PACIENTES COM QUADRO INFECCIOSO • Febre ou hipotermia • Frequência respiratória > 20 rpm ou PaCO2 <32mmHg • Frequência cardíaca > 90 bpm • Leucócitos totais > 3 3 12.000/mm ou < 4.000 ou presença de >10% de formas jovens • hipotensão (PAS<90, PAM<65 ou queda de 40mmHg na PA basal) • diurese < 0,5ml/Kg/h ou elevação abrupta da creatinina • 22 necessidade de suplementação de oxigênio (PaO /FiO < 250) • coagulopatia: plaquetopenia < 100.000/mm ou redução de 50% em relação ao valor registrado nos últimos 3 dias ou INR > 1,5 • acidose metabólica inexplicável: déficit de bases ≤ 5,0 mEq/L e lactato > 1,5 vezes o valor normal • rebaixamento do nível de consciência, agitação ou delirium • aumento significativo de bilirrubinas (> 2 vezes o valor de referência) LEMBRE-SE A equipe multidisciplinar deve estar atenta à presença de sinais de resposta inflamatória sistêmica, que definem a presença de sepse: A PRESENÇA DE DISFUNÇÃO ORGÂNICA DEFINE O DIAGNÓSTICO DE SEPSE GRAVE. FIQUE ATENTO PARA: A ausência dos critérios de SIRS não exclui o diagnóstico de sepse grave. Alguns pacientes, principalmente idosos e imunossuprimidos, não apresentam esses sinais. Assim, na presença de uma dessas disfunções, sem outra explicação plausível, pense em sepse e inicie as medidas preconizadas. 02
  3. 3. Provável sepse grave ABORDAGEM INICIAL DA ENFERMAGEM ATENDIMENTO AO PACIENTE COM PROVÁVEL SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO Providencia acesso venoso periférico calibroso Pelo menos 2 critérios de SRIS Chama o médico referência Pelo menos 1 disfunção orgânica Infecção PERANTE SUSPEITA CLÍNICA DE SEPSE GRAVE, SEGUIR OS SEGUINTES PASSOS PASSO 1 PACOTE 3 HORAS PACOTE 3 HORAS PACOTE 3/6 HORAS obrigatório em todos os casos Coletar lactato + hemoculturas + culturas de sítios pertinentes  utilize ROTINA específica para o protocolo sepse  acione o profissional responsável pela coleta PASSO 2 obrigatório em todos os casos Iniciar antibioticoterapia empírica em 1 hora  consulte o guia da CCIH para a escolha do antimicrobiano  prescreva o antibiótico  notifique a enfermeira responsável pelo leito para administração imediata PASSO 3 Se lactato > 2 x o valor normal ou hipotensão OTIMIZAÇÃO HEMODINÂMICA Caso seja comprovado posteriormente não se tratar de sepse, sempre poderemos suspender a antibioticoterapia Tempo ideal máximo para resultado do lactato = 30 min *Colha Kit sepse – hemocultura, gasometria arterial/lactato, hemograma, creatinina, bilirrubinas, coagulograma. Enfermeira 03
  4. 4. PACOTE3/6HORAS-PASSO3-OTIMIZAÇÃOHEMODINÂMICA Hipotensãoarterialpressãoarterialsistólica90oupressãoarterialmédia65mmHg Cristalóide(SFouRingerlactato)30ml/kgpesoem30a60min Hipotensãopersistenteouhipotensãoameaçadoraàvida Persistenecessidade devasopressor? Manterobservaçãoclínica Colherlactatoem casodepiora SIM SIM Vasopressores Noradrenalina Emcasosdehipotensãoameaçadoraà vida,ovasopressorpodeseriniciado antesmesmodareposiçãovolêmica inicial.Manterapressãoarterialmédia entre65e75mmHg. Semprequepossível, medirapressãoarterialde formainvasiva. Empacientescardiopatas podesernecessárioreduzir avelocidadedehidratação. Lactatoarterial>2xovalornormal NÃO NÃO Empacientescomlactato inicialmentealteradodeve- seprocuraranormalização domesmo. (SFouRingerlactato) 30ml/kgpeso em30a60min Nenhumpacientedeve permanecerhipotensopor maisque30-40min. Ovasopressorpodeser iniciadoemveiaperiférica paragarantirnormotensão atéqueoacessocentral sejaprovidenciado. 04
  5. 5. PACOTE6HORAS-PASSO4-OTIMIZAÇÃODESvcO2/PVC-(Puncionaracessovenosocentral) ColherSvcO2emensurarPVC Manterobservação. ColhernovolactatoeSvcO2 sedeterioraçãoclínica SvcO2>70%? NÃO SIM SvcO2>70%?NÃO SeHB<9.0g/dl–transfundir emregimedeurgência SeHB>9,0g/dl–avaliar controledetemperatura, sedação,intubaçãoe ventilaçãomecânica Iniciardobutamina2,5mcg/Kg/min TitulardoseatéSvcO270%ouausência derespostaaoaumentodadose (SeHb<7g/dL-considerartransfusãoemregimedeurgência) SIM EmVM-PVC12mmHg SemVM-PVC8mmHg NÃO InfundirRingerlactatoou SF500mlEVembolus SIM Édesejávelobterdiurese>0,5ml/Kg/hora, entretantonãoháevidênciasquesuportem aperseguiçãodessealvoterapêutico, quandolactatoSvcO2ePVCestão otimizados. 05
  6. 6. FAÇA NOSSO CURSO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA. CONSULTE NOSSO SITE - www.ilas.org.br O ATENDIMENTO INICIAL À SEPSE É MULTIPROFISSIONAL E DEVE SER FEITO EM QUALQUER ÁREA DO HOSPITAL (PRONTO-SOCORRO, UNIDADES DE INTERNAÇÃO E TERAPIA INTENSIVA). Implemente protocolos para tratamento de sepse em sua instituição! PASSOS FUNDAMENTAIS 1. Constitua um grupo de sepse englobando administração, chefias médicas e de enfermagem do pronto-socorro, unidades de internação e terapia intensiva, CCIH, laboratório e farmácia. 2. Desenvolva estratégias para detecção e triagem desses pacientes no pronto- socorro, unidades de internação e terapia intensiva. 3. Elabore um protocolo de tratamento. 4. Elabore um guia de terapia antimicrobiana empírica. 5. Crie fluxos especiais para a coleta de exames. 6. Crie fluxos especiais para disponibilizar antimicrobianos dentro da primeira hora. 7. Treine sua equipe: foque na enfermagem e na equipe médica! CONSULTE NOSSO SITE! Esse folder e diversos outros materiais para auxiliá-lo nesse processo estão disponíveis para download e reprodução! JUNTE-SE A NÓS! Seja mais um hospital da nossa rede! Se deseja ajuda no processo de implementação, envie um e-mail para secretaria@sepsisnet.org. A Campanha Sobrevivendo a Sepse é um esforço mundial visando reduzir a mortalidade por sepse. No Brasil, ela é coordenada pelo Instituto Latino Americano de Sepse – ILAS . Ela se baseia em 7 intervenções que geram indicadores de qualidade assistencial, os quais norteiam políticas de melhoria assistencial. O ILAS emite periodicamente relatórios de performance dos hospitais participantes, incluindo benchmarking com as demais instituições. Pacote 3 horas: Coleta de lactato Coleta de hemoculturas Antibioticoterapia precoce Fluidos nos pacientes com hipotensão ou lactato acima de 2 vezes o valor normal Pacote 6 horas: Vasopressores para obter PAM > 65mmHg Mensuração de pressão venosa central Mensuração de saturação venosa central de oxigênio 06
  7. 7. SOBRE O ILAS... Ao longo de toda a história da Medicina, a sepse grave e o choque séptico permaneceram como condições de extrema gravidade e sem possibilidade de tratamento eficaz. O Brasil tem uma das maiores taxas de letalidade por sepse no mundo. Em anos recentes, o conhecimento científico acumulado permitiu pela primeira vez estabelecer um conjunto de medidas que reduzem a mortalidade e os custos hospitalares. A Campanha de Sobrevivência à Sepse tornou-se um marco na luta contra essa síndrome. O Instituto Latino Americano da Sepse – ILAS é uma entidade sem fins lucrativos, fundada em 2004, com o objetivo de auxiliar no processo de aperfeiçoamento da qualidade assistencial do paciente com sepse grave por meio da implementação de protocolos de reconhecimento e tratamento baseados em evidências científicas, da geração e difusão de conhecimentos e do desenvolvimento de estudos clínicos. Participe você também de nossas ações! Visite nosso site! Implemente a Campanha em sua instituição! Participe do nosso Fórum anual! Participe de nossos estudos clínicos! Assine a declaração mundial contra a sepse! www.world-sepsis-day.org 07 INFORMAÇÕES ADICIONAIS INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE Telefone: (11) 3721-6709 Rua Pedro de Toledo, 980 – cj 94 – São Paulo – SP Acesse nosso site: www.ilas.org.br
  8. 8. www.diamundialdasepse.com.br www.facebook.com/diamundialdasepse MAIS INFORMAÇÕES ACESSE

×