SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
CAMPANHA DE
SOBREVIVÊNCIA
À SEPSE
Atendimento ao paciente com
sepse grave/choque séptico
Não retarde o atendimento à espera de vaga em UTI
TEMPO É VIDA!
MORTALIDADE
DETECÇÃO PRECOCE + TRATAMENTO CORRETO
SEPSE = Infecção + SRIS
(pelo menos 2 dos critérios/sinais)
SEPSE GRAVE = Sepse + Disfunção orgânica
(pelo menos de 1 órgão)
CHOQUE SÉPTICO = Hipotensão persistente,
não responsiva a volume (refratária)
SEPSE
SEPSE GRAVE DEVE SER SUSPEITADA EM
TODOS OS PACIENTES COM QUADRO INFECCIOSO
• Febre ou hipotermia
• Frequência respiratória > 20 rpm ou PaCO2 <32mmHg
• Frequência cardíaca > 90 bpm
• Leucócitos totais >
3
3
12.000/mm ou < 4.000 ou presença
de >10% de formas jovens
• hipotensão (PAS<90, PAM<65 ou queda de 40mmHg na PA basal)
• diurese < 0,5ml/Kg/h ou elevação abrupta da creatinina
• 22
necessidade de suplementação de oxigênio (PaO /FiO < 250)
• coagulopatia: plaquetopenia < 100.000/mm ou redução de 50%
em relação ao valor registrado nos últimos 3 dias ou INR > 1,5
• acidose metabólica inexplicável: déficit de bases ≤ 5,0 mEq/L
e lactato > 1,5 vezes o valor normal
• rebaixamento do nível de consciência, agitação ou delirium
• aumento significativo de bilirrubinas (> 2 vezes o valor de referência)
LEMBRE-SE
A equipe multidisciplinar deve estar atenta à presença de sinais
de resposta inflamatória sistêmica, que definem a presença de
sepse:
A PRESENÇA DE DISFUNÇÃO ORGÂNICA DEFINE O
DIAGNÓSTICO DE SEPSE GRAVE. FIQUE ATENTO PARA:
A ausência dos critérios de SIRS não exclui o diagnóstico de sepse grave. Alguns pacientes,
principalmente idosos e imunossuprimidos, não apresentam esses sinais.
Assim, na presença de uma dessas disfunções, sem outra explicação plausível, pense em
sepse e inicie as medidas preconizadas.
02
Provável sepse grave
ABORDAGEM INICIAL DA ENFERMAGEM
ATENDIMENTO AO PACIENTE COM PROVÁVEL SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO
Providencia acesso venoso
periférico calibroso
Pelo menos 2
critérios de SRIS
Chama o médico
referência
Pelo menos 1
disfunção orgânica
Infecção
PERANTE SUSPEITA CLÍNICA DE SEPSE GRAVE,
SEGUIR OS SEGUINTES PASSOS
PASSO 1
PACOTE 3 HORAS
PACOTE 3 HORAS
PACOTE 3/6 HORAS
obrigatório em
todos os casos
Coletar lactato + hemoculturas
+ culturas de sítios pertinentes
 utilize ROTINA específica para o protocolo sepse
 acione o profissional responsável pela coleta
PASSO 2
obrigatório em
todos os casos
Iniciar antibioticoterapia empírica em 1 hora
 consulte o guia da CCIH para a escolha do antimicrobiano
 prescreva o antibiótico
 notifique a enfermeira responsável pelo leito para
administração imediata
PASSO 3
Se lactato > 2 x
o valor normal
ou hipotensão
OTIMIZAÇÃO
HEMODINÂMICA
Caso seja comprovado posteriormente não se tratar de
sepse, sempre poderemos suspender a antibioticoterapia
Tempo ideal máximo para resultado do lactato = 30 min
*Colha Kit sepse – hemocultura, gasometria arterial/lactato, hemograma, creatinina, bilirrubinas, coagulograma.
Enfermeira
03
PACOTE3/6HORAS-PASSO3-OTIMIZAÇÃOHEMODINÂMICA
Hipotensãoarterialpressãoarterialsistólica90oupressãoarterialmédia65mmHg
Cristalóide(SFouRingerlactato)30ml/kgpesoem30a60min
Hipotensãopersistenteouhipotensãoameaçadoraàvida
Persistenecessidade
devasopressor?
Manterobservaçãoclínica
Colherlactatoem
casodepiora
SIM
SIM
Vasopressores
Noradrenalina
Emcasosdehipotensãoameaçadoraà
vida,ovasopressorpodeseriniciado
antesmesmodareposiçãovolêmica
inicial.Manterapressãoarterialmédia
entre65e75mmHg.
Semprequepossível,
medirapressãoarterialde
formainvasiva.
Empacientescardiopatas
podesernecessárioreduzir
avelocidadedehidratação.
Lactatoarterial>2xovalornormal
NÃO
NÃO
Empacientescomlactato
inicialmentealteradodeve-
seprocuraranormalização
domesmo.
(SFouRingerlactato)
30ml/kgpeso
em30a60min
Nenhumpacientedeve
permanecerhipotensopor
maisque30-40min.
Ovasopressorpodeser
iniciadoemveiaperiférica
paragarantirnormotensão
atéqueoacessocentral
sejaprovidenciado.
04
PACOTE6HORAS-PASSO4-OTIMIZAÇÃODESvcO2/PVC-(Puncionaracessovenosocentral)
ColherSvcO2emensurarPVC
Manterobservação.
ColhernovolactatoeSvcO2
sedeterioraçãoclínica
SvcO2>70%?
NÃO
SIM
SvcO2>70%?NÃO
SeHB<9.0g/dl–transfundir
emregimedeurgência
SeHB>9,0g/dl–avaliar
controledetemperatura,
sedação,intubaçãoe
ventilaçãomecânica
Iniciardobutamina2,5mcg/Kg/min
TitulardoseatéSvcO270%ouausência
derespostaaoaumentodadose
(SeHb<7g/dL-considerartransfusãoemregimedeurgência)
SIM
EmVM-PVC12mmHg
SemVM-PVC8mmHg
NÃO
InfundirRingerlactatoou
SF500mlEVembolus
SIM
Édesejávelobterdiurese>0,5ml/Kg/hora,
entretantonãoháevidênciasquesuportem
aperseguiçãodessealvoterapêutico,
quandolactatoSvcO2ePVCestão
otimizados.
05
FAÇA NOSSO CURSO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA.
CONSULTE NOSSO SITE - www.ilas.org.br
O ATENDIMENTO INICIAL À SEPSE É MULTIPROFISSIONAL
E DEVE SER FEITO EM QUALQUER ÁREA DO HOSPITAL
(PRONTO-SOCORRO, UNIDADES DE INTERNAÇÃO E TERAPIA INTENSIVA).
Implemente protocolos para tratamento de sepse em sua instituição!
PASSOS FUNDAMENTAIS
1. Constitua um grupo de sepse englobando administração, chefias médicas e de
enfermagem do pronto-socorro, unidades de internação e terapia intensiva, CCIH,
laboratório e farmácia.
2. Desenvolva estratégias para detecção e triagem desses pacientes no pronto-
socorro, unidades de internação e terapia intensiva.
3. Elabore um protocolo de tratamento.
4. Elabore um guia de terapia antimicrobiana empírica.
5. Crie fluxos especiais para a coleta de exames.
6. Crie fluxos especiais para disponibilizar antimicrobianos dentro da primeira hora.
7. Treine sua equipe: foque na enfermagem e na equipe médica!
CONSULTE NOSSO SITE!
Esse folder e diversos outros materiais para auxiliá-lo nesse processo estão
disponíveis para download e reprodução!
JUNTE-SE A NÓS!
Seja mais um hospital da nossa rede!
Se deseja ajuda no processo de implementação, envie um e-mail para
secretaria@sepsisnet.org.
A Campanha Sobrevivendo a Sepse é um esforço mundial visando reduzir a
mortalidade por sepse. No Brasil, ela é coordenada pelo Instituto Latino Americano de
Sepse – ILAS .
Ela se baseia em 7 intervenções que geram indicadores de qualidade assistencial, os
quais norteiam políticas de melhoria assistencial. O ILAS emite periodicamente
relatórios de performance dos hospitais participantes, incluindo benchmarking com as
demais instituições.
Pacote 3 horas:
Coleta de lactato
Coleta de hemoculturas
Antibioticoterapia precoce
Fluidos nos pacientes com hipotensão ou lactato acima de 2 vezes o valor normal
Pacote 6 horas:
Vasopressores para obter PAM > 65mmHg
Mensuração de pressão venosa central
Mensuração de saturação venosa central de oxigênio
06
SOBRE O ILAS...
Ao longo de toda a história da Medicina, a sepse grave e o choque séptico
permaneceram como condições de extrema gravidade e sem possibilidade de
tratamento eficaz. O Brasil tem uma das maiores taxas de letalidade por sepse
no mundo. Em anos recentes, o conhecimento científico acumulado permitiu
pela primeira vez estabelecer um conjunto de medidas que reduzem a
mortalidade e os custos hospitalares. A Campanha de Sobrevivência à Sepse
tornou-se um marco na luta contra essa síndrome.
O Instituto Latino Americano da Sepse – ILAS é uma entidade sem fins
lucrativos, fundada em 2004, com o objetivo de auxiliar no processo de
aperfeiçoamento da qualidade assistencial do paciente com sepse grave por
meio da implementação de protocolos de reconhecimento e tratamento
baseados em evidências científicas, da geração e difusão de conhecimentos e
do desenvolvimento de estudos clínicos.
Participe você também de nossas ações!
Visite nosso site!
Implemente a Campanha em sua instituição!
Participe do nosso Fórum anual!
Participe de nossos estudos clínicos!
Assine a declaração mundial contra a sepse!
www.world-sepsis-day.org
07
INFORMAÇÕES ADICIONAIS
INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE
Telefone: (11) 3721-6709
Rua Pedro de Toledo, 980 – cj 94 – São Paulo – SP
Acesse nosso site: www.ilas.org.br
www.diamundialdasepse.com.br
www.facebook.com/diamundialdasepse
MAIS INFORMAÇÕES ACESSE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosEduardo Bernardino
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaRicardo Augusto
 
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaCuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaRenato Bach
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergênciaresenfe2013
 
A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem Cleiton Ribeiro Alves
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherEnfº Ícaro Araújo
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonEdison Santos
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoresenfe2013
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxRafaela Amanso
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Will Nunes
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsdapab
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemRaíssa Soeiro
 

Mais procurados (20)

Uti
UtiUti
Uti
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti PediátricaCuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
Cuidados De Enfermagem Em Uti Pediátrica
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Sepse
Sepse Sepse
Sepse
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
 
Choque
Choque   Choque
Choque
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
 
Choque
Choque Choque
Choque
 

Destaque

Sepse para dia da sepse
Sepse para dia da sepseSepse para dia da sepse
Sepse para dia da sepseYuri Assis
 
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGNATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGNYuri Assis
 
Sepsis updates 2016
Sepsis updates 2016Sepsis updates 2016
Sepsis updates 2016Ashraf Nadim
 
Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01
Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01
Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01Magali Barros
 
Choque séptico apresentação de slides
Choque séptico   apresentação de slidesChoque séptico   apresentação de slides
Choque séptico apresentação de slidesLindiane Eloisa
 
Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...
Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...
Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...Caroline Reis Gonçalves
 
Choques - Gabriela A., Larissa, Mariana, Gabriel S, Pedro P.
Choques - Gabriela A., Larissa, Mariana, Gabriel S, Pedro P.Choques - Gabriela A., Larissa, Mariana, Gabriel S, Pedro P.
Choques - Gabriela A., Larissa, Mariana, Gabriel S, Pedro P.Escola Santi
 
Abordagem choque
Abordagem choqueAbordagem choque
Abordagem choqueYuri Assis
 
Choque
ChoqueChoque
Choquedapab
 
Sepse, sepse grave, choque séptico
Sepse, sepse grave, choque sépticoSepse, sepse grave, choque séptico
Sepse, sepse grave, choque sépticoguest169f8ea
 
Aula 5 necessidades humanas básicas
Aula 5 necessidades humanas básicasAula 5 necessidades humanas básicas
Aula 5 necessidades humanas básicasJesiele Spindler
 

Destaque (17)

Sepse para dia da sepse
Sepse para dia da sepseSepse para dia da sepse
Sepse para dia da sepse
 
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGNATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
 
Sepsis updates 2016
Sepsis updates 2016Sepsis updates 2016
Sepsis updates 2016
 
Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01
Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01
Aulasepsisuti 6ano-130130065348-phpapp01
 
Sepse
SepseSepse
Sepse
 
Diaphragmatic function of sepsis
Diaphragmatic function of sepsisDiaphragmatic function of sepsis
Diaphragmatic function of sepsis
 
Choque séptico apresentação de slides
Choque séptico   apresentação de slidesChoque séptico   apresentação de slides
Choque séptico apresentação de slides
 
Sepse
SepseSepse
Sepse
 
Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...
Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...
Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...
 
Sessão de artigo
Sessão de artigoSessão de artigo
Sessão de artigo
 
Choques - Gabriela A., Larissa, Mariana, Gabriel S, Pedro P.
Choques - Gabriela A., Larissa, Mariana, Gabriel S, Pedro P.Choques - Gabriela A., Larissa, Mariana, Gabriel S, Pedro P.
Choques - Gabriela A., Larissa, Mariana, Gabriel S, Pedro P.
 
Sepse
SepseSepse
Sepse
 
Abordagem choque
Abordagem choqueAbordagem choque
Abordagem choque
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Sepse, sepse grave, choque séptico
Sepse, sepse grave, choque sépticoSepse, sepse grave, choque séptico
Sepse, sepse grave, choque séptico
 
Aula 5 necessidades humanas básicas
Aula 5 necessidades humanas básicasAula 5 necessidades humanas básicas
Aula 5 necessidades humanas básicas
 

Semelhante a Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-121277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1Reila Silva
 
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da SepseWebinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da SepseProqualis
 
protocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdfprotocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdfAguiarneto3
 
Campanha sobrevivendo à sepse 2012 mais atualizado
Campanha sobrevivendo à sepse 2012   mais atualizadoCampanha sobrevivendo à sepse 2012   mais atualizado
Campanha sobrevivendo à sepse 2012 mais atualizadoDaniel Valente
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsAroldo Gavioli
 
Linha de Cuidado de Sepse
Linha de Cuidado de SepseLinha de Cuidado de Sepse
Linha de Cuidado de SepseMarco Lamim
 
Linha de Cuidado de Sepse
Linha de Cuidado de SepseLinha de Cuidado de Sepse
Linha de Cuidado de SepseRegisKennedy
 
Manejo de sepse na pediatria— o que fazer?
Manejo de sepse na pediatria— o que fazer?Manejo de sepse na pediatria— o que fazer?
Manejo de sepse na pediatria— o que fazer?6ytc88k9hs
 
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda GraveProtocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda GraveFarmacêutico Digital
 
Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01
Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01
Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01Atila Haber
 
A paciente obstétrica na uti
A paciente obstétrica na utiA paciente obstétrica na uti
A paciente obstétrica na utiYuri Assis
 
Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013
Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013
Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013Juliana Ledur
 
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICAO PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICACaio Rafael Correa
 

Semelhante a Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico (20)

21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-121277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
 
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da SepseWebinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
 
protocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdfprotocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdf
 
Septic patient
Septic patientSeptic patient
Septic patient
 
Campanha sobrevivendo à sepse 2012 mais atualizado
Campanha sobrevivendo à sepse 2012   mais atualizadoCampanha sobrevivendo à sepse 2012   mais atualizado
Campanha sobrevivendo à sepse 2012 mais atualizado
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore news
 
Linha de Cuidado de Sepse
Linha de Cuidado de SepseLinha de Cuidado de Sepse
Linha de Cuidado de Sepse
 
Linha de Cuidado de Sepse
Linha de Cuidado de SepseLinha de Cuidado de Sepse
Linha de Cuidado de Sepse
 
Manejo de sepse na pediatria— o que fazer?
Manejo de sepse na pediatria— o que fazer?Manejo de sepse na pediatria— o que fazer?
Manejo de sepse na pediatria— o que fazer?
 
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda GraveProtocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
 
Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01
Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01
Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01
 
A paciente obstétrica na uti
A paciente obstétrica na utiA paciente obstétrica na uti
A paciente obstétrica na uti
 
Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013
Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013
Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013
 
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICAO PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
 
Hemorragia pós-parto
Hemorragia pós-partoHemorragia pós-parto
Hemorragia pós-parto
 
Dengue na Infância
Dengue na InfânciaDengue na Infância
Dengue na Infância
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
 
Artigo definições boas
Artigo   definições boasArtigo   definições boas
Artigo definições boas
 
Protocolo dengue 2014
Protocolo dengue 2014Protocolo dengue 2014
Protocolo dengue 2014
 
Intervenções na Sepse Materna
Intervenções na Sepse MaternaIntervenções na Sepse Materna
Intervenções na Sepse Materna
 

Mais de Letícia Spina Tapia

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleLetícia Spina Tapia
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarLetícia Spina Tapia
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampLetícia Spina Tapia
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaLetícia Spina Tapia
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012Letícia Spina Tapia
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLetícia Spina Tapia
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoLetícia Spina Tapia
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteLetícia Spina Tapia
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaLetícia Spina Tapia
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoLetícia Spina Tapia
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoLetícia Spina Tapia
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaLetícia Spina Tapia
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Letícia Spina Tapia
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilLetícia Spina Tapia
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasLetícia Spina Tapia
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILLetícia Spina Tapia
 

Mais de Letícia Spina Tapia (20)

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
 
Saberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da InclusãoSaberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da Inclusão
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criança
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescente
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - menina
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - menino
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
 

Último

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 

Último (10)

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 

Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico