Consumo X Consumismo
• Com a modernidade, assistiu-se a uma
intensificação do processo de individualização.
Conjugado a isso, houve uma
destrad...
Se as referências sociais se enfraqueceram, começa-se a
ser tomado como
referência o próprio eu. E o eu, sem levar em cons...
Temos então o surgimento do fenômeno do
consumismo: um cenário em que grande
parte das ações dos indivíduos estão
relacion...
Qual é a diferença entre Consumo e
Consumismo?
• No consumo, o ato de comprar está diretamente
relacionado à necessidade o...
Quais são as origens dessa tendência
consumista?
• A origem da tendência de compulsão pelo ato de comprar
tem suas origens...
• Podemos destacar a vinculação da
possibilidade de comprar ao poder,
já que, por muitos anos, o consumo
era privilégio de...
• O sociólogo polonês
Zygmunt Bauman afirma
que o consumismo é a
incessante criação de
desejos que implica na
contínua sub...
As faces do Consumismo
O consumismo constitui-se numa conduta peculiar.
Incitado a uma verdadeira cultura de
“experimentaç...
O anseio agora é por prazer,
afinal, se não há ideais
para toda a vida, resta o “carpe
diem do presente”: daí a busca
por ...
Enfim o consumismo deve ser evitado para que
as pessoas busquem a solução para seus
problemas de uma maneira mais saudável...
Referências:
• http://www.brasilescola.com/psicologia/consumismo.htm
Acessado às 17:18 em 07 de Novembro de 2014
• http://...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ConsumoXConsumismo Sociologia

433 visualizações

Publicada em

Trabalho de Sociologia sobre consumo e consumismo.
IFMSCPCX

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
433
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ConsumoXConsumismo Sociologia

  1. 1. Consumo X Consumismo
  2. 2. • Com a modernidade, assistiu-se a uma intensificação do processo de individualização. Conjugado a isso, houve uma destradicionalização da vida, que implicou em mudanças decisivas no que se refere ao “situar-se” do indivíduo no mundo. Sujeitos mais individualizados, que perderam suas referências, veem-se em uma situação de impasse, incertezas, inseguranças. Esse estado gera desconforto, fazendo surgir a necessidade de se criar, de algum modo, outras referências.
  3. 3. Se as referências sociais se enfraqueceram, começa-se a ser tomado como referência o próprio eu. E o eu, sem levar em consideração os outros, resume-se aos próprios gostos, necessidades, prazeres a serem buscados. Se essas são as novas “referências”, as motivações pessoais irão no sentido de atender a tais necessidades, satisfazê-las, saciá-las. Para tanto, o sujeito viverá, em grande medida, com o objetivo de adquirir objetos e serviços que o satisfaçam.
  4. 4. Temos então o surgimento do fenômeno do consumismo: um cenário em que grande parte das ações dos indivíduos estão relacionadas ao consumo. O consumo se destaca como norteador marcante da conduta de vida das pessoas na alta modernidade.
  5. 5. Qual é a diferença entre Consumo e Consumismo? • No consumo, o ato de comprar está diretamente relacionado à necessidade ou à sobrevivência. Já quando se trata de consumismo, essa relação está rompida, ou seja, a pessoa não precisa daquilo que está adquirindo. O consumismo está vinculado ao gasto em produtos sem utilidade imediata, supérfluos. Esse hábito vem sendo discutido por muitos autores em suas origens e dimensões. Alguns estudiosos apontam a importância da publicidade na construção da obsessão pelo ato de comprar. Outros autores destacam a vinculação histórica da possibilidade de compra à vida boa, riqueza, saúde. Isso quer dizer que ao longo dos anos, pessoas que tinham maior poder de compra eram consideradas melhores que pessoas com menor poder de compra.
  6. 6. Quais são as origens dessa tendência consumista? • A origem da tendência de compulsão pelo ato de comprar tem suas origens na história da humanidade. Após os eventos da Revolução Industrial, os processos de produção e circulação de bens foram agilizados. Com o avanço da produção, houve um grande distanciamento das pessoas e do conhecimento em relação aos meios de produção. Para entender como isso se deu, basta pensar o quanto você conhece, por exemplo, dos processos de produção das coisas que você compra. Você sabe como são fabricados os produtos de higiene, alimentação, itens de decoração e outros? Conhece as formas de distribuição, importação e exportação? É justamente esse desconhecimento que historicamente foi denominado alienação. A alienação é a principal dimensão do consumismo, está na base da compra desvinculada da necessidade e do desconhecimento em relação ao valor de compra e de uso.
  7. 7. • Podemos destacar a vinculação da possibilidade de comprar ao poder, já que, por muitos anos, o consumo era privilégio de classes mais ricas. Com o desenvolvimento econômico, da produção e da publicidade, as distâncias foram sendo diminuídas. O que se pode perceber na atualidade é um nivelamento de desejos: crianças pobres e ricas querem os mesmos brinquedos, adultos de classes sociais distintas têm as mesmas vontades, reforçadas pelos modelos e padrões de vida apresentados pela mídia, como os gostos e hábitos de celebridades. • A criação e valorização social de padrões de comportamento é outra dimensão importante do consumismo. Para atingir o padrão de sucesso e boa vida, inúmeras pessoas investem seus esforços para adquirir bens que não necessitam.
  8. 8. • O sociólogo polonês Zygmunt Bauman afirma que o consumismo é a incessante criação de desejos que implica na contínua substituição dos objetos, uma vez que novas necessidades são criadas o tempo todo e assim nos baseamos no excesso e no desperdício.
  9. 9. As faces do Consumismo O consumismo constitui-se numa conduta peculiar. Incitado a uma verdadeira cultura de “experimentação”, o indivíduo vive permanentemente para aquilo que é imediato. Há uma sensível desvalorização de ideais de longo prazo, fidelidade, projetos de vida; no máximo, essas coisas estão ligadas ao próprio consumo – em poucas palavras, o “sacrifício” realizado seria simplesmente “economizar para comprar algo”: o “carro dos sonhos”, “aquela viagem para o exterior”, o “tênis de marca” e assim por diante.
  10. 10. O anseio agora é por prazer, afinal, se não há ideais para toda a vida, resta o “carpe diem do presente”: daí a busca por inúmeras satisfações momentâneas, divertimentos, passatempos. Isso gera uma situação de ansiedade permanente de busca por novidades, substituição incessante de supérfluos, etc. o que também traz consequências para os relacionamentos entre as pessoas: superficialidade; relações descartáveis, unilaterais, em que a reciprocidade só ocorre até o ponto em que os interesses egoístas estão sendo satisfeitos.
  11. 11. Enfim o consumismo deve ser evitado para que as pessoas busquem a solução para seus problemas de uma maneira mais saudável e para que tenham uma vida financeira mais estável.
  12. 12. Referências: • http://www.brasilescola.com/psicologia/consumismo.htm Acessado às 17:18 em 07 de Novembro de 2014 • http://sociologia- consumismo.blogspot.com.br/2008/05/consumo-x- consumismo_13.html Acessado às 19:19 em 07 de Novembro de 2014 • http://ensinosociologia.fflch.usp.br/consumo Acessado às 19:34 em 07 de Novembro de 2014 http://sanjardim.blogspot.com.br/2012/06/resumo-consumo- e-consumismo.html Acessado às 19:38 em 07 de Novembro d 2014

×