RoteirosVejam os roteiros dos vídeos de um minuto. Exercício coletivo da turma VIII,no qual, o tema da campanha é trabalha...
2. Fim do mundoDuas pessoas conversam pela internet: Roberto, no seu computador, come umagordurosa fatia de pizza de uma c...
certo.    Seguir para ver onde as pessoas vão jogar a embalagem do que estãoconsumindo, e assim por diante.Para garantir c...
Opção de fechamento: no meio do lixo vem uma garrafa Pet com uma mensagemdentro. Criança abre e lê. Podemos sintetizar o t...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Roteiros - Video Minuto - Turma VIII

3.994 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.994
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Roteiros - Video Minuto - Turma VIII

  1. 1. RoteirosVejam os roteiros dos vídeos de um minuto. Exercício coletivo da turma VIII,no qual, o tema da campanha é trabalhado. 1. Alienação – “Eu zumbi” OBS: A trilha sonora aqui é decisiva para “criar o clima”Plano geral de uma rua relativamente movimentada. Todas as pessoas fazem açõesextremamente rotineiras e entediantes, ideia que é reforçada quando a câmera seaproxima e vemos que estas pessoas são, na verdade, zumbis. É interessante queestes zumbis tenham ações mecânicas que lembrem às de cidadãos de uma cidadecomo São Paulo, criando uma identificação. Podemos ter um zumbi executivo cujocarro solta uma horrível fumaça preta. Ele também expele fumaça do cigarro e jogaa bituca acesa pela janela do carro; Uma mulher zumbi distraída que anda e fala emdois celulares ao mesmo tempo, e para diante de uma vitrine que mostra outrosmodelos de celulares. Encantada pela vitrine ela não vê e pisoteia um mendigo queestava deitado na calçada; Um trabalhador zumbi opera uma britadeira (ou outroequipamento pesado) e, sem perceber, esmaga ou destrói um canteiro de flores; umcarro está sendo lavado por um outro zumbi, que deixa a mangueira abertadesperdiçando litros e litros de água na calçada. Um atleta zumbi pratica jogging.Ele bebe um isotônico, e deixa a garrafa vazia pelo caminho. Neste momento, umamulher zumbi se destaca entre os demais. Ela presta atenção na garrafa deisotônico deixada em um local inapropriado. Com alguma dificuldade, lutando contraos próprios instintos de alienação, ela pega a garrafa e olha com curiosidade. Apartir daí, começa a perder, pouco a pouco, a aparência de zumbi. Caminha comdificuldade, já com um olhar bem mais “humano”, e joga a garrafa em uma lixeira decoleta seletiva, onde se lê, em uma placa manchada de sangue e sujeira, “Plástico”.Quando vemos a mulher novamente, ela ganha caracterização humana, e se dáconta que está cercada por zumbis. Um dos zumbis olha para a humana cominteresse e começa lentamente a seguir seu exemplo. Encontra uma embalagem desalgadinho no chão, se abaixa e pega e olha indeciso, começando a adquirir umolhar mais humano. O zumbi que lavava o carro lentamente fecha a torneira. Outrozumbi vê a ação do anterior e resolve ajudar o mendigo pisoteado, que estava caídono chão, a se levantar. No fim, vemos vários humanos se transformando entre oszumbis. Entra letreiro que pode ser lido por locução cavernosa, tipo trailer de filmede terror: Rebele-se contra o vírus da alienação!
  2. 2. 2. Fim do mundoDuas pessoas conversam pela internet: Roberto, no seu computador, come umagordurosa fatia de pizza de uma caixa de papelão (tipo delivery) enquanto digita, eAndréia ainda está de pijama (um relógio pendurado na parede mostra que são trêshoras da tarde).Vemos o texto sendo digitado, sem diálogos.Roberto - OiAndréia - OiRoberto - td bem?Andréia - td e vc?Roberto – td bem, eu tava com saudade de vc, faz tempo que a gente não se vê,quero dizer tc rsrsrs.Andréia - eu tbm, a internet deu problema, entrei em desespero, cara imagina fiqueium dia inteiro sem, morguei o dia todo, não tem nada pra fazer!!!!Pela janela do quarto dela vemos que há um parque na frente da casa dela.Roberto - Imagina se a internet no mundo acaba? Como vamos saber o queacontece no mundo?Podemos ver um jornal jogado num cesto de lixo, perto dele.Andréia - Como vamos fazer compra, pagar as contas...Roberto - E o pior como a gente vai conversar?????Andréia – Nossa não quero nem imaginar, seria o FIM DO MUNDO!!!!Câmera sai pela janela até enquadrar a fachada do prédio, com várias janelas – asoutras exibem silhuetas de habitantes através das cortinas- revelando que os doissão vizinhos. 3. Flash MobInterferência (no estilo flash mob) em avenida ou região movimentada da cidade.Três atores, caracterizados como “bituca de cigarro”, “homem latinha” e “mulhersacolinha plástica”, fazem diversas intervenções engraçadas, enquanto câmerasregistram as reações das pessoas. Podem, por exemplo, seguir as pessoas quejogam objetos no chão, carregando as coisas que elas jogaram fora e ameaçandojogá-las de volta na direção delas (com cuidado para não ser um gesto muitoagressivo e despertar reações violentas). Imitar gestos das pessoas que fazemcoisas erradas. Aplaudir e chamar os outros para aplaudir as pessoas que agem
  3. 3. certo. Seguir para ver onde as pessoas vão jogar a embalagem do que estãoconsumindo, e assim por diante.Para garantir cenas divertidas, já que o que vai ocorrer será imprevisível, podemoster também um ou dois atores fazendo o papel de transeuntes comuns e cometendodiversos erros. Com eles a censura dos personagens “bituca”, “latinha” e “sacolinha”pode ser mais drástica e convincente. E filmaríamos as reações do público para verquem apóia os personagens e quem defende o transeunte.No final os personagens podem deitar no chão e fingir que estão dormindo, bem nomeio da faixa de pedestres ou em outro local de passagem impedindo o trânsito daspessoas, como se fossem o lixo jogado por elas. 4. Óleo = sabão ou poluição?Aqui a ideia é mostrar a tela dividida horizontalmente e açõesparalelas/sincronizadas entre as duas metades. Na metade superior uma mulherfrita algo, enquanto na metade inferior vemos a saída de esgoto de um rio. Quandoa mulher acaba de fritar, joga o óleo na pia – no mesmo momento vemos na metadeinferior da tela o óleo saindo pela saída de esgoto no rio. A imagem se transformapor meio de efeito e vemos a mesma mulher, desta vez colocando o óleo usadonuma garrafa pet para reciclar. Enquanto ela faz isso vemos na metade inferior datela o óleo caindo num tacho ou tanque onde está sendo feita uma mistura para virarsabão. Vemos a mulher entregando a garrafa de óleo num posto de reciclagem e nametade inferior da tela o sabão feito com óleo reciclado ficando pronto. No final entralettering instigador: Óleo = sabão ou poluição? 5. Prazo de validadeCriança olhando seu reflexo nas águas. Nesses reflexos surgem imagens da mesmacriança ficando gradativamente mais velha até a fase adulta: estudando, seformando, trabalhando, se apaixonando, tendo filho. Enquanto isso acontece a águavai ficando gradativamente poluída, cheia de resíduos e lixo, e no fim não dá paraver mais nada. No fim voltamos a ver imagem da criança com a frase: Ainda dátempo!
  4. 4. Opção de fechamento: no meio do lixo vem uma garrafa Pet com uma mensagemdentro. Criança abre e lê. Podemos sintetizar o texto abaixo (de autoria dos alunosna ideia 2 da sinopse Um pedido de socorro) ou produzir outro:Acorda!Faça parte dos que marcam a historia,Não feche os olhos pra o mundo, você precisa deleE ele precisa de você!Olhe para dentro de si mesmo e si pergunte:“o que eu faço pra melhorar o mundo?”E mude de verdadeO mundo esta simplesmente em nossas mãosVamos abraçá-lo e cuidar dele,Cuidar das pessoas que vivem aqui na Terra.Vamos dar as mãos e nos unir pelo bem de todos! 6. Só mais uns minutinhos... ou A paciência do pacienteO vídeo começa com imagens da fila de um posto de saúde, onde vemos opersonagem principal. Um calendário com cronômetro dispara no canto da tela:vemos que ele leva 20 minutos para marcar os exames. O cronometro aceleramarcando os dias, enquanto vemos cenas em câmera lenta do personagem com 2ou 3 figurinos diferentes, aguardando sempre em filas, com expressão cada vezmais doente e desanimada. Vemos, sempre com a ajuda do calendário/cronômetro,que ele levou 2 meses para fazer os exames exigidos + 20 minutos para marcaruma nova consulta (para dali a três meses) + 30 minutos na sala de espera para serchamado pelo médico, e finalmente ser recebido para a consulta. A música triunfalironiza a “conquista” enquanto letreiro resgata os números: 5 meses, 1 hora e 10minutos para ser recebido em consulta pelo médico. Vemos imagens aceleradas datão esperada consulta, que dura apenas 15 minutos ( marcados pelo cronômetro). Opaciente sai com um pedido de novos exames, voltando para a fila.

×