Successfully reported this slideshow.

Gerenciamento de Riscos: Uma Abordagem na Metodologia FEL

2.301 visualizações

Publicada em

Apresentação realizada no IX Seminário de Gerenciamento de Projetos do Espírito Santo no dia 25 de setembro de 2013

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Gerenciamento de Riscos: Uma Abordagem na Metodologia FEL

  1. 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS: UMA ABORDAGEM NA METODOLOGIA FEL Luciana Silva Fonseca, PMP, PMI-RMP Leonardo Dias Nascimento, PMP, PMI-RMP 25/set/2013
  2. 2. AGENDA OBJETIVO: APRESENTAR O GERENCIAMENTO DE RISCO NA METODOLOGIA FEL METODOLOGIA GERENCIAMENTO DE RISCOS ABORDAGEM ESTRUTURA CONCLUSÃO
  3. 3. FEL (FRONT END LOADING) O FEL é uma metodologia criada pela DuPont largamente utilizada para grandes projetos de capital, onde se estabelecem 3 FASES de planejamento nas quais o projeto só poderá avançar para a fase seguinte se aprovado no portão entre as fases. A metodologia do FEL é utilizada por grandes empresas e pelo IPA (independente Project Independent Project Analysis Analysis) http://www.ipaglobal.com
  4. 4. OBJETIVO NA UTILIZAÇÃO DO FEL  ASSEGURAR uma definição detalhada do escopo;  Estabelecer uma MATURIDADE suficiente para mitigar os riscos;  REDUZIR o número de alterações nas fases posteriores;  AUXILIAR nas análises e tomadas de decisões;  GARANTIR que o Projeto satisfaça os objetivos do negócio e tenha um resultado mais previsível.
  5. 5. CICLO DE PLANEJAMENTO DO FEL CICLO DE VIDA DO PROJETO SEGUNDO O IPA EXECUÇÃO E OPERAÇÃO FRONT END LOADING FEL 1 PORTÃO PLANO DO NEGÓCIO FEL 3 FEL 2 IMPLANTAÇÃO PORTÃO DESENVOLVIMEN TO DO ESCOPO PORTÃO PLANEJAMEN TO DO PROJETO APROVAÇÃO DO INVESTIMENT O START UP UTILIZAM O FEL EMPRESAS DO SETOR: ENERGIA MINERAÇÃO METAL MECÂNICA EXPLORAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS FARMACÊUTICA CONSTRUÇÃO CIVIL
  6. 6. CICLO DE PLANEJAMENTO DO FEL GRUPOS DE SUPORTE A TOMADA DE DECISÃO: MELHORA RA DEFINIÇÃO ENTRADA: PRODUTOS DA FASE DO FEL PORTÃO AVANÇAR PRÓXIMA FASE Perguntas respondidas no portão: 1. O projeto está alinhado com a estratégia da organização? ABORTAR E CANCELAR 2. O projeto é economicamente viável com base nas novas informações? 3. O projeto maximizou as análises e finalizou os produtos da fase do FEL? GRUPO DE REVISÃO COMITÊ DE PORTFÓLIO AUDITORIA EXTERNA COMPARATIVO COM BASE DE PROJETOS ANÁLISE DO RISCO GLOBAL DO PROJETO
  7. 7. ABORDAGEM DE RISCOS NAS FASES DO FEL CICLO DE VIDA DO PROJETO SEGUNDO O IPA EXECUÇÃO E OPERAÇÃO FRONT END LOADING FEL 1 PORTÃO PLANO DO NEGÓCIO ANALISAR O RISCO DO NEGÓCIO FEL 3 FEL 2 PORTÃO DESENVOLVIMEN TO DO ESCOPO ANALISAR O RISCO DO ESCOPO DE DESENVOLVIME NTO IMPLANTAÇÃO PORTÃO PLANEJAMEN TO DO PROJETO ANALISAR O RISCO DO PROJETO APROVAÇÃO DO INVESTIMENT O START UP
  8. 8. PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS INTEGRADOS AO FEL EXECUÇÃO E OPERAÇÃO FRONT END LOADING FEL 1 FEL 3 FEL 2 PORTÃO ANALISAR O RISCO DO NEGÓCIO PLANEJAR O GERENCIAMENTO DOS RISCOS IDENTIFICAR OS RISCOS PORTÃO ANALISAR O RISCO DO ESCOPO DE DESENVOLVIME NTO REALIZAR A ANÁLISE QUALITATIVA DOS RISCOS REALIZAR A ANÁLISE QUANTITATIVA DOS RISCOS IMPLANTAÇÃO START UP PORTÃO ANALISAR O RISCO DO PROJETO PLANEJAR AS RESPOSTAS AOS RISCOS CONTROLAR E MONITORAR OS RISCOS APROVAÇÃO DO INVESTIMENT OPara cada fase do FEL devemos passar por todos os processos de gerenciamento de riscos. Nos próximos slides vamos focar em alguns processos que são mais utilizados na fases para facilitar o entendimento do processo de gerenciamento de riscos.
  9. 9. ABORDAGEM DO GERENCIAMENTO DE RISCOS NO FEL 1 OBJETIVO: ANÁLISE DO RISCO DO NEGÓCIO CO FO PLANEJAR O GERENCIAMENTO DOS RISCOS IDENTIFICAR OS RISCOS REALIZAR A ANÁLISE QUALITATIVA DOS RISCOS REALIZAR A ANÁLISE QUANTITATIVA DOS RISCOS PLANEJAR AS RESPOSTAS AOS RISCOS CONTROLAR E MONITORAR OS RISCOS No início do projeto devemos focar no processo de identificação dos riscos inerentes à oportunidade do negócio, como: Engenharia Mercado Economia Ambiente Premissas
  10. 10. TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ALGUMAS TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO UTILIZADAS NO PROCESSO  Histórico de Projetos (Checklist/Prompt Lists)  Técnicas de Coleta de Informações  Brainstorming  Entrevistas  Reuniões com Equipe de Risco  Análise SWOT
  11. 11. TIPO DE TOLERÂNCIA AO RISCO Capacidade e disposição de uma pessoa ou organização para aceitar um dado evento. • Avesso • Neutro • Tolerante • Pró-Risco
  12. 12. ABORDAGEM DO GERENCIAMENTO DE RISCOS NO FEL 2 OBJETIVO: ANALISAR O RISCO DO ESCOPO DE PLANEJAR O DESENVOLVIMENTO 2 apoia a seleção da melhor alternativa (Engenharia, • O FEL GERENCIAMENTO DOS RISCOS CO FO IDENTIFICAR OS RISCOS REALIZAR A ANÁLISE QUALITATIVA DOS RISCOS REALIZAR A ANÁLISE QUANTITATIVA DOS RISCOS PLANEJAR AS RESPOSTAS AOS RISCOS CONTROLAR E MONITORAR OS RISCOS Ambiente, Tecnologia, ...) para o projeto. • Os processos de Análise Qualitativa dos Riscos ajudam na conclusão dos estudos de engenharia para a seleção da melhor alternativa para o projeto.
  13. 13. TÉCNICAS DE QUALIFICAÇÃO DOS RISCOS  REUNIÃO COM GRUPO DE ESPECIALISTAS  ENTREVISTA COM ESPECIALISTAS  QUESTIONÁRIOS PADRONIZADOS  LIÇÕES APRENDIDAS DE PROJETOS
  14. 14. TÉCNICAS DE QUALIFICAÇÃO DOS RISCOS  ORIGEM (TÉCNICA, NEGÓCIO, ENGENHARIA)  IMPACTO  FASE DO PROJETO  INFORMAÇÃO DISPONÍVEL
  15. 15. TÉCNICAS DE QUALIFICAÇÃO DOS RISCOS  AUDITORIAS DOS DADOS  BASE DE LIÇÕES APRENDIDAS  REUNIÕES COM ESPECIALISTAS
  16. 16. TÉCNICAS DE QUALIFICAÇÃO DOS RISCOS  ESCALA DE IMPACTO  ESCALA DE PROBABILIDADE  MATRIZ DE IMPORTÂNCIA  Avaliar cada risco de acordo com os critérios pré-definidos.  Ajustar as escalas usadas aos perfis de tolerância da organização.  Evitar criar uma escala linear.
  17. 17. TÉCNICAS DE QUALIFICAÇÃO DOS RISCOS  Classificar os riscos com base na matriz de probabilidade X impacto.  Criar uma lista dos Top Risks.  DIAGRAMA DE POSICIONAMENTO  Focar nos riscos com alto impacto e probabilidade.  Qualificar os riscos para apoiar a DECISÃO DE GO/NOGO.  LISTA DE RISCOS PRIORIZADOS  RANKING DOS RISCOS
  18. 18. DIAGRAMA DE POSICIONAMENTO DOS RISCOS  DIAGRAMA DE POSICIONAMENTO  RANKING DOS RISCOS  LISTA DE RISCOS PRIORIZADOS
  19. 19. DIAGRAMA DE POSICIONAMENTO DOS RISCOS IRRITAÇÕES Monitorar para que o grau de impacto se mantenha. ATENÇÃO E URGÊNCIA Analisar uma resposta que mitigue o risco no início. EVENTOS CONTROLADOS EVENTOS IMPROVÁVEIS Não gastar tempo com os riscos. Somente monitorar. Definir uma estratégia de risco.  DIAGRAMA DE POSICIONAMENTO  RANKING DOS RISCOS  LISTA DE RISCOS PRIORIZADOS
  20. 20. ABORDAGEM DO GERENCIAMENTO DE RISCOS NO FEL 3 OBJETIVO: ANALISAR O RISCO DO PROJETO PLANEJAR O GERENCIAMENTO DOS RISCOS IDENTIFICAR OS RISCOS O OC F REALIZAR A ANÁLISE QUALITATIVA DOS RISCOS REALIZAR A ANÁLISE QUANTITATIVA DOS RISCOS PLANEJAR AS RESPOSTAS AOS RISCOS CONTROLAR E MONITORAR OS RISCOS O FEL 3 tem início na seleção da melhor alternativa do FEL 2. É nessa fase que temos uma maior definição do projeto e no PORTÃO 3 temos a autorização para o investimento. No processo de Análise Quantitativa dos Riscos são realizadas simulações de cenários. No processo de Planejamento de Respostas aos Riscos é criado o documento com o plano para a lista dos Top Risks do projeto.
  21. 21. SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS PARA OS RISCOS SIMULAÇÕES DE CENÁRIOS EXPECTED MONETARY VALUE ÁRVORES DE DECISÃO SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO O EMV é a técnica mais utilizada na análise dos riscos, sendo muito útil na tomada de decisões e análise de situações mais complexas. EMV = Σpivi pi = probabilidade de ocorrência do evento vi = valor do impacto se o evento ocorrer
  22. 22. SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS PARA OS RISCOS SIMULAÇÕES DE CENÁRIOS EXPECTED MONETARY VALUE ÁRVORES DE DECISÃO SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO Utilizada em situações em que existem diversos eventos futuros com incerteza associada e relacionados entre si. A representação é gráfica e mostra a sequência cronológica dos eventos relacionados entre si.
  23. 23. SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS PARA OS RISCOS SIMULAÇÕES DE CENÁRIOS EXPECTED MONETARY VALUE ÁRVORES DE DECISÃO SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO Software PrecisionTree 6
  24. 24. SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS PARA OS RISCOS SIMULAÇÕES DE CENÁRIOS EXPECTED MONETARY VALUE ÁRVORES DE DECISÃO SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO  Reproduz múltiplos cenários de um sistema/projeto, mudando aleatoriamente as variáveis do sistema.  Os valores das variáveis tem uma distribuição probabilística pré-definida.  São compiladas todas as situações e fornecido em gráfico, o comportamento do sistema.  Fornece uma análise da probabilidade do projeto terminar dentro do objetivo (custo, tempo, escopo, ...).  Permite que o comitê de aprovação possa fazer a análise de sensibilidade.
  25. 25. SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS PARA OS RISCOS SIMULAÇÕES DE CENÁRIOS EXPECTED MONETARY VALUE ÁRVORES DE DECISÃO SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO Software @Risk
  26. 26. SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS PARA OS RISCOS SIMULAÇÕES DE CENÁRIOS EXPECTED MONETARY VALUE ÁRVORES DE DECISÃO SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO Software Oracle Crystal Ball
  27. 27. ESTRATÉGIA DE RESPOSTAS AOS RISCOS ABORDAGENS QUE DEVEMOS EVITAR: ABORDAGEM DO AVESTRUZ ABORDAGEM DO CRENTE ABORDAGEM DA NEGAÇÃO
  28. 28. RISCO NEGATIVO RISCO POSITIVO PREVENTIVA ELIMINAR EXPLORAR MITIGAR ELEVAR TRANSFERIR COMPARTILHAR REATIVA ESTRATÉGIA DE RESPOSTAS AOS RISCOS ACEITAR ATIVAMENTE ACEITAR PASSIVAMENTE ACEITAR ATIVAMENTE ACEITAR PASSIVAMENTE
  29. 29. CONCLUSÃO Aprofundar no entendimento dos Top Risks para saber qual o impacto na contingência; É importante realizarmos a gestão de riscos do projeto e da organização; Selecionar riscos que podemos atuar;
  30. 30. CONCLUSÃO É importante entender a tolerância ao risco da organização e das pessoas; Entrevistar pessoas de níveis de tolerância diferenciados; Importância de realizar a tendência de 3 pontos (otimista, realista e pessimista);
  31. 31. CONCLUSÃO A cada fase do FEL evoluímos a analise dos riscos a fim de ajudar nas tomadas de decisões; Em todas as fases do FEL são realizado todos os processos de Gerenciamento de Riscos; Em grandes projetos de capital, é importante realizarmos em cada fase do FEL a análise quantitativa com simulações de cenários;
  32. 32. CONCLUSÃO Uma metodologia é... uma trilha não um trilho
  33. 33. OBRIGADO! Luciana Silva Fonseca br.linkedin.com/pub/luciana-fonseca-mba-pmp-pmi-rmp/62/201/659 Leonardo Dias Nascimento br.linkedin.com/in/leonardodiasnascimento

×