Módulo a3.1 transporte nas plantas

893 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
893
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
79
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Módulo a3.1 transporte nas plantas

  1. 1. Biologia – módulo A3 – Transporte nas plantas Página 1Profª Leonor Vaz PereiraBIOLOGIA – Módulo A3 – Utilização da Matéria1. Transporte nas plantasPlantas não vasculares: São pouco diferenciadas e não apresentam sistemas de transporte deseivas nem tecidos condutores. Vivem em zonas húmidas, o movimento da água efetua-se porosmose e a matéria movimenta-se por difusão de célula a célula.Ex: musgos.Plantas vasculares: Dividem-se em dois grupos: as plantas semsementes e as plantas com sementes. Têm um duplo sistema decondução de água e solutos, constituído por tecidos especializados(xilema e floema) que estão organizados em feixes condutores eexistem em todos os órgãos da planta.Ex: fetos, angiospérmicas e gimnospérmicas.Seiva Bruta ou Xilémica → Água e substâncias minerais dissolvidas → Xilema → Sentido AscendenteSeiva Elaborada ou Floémica → Compostos orgânicos → Floema → Sentido DescendenteLocalização dos Sistemas de TransporteFolhas: Os feixes condutores de xilema e floemalocalizam-se ao nível das nervuras das folhas. Estassão mais salientes na página inferior da folha. Osfeixes condutores são duplos e colaterais, isto é,cada feixe tem xilema e floema, estando colocadoslado a lado. O xilema está mais próximo da páginasuperior e o floema está mais próximo da páginainferior.Caule: Nos caules os feixes também sãoduplos e colaterais. O xilema está voltadopara o centro do órgão e o floema estávoltado para fora.Raiz: Na raiz os feixes condutores sãosimples e alternos, isto é, cada feixetem somente xilema ou floema, osquais alternam.Estrutura dos Tecidos CondutoresXilema: Os seus elementos condutores são os vasos xilémicos, constituídos por células mortas,cujas paredes laterais possuem anéis de lenhina (substância impermeável).Floema: Os seus elementos condutores são os tubos crivosos, constituídos por células vivas, cujasparedes transversais, providas de orifícios, constituem as placas crivosas. Existem ainda, nofloema, células de companhia, células vivas com a função de fornecer energia aos tubos crivosos.
  2. 2. Biologia – módulo A3 – Transporte nas plantas Página 2Profª Leonor Vaz PereiraAbsorção de água e de solutos pelas plantasA maior parte da água e dos solutos necessários para as atividades da planta são absorvidos pelosistema radicular da planta. A eficiência deste processo deve-se à presença de pelos radiculares queaumentam a área da superfície da raiz em contacto com o solo.A absorção de água é feita por osmose: Solo (meio hipotónico) → Raiz (meio hipertónico)A absorção de solutos (iões) é feita por transporte ativo: Solo (meio hipotónico) → Raiz (meiohipertónico)Transporte no XilemaHipótese da pressão radicularA pressão que se exerce na raiz (pressão radicular) pode explicar a ascensão de água no xilema emalgumas situações uma vez que se trata do fenómeno causado pela acumulação de iões nas célulasda raiz que aumenta a concentração de soluto e provoca a entrada de água por osmose para ointerior da planta.Gutação: Quando a pressão radicular é muitoelevada e faz com que a água ascenda até àsfolhas onde é libertada nas margens sob a formade gotas.Exsudação: Quando se procede a uma podatardia de certas plantas e a água sai através docaule.Experimentalmente: Quando é possívelobservar a subida de água num tubo colocado nocorte de uma planta envasada.Porém, os valores de pressão radicular não são suficientes para explicar a ascensão da água até aocimo de certas árvores e por vezes nem se verificam e, por isso, é possível afirmar que existemoutros fatores responsáveis pela ascensão de água no xilema.Hipótese da tensão-adesão-coesãoTranspiração: A água chega às folhas através dos vasos de xilema, depois sai destes vasos porosmose para as células do mesofilo e posteriormente difunde-se para os espaços intercelulares epara a câmara estomática. Através da transpiração o vapor de água é libertado pelo ostíolo para oexterior, também por difusão. Este fenómeno cria uma tensão (pressão negativa) e a água passa doxilema para o mesófilo, onde a pressão osmótica aumentou, por osmose.Coesão e Adesão no xilema: As moléculas de água mantêm-se unidas devido a forças de coesão eaderem às paredes dos vasos devido a forças de adesão, formando uma coluna contínua ascendente(corrente de transpiração).Absorção de água do solo: A ascensão de água cria um défice da mesma no xilema da raiz fazendocom que novas moléculas de água passem para o xilema, o que determina a absorção ao nível daraiz por osmose uma vez que o potencial de água no solo é elevado.A transpiração acaba por ser o “motor” que faz ascender a seiva xilémica e por isso quando atranspiração aumenta, a absorção também aumenta e a ascensão de seiva torna-se mais rápida.
  3. 3. Biologia – módulo A3 – Transporte nas plantas Página 3Profª Leonor Vaz PereiraControlo da Transpiração: Os estomas são responsáveis por controlar a quantidade de água perdidapor transpiração.Estrutura do EstomaNas células-guarda as paredes celulares que rodeiam o ostíolo são mais espessas do que as paredesque contactam com as outras células da epiderme. As zonas mais finas das paredes celulares têmmaior elasticidade do que as zonas de maior espessura.Quando há entrada de água, esta exerce uma pressão de turgescência sobre a parede celular o queprovoca a deformação da região mais fina da mesma e leva à abertura dos estomas (meio pobre emiões K+).Quando a célula perde água e a pressão de turgescência diminui, o estoma volta à sua formanormal, aproximando-se das células-guarda, o que provoca o fecho dos estomas (obscuridade).Fatores que fazem variar a pressão de turgescência das células-guarda: Intensidade Luminosa; Concentração em CO2; Valores de pH; Concentração de iões.Transporte no FloemaHipótese do Fluxo de Massa1. A glicose elaborada nos órgãos fotossintéticos é convertida em sacarose e passa para ofloema por transporte ativo.2. À medida que aumenta a concentração de sacarose nos tubos crivosos, a pressão osmóticaaumenta e a água sai do xilema para o floema por osmose.3. Aumenta a pressão de turgescência, o que faz com que o conteúdo dos tubos crivososatravesse as placas crivosas por difusão simples.4. A sacarose passa do floema para locais de consumo ou reserva por transporte ativo.5. À medida que diminui a concentração de sacarose nos tubos crivosos, a pressão osmóticadiminui e a água sai do floema para o xilema por osmose.Evidências• A saída de seiva sob pressão quando se corta pelo estileteum afídio inserido no floema.• Os diferentes gradientes de concentração de sacarose aolongo do floema.Células-GuardaOstíolo

×