Introdução à investigação

1.708 visualizações

Publicada em

Resumo de ideias-chave para iniciação à prática da investigação científica.

Publicada em: Educação
4 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.708
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
129
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
68
Comentários
4
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução à investigação

  1. 1. O que é a ciência? Introdução à investigação Leonel Morgado leonel.morgado@uab.pt Universidade Aberta 2014
  2. 2. “One thing I have learned in a long life: that all our science, measured against reality, is primitive and childlike -- and yet it is the most precious thing we have.” Albert Einstein De http://www.aip.org/history/einstein/philos1.htm Será mesmo dele? http://en.wikiquote.org/wiki/Talk:Albert_Einstein O ceticismo é uma forma de estar e de ser, mesmo nas pequenas coisas.
  3. 3. Será fácil encontrar factos?
  4. 4. Os factos são fugidios. Caracterizá-los e validá-los é uma tarefa complexa.
  5. 5. Será fácil extrair conclusões?
  6. 6. Raciocínio circular: petitio principii http://photos1.blogger.com/img/206/1225/1024/dilbert.jpg
  7. 7. Os brasileiros gostam de praia, café, carnaval e futebol. O vinho é uma bebida saudável, que faz bem ao coração. É estimulante. Reconheceram-no todos os povos antigos. Os meus conhecimentos da matemática não vão além das quatro operações e das frações ordinárias; mas tenho um salário maior que o de muitos engenheiros. Espero que o senhor aceite o portfólio e me dê uma boa nota, pois passei cinco noites sem dormir e ainda por cima a tratar da minha avó, que está muito doente. Adaptado de http://www.pucrs.br/gpt/falacias.php Apelo à antiguidade: argumentum ad antiquitatem Apelo à misericórdia: argumentum ad misericordiam Generalização não qualificada: dicto simpliciter Causa complexa Falácia Falácia Falácia Falácia
  8. 8. “O Benfica tem vindo a ganhar consecutivamente desde a 11.ª Jornada. Por isso provavelmente ganhará agora mais dois ou três jogos.” Jornada n.º 19 Jornada n.º 20 Jornada n.º 18 Omissão de dados (Por acaso até ganhou…) Falácia http://infordesporto.sapo.pt
  9. 9. http://www.onegoodmove.org/fallacy/toc.htm Para extrairmos conclusões, temos de elaborar um raciocínio lógico e fundamentado sobre os factos. (O que requer um levantamento do estado da arte, como se refere mais à frente.)
  10. 10. Que fazemos com as conclusões?
  11. 11. On Bullshit Harry G. Frankfurt Com o acumular das conclusões, vamos contruindo teorias.
  12. 12. Qual o papel da teoria em ciência?
  13. 13. http://rlv.zcache.com/gravity_its_just_a_theory_bumper_sticker-rb471ca7cd27947b29f911da6e35e13e2_v9wht_8byvr_512.jpg Uma teoria científica não é uma mera hipótese (esse é o significado coloquial de “teoria”).
  14. 14. http://www.youtube.com/watch?v=CCZN1YfbVQM Pelo que dizer “apenas uma teoria”, em ciência, é uma contradição! Uma teoria é patamar mais elevado do conhecimento científico.
  15. 15. Como se faz ciência em tecnologia? Que saberes almejamos? Em que saberes nos fundamentamos?
  16. 16. https://lh5.googleusercontent.com/-z2VRw61tJYg/AAAAAAAAAAI/AAAAAAAABuQ/1luPzKfbjc8/photo.jpg http://2.bp.blogspot.com/_z_8PcT8aPoA/TUYYQ_PajwI/AAAAAAAAAJo/T5R7rTco9d4/s400/organon.jpg No discurso comum, encontramos a divisão de saberes proposta por Aristóteles. http://plato.stanford.edu/entries/aristotle/#CatThe
  17. 17. Refletida, por exemplo, no lema da Universidade de Aveiro: Teoria / Criação / Prática http://www.ua.pt/
  18. 18. http://www.idt.mdh.se/kurser/ct3340/ht11/Science-Lectures/lecture3-Research-Technology-Transdisciplines.pdf
  19. 19. theoria poiesis Produção de verdade Produção de objetivos, resultados, obras, coisas Visão aristotélica (desatualizada)
  20. 20. theoria poiesis Produção de verdade Produção de objetivos, resultados, obras, coisas Crítica da divisão aristotélica (http://www.hyle.org/journal/issues/3/schumm.pdf) • A divisão nos Objetos, nos Fins e nas Atividades ignora: • ontologias dinâmicas (o objeto é mutável) • o método experimental (a prática e a conceção são fontes de teoria) • as metodologias modernas • a ciência moderna de grande dimensão (onde os saberes se combinam e as tarefas se articulam para avançar). • A divisão nos Métodos ignora a variedade de métodos científicos • A divisão no Tipo de Inovação e no Tipo de Resultados é arbitrária e ignora: • os pressupostos meta-metodológicos • a irrelevância pragmática
  21. 21. Produção de conhecimento científico Conhecimento sobre o ser, sobre o que existe Conhecimento sobre como se produz, cria Visão atual Conhecimento sobre os atos theoria poiesis praxis
  22. 22. theoria poiesis A forma de exprimir o conhecimento é ainda hoje a grande distinção entre a prática das várias disciplinas do saber. A investigação na área do saber da Tecnologia Web pode ser abordada pela perspetiva do saber teórico e/ou do saber produtivo. Para ambas as perspetivas podem contribuir as diversas disciplinas do saber, usando para isso as suas linguagens próprias. http://www.hyle.org/journal/issues/3/schumm.pdf
  23. 23. Como conhecer os saberes atuais, para que o nosso raciocínio seja fundamentado?
  24. 24. Revisões bibliográficas vg. “estado da arte” http://static.wixstatic.com/media/a76418_bc83c72d9c594a5a98022b8136356e45.png_srz_960_347_85_22_0.50_1.20_0.00_png_srz
  25. 25. Encontrar documentos Avaliar documentos http://www.aceshowbiz.com/images/news/dr-strange-could-be-featured-in-thor-the-dark-world.jpg
  26. 26. Identificar as informações relevantes e resumir o conhecimento atual. http://www.aceshowbiz.com/images/news/dr-strange-could-be-featured-in-thor-the-dark-world.jpg
  27. 27. Encontrar o “vazio” que a investigação vai cobrir, enquadrá-la, defini-la. Imagem de origem desconhecida
  28. 28. Avaliar e sintetizar informações face aos conceitos definidos para a investigação Imagem de Christin, Pierre & Mézières, Jean-Claude (1980). Métro Châtelet, Direction Cassiopée. Paris: Dargaud.
  29. 29. Alcançar uma lógica ou justificação para a investigação. http://1.bp.blogspot.com/-Txn3gs1LJXQ/T6j7xCtO_8I/AAAAAAAAAtU/5DVvn__w8Mc/s1248/Couvertures+facebook-7-zen_03.jpg
  30. 30. Ferfolja, T.; Burnett, L. (2002). Getting Started on Your Literature Review – A General Guide for Postgraduate Research Students. http://www.lc.unsw.edu.au/onlib/pdf/Litrev.pdf
  31. 31. Posicionamentos: palavras ou frases que indicam a avaliação que o escritor faz.
  32. 32. Ênfases: palavras ou frases sobre a força da afirmação ou o grau de confiança que se tem nela.
  33. 33. Avaliações: palavras ou frases que falam do grau de certeza, possibilidade ou probabilidade de algo.
  34. 34. Associações: palavras ou frases que indicam a relação entre o escritor e o público a que se destina o texto.
  35. 35. De início: explorar... http://www.startrek.com/uploads/assets/articles/88a655d7cb03dc1201029e356d99ca9e8e803e59.jpg
  36. 36. ...depois refinar! http://www.auto.co.il/content/articles/00/10/00/00/29293-3.jpg
  37. 37. Interesse Curiosidade Trabalho Revisão inicial Revisão exploratória Revisão focada Revisão refinada Observações Análise Pergunta(s) refinada(s) Análise Documentação Pergunta final Contributos Artigo PdP documentado Bibliografia Da ideia... ...ao ponto de partida (“PdP”)!Liston, K. (2006). Literature Review Methods: Point of Departure. http://www.stanford.edu/class/cee320/CEE320A/POD.pdf Terminologia Locais de pesquisa para o PdPTemas a explorar Mais perguntas Terminologia Áreas de contributos Artigos e referências específicos Áreas do PdP Resumo do PdP Bibliografia de trabalho Observações Pergunta inicial http://www.cygnus-x1.net/links/lcars/blueprints/STXI-Enterprise-sheet-1.jpg
  38. 38. Por fim, algumas sugestões práticas
  39. 39. Para começar… http://www.famemagazine.co.uk/wp-content/uploads/2011/02/Himalaya-Trail2.jpg
  40. 40. http://scholar.google.com/ http://ieeexplore.ieee.org/ http://portal.acm.org/ http://portal.acm.org/ http://science.thomsonreuters.com/mjl/ http://academic.research.microsoft.com/ http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_academic_databases_and_search_engines Lista de bases de dados e motores de busca para a academia 100 motores de busca para a academia http://www.teachthought.com/technology/100-search-engines-for-academic-research/ http://www.ieee.org/conferences_events/index.html Conferences & Events
  41. 41. Nem tudo está no Google! http://www.upphotos.net/wallpapers/2012/12/Google-Classic-Old-Art-Logo-485x728.jpg
  42. 42. Além de bases de dados não indexadas pelo Google, há muitos livros (físicos e digitais que podem ser úteis (especialmente para início de exploração). http://books.google.com http://www.amazon.com/
  43. 43. Turkle, Sherry & Papert, Seymour (1990). Epistemological Pluralism: Styles and Voices within the Computer Culture, Epistemology and Learning Group Memo, 3 (setembro de 1990). Epistemology and Learning Group, Media Laboratory, Massachusetts Institute of Technology, Cambridge, MA, EUA. Também publicado em Signs, ISSN 0097-9740, 16 (1), 1990, 128- 155, The University of Chicago Press, Chicago, Illinois, USA, EUA. Consultado na versão on-line, obtida a 2 de julho de 2004 em http://www- personal.si.umich.edu/~rfrost/c ourses/Women+Tech/readin gs/Turkle %20(Signs).pdf.Para não ser um pesadelo a adaptação posterior! Ao encontrar um artigo interessante… registar de imediato os dados bibliográficos, da forma mais completa possível!
  44. 44. • Qual é a ideia principal? • O que tem a ver com a nossa investigação? • Quais os contributos? • Quais os métodos? • Quais os instrumentos? …e apontar em que páginas estão estas coisas, se for um texto grande! Para não ser um pesadelo filtrar e encontrar o que interessa, mais tarde! Para cada artigo interessante, tirar notas onde constem os aspetos essenciais.
  45. 45. Há ferramentas para nos ajudar (e regularmente surgem novas).
  46. 46. Há ferramentas para nos ajudar (e regularmente surgem novas).
  47. 47. Há ferramentas para nos ajudar (e regularmente surgem novas).
  48. 48. Combinar duas abordagens clássicas: a bola de neve… http://www.greenbiz.com/sites/default/files/snowball-seahorse-sstock.jpg
  49. 49. …que só olha para o passado… http://www.sdc.uwo.ca/writing/gradhandouts/Academic%20Tasks%20-%20Literature%20Reviews%20-%20Presentation.pdf
  50. 50. …com a revisão sistemática… http://egyptmineaction.com/wp-content/uploads/2014/02/4.jpg
  51. 51. Definir os critérios de inclusão -Palavras-chave -Contexto -Métodos -Variáveis ... http://www.york.ac.uk/inst/crd/pdf/Systematic_Reviews.pdf Fazer a busca Incluir/excluir Analisar os resultados Ver se não está feita há pouco! Síntese …que requer algum conhecimento prévio.
  52. 52. Fazei ciência! http://news.mongabay.com/2005/0927-megatransect_of_madagascar.html

×