Xinga Muito no Twitter

537 visualizações

Publicada em

O Twitter ampliando o poder do boca-a-boca.

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
537
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Xinga Muito no Twitter

  1. 1. “Vou xingar no Twitter hoje. Muito. Sério.”<br />
  2. 2. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul<br />Faculdade de Comunicação Social<br />Pesquisa de Mercado II<br />XINGA MUITO NO TWITTER!<br />Você aproveita a rede social para reclamar?<br />
  3. 3. Introdução<br /><ul><li>O número de internautas brasileiros está crescendo cada vez mais, e com eles, o tempo gasto navegando na internet
  4. 4. A média de horas navegando aumentou para 62 horas e 19 minutos em fevereiro deste ano
  5. 5. A internet passou a representar um importante fator social
  6. 6. A utilização de redes sociais também passou a representar uma grande parcela do público consumidor, assim que passou a ter maior mobilidade</li></li></ul><li>Introdução<br /><ul><li>Usuários de smartphones também se multiplicaram no Brasil, apesar de ainda estarem muito concentrados
  7. 7. As redes sociais passaram a ter, também, poder de mobilização, como aconteceu em alguns casos recentes
  8. 8. Assim, buscamos traçar um perfil do heavyuser do Twitter, mensurando a freqüência com que este usuário se utiliza da rede social como ferramenta para se fazer ouvir – sobretudo quando é desagradado</li></li></ul><li>Objetivos<br /><ul><li>Identificar perfil do usuário do Twitter
  9. 9. Mensurar os ‘horários de pico’ / tempo médio de acesso no microblog
  10. 10. Determinar quais os produtos/serviços mais citados
  11. 11. Determinar quais os produtos/serviços mais criticados
  12. 12. Qual a relevância que o usuário do Twitter dá a uma reclamação que ele vê no microblog</li></li></ul><li>Método<br /><ul><li>Deskresearch: levantamento de dados já existentes sobre o tema em questão.
  13. 13. Elaboração do questionário: elaborado partindo dos dados recolhidos na deskresearch.
  14. 14. Realização do trabalho de Campo: aplicação do questionário aos entrevistados que circulavam pelo campus da PUCRS nos dias 15, 16, 17, 18, 19, e 24 e Maio.
  15. 15. Para responder era preciso ter conta no twitter.
  16. 16. Tabulação dos Dados: dados tabulados e organizados para a próxima etapa.
  17. 17. Analise dos resultados : os dados recolhidos são analisados e interpretados para chegar a conclusões válidas para esta pesquisa
  18. 18. Número total de entrevistados: 72 pessoas</li></li></ul><li>
  19. 19. Cronograma<br /> <br /> <br /> <br /> <br /> <br />
  20. 20.
  21. 21.
  22. 22.
  23. 23.
  24. 24.
  25. 25.
  26. 26.
  27. 27.
  28. 28.
  29. 29. Os tweets que mais influenciam as pessoas são de amigos, seguidos de jornalistas ou formadores de opinião.<br />
  30. 30. Conclusão<br /><ul><li>Perfil: maioria estudantes da PUCRS, do sexo masculino, com média de idade de 21 anos, pertencentes a classe social B1.
  31. 31. A faixa de horário em que mais acessam o Twitter é entre a tarde e a noite.
  32. 32. Em relação a reclamação, a maioria não reclama, mas dá RT quando outras pessoas reclamam.
  33. 33. Normalmente porque se identificam com o caso e/ou tiveram o mesmo problema com a marca.</li></li></ul><li>Conclusão<br />Os principais motivos de reclamação são produtos defeituosos ou mau atendimento.<br />Durante a pesquisa percebemos que, em geral, as pessoas não se sentem à vontade para reclamar. <br />
  34. 34. #muito_obrigado!<br />Apresentação:<br />Leonardo EspinozaNetto<br />@leohimself<br />

×