SlideShare uma empresa Scribd logo
A Terra conta a sua História
 Na Antiguidade, tudo era imutável! Considerava-se
que a Terra, o Céu, o Homem e todos os seres que
o rodeavam tinham sido criados conjuntamente,
permanecendo iguais ao longo dos tempos. A Terra
não tinha uma história.
Tempos de Mudança
 Com Charles Darwin, no
século XIX, surgiu uma nova
perspectiva: a da evolução
dos seres vivos.
Onde está escrita a história da
Terra?
 As rochas constituem o "livro" onde se escreve a
história da Terra; os fósseis são as "palavras",
muitas vezes frases incompletas, e, por isso, é
fundamental saber interpretá-las.
 Os fósseis encontram-se, geralmente, nas rochas
sedimentares. Algumas destas rochas formaram-se
lentamente a partir de partículas provenientes de
outras rochas (sedimentos), Com essas partículas,
depositaram-se organismos ou parte deles.
Como se chama a ciência que
estuda os fósseis?
A ciência que estuda os
fósseis é a Paleontologia.
Como se chamam os cientistas
que estudam os fósseis?
Os cientistas que estudam
os fósseis são os
Paleontólogos.
 O paleontólogo estuda os fósseis, também, para
perceber como estes se formaram e como podem
ser usados para a datação relativa dos estratos
rochosos em que ocorrem.
Fóssil
 Os fósseis são restos mineralizados, marcas ou
outros vestígios de seres vivos que viveram há
muito tempo no nosso planeta.
 O processo pelo qual o organismo, parte dele ou
vestígios da sua actividade ficam preservados,
permitindo que chegue aos nossos dias é chamado
de fossilização.
Etapas do processo de fossilização
Fósseis
Etapas de formação de um
fóssil
 Para que ocorra a fossilização é necessário que:
 o organismo fique rapidamente ao abrigo dos
agentes de erosão
 sejam rapidamente cobertos de sedimentos
 Os fósseis correspondem geralmente a partes duras
do corpo de um organismo, carapaça e esqueleto,
embora também possa ficar preservada a totalidade
do corpo.
Os organismos ficam soterrados no fundo do mar e são
lentamente cobertos por camadas de sedimento
As camadas inferiores transformam-se em rochas mais
compactas e os restos dos organismos fossilizam. O mar recua
e é agora a superfície de um continente.
A rocha onde os fósseis se encontram podem sofrer a pressão
de determinadas forças e dobrar-se. Após a acção erosiva dos
agentes do meio ambiente, esses fósseis podem ficar próximos
da superfície.
Finalmente, os fósseis ficam expostos à superfície e poderão
ser encontrados.
 Será que todos os fósseis se formam
através do mesmo processo?
Processos de fossilização
1 - Mumificação ou conservação total
Todo ou quase todo o ser vivo fica conservado, mesmo
as suas partes moles.
Após a morte, o ser vivo é envolvido por uma
substância (como por exemplo, o gelo) que
permite a sua conservação.
Exemplos de mumificação:
 Insectos conservados em âmbar.
 Mamutes conservados no gelo.
Conservação em âmbar
Mamute conservado no gelo
Este animal encontrado na Sibéria é um Mamute, uma espécie de
elefante pré-histórico.
O animal é do sexo masculino e encontra-se em bom estado, por
isso os cientistas optaram por levar o exemplar para uma caverna
localizada em Khatanga na Sibéria, onde a temperatura se mantém
sempre abaixo de 0 ºC.
Processos de fossilização
2 - Moldagem
Não se conservam quaisquer partes do organismo,
ficando apenas uma reprodução ou molde das
suas partes duras.
Reprodução da estrutura interna  Molde interno.
Reprodução da estrutura externa Molde externo.
O interior do organismo
enche-se de sedimentos que
reproduzem os detalhes da
sua estrutura interna
O organismo, ao morrer, cai
sobre os sedimentos, deixando
impressas as suas
características estruturais
externas
Molde interno Molde externo
Moldagem
Molde Externo
Molde Externo
Molde Interno
Molde
Interno
Processos de fossilização
3 - Mineralização
Os sedimentos que envolvem o ser vivo sofrem
compressão devido ao peso dos depósitos que estão
por cima.
A matéria que constitui o ser vivo (matéria orgânica) é
substituída gradualmente por minerais, como a calcite
e a sílica, ficando o ser vivo transformado em “pedra”.
Mineralização
Trilobite
Amonite
Cabeça de dinossauro
mineralizada
Mineralização
Troncos petrificados
Marcas de actividade
Constituem o tipo de fossilização mais abundante.
São vestígios da actividade dos seres vivos,
impressos nas rochas.
Fornecem informações importantes sobre o modo de
vida dos seres vivos.
Podem ser:
 Pegadas de dinossauros
 Fezes fossilizadas
 Ovos fossilizados
Pegadas de dinossauros
Ovos fossilizados
Fezes fossilizadas - Coprólitos
Tartaruga do período Miocénico
Dinossauro herbívoro do período Jurássico
Fósseis vivos
 São seres vivos que existem desde há muitos
milhões de anos.
 Mantiveram as suas características ao longo do
tempo, pois adaptaram‐se bem aos variados
ambientes que a Terra atravessou.
 Actualmente existem fósseis destes seres e também
existem exemplares vivos.
Fósseis Vivos
Celacanto
Latimeria chalumnae
Fósseis Vivos
Gingko
Gingko biloba L.
Fósseis Vivos
Nautilus sp.
Fósseis Vivos
Caranguejo-ferradura
Limulus polyphemus L.
O que nos dizem os fósseis?
Foram descobertos
fósseis de animais
marinhos nos Himalaias
Essas rochas formaram-se
no mar!!!
O que nos dizem os fósseis?
Foram descobertos
fósseis de palmeiras em
rochas na Gronelândia
A Gronelândia já teve um
clima quente!!!
Importância dos fósseis
 Permitem estudar a evolução da vida na Terra.
 Permitem datar as rochas e determinar ambientes antigos.
Coral
500 M.a. – actualidade
Vivem apenas em ambientes de
águas calmas, quentes e pouco
profundas
Amonite
248 M.a. – 66 M.a.
Fóssil de Idade Fóssil de Fácies
Fósseis de idade
• São fósseis de seres vivos
que viveram durante um
curto espaço de tempo
geológico e que tiveram
uma grande dispersão
geográfica.
• Exemplos: trilobite e
amonite.
Fósseis de fácies
São fósseis que permitem reconstituir o seu
ambiente de formação.
 Os corais são bons
indicadores de ambiente,
pois só se formam no
mar a uma profundidade
de 50 metros com
temperaturas
relativamente altas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

HistóRia Da Terra
HistóRia Da TerraHistóRia Da Terra
HistóRia Da TerraIsabel Lopes
 
2- ETAPAS DA HITÓRIA DA TERRA
2- ETAPAS DA HITÓRIA DA TERRA2- ETAPAS DA HITÓRIA DA TERRA
2- ETAPAS DA HITÓRIA DA TERRAsandranascimento
 
Etapas EvoluçãO Hstoria Da Terra
Etapas EvoluçãO Hstoria Da TerraEtapas EvoluçãO Hstoria Da Terra
Etapas EvoluçãO Hstoria Da TerraSérgio Luiz
 
A Terra conta a sua historia
A Terra conta a sua historiaA Terra conta a sua historia
A Terra conta a sua historiaLeonardo Alves
 
CN: Terra Em Transformação - Etapas Historia da Terra
CN: Terra Em Transformação - Etapas Historia da TerraCN: Terra Em Transformação - Etapas Historia da Terra
CN: Terra Em Transformação - Etapas Historia da Terra7F
 
Eras geológicas slide
Eras geológicas slideEras geológicas slide
Eras geológicas slidegeolourdes
 
História da terra
História da terraHistória da terra
História da terranovaisdias
 
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaEras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaLuiz Carlos
 
Tempo Geológico
Tempo GeológicoTempo Geológico
Tempo GeológicoLucca
 
Tempo geológico e história da terra
Tempo geológico e história da terraTempo geológico e história da terra
Tempo geológico e história da terras1lv1alouro
 
P Pdo Jant..
P Pdo Jant..P Pdo Jant..
P Pdo Jant..8ºC
 
Grandes etapas da história da terra
Grandes etapas da história da terraGrandes etapas da história da terra
Grandes etapas da história da terraacatarina82
 

Mais procurados (19)

HistóRia Da Terra
HistóRia Da TerraHistóRia Da Terra
HistóRia Da Terra
 
2- ETAPAS DA HITÓRIA DA TERRA
2- ETAPAS DA HITÓRIA DA TERRA2- ETAPAS DA HITÓRIA DA TERRA
2- ETAPAS DA HITÓRIA DA TERRA
 
Etapasp
EtapaspEtapasp
Etapasp
 
Tempo GeolóGico
Tempo GeolóGicoTempo GeolóGico
Tempo GeolóGico
 
Etapas EvoluçãO Hstoria Da Terra
Etapas EvoluçãO Hstoria Da TerraEtapas EvoluçãO Hstoria Da Terra
Etapas EvoluçãO Hstoria Da Terra
 
A história da terra
A história da terraA história da terra
A história da terra
 
A Terra conta a sua historia
A Terra conta a sua historiaA Terra conta a sua historia
A Terra conta a sua historia
 
CN: Terra Em Transformação - Etapas Historia da Terra
CN: Terra Em Transformação - Etapas Historia da TerraCN: Terra Em Transformação - Etapas Historia da Terra
CN: Terra Em Transformação - Etapas Historia da Terra
 
Eras geológicas da terra
Eras geológicas da terraEras geológicas da terra
Eras geológicas da terra
 
Formação do planeta terra e a origem da
Formação do planeta terra e a origem daFormação do planeta terra e a origem da
Formação do planeta terra e a origem da
 
Evolução da planeta terra.
Evolução da planeta terra.Evolução da planeta terra.
Evolução da planeta terra.
 
Eras geológicas slide
Eras geológicas slideEras geológicas slide
Eras geológicas slide
 
História da terra
História da terraHistória da terra
História da terra
 
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaEras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
 
Tempo Geológico
Tempo GeológicoTempo Geológico
Tempo Geológico
 
as minhas eras geologicas
as minhas eras geologicas as minhas eras geologicas
as minhas eras geologicas
 
Tempo geológico e história da terra
Tempo geológico e história da terraTempo geológico e história da terra
Tempo geológico e história da terra
 
P Pdo Jant..
P Pdo Jant..P Pdo Jant..
P Pdo Jant..
 
Grandes etapas da história da terra
Grandes etapas da história da terraGrandes etapas da história da terra
Grandes etapas da história da terra
 

Destaque

Brasil - Rio Grande do Sul - inverno gaúcho
Brasil - Rio Grande do Sul - inverno gaúchoBrasil - Rio Grande do Sul - inverno gaúcho
Brasil - Rio Grande do Sul - inverno gaúchoLeonardo Alves
 
Morfologia dos continentes e dos fundos oceânicos
Morfologia dos continentes e dos fundos oceânicosMorfologia dos continentes e dos fundos oceânicos
Morfologia dos continentes e dos fundos oceânicosLeonardo Alves
 
Apresentação Sistema Bbocabocaportugal
Apresentação Sistema BbocabocaportugalApresentação Sistema Bbocabocaportugal
Apresentação Sistema BbocabocaportugalLeonardo Alves
 
SISTEMA DIGESTIVO e DIGESTÃO
SISTEMA DIGESTIVO e DIGESTÃOSISTEMA DIGESTIVO e DIGESTÃO
SISTEMA DIGESTIVO e DIGESTÃOLeonardo Alves
 
Teoria da-mobilidade-dos-fundos-ocenicos-1193668347603255-5
Teoria da-mobilidade-dos-fundos-ocenicos-1193668347603255-5Teoria da-mobilidade-dos-fundos-ocenicos-1193668347603255-5
Teoria da-mobilidade-dos-fundos-ocenicos-1193668347603255-5Leonardo Alves
 
Viajar pelo Mundo foi a Malta
Viajar pelo Mundo foi a MaltaViajar pelo Mundo foi a Malta
Viajar pelo Mundo foi a MaltaLeonardo Alves
 
Teoria da mobilidade dos fundos oceânicos
Teoria da mobilidade dos fundos oceânicosTeoria da mobilidade dos fundos oceânicos
Teoria da mobilidade dos fundos oceânicosLeonardo Alves
 
Sistema cardiorrespiratório
Sistema cardiorrespiratórioSistema cardiorrespiratório
Sistema cardiorrespiratórioLeonardo Alves
 
A terra como um sistema
A terra como um sistemaA terra como um sistema
A terra como um sistemaLeonardo Alves
 
10 assuntos infalíveis para campanhas de email marketing
10 assuntos infalíveis para campanhas de email marketing10 assuntos infalíveis para campanhas de email marketing
10 assuntos infalíveis para campanhas de email marketingLeonardo Alves
 
Estrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraEstrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraLeonardo Alves
 
Terra - um planeta com vida
Terra - um planeta com vidaTerra - um planeta com vida
Terra - um planeta com vidaLeonardo Alves
 

Destaque (20)

Brasil - Rio Grande do Sul - inverno gaúcho
Brasil - Rio Grande do Sul - inverno gaúchoBrasil - Rio Grande do Sul - inverno gaúcho
Brasil - Rio Grande do Sul - inverno gaúcho
 
Tabaco
TabacoTabaco
Tabaco
 
Fotos impressionantes
Fotos impressionantesFotos impressionantes
Fotos impressionantes
 
1 dinamica externa_1
1 dinamica externa_11 dinamica externa_1
1 dinamica externa_1
 
Morfologia dos continentes e dos fundos oceânicos
Morfologia dos continentes e dos fundos oceânicosMorfologia dos continentes e dos fundos oceânicos
Morfologia dos continentes e dos fundos oceânicos
 
Apresentação Sistema Bbocabocaportugal
Apresentação Sistema BbocabocaportugalApresentação Sistema Bbocabocaportugal
Apresentação Sistema Bbocabocaportugal
 
Sistema imunitário
Sistema imunitárioSistema imunitário
Sistema imunitário
 
SISTEMA DIGESTIVO e DIGESTÃO
SISTEMA DIGESTIVO e DIGESTÃOSISTEMA DIGESTIVO e DIGESTÃO
SISTEMA DIGESTIVO e DIGESTÃO
 
Facebookads
FacebookadsFacebookads
Facebookads
 
Teoria da-mobilidade-dos-fundos-ocenicos-1193668347603255-5
Teoria da-mobilidade-dos-fundos-ocenicos-1193668347603255-5Teoria da-mobilidade-dos-fundos-ocenicos-1193668347603255-5
Teoria da-mobilidade-dos-fundos-ocenicos-1193668347603255-5
 
Viajar pelo Mundo foi a Malta
Viajar pelo Mundo foi a MaltaViajar pelo Mundo foi a Malta
Viajar pelo Mundo foi a Malta
 
Teoria da mobilidade dos fundos oceânicos
Teoria da mobilidade dos fundos oceânicosTeoria da mobilidade dos fundos oceânicos
Teoria da mobilidade dos fundos oceânicos
 
Sistema cardiorrespiratório
Sistema cardiorrespiratórioSistema cardiorrespiratório
Sistema cardiorrespiratório
 
Minerais metálicos
Minerais metálicosMinerais metálicos
Minerais metálicos
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
 
A terra como um sistema
A terra como um sistemaA terra como um sistema
A terra como um sistema
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
10 assuntos infalíveis para campanhas de email marketing
10 assuntos infalíveis para campanhas de email marketing10 assuntos infalíveis para campanhas de email marketing
10 assuntos infalíveis para campanhas de email marketing
 
Estrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraEstrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da Terra
 
Terra - um planeta com vida
Terra - um planeta com vidaTerra - um planeta com vida
Terra - um planeta com vida
 

Semelhante a A Terra conta a sua história

Semelhante a A Terra conta a sua história (20)

A Terra conta a sua História
A Terra conta a sua HistóriaA Terra conta a sua História
A Terra conta a sua História
 
P Pdo Jant..[1]
P Pdo Jant..[1]P Pdo Jant..[1]
P Pdo Jant..[1]
 
P Pdo Jant..[1]
P Pdo Jant..[1]P Pdo Jant..[1]
P Pdo Jant..[1]
 
CiêNcias Naturais
CiêNcias NaturaisCiêNcias Naturais
CiêNcias Naturais
 
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseis
 
Os Fósseis e a História da Terra
Os Fósseis e a História da TerraOs Fósseis e a História da Terra
Os Fósseis e a História da Terra
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
 
Fósseis
FósseisFósseis
Fósseis
 
Ppt sobre os fósseis
Ppt sobre os fósseisPpt sobre os fósseis
Ppt sobre os fósseis
 
A Terra conta a sua história
A Terra conta a sua históriaA Terra conta a sua história
A Terra conta a sua história
 
Fósseis
FósseisFósseis
Fósseis
 
Fósseis....
Fósseis....Fósseis....
Fósseis....
 
Fósseis.def
Fósseis.defFósseis.def
Fósseis.def
 
Fósseis.def
Fósseis.defFósseis.def
Fósseis.def
 
Tipos De Fossilização
Tipos De FossilizaçãoTipos De Fossilização
Tipos De Fossilização
 
Fósseis.def
Fósseis.defFósseis.def
Fósseis.def
 
Fósseis joão santos.pptx
Fósseis joão santos.pptxFósseis joão santos.pptx
Fósseis joão santos.pptx
 
Fósseis
FósseisFósseis
Fósseis
 

Mais de Leonardo Alves

Mais de Leonardo Alves (20)

Níveis de organização biológica dos ecossistemas
Níveis de organização biológica dos ecossistemasNíveis de organização biológica dos ecossistemas
Níveis de organização biológica dos ecossistemas
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Gestão de resíduos e da água
Gestão de resíduos e da águaGestão de resíduos e da água
Gestão de resíduos e da água
 
Escala do tempo geológico
Escala do tempo geológicoEscala do tempo geológico
Escala do tempo geológico
 
A Terra como um sistema
A Terra como um sistemaA Terra como um sistema
A Terra como um sistema
 
Tg 7ºb gr4
Tg 7ºb gr4Tg 7ºb gr4
Tg 7ºb gr4
 
Tg 7ºb gr3
Tg 7ºb gr3Tg 7ºb gr3
Tg 7ºb gr3
 
Tg 7ºb gr2
Tg 7ºb gr2Tg 7ºb gr2
Tg 7ºb gr2
 
Tg 7ºb gr1
Tg 7ºb gr1Tg 7ºb gr1
Tg 7ºb gr1
 
Tg 7ºb gr1
Tg 7ºb gr1Tg 7ºb gr1
Tg 7ºb gr1
 
Tg 7ºb gr1 (1)
Tg 7ºb gr1 (1)Tg 7ºb gr1 (1)
Tg 7ºb gr1 (1)
 
Ordenamento e Gestão do Território
Ordenamento e Gestão do TerritórioOrdenamento e Gestão do Território
Ordenamento e Gestão do Território
 
Argentina
ArgentinaArgentina
Argentina
 
Atividade vulcânica
Atividade vulcânicaAtividade vulcânica
Atividade vulcânica
 
Riscos e catástrofes naturais
Riscos e catástrofes naturaisRiscos e catástrofes naturais
Riscos e catástrofes naturais
 
Tutorial Hotpotatoes
Tutorial HotpotatoesTutorial Hotpotatoes
Tutorial Hotpotatoes
 
Eras Geológicas
Eras GeológicasEras Geológicas
Eras Geológicas
 
Tempo geológico
Tempo geológicoTempo geológico
Tempo geológico
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
 
Ciências Naturais7 sismologia
Ciências Naturais7 sismologiaCiências Naturais7 sismologia
Ciências Naturais7 sismologia
 

Último

São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisValéria Shoujofan
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxmairaviani
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]ESCRIBA DE CRISTO
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfPastor Robson Colaço
 

Último (20)

São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 

A Terra conta a sua história

  • 1. A Terra conta a sua História
  • 2.  Na Antiguidade, tudo era imutável! Considerava-se que a Terra, o Céu, o Homem e todos os seres que o rodeavam tinham sido criados conjuntamente, permanecendo iguais ao longo dos tempos. A Terra não tinha uma história.
  • 3. Tempos de Mudança  Com Charles Darwin, no século XIX, surgiu uma nova perspectiva: a da evolução dos seres vivos.
  • 4. Onde está escrita a história da Terra?  As rochas constituem o "livro" onde se escreve a história da Terra; os fósseis são as "palavras", muitas vezes frases incompletas, e, por isso, é fundamental saber interpretá-las.
  • 5.  Os fósseis encontram-se, geralmente, nas rochas sedimentares. Algumas destas rochas formaram-se lentamente a partir de partículas provenientes de outras rochas (sedimentos), Com essas partículas, depositaram-se organismos ou parte deles.
  • 6.
  • 7.
  • 8. Como se chama a ciência que estuda os fósseis? A ciência que estuda os fósseis é a Paleontologia.
  • 9. Como se chamam os cientistas que estudam os fósseis? Os cientistas que estudam os fósseis são os Paleontólogos.
  • 10.  O paleontólogo estuda os fósseis, também, para perceber como estes se formaram e como podem ser usados para a datação relativa dos estratos rochosos em que ocorrem.
  • 11. Fóssil  Os fósseis são restos mineralizados, marcas ou outros vestígios de seres vivos que viveram há muito tempo no nosso planeta.  O processo pelo qual o organismo, parte dele ou vestígios da sua actividade ficam preservados, permitindo que chegue aos nossos dias é chamado de fossilização.
  • 12. Etapas do processo de fossilização Fósseis
  • 13. Etapas de formação de um fóssil  Para que ocorra a fossilização é necessário que:  o organismo fique rapidamente ao abrigo dos agentes de erosão  sejam rapidamente cobertos de sedimentos  Os fósseis correspondem geralmente a partes duras do corpo de um organismo, carapaça e esqueleto, embora também possa ficar preservada a totalidade do corpo.
  • 14. Os organismos ficam soterrados no fundo do mar e são lentamente cobertos por camadas de sedimento
  • 15. As camadas inferiores transformam-se em rochas mais compactas e os restos dos organismos fossilizam. O mar recua e é agora a superfície de um continente.
  • 16. A rocha onde os fósseis se encontram podem sofrer a pressão de determinadas forças e dobrar-se. Após a acção erosiva dos agentes do meio ambiente, esses fósseis podem ficar próximos da superfície.
  • 17. Finalmente, os fósseis ficam expostos à superfície e poderão ser encontrados.
  • 18.  Será que todos os fósseis se formam através do mesmo processo?
  • 19. Processos de fossilização 1 - Mumificação ou conservação total Todo ou quase todo o ser vivo fica conservado, mesmo as suas partes moles. Após a morte, o ser vivo é envolvido por uma substância (como por exemplo, o gelo) que permite a sua conservação. Exemplos de mumificação:  Insectos conservados em âmbar.  Mamutes conservados no gelo.
  • 21. Mamute conservado no gelo Este animal encontrado na Sibéria é um Mamute, uma espécie de elefante pré-histórico. O animal é do sexo masculino e encontra-se em bom estado, por isso os cientistas optaram por levar o exemplar para uma caverna localizada em Khatanga na Sibéria, onde a temperatura se mantém sempre abaixo de 0 ºC.
  • 22. Processos de fossilização 2 - Moldagem Não se conservam quaisquer partes do organismo, ficando apenas uma reprodução ou molde das suas partes duras. Reprodução da estrutura interna  Molde interno. Reprodução da estrutura externa Molde externo.
  • 23. O interior do organismo enche-se de sedimentos que reproduzem os detalhes da sua estrutura interna O organismo, ao morrer, cai sobre os sedimentos, deixando impressas as suas características estruturais externas Molde interno Molde externo
  • 25. Processos de fossilização 3 - Mineralização Os sedimentos que envolvem o ser vivo sofrem compressão devido ao peso dos depósitos que estão por cima. A matéria que constitui o ser vivo (matéria orgânica) é substituída gradualmente por minerais, como a calcite e a sílica, ficando o ser vivo transformado em “pedra”.
  • 28. Marcas de actividade Constituem o tipo de fossilização mais abundante. São vestígios da actividade dos seres vivos, impressos nas rochas. Fornecem informações importantes sobre o modo de vida dos seres vivos. Podem ser:  Pegadas de dinossauros  Fezes fossilizadas  Ovos fossilizados
  • 31. Fezes fossilizadas - Coprólitos Tartaruga do período Miocénico Dinossauro herbívoro do período Jurássico
  • 32. Fósseis vivos  São seres vivos que existem desde há muitos milhões de anos.  Mantiveram as suas características ao longo do tempo, pois adaptaram‐se bem aos variados ambientes que a Terra atravessou.  Actualmente existem fósseis destes seres e também existem exemplares vivos.
  • 37. O que nos dizem os fósseis? Foram descobertos fósseis de animais marinhos nos Himalaias Essas rochas formaram-se no mar!!!
  • 38. O que nos dizem os fósseis? Foram descobertos fósseis de palmeiras em rochas na Gronelândia A Gronelândia já teve um clima quente!!!
  • 39. Importância dos fósseis  Permitem estudar a evolução da vida na Terra.  Permitem datar as rochas e determinar ambientes antigos. Coral 500 M.a. – actualidade Vivem apenas em ambientes de águas calmas, quentes e pouco profundas Amonite 248 M.a. – 66 M.a. Fóssil de Idade Fóssil de Fácies
  • 40. Fósseis de idade • São fósseis de seres vivos que viveram durante um curto espaço de tempo geológico e que tiveram uma grande dispersão geográfica. • Exemplos: trilobite e amonite.
  • 41. Fósseis de fácies São fósseis que permitem reconstituir o seu ambiente de formação.  Os corais são bons indicadores de ambiente, pois só se formam no mar a uma profundidade de 50 metros com temperaturas relativamente altas.