SlideShare uma empresa Scribd logo

Vinte anos de economia brasileira 1994-2014

VINTE ANOS DE ECONOMIA BRASILEIRA 1994 / 2014 Gerson Gomes Carlos Antônio Silva da Cruz Brasília, DF Julho 2014

1 de 83
Baixar para ler offline
1
VINTE ANOS DE ECONOMIA BRASILEIRA
1994 / 2014
Gerson Gomes
Carlos Antônio Silva da Cruz
Brasília, DF
Julho 2014
2
APRESENTAÇÃO
O propósito deste trabalho é reunir, em um único documento, um conjunto de informações, disponibilizadas por
instituições oficiais e privadas, mediante publicações ou sítios da rede mundial de computadores, relativas à
evolução da economia brasileira nos últimos vinte anos.
Esse período foi marcado por intensas transformações, tanto no cenário internacional, quanto no próprio país.
No âmbito externo, três grandes acontecimentos tiveram uma importância decisiva na evolução da economia
mundial e, como reflexo, da brasileira: a crescente expansão e integração dos mercados financeiros
internacionais pari passu à generalização, à escala global, a partir dos anos 80, das políticas de liberalização e
desregulamentação econômica, modelo ao qual aderimos tardiamente nos anos 90; a emersão da China, na
esteira da desterritorialização da produção industrial norte-americana, como potência econômica e comercial,
que gerou impactos significativos nos mercados mundiais de commodities e nas condições de concorrência da
produção e comércio de produtos industrializados; e a grande crise econômica mundial deflagrada a partir do
crash, em 2008, do sistema bancário norte-americano e de sua propagação aos mercados financeiros da
Europa, que colocou em xeque o modelo de liberalização e desregulamentação econômica e cujos impasses e
desdobramentos não foram ainda equacionados.
No plano interno, os principais eventos que moldaram nossa trajetória econômica ao longo dos últimos vinte
anos podem ser agrupados em dois períodos.
No primeiro, que vai até 2002, destacam-se: a estabilização dos preços internos, com a introdução da URV e a
posterior reforma monetária de junho de 1994, que reverteu o processo inflacionário, embora tenha produzido,
em associação com a apreciação da taxa de câmbio, desequilíbrios não negligenciáveis no setor externo da
economia; a acentuação do processo de liberalização comercial e financeira iniciado no início dos anos 90, que
integrou o país, de forma reflexa, à dinâmica dos mercados financeiros globais; as reformas econômicas, com a
quebra do monopólio público e privatização das empresas estatais em setores estratégicos, paralelamente à
eliminação da diferenciação entre empresas nacionais e estrangeiras; e a implantação do sistema de metas de
inflação, na esteira da crise cambial de janeiro de 1999.
3
A partir de 2003, com a mudança de orientação programática na administração do País, merecem
especial referência: a introdução de um novo padrão de distribuição de renda, fundado em políticas
permanentes de elevação progressiva do salário mínimo real, de transferência de renda aos setores
economicamente mais frágeis, de formalização do mercado de trabalho, democratização do crédito e
ampliação da cobertura previdenciária, que propiciou a expansão significativa do mercado interno e
modificou o perfil da estrutura social brasileira; as políticas de consolidação financeira do setor externo,
com a forte elevação das reservas internacionais e redução relativa do endividamento externo do país;
a recuperação de instrumentos de coordenação da política de desenvolvimento, como o planejamento
do investimento público, a política industrial, a utilização do poder de compra do Estado, entre outros,
que haviam sido abandonados em períodos anteriores; e as políticas anticíclicas adotadas para
enfrentar a crise de 2008, que limitaram a magnitude dos seus impactos imediatos e permitiram
preservar o nível de emprego, as políticas sociais e a estabilidade macroeconômica, apesar das
dificuldades associadas a um cenário internacional marcado pela instabilidade dos mercados
financeiros e tensões recessivas, que ainda subsistem, nas principais economias desenvolvidas.
Trata-se, portanto, de um período extraordinariamente rico em experiências e ensinamentos, tanto do
ponto de vista analítico quanto da perspectiva da História e do aprendizado de suas lições.
Esperamos que o esforço de sistematização desse conjunto de informações, embora limitado em seu
escopo e no nível de desagregação dos dados, possa ser de utilidade para os participantes do
Seminário Brasil em Perspectiva II e, de modo geral, para os interessados na discussão das questões
estruturais, dos desafios e das opções estratégicas do desenvolvimento econômico e social do País.
Gerson Gomes
Brasília, julho de 2014
4
Índice
I – Setor Externo...................................................................................................... 5
II – Atividade Econômica....................................................................................... 32
III – Crédito e Financiamento................................................................................ 47
IV – Inflação e Preços............................................................................................ 53
V – Contas Públicas............................................................................................... 59
VI – Emprego e Distribuição de Renda................................................................ 68
5
I - SETOR EXTERNO
X – Exportações
I – Importações
* Dados acumulados em 12 meses até junho
Fonte: BCB
BRASIL – CORRENTE DE COMÉRCIO EXTERIOR
(US$ BILHÕES)
6
20
40
60
80
100
120
140
160
180
200
220
240
260
280
300
320
340
360
380
400
420
440
460
480
500
520
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Exportações Importações Fluxo
X M Soma
1994 43,5 33,1 76,6
1995 46,5 50,0 96,5
1996 47,7 53,3 101,1
1997 53,0 59,8 112,8
1998 51,1 57,7 108,9
1999 48,0 49,3 97,3
2000 55,1 55,9 110,9
2001 58,2 55,6 113,8
2002 60,4 47,2 107,6
2003 73,1 48,3 121,4
2004 96,5 62,8 159,3
2005 118,3 73,6 191,9
2006 137,8 91,3 229,2
2007 160,6 120,6 281,3
2008 197,9 173,0 370,9
2009 153,0 127,7 280,7
2010 201,9 181,8 383,7
2011 256,0 226,2 482,3
2012 242,6 223,2 465,8
2013 242,2 239,6 481,8
2014* 238,3 235,1 473,4
M E M O:
* Dados acumulados em 12 meses até junho
Fonte: BCB
BRASIL – SALDO DA BALANÇA COMERCIAL
(US$ BILHÕES)
7
US$ BilhõesSaldo
1994 10,5
1995 -3,5
1996 -5,6
1997 -6,8
1998 -6,6
1999 -1,3
2000 -0,8
2001 2,6
2002 13,1
2003 24,8
2004 33,6
2005 44,7
2006 46,5
2007 40,0
2008 25,0
2009 25,3
2010 20,2
2011 29,8
2012 19,4
2013 2,6
2014* 3,1
M E M O:
-10,0
-5,0
0,0
5,0
10,0
15,0
20,0
25,0
30,0
35,0
40,0
45,0
50,0
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES DE QUANTUM E DE PREÇOS DAS EXPORTAÇÕES
Ano Base 1994= 100
8
80
90
100
110
120
130
140
150
160
170
180
190
200
210
220
230
240
250
260
270
280
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Quantum Preços
M E M O:
Q - Quantum
P - Preços
* Dados acumulados em 12 meses até junho
Fonte: FUNCEX
Índices
Ano Base 1994= 100
Q P Valor
1994 100,0 100,0 100,0
1995 94,1 113,6 106,8
1996 96,6 113,8 109,6
1997 106,3 114,5 121,7
1998 110,0 106,9 117,4
1999 118,5 93,1 110,3
2000 131,7 96,2 126,5
2001 144,1 93,0 133,7
2002 156,6 88,7 138,6
2003 181,2 92,9 167,8
2004 215,9 103,0 221,6
2005 236,1 115,5 271,7
2006 243,9 129,9 316,5
2007 257,3 143,5 368,9
2008 251,0 181,3 454,6
2009 223,9 157,0 351,3
2010 245,4 189,2 463,7
2011 252,4 233,1 588,0
2012 251,7 221,7 557,1
2013 260,2 213,9 556,2
2014* 261,3 209,8 548,7
EVOLUÇÃO DO ÍNDICE QUANTUM E DOS PREÇOS DAS IMPORTAÇÕES
ANO BASE 1994= 100
9
M E M O:
Índices
Ano Base 1994= 100
Q P Valor
1994 100,0 100,0 100,0
1995 147,7 102,3 151,1
1996 156,8 102,8 161,3
1997 185,4 97,5 180,9
1998 188,8 92,4 174,5
1999 160,5 92,8 149,0
2000 181,6 92,9 168,8
2001 186,9 89,9 168,1
2002 164,2 87,0 142,8
2003 158,2 92,3 146,1
2004 187,1 101,5 190,0
2005 197,1 112,8 222,5
2006 228,9 120,6 276,1
2007 279,2 130,5 364,6
2008 328,7 159,0 522,9
2009 273,2 141,3 386,1
2010 374,1 146,8 549,5
2011 407,5 167,8 683,9
2012 398,2 169,3 674,7
2013 432,6 167,4 724,4
2014* 430,1 165,8 713,0
Q - Quantum
P - Preços
* Dados acumulados em 12 meses até junho
Fonte: FUNCEX
50
70
90
110
130
150
170
190
210
230
250
270
290
310
330
350
370
390
410
430
450
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Quantum Preços
10
TERMOS DE TROCA
* Dado de Junho
Fonte: Funcex
Índices
1994 92,9
1995 103,2
1996 102,8
1997 109,1
1998 107,4
1999 93,2
2000 96,2
2001 96,0
2002 94,7
2003 93,4
2004 94,2
2005 95,0
2006 100,0
2007 102,1
2008 105,9
2009 103,2
2010 119,7
2011 129,0
2012 121,5
2013 118,7
2014*
116,7
M E M O:
85
90
95
100
105
110
115
120
125
130
135
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
11
US$ Bilhões
EVOLUÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE PRODUTOS BÁSICOS E MANUFATURADOS
US$ BILHÕES
* Dados acumulados em 12 meses até junho
Fonte: IPEADATA
11,1 11,0 11,9 14,5 13,0 11,8 12,6
15,3 17,0
21,2
28,5
34,7
40,3
51,6
73,0
62,0
90,0
122,5
113,5
113,0
133,9
25,0 25,6 26,4
29,2 29,4 27,3
32,6 33,0 33,1
39,8
53,1
65,4
75,0
83,9
92,7
67,3
79,6
92,3 90,7 93,1
90,0
0
5
10
15
20
25
30
35
40
45
50
55
60
65
70
75
80
85
90
95
100
105
110
115
120
125
130
135
140
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Básicos Manufaturados
COMPOSIÇÃO DAS EXPORTAÇÕES
(% DO TOTAL)
* Dados acumulados em 12 meses até Junho
Fonte: Funcex
25,4 23,6 24,9 27,3 25,4 24,6 22,8
26,4 28,1 29,0 29,6 29,4 29,2 32,1
36,9
40,5
44,6 47,8 46,8 46,7 48,8
15,8 19,7 18 16
15,9 16,6
15,4
14,2
14,9 15,0 13,9 13,5 14,2
13,6
13,7
13,4
14,0
14,1 13,6 12,6
12,2
57,3 55 55,3 55,1 57,5 56,9
59,1 56,6 54,8 54,4 55,1 55,2 54,4 52,3
46,8
44,0
39,4 36,0 37,4 38,4 37,1
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Básicos Semimanufaturados Manufaturados
12
EXPORTAÇÃO BRASILEIRA: PARTICIPAÇÃO DOS SETORES INDUSTRIAIS POR
INTENSIDADE TECNOLÓGICA
(CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO CRITÉRIO DA OCDE)
(%)
Fonte: MDIC
13
16,4 19,6 19,4 18,2 16,6 18,0 19,4 19,9 20,0 20,5 21,9 24,1
28,3 31,6
36,4 40,2 38,4 37,6
20,5
18,4 17,3 17,7 18,6 17,1 17,6 18,3 19,5 19,2 19,8
19,7
19,6 16,2
14,6
15,3 16,0 17,1
36,0 32,3 31,6 32,9
29,3 31,7 31,7 31,9 30,5 28,4 27,9 27,1
26,0 28,5
26,4
24,1 24,7 24,8
22,8 24,7 25,4 22,6
23,1 21,2
21,4
22,8 23,1 24,4 23,6 22,7 20,3 17,8 18,0 16,6 16,7 16,5
4,3 5,0 6,3 8,6
12,4 12,0 9,8 7,0 6,9 7,4 6,8 6,4 5,8 5,9 4,6 3,7 4,2 4,1
0,0
10,0
20,0
30,0
40,0
50,0
60,0
70,0
80,0
90,0
100,0
1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
Alta Tecnologia
Média-alta Tecnologia
Baixa Tecnologia
Média-baixa Tecnologia
Produtos não industriais
SALDO DA BALANÇA COMERCIAL DE PRODUTOS INDUSTRIAIS
(US$ BILHÕES)
M E M O:
Período
US$
BILHÕES
X M
1996 39,9 45,0
1997 42,6 52,4
1998 41,2 51,6
1999 39,3 43,8
2000 46,0 49,1
2001 47,8 49,2
2002 48,7 40,7
2003 58,5 40,5
2004 77,1 51,7
2005 94,0 60,8
2006 107,3 75,0
2007 121,9 100,0
2008 141,9 143,2
2009 104,6 110,0
2010 128,4 159,3
2011 153,2 196,4
2012 149,5 194,6
2013 151,2 205,6
-5,1
-9,8 -10,4
-4,6 -3,2 -1,5
8,0
18,0
25,4
33,2 32,3
22,0
-1,3
-5,4
-30,9
-43,2 -45,0
-54,5-60
-50
-40
-30
-20
-10
0
10
20
30
40
1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
14
X – Exportações
M - Importações
Fonte: Secex / MDIC
15
* Acumulados em 12 meses até junho
Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
AGRONEGÓCIOS - BALANÇA COMERCIAL DA AGRICULTURA
US$ BILHÕES
13,4 12,3 12,2 15,2 13,5
14,8 14,8
19,1
20,4 25,9
34,2
38,5 42,8
49,7 60,0 54,9 63,1 77,5 79,4 82,9
82,4
19,1 20,9 21,1
23,4 21,5 20,5 20,6
23,9 24,8
30,6
39,0
43,6
49,5
58,4
71,8
64,8
76,4
95,0 95,8
100,0 99,5
5,7
8,6 8,9 8,2 8,0
5,7 5,8 4,8
4,4 4,7 4,8 5,1 6,7
8,7 11,8 9,8
13,4
17,5 16,4 17,1 17,1
0
5
10
15
20
25
30
35
40
45
50
55
60
65
70
75
80
85
90
95
100
105
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Saldo Exportações Importações
US$ Bilhões
PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS NAS EXPORTAÇÕES MUNDIAIS
(%)
* Estimativa
Fonte: MDIC
16
1,04
0,93 0,91
0,98 0,96
0,86 0,88
0,97 0,96
0,99
1,08
1,16 1,17 1,17
1,25 1,25
1,35
1,43
1,36
1,30
0,5
0,6
0,7
0,8
0,9
1,0
1,1
1,2
1,3
1,4
1,5
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013*
%
Fonte: MDIC
PRINCIPAIS MUDANÇAS NA ESTRUTURA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO POR
PAÍSES E BLOCOS ECONÔMICOS
3,9
4,2
25,4
3,5
16,4
5,5
25,8
8,9
8,3
13,8
3,1
21,8
11,0
23,4
6,6
16,0
10,6
3,8
24,2
11,6
17,3
Argentina
China
USA
Japão
Aladi
Mercosul
União
Européia
2002 2008 2013
10,0
3,3
21,8
5,0
17,4
11,9
28,6
7,7
11,6
14,8
3,9
15,8
8,6
20,9
9,0
14,4
14,4
2,6
19,4
11,3
21,5
Argentina
China
USA
Japão
Aladi
Mercosul
União Européia
2002 2008 2013
Exportações
(% do Total)
Importações
(% do Total)
17
ÍNDICE DE TAXAS DE CÂMBIO REAL (IPA-DI)
* Cesta de moedas de 15 países
** Dados de junho
Fonte: BCB
18
77,5
82,9
81,0
103,3 104,7
124,5
113,3
91,198,9
82,1
97,2
91,0
74,6
83,7
82,2
77,4
96,3
79,3
77,6
68,1
62,4
55,5
62,9
67,3
67,5
72,2
73,7
81,4
83,7
105,9
99,3
86,6 79,8
73,1
59,9
69,9
55,5
50,3
55,2 57,9
61,663,0
40
45
50
55
60
65
70
75
80
85
90
95
100
105
110
115
120
125
130
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014**
Efetiva* Dólar Americano
US$ Bilhões
* Dados acumulados em 12 meses até junho
Fonte: BCB
14,7
18,5 20,3
25,5
28,3
25,8 25,0
27,5
23,1 23,5 25,2
34,3
37,1
42,5
57,3
52,9
70,3
85,5
76,5
87,3
74,7
2,6 3,0 2,8
5,4 6,9
4,1 3,3 5,0 5,2 5,6 7,3
12,7
16,4
22,4
33,9
25,2
30,4
38,2
24,1 26,0 25,5
0,0
10,0
20,0
30,0
40,0
50,0
60,0
70,0
80,0
90,0
100,0
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Serviços e Renda - Total Remessa de Lucros e Dividendos
19
DÉFICIT ESTRUTURAL NA CONTA DE SERVIÇOS E RENDAS DO BALANÇO DE
PAGAMENTO
(US$ BILHÕES)
20
%
1994 71,4
1995 -18,9
1996 -27,6
1997 -27,1
1998 -23,3
1999 -5,0
2000 -2,8
2001 9,8
2002 57,1
2003 106,0
2004 134,1
2005 130,9
2006 126,4
2007 94,1
2008 43,3
2009 47,8
2010 28,7
2011 34,9
2012 25,4
2013 3,0
2014* 4,1
M E M O:
* Dados Acumulados em 12 meses até junho
Fonte: BCB
RELAÇÃO SALDO COMERCIAL / DÉFICIT NA CONTA DE SERVIÇOS E RENDAS DO
BALANÇO DE PAGAMENTOS
(%)
-40
-30
-20
-10
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
100
110
120
130
140
150
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
* Dados de junho
Fonte: BCB
% do PIB
-0,3
-2,4
-2,8
-3,5
-4,0
-4,3
-3,8
-4,2
-1,5
0,8
1,8
1,6
1,3
0,1
-1,7
-1,5
-2,2 -2,1
-2,4
-3,6
-3,9
-5,0
-4,5
-4,0
-3,5
-3,0
-2,5
-2,0
-1,5
-1,0
-0,5
0,0
0,5
1,0
1,5
2,0
2,5
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
21
SALDO DAS TRANSAÇÕES CORRENTES DO BALANÇO DE PAGAMENTOS
(% DO PIB)
US$ Bilhões
SALDO DA CONTA FINANCEIRA E DE CAPITAL DO BALANÇO DE PAGAMENTOS
US$ BILHÕES
* Dados acumulados em 12 meses até junho
Fonte: BCB
22
8,7
29,1
34,0
25,8
29,7
17,3 19,3
27,1
8,0
5,1
-7,5 -9,5
16,3
89,1
29,4
71,3
99,9
112,4
70,0
74,1 75,5
-20
-10
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
100
110
120
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
US$ Bilhões
EVOLUÇÃO DAS RESERVAS INTERNACIONAIS LÍQUIDAS*
(US$ BILHÕES)
* De 1998 até 2005 os dados correspondem ao conceito de reservas líquidas ajustadas, referido nos acordos com o FMI.
** Dados de Junho
Fonte: BCB
38,8
51,8
60,1
52,1
34,4
23,9
31,5 27,8
16,3 20,5 27,5
53,8
85,8
180,3
206,9
239,1
288,6
352,0
378,6 375,8 379,15
0
20
40
60
80
100
120
140
160
180
200
220
240
260
280
300
320
340
360
380
400
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014**
23
* Dados acumulados em 12 meses até junho
Fonte: BCB
24
INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS DIRETOS E SALDO DAS TRANSAÇÕES CORRENTES
(US$ BILHÕES)
US$ Bilhões
25,3 24,2 81,581,452,547,328,2
-1,6-13,6-4,2
7,623,218,41,8 23,5 30,5 33,4 24,3 54,2
-11,7 -14,0
16,6
10,1
66,7 65,3 64,0 63,3
48,5
25,9
45,1
34,6
18,8
15,1
18,1
22,5
32,8
28,628,9
4,4
2,1
19,0
10,8
-20
-10
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
100
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Saldo das Transações Correntes IED
INVESTIMENTOS DE ESTRANGEIROS EM CARTEIRA
TÍTULOS DE RENDA FIXA E AÇÕES
(US$ BILHÕES)
* Dados acumulados em 12 meses até junho
Fonte: BCB
7,1
15,9
4,0
17,6
1,0
5,6
-1,6
-6,8
2,2
-6,1
0,2
1,4
21,9
6,8
9,1
30,1
11,3 10,9
23,0
31,6
3,2
6,1 6,9
1,0
2,6 3,1 2,5 2,0
3,0 2,1
6,5
7,7
26,2
-7,6
37,1 37,7
7,2
5,6
11,6
14,4
-10
-5
0
5
10
15
20
25
30
35
40
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Renda Fixa Ações
US$ Bilhões
25
* Dados de Junho
Fonte: BCB
DÍVIDA EXTERNA PÚBLICA E PRIVADA
(US$ BILHÕES)
86,9
95,1 93,7
86,7
95,4 100,7
92,4 91,4
110,4
119,9
114,7
87,6
76,3
70,3 67,4
77,2
82,8 77,3 82,2 82,6
84,6
32,8
64,1
84,4
106,2
128,4 124,9 124,6
115,8
100,3 95,1
86,7
81,9
96,3
122,9
131,0
121,0
174,0
220,1
230,7
226,0
245,6
0
20
40
60
80
100
120
140
160
180
200
220
240
260
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Pública Privada
26
US$ Bilhões
* Dados de junho
Fonte: BCB
DÍVIDA EXTERNA BRUTA / PIB
(%)
27
%
27,3
20,7 21,2
22,1
26,5
38,4
33,6
37,9
41,8
38,8
30,3
19,2
15,8
14,1
12,0 12,4 12,0 12,0
13,9 13,7
14,6
10
12
14
16
18
20
22
24
26
28
30
32
34
36
38
40
42
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
RELAÇÃO DÍVIDA EXTERNA BRUTA / RESERVAS
* Dados de Junho
Fonte: BCB
28
3,91
3,13 3,00
3,84
7,03
10,12
7,50
5,85
12,93
10,48
7,32
3,15
2,01
1,07 0,96 0,83 0,89 0,85 0,83 0,82 0,87
0,0
1,0
2,0
3,0
4,0
5,0
6,0
7,0
8,0
9,0
10,0
11,0
12,0
13,0
14,0
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
* Dados de junho
Fonte: BCB
RELAÇÃO DÍVIDA LÍQUIDA EXTERNA / PIB
% do PIB
29
17,4
12,0 12,0
15,0
21,6
31,9
26,8
31,7
37,0
32,5
24,3
11,5
6,9
-0,9 -1,7
-3,9
-2,4 -2,9
-3,8 -4,1 -3,5-6
-4
-2
0
2
4
6
8
10
12
14
16
18
20
22
24
26
28
30
32
34
36
38
40
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
30
2,2
2,0
2,1
2,5
3,6
3,9
3,1
3,0 3,1
2,5
1,7
0,9
0,5
-0,1 -0,1
-0,4
-0,3 -0,3 -0,4 -0,4 -0,3
-0,8
-0,5
-0,3
0,0
0,3
0,5
0,8
1,0
1,3
1,5
1,8
2,0
2,3
2,5
2,8
3,0
3,3
3,5
3,8
4,0
4,3
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
RELAÇÃO DÍVIDA LÍQUIDA TOTAL / EXPORTAÇÕES
* Dados acumulados em 12 meses até junho
Fonte: BCB
ÍNDICE EMBI BRASIL
(FIM DE PERÍODO)
* Dado de Junho
Fonte: Base de dados do Portal Brasil, Banco Central do Brasil, CMA, Enfoque e Agência Brasil.
31
923 933
523 521
1248
745 773
861
1.445
468
382
303
193 222
418
196 186 208
138
227 201
0
200
400
600
800
1000
1200
1400
1600
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
32
II - ATIVIDADE ECONÔMICA
CRESCIMENTO DO PIB
VARIAÇÃO ANUAL
(%)
* 1º Trim 2014 / 1º Trim 2013
Fonte: IBGE
%
5,9
4,2
2,2
3,4
0,0
0,3
4,3
1,3
2,7
1,1
5,7
3,2
4,0
6,1
5,2
-0,3
7,5
2,7
1,0
2,3
1,9
-1,0
-0,5
0,0
0,5
1,0
1,5
2,0
2,5
3,0
3,5
4,0
4,5
5,0
5,5
6,0
6,5
7,0
7,5
8,0
1994 1995 1996 1997 1997 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
33
Fonte: FMI / IBGE
VARIAÇÃO ANUAL DO PIB NAS DEZ MAIORES ECONOMIAS DO MUNDO NO
PÓS-CRISE
2009 2010 2011 2012 2013
Média
2009/2013
Mundo -0,6 5,1 3,9 3,5 3,2 3,0
Estados Unidos -2,8 2,5 1,8 2,8 1,6 1,2
Japão -5,5 4,7 -0,6 2,0 2,0 0,5
Alemanha -5,1 3,9 3,4 0,9 0,5 0,7
França -3,1 1,7 2,0 0,1 0,2 0,2
Itália -5,5 1,7 0,4 -2,4 -1,8 -1,5
Reino Unido -5,2 1,7 1,1 0,2 1,4 -0,2
Rússia -7,8 4,5 4,3 3,4 1,5 1,2
Índia 8,5 10,5 6,3 3,2 3,8 6,5
China 9,2 10,4 9,3 7,7 7,6 8,8
Brasil -0,3 7,5 2,7 0,9 2,5 2,7
34
35
FORMAÇÃO BRUTA DE CAPITAL FIXO
VARIAÇÃO ANUAL
(%)
14,3
7,3
1,5
8,7
-0,3
-8,2
5,0
0,4
-5,2
-4,6
9,1
3,6
9,8
13,9 13,6
-6,7
21,3
4,7
-4,0
0,3
-2,1
-10,0
-8,0
-6,0
-4,0
-2,0
0,0
2,0
4,0
6,0
8,0
10,0
12,0
14,0
16,0
18,0
20,0
22,0
24,0
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
* 1º Trim 2014 / 1º Trim 2013
Fonte: IBGE
%
36
TAXA DE INVESTIMENTOS A PREÇOS CORRENTES
(% do PIB)
* 1º Trim 2014 / 1º Trim 2013
Fonte: IBGE
18,3
16,9
17,0 17,0
15,7
16,8
17,0
16,4
15,3
16,1
15,9
16,4
17,4
19,1
18,1
19,5
19,3
18,1
18,6
17,7
15,0
15,5
16,0
16,5
17,0
17,5
18,0
18,5
19,0
19,5
20,0
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
(% do PIB)
37
INVESTIMENTO PÚBLICO FEDERAL
(% DO PIB)
% do PIB
* Acumulado em 12 meses até junho de 2014
** Acumulado em 12 meses até março de 2014
Fonte: 95 a 2001 STN Secretaria do Tesouro Nacional e 2002 a 2014 - Secretaria de Política Econômica - SPE
0,7 0,7
0,8
0,8
0,7
0,9
1,1
0,8
0,3
0,5 0,5
0,6
0,7
0,9
1,0
1,2
1,0 1,1 1,0
1,1
1,4 1,5 1,5
1,3
0,7
0,7
0,9
1,1 1,1 1,0 1,0 1,0
1,1
1,4
1,8
1,9
1,7
2,0
2,1
2,3
2,1
2,2
2,3
2,2
1,4
1,6
2,0 2,0
1,4
1,5 1,5
1,6
1,8
2,3
2,8
3,1
2,7
3,1 3,1 3,1
0,0
0,3
0,5
0,8
1,0
1,3
1,5
1,8
2,0
2,3
2,5
2,8
3,0
3,3
3,5
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
União* Estatais** Total
38
CONSUMO DAS FAMÍLIAS
VARIAÇÃO ANUAL
% do PIB
% do PIB
7,4
8,6
3,4
3,0
-0,7
0,4
4,0
0,7
1,9
-0,8
3,8
4,5
5,2
6,1
5,7
4,4
6,9
4,1
3,2
2,6
2,2
-2,0
-1,0
0,0
1,0
2,0
3,0
4,0
5,0
6,0
7,0
8,0
9,0
10,0
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
* 1º Trim 2014 / 1º Trim 2013
Fonte: IBGE
39
P – Produção Industrial Total
IT - Industria de Transformação
* Dados acumulados em 12 meses até Fevereiro
Fonte: IPEADATA
90
95
100
105
110
115
120
125
130
135
140
145
150
155
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Produção Industrial Industria de Transformação
PRODUÇÃO FÍSICA INDUSTRIAL E DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO
Índices
Ano Base 1994= 100
P IT
1994 100,0 100,0
1995 101,8 101,7
1996 103,1 102,4
1997 107,5 106,5
1998 105,3 103,0
1999 104,7 101,4
2000 111,5 107,4
2001 113,3 108,9
2002 116,4 109,5
2003 116,4 109,2
2004 125,8 118,3
2005 130,1 121,9
2006 133,9 125,1
2007 141,8 132,4
2008 145,9 136,2
2009 135,3 126,5
2010 149,6 139,6
2011 150,2 140,1
2012 146,2 136,2
2013 148,1 138,4
2014* 148,1 138,3
MEMO
40
* Dados acumulados em 12 meses até abril
Fonte: BCB / FIESP - DECOMTEC
COEFICIENTES DE PENETRAÇÃO DAS IMPORTAÇÕES NA INDÚSTRIA DE
TRANSFORMAÇÃO
(PREÇOS CONSTANTES DE 2006)
(%)
%
7,3
10,4 10,6
11,9
12,8
11,4
12,2 12,4
11,1
10,5
11,6
12,6
14,4
16,4
18,3
16,6
20,4
21,9
22,3
23,7
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
41
100,0
98,9
91,6
87,8
82,6
77,8 78,4
79,1 78,8 78,2
81,1
84,0
85,7
89,2
93,2
90,1
95,3
97,3 96,9
97,6 98,1
70
72
74
76
78
80
82
84
86
88
90
92
94
96
98
100
102
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
ÍNDICE DE PESSOAL EMPREGADO NA INDÚSTRIA
(MÉDIA 1994 = 100)
* Dado acumulados em 12 meses ate maio
Fonte: IPEADATA
42
* Dados de julho
Fonte: SINAVAL – Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore
13.097
1.880 1.910
6.493 7.465
12.651
14.442
19.600
29.125
33.277
40.500
56.112
59.167
62.036
78.136
81.891
0
5.000
10.000
15.000
20.000
25.000
30.000
35.000
40.000
45.000
50.000
55.000
60.000
65.000
70.000
75.000
80.000
85.000
90.000
1990 1998 2000 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
EMPREGO NOS ESTALEIROS E NA INDÚSTRIA NÁUTICA
(ANOS SELECIONADOS)
43
* Estimativa
Fonte: CONAB
PRODUÇÃO E ÁREA UTILIZADA EM GRÃOS
76,0
81,1
73,6
78,4 76,6
82,4 83,0
100,3 96,8
123,2 119,1
114,7
122,5
131,8
144,1
135,1
149,5
162,8
166,2
186,8
193,5
39,1 38,5 36,7 36,6 35,0 36,9 37,8 37,8 40,2
43,9
47,4 49,1 47,9 46,2 47,4 47,7 47,4
49,9 50,9
53,3
56,9
30
40
50
60
70
80
90
100
110
120
130
140
150
160
170
180
190
200
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Produção deGrãos( Emmilhões deTon) Área Utilizada(Emmilhõesde Ha)
44
PRODUTIVIDADE – GRÃOS
Em KG por HA
* Estimativa em agosto
Fonte: CONAB
1.945
2.103
1.990
2.144
2.187
2.234
2.195
2.649
2.407
2.803
2.512
2.339
2.560
2.851
3.040
2.835
3.148
3.264 3.260
3.507
3.403
1.500
1.650
1.800
1.950
2.100
2.250
2.400
2.550
2.700
2.850
3.000
3.150
3.300
3.450
3.600
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
45
24.842
28.256
34.597
38.096
39.941 40.233 39.900 39.404 38.856
35.122 35.984
38.705
41.895
46.551
51.970 51.616
59.117
64.093
68.809 70.219 70.429
10.000
20.000
30.000
40.000
50.000
60.000
70.000
80.000
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
PRODUÇÃO DE CIMENTO
Milhões de Ton
* Dados acumulados em 12 meses até jan
Fonte: Ipeadata
46
100,0
110,7
114,4
121,0
134,0 135,6
154,4
120,8
151,2
194,7
200,3
164,4
100,0
114,4
116,9
123,6
135,2
140,4
153,3
169,1
180,3
189,5
196,8
152,0
50
60
70
80
90
100
110
120
130
140
150
160
170
180
190
200
210
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014**
Restrito Ampliado *
* Inclui veículos, motos, partes e peças e material de construção
** Dados de Mai
Fonte: Ipeadata
ÍNDICES DE CRESCIMENTO DAS VENDAS REAIS NO VAREJO
BASE 2003= 100
47
III - CRÉDITO E FINANCIAMENTO
48
CRÉDITO TOTAL / PIB
SALDO EM FINAL DE PERÍODO
(% DO PIB)
* Dados de Junho
Fonte: BCB
% do PIB
36,6
32,1
28,8
26,8
27,9
24,9
26,4
24,7
22,0
24,0 24,5
28,1
30,2
33,4
39,7
45,0 45,2
49,0
53,9
56,0 56,3
20,0
22,0
24,0
26,0
28,0
30,0
32,0
34,0
36,0
38,0
40,0
42,0
44,0
46,0
48,0
50,0
52,0
54,0
56,0
58,0
60,0
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
49
2,2 2,7
3,7 3,7 3,6
5,1
5,9
5,1
5,7
6,7
8,8
9,7
11,7
13,1
14,3
14,9
15,7
24,5
25,8
26,4
25,1
21,0
20,4
22,1
19,8 20,0
18,0
16,2
17,4
16,8
18,4
19,7
22,3
27,3 27,2
29,6
31,5
29,4
30,2 30,0
0,0
2,0
4,0
6,0
8,0
10,0
12,0
14,0
16,0
18,0
20,0
22,0
24,0
26,0
28,0
30,0
32,0
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
% do PIB
Pessoa Física Pessoa Jurídica
CRÉDITO A PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS
SALDO EM FINAL DE PERÍODO
(% DO PIB)
* Dados de Junho
Fonte: BCB
50
CRÉDITOS CONCEDIDOS PELOS SETORES PÚBLICO E PRIVADO
SALDO EM FINAL DE PERÍODO
(EM % DO PIB)
Fonte: BCB
14,4
12,9 13,1 12,6
12,4
14,8
16,9
16,3
14,8
15,8
17,8
19,1
22,0
25,3 25,5
26,3
27,7 28,0
28,9
17,6
15,9
13,7
15,4
12,5
11,6
8,9
9,8
9,9
10,4
11,3
12,0 14,7
18,4
18,1
18,9
21,3
25,5
27,6
06
08
10
12
14
16
18
20
22
24
26
28
30
32
Setor Privado Setor Público
51
CRÉDITO AO SETOR PRIVADO / PIB
SALDO EM FINAL DE PERÍODO
(EM % DO PIB)
Fonte: BCB
7,6
6,8 6,8
7,3 7,2
6,9
7,6
7,9
6,9
6,4 6,5
7,0
8,0
9,8
9,4
9,6
10,0
10,5
10,7
6,4
5,5
5,2
5,4
4,6
4,5
1,8 1,7
1,5
1,3 1,4
1,5 1,7
2,1
2,8
3,7
4,8
6,3
8,4
3,1
2,2 2,3
2,5
2,2 2,3
2,1
2,4 2,8
3,0 3,1
3,3 3,4 3,4 3,5
3,3 3,4
3,8
4,5
0,0
0,5
1,0
1,5
2,0
2,5
3,0
3,5
4,0
4,5
5,0
5,5
6,0
6,5
7,0
7,5
8,0
8,5
9,0
9,5
10,0
10,5
11,0
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
Indústria Habitação Rural
52
7,5 10,6
19,1 18,0 18,7
26,9 25,3
38,1 35,2 38,4
49,0
60,3
81,9
121,4
96,6
168,4
139,7
156,0
190,4 194,9
0
20
40
60
80
100
120
140
160
180
200
220
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
* Dado acumulados em 12 meses até abril
Fonte: BNDES
FINANCIAMENTOS DO BNDES
(EM R$ BILHÕES)(Em R$ Bilhões)
53
IV – INFLAÇÃO E PREÇOS
54
* Dados acumulados em 12 meses até junho
Fonte: BCB
EVOLUÇÃO DA TAXA DE INFLAÇÃO (IPCA)
(%)
1,7
5,9
6,5
5,9 6,3
3,1
5,7
7,6
9,3
12,5
6,0
8,9
5,2
9,6
22,4
4,5
5,9
4,3
7,7
5,8
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
IPCA Centro da Meta Limite Superior Limite Inferior
* Dados acumulados em 12 meses até junho
Fonte: IPEADATA
EVOLUÇÃO DO IPCA, ALIMENTOS E BEBIDAS
Acumulado no ano
%
8,1
1,7
1,2
2,0
7,9
3,2
9,2
18,1
7,3
3,8
2,0
1,2
10,3 10,6
3,1
10,0
7,0
9,5
8,2
7,3
22,4
9,6
5,2
1,7
8,9
6,0
7,7
12,5
9,3
7,6
5,7
3,1
4,5
5,9
4,3
5,9
6,5
5,8 5,9 6,3
0
2
4
6
8
10
12
14
16
18
20
22
24
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
IPCA Alimentos e Bebidas IPCA
55
%
56
ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR - INPC
(% a.a)
Fone: Ipeadata
22,0
9,1
4,3
2,5
8,4
5,3
9,4
14,7
10,4
6,1
5,1
2,8
5,2
6,5
4,1
6,5 6,1 6,2
5,6
6,3
0,0
2,0
4,0
6,0
8,0
10,0
12,0
14,0
16,0
18,0
20,0
22,0
24,0
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
TAXA REAL DE JUROS EX-ANTE* X TAXA DOS FUNDOS FED (1)
(1) As taxas de juros do FED, a partir de 2008, passaram a ser negativas em termos reais (dadas as taxas de inflação medidas pelo IPC),
o que aumenta o diferencial entre as taxas internas e externas de juros.
* Taxa swap di-pré 360, retiradas as expectativas para a inflação nos próximos 12 meses
** A partir de dez/2008 a taxa dos fundos FED foi fixada entre 0,00 e 0,25%
Fonte: BCB/FED
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez
2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
Taxa Real de Juros
Taxa FED
Diferencial de Juros Internos e
Externos
57
58
0,8
1,0
1,0
1,1
1,2
1,8
2,0
2,3
3,5
2,9
2,7
2,3
2,1
1,8
2,3
1,7
1,7
1,9
2,0
2,3
2,3
0,15
0,65
1,15
1,65
2,15
2,65
3,15
3,65
4,15
4,65
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
TAXA DE CÂMBIO NOMINAL
R$ / US$
* Dado de Julho
Fonte: Ipeadata
59
V - CONTAS PÚBLICAS
60
SETOR PÚBLICO CONSOLIDADO - RESULTADO PRIMÁRIO E NOMINAL
(% DO PIB)
* Dados de Junho
Fonte: BCB
-7,0
-5,8
-0,5
-7,6
-10,1
-4,5
-3,6
-4,6 -5,1
-2,7 -3,3 -3,2 -2,7
-1,9
-3,3
-2,5 -2,6 -2,5
-3,3 -3,6
0,4 0,1 1,0 0,0
3,2 3,5 3,6 3,9 4,3 4,6 4,8
3,6 3,4 3,5
2,1 2,7 3,1 2,4 1,9 1,4
7,4
5,9
1,5
7,5
13,3
8,0
7,2
8,5
9,3
7,3
8,1
6,8
6,1
5,4 5,4 5,2
5,7 4,9 5,1 5,0
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
NOMINAL PRIMÁRIO JUROS NOMINAIS
DÉFICIT PÚBLICO NOS PAÍSES DESENVOLVIDOS E EM SUA PERIFERIA EUROPÉIA NO
PÓS-CRISE
(% DO PIB)
2009 2010 2011 2012 2013
Média
2009/2013
Irlanda -13,9 -30,9 -13,3 -8,1 -7,5 -14,7
Grécia -15,6 -10,8 -9,5 -6,9 -5,6 -9,7
Espanha -11,2 -9,7 -9,4 -8,1 -6,3 -8,9
Portugal -10,2 -9,8 -4,4 -5,2 -4,9 -6,9
Italia -5,4 -4,3 -3,8 -3,0 -2,9 -3,9
Alemanha -3,1 -4,2 -0,8 -0,2 -0,4 -1,7
França -7,6 -7,1 -5,2 -4,5 -3,4 -5,6
Reino Unido -10,9 -10,1 -8,3 -6,6 -6,9 -8,6
Estados Unidos -11,9 -11,4 -10,2 -8,5 -6,8 -9,8
Japão -8,8 -8,4 -9,3 -9,9 -10,1 -9,3
Euro Área (15 Paises) -6,3 -6,2 -4,1 -3,3 -2,8 -4,5
Brasil -3,3 -2,5 -2,6 -2,5 -3,3 -2,8
Fonte: FMI / BCB
61
62
EVOLUÇÃO DA DÍVIDA PÚBLICA BRUTA E LÍQUIDA
(% DO PIB)
* Dados de Junho
Fonte: BCB
% do PIB
50,4 53,1
59,9
56 56,4 56,4
58 57,7
60,9
53,4
54,2
58,8
56,7
58,5
29,5
33,3
34,5
42,6
46,9
49,3 49,8
60,4
54,8
50,6
48,4
47,3
45,5
38,5
42,1
39,2
36,5
35,3
33,8
34,9
25
27
29
31
33
35
37
39
41
43
45
47
49
51
53
55
57
59
61
63
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Dívida Bruta Dívida Líquida
DÍVIDA PÚBLICA NOS PAÍSES DESENVOLVIDOS E EM SUA PERIFERIA EUROPEIA
NO PÓS-CRISE
(% DO PIB)
2009 2010 2011 2012 2013
Média
2009/2013
Irlanda 44,5 64,4 91,2 104,1 117,4 84,3
Grécia 112,9 129,7 148,3 170,3 157,2 143,7
Espanha 40,2 54 61,7 70,5 86 62,5
Portugal 71,7 83,7 94 108,2 124,1 96,3
Italia 106,1 116,4 119,3 120,7 127 117,9
Alemanha 66,8 74,5 82,5 80 81 77,0
França 68,2 79,2 82,7 86,2 90,6 81,4
Reino Unido 52,3 67,1 78,4 84,3 89,1 74,2
Estados Unidos 76 87,1 95,2 99,4 100,1 91,6
Japão 174,1 194,1 200 211,7 218,8 199,7
Euro Área (15 Paises) 70,2 80 85,5 87,4 90,7 82,8
Brasil 60,9 53,4 54,2 58,8 56,7 56,8
63Fonte: FMI / BCB
64
67,4%
75,7%
79,7%
84,6%
88,5%
91,9% 90,6%
93,4% 94,7% 95,5% 95,5% 95,5% 95,8%
32,6%
24,3%
20,3%
15,4%
11,5%
8,1% 9,4%
6,6% 5,3% 4,5% 4,5% 4,5% 4,2%
2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Interna Externa
COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL
* Dados de junho
Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional
TÍTULOS PÚBLICOS INDEXADOS AO CÂMBIO E A SELIC
(% DA DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL)
* Dados de Junho
Fonte: BCB
%
16,0
37,8
18,6
34,8
71,0
61,1
52,7
54,4 55,2
57,0
54,0
50,6
35,9
29,4 28,9 27,4 28,0
26,2
17,6
15,6 15,1
8,3
5,3
9,4
15,4
20,9
24,2
22,5
29,5
20,3
10,0
4,9
2,6 1,2 0,8 0,9 0,5 0,5 0,5 0,5 0,5 0,4
0,0
5,0
10,0
15,0
20,0
25,0
30,0
35,0
40,0
45,0
50,0
55,0
60,0
65,0
70,0
75,0
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
Over/Selic Câmbio
65
CARGA TRIBUTÁRIA BRUTA
(% DO PIB)
Fonte: Receita Federal
19,9 18,1 17,6 18,0 18,9 19,9 20,5 21,3 22,2 21,6 22,3 23,2 23,3 23,8 24,0 23,1 23,5 24,8 24,8
8,71
9,1 8,8 8,9 8,6 8,6 9,4 9,7 9,8 9,8 10,0 10,1 10,3 10,1 10,6 10,0 10,1
10,6 11,1
28,6
26,5 26,9 27,5 28,5
29,9 30,9
32,0 31,4 32,2
33,3
33,6 33,9 34,6 33,1 33,6 35,3
35,9
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012
União Estados e Municípios Total
27,2
66
67
* Dados de Jan a Jun
Fonte: STN
DESPESAS COM PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS
(% DO PIB)
5,2
5,4
4,8
4,7
4,9
4,5
4,6
4,8 4,8
4,5
4,3 4,3
4,5
4,4
4,3
4,7
4,4
4,3
4,2 4,2 4,2
3,0
3,2
3,4
3,6
3,8
4,0
4,2
4,4
4,6
4,8
5,0
5,2
5,4
5,6
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
68
VI - EMPREGO E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA
69
REGIÕES METROPOLITANAS
TAXA DE DESEMPREGO ABERTO – MÉDIA 30 DIAS
(%)
* Dados de abril
Fonte: IBGE
8,3 8,4
9,5
10,2
11,1
12,1
11,0
11,2
11,7
12,3
11,5
9,8 10,0
9,3
7,9
8,1
6,7
6,0
5,5 5,4
5,0
3,0
3,5
4,0
4,5
5,0
5,5
6,0
6,5
7,0
7,5
8,0
8,5
9,0
9,5
10,0
10,5
11,0
11,5
12,0
12,5
13,0
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
%
TAXA DE DESEMPREGO NOS PAÍSES DESENVOLVIDOS E EM SUA
PERIFERIA EUROPEIA NO PÓS-CRISE
2009 2010 2011 2012 2013
Média
2009/2013
Irlanda 12,0 13,9 14,6 14,7 13,0 13,6
Grécia 9,5 12,5 17,7 24,2 27,3 18,2
Espanha 18,0 20,1 21,7 25,0 26,4 22,2
Portugal 9,5 10,8 12,7 15,7 16,3 13,0
Italia 7,8 8,4 8,4 10,7 12,2 9,5
Alemanha 7,8 7,1 6,0 5,5 5,3 6,3
França 9,5 9,7 9,6 10,2 10,8 10,0
Reino Unido 7,7 7,9 8,1 8,0 7,6 7,9
Estados Unidos 9,3 9,6 8,9 8,1 7,4 8,7
Japão 5,1 5,0 4,6 4,3 4,0 4,6
Brasil 8,1 6,7 6,0 5,5 5,4 6,3
Fonte: FMI / IBGE
70
71
23,7 23,8 23,8 24,1 24,5 25,0
26,2
27,2
28,7
29,5
31,4
33,2
35,2
37,6
39,4
41,2
44,1
46,3
47,5
20,0
22,5
25,0
27,5
30,0
32,5
35,0
37,5
40,0
42,5
45,0
47,5
50,0
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012
EVOLUÇÃO DO NÚMERO TOTAL DE EMPREGADOS COM VÍNCULO FORMAL DE EMPREGO
(MILHÕES DE EMPREGADOS)
Fonte: RAIS
72
* Série sem ajuste geográfico
** Acumulado em 12 meses até junho
Fonte: MTE / CAGED
EMPREGO FORMAL – GERAÇÃO LÍQUIDA DE POSTOS DE TRABALHO*
(Nº DE POSTOS DE TRABALHO)
-129.339
-271.339
-36.000
-582.000
-196.000
657.000
591.000
762.000
645.000
1.523.000
1.229.000
1.617.392
1.452.204
995.110
2.136.947
1.566.043
868.241
730.687
563.232
301.926
1.254.000
-800.000
-600.000
-400.000
-200.000
0
200.000
400.000
600.000
800.000
1.000.000
1.200.000
1.400.000
1.600.000
1.800.000
2.000.000
2.200.000
2.400.000
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014**
73
EVOLUÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO REAL*
Índice 1994= 100
Salário Mínimo
Nominal
(R$)
1994 70,0
1995 100,0
1996 112,0
1997 120,0
1998 130,0
1999 136,0
2000 151,0
2001 180,0
2002 200,0
2003 240,0
2004 260,0
2005 300,0
2006 350,0
2007 380,0
2008 415,0
2009 465,0
2010 510,0
2011 545,0
2012 622,0
2013 678,0
2014** 724,0
M E M O:
* Deflacionado - INPC
** Posição em Jan
Fonte: DIEESE
100,0
117,1 120,2
123,5
130,5
125,9
132,8
144,6
140,1
152,3 155,4
170,7
193,7
200,0
205,1
220,8
227,4 229,1
246,2
254,3
263,8
90,0
100,0
110,0
120,0
130,0
140,0
150,0
160,0
170,0
180,0
190,0
200,0
210,0
220,0
230,0
240,0
250,0
260,0
270,0
280,0
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014**
74
91,5
82,7 81,9
78,5
82,3
79,2
71,4
79,4
68,7
66,2
61,1
52,0
56,5
57,7
49,1
52,0
50,9
49,0 48,3 47,7
72,7
61,6 61,2
64,7
62,7
60,3
55,1
59,7
53,2
48,0
44,3
38,0
41,7
47,5
38,1
40,3 39,5
40,6 40,3 39,7
30,0
35,0
40,0
45,0
50,0
55,0
60,0
65,0
70,0
75,0
80,0
85,0
90,0
95,0
Dez/95 Dez/96 Dez/97 Dez/98 Dez/99 Dez/00 Dez/01 Dez/02 Dez/03 Dez/04 Dez/05 Dez/06 Dez/07 Dez/08 Dez/09 Dez/10 Dez/11 Dez/12 Dez/13 Jul/14
São Paulo Fortaleza
Fonte: DIEESE
CUSTO DA CESTA BÁSICA COM O PROPORÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO
(%)
%
75
EVOLUÇÃO DA MASSA SALARIAL
* Dados acumulados em 12 meses até abril
Fonte: IBGE
2,9
-2,3
5,4
1,3
0,5
-6,8
2,5
8,3
5,7
4,6
7,4
2,3
9,4
3,4
6,5
2,9
3,6
1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
76
35,2
34,1
33,0 33,1
32,1 32,2
31,9
31,4
31,1
30,8
31,7
32,5
32,7
33,3
34,1
35,0
38,6
30,0
30,5
31,0
31,5
32,0
32,5
33,0
33,5
34,0
34,5
35,0
35,5
36,0
36,5
37,0
37,5
38,0
38,5
39,0
39,5
40,0
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011*
PARTICIPAÇÃO DOS SALÁRIOS NO PIB
(%)
%
* Estimativa
Fonte: IBGE
77
100,0
103,0 103,5
105,0
102,9
101,0
103,5 103,2 104,6 104,6
109,5
111,8
115,1
120,9
125,6
123,7
131,4
133,8 134,1
136,0
90,0
95,0
100,0
105,0
110,0
115,0
120,0
125,0
130,0
135,0
140,0
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
EVOLUÇÃO DO PIB REAL PER CAPITA*
ANO BASE 1994= 100
Fonte: IBGE
* Preços de 2013. O PIB real per capita passou de R$ 18.170,00 em 1994 para 24.710,00 em 2013
78
EVOLUÇÃO DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA
EM R$ DE OUTUBRO 2012
Fonte: Ipeadata / PNAD
Nota: Em 1994, 2000 e 2010 não foram publicados
689,3
702,8 702,1
709,4
669,8
680,0 680,0
640,4
654,6
694,0
758,5
778,6
816,6
838,6
891,4
962,1
600
625
650
675
700
725
750
775
800
825
850
875
900
925
950
975
1.000
1995 1996 1997 1998 1999 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2011 2012
79
BOLSA FAMÍLIA – FAMÍLIAS ATENDIDAS E VALOR DOS BENEFÍCIOS
* Dados acumulados até julho
Fonte: MDS / Portal da Transparência do Governo Federal
3,6
6,5
8,7
11,1 11,1
11,6
12,3
12,9
13,4
13,7
14,1
3,4
5,7
6,5
7,8
9,2
10,5
12,7
14,6
17,6
20,3
24,9
0,0
2,0
4,0
6,0
8,0
10,0
12,0
14,0
16,0
18,0
20,0
22,0
24,0
26,0
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
Famílias Atendidas (R$ milhões) Valores Transferidos (R$ Bilhões)
80
35,1 34,7 35,2
34,0
35,3 35,2
34,4
35,8
33,7
30,8
26,8
24,2
22,6
21,4
18,4
15,9
14,0
16,0
18,0
20,0
22,0
24,0
26,0
28,0
30,0
32,0
34,0
36,0
38,0
1995 1996 1997 1998 1999 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2011 2012
TAXAS DE POBREZA
PESSOAS POBRES (% DA POPULAÇÃO TOTAL)
Fonte: Ipeadata
Nota: 1994, 2000 e 2010 não foram publicados
81
Fonte: Ipeadata
Nota: 1994, 2000 e 2010 não foram publicados
COEFICIENTE DE GINI
0,601 0,602 0,602
0,600
0,594 0,596
0,589
0,583
0,572
0,569
0,563
0,556
0,546
0,543
0,531 0,530
0,52
0,53
0,54
0,55
0,56
0,57
0,58
0,59
0,60
0,61
1995 1996 1997 1998 1999 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2011 2012
82
TRAJETÓRIA DO GASTO SOCIAL FEDERAL PER CAPITA, 1995 A 2011
R$ CONSTANTES
Fonte: SIAFI/SIDOR e IPEADATA
1.383 1.382
1.489
1.582 1.596
1.682
1.770
1.811 1.804
1.944
2.082
2.266
2.430
2.556
2.827
3.325
3.444
1.200
1.300
1.400
1.500
1.600
1.700
1.800
1.900
2.000
2.100
2.200
2.300
2.400
2.500
2.600
2.700
2.800
2.900
3.000
3.100
3.200
3.300
3.400
3.500
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
83
11,2
11,0
11,5
12,3 12,2
12,6
13,0 12,9 13,0
13,2
13,8
14,4 14,4
14,2
15,5 15,5
16,2
10,0
10,5
11,0
11,5
12,0
12,5
13,0
13,5
14,0
14,5
15,0
15,5
16,0
16,5
17,0
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
TRAJETÓRIA DO GASTO SOCIAL FEDERAL TOTAL, 1995 A 2011
% DO PIB
Fonte: SIAFI/SIDOR e IPEADATA

Recomendados

Portugal Profile 2 - Convergencia
Portugal Profile 2 - ConvergenciaPortugal Profile 2 - Convergencia
Portugal Profile 2 - ConvergenciaAntónio Alvarenga
 
Estudos da cb soc. não financeiras2 2010
Estudos da cb  soc. não financeiras2 2010Estudos da cb  soc. não financeiras2 2010
Estudos da cb soc. não financeiras2 2010Marilia Teixeira
 
Relatório de Inflação de Março de 2015
Relatório de Inflação de Março de 2015Relatório de Inflação de Março de 2015
Relatório de Inflação de Março de 2015DenizecomZ
 
Poupança das famílias
Poupança das famíliasPoupança das famílias
Poupança das famíliasSandro Dias
 
Rg 2014 servicrédito
Rg 2014 servicréditoRg 2014 servicrédito
Rg 2014 servicréditoAMILCAR SILVA
 
Relatorio de fundamentacao_orc
Relatorio de fundamentacao_orcRelatorio de fundamentacao_orc
Relatorio de fundamentacao_orcNsedam
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Desenvolvimento Econômico
Apresentação Desenvolvimento EconômicoApresentação Desenvolvimento Econômico
Apresentação Desenvolvimento EconômicoPDDI RMVA
 
Boletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFESeconomiaufes
 
Apresentação do extrato do Diagnóstico - Desenvolvimento Econômico
Apresentação do extrato do Diagnóstico - Desenvolvimento EconômicoApresentação do extrato do Diagnóstico - Desenvolvimento Econômico
Apresentação do extrato do Diagnóstico - Desenvolvimento EconômicoPDDI RMVA
 
Vi encontro cenários e estratégias - wilson
Vi encontro   cenários e estratégias - wilsonVi encontro   cenários e estratégias - wilson
Vi encontro cenários e estratégias - wilsonCPFL RI
 
CI - 2015 - perspectivas econômicas para 2015
CI - 2015 - perspectivas econômicas para 2015CI - 2015 - perspectivas econômicas para 2015
CI - 2015 - perspectivas econômicas para 2015Delta Economics & Finance
 
Retrospectiva Prospectiva: O ex-prodígio reverte à média
Retrospectiva Prospectiva: O ex-prodígio reverte à médiaRetrospectiva Prospectiva: O ex-prodígio reverte à média
Retrospectiva Prospectiva: O ex-prodígio reverte à médiaBanco Pine
 
Boletim Económico de Verão
Boletim Económico de VerãoBoletim Económico de Verão
Boletim Económico de VerãoMaria Santos
 
Boletim: Resultado Fiscal Estrutural 2015
Boletim: Resultado Fiscal Estrutural 2015Boletim: Resultado Fiscal Estrutural 2015
Boletim: Resultado Fiscal Estrutural 2015Ministério da Economia
 
2008 2010-reformas-processo-orcamental-gestao-financas
2008 2010-reformas-processo-orcamental-gestao-financas2008 2010-reformas-processo-orcamental-gestao-financas
2008 2010-reformas-processo-orcamental-gestao-financasJoaquimOliveiraBapti1
 
Tendencias jones
Tendencias jonesTendencias jones
Tendencias jonesUNU-WIDER
 
Relatório de inflação do banco central março de 2013
Relatório de inflação do banco central   março de 2013Relatório de inflação do banco central   março de 2013
Relatório de inflação do banco central março de 2013José Ripardo
 
Retrospectiva Prospectiva: Jogo de Paciência
Retrospectiva Prospectiva: Jogo de PaciênciaRetrospectiva Prospectiva: Jogo de Paciência
Retrospectiva Prospectiva: Jogo de PaciênciaBanco Pine
 
Carta Aberta explicando a inflação acima do limite superior do intervalo de t...
Carta Aberta explicando a inflação acima do limite superior do intervalo de t...Carta Aberta explicando a inflação acima do limite superior do intervalo de t...
Carta Aberta explicando a inflação acima do limite superior do intervalo de t...GRUPO DE ORAÇÃO ANJO RAFAEL
 
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da FazendaApresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da FazendaRoberto Dias Duarte
 
Bdm 05.04.2010
Bdm 05.04.2010Bdm 05.04.2010
Bdm 05.04.2010oabcred
 

Mais procurados (20)

Apresentação Desenvolvimento Econômico
Apresentação Desenvolvimento EconômicoApresentação Desenvolvimento Econômico
Apresentação Desenvolvimento Econômico
 
Gasto público
Gasto públicoGasto público
Gasto público
 
Boletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Apresentação do extrato do Diagnóstico - Desenvolvimento Econômico
Apresentação do extrato do Diagnóstico - Desenvolvimento EconômicoApresentação do extrato do Diagnóstico - Desenvolvimento Econômico
Apresentação do extrato do Diagnóstico - Desenvolvimento Econômico
 
Vi encontro cenários e estratégias - wilson
Vi encontro   cenários e estratégias - wilsonVi encontro   cenários e estratégias - wilson
Vi encontro cenários e estratégias - wilson
 
CI - 2015 - perspectivas econômicas para 2015
CI - 2015 - perspectivas econômicas para 2015CI - 2015 - perspectivas econômicas para 2015
CI - 2015 - perspectivas econômicas para 2015
 
China: Desenvolvimento Econômico e Ascensão Internacional
China: Desenvolvimento Econômico e Ascensão InternacionalChina: Desenvolvimento Econômico e Ascensão Internacional
China: Desenvolvimento Econômico e Ascensão Internacional
 
Retrospectiva Prospectiva: O ex-prodígio reverte à média
Retrospectiva Prospectiva: O ex-prodígio reverte à médiaRetrospectiva Prospectiva: O ex-prodígio reverte à média
Retrospectiva Prospectiva: O ex-prodígio reverte à média
 
Boletim Económico de Verão
Boletim Económico de VerãoBoletim Económico de Verão
Boletim Económico de Verão
 
Boletim: Resultado Fiscal Estrutural 2015
Boletim: Resultado Fiscal Estrutural 2015Boletim: Resultado Fiscal Estrutural 2015
Boletim: Resultado Fiscal Estrutural 2015
 
12. panorama comex mg dez2010
12. panorama comex mg dez201012. panorama comex mg dez2010
12. panorama comex mg dez2010
 
2008 2010-reformas-processo-orcamental-gestao-financas
2008 2010-reformas-processo-orcamental-gestao-financas2008 2010-reformas-processo-orcamental-gestao-financas
2008 2010-reformas-processo-orcamental-gestao-financas
 
Tendencias jones
Tendencias jonesTendencias jones
Tendencias jones
 
O ciclo recente de crescimento chinês e seus desafios
O ciclo recente de crescimento chinês e seus desafiosO ciclo recente de crescimento chinês e seus desafios
O ciclo recente de crescimento chinês e seus desafios
 
Relatório de inflação do banco central março de 2013
Relatório de inflação do banco central   março de 2013Relatório de inflação do banco central   março de 2013
Relatório de inflação do banco central março de 2013
 
Retrospectiva Prospectiva: Jogo de Paciência
Retrospectiva Prospectiva: Jogo de PaciênciaRetrospectiva Prospectiva: Jogo de Paciência
Retrospectiva Prospectiva: Jogo de Paciência
 
Carta Aberta explicando a inflação acima do limite superior do intervalo de t...
Carta Aberta explicando a inflação acima do limite superior do intervalo de t...Carta Aberta explicando a inflação acima do limite superior do intervalo de t...
Carta Aberta explicando a inflação acima do limite superior do intervalo de t...
 
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da FazendaApresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
 
Release 3T01
Release 3T01Release 3T01
Release 3T01
 
Bdm 05.04.2010
Bdm 05.04.2010Bdm 05.04.2010
Bdm 05.04.2010
 

Semelhante a Vinte anos de economia brasileira 1994-2014

CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010
CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010
CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010Delta Economics & Finance
 
Boletin regional BACEN - 2015/11
Boletin regional BACEN - 2015/11Boletin regional BACEN - 2015/11
Boletin regional BACEN - 2015/11Paulo Magalhaes
 
Carlosthadeu 131107085008-phpapp01
Carlosthadeu 131107085008-phpapp01Carlosthadeu 131107085008-phpapp01
Carlosthadeu 131107085008-phpapp01CNC
 
Carlosthadeu 131107083532-phpapp01
Carlosthadeu 131107083532-phpapp01Carlosthadeu 131107083532-phpapp01
Carlosthadeu 131107083532-phpapp01CNC
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de Barros
2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de Barros2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de Barros
2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de BarrosRicardo Chrisostimo
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de Barros
2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de Barros2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de Barros
2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de BarrosCNseg
 
FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...
FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...
FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Diagnóstico do Setor Exportador Catarinense 2011
Diagnóstico do Setor Exportador Catarinense 2011Diagnóstico do Setor Exportador Catarinense 2011
Diagnóstico do Setor Exportador Catarinense 2011FIESC
 
Fatos Monetários no Brasil Pós-Real
Fatos Monetários no Brasil Pós-RealFatos Monetários no Brasil Pós-Real
Fatos Monetários no Brasil Pós-RealMatheus Albergaria
 
Relatório de Inflação - 201412
Relatório de Inflação - 201412Relatório de Inflação - 201412
Relatório de Inflação - 201412DenizecomZ
 
Macroeconomia_-_Mario_Henrique_Simonsen_(2).pdf
Macroeconomia_-_Mario_Henrique_Simonsen_(2).pdfMacroeconomia_-_Mario_Henrique_Simonsen_(2).pdf
Macroeconomia_-_Mario_Henrique_Simonsen_(2).pdfValdeirAlmeida7
 
A Crise Financeira Internacional e as Políticas Anticíclicas no Brasil
A Crise Financeira Internacional e as Políticas Anticíclicas no Brasil A Crise Financeira Internacional e as Políticas Anticíclicas no Brasil
A Crise Financeira Internacional e as Políticas Anticíclicas no Brasil luizfernandokowalski
 
INDUSTRIAL E POLÍTICA EM PORTUGAL
INDUSTRIAL E POLÍTICA EM PORTUGAL INDUSTRIAL E POLÍTICA EM PORTUGAL
INDUSTRIAL E POLÍTICA EM PORTUGAL Cláudio Carneiro
 
Rui seixal rui gonçalves artigo 8
Rui seixal rui gonçalves artigo 8Rui seixal rui gonçalves artigo 8
Rui seixal rui gonçalves artigo 8Rui Seixal
 

Semelhante a Vinte anos de economia brasileira 1994-2014 (20)

CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010
CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010
CI - 2010 - perspectivas econômicas para 2010
 
Boletin regional BACEN - 2015/11
Boletin regional BACEN - 2015/11Boletin regional BACEN - 2015/11
Boletin regional BACEN - 2015/11
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
Carlosthadeu 131107085008-phpapp01
Carlosthadeu 131107085008-phpapp01Carlosthadeu 131107085008-phpapp01
Carlosthadeu 131107085008-phpapp01
 
Carlosthadeu 131107083532-phpapp01
Carlosthadeu 131107083532-phpapp01Carlosthadeu 131107083532-phpapp01
Carlosthadeu 131107083532-phpapp01
 
Carlos Thadeu
Carlos ThadeuCarlos Thadeu
Carlos Thadeu
 
Carlos thadeu
Carlos thadeuCarlos thadeu
Carlos thadeu
 
Codace
CodaceCodace
Codace
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de Barros
2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de Barros2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de Barros
2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de Barros
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de Barros
2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de Barros2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de Barros
2º Fórum da Saúde Suplementar - Octavio de Barros
 
Carta de Conjuntura Fundação de Economia e Estatística
Carta de Conjuntura Fundação de Economia e EstatísticaCarta de Conjuntura Fundação de Economia e Estatística
Carta de Conjuntura Fundação de Economia e Estatística
 
FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...
FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...
FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...
 
Eb 2006
Eb 2006Eb 2006
Eb 2006
 
Diagnóstico do Setor Exportador Catarinense 2011
Diagnóstico do Setor Exportador Catarinense 2011Diagnóstico do Setor Exportador Catarinense 2011
Diagnóstico do Setor Exportador Catarinense 2011
 
Fatos Monetários no Brasil Pós-Real
Fatos Monetários no Brasil Pós-RealFatos Monetários no Brasil Pós-Real
Fatos Monetários no Brasil Pós-Real
 
Relatório de Inflação - 201412
Relatório de Inflação - 201412Relatório de Inflação - 201412
Relatório de Inflação - 201412
 
Macroeconomia_-_Mario_Henrique_Simonsen_(2).pdf
Macroeconomia_-_Mario_Henrique_Simonsen_(2).pdfMacroeconomia_-_Mario_Henrique_Simonsen_(2).pdf
Macroeconomia_-_Mario_Henrique_Simonsen_(2).pdf
 
A Crise Financeira Internacional e as Políticas Anticíclicas no Brasil
A Crise Financeira Internacional e as Políticas Anticíclicas no Brasil A Crise Financeira Internacional e as Políticas Anticíclicas no Brasil
A Crise Financeira Internacional e as Políticas Anticíclicas no Brasil
 
INDUSTRIAL E POLÍTICA EM PORTUGAL
INDUSTRIAL E POLÍTICA EM PORTUGAL INDUSTRIAL E POLÍTICA EM PORTUGAL
INDUSTRIAL E POLÍTICA EM PORTUGAL
 
Rui seixal rui gonçalves artigo 8
Rui seixal rui gonçalves artigo 8Rui seixal rui gonçalves artigo 8
Rui seixal rui gonçalves artigo 8
 

Último

Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Prime Assessoria
 
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...AssessoriaAcadmicaDl
 
ELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MED
ELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MEDELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MED
ELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MEDJoefersonDelfino2
 
Frente ao excerto acima, explique como o cianeto, um inibidor da cadeia trans...
Frente ao excerto acima, explique como o cianeto, um inibidor da cadeia trans...Frente ao excerto acima, explique como o cianeto, um inibidor da cadeia trans...
Frente ao excerto acima, explique como o cianeto, um inibidor da cadeia trans...Prime Assessoria
 
Na manipulação dos microrganismos, deve-se classificá-los para detectar a qua...
Na manipulação dos microrganismos, deve-se classificá-los para detectar a qua...Na manipulação dos microrganismos, deve-se classificá-los para detectar a qua...
Na manipulação dos microrganismos, deve-se classificá-los para detectar a qua...Prime Assessoria
 
f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...
f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...
f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...Prime Assessoria
 
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024DL assessoria 30
 
MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024DL assessoria 31
 
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...AgnesVitoriano
 
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...dl assessoria 8
 
DISCORRA sobre os quatro níveis de biossegurança e apresente as barreiras pri...
DISCORRA sobre os quatro níveis de biossegurança e apresente as barreiras pri...DISCORRA sobre os quatro níveis de biossegurança e apresente as barreiras pri...
DISCORRA sobre os quatro níveis de biossegurança e apresente as barreiras pri...Prime Assessoria
 
ATIVIDADE 01 - SAÚDE - EMBRIOLOGIA E HISTOLOGIA - 51/2024
ATIVIDADE 01 - SAÚDE - EMBRIOLOGIA E HISTOLOGIA - 51/2024ATIVIDADE 01 - SAÚDE - EMBRIOLOGIA E HISTOLOGIA - 51/2024
ATIVIDADE 01 - SAÚDE - EMBRIOLOGIA E HISTOLOGIA - 51/2024Prime Assessoria
 
MAPA - BIOSSEGURANÇA E BIOÉTICA - 51/2024
MAPA - BIOSSEGURANÇA E BIOÉTICA - 51/2024MAPA - BIOSSEGURANÇA E BIOÉTICA - 51/2024
MAPA - BIOSSEGURANÇA E BIOÉTICA - 51/2024DL assessoria 35
 
1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...
1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...
1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...Prime Assessoria
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...DlAssessoriaacadmica2
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024DL assessoria 29
 
Um empreendedor está considerando a compra de duas propriedades no interior d...
Um empreendedor está considerando a compra de duas propriedades no interior d...Um empreendedor está considerando a compra de duas propriedades no interior d...
Um empreendedor está considerando a compra de duas propriedades no interior d...DL assessoria 28
 
a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...
a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...
a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...Prime Assessoria
 
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...assessoria DL S5
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.Prime Assessoria
 

Último (20)

Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
 
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
 
ELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MED
ELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MEDELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MED
ELETIVA II.pptxSEGUNDO ANO DO ENSINO MED
 
Frente ao excerto acima, explique como o cianeto, um inibidor da cadeia trans...
Frente ao excerto acima, explique como o cianeto, um inibidor da cadeia trans...Frente ao excerto acima, explique como o cianeto, um inibidor da cadeia trans...
Frente ao excerto acima, explique como o cianeto, um inibidor da cadeia trans...
 
Na manipulação dos microrganismos, deve-se classificá-los para detectar a qua...
Na manipulação dos microrganismos, deve-se classificá-los para detectar a qua...Na manipulação dos microrganismos, deve-se classificá-los para detectar a qua...
Na manipulação dos microrganismos, deve-se classificá-los para detectar a qua...
 
f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...
f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...
f) No caso clínico relatado nesta atividade, o paciente apresentou atrofia mu...
 
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
 
MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
 
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
 
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
 
DISCORRA sobre os quatro níveis de biossegurança e apresente as barreiras pri...
DISCORRA sobre os quatro níveis de biossegurança e apresente as barreiras pri...DISCORRA sobre os quatro níveis de biossegurança e apresente as barreiras pri...
DISCORRA sobre os quatro níveis de biossegurança e apresente as barreiras pri...
 
ATIVIDADE 01 - SAÚDE - EMBRIOLOGIA E HISTOLOGIA - 51/2024
ATIVIDADE 01 - SAÚDE - EMBRIOLOGIA E HISTOLOGIA - 51/2024ATIVIDADE 01 - SAÚDE - EMBRIOLOGIA E HISTOLOGIA - 51/2024
ATIVIDADE 01 - SAÚDE - EMBRIOLOGIA E HISTOLOGIA - 51/2024
 
MAPA - BIOSSEGURANÇA E BIOÉTICA - 51/2024
MAPA - BIOSSEGURANÇA E BIOÉTICA - 51/2024MAPA - BIOSSEGURANÇA E BIOÉTICA - 51/2024
MAPA - BIOSSEGURANÇA E BIOÉTICA - 51/2024
 
1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...
1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...
1) Explique o caminho percorrido pelo espermatozoide dentro do trato reprodut...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GESTÃO INTEGRADA DA QUALIDADE ( QSSMA) - 51/2024
 
Um empreendedor está considerando a compra de duas propriedades no interior d...
Um empreendedor está considerando a compra de duas propriedades no interior d...Um empreendedor está considerando a compra de duas propriedades no interior d...
Um empreendedor está considerando a compra de duas propriedades no interior d...
 
a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...
a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...
a) Cite e Explique os princípios doutrinários/éticos e organizacionais que re...
 
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
 

Vinte anos de economia brasileira 1994-2014

  • 1. 1 VINTE ANOS DE ECONOMIA BRASILEIRA 1994 / 2014 Gerson Gomes Carlos Antônio Silva da Cruz Brasília, DF Julho 2014
  • 2. 2 APRESENTAÇÃO O propósito deste trabalho é reunir, em um único documento, um conjunto de informações, disponibilizadas por instituições oficiais e privadas, mediante publicações ou sítios da rede mundial de computadores, relativas à evolução da economia brasileira nos últimos vinte anos. Esse período foi marcado por intensas transformações, tanto no cenário internacional, quanto no próprio país. No âmbito externo, três grandes acontecimentos tiveram uma importância decisiva na evolução da economia mundial e, como reflexo, da brasileira: a crescente expansão e integração dos mercados financeiros internacionais pari passu à generalização, à escala global, a partir dos anos 80, das políticas de liberalização e desregulamentação econômica, modelo ao qual aderimos tardiamente nos anos 90; a emersão da China, na esteira da desterritorialização da produção industrial norte-americana, como potência econômica e comercial, que gerou impactos significativos nos mercados mundiais de commodities e nas condições de concorrência da produção e comércio de produtos industrializados; e a grande crise econômica mundial deflagrada a partir do crash, em 2008, do sistema bancário norte-americano e de sua propagação aos mercados financeiros da Europa, que colocou em xeque o modelo de liberalização e desregulamentação econômica e cujos impasses e desdobramentos não foram ainda equacionados. No plano interno, os principais eventos que moldaram nossa trajetória econômica ao longo dos últimos vinte anos podem ser agrupados em dois períodos. No primeiro, que vai até 2002, destacam-se: a estabilização dos preços internos, com a introdução da URV e a posterior reforma monetária de junho de 1994, que reverteu o processo inflacionário, embora tenha produzido, em associação com a apreciação da taxa de câmbio, desequilíbrios não negligenciáveis no setor externo da economia; a acentuação do processo de liberalização comercial e financeira iniciado no início dos anos 90, que integrou o país, de forma reflexa, à dinâmica dos mercados financeiros globais; as reformas econômicas, com a quebra do monopólio público e privatização das empresas estatais em setores estratégicos, paralelamente à eliminação da diferenciação entre empresas nacionais e estrangeiras; e a implantação do sistema de metas de inflação, na esteira da crise cambial de janeiro de 1999.
  • 3. 3 A partir de 2003, com a mudança de orientação programática na administração do País, merecem especial referência: a introdução de um novo padrão de distribuição de renda, fundado em políticas permanentes de elevação progressiva do salário mínimo real, de transferência de renda aos setores economicamente mais frágeis, de formalização do mercado de trabalho, democratização do crédito e ampliação da cobertura previdenciária, que propiciou a expansão significativa do mercado interno e modificou o perfil da estrutura social brasileira; as políticas de consolidação financeira do setor externo, com a forte elevação das reservas internacionais e redução relativa do endividamento externo do país; a recuperação de instrumentos de coordenação da política de desenvolvimento, como o planejamento do investimento público, a política industrial, a utilização do poder de compra do Estado, entre outros, que haviam sido abandonados em períodos anteriores; e as políticas anticíclicas adotadas para enfrentar a crise de 2008, que limitaram a magnitude dos seus impactos imediatos e permitiram preservar o nível de emprego, as políticas sociais e a estabilidade macroeconômica, apesar das dificuldades associadas a um cenário internacional marcado pela instabilidade dos mercados financeiros e tensões recessivas, que ainda subsistem, nas principais economias desenvolvidas. Trata-se, portanto, de um período extraordinariamente rico em experiências e ensinamentos, tanto do ponto de vista analítico quanto da perspectiva da História e do aprendizado de suas lições. Esperamos que o esforço de sistematização desse conjunto de informações, embora limitado em seu escopo e no nível de desagregação dos dados, possa ser de utilidade para os participantes do Seminário Brasil em Perspectiva II e, de modo geral, para os interessados na discussão das questões estruturais, dos desafios e das opções estratégicas do desenvolvimento econômico e social do País. Gerson Gomes Brasília, julho de 2014
  • 4. 4 Índice I – Setor Externo...................................................................................................... 5 II – Atividade Econômica....................................................................................... 32 III – Crédito e Financiamento................................................................................ 47 IV – Inflação e Preços............................................................................................ 53 V – Contas Públicas............................................................................................... 59 VI – Emprego e Distribuição de Renda................................................................ 68
  • 5. 5 I - SETOR EXTERNO
  • 6. X – Exportações I – Importações * Dados acumulados em 12 meses até junho Fonte: BCB BRASIL – CORRENTE DE COMÉRCIO EXTERIOR (US$ BILHÕES) 6 20 40 60 80 100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300 320 340 360 380 400 420 440 460 480 500 520 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Exportações Importações Fluxo X M Soma 1994 43,5 33,1 76,6 1995 46,5 50,0 96,5 1996 47,7 53,3 101,1 1997 53,0 59,8 112,8 1998 51,1 57,7 108,9 1999 48,0 49,3 97,3 2000 55,1 55,9 110,9 2001 58,2 55,6 113,8 2002 60,4 47,2 107,6 2003 73,1 48,3 121,4 2004 96,5 62,8 159,3 2005 118,3 73,6 191,9 2006 137,8 91,3 229,2 2007 160,6 120,6 281,3 2008 197,9 173,0 370,9 2009 153,0 127,7 280,7 2010 201,9 181,8 383,7 2011 256,0 226,2 482,3 2012 242,6 223,2 465,8 2013 242,2 239,6 481,8 2014* 238,3 235,1 473,4 M E M O:
  • 7. * Dados acumulados em 12 meses até junho Fonte: BCB BRASIL – SALDO DA BALANÇA COMERCIAL (US$ BILHÕES) 7 US$ BilhõesSaldo 1994 10,5 1995 -3,5 1996 -5,6 1997 -6,8 1998 -6,6 1999 -1,3 2000 -0,8 2001 2,6 2002 13,1 2003 24,8 2004 33,6 2005 44,7 2006 46,5 2007 40,0 2008 25,0 2009 25,3 2010 20,2 2011 29,8 2012 19,4 2013 2,6 2014* 3,1 M E M O: -10,0 -5,0 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 50,0 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
  • 8. EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES DE QUANTUM E DE PREÇOS DAS EXPORTAÇÕES Ano Base 1994= 100 8 80 90 100 110 120 130 140 150 160 170 180 190 200 210 220 230 240 250 260 270 280 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Quantum Preços M E M O: Q - Quantum P - Preços * Dados acumulados em 12 meses até junho Fonte: FUNCEX Índices Ano Base 1994= 100 Q P Valor 1994 100,0 100,0 100,0 1995 94,1 113,6 106,8 1996 96,6 113,8 109,6 1997 106,3 114,5 121,7 1998 110,0 106,9 117,4 1999 118,5 93,1 110,3 2000 131,7 96,2 126,5 2001 144,1 93,0 133,7 2002 156,6 88,7 138,6 2003 181,2 92,9 167,8 2004 215,9 103,0 221,6 2005 236,1 115,5 271,7 2006 243,9 129,9 316,5 2007 257,3 143,5 368,9 2008 251,0 181,3 454,6 2009 223,9 157,0 351,3 2010 245,4 189,2 463,7 2011 252,4 233,1 588,0 2012 251,7 221,7 557,1 2013 260,2 213,9 556,2 2014* 261,3 209,8 548,7
  • 9. EVOLUÇÃO DO ÍNDICE QUANTUM E DOS PREÇOS DAS IMPORTAÇÕES ANO BASE 1994= 100 9 M E M O: Índices Ano Base 1994= 100 Q P Valor 1994 100,0 100,0 100,0 1995 147,7 102,3 151,1 1996 156,8 102,8 161,3 1997 185,4 97,5 180,9 1998 188,8 92,4 174,5 1999 160,5 92,8 149,0 2000 181,6 92,9 168,8 2001 186,9 89,9 168,1 2002 164,2 87,0 142,8 2003 158,2 92,3 146,1 2004 187,1 101,5 190,0 2005 197,1 112,8 222,5 2006 228,9 120,6 276,1 2007 279,2 130,5 364,6 2008 328,7 159,0 522,9 2009 273,2 141,3 386,1 2010 374,1 146,8 549,5 2011 407,5 167,8 683,9 2012 398,2 169,3 674,7 2013 432,6 167,4 724,4 2014* 430,1 165,8 713,0 Q - Quantum P - Preços * Dados acumulados em 12 meses até junho Fonte: FUNCEX 50 70 90 110 130 150 170 190 210 230 250 270 290 310 330 350 370 390 410 430 450 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Quantum Preços
  • 10. 10 TERMOS DE TROCA * Dado de Junho Fonte: Funcex Índices 1994 92,9 1995 103,2 1996 102,8 1997 109,1 1998 107,4 1999 93,2 2000 96,2 2001 96,0 2002 94,7 2003 93,4 2004 94,2 2005 95,0 2006 100,0 2007 102,1 2008 105,9 2009 103,2 2010 119,7 2011 129,0 2012 121,5 2013 118,7 2014* 116,7 M E M O: 85 90 95 100 105 110 115 120 125 130 135 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
  • 11. 11 US$ Bilhões EVOLUÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE PRODUTOS BÁSICOS E MANUFATURADOS US$ BILHÕES * Dados acumulados em 12 meses até junho Fonte: IPEADATA 11,1 11,0 11,9 14,5 13,0 11,8 12,6 15,3 17,0 21,2 28,5 34,7 40,3 51,6 73,0 62,0 90,0 122,5 113,5 113,0 133,9 25,0 25,6 26,4 29,2 29,4 27,3 32,6 33,0 33,1 39,8 53,1 65,4 75,0 83,9 92,7 67,3 79,6 92,3 90,7 93,1 90,0 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 105 110 115 120 125 130 135 140 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Básicos Manufaturados
  • 12. COMPOSIÇÃO DAS EXPORTAÇÕES (% DO TOTAL) * Dados acumulados em 12 meses até Junho Fonte: Funcex 25,4 23,6 24,9 27,3 25,4 24,6 22,8 26,4 28,1 29,0 29,6 29,4 29,2 32,1 36,9 40,5 44,6 47,8 46,8 46,7 48,8 15,8 19,7 18 16 15,9 16,6 15,4 14,2 14,9 15,0 13,9 13,5 14,2 13,6 13,7 13,4 14,0 14,1 13,6 12,6 12,2 57,3 55 55,3 55,1 57,5 56,9 59,1 56,6 54,8 54,4 55,1 55,2 54,4 52,3 46,8 44,0 39,4 36,0 37,4 38,4 37,1 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Básicos Semimanufaturados Manufaturados 12
  • 13. EXPORTAÇÃO BRASILEIRA: PARTICIPAÇÃO DOS SETORES INDUSTRIAIS POR INTENSIDADE TECNOLÓGICA (CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO CRITÉRIO DA OCDE) (%) Fonte: MDIC 13 16,4 19,6 19,4 18,2 16,6 18,0 19,4 19,9 20,0 20,5 21,9 24,1 28,3 31,6 36,4 40,2 38,4 37,6 20,5 18,4 17,3 17,7 18,6 17,1 17,6 18,3 19,5 19,2 19,8 19,7 19,6 16,2 14,6 15,3 16,0 17,1 36,0 32,3 31,6 32,9 29,3 31,7 31,7 31,9 30,5 28,4 27,9 27,1 26,0 28,5 26,4 24,1 24,7 24,8 22,8 24,7 25,4 22,6 23,1 21,2 21,4 22,8 23,1 24,4 23,6 22,7 20,3 17,8 18,0 16,6 16,7 16,5 4,3 5,0 6,3 8,6 12,4 12,0 9,8 7,0 6,9 7,4 6,8 6,4 5,8 5,9 4,6 3,7 4,2 4,1 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Alta Tecnologia Média-alta Tecnologia Baixa Tecnologia Média-baixa Tecnologia Produtos não industriais
  • 14. SALDO DA BALANÇA COMERCIAL DE PRODUTOS INDUSTRIAIS (US$ BILHÕES) M E M O: Período US$ BILHÕES X M 1996 39,9 45,0 1997 42,6 52,4 1998 41,2 51,6 1999 39,3 43,8 2000 46,0 49,1 2001 47,8 49,2 2002 48,7 40,7 2003 58,5 40,5 2004 77,1 51,7 2005 94,0 60,8 2006 107,3 75,0 2007 121,9 100,0 2008 141,9 143,2 2009 104,6 110,0 2010 128,4 159,3 2011 153,2 196,4 2012 149,5 194,6 2013 151,2 205,6 -5,1 -9,8 -10,4 -4,6 -3,2 -1,5 8,0 18,0 25,4 33,2 32,3 22,0 -1,3 -5,4 -30,9 -43,2 -45,0 -54,5-60 -50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 14 X – Exportações M - Importações Fonte: Secex / MDIC
  • 15. 15 * Acumulados em 12 meses até junho Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento AGRONEGÓCIOS - BALANÇA COMERCIAL DA AGRICULTURA US$ BILHÕES 13,4 12,3 12,2 15,2 13,5 14,8 14,8 19,1 20,4 25,9 34,2 38,5 42,8 49,7 60,0 54,9 63,1 77,5 79,4 82,9 82,4 19,1 20,9 21,1 23,4 21,5 20,5 20,6 23,9 24,8 30,6 39,0 43,6 49,5 58,4 71,8 64,8 76,4 95,0 95,8 100,0 99,5 5,7 8,6 8,9 8,2 8,0 5,7 5,8 4,8 4,4 4,7 4,8 5,1 6,7 8,7 11,8 9,8 13,4 17,5 16,4 17,1 17,1 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 105 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Saldo Exportações Importações US$ Bilhões
  • 16. PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS NAS EXPORTAÇÕES MUNDIAIS (%) * Estimativa Fonte: MDIC 16 1,04 0,93 0,91 0,98 0,96 0,86 0,88 0,97 0,96 0,99 1,08 1,16 1,17 1,17 1,25 1,25 1,35 1,43 1,36 1,30 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1,0 1,1 1,2 1,3 1,4 1,5 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013* %
  • 17. Fonte: MDIC PRINCIPAIS MUDANÇAS NA ESTRUTURA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO POR PAÍSES E BLOCOS ECONÔMICOS 3,9 4,2 25,4 3,5 16,4 5,5 25,8 8,9 8,3 13,8 3,1 21,8 11,0 23,4 6,6 16,0 10,6 3,8 24,2 11,6 17,3 Argentina China USA Japão Aladi Mercosul União Européia 2002 2008 2013 10,0 3,3 21,8 5,0 17,4 11,9 28,6 7,7 11,6 14,8 3,9 15,8 8,6 20,9 9,0 14,4 14,4 2,6 19,4 11,3 21,5 Argentina China USA Japão Aladi Mercosul União Européia 2002 2008 2013 Exportações (% do Total) Importações (% do Total) 17
  • 18. ÍNDICE DE TAXAS DE CÂMBIO REAL (IPA-DI) * Cesta de moedas de 15 países ** Dados de junho Fonte: BCB 18 77,5 82,9 81,0 103,3 104,7 124,5 113,3 91,198,9 82,1 97,2 91,0 74,6 83,7 82,2 77,4 96,3 79,3 77,6 68,1 62,4 55,5 62,9 67,3 67,5 72,2 73,7 81,4 83,7 105,9 99,3 86,6 79,8 73,1 59,9 69,9 55,5 50,3 55,2 57,9 61,663,0 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 105 110 115 120 125 130 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014** Efetiva* Dólar Americano
  • 19. US$ Bilhões * Dados acumulados em 12 meses até junho Fonte: BCB 14,7 18,5 20,3 25,5 28,3 25,8 25,0 27,5 23,1 23,5 25,2 34,3 37,1 42,5 57,3 52,9 70,3 85,5 76,5 87,3 74,7 2,6 3,0 2,8 5,4 6,9 4,1 3,3 5,0 5,2 5,6 7,3 12,7 16,4 22,4 33,9 25,2 30,4 38,2 24,1 26,0 25,5 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Serviços e Renda - Total Remessa de Lucros e Dividendos 19 DÉFICIT ESTRUTURAL NA CONTA DE SERVIÇOS E RENDAS DO BALANÇO DE PAGAMENTO (US$ BILHÕES)
  • 20. 20 % 1994 71,4 1995 -18,9 1996 -27,6 1997 -27,1 1998 -23,3 1999 -5,0 2000 -2,8 2001 9,8 2002 57,1 2003 106,0 2004 134,1 2005 130,9 2006 126,4 2007 94,1 2008 43,3 2009 47,8 2010 28,7 2011 34,9 2012 25,4 2013 3,0 2014* 4,1 M E M O: * Dados Acumulados em 12 meses até junho Fonte: BCB RELAÇÃO SALDO COMERCIAL / DÉFICIT NA CONTA DE SERVIÇOS E RENDAS DO BALANÇO DE PAGAMENTOS (%) -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 110 120 130 140 150 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
  • 21. * Dados de junho Fonte: BCB % do PIB -0,3 -2,4 -2,8 -3,5 -4,0 -4,3 -3,8 -4,2 -1,5 0,8 1,8 1,6 1,3 0,1 -1,7 -1,5 -2,2 -2,1 -2,4 -3,6 -3,9 -5,0 -4,5 -4,0 -3,5 -3,0 -2,5 -2,0 -1,5 -1,0 -0,5 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* 21 SALDO DAS TRANSAÇÕES CORRENTES DO BALANÇO DE PAGAMENTOS (% DO PIB)
  • 22. US$ Bilhões SALDO DA CONTA FINANCEIRA E DE CAPITAL DO BALANÇO DE PAGAMENTOS US$ BILHÕES * Dados acumulados em 12 meses até junho Fonte: BCB 22 8,7 29,1 34,0 25,8 29,7 17,3 19,3 27,1 8,0 5,1 -7,5 -9,5 16,3 89,1 29,4 71,3 99,9 112,4 70,0 74,1 75,5 -20 -10 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 110 120 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
  • 23. US$ Bilhões EVOLUÇÃO DAS RESERVAS INTERNACIONAIS LÍQUIDAS* (US$ BILHÕES) * De 1998 até 2005 os dados correspondem ao conceito de reservas líquidas ajustadas, referido nos acordos com o FMI. ** Dados de Junho Fonte: BCB 38,8 51,8 60,1 52,1 34,4 23,9 31,5 27,8 16,3 20,5 27,5 53,8 85,8 180,3 206,9 239,1 288,6 352,0 378,6 375,8 379,15 0 20 40 60 80 100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300 320 340 360 380 400 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014** 23
  • 24. * Dados acumulados em 12 meses até junho Fonte: BCB 24 INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS DIRETOS E SALDO DAS TRANSAÇÕES CORRENTES (US$ BILHÕES) US$ Bilhões 25,3 24,2 81,581,452,547,328,2 -1,6-13,6-4,2 7,623,218,41,8 23,5 30,5 33,4 24,3 54,2 -11,7 -14,0 16,6 10,1 66,7 65,3 64,0 63,3 48,5 25,9 45,1 34,6 18,8 15,1 18,1 22,5 32,8 28,628,9 4,4 2,1 19,0 10,8 -20 -10 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Saldo das Transações Correntes IED
  • 25. INVESTIMENTOS DE ESTRANGEIROS EM CARTEIRA TÍTULOS DE RENDA FIXA E AÇÕES (US$ BILHÕES) * Dados acumulados em 12 meses até junho Fonte: BCB 7,1 15,9 4,0 17,6 1,0 5,6 -1,6 -6,8 2,2 -6,1 0,2 1,4 21,9 6,8 9,1 30,1 11,3 10,9 23,0 31,6 3,2 6,1 6,9 1,0 2,6 3,1 2,5 2,0 3,0 2,1 6,5 7,7 26,2 -7,6 37,1 37,7 7,2 5,6 11,6 14,4 -10 -5 0 5 10 15 20 25 30 35 40 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Renda Fixa Ações US$ Bilhões 25
  • 26. * Dados de Junho Fonte: BCB DÍVIDA EXTERNA PÚBLICA E PRIVADA (US$ BILHÕES) 86,9 95,1 93,7 86,7 95,4 100,7 92,4 91,4 110,4 119,9 114,7 87,6 76,3 70,3 67,4 77,2 82,8 77,3 82,2 82,6 84,6 32,8 64,1 84,4 106,2 128,4 124,9 124,6 115,8 100,3 95,1 86,7 81,9 96,3 122,9 131,0 121,0 174,0 220,1 230,7 226,0 245,6 0 20 40 60 80 100 120 140 160 180 200 220 240 260 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Pública Privada 26 US$ Bilhões
  • 27. * Dados de junho Fonte: BCB DÍVIDA EXTERNA BRUTA / PIB (%) 27 % 27,3 20,7 21,2 22,1 26,5 38,4 33,6 37,9 41,8 38,8 30,3 19,2 15,8 14,1 12,0 12,4 12,0 12,0 13,9 13,7 14,6 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28 30 32 34 36 38 40 42 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
  • 28. RELAÇÃO DÍVIDA EXTERNA BRUTA / RESERVAS * Dados de Junho Fonte: BCB 28 3,91 3,13 3,00 3,84 7,03 10,12 7,50 5,85 12,93 10,48 7,32 3,15 2,01 1,07 0,96 0,83 0,89 0,85 0,83 0,82 0,87 0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 11,0 12,0 13,0 14,0 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
  • 29. * Dados de junho Fonte: BCB RELAÇÃO DÍVIDA LÍQUIDA EXTERNA / PIB % do PIB 29 17,4 12,0 12,0 15,0 21,6 31,9 26,8 31,7 37,0 32,5 24,3 11,5 6,9 -0,9 -1,7 -3,9 -2,4 -2,9 -3,8 -4,1 -3,5-6 -4 -2 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28 30 32 34 36 38 40 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
  • 30. 30 2,2 2,0 2,1 2,5 3,6 3,9 3,1 3,0 3,1 2,5 1,7 0,9 0,5 -0,1 -0,1 -0,4 -0,3 -0,3 -0,4 -0,4 -0,3 -0,8 -0,5 -0,3 0,0 0,3 0,5 0,8 1,0 1,3 1,5 1,8 2,0 2,3 2,5 2,8 3,0 3,3 3,5 3,8 4,0 4,3 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* RELAÇÃO DÍVIDA LÍQUIDA TOTAL / EXPORTAÇÕES * Dados acumulados em 12 meses até junho Fonte: BCB
  • 31. ÍNDICE EMBI BRASIL (FIM DE PERÍODO) * Dado de Junho Fonte: Base de dados do Portal Brasil, Banco Central do Brasil, CMA, Enfoque e Agência Brasil. 31 923 933 523 521 1248 745 773 861 1.445 468 382 303 193 222 418 196 186 208 138 227 201 0 200 400 600 800 1000 1200 1400 1600 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
  • 32. 32 II - ATIVIDADE ECONÔMICA
  • 33. CRESCIMENTO DO PIB VARIAÇÃO ANUAL (%) * 1º Trim 2014 / 1º Trim 2013 Fonte: IBGE % 5,9 4,2 2,2 3,4 0,0 0,3 4,3 1,3 2,7 1,1 5,7 3,2 4,0 6,1 5,2 -0,3 7,5 2,7 1,0 2,3 1,9 -1,0 -0,5 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 4,5 5,0 5,5 6,0 6,5 7,0 7,5 8,0 1994 1995 1996 1997 1997 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* 33
  • 34. Fonte: FMI / IBGE VARIAÇÃO ANUAL DO PIB NAS DEZ MAIORES ECONOMIAS DO MUNDO NO PÓS-CRISE 2009 2010 2011 2012 2013 Média 2009/2013 Mundo -0,6 5,1 3,9 3,5 3,2 3,0 Estados Unidos -2,8 2,5 1,8 2,8 1,6 1,2 Japão -5,5 4,7 -0,6 2,0 2,0 0,5 Alemanha -5,1 3,9 3,4 0,9 0,5 0,7 França -3,1 1,7 2,0 0,1 0,2 0,2 Itália -5,5 1,7 0,4 -2,4 -1,8 -1,5 Reino Unido -5,2 1,7 1,1 0,2 1,4 -0,2 Rússia -7,8 4,5 4,3 3,4 1,5 1,2 Índia 8,5 10,5 6,3 3,2 3,8 6,5 China 9,2 10,4 9,3 7,7 7,6 8,8 Brasil -0,3 7,5 2,7 0,9 2,5 2,7 34
  • 35. 35 FORMAÇÃO BRUTA DE CAPITAL FIXO VARIAÇÃO ANUAL (%) 14,3 7,3 1,5 8,7 -0,3 -8,2 5,0 0,4 -5,2 -4,6 9,1 3,6 9,8 13,9 13,6 -6,7 21,3 4,7 -4,0 0,3 -2,1 -10,0 -8,0 -6,0 -4,0 -2,0 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 18,0 20,0 22,0 24,0 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* * 1º Trim 2014 / 1º Trim 2013 Fonte: IBGE %
  • 36. 36 TAXA DE INVESTIMENTOS A PREÇOS CORRENTES (% do PIB) * 1º Trim 2014 / 1º Trim 2013 Fonte: IBGE 18,3 16,9 17,0 17,0 15,7 16,8 17,0 16,4 15,3 16,1 15,9 16,4 17,4 19,1 18,1 19,5 19,3 18,1 18,6 17,7 15,0 15,5 16,0 16,5 17,0 17,5 18,0 18,5 19,0 19,5 20,0 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* (% do PIB)
  • 37. 37 INVESTIMENTO PÚBLICO FEDERAL (% DO PIB) % do PIB * Acumulado em 12 meses até junho de 2014 ** Acumulado em 12 meses até março de 2014 Fonte: 95 a 2001 STN Secretaria do Tesouro Nacional e 2002 a 2014 - Secretaria de Política Econômica - SPE 0,7 0,7 0,8 0,8 0,7 0,9 1,1 0,8 0,3 0,5 0,5 0,6 0,7 0,9 1,0 1,2 1,0 1,1 1,0 1,1 1,4 1,5 1,5 1,3 0,7 0,7 0,9 1,1 1,1 1,0 1,0 1,0 1,1 1,4 1,8 1,9 1,7 2,0 2,1 2,3 2,1 2,2 2,3 2,2 1,4 1,6 2,0 2,0 1,4 1,5 1,5 1,6 1,8 2,3 2,8 3,1 2,7 3,1 3,1 3,1 0,0 0,3 0,5 0,8 1,0 1,3 1,5 1,8 2,0 2,3 2,5 2,8 3,0 3,3 3,5 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 União* Estatais** Total
  • 38. 38 CONSUMO DAS FAMÍLIAS VARIAÇÃO ANUAL % do PIB % do PIB 7,4 8,6 3,4 3,0 -0,7 0,4 4,0 0,7 1,9 -0,8 3,8 4,5 5,2 6,1 5,7 4,4 6,9 4,1 3,2 2,6 2,2 -2,0 -1,0 0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* * 1º Trim 2014 / 1º Trim 2013 Fonte: IBGE
  • 39. 39 P – Produção Industrial Total IT - Industria de Transformação * Dados acumulados em 12 meses até Fevereiro Fonte: IPEADATA 90 95 100 105 110 115 120 125 130 135 140 145 150 155 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Produção Industrial Industria de Transformação PRODUÇÃO FÍSICA INDUSTRIAL E DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO Índices Ano Base 1994= 100 P IT 1994 100,0 100,0 1995 101,8 101,7 1996 103,1 102,4 1997 107,5 106,5 1998 105,3 103,0 1999 104,7 101,4 2000 111,5 107,4 2001 113,3 108,9 2002 116,4 109,5 2003 116,4 109,2 2004 125,8 118,3 2005 130,1 121,9 2006 133,9 125,1 2007 141,8 132,4 2008 145,9 136,2 2009 135,3 126,5 2010 149,6 139,6 2011 150,2 140,1 2012 146,2 136,2 2013 148,1 138,4 2014* 148,1 138,3 MEMO
  • 40. 40 * Dados acumulados em 12 meses até abril Fonte: BCB / FIESP - DECOMTEC COEFICIENTES DE PENETRAÇÃO DAS IMPORTAÇÕES NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO (PREÇOS CONSTANTES DE 2006) (%) % 7,3 10,4 10,6 11,9 12,8 11,4 12,2 12,4 11,1 10,5 11,6 12,6 14,4 16,4 18,3 16,6 20,4 21,9 22,3 23,7 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
  • 41. 41 100,0 98,9 91,6 87,8 82,6 77,8 78,4 79,1 78,8 78,2 81,1 84,0 85,7 89,2 93,2 90,1 95,3 97,3 96,9 97,6 98,1 70 72 74 76 78 80 82 84 86 88 90 92 94 96 98 100 102 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* ÍNDICE DE PESSOAL EMPREGADO NA INDÚSTRIA (MÉDIA 1994 = 100) * Dado acumulados em 12 meses ate maio Fonte: IPEADATA
  • 42. 42 * Dados de julho Fonte: SINAVAL – Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 13.097 1.880 1.910 6.493 7.465 12.651 14.442 19.600 29.125 33.277 40.500 56.112 59.167 62.036 78.136 81.891 0 5.000 10.000 15.000 20.000 25.000 30.000 35.000 40.000 45.000 50.000 55.000 60.000 65.000 70.000 75.000 80.000 85.000 90.000 1990 1998 2000 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* EMPREGO NOS ESTALEIROS E NA INDÚSTRIA NÁUTICA (ANOS SELECIONADOS)
  • 43. 43 * Estimativa Fonte: CONAB PRODUÇÃO E ÁREA UTILIZADA EM GRÃOS 76,0 81,1 73,6 78,4 76,6 82,4 83,0 100,3 96,8 123,2 119,1 114,7 122,5 131,8 144,1 135,1 149,5 162,8 166,2 186,8 193,5 39,1 38,5 36,7 36,6 35,0 36,9 37,8 37,8 40,2 43,9 47,4 49,1 47,9 46,2 47,4 47,7 47,4 49,9 50,9 53,3 56,9 30 40 50 60 70 80 90 100 110 120 130 140 150 160 170 180 190 200 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Produção deGrãos( Emmilhões deTon) Área Utilizada(Emmilhõesde Ha)
  • 44. 44 PRODUTIVIDADE – GRÃOS Em KG por HA * Estimativa em agosto Fonte: CONAB 1.945 2.103 1.990 2.144 2.187 2.234 2.195 2.649 2.407 2.803 2.512 2.339 2.560 2.851 3.040 2.835 3.148 3.264 3.260 3.507 3.403 1.500 1.650 1.800 1.950 2.100 2.250 2.400 2.550 2.700 2.850 3.000 3.150 3.300 3.450 3.600 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
  • 45. 45 24.842 28.256 34.597 38.096 39.941 40.233 39.900 39.404 38.856 35.122 35.984 38.705 41.895 46.551 51.970 51.616 59.117 64.093 68.809 70.219 70.429 10.000 20.000 30.000 40.000 50.000 60.000 70.000 80.000 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* PRODUÇÃO DE CIMENTO Milhões de Ton * Dados acumulados em 12 meses até jan Fonte: Ipeadata
  • 46. 46 100,0 110,7 114,4 121,0 134,0 135,6 154,4 120,8 151,2 194,7 200,3 164,4 100,0 114,4 116,9 123,6 135,2 140,4 153,3 169,1 180,3 189,5 196,8 152,0 50 60 70 80 90 100 110 120 130 140 150 160 170 180 190 200 210 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014** Restrito Ampliado * * Inclui veículos, motos, partes e peças e material de construção ** Dados de Mai Fonte: Ipeadata ÍNDICES DE CRESCIMENTO DAS VENDAS REAIS NO VAREJO BASE 2003= 100
  • 47. 47 III - CRÉDITO E FINANCIAMENTO
  • 48. 48 CRÉDITO TOTAL / PIB SALDO EM FINAL DE PERÍODO (% DO PIB) * Dados de Junho Fonte: BCB % do PIB 36,6 32,1 28,8 26,8 27,9 24,9 26,4 24,7 22,0 24,0 24,5 28,1 30,2 33,4 39,7 45,0 45,2 49,0 53,9 56,0 56,3 20,0 22,0 24,0 26,0 28,0 30,0 32,0 34,0 36,0 38,0 40,0 42,0 44,0 46,0 48,0 50,0 52,0 54,0 56,0 58,0 60,0 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
  • 49. 49 2,2 2,7 3,7 3,7 3,6 5,1 5,9 5,1 5,7 6,7 8,8 9,7 11,7 13,1 14,3 14,9 15,7 24,5 25,8 26,4 25,1 21,0 20,4 22,1 19,8 20,0 18,0 16,2 17,4 16,8 18,4 19,7 22,3 27,3 27,2 29,6 31,5 29,4 30,2 30,0 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 18,0 20,0 22,0 24,0 26,0 28,0 30,0 32,0 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* % do PIB Pessoa Física Pessoa Jurídica CRÉDITO A PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS SALDO EM FINAL DE PERÍODO (% DO PIB) * Dados de Junho Fonte: BCB
  • 50. 50 CRÉDITOS CONCEDIDOS PELOS SETORES PÚBLICO E PRIVADO SALDO EM FINAL DE PERÍODO (EM % DO PIB) Fonte: BCB 14,4 12,9 13,1 12,6 12,4 14,8 16,9 16,3 14,8 15,8 17,8 19,1 22,0 25,3 25,5 26,3 27,7 28,0 28,9 17,6 15,9 13,7 15,4 12,5 11,6 8,9 9,8 9,9 10,4 11,3 12,0 14,7 18,4 18,1 18,9 21,3 25,5 27,6 06 08 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28 30 32 Setor Privado Setor Público
  • 51. 51 CRÉDITO AO SETOR PRIVADO / PIB SALDO EM FINAL DE PERÍODO (EM % DO PIB) Fonte: BCB 7,6 6,8 6,8 7,3 7,2 6,9 7,6 7,9 6,9 6,4 6,5 7,0 8,0 9,8 9,4 9,6 10,0 10,5 10,7 6,4 5,5 5,2 5,4 4,6 4,5 1,8 1,7 1,5 1,3 1,4 1,5 1,7 2,1 2,8 3,7 4,8 6,3 8,4 3,1 2,2 2,3 2,5 2,2 2,3 2,1 2,4 2,8 3,0 3,1 3,3 3,4 3,4 3,5 3,3 3,4 3,8 4,5 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 4,5 5,0 5,5 6,0 6,5 7,0 7,5 8,0 8,5 9,0 9,5 10,0 10,5 11,0 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Indústria Habitação Rural
  • 52. 52 7,5 10,6 19,1 18,0 18,7 26,9 25,3 38,1 35,2 38,4 49,0 60,3 81,9 121,4 96,6 168,4 139,7 156,0 190,4 194,9 0 20 40 60 80 100 120 140 160 180 200 220 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* * Dado acumulados em 12 meses até abril Fonte: BNDES FINANCIAMENTOS DO BNDES (EM R$ BILHÕES)(Em R$ Bilhões)
  • 53. 53 IV – INFLAÇÃO E PREÇOS
  • 54. 54 * Dados acumulados em 12 meses até junho Fonte: BCB EVOLUÇÃO DA TAXA DE INFLAÇÃO (IPCA) (%) 1,7 5,9 6,5 5,9 6,3 3,1 5,7 7,6 9,3 12,5 6,0 8,9 5,2 9,6 22,4 4,5 5,9 4,3 7,7 5,8 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* IPCA Centro da Meta Limite Superior Limite Inferior
  • 55. * Dados acumulados em 12 meses até junho Fonte: IPEADATA EVOLUÇÃO DO IPCA, ALIMENTOS E BEBIDAS Acumulado no ano % 8,1 1,7 1,2 2,0 7,9 3,2 9,2 18,1 7,3 3,8 2,0 1,2 10,3 10,6 3,1 10,0 7,0 9,5 8,2 7,3 22,4 9,6 5,2 1,7 8,9 6,0 7,7 12,5 9,3 7,6 5,7 3,1 4,5 5,9 4,3 5,9 6,5 5,8 5,9 6,3 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* IPCA Alimentos e Bebidas IPCA 55 %
  • 56. 56 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR - INPC (% a.a) Fone: Ipeadata 22,0 9,1 4,3 2,5 8,4 5,3 9,4 14,7 10,4 6,1 5,1 2,8 5,2 6,5 4,1 6,5 6,1 6,2 5,6 6,3 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 18,0 20,0 22,0 24,0 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
  • 57. TAXA REAL DE JUROS EX-ANTE* X TAXA DOS FUNDOS FED (1) (1) As taxas de juros do FED, a partir de 2008, passaram a ser negativas em termos reais (dadas as taxas de inflação medidas pelo IPC), o que aumenta o diferencial entre as taxas internas e externas de juros. * Taxa swap di-pré 360, retiradas as expectativas para a inflação nos próximos 12 meses ** A partir de dez/2008 a taxa dos fundos FED foi fixada entre 0,00 e 0,25% Fonte: BCB/FED 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez Jul Dez 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Taxa Real de Juros Taxa FED Diferencial de Juros Internos e Externos 57
  • 58. 58 0,8 1,0 1,0 1,1 1,2 1,8 2,0 2,3 3,5 2,9 2,7 2,3 2,1 1,8 2,3 1,7 1,7 1,9 2,0 2,3 2,3 0,15 0,65 1,15 1,65 2,15 2,65 3,15 3,65 4,15 4,65 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* TAXA DE CÂMBIO NOMINAL R$ / US$ * Dado de Julho Fonte: Ipeadata
  • 59. 59 V - CONTAS PÚBLICAS
  • 60. 60 SETOR PÚBLICO CONSOLIDADO - RESULTADO PRIMÁRIO E NOMINAL (% DO PIB) * Dados de Junho Fonte: BCB -7,0 -5,8 -0,5 -7,6 -10,1 -4,5 -3,6 -4,6 -5,1 -2,7 -3,3 -3,2 -2,7 -1,9 -3,3 -2,5 -2,6 -2,5 -3,3 -3,6 0,4 0,1 1,0 0,0 3,2 3,5 3,6 3,9 4,3 4,6 4,8 3,6 3,4 3,5 2,1 2,7 3,1 2,4 1,9 1,4 7,4 5,9 1,5 7,5 13,3 8,0 7,2 8,5 9,3 7,3 8,1 6,8 6,1 5,4 5,4 5,2 5,7 4,9 5,1 5,0 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* NOMINAL PRIMÁRIO JUROS NOMINAIS
  • 61. DÉFICIT PÚBLICO NOS PAÍSES DESENVOLVIDOS E EM SUA PERIFERIA EUROPÉIA NO PÓS-CRISE (% DO PIB) 2009 2010 2011 2012 2013 Média 2009/2013 Irlanda -13,9 -30,9 -13,3 -8,1 -7,5 -14,7 Grécia -15,6 -10,8 -9,5 -6,9 -5,6 -9,7 Espanha -11,2 -9,7 -9,4 -8,1 -6,3 -8,9 Portugal -10,2 -9,8 -4,4 -5,2 -4,9 -6,9 Italia -5,4 -4,3 -3,8 -3,0 -2,9 -3,9 Alemanha -3,1 -4,2 -0,8 -0,2 -0,4 -1,7 França -7,6 -7,1 -5,2 -4,5 -3,4 -5,6 Reino Unido -10,9 -10,1 -8,3 -6,6 -6,9 -8,6 Estados Unidos -11,9 -11,4 -10,2 -8,5 -6,8 -9,8 Japão -8,8 -8,4 -9,3 -9,9 -10,1 -9,3 Euro Área (15 Paises) -6,3 -6,2 -4,1 -3,3 -2,8 -4,5 Brasil -3,3 -2,5 -2,6 -2,5 -3,3 -2,8 Fonte: FMI / BCB 61
  • 62. 62 EVOLUÇÃO DA DÍVIDA PÚBLICA BRUTA E LÍQUIDA (% DO PIB) * Dados de Junho Fonte: BCB % do PIB 50,4 53,1 59,9 56 56,4 56,4 58 57,7 60,9 53,4 54,2 58,8 56,7 58,5 29,5 33,3 34,5 42,6 46,9 49,3 49,8 60,4 54,8 50,6 48,4 47,3 45,5 38,5 42,1 39,2 36,5 35,3 33,8 34,9 25 27 29 31 33 35 37 39 41 43 45 47 49 51 53 55 57 59 61 63 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Dívida Bruta Dívida Líquida
  • 63. DÍVIDA PÚBLICA NOS PAÍSES DESENVOLVIDOS E EM SUA PERIFERIA EUROPEIA NO PÓS-CRISE (% DO PIB) 2009 2010 2011 2012 2013 Média 2009/2013 Irlanda 44,5 64,4 91,2 104,1 117,4 84,3 Grécia 112,9 129,7 148,3 170,3 157,2 143,7 Espanha 40,2 54 61,7 70,5 86 62,5 Portugal 71,7 83,7 94 108,2 124,1 96,3 Italia 106,1 116,4 119,3 120,7 127 117,9 Alemanha 66,8 74,5 82,5 80 81 77,0 França 68,2 79,2 82,7 86,2 90,6 81,4 Reino Unido 52,3 67,1 78,4 84,3 89,1 74,2 Estados Unidos 76 87,1 95,2 99,4 100,1 91,6 Japão 174,1 194,1 200 211,7 218,8 199,7 Euro Área (15 Paises) 70,2 80 85,5 87,4 90,7 82,8 Brasil 60,9 53,4 54,2 58,8 56,7 56,8 63Fonte: FMI / BCB
  • 64. 64 67,4% 75,7% 79,7% 84,6% 88,5% 91,9% 90,6% 93,4% 94,7% 95,5% 95,5% 95,5% 95,8% 32,6% 24,3% 20,3% 15,4% 11,5% 8,1% 9,4% 6,6% 5,3% 4,5% 4,5% 4,5% 4,2% 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Interna Externa COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL * Dados de junho Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional
  • 65. TÍTULOS PÚBLICOS INDEXADOS AO CÂMBIO E A SELIC (% DA DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL) * Dados de Junho Fonte: BCB % 16,0 37,8 18,6 34,8 71,0 61,1 52,7 54,4 55,2 57,0 54,0 50,6 35,9 29,4 28,9 27,4 28,0 26,2 17,6 15,6 15,1 8,3 5,3 9,4 15,4 20,9 24,2 22,5 29,5 20,3 10,0 4,9 2,6 1,2 0,8 0,9 0,5 0,5 0,5 0,5 0,5 0,4 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 50,0 55,0 60,0 65,0 70,0 75,0 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Over/Selic Câmbio 65
  • 66. CARGA TRIBUTÁRIA BRUTA (% DO PIB) Fonte: Receita Federal 19,9 18,1 17,6 18,0 18,9 19,9 20,5 21,3 22,2 21,6 22,3 23,2 23,3 23,8 24,0 23,1 23,5 24,8 24,8 8,71 9,1 8,8 8,9 8,6 8,6 9,4 9,7 9,8 9,8 10,0 10,1 10,3 10,1 10,6 10,0 10,1 10,6 11,1 28,6 26,5 26,9 27,5 28,5 29,9 30,9 32,0 31,4 32,2 33,3 33,6 33,9 34,6 33,1 33,6 35,3 35,9 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 União Estados e Municípios Total 27,2 66
  • 67. 67 * Dados de Jan a Jun Fonte: STN DESPESAS COM PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS (% DO PIB) 5,2 5,4 4,8 4,7 4,9 4,5 4,6 4,8 4,8 4,5 4,3 4,3 4,5 4,4 4,3 4,7 4,4 4,3 4,2 4,2 4,2 3,0 3,2 3,4 3,6 3,8 4,0 4,2 4,4 4,6 4,8 5,0 5,2 5,4 5,6 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
  • 68. 68 VI - EMPREGO E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA
  • 69. 69 REGIÕES METROPOLITANAS TAXA DE DESEMPREGO ABERTO – MÉDIA 30 DIAS (%) * Dados de abril Fonte: IBGE 8,3 8,4 9,5 10,2 11,1 12,1 11,0 11,2 11,7 12,3 11,5 9,8 10,0 9,3 7,9 8,1 6,7 6,0 5,5 5,4 5,0 3,0 3,5 4,0 4,5 5,0 5,5 6,0 6,5 7,0 7,5 8,0 8,5 9,0 9,5 10,0 10,5 11,0 11,5 12,0 12,5 13,0 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* %
  • 70. TAXA DE DESEMPREGO NOS PAÍSES DESENVOLVIDOS E EM SUA PERIFERIA EUROPEIA NO PÓS-CRISE 2009 2010 2011 2012 2013 Média 2009/2013 Irlanda 12,0 13,9 14,6 14,7 13,0 13,6 Grécia 9,5 12,5 17,7 24,2 27,3 18,2 Espanha 18,0 20,1 21,7 25,0 26,4 22,2 Portugal 9,5 10,8 12,7 15,7 16,3 13,0 Italia 7,8 8,4 8,4 10,7 12,2 9,5 Alemanha 7,8 7,1 6,0 5,5 5,3 6,3 França 9,5 9,7 9,6 10,2 10,8 10,0 Reino Unido 7,7 7,9 8,1 8,0 7,6 7,9 Estados Unidos 9,3 9,6 8,9 8,1 7,4 8,7 Japão 5,1 5,0 4,6 4,3 4,0 4,6 Brasil 8,1 6,7 6,0 5,5 5,4 6,3 Fonte: FMI / IBGE 70
  • 71. 71 23,7 23,8 23,8 24,1 24,5 25,0 26,2 27,2 28,7 29,5 31,4 33,2 35,2 37,6 39,4 41,2 44,1 46,3 47,5 20,0 22,5 25,0 27,5 30,0 32,5 35,0 37,5 40,0 42,5 45,0 47,5 50,0 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 EVOLUÇÃO DO NÚMERO TOTAL DE EMPREGADOS COM VÍNCULO FORMAL DE EMPREGO (MILHÕES DE EMPREGADOS) Fonte: RAIS
  • 72. 72 * Série sem ajuste geográfico ** Acumulado em 12 meses até junho Fonte: MTE / CAGED EMPREGO FORMAL – GERAÇÃO LÍQUIDA DE POSTOS DE TRABALHO* (Nº DE POSTOS DE TRABALHO) -129.339 -271.339 -36.000 -582.000 -196.000 657.000 591.000 762.000 645.000 1.523.000 1.229.000 1.617.392 1.452.204 995.110 2.136.947 1.566.043 868.241 730.687 563.232 301.926 1.254.000 -800.000 -600.000 -400.000 -200.000 0 200.000 400.000 600.000 800.000 1.000.000 1.200.000 1.400.000 1.600.000 1.800.000 2.000.000 2.200.000 2.400.000 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014**
  • 73. 73 EVOLUÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO REAL* Índice 1994= 100 Salário Mínimo Nominal (R$) 1994 70,0 1995 100,0 1996 112,0 1997 120,0 1998 130,0 1999 136,0 2000 151,0 2001 180,0 2002 200,0 2003 240,0 2004 260,0 2005 300,0 2006 350,0 2007 380,0 2008 415,0 2009 465,0 2010 510,0 2011 545,0 2012 622,0 2013 678,0 2014** 724,0 M E M O: * Deflacionado - INPC ** Posição em Jan Fonte: DIEESE 100,0 117,1 120,2 123,5 130,5 125,9 132,8 144,6 140,1 152,3 155,4 170,7 193,7 200,0 205,1 220,8 227,4 229,1 246,2 254,3 263,8 90,0 100,0 110,0 120,0 130,0 140,0 150,0 160,0 170,0 180,0 190,0 200,0 210,0 220,0 230,0 240,0 250,0 260,0 270,0 280,0 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014**
  • 74. 74 91,5 82,7 81,9 78,5 82,3 79,2 71,4 79,4 68,7 66,2 61,1 52,0 56,5 57,7 49,1 52,0 50,9 49,0 48,3 47,7 72,7 61,6 61,2 64,7 62,7 60,3 55,1 59,7 53,2 48,0 44,3 38,0 41,7 47,5 38,1 40,3 39,5 40,6 40,3 39,7 30,0 35,0 40,0 45,0 50,0 55,0 60,0 65,0 70,0 75,0 80,0 85,0 90,0 95,0 Dez/95 Dez/96 Dez/97 Dez/98 Dez/99 Dez/00 Dez/01 Dez/02 Dez/03 Dez/04 Dez/05 Dez/06 Dez/07 Dez/08 Dez/09 Dez/10 Dez/11 Dez/12 Dez/13 Jul/14 São Paulo Fortaleza Fonte: DIEESE CUSTO DA CESTA BÁSICA COM O PROPORÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO (%) %
  • 75. 75 EVOLUÇÃO DA MASSA SALARIAL * Dados acumulados em 12 meses até abril Fonte: IBGE 2,9 -2,3 5,4 1,3 0,5 -6,8 2,5 8,3 5,7 4,6 7,4 2,3 9,4 3,4 6,5 2,9 3,6 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014*
  • 76. 76 35,2 34,1 33,0 33,1 32,1 32,2 31,9 31,4 31,1 30,8 31,7 32,5 32,7 33,3 34,1 35,0 38,6 30,0 30,5 31,0 31,5 32,0 32,5 33,0 33,5 34,0 34,5 35,0 35,5 36,0 36,5 37,0 37,5 38,0 38,5 39,0 39,5 40,0 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011* PARTICIPAÇÃO DOS SALÁRIOS NO PIB (%) % * Estimativa Fonte: IBGE
  • 77. 77 100,0 103,0 103,5 105,0 102,9 101,0 103,5 103,2 104,6 104,6 109,5 111,8 115,1 120,9 125,6 123,7 131,4 133,8 134,1 136,0 90,0 95,0 100,0 105,0 110,0 115,0 120,0 125,0 130,0 135,0 140,0 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 EVOLUÇÃO DO PIB REAL PER CAPITA* ANO BASE 1994= 100 Fonte: IBGE * Preços de 2013. O PIB real per capita passou de R$ 18.170,00 em 1994 para 24.710,00 em 2013
  • 78. 78 EVOLUÇÃO DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA EM R$ DE OUTUBRO 2012 Fonte: Ipeadata / PNAD Nota: Em 1994, 2000 e 2010 não foram publicados 689,3 702,8 702,1 709,4 669,8 680,0 680,0 640,4 654,6 694,0 758,5 778,6 816,6 838,6 891,4 962,1 600 625 650 675 700 725 750 775 800 825 850 875 900 925 950 975 1.000 1995 1996 1997 1998 1999 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2011 2012
  • 79. 79 BOLSA FAMÍLIA – FAMÍLIAS ATENDIDAS E VALOR DOS BENEFÍCIOS * Dados acumulados até julho Fonte: MDS / Portal da Transparência do Governo Federal 3,6 6,5 8,7 11,1 11,1 11,6 12,3 12,9 13,4 13,7 14,1 3,4 5,7 6,5 7,8 9,2 10,5 12,7 14,6 17,6 20,3 24,9 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 18,0 20,0 22,0 24,0 26,0 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Famílias Atendidas (R$ milhões) Valores Transferidos (R$ Bilhões)
  • 80. 80 35,1 34,7 35,2 34,0 35,3 35,2 34,4 35,8 33,7 30,8 26,8 24,2 22,6 21,4 18,4 15,9 14,0 16,0 18,0 20,0 22,0 24,0 26,0 28,0 30,0 32,0 34,0 36,0 38,0 1995 1996 1997 1998 1999 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2011 2012 TAXAS DE POBREZA PESSOAS POBRES (% DA POPULAÇÃO TOTAL) Fonte: Ipeadata Nota: 1994, 2000 e 2010 não foram publicados
  • 81. 81 Fonte: Ipeadata Nota: 1994, 2000 e 2010 não foram publicados COEFICIENTE DE GINI 0,601 0,602 0,602 0,600 0,594 0,596 0,589 0,583 0,572 0,569 0,563 0,556 0,546 0,543 0,531 0,530 0,52 0,53 0,54 0,55 0,56 0,57 0,58 0,59 0,60 0,61 1995 1996 1997 1998 1999 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2011 2012
  • 82. 82 TRAJETÓRIA DO GASTO SOCIAL FEDERAL PER CAPITA, 1995 A 2011 R$ CONSTANTES Fonte: SIAFI/SIDOR e IPEADATA 1.383 1.382 1.489 1.582 1.596 1.682 1.770 1.811 1.804 1.944 2.082 2.266 2.430 2.556 2.827 3.325 3.444 1.200 1.300 1.400 1.500 1.600 1.700 1.800 1.900 2.000 2.100 2.200 2.300 2.400 2.500 2.600 2.700 2.800 2.900 3.000 3.100 3.200 3.300 3.400 3.500 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
  • 83. 83 11,2 11,0 11,5 12,3 12,2 12,6 13,0 12,9 13,0 13,2 13,8 14,4 14,4 14,2 15,5 15,5 16,2 10,0 10,5 11,0 11,5 12,0 12,5 13,0 13,5 14,0 14,5 15,0 15,5 16,0 16,5 17,0 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 TRAJETÓRIA DO GASTO SOCIAL FEDERAL TOTAL, 1995 A 2011 % DO PIB Fonte: SIAFI/SIDOR e IPEADATA