SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
Neurociências e Comportamento I Thiago Lemos [email_address]
1. Potencial de Repouso 2. Geração do Potencial de Ação 3. Propagação do Potencial de Ação 4. Transmissão Sináptica
EXEMPLO DE FUNÇÃO DO SISTEMA NERVOSO –  reflexo de retirada (ou reflexo flexor ou reflexo doloroso)
Neurônio Multipolar (ex: motoneurônio) Extremidade Periférica Sensorial, receptores mecânicos Extremidade Central Transmite a informação sensorial para o SNC EXEMPLO DE FUNÇÃO DO SISTEMA NERVOSO –  reflexo de retirada (ou reflexo flexor ou reflexo doloroso) =  ELEMENTOS NEURAIS Neurônio Pseudo-unipolar sensorial somestésico (ex: tato)
O CONCEITO DE BIOELETROGÊNESE BIOELETROGÊNESE = a capacidade que as células vivas possuem de  GERAR SINAIS ELÉTRICOS. TODAS as células do organismo apresentam uma  DIFERENÇA DE POTENCIAL ELÉTRICO  através da membrana plasmática. O lado da membrana voltado para o meio intracelular acumula cargas negativas. A face extracelular acumula cargas positivas. Este é o chamado  POTENCIAL DE REPOUSO. Para medirmos esta diferença de potencial, é necessário equipamento adequado que inclui MICROELETRÓDIO, AMPLIFICADOR de sinal, e VOLTÍMETRO
IMPORTANTE O potencial de repouso é uma variação de potencial elétrico RESTRITA À MEMBRANA.  A CÉLULA COMO UM TODO É ELETRICAMENTE NEUTRA. Somatório das cargas   citoplasma + meio extracelular = zero SOBRE O POTENCIAL DE REPOUSO
DIFERENÇAS NA COMPOSIÇÃO IÔNICA DO LÍQUIDO INTRACELULAR (CITOPLASMA) EM COMPARAÇÃO COM O MEIO EXTRACELULAR.   O QUE GERA ESSA DIFERENÇA? SOBRE O POTENCIAL DE REPOUSO DA DISTRIBUIÇÃO ASSIMÉTRICA DE CARGAS ELÉTRICAS ATRAVÉS DA MEMBRANA
A membrana plasmática é composta por uma  BICAMADA LIPÍDICA  impermeável a íons. Principais componentes lipídicos da membrana: - FOSFOLIPÍDIOS - COLESTEROL SOBRE O POTENCIAL DE REPOUSO MEMBRANA PLASMÁTICA = BARREIRA SELETIVA
PROTEÍNAS  constituintes da membrana = muitas delas são  CANAIS IÔNICOS. A membrana  NÃO É TOTALMENTE IMPERMEÁVEL A ÍONS .  Existem vários tipos diferentes de canais iônicos. Cada tipo corresponde a uma proteína diferente e é ESPECÍFICO PARA UM DETERMINADO ÍON (ou classe de íons). SOBRE O POTENCIAL DE REPOUSO POROS SELETIVOS (ou nâo) NA MEMBRANA PLASMÁTICA
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ALGUNS DOS DIFERENTES TIPOS DE CANAIS IÔNICOS
OUTRAS PROTEÍNAS DE MEMBRANA A BOMBA DE Na+ E K+ A  BOMBA DE Na +  + K +   - retira 3 ÍONS NA+ para o meio extracelular  E  joga para o citoplasma 2 ÍONS K+.  ELETROGÊNICA - gera  UMA CONCENTRAÇÃO ALTA DE K+ E BAIXA DE NA+  no citoplasma.
[object Object],[object Object],[object Object],SOBRE O POTENCIAL DE REPOUSO MOVIMENTO DE ÍONS PELA MEMBRANA = FORÇA MOTRIZ
SOBRE O POTENCIAL DE REPOUSO INFLUÊNCIA DO K+
SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO ETAPAS DA TRANSMISSÃO DA INFORMAÇÃO ESTÍMULO
SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO ESTÍMULOS INFRA- E SUPRALIMIAR
SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO EVENTOS ELETROQUÍMICOS
SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO PROPAGAÇÃO AO LONGO DO AXÔNIO
SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO PROPAGAÇÃO AO LONGO DO AXÔNIO
SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO FUNÇÃO DA BAINHA DE MIELINA
SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO FLUXO POLARIZADO DE INFORMAÇÃO
EXEMPLO DE FUNÇÃO DO SISTEMA NERVOSO –  reflexo de retirada (ou reflexo flexor ou reflexo doloroso) 1. geração do potencial de ação (receptor sensorial) 2. propagação do potencial de ação (axônio do neurônio sensorial) 3. transmissão sináptica  (de um neurônio para outro, que passa a gerar seu próprio potencial de ação) 4. A transmissão sináptica do neurônio motor para a célula muscular resulta na  CONTRAÇÃO MUSCULAR
COMUNICAÇÃO NEURONAL SINAPSE
Neurônio Multipolar:  recebe muitas informações provenientes de outros neurônios que se conectam com seu CORPO CELULAR ou com seus DENDRITOS. Estes contatos entre neurônios diferentes são pontos onde a informação neural é repassada de uma célula para outra. Tais contatos são as chamadas SINAPSES. Conceito de “SINAPSE”
SINAPSES ELÉTRICAS
Estrutura de uma Sinapse
 
 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
ETAPAS DA TRANSMISSÃO SINÁPTICA
 
Potenciais Pós-Sinápticos Excitatórios (PPSEs)
Potenciais Pós-Sinápticos Inibitórios (PPSIs)
 
Receptores Metabotrópicos
Integração Sináptica
Mecanismos de Término de Efeito
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fisiologia - Potencial de Ação no neurônio
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônioFisiologia - Potencial de Ação no neurônio
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônioPedro Miguel
 
Potencial de ação das membranas
Potencial de ação das membranasPotencial de ação das membranas
Potencial de ação das membranasNatha Fisioterapia
 
Vias de sinalização do desenvolvimento
Vias de sinalização do desenvolvimentoVias de sinalização do desenvolvimento
Vias de sinalização do desenvolvimentoMyllenne Abreu
 
Neurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgica
Neurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgicaNeurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgica
Neurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgicaCaio Maximino
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosMauro Cunha Xavier Pinto
 
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morteBiologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morteDeise Silva
 
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - AntineoplásicosAula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - AntineoplásicosMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisMauro Cunha Xavier Pinto
 
Interação fármaco-receptor
Interação fármaco-receptorInteração fármaco-receptor
Interação fármaco-receptorCaio Maximino
 
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido MuscularFisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido MuscularHerbert Santana
 
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da MembranaFisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da MembranaHerbert Santana
 

Mais procurados (20)

Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinéticaFarmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
 
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônio
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônioFisiologia - Potencial de Ação no neurônio
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônio
 
Potencial de ação das membranas
Potencial de ação das membranasPotencial de ação das membranas
Potencial de ação das membranas
 
Introducao metabolismo
Introducao metabolismoIntroducao metabolismo
Introducao metabolismo
 
Vias de sinalização do desenvolvimento
Vias de sinalização do desenvolvimentoVias de sinalização do desenvolvimento
Vias de sinalização do desenvolvimento
 
Neurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgica
Neurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgicaNeurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgica
Neurofarmacologia da neurotransmissão GABAérgica e glutamatérgica
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
Apoptose e Necrose
Apoptose e NecroseApoptose e Necrose
Apoptose e Necrose
 
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morteBiologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
 
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - AntineoplásicosAula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
 
Interação fármaco-receptor
Interação fármaco-receptorInteração fármaco-receptor
Interação fármaco-receptor
 
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
 
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido MuscularFisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
 
07 aula - membrana celular
07   aula - membrana celular07   aula - membrana celular
07 aula - membrana celular
 
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da MembranaFisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
 
Enxertos de pele
Enxertos de peleEnxertos de pele
Enxertos de pele
 
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdfAULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
 

Destaque

Neurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e açãoNeurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e açãoVanessa Cunha
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOSheila Cassenotte
 
Equilíbrio Iônico e Potencial de Ação
Equilíbrio Iônico e Potencial de AçãoEquilíbrio Iônico e Potencial de Ação
Equilíbrio Iônico e Potencial de AçãoJoão Felix
 
Potencial De AçãO Bio
Potencial De AçãO  BioPotencial De AçãO  Bio
Potencial De AçãO Bioari lima
 
Potencial de ação
Potencial de açãoPotencial de ação
Potencial de açãodelanievov
 
Introdução Neuroanatomia
Introdução NeuroanatomiaIntrodução Neuroanatomia
Introdução NeuroanatomiaOlavo Valente
 
Bioeletricidade como alvo terapêutico - Danusa Menegaz, Ph.D
Bioeletricidade como alvo terapêutico - Danusa Menegaz, Ph.DBioeletricidade como alvo terapêutico - Danusa Menegaz, Ph.D
Bioeletricidade como alvo terapêutico - Danusa Menegaz, Ph.DDanusa Menegaz
 
Bioelectricity as a therapeutic target - Danusa Menegaz, Ph.D
Bioelectricity as a therapeutic target - Danusa Menegaz, Ph.DBioelectricity as a therapeutic target - Danusa Menegaz, Ph.D
Bioelectricity as a therapeutic target - Danusa Menegaz, Ph.DDanusa Menegaz
 
Seminário sobre células do SN
Seminário sobre células do SNSeminário sobre células do SN
Seminário sobre células do SNBrenda Oliveira
 
Água E Soluções
Água E Soluções Água E Soluções
Água E Soluções Marc Silva
 
Movimentos transmembranares
Movimentos transmembranaresMovimentos transmembranares
Movimentos transmembranaresMiguel Barroso
 
Apresentação Seminário sobre Conexionismo
Apresentação Seminário sobre ConexionismoApresentação Seminário sobre Conexionismo
Apresentação Seminário sobre ConexionismoYana Liss
 

Destaque (20)

Neurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e açãoNeurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e ação
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Equilíbrio Iônico e Potencial de Ação
Equilíbrio Iônico e Potencial de AçãoEquilíbrio Iônico e Potencial de Ação
Equilíbrio Iônico e Potencial de Ação
 
Potencial De AçãO Bio
Potencial De AçãO  BioPotencial De AçãO  Bio
Potencial De AçãO Bio
 
Fisiologia - Sinapse
Fisiologia - SinapseFisiologia - Sinapse
Fisiologia - Sinapse
 
Potencial de ação
Potencial de açãoPotencial de ação
Potencial de ação
 
Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1
 
Introdução Neuroanatomia
Introdução NeuroanatomiaIntrodução Neuroanatomia
Introdução Neuroanatomia
 
Bioeletricidade como alvo terapêutico - Danusa Menegaz, Ph.D
Bioeletricidade como alvo terapêutico - Danusa Menegaz, Ph.DBioeletricidade como alvo terapêutico - Danusa Menegaz, Ph.D
Bioeletricidade como alvo terapêutico - Danusa Menegaz, Ph.D
 
Bioelectricity as a therapeutic target - Danusa Menegaz, Ph.D
Bioelectricity as a therapeutic target - Danusa Menegaz, Ph.DBioelectricity as a therapeutic target - Danusa Menegaz, Ph.D
Bioelectricity as a therapeutic target - Danusa Menegaz, Ph.D
 
Apostila sinapse unesp
Apostila sinapse   unespApostila sinapse   unesp
Apostila sinapse unesp
 
Cmt
CmtCmt
Cmt
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
3 biotermol 1
3 biotermol 13 biotermol 1
3 biotermol 1
 
Seminário sobre células do SN
Seminário sobre células do SNSeminário sobre células do SN
Seminário sobre células do SN
 
Sist nervoso
Sist nervosoSist nervoso
Sist nervoso
 
Água E Soluções
Água E Soluções Água E Soluções
Água E Soluções
 
Movimentos transmembranares
Movimentos transmembranaresMovimentos transmembranares
Movimentos transmembranares
 
CóPia De Snc NeurogêNese 2
CóPia De Snc NeurogêNese 2CóPia De Snc NeurogêNese 2
CóPia De Snc NeurogêNese 2
 
Apresentação Seminário sobre Conexionismo
Apresentação Seminário sobre ConexionismoApresentação Seminário sobre Conexionismo
Apresentação Seminário sobre Conexionismo
 

Semelhante a Neurociências Potencial Ação

Neuro 1 aula 2 280311 barra
Neuro 1 aula 2 280311 barraNeuro 1 aula 2 280311 barra
Neuro 1 aula 2 280311 barraThiago Lemos
 
Transportes e Impulso nervoso.pptx
Transportes e Impulso nervoso.pptxTransportes e Impulso nervoso.pptx
Transportes e Impulso nervoso.pptxCarinaCardoso25
 
Fisiologia questoes
Fisiologia  questoesFisiologia  questoes
Fisiologia questoesAnne Caria
 
Fisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapsesFisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapsesNathalia Fuga
 
Fisiologia das membranas e contratilidade muscular
Fisiologia das membranas e contratilidade muscularFisiologia das membranas e contratilidade muscular
Fisiologia das membranas e contratilidade muscularUNINASSAU
 
Potencial de ação enf
Potencial de ação enfPotencial de ação enf
Potencial de ação enfNathalia Fuga
 
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivosHugo Martins
 
Aula 2 material complementar
Aula 2 material complementarAula 2 material complementar
Aula 2 material complementardidicadoida
 
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivosPelo Siro
 
As bases fisicas da função neuronal
As bases fisicas da função neuronalAs bases fisicas da função neuronal
As bases fisicas da função neuronalThuane Sales
 
Fisiologia sistema nervoso
Fisiologia sistema nervosoFisiologia sistema nervoso
Fisiologia sistema nervosomianaalexandra
 
Fisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapsesFisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapsesNathalia Fuga
 
Slides da unidade 1 - Fisiologia Humana - slide1.pptx
Slides da unidade 1 - Fisiologia Humana -  slide1.pptxSlides da unidade 1 - Fisiologia Humana -  slide1.pptx
Slides da unidade 1 - Fisiologia Humana - slide1.pptxJosianeFigueiredo2
 
Resumo. membrana plasmática
Resumo. membrana plasmáticaResumo. membrana plasmática
Resumo. membrana plasmáticaAndressa Santos
 

Semelhante a Neurociências Potencial Ação (20)

Neuro 1 aula 2 280311 barra
Neuro 1 aula 2 280311 barraNeuro 1 aula 2 280311 barra
Neuro 1 aula 2 280311 barra
 
Transportes e Impulso nervoso.pptx
Transportes e Impulso nervoso.pptxTransportes e Impulso nervoso.pptx
Transportes e Impulso nervoso.pptx
 
Fisiologia questoes
Fisiologia  questoesFisiologia  questoes
Fisiologia questoes
 
Potencial de ação
Potencial de açãoPotencial de ação
Potencial de ação
 
Fisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapsesFisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapses
 
Fisiologia das membranas e contratilidade muscular
Fisiologia das membranas e contratilidade muscularFisiologia das membranas e contratilidade muscular
Fisiologia das membranas e contratilidade muscular
 
Potencial de ação enf
Potencial de ação enfPotencial de ação enf
Potencial de ação enf
 
Biofísica
BiofísicaBiofísica
Biofísica
 
Bioeletrogênese
BioeletrogêneseBioeletrogênese
Bioeletrogênese
 
99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso
 
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
 
Aula 2 material complementar
Aula 2 material complementarAula 2 material complementar
Aula 2 material complementar
 
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
 
As bases fisicas da função neuronal
As bases fisicas da função neuronalAs bases fisicas da função neuronal
As bases fisicas da função neuronal
 
Fisiologia sistema nervoso
Fisiologia sistema nervosoFisiologia sistema nervoso
Fisiologia sistema nervoso
 
Fisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapsesFisiologia das sinapses
Fisiologia das sinapses
 
Slides da unidade 1 - Fisiologia Humana - slide1.pptx
Slides da unidade 1 - Fisiologia Humana -  slide1.pptxSlides da unidade 1 - Fisiologia Humana -  slide1.pptx
Slides da unidade 1 - Fisiologia Humana - slide1.pptx
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
Resumo. membrana plasmática
Resumo. membrana plasmáticaResumo. membrana plasmática
Resumo. membrana plasmática
 

Neurociências Potencial Ação

  • 1. Neurociências e Comportamento I Thiago Lemos [email_address]
  • 2. 1. Potencial de Repouso 2. Geração do Potencial de Ação 3. Propagação do Potencial de Ação 4. Transmissão Sináptica
  • 3. EXEMPLO DE FUNÇÃO DO SISTEMA NERVOSO – reflexo de retirada (ou reflexo flexor ou reflexo doloroso)
  • 4. Neurônio Multipolar (ex: motoneurônio) Extremidade Periférica Sensorial, receptores mecânicos Extremidade Central Transmite a informação sensorial para o SNC EXEMPLO DE FUNÇÃO DO SISTEMA NERVOSO – reflexo de retirada (ou reflexo flexor ou reflexo doloroso) = ELEMENTOS NEURAIS Neurônio Pseudo-unipolar sensorial somestésico (ex: tato)
  • 5. O CONCEITO DE BIOELETROGÊNESE BIOELETROGÊNESE = a capacidade que as células vivas possuem de GERAR SINAIS ELÉTRICOS. TODAS as células do organismo apresentam uma DIFERENÇA DE POTENCIAL ELÉTRICO através da membrana plasmática. O lado da membrana voltado para o meio intracelular acumula cargas negativas. A face extracelular acumula cargas positivas. Este é o chamado POTENCIAL DE REPOUSO. Para medirmos esta diferença de potencial, é necessário equipamento adequado que inclui MICROELETRÓDIO, AMPLIFICADOR de sinal, e VOLTÍMETRO
  • 6. IMPORTANTE O potencial de repouso é uma variação de potencial elétrico RESTRITA À MEMBRANA. A CÉLULA COMO UM TODO É ELETRICAMENTE NEUTRA. Somatório das cargas citoplasma + meio extracelular = zero SOBRE O POTENCIAL DE REPOUSO
  • 7. DIFERENÇAS NA COMPOSIÇÃO IÔNICA DO LÍQUIDO INTRACELULAR (CITOPLASMA) EM COMPARAÇÃO COM O MEIO EXTRACELULAR. O QUE GERA ESSA DIFERENÇA? SOBRE O POTENCIAL DE REPOUSO DA DISTRIBUIÇÃO ASSIMÉTRICA DE CARGAS ELÉTRICAS ATRAVÉS DA MEMBRANA
  • 8. A membrana plasmática é composta por uma BICAMADA LIPÍDICA impermeável a íons. Principais componentes lipídicos da membrana: - FOSFOLIPÍDIOS - COLESTEROL SOBRE O POTENCIAL DE REPOUSO MEMBRANA PLASMÁTICA = BARREIRA SELETIVA
  • 9. PROTEÍNAS constituintes da membrana = muitas delas são CANAIS IÔNICOS. A membrana NÃO É TOTALMENTE IMPERMEÁVEL A ÍONS . Existem vários tipos diferentes de canais iônicos. Cada tipo corresponde a uma proteína diferente e é ESPECÍFICO PARA UM DETERMINADO ÍON (ou classe de íons). SOBRE O POTENCIAL DE REPOUSO POROS SELETIVOS (ou nâo) NA MEMBRANA PLASMÁTICA
  • 10.
  • 11. OUTRAS PROTEÍNAS DE MEMBRANA A BOMBA DE Na+ E K+ A BOMBA DE Na + + K + - retira 3 ÍONS NA+ para o meio extracelular E joga para o citoplasma 2 ÍONS K+. ELETROGÊNICA - gera UMA CONCENTRAÇÃO ALTA DE K+ E BAIXA DE NA+ no citoplasma.
  • 12.
  • 13. SOBRE O POTENCIAL DE REPOUSO INFLUÊNCIA DO K+
  • 14. SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO ETAPAS DA TRANSMISSÃO DA INFORMAÇÃO ESTÍMULO
  • 15. SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO ESTÍMULOS INFRA- E SUPRALIMIAR
  • 16. SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO EVENTOS ELETROQUÍMICOS
  • 17. SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO PROPAGAÇÃO AO LONGO DO AXÔNIO
  • 18. SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO PROPAGAÇÃO AO LONGO DO AXÔNIO
  • 19. SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO FUNÇÃO DA BAINHA DE MIELINA
  • 20. SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO FLUXO POLARIZADO DE INFORMAÇÃO
  • 21. EXEMPLO DE FUNÇÃO DO SISTEMA NERVOSO – reflexo de retirada (ou reflexo flexor ou reflexo doloroso) 1. geração do potencial de ação (receptor sensorial) 2. propagação do potencial de ação (axônio do neurônio sensorial) 3. transmissão sináptica (de um neurônio para outro, que passa a gerar seu próprio potencial de ação) 4. A transmissão sináptica do neurônio motor para a célula muscular resulta na CONTRAÇÃO MUSCULAR
  • 23. Neurônio Multipolar: recebe muitas informações provenientes de outros neurônios que se conectam com seu CORPO CELULAR ou com seus DENDRITOS. Estes contatos entre neurônios diferentes são pontos onde a informação neural é repassada de uma célula para outra. Tais contatos são as chamadas SINAPSES. Conceito de “SINAPSE”
  • 25. Estrutura de uma Sinapse
  • 26.  
  • 27.  
  • 28.
  • 30.  
  • 33.  
  • 37.