SlideShare uma empresa Scribd logo

Aula 02 - Agentes Inteligentes

Leinylson Fontinele
Leinylson Fontinele
Leinylson FontineleProfessor de Computação em UNINASSAU

Slides da aula de Inteligência Artificial

Aula 02 - Agentes Inteligentes

1 de 30
Baixar para ler offline
Aula 02 - Agentes Inteligentes
O que são
Agentes?
Agentes
• Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio
de sensores e de agir sobre esse ambiente por meio de
atuadores.
Aula 2 - 13/08/2010
Exemplos
• Agente humano
– Sensores: Olhos, ouvidos e outros órgãos.
– Atuadores: Mãos, pernas, boca e outras partes do corpo.
• Agente robótico
– Sensores: câmeras e detectores de infravermelho.
– Atuadores: vários motores.
• Agente de software
– Sensores: entrada do teclado, conteúdo de arquivos e pacotes vindos da rede.
– Atuadores: tela, disco, envio de pacotes pela rede.
Aula 2 - 13/08/2010
Mapeando percepções em ações
• Sequência de percepções: história completa de tudo que o agente
percebeu.
• O comportamento do agente é dado abstratamente pela função do
agente:
[f: P*  A]
onde é a P* é uma sequência de percepções e A é uma ação.
• O programa do agente roda em uma arquitetura física para produzir f.
• Agente = arquitetura + programa.
Aula 2 - 13/08/2010
Exemplo:
O mundo do aspirador de pó
• Percepções: local e conteúdo
– Exemplo: [A, sujo]
• Ações: Esquerda, Direita, Aspirar, NoOp
Aula 2 - 13/08/2010

Recomendados

Agentes Inteligentes - IA
Agentes Inteligentes - IAAgentes Inteligentes - IA
Agentes Inteligentes - IAThiago Marinho
 
Agentes inteligentes
Agentes inteligentesAgentes inteligentes
Agentes inteligentesVanessa Biff
 
Analise e projetos orientados a objetos
Analise e projetos orientados a objetosAnalise e projetos orientados a objetos
Analise e projetos orientados a objetosSliedesharessbarbosa
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareRonney Moreira de Castro
 
agentes baseados em conhecimento
agentes baseados em conhecimentoagentes baseados em conhecimento
agentes baseados em conhecimentoelliando dias
 
Interação Homem Computador Aula 02
Interação Homem Computador Aula 02Interação Homem Computador Aula 02
Interação Homem Computador Aula 02igoroliveiracosta
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosCloves da Rocha
 
Qualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de softwareQualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de softwareAlex Camargo
 
Tecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De Software
Tecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De SoftwareTecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De Software
Tecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De Softwaremarthahuback
 
Curso Inteligência Artificial - Parte 1 -
Curso Inteligência Artificial - Parte 1 -Curso Inteligência Artificial - Parte 1 -
Curso Inteligência Artificial - Parte 1 -ronaldo ramos
 
Aula 2 introdução a sistemas distribuídos
Aula 2   introdução a sistemas distribuídosAula 2   introdução a sistemas distribuídos
Aula 2 introdução a sistemas distribuídosEduardo de Lucena Falcão
 
Estimativa de software usando pontos de função
Estimativa de software usando pontos de funçãoEstimativa de software usando pontos de função
Estimativa de software usando pontos de funçãoClaudio Martins
 
Computação Móvel e Ubíqua
Computação Móvel e UbíquaComputação Móvel e Ubíqua
Computação Móvel e UbíquaIury Teixeira
 
Fundamentos da Inteligencia Artificial :: Prof Dr. Carlos Estombelo
Fundamentos da Inteligencia Artificial :: Prof Dr. Carlos EstombeloFundamentos da Inteligencia Artificial :: Prof Dr. Carlos Estombelo
Fundamentos da Inteligencia Artificial :: Prof Dr. Carlos EstombeloRogerio P C do Nascimento
 
Analise de Requisitos
Analise de RequisitosAnalise de Requisitos
Analise de Requisitoselliando dias
 
Aula 1 requisitos
Aula 1   requisitosAula 1   requisitos
Aula 1 requisitoslicardino
 
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Normas e Padrões para a Qualidade de SoftwareNormas e Padrões para a Qualidade de Software
Normas e Padrões para a Qualidade de SoftwareDanilo Sousa
 
Sistemas de controle de versão
Sistemas de controle de versãoSistemas de controle de versão
Sistemas de controle de versãoMarcos Pessoa
 
Áreas de Conhecimento da Engenharia de Software
Áreas de Conhecimento da Engenharia de SoftwareÁreas de Conhecimento da Engenharia de Software
Áreas de Conhecimento da Engenharia de SoftwareElaine Cecília Gatto
 
Mps-br gerencia de decisões
Mps-br gerencia de  decisõesMps-br gerencia de  decisões
Mps-br gerencia de decisõesdionilson lemos
 

Mais procurados (20)

Engenharia semiotica
Engenharia semioticaEngenharia semiotica
Engenharia semiotica
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Qualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de softwareQualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de software
 
Tecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De Software
Tecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De SoftwareTecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De Software
Tecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De Software
 
Introdução à sistemas distribuídos
Introdução à sistemas distribuídosIntrodução à sistemas distribuídos
Introdução à sistemas distribuídos
 
Curso Inteligência Artificial - Parte 1 -
Curso Inteligência Artificial - Parte 1 -Curso Inteligência Artificial - Parte 1 -
Curso Inteligência Artificial - Parte 1 -
 
Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
 
Aula 2 introdução a sistemas distribuídos
Aula 2   introdução a sistemas distribuídosAula 2   introdução a sistemas distribuídos
Aula 2 introdução a sistemas distribuídos
 
Estimativa de software usando pontos de função
Estimativa de software usando pontos de funçãoEstimativa de software usando pontos de função
Estimativa de software usando pontos de função
 
Computação Móvel e Ubíqua
Computação Móvel e UbíquaComputação Móvel e Ubíqua
Computação Móvel e Ubíqua
 
Fundamentos da Inteligencia Artificial :: Prof Dr. Carlos Estombelo
Fundamentos da Inteligencia Artificial :: Prof Dr. Carlos EstombeloFundamentos da Inteligencia Artificial :: Prof Dr. Carlos Estombelo
Fundamentos da Inteligencia Artificial :: Prof Dr. Carlos Estombelo
 
Analise de Requisitos
Analise de RequisitosAnalise de Requisitos
Analise de Requisitos
 
Aula 1 requisitos
Aula 1   requisitosAula 1   requisitos
Aula 1 requisitos
 
Teste de Software - Introdução
Teste de Software - IntroduçãoTeste de Software - Introdução
Teste de Software - Introdução
 
Aula 7 - Modelagem de Software
Aula 7 - Modelagem de SoftwareAula 7 - Modelagem de Software
Aula 7 - Modelagem de Software
 
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Normas e Padrões para a Qualidade de SoftwareNormas e Padrões para a Qualidade de Software
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
 
Sistemas de controle de versão
Sistemas de controle de versãoSistemas de controle de versão
Sistemas de controle de versão
 
Áreas de Conhecimento da Engenharia de Software
Áreas de Conhecimento da Engenharia de SoftwareÁreas de Conhecimento da Engenharia de Software
Áreas de Conhecimento da Engenharia de Software
 
Mps-br gerencia de decisões
Mps-br gerencia de  decisõesMps-br gerencia de  decisões
Mps-br gerencia de decisões
 

Semelhante a Aula 02 - Agentes Inteligentes

IA - Aula 03 - Agentes parte 1
IA - Aula 03 - Agentes parte 1IA - Aula 03 - Agentes parte 1
IA - Aula 03 - Agentes parte 1Andrei Formiga
 
Aula4AgentesIntelig.ppt
Aula4AgentesIntelig.pptAula4AgentesIntelig.ppt
Aula4AgentesIntelig.pptIsaac Medeiros
 
IA - Aula 04 - Agentes parte 2
IA - Aula 04 - Agentes parte 2IA - Aula 04 - Agentes parte 2
IA - Aula 04 - Agentes parte 2Andrei Formiga
 
Agent based software development
Agent based software developmentAgent based software development
Agent based software developmentAlan Prando
 
Especificações iniciais de agentes inteligentes
Especificações iniciais de agentes inteligentesEspecificações iniciais de agentes inteligentes
Especificações iniciais de agentes inteligentesNécio de Lima Veras
 
[GUTS-RS] Evento julho 2017 - Como iniciar os testes de performance em uma a...
[GUTS-RS] Evento julho 2017 -  Como iniciar os testes de performance em uma a...[GUTS-RS] Evento julho 2017 -  Como iniciar os testes de performance em uma a...
[GUTS-RS] Evento julho 2017 - Como iniciar os testes de performance em uma a...GUTS-RS
 
Seminario sma,abms e netlogo
Seminario   sma,abms e netlogoSeminario   sma,abms e netlogo
Seminario sma,abms e netlogoDiogo Winck
 
Ambientes em Sistemas Multi-agentes
Ambientes em Sistemas Multi-agentesAmbientes em Sistemas Multi-agentes
Ambientes em Sistemas Multi-agentesNécio de Lima Veras
 
Handbook Usability Testing - Capitulo 6
Handbook Usability Testing - Capitulo 6Handbook Usability Testing - Capitulo 6
Handbook Usability Testing - Capitulo 6Luiz Agner
 
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuáriosAula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuáriosAndré Constantino da Silva
 
Qual é a natureza (PEAS) dos ambientes a seguir_.pdf
Qual é a natureza (PEAS) dos ambientes a seguir_.pdfQual é a natureza (PEAS) dos ambientes a seguir_.pdf
Qual é a natureza (PEAS) dos ambientes a seguir_.pdfNathalyLorenaSantosR
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6douglas
 
Palestra no ERCEMAPI 2009
Palestra no ERCEMAPI 2009Palestra no ERCEMAPI 2009
Palestra no ERCEMAPI 2009vpmachado
 
Palestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de UsabilidadePalestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de UsabilidadeLuiz Agner
 
Observando os usuarios
Observando os usuariosObservando os usuarios
Observando os usuariosAlbert José
 
Palestra - Internet das Coisas Robóticas: Os desafios de trabalhar com multia...
Palestra - Internet das Coisas Robóticas: Os desafios de trabalhar com multia...Palestra - Internet das Coisas Robóticas: Os desafios de trabalhar com multia...
Palestra - Internet das Coisas Robóticas: Os desafios de trabalhar com multia...Felipe Mota
 

Semelhante a Aula 02 - Agentes Inteligentes (20)

Notas sobre agentes inteligentes
Notas sobre agentes inteligentesNotas sobre agentes inteligentes
Notas sobre agentes inteligentes
 
IA - Aula 03 - Agentes parte 1
IA - Aula 03 - Agentes parte 1IA - Aula 03 - Agentes parte 1
IA - Aula 03 - Agentes parte 1
 
Aula4AgentesIntelig.ppt
Aula4AgentesIntelig.pptAula4AgentesIntelig.ppt
Aula4AgentesIntelig.ppt
 
IA - Aula 04 - Agentes parte 2
IA - Aula 04 - Agentes parte 2IA - Aula 04 - Agentes parte 2
IA - Aula 04 - Agentes parte 2
 
Agent based software development
Agent based software developmentAgent based software development
Agent based software development
 
Especificações iniciais de agentes inteligentes
Especificações iniciais de agentes inteligentesEspecificações iniciais de agentes inteligentes
Especificações iniciais de agentes inteligentes
 
[GUTS-RS] Evento julho 2017 - Como iniciar os testes de performance em uma a...
[GUTS-RS] Evento julho 2017 -  Como iniciar os testes de performance em uma a...[GUTS-RS] Evento julho 2017 -  Como iniciar os testes de performance em uma a...
[GUTS-RS] Evento julho 2017 - Como iniciar os testes de performance em uma a...
 
Seminario sma,abms e netlogo
Seminario   sma,abms e netlogoSeminario   sma,abms e netlogo
Seminario sma,abms e netlogo
 
Ambientes em Sistemas Multi-agentes
Ambientes em Sistemas Multi-agentesAmbientes em Sistemas Multi-agentes
Ambientes em Sistemas Multi-agentes
 
Handbook Usability Testing - Capitulo 6
Handbook Usability Testing - Capitulo 6Handbook Usability Testing - Capitulo 6
Handbook Usability Testing - Capitulo 6
 
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuáriosAula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
 
Usabilidade1
Usabilidade1Usabilidade1
Usabilidade1
 
Qual é a natureza (PEAS) dos ambientes a seguir_.pdf
Qual é a natureza (PEAS) dos ambientes a seguir_.pdfQual é a natureza (PEAS) dos ambientes a seguir_.pdf
Qual é a natureza (PEAS) dos ambientes a seguir_.pdf
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
 
Palestra no ERCEMAPI 2009
Palestra no ERCEMAPI 2009Palestra no ERCEMAPI 2009
Palestra no ERCEMAPI 2009
 
Palestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de UsabilidadePalestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de Usabilidade
 
Aula02
Aula02Aula02
Aula02
 
Observando os usuarios
Observando os usuariosObservando os usuarios
Observando os usuarios
 
08 percurso cognitivo
08 percurso cognitivo08 percurso cognitivo
08 percurso cognitivo
 
Palestra - Internet das Coisas Robóticas: Os desafios de trabalhar com multia...
Palestra - Internet das Coisas Robóticas: Os desafios de trabalhar com multia...Palestra - Internet das Coisas Robóticas: Os desafios de trabalhar com multia...
Palestra - Internet das Coisas Robóticas: Os desafios de trabalhar com multia...
 

Mais de Leinylson Fontinele

Utilização do editor de texto Word
Utilização do editor de texto WordUtilização do editor de texto Word
Utilização do editor de texto WordLeinylson Fontinele
 
Aula 05 - Importância do teste, auditoria e monitoramento
Aula 05 - Importância do teste, auditoria e monitoramentoAula 05 - Importância do teste, auditoria e monitoramento
Aula 05 - Importância do teste, auditoria e monitoramentoLeinylson Fontinele
 
Aula 04 - Implementação efetiva da política de segurança
Aula 04 - Implementação efetiva da política de segurançaAula 04 - Implementação efetiva da política de segurança
Aula 04 - Implementação efetiva da política de segurançaLeinylson Fontinele
 
Aula 02 - Aplicação de contramedidas de segurança para mitigar ataques malici...
Aula 02 - Aplicação de contramedidas de segurança para mitigar ataques malici...Aula 02 - Aplicação de contramedidas de segurança para mitigar ataques malici...
Aula 02 - Aplicação de contramedidas de segurança para mitigar ataques malici...Leinylson Fontinele
 
Aula 03 - Controles de acesso apropriados para sistemas, aplicativos e acesso...
Aula 03 - Controles de acesso apropriados para sistemas, aplicativos e acesso...Aula 03 - Controles de acesso apropriados para sistemas, aplicativos e acesso...
Aula 03 - Controles de acesso apropriados para sistemas, aplicativos e acesso...Leinylson Fontinele
 
Aula 01 - Fundamentos da segurança dos sistemas de informações
Aula 01 - Fundamentos da segurança dos sistemas de informaçõesAula 01 - Fundamentos da segurança dos sistemas de informações
Aula 01 - Fundamentos da segurança dos sistemas de informaçõesLeinylson Fontinele
 
A história da Segurança da Informação
A história da Segurança da InformaçãoA história da Segurança da Informação
A história da Segurança da InformaçãoLeinylson Fontinele
 
Introdução ao Prolog - Prof. Sérgio S. Costa
Introdução ao Prolog - Prof. Sérgio S. CostaIntrodução ao Prolog - Prof. Sérgio S. Costa
Introdução ao Prolog - Prof. Sérgio S. CostaLeinylson Fontinele
 
Aula 02 - Agentes e problemas de busca
Aula 02 - Agentes e problemas de buscaAula 02 - Agentes e problemas de busca
Aula 02 - Agentes e problemas de buscaLeinylson Fontinele
 
Aula 04 - Diagrama de casos de uso
Aula 04 - Diagrama de casos de usoAula 04 - Diagrama de casos de uso
Aula 04 - Diagrama de casos de usoLeinylson Fontinele
 
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 -  Introdução a Engenharia de SoftwareAula 1 -  Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 - Introdução a Engenharia de SoftwareLeinylson Fontinele
 

Mais de Leinylson Fontinele (20)

Utilização do editor de texto Word
Utilização do editor de texto WordUtilização do editor de texto Word
Utilização do editor de texto Word
 
Prática com slide.pptx
Prática com slide.pptxPrática com slide.pptx
Prática com slide.pptx
 
A galinha carijó
A galinha carijóA galinha carijó
A galinha carijó
 
Descrição do Projeto 8 puzzle
Descrição do Projeto 8 puzzleDescrição do Projeto 8 puzzle
Descrição do Projeto 8 puzzle
 
Aula 05 - Importância do teste, auditoria e monitoramento
Aula 05 - Importância do teste, auditoria e monitoramentoAula 05 - Importância do teste, auditoria e monitoramento
Aula 05 - Importância do teste, auditoria e monitoramento
 
Aula 04 - Implementação efetiva da política de segurança
Aula 04 - Implementação efetiva da política de segurançaAula 04 - Implementação efetiva da política de segurança
Aula 04 - Implementação efetiva da política de segurança
 
Aula 01 - Visão Geral da IA
Aula 01 - Visão Geral da IAAula 01 - Visão Geral da IA
Aula 01 - Visão Geral da IA
 
Aula 02 - Aplicação de contramedidas de segurança para mitigar ataques malici...
Aula 02 - Aplicação de contramedidas de segurança para mitigar ataques malici...Aula 02 - Aplicação de contramedidas de segurança para mitigar ataques malici...
Aula 02 - Aplicação de contramedidas de segurança para mitigar ataques malici...
 
Aula 03 - Controles de acesso apropriados para sistemas, aplicativos e acesso...
Aula 03 - Controles de acesso apropriados para sistemas, aplicativos e acesso...Aula 03 - Controles de acesso apropriados para sistemas, aplicativos e acesso...
Aula 03 - Controles de acesso apropriados para sistemas, aplicativos e acesso...
 
Aula 01 - Fundamentos da segurança dos sistemas de informações
Aula 01 - Fundamentos da segurança dos sistemas de informaçõesAula 01 - Fundamentos da segurança dos sistemas de informações
Aula 01 - Fundamentos da segurança dos sistemas de informações
 
A história da Segurança da Informação
A história da Segurança da InformaçãoA história da Segurança da Informação
A história da Segurança da Informação
 
Introdução ao Prolog - Prof. Sérgio S. Costa
Introdução ao Prolog - Prof. Sérgio S. CostaIntrodução ao Prolog - Prof. Sérgio S. Costa
Introdução ao Prolog - Prof. Sérgio S. Costa
 
Caso 1 - Boing 777
Caso 1 - Boing 777Caso 1 - Boing 777
Caso 1 - Boing 777
 
Caso 2 - Aeroporto de Denver
Caso 2 - Aeroporto de DenverCaso 2 - Aeroporto de Denver
Caso 2 - Aeroporto de Denver
 
Aula 02 - Agentes e problemas de busca
Aula 02 - Agentes e problemas de buscaAula 02 - Agentes e problemas de busca
Aula 02 - Agentes e problemas de busca
 
Aula 01 - Visão geral da IA
Aula 01 - Visão geral da IAAula 01 - Visão geral da IA
Aula 01 - Visão geral da IA
 
Aula 07 - Diagrama de sequencia
Aula 07 - Diagrama de sequenciaAula 07 - Diagrama de sequencia
Aula 07 - Diagrama de sequencia
 
Aula 06 - Diagrama de classes
Aula 06 - Diagrama de classesAula 06 - Diagrama de classes
Aula 06 - Diagrama de classes
 
Aula 04 - Diagrama de casos de uso
Aula 04 - Diagrama de casos de usoAula 04 - Diagrama de casos de uso
Aula 04 - Diagrama de casos de uso
 
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 -  Introdução a Engenharia de SoftwareAula 1 -  Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
 

Último

PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfkeiciany
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...manoelaarmani
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIAHisrelBlog
 
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfQ20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfPedroGual4
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfalexandrerodriguespk
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoPaula Meyer Piagentini
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfAndreiaSilva852193
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOColaborar Educacional
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 

Último (20)

PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
 
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfQ20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 

Aula 02 - Agentes Inteligentes

  • 3. Agentes • Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de agir sobre esse ambiente por meio de atuadores. Aula 2 - 13/08/2010
  • 4. Exemplos • Agente humano – Sensores: Olhos, ouvidos e outros órgãos. – Atuadores: Mãos, pernas, boca e outras partes do corpo. • Agente robótico – Sensores: câmeras e detectores de infravermelho. – Atuadores: vários motores. • Agente de software – Sensores: entrada do teclado, conteúdo de arquivos e pacotes vindos da rede. – Atuadores: tela, disco, envio de pacotes pela rede. Aula 2 - 13/08/2010
  • 5. Mapeando percepções em ações • Sequência de percepções: história completa de tudo que o agente percebeu. • O comportamento do agente é dado abstratamente pela função do agente: [f: P*  A] onde é a P* é uma sequência de percepções e A é uma ação. • O programa do agente roda em uma arquitetura física para produzir f. • Agente = arquitetura + programa. Aula 2 - 13/08/2010
  • 6. Exemplo: O mundo do aspirador de pó • Percepções: local e conteúdo – Exemplo: [A, sujo] • Ações: Esquerda, Direita, Aspirar, NoOp Aula 2 - 13/08/2010
  • 7. Uma função para o agente aspirador de pó Sequência de Percepções Ação [A, Limpo] Direita [A, Sujo] Aspirar [B, Limpo] Esquerda [B, Sujo] Aspirar [A, Limpo], [A, Limpo] Direita [A, Limpo], [A, Sujo] Aspirar ... [A, Limpo], [A, Limpo], [A, Limpo] Direita [A, Limpo], [A, Limpo], [A, Sujo] Aspirar ... Programa: Se o quadrado atual estiver sujo, então aspirar, caso contrário mover para o outro lado. Aula 2 - 13/08/2010
  • 8. Agentes Racionais • Como preencher corretamente a tabela de ações do agente para cada situação? • O agente deve tomar a ação “correta” baseado no que ele percebe para ter sucesso. – O conceito de sucesso do agente depende uma medida de desempenho objetiva. • Exemplos: quantidade de sujeira aspirada, gasto de energia, gasto de tempo, quantidade de barulho gerado, etc. – A medida de desempenho deve refletir o resultado realmente desejado. Aula 2 - 13/08/2010
  • 9. Agentes Racionais • Agente racional: para cada sequência de percepções possíveis deve selecionar uma ação que se espera venha a maximizar sua medida de desempenho, dada a evidência fornecida pela seqüência de percepções e por qualquer conhecimento interno do agente. – Exercício: para que medida de desempenho o agente aspirador de pó é racional? Aula 2 - 13/08/2010
  • 10. Agentes Racionais • Racionalidade é diferente de perfeição. – A racionalidade maximiza o desempenho esperado, enquanto a perfeição maximiza o desempenho real. – A escolha racional só depende das percepções até o momento. • Mas os agentes podem (e devem!) executar ações para coleta de informações. – Um tipo importante de coleta de informação é a exploração de um ambiente desconhecido. • O agente também pode (e deve!) aprender, ou seja, modificar seu comportamento dependendo do que ele percebe ao longo do tempo. – Nesse caso o agente é chamado de autônomo. – Um agente que aprende pode ter sucesso em uma ampla variedade de ambientes. Aula 2 - 13/08/2010
  • 11. PEAS • Ao projetar um agente, a primeira etapa deve ser sempre especificar o ambiente de tarefa. – Performance = Medida de Desempenho – Environment = Ambiente – Actuators = Atuadores – Sensors = Sensores Aula 2 - 13/08/2010
  • 12. Exemplo de PEAS: Motorista de Táxi Automatizado • Medida de desempenho: viagem segura, rápida, sem violações às leis de trânsito, confortável para os passageiros, maximizando os lucros. • Ambiente: ruas, estradas, outros veículos, pedestres, clientes. • Atuadores: direção, acelerador, freio, embreagem, marcha, seta, buzina. • Sensores: câmera, sonar, velocímetro, GPS, hodômetro, acelerômetro, sensores do motor, teclado ou microfone. Aula 2 - 13/08/2010
  • 13. Exemplo de PEAS: Sistema de Diagnóstico Médico • Medida de desempenho: paciente saudável, minimizar custos, processos judiciais. • Ambiente: paciente, hospital, equipe. • Atuadores: exibir na tela perguntas, testes, diagnósticos, tratamentos. • Sensores: entrada pelo teclado para sintomas, descobertas, respostas do paciente. Aula 2 - 13/08/2010
  • 14. Exemplo de PEAS: Robô de seleção de peças • Medida de desempenho: porcentagem de peças em bandejas corretas. • Ambiente: correia transportadora com peças; bandejas. • Atuadores: braço e mão articulados. • Sensores: câmera, sensores angulares articulados. Aula 2 - 13/08/2010
  • 15. Exemplo de PEAS: Instrutor de Inglês Interativo • Medida de desempenho: maximizar nota de aluno em teste. • Ambiente: conjunto de alunos. • Atuadores: exibir exercícios, sugestões, correções. • Sensores: entrada pelo teclado. Aula 2 - 13/08/2010
  • 16. Propriedades de ambientes de tarefa • Completamente observável (versus parcialmente observável) – Os sensores do agente dão acesso ao estado completo do ambiente em cada instante. – Todos os aspectos relevantes do ambiente são acessíveis. • Determinístico (versus estocástico) – O próximo estado do ambiente é completamente determinado pelo estado atual e pela ação executada pelo agente. – Se o ambiente é determinístico exceto pelas ações de outros agentes, dizemos que o ambiente é estratégico. Aula 2 - 13/08/2010
  • 17. Propriedades de ambientes de tarefa • Episódico (versus sequencial) – A experiência do agente pode ser dividida em episódios (percepção e execução de uma única ação). – A escolha da ação em cada episódio só depende do próprio episódio. • Estático (versus dinâmico) – O ambiente não muda enquanto o agente pensa. – O ambiente é semidinâmico se ele não muda com a passagem do tempo, mas o nível de desempenho do agente se altera. Aula 2 - 13/08/2010
  • 18. Propriedades de ambientes de tarefa • Discreto (versus contínuo) – Um número limitado e claramente definido de percepções e ações. • Agente único (versus multi-agente) – Um único agente operando sozinho no ambiente. – No caso multi-agente podemos ter • Multi-agente cooperativo • Multi-agente competitivo Aula 2 - 13/08/2010
  • 19. Exemplo Xadrez com relógio Xadrez sem relógio Direção de Táxi Completamente observável Sim Sim Não Determinístico Sim Sim Não Episódico Não Não Não Estático Semi Sim Não Discreto Sim Sim Não Agente único Não Não Não • O tipo de ambiente de tarefa determina em grande parte o projeto do agente. • O mundo real é parcialmente observável, estocástico, seqüêncial, dinâmico, contínuo, multi-agente. Aula 2 - 13/08/2010
  • 20. Programas e funções de agentes • Um agente é completamente especificado pela função de agente que mapeia sequências de percepções em acções. • Uma única função de agente (ou uma única classe de funções equivalentes) é racional. • Objetivo: encontrar uma maneira de representar a função racional do agente concisamente. Aula 2 - 13/08/2010
  • 21. Agente Dirigido por Tabela Função AGENTE-DIRIGIDO-POR-TABELA(percepção) retorna uma ação Variáveis estáticas: • percepções, uma seqüência, inicialmente vazia • tabela, uma tabela de ações, indexada por seqüências de percepções, de início completamente especificada anexar percepção ao fim de percepções ação ← ACESSAR(percepções, tabela) retornar ação • Desvantagens: – Tabela gigante (xadrez = 10150 entradas) – Tempo longo para construir a tabela – Não tem autonomia – Mesmo com aprendizado demoraria muito para aprender a tabela. Aula 2 - 13/08/2010
  • 22. Tipos básicos de agentes • Quatro tipos básicos, do mais simples ao mais geral – Agentes reativos simples – Agentes reativos baseados em modelos – Agentes baseados em objetivos – Agentes baseados na utilidade Aula 2 - 13/08/2010
  • 23. Agente Reativo Simples Aula 2 - 13/08/2010
  • 24. Exemplo: Agente Reativo Simples • Regras condição-ação (regras se-então) fazem uma ligação direta entre a percepção atual e a ação. • O agente funciona apenas se o ambiente for completamente observável e a decisão correta puder ser tomada com base apenas na percepção atual. Função AGENTE-ASPIRADOR-DE-PÓ-REATIVO([posição,estado]) retorna uma ação se estado = Sujo então retorna Aspirar senão se posição = A então retorna Direita senão se posição = B então retorna Esquerda Aula 2 - 13/08/2010
  • 25. Agentes reativos baseados em modelos Aula 2 - 13/08/2010
  • 26. Agentes reativos baseados em modelo Função AGENTE-REATIVO-COM-ESTADOS(percepção) retorna uma ação Variáveis estáticas: estado, uma descrição do estado atual do mundo regras, um conjunto de regras condição-ação ação, a ação mais recente, incialmente nenhuma estado ← ATUALIZA-ESTADO(estado, ação, percepção) regra ← REGRA-CORRESPONDENTE(estado, regras) ação ← AÇÃO-DA-REGRA[regra] retornar ação Aula 2 - 13/08/2010
  • 27. Agentes reativos baseados em objetivos Aula 2 - 13/08/2010
  • 28. Agentes reativos baseados na utilidade Aula 2 - 13/08/2010
  • 30. Referências • Adaptado de Bianca Zadrozny