Cap 10

166 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
166
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cap 10

  1. 1. PO RTA L MA C HA D O D E A S S I SA P R E S E NTA
  2. 2. A noite passa e o dia de domingochega, Maria esta na cozinha, preparando o cafépara o filho _Será que ele pegou o ônibus? –Questiona Maria, seu marido responde com umaleve expressão facial _Quem será esse traficante heinRodrigo? – Questiona Maria _Parece que ele já era do morro, masdepois de cometer um crime, fugiu, parece que semudou pro nordeste, mas ele foi pego por tráfico eficou preso por algum tempo
  3. 3. _Meu deus – Diz Maria Enquanto isso Davi se encontra na casade Robson, um garoto invade o local _O que tu quer? – Questiona Davi _Fiquei sabendo que tu vai pro interior– Questiona – Vai fugir do ... – O garoto éinterrompido por Davi _Eu num sou homem de fugir, eu vou éacabar com esse cara! – Diz Davi _Ele é da pesada cara – Alerta o garoto _Num to nem aí cara – Diz Davi
  4. 4. O garoto deixa a casa e Davi cai em umprofundo sono. Aproveitando o momento defraqueza de Davi, um homem invadiu a casa, eleage rápido, fecha todas as janelas e portas, logoapós, liga o gás do fogão, ele deixa o local, Daviestava a mercê da morte, não havia duvidas queaquilo fora plano do tal traficante para acabar coma vida do garoto. Enquanto isso, Maria esta a conversarcom seu marido _Será que ele foi mesmo? _Sinceramente, acho que não –Responde Rodrigo
  5. 5. _mas... _No fundo, você sabia que ela não iria ir– diz o marido _mas, ele pode ter ido – Diz Maria –Vou acabar com essa duvida, irei até a casa do talRobson – Maria então segue rumo até a residênciaonde seu filho estava, ela adentra ao local e senteum forte cheiro de gás, ela procura pelo filho, oencontrando desacordado sobre a cama, ela opega pelo braço e o arrasta para fora de casa _Socorro! Tentaram matar meu filho!!!– Grita Maria, chamando a atenção de algunspopulares
  6. 6. _Temos que levá-lo para algum hospital– Alerta um senhor, prontamente uma mulherdisponibiliza seu carro para o transporte do garotoaté pronto socorro, chegando lá, Maria é atendidapelo médico, que acabara de fazer os exames emDavi _É grave doutor? – Questiona Maria _Não, ele apenas terá que ficar emobservação por algumas horas _Eu posso vê-lo? – Questiona Maria _Claro, venha comigo – Diz o Médico,levando Maria até um quarto onde estava Davi,deitado sobre uma cama.
  7. 7. _Eu não falei pra tu ir para o interior _Mas... – Davi é interrompido pela mãe _Mas nada! – Diz Maria _Desculpe mãe, eu estou arrependidopor ter feito a senhora sofrer e por tudo o que fiz,eu me arrependi, quero sair da vida do crime, meajuda mãe! – Suplica Davi _Tem um outro ônibus a noite que levaaté o interior, saindo do hospital nós vamosdiretamente para a rodoviária As horas passa e Davi é liberado, ele esua mãe agora já se encontram em casa
  8. 8. _Já pegou suas coisas filho? – Diz Maria _Sim – Responde Davi, feliz _Finalmente você se livrará do crime –Diz Maria emocionada – Bom, cadê o dinheiro quehavia te dado? _Poxa – Diz Davi após procurar aquantia em sua roupa – Acho que esqueci odinheiro naquele barraco, deixe-me ir buscar – Dizele, já saindo de casa _Tome cuidado! – Grita Maria –Finalmente meu filho poderá ser feliz – Diz Mariaao Marido, Marina adentra ao local
  9. 9. _Maria!!! Olha o que eu achei! – Diz ela _O que mulher? – pergunta Maria _Achei a foto do tal traficante, olha só –Marina entrega a fotografia nas mãos da Amiga –Olha só Maria olha atentamente a foto, apósalguns instantes, ela reconhece o sujeito e numato de espanto deixa a fotografia cair no chão _O que foi Maria! – pergunta Rodrigo,que é interrompido pela entrada de um meninoapavorado
  10. 10. _Ajudem, o traficante ta querendomatar o Davi!!! – Maria sai correndo rumo a rua,ela vê o tal traficante com a arma apontada para acabeça de Dav _NÃO!!! – Grita Maria um pouco antesdo bandido atirar quatro vezes no peito de seufilho, ela corre rumo a Davi, o pegando nos braços- ELE ERA SEU FILHO!!! – grita Maria, o traficanteera ninguém menos do que Rafael, o homem quehavia violentado Maria. Rafael é contido porpopulares, já Maria segura Davi, cujo qual esta emseus últimos suspiros _Desculpa...
  11. 11. _Davi, resista! Você vai se recuperarmeu filho! – Diz Maria, chorando _Desculpa Mãe... – Diz Davi um poucoantes de morrer, Maria chora e gritacopiosamente, ela esta inconformada, com aajuda de seu marido e de marina, ela leva seu filhoaté sua casa. Maria então é tomada por uma tristenostalgia
  12. 12. “Gemidos numa noite de domingomadrugadaLágrimas em gotas em pingos são enxugadasVozes soadas com gritos em doses meio falhadasAbraços em amigos que trazem uma palavraLembranças já vêm da pequena criança que(nem tinha maldade na mente)Dependente da mãe que era crente no pai(era apenas um garoto inocente)Lembranças da criança em seu colo balançandoQuando triste ainda com fome em seu colo só quechorando
  13. 13. Sua mãe lembra da sua formatura do prézinho,Um bom menino o aniversario de cinco aninhos.E pra comemorar o aniversário tinha uma pá decriança em voltaDe um bolo feito de fubá,Com seu pai desempregado não tinha dinheironem pra misturaSua mãe sem poder dar um presente sentia culpa.Sabe quanto eu luteiPra fazer você felizEu te eduquei não tinha dinheiroMas te ensinei
  14. 14. A minha parte eu sei que eu fiz.(bis)Maiorzinho ele estava, da sua idade o mais ligeiroCabulava aula pra empinar pipa o dia inteiroEra novo mais se ligava no movimentoDe pouco em pouco lhe falavam que ele tinha mótalentoUm dia ele viu um maluco com um boot muitoloucoPediu um igual pra mãe e tomou coqui no côcoNão entendeu porque outro podia ter e ele nãoEstava cansado daquela miséria, de toda aquelasituação
  15. 15. Com 13 anos de idade recebeu um bom presenteA malandragem de onde morava, ficou contenteUma proposta, cem reais pra levar mercadoria,Era fácil é só entregar, e depois só alegria.Chegou esse garoto em sua casa esse dia,Com mistura sacolas de Danone a reveriaSurpresa, sua mãe quando abriu a geladeiraDeu sermão em seu filho com seu marido a noiteinteira:"Aonde você arrumou?Que mercado cê roubou? Nunca te ensinamosisso.
  16. 16. mãe não roubei, esse dinheiro eu conquistei,Ganhei com o esforço de meu serviço, é isso!Você nem trabalha menino! Quem te deu serviçoassim tão novo tão cedo?E mesmo assim isso é estranho pra mim,Por que é que tem muito dinheiro.Foi sermão a noite inteira, mas pra ele valeu apenaFoi diferente de outros dias, dormiu de barrigacheiaAcordou cedo e disposto sem medo para otrabalho,
  17. 17. Entregaram uma arma na mão desse frangalho.Disseram que ele teria que cobrar uma dívida,De um nóia que se pá ele teria que matar.Gelo, falo, pros malucos "aí num dá".E os malucos disse "ta na chuva é pra se molhar".Quer coragem, pó cheira dessa carreira,Que com isso aqui você vai ter coragem pra matara noite inteiraE assim foi se tornando o mais psico da quebradaMatava sem dor e sem dó, ossos do ofício, só pelopó
  18. 18. A cocaína lhe fazia mais homem nessa sangria,Um dia ele matou um homem com quinze tiros eainda riaSua mãe, sua amiga, de corrida a vida inteira,Já previa e sentia o que no futuro aconteceria _Sabe quanto eu lutei Pra fazer você feliz Eu te eduquei não tinha dinheiro Mas te ensinei A minha parte eu sei que eu fiz... –Conforma-se Maria
  19. 19. E certo dia o jovem que era tirado pela maioriaSó por que dizia que era crente e Jesus em sua vidasentia.Parou esse garoto e disse pra ele mudar de vida,Que aquela era sua chance que Jesus o ajudaria.Nem deixou o crente terminar, já saiu socando,Dando coronhada na cara e na nuca do fulanoGritando, ta tirando, que mudar de vida, ta tirandoQuer que eu volte a passar fome, eu sou malandro.Ele se achava mais homem que qualquer um,Uns diziam que tinha jurado um tal de MussumE na noite passada sua mãe ouviu uma pá de tiro,
  20. 20. Saiu lá pra fora e viu o tal Mussum matar seu filhoSaiu correndo e disse:"Deus, cê sabe que eu fiz de tudo...Mas ele não me ouviu e preferiu esse outromundo"No velório o pai e mãe chorando, poucas palavras,Conversavam com o corpo do filho morto naquelasala.
  21. 21. _Sabe quanto eu lutei Pra fazer você feliz Eu te eduquei não tinha dinheiro Mas te ensinei A minha parte eu sei que eu fiz... –Conforma-se MariaPor ter cessado sua existência terrena,Entregaremos seu corpo a terra.Terra a terra, cinza a cinza, pó ao pó.O espírito nós os deixamos nas mãos de Deus.Esse é o ponto final de uma vida, no sepulcro nãohá obras,
  22. 22. Nem conhecimento nem sabedoria, e ele todosnós iremos cedo ou tarde.Confiemos naquele que diz:-Eu sou a ressurreição e a vida aquele que Crê emmim ainda que esteja morto, viverá (João 11.25) Letra da Música “Naquela sala” doGrupo “Ao Cubo”
  23. 23. ©2013 Portal Machado de Assis

×