Pulverização

555 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
555
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pulverização

  1. 1. Aplicação de Agrotóxicos * Herbicidas * Inseticidas Disciplina : Silvicultura Aula: 12 Prof° : Eng. Flor. MS Wagner Corrêa Santos Profº Eng. Flor. Wilson Cesar
  2. 2. Diferença entre pulverização e aplicação • Pulverização: processo físico-mecânico de transformação de uma substância líquida em partículas ou gotas. • Aplicação: Deposição de gotas sobre um alvo desejado, com tamanho e densidade adequadas ao objetivo proposto.
  3. 3. Diferença entre regular e calibrar o equipamento • Regular: ajustar os componentes da máquina às características da cultura e produtos a serem utilizados. Ex.: Ajuste da velocidade, tipos de pontas, espaçamento entre bicos, altura da barra etc. • Calibrar: verificar a vazão das pontas, determinar o volume de aplicação e a quantidade de produto a ser colocada no tanque. É muito comum os aplicadores ignorarem a regulagem e realizarem apenas a calibração, o que pode provocar perdas significativas de tempo e de produto.
  4. 4. Interação ( Produto x Pulverizador) • Agitação da Calda • Utilização de filtros corretos • Volume de pulverização • Tamanhos de gotas • Bicos de pulverização • Condições climáticas
  5. 5. Agitação da calda •Manual ou Mecanico • Má agitação interfere na eficácia do produto Pó Molhavel (PM) e Solução Concentrada (SC) = Depositam no fundo do Pulverizador Concentrado emulsionável (CE) = Ficam na superfície da calda
  6. 6. Filtros Deve-se escolher um filtro que não barre a passagem homogênea do agrotóxico Ex: Soluções que não se misturam a água, deve-se utilizar filtros com malhas maiores, para não ocorrer obstrução deste. Pó molhavel (PM) Suspensão concentrada (SC)
  7. 7. Volume de Pulverização O volume de Pulverização depende de vários fatores, onde deve-se considerar a importância de colocar o produto de forma correta no alvo com o mínimo de desperdício e contaminação do meio ambiente, onde deve-se trabalhar com o menor volume possível para atingir o objetivo
  8. 8. Tamanho de Gotas a) Gotas grandes (> 400 µm): menos arrastadas pela deriva,menores problemas de evaporação no trajeto da ponta ao alvo, menor cobertura da superfície , baixa capacidade de penetração na cultura e alta escorrimento do produto nas folhas. b) Gotas médias (200-400 µm): possuem características intermediárias entre as grandes e as pequenas. Se não houver qualquer indicação na bula do produto fitossanitário, deve-se utilizar gotas de tamanho médio, com o objetivo de reduzir a probabilidade de erros na aplicação. c) Gotas pequenas (<200 µm): mais arrastadas pela deriva, grande evaporação na aplicação, maior cobertura do alvo capacidade de penetração e baixo escorrimento Importante: Em toda pulverização, seja ela classificada como fina, média ou grossa, existirão gotas pequenas, médias e grandes, variando-se apenas a proporção entre elas.
  9. 9. Bicos de Pulverização Neles, um líquido sob pressão é forçado através de uma pequena abertura, de tal forma que o líquido se espalha, formando uma lâmina que posteriormente se desintegra em gotas de diferentes tamanhos. Componentes do bico
  10. 10. Os bicos são classificados pela sua: * Forma de Jato ( Plano e Cônico) * Angulo de Abertura * Pressão - Cerâmica; - Pressão operacional: 30 a 60 lbf.pol²; - Ângulo de pulverização: 110° a 45 lbf.pol². - Poliacetal; - Pressão operacional: 30 a 90 lbf.pol²; - Ângulo de pulverização: 95° a 45 lbf.pol².
  11. 11. Pontas de Jatos Planos * Também denominada Tipo leque ou Impacto *È indicada para aplicações em alvos planos (solo) * Muito utilizada na aplicação de herbicidas
  12. 12. As pontas de jato plano 'leque' podem ainda ser subdivididas em: 1)padrão: perfil elíptico, ideal para utilização em barras; 2) uniforme: para utilização em faixas, sem sobreposição 3) redutora de deriva: possui um pré-orifício especialmente desenhado para proporcionar gotas mais grossas e reduzir o número de gotas pequenas com tendência de deriva;
  13. 13. indução de ar: possui uma câmara onde a calda é misturada ao ar succionado por um sistema venturi, proporcionando gotas mais grossas e reduzindo o número de gotas pequenas leque duplo: possui dois orifícios idênticos produzindo um leque voltado 30º para frente e outro 30º para trás em relação à vertical.
  14. 14. Pontas de jato cônico: são tipicamente compostas por dois componentes denominados de ponta (ou disco) e núcleo (difusor, caracol, espiral ou core). Os jatos cônicos são recomendados para aplicação em superfície irregular folhas , pois tem melhor cobertura da superfície Os jatos cônicos podem ser cheio e vazio, sendo o cone cheio recomendado para barras pulverizadoras acopladas a trator
  15. 15. Influências climáticas Fatores que podem interromper uma pulverização: * ventos ( alta deriva) * Temperatura * Umidade relativa do ar Condições ideais: Umidade relativa do ar: mínima de 55%; Velocidade do vento: 3 a 10 km/h; Temperatura: abaixo de 30º C.

×